Arquivo do mês: dezembro 2007

Trovadorismo

Literatura Medieval – o Trovadorismo

Para conhecer a literatura medieval, precisamos, antes, conhecer um pouco da Idade Média, relembrar as aulas de História.

A Idade Média foi o tempo em que nasceram as nações européias como as conhecemos hoje. Para que isso ocorresse, foi necessário encerrar o período feudalista, em que o poder estava nas mãos dos senhores feudais, e restabelecer o poder dos reis, reconhecendo neles a autoridade de governo. Isso só foi possível graças ao Renascimento Comercial.

As viagens dos mercadores ao Oriente colocaram os europeus em contato com uma realidade diferente. No Oriente, havia cidades prósperas, bonitas, e um comércio intenso de produtos requintados há muito tempo ignorados pelos europeus. Ao poucos, os mercadores intensificaram o comércio com o Oriente, inicialmente pelo Mediterrâneo, a partir das cidades italianas de Gênova e Veneza. Por mar e por terra, as rotas comerciais se expandiram em todas as direções, fazendo surgir novas cidades e enriquecendo uma nova classe social: a dos burgueses comerciantes.

A força do dinheiro dos burgueses chamou a atenção dos reis, que logo se aliaram a eles, enfraquecendo o poder da nobreza (senhores feudais) e da igreja. Apoiados pelo dinheiro dos burgueses, recolhido na forma de impostos, os reis quiseram demonstrar a sua força: organizaram exércitos sob o seu comando, instituíram leis para todo o país, estabeleceram uma língua única e deram vida nova às suas cortes.

A formação de Portugal se deu numa época de transição em que se percebe o sistema feudal em crise e, em contrapartida, o crescimento das atividades mercantis em áreas urbanas. Como afirmam Oscar Lopes e Antônio J. Saraiva no livro História da literatura portuguesa: “Na época em que Portugal se constitui como estado independente, em meados do século XII, encerra-se a chamada “Idade das Trevas”, isto é, a idade em que a economia, a sociedade, a vida política e a cultura estiveram dominadas pela economia rural de auto-subsistência. Começa a desenvolver-se a economia mercantil; em face dos castelos brotam as vilas e cidades povoadas de “burgueses”. Os produtos da terra começam a ser lançados e procurados nos mercados pela gente citadina. Entre o senhor, que usufrui do rendimento da terra, e o servo que o produz, novas classes se instituem, quer ligadas ao trabalho rural, como os pequenos proprietários e os rendeiros livres, quer a novas atividades econômicas, como os mercadores e os negociantes de dinheiro.”

Muito característico também dessa época é o espírito de intensa religiosidade. Grande parte das atividades sociais estava relacionada à Igreja, o homem medieval vivia sob o medo e o temor de Deus, a produção cultural estava, pois, toda ela sujeita à aprovação do clero. Enfim, Deus estava no centro de todas as preocupações.
É por isso que se denomina essa época de teocêntrica.

Seria interessante, também, lembrar as relações de vassalagem entre o senhor feudal e os servos. Essa mesma rigidez e distanciamento vão ser transportados para o relacionamento amoroso na poesia, sob a denominação de amor cortês. Todas essas marcas estarão visíveis na produção artística da época, especialmente na literatura.

Cantigas e Trovadores

É nessa época que surgiram os primeiros textos literários: as cantigas trovadorescas, assim chamadas porque eram compostas e cantadas pelos trovadores, que eram acompanhados por instrumentos musicais como o alaúde, a flauta, a viola, a gaita etc.

Essas composições eram poesias feitas para serem cantadas nas feiras ou nos castelos, só mais tarde foram reunidas em cancioneiros, sendo os mais importantes: o da Ajuda, o da Biblioteca Nacional e o do Vaticano. (As cantigas têm um correspondente na arte popular brasileira: as trovas dos repentistas do Nordeste, que tanto divertem os turistas nas feiras e nas praias).

O texto mais antigo desse período, segundo Carolina Michaelis, é a Canção da Ribeirinha (também conhecida como Canção de Guarvaia), de Paio Soares de Taveirós.

Tipos

Compostas e cantadas no idioma galego-português (comum a Portugal e à Galícia, pois o português propriamente dito ainda não se desenvolvera), as cantigas se dividem em dois tipos: líricas (cantigas de amor e de amigo) e satíricas (de escárnio e maldizer).

As cantigas de escárnio e maldizer eram feitas para ridicularizar alguém, numa linguagem simples, popular e, muitas vezes, obscena.

As cantigas de amor tiveram origem em Provença, no sul da França. Chegaram a Portugal nos contatos entre as cortes e por meio dos romeiros e peregrinos em viagem aos lugares santos. Como se adivinha pelo nome, tratam do relacionamento amoroso e inauguram a forma do amor cortês, em que os trovadores declaram seu amor a uma dama (de posição social superior), pedindo-lhe que aceite sua devoção e colocando-se, submisso, à sua disposição – em uma relação muito parecida com a suserania e vassalagem, percebida na estrutura social medieval.

As cantigas de amigo, ao contrário, tiveram origem na própria Península Ibérica e apresentam uma diferença fundamental em relação à cantiga de amor, o trovador compõe sua cantiga como se fosse uma mulher contando o seu sofrimento à espera do namorado (chamado amigo). Nessa composição, os elementos da natureza (flores, árvores, praias etc.) aparecem assim como pessoas do ambiente familiar (mãe, amigas etc) atribuindo à cantiga um caráter popular. (Modernamente, Chico Buarque de Holanda, em muitas de suas composições, dá voz a uma mulher que canta seus sofrimentos de amor).

A TROVA

Segundo o trovador paranaense A. A. de Assis, a língua portuguesa nasceu cantando trovas, isso há mais de mil anos, na voz dos jograis e menestréis que iam de cidade em cidade espalhando os seus versos.Cultivara-se a trova inicialmente no sul da França, de lá se espalhando por toda a Europa, até encontrar na Espanha e, finalmente, em Portugal, o seu mais fértil canteiro.

Nas cortes portuguesas a trova alcançou grande esplendor. Era a poesia dos reis, como o célebre Dom Dinis; dela se serviram Gil Vicente e Camões; mais recentemente, cantaram em trovas Augusto Gil, Antônio Correia de Oliveira, Fernando Pessoa.

Ao Brasil a trova chegou nas caravelas de Cabral. Facilmente aclimatou-se, caiu no gosto do povo, e até hoje perdura, ganhando a cada dia mais adeptos. Cultivou-a José de Anchieta; passou por Gregório de Matos; pelos árcades (Tomás Antônio Gonzaga, Alvarenga Peixoto, Cláudio Manuel da Costa); pelos românticos (Gonçalves Dias, Casimiro de Abreu, Castro Alves); pelos parnasianos (Olavo Bilac, Alberto de Oliveira, Vicente de Carvalho); pelos simbolistas (Cruz e Souza, Alphonsus de Guimarães; pelos modernistas (Mário de Andrade, Manuel Bandeira, Carlos Drumonnd de Andrade)…

Mas a grande expansão da trova no Brasil, com repercussão imediata em Portugal, deu-se mesmo a partir de 1956, com o lançamento de “Meus irmãos, os trovadores”, uma coletânea de duas mil trovas organizada por Luiz Otávio, na época o trovador mais conhecido em todo o país. No livro aparecem, entre centenas de outros autores, alguns poetas já consagrados e que se especializaram em trovas: Adelmar Tavares (o primeiro trovador a ingressar na Academia Brasileira de Letras), Bastos Tigre, Belmiro Braga, Lilinha Fernandes.

Tamanho foi o sucesso da obra, que a trova ganhou espaço na maioria dos jornais e revistas e também em numerosos programas de rádio. Em 1959, Luiz Otávio e J. G. de Araújo Jorge, com apoio do jornal carioca “O Globo”, lançaram os I Jogos Florais de Nova Friburgo, ponto de partida para a consolidação do movimento literário mais amplo e bem organizado de que se tem notícia da literatura brasileira.

Os Jogos Florais foram muito populares na Idade Média. Era um torneio cultural promovido anualmente em Toulouse, França, inspirado em tradições originárias da Roma antiga. Por se realizar na primavera, esse torneio, que envolvia várias modalidades literárias, oferecia prêmios (troféus) em forma de flores, daí o nome “Jogos Florais”.

Os I Jogos Florais de Nova Friburgo constaram de um grande concurso de trovas, com o tema “amor”. A festa de premiação, em maio de 1960, reuniu na bela cidade serrana fluminense, além dos vencedores do concurso, outros ilustres intelectuais, entre os quais Antônio Olinto, Eneida, Jorge Amado, Manuel Bandeira. Dali por diante, dezenas de outras cidades passaram a promover torneios semelhantes, alguns com o nome de Jogos Florais, outros simplesmente como concursos de trovas. Na maioria dessas cidades, a festa hoje faz parte do calendário de eventos, constituindo importante atração turística.

O concurso de trovas propõe um ou mais temas, a partir dos quais trovadores de todo o Brasil e também de Portugal produzem seus versos. Ao final do prazo estabelecido para remessa dos trabalhos, uma comissão julgadora seleciona as trovas premiadas (vencedoras, menções honrosas e menções especiais).

Os autores das trovas contempladas são convidados a comparecer à cidade promotora do concurso para uma festa que dura de um a três dias. Nessa ocasião, além de passeios, recitais e outros programas, faz-se uma reunião solene para entrega dos prêmios (diplomas, troféus e medalhas). Não há prêmio em dinheiro. Quando há recursos disponíveis, os premiados ganham hospedagem e refeições, mas as despesas de transporte correm por conta de cada um. Por ser um movimento literário que se caracteriza pela fraternidade, tal costume é aceito tranqüilamente.

A União Brasileira de Trovadores tem seções e delegacias em todo o país, congregando cerca de 5 mil trovadores. A trova moderna define-se como um poema composto de quatro versos de sete sons (setissílabos), rimando o primeiro verso com o terceiro e o segundo com o quarto. Assemelha-se ao haicai, pela concisão; porém é mais acessível ao público geral, pela sua musicalidade e simplicidade. Adelmar Tavares a resumiu assim:

“Oh linda trova perfeita”,
que nos dá tanto prazer…
Tão fácil, depois de feita…
tão difícil de fazer!”

Classificam-se as trovas em três grupos principais: filosóficas, líricas e humorísticas.

Exemplo de trova filosófica:

Redimindo os pecadores,
conduzindo-os para a luz,
o maior dos sonhadores
morreu pregado na cruz!
Aparício Fernandes

Exemplo de trova lírica:

Eu vi minha mãe rezando
aos pés da Virgem Maria:
– Era uma Santa escutando
o que outra santa dizia!
Barreto Courinho

Exemplo de trova humorística:

Minha sogra não reclama
pelo trato que lhe dou.
Até de filho me chama…
só não diz que filho eu sou!

Elton Carvalho

O trovador carioca Sérgio Bernardo, em artigo A Trova: Origem, Trajetória, Rumos, enfatiza que a trova, desde sua origem até este início do séc. 21, tem estado presente em todos os movimentos literários surgidos. No Trovadorismo dos séc. 13 e 14, como visto, encabeçou os tipos poemáticos chamados cantigas (de amor, amigo e de escárnio e maldizer).

Nos séc. 15 e 16 eram compostas isoladamente ou retiradas do trovário popular — coleção de trovas anônimas — para que os poetas as glosassem, desenvolvendo poemas mais extensos, de várias estrofes, cujo conteúdo era centrado na temática da trova-mote. Os autores já não tinham de estar presos, porém, a temas fixos como nas cantigas, podendo os versos ser de exaltação a campanhas militares, feitos reais ou mesmo um relato da vida cotidiana das cidadelas fortificadas.

Ao tempo de Camões, Sá de Miranda e Diogo Fernandes, entre outros, as trovas eram largamente referidas por estes poetas, recolhidas do povo, como esta que critica a cessão de Portugal ao trono da Espanha, no séc. 16:

Viva El Rei Dom Henrique
Lá no inferno muitos anos,
Pois deixou em testamento
Portugal aos castelhanos!

A esta altura, com o surgimento do Brasil na geografia mundial, vem a trova na bagagem dos primeiros portugueses. Difícil é ser encontrada documentalmente, já que o governo português proibia a impressão gráfica na nascente colônia. Mesmo assim, há referência dela utilizada como estribilho em poemas de, por exemplo, José de Anchieta (1543-1597).

No séc. 17, já com uma literatura brasileira mais expressiva, surgem nossos primeiros livros, impressos em Portugal, um deles o Compêndio Narrativo do Peregrino da América, de Nuno Marques Pereira (1652-1734?), em que as trovas estão presentes. Historicamente, trata-se do primeiro livro brasileiro contendo trovas intencionais (isoladas).

Sem conta, peso ou medida,
vivo no mundo, de sorte
que não sei, chegando a morte,
que conta darei da vida.

Com o florescimento do Arcadismo, no século seguinte, imperaram as composições poéticas com metros e estrofes de maior extensão, mas muitas trovas podem ser derivadas, como esta que encerra um poema de Tomás Antônio Gonzaga (1744-1810), o célebre autor de Marília de Dirceu:

Não sei, Marília, que tenho,
depois que vi o teu rosto,
pois quando não é Marília
já não posso ver com gosto.

Antônio Bersane Leite, amigo de Bocage, que veio para o Brasil em 1807 e aqui morreu, foi outro que escreveu muitas trovas intencionais, sobretudo satíricas. O séc. 19 foi riquíssimo em movimentos literários — o Romantismo, Parnasianismo, Simbolismo — e em grandes vozes poéticas. Todos os poetas situados dentro destes períodos cederam aos encantos da trova, entre eles, Castro Alves (romântico):

As nuvens ajoelhadas
nos claustros ermos e vãos
passam as contas doiradas
das estrelas pelas mãos!

Ou Olavo Bilac (parnasiano):

O amor que a teu lado levas
a que lugar te conduz,
que entras coberto de trevas
e sais coberto de luz?

Ou ainda Alphonsus de Guimaraens (simbolista):

O cinamomo floresce
em frente do teu postigo…
Cada flor murcha que desce
morre de sonhar contigo!

Com a chegada do séc. 20, surgem os primeiros trovadores autênticos, começando a encarar a trova com mais seriedade e escrevendo-a conscientes de estar criando uma peça literária, com o cuidado formal e estilístico que esta merece. Destacam-se Américo Falcão, Belmiro Braga e Adelmar Tavares, primeiro trovador a pertencer à Academia Brasileira de Letras (ABL).

Também em letras de música — nas modinhas, lundus, chorinhos — a trova se fez presente.

Dos grandes poetas desse século, praticamente todos mostraram-se sensíveis à trova e em dado momento a produziram. Podem ser citados, entre tantos, Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade e Cecília Meireles. Desta última ficou uma linda trova:

Em barca de nuvens sigo…
E o que vou pagando ao vento
para levar-te comigo
é suspiro e pensamento.

Em 1956, Luiz Otávio (1916-1977) compilou e publicou a antologia Meus irmãos, os trovadores, contendo 2 mil trovas de autores brasileiros e portugueses, de Gregório de Matos aos atuantes na época. Este livro é considerado o marco de criação do movimento trovadoresco atual, pois, a partir dele, trovadores e mais trovadores foram aparecendo por todo o Brasil, numa verdadeira febre pelas quadras de 7 sílabas. De tal porte foi este surto trovístico, que a ocasião tornou-se propícia para se criar o primeiro concurso de trovas com congraçamento de trovadores, os I Jogos Florais de Nova Friburgo, em 1960.

Daí por diante, outras cidades compraram a idéia e passaram a promover seus concursos e jogos florais, que foram se espalhando por todo o País, de Belém, PA, a Porto Alegre, RS. Centenas de milhares de trovas já foram escritas, milhares delas antológicas, a partir do que é possível reafirmar-se: a trova é o gênero poético de forma fixa mais cultivado hoje no Brasil. E talvez mesmo no mundo, podendo ser até que ganhe do haicai, poema de 3 versos originário do Japão e largamente produzido naquele país.

Rumos

Em pleno séc. 21, era da supremacia tecnológica, do comportamento globalizado e do vanguardismo a qualquer preço, a trova resiste e continua ativa, efervescente e fazendo brotar novos talentos. No País, a União Brasileira de Trovadores é a entidade responsável, administrativamente falando, pela sua consolidação, divulgação e perpetuação, através da coordenação de concursos ou realização de oficinas em escolas e instituições públicas, visando a despertar o interesse pela trova, sobretudo no tocante às novas gerações. Trovas escritas por jovens do ensino fundamental e médio, em muitas cidades brasileiras onde estas oficinas são ministradas, dão a certeza de que a UBT caminha em bom rumo. E de que a trova ainda tem muito a contribuir com nossa literatura poética, enquanto num mundo cada vez mais assediado pela máquina houver coragem para se falar de sentimento.

Fontes:
ASSIS, A.A. de. Falando sobre Trovas. Disponível em http://ubtportoalegre.portalcen.org/leitores.htm

BERNARDO, Sérgio. A Trova: Origem, Trajetória, Rumos. Disponível em http://www.falandodetrova.com.br/v5/atrovaorigem

SANTOS, Eberth. MOURA, Josana de. Literatura e Filosofia (Palavra em Ação). 2.ed. Uberlândia: Ed. Claranto, 2004.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Teoria Literária

William Blake (1757 – 1827)

William Blake nasceu em Londres em 1757, onde viveu praticamente quase toda a sua vida, morrendo em 1827. Filho de um comerciante rico, desde criança gostava de ler e desenhar. Aos dez anos de idade, foi enviado à escola de desenho e, aos quatorze anos, tornou-se aprendiz do famoso gravador James Basire. Dois anos depois, Blake começou a estudar e desenhar as igrejas de Londres, particularmente Abadia de Westminster cuja estilo gótico grandioso impressionou e o fascinou muito.

William Blake foi o primeiro dos grandes poetas românticos ingleses, como também pintor, impressor, e um dos maiores gravadores da história inglesa. Suas imagens incluem o poeta do século 17, John Milton, descendo dos céus na forma de um cometa e caindo sobre o teto do pintor.

William Blake como tinha estado escrevendo poesia desde os onze anos, teve seus poemas impressos, em 1792, sob o título de ” Poetical Sketches “.

Os poemas eram expressão espontânea de um gênio original e visto como um prodígio. A métrica empregada por ele recorre em grande parte ao verso em branco que era uma característica criativa da era Elizabetana.

A partir de 1784, Blake começa a publicar vários de seus poemas: Song of Innocence” e ” The Book of Thel ” que foi seguido brevemente por ” The Marriage of Heaven and Hell “. Os livros eram todos gravados e impressos por ele com auxílio da esposa.

Blake foi um rebelde toda a vida; uma voz solitária contra a marcha da ciência e da razão. Talvez por isso tenha sido visto por seus contemporâneos como um lunático e tenha desfrutado de pouco sucesso quando vivo. Ele falava com anjos nas árvores e uma vez foi encontrado no jardim com sua mulher, ambos nus, brincando de Adão e Eva.

Ao longo de toda a sua vida, William Blake foi incomodado pela pobreza, sendo amenizada por alguns amigos. Reclamou sobre a falta de reconhecimento de seu trabalho, mas percebeu logo que não estava só.

A partir de 1794 dedicou-se a trabalhos mais poéticos e, entre eles, ” The Gates of Paradise ” e ” Song of Experience “. Ilustrava com aquarelas seus poemas e trabalhos de amigos.

A maioria das pinturas de Blake (como “The Ancient of Days” sobre a fachada para a Europe: a Prophecy ) é de fato impressões feitas de pratos de cobre que ele cauterizou em um método ele escreveu Ter sido revelado a ele em um sonho. Ele e a esposa coloriram estas impressões com cores de água. Assim cada impressão é uma obra de arte sem igual.

Blake freqüentemente é chamado de místico, mas isto não é realmente preciso. Ele escreveu deliberadamente no estilo dos profetas hebreus e escritores apocalípticos. Ele pressentiu que seus trabalhos eram como expressões de profecias, enquanto seguia nos passos de Milton. Na realidade, ele acreditou claramente que foi a incorporação viva do espírito de Milton.

Aos 67 anos William Blake começou os desenhos para o ” Inferno ” da Divina Comédia de Dante, e foi tão dedicado que aprendeu o italiano para aprofundar melhor no universo de Dante; trabalhando nestes desenhos até os últimos dias de sua vida.

O trabalho de Blake é a maioria das vezes analisado e julgado sob óticas pequenas. Mas os seus escritos iluminados e gravuras são todos, polegadas em tamanho, contudo, quando estudado, são detalhes meticulosos usados por ele, cada trabalho é visto como uma parte de um todo titânico, de um gênio.

A Importância de William Blake para o Mundo Moderno

William Blake viveu o final do décimo oitavo século e o início do décimo nono, era um poeta profundamente ativo, em grande parte, responsável por provocar o movimento Romântico em poesia; alcançando resultados notáveis com os meios mais simples; restabeleceu a musicalidade do idioma inglês.

A pesquisa de William Blake e a sua introspeção na mente humana e alma resultou em seu íntimo o que se chamou mais tarde de ” O Colombo da psique, ” e porque nenhum poeta existiu para descrever o que ele descobriu nas viagens interiores. Blake criou sua própria mitologia para descrever o que ele achou em sua alma. Ele era poeta realizado, pintor, e gravador.

Além todas essas realizações, Blake era um crítico social do próprio tempo e se considerou um profeta de tempos por vir. Toda sua poesia foi escrita como se estivesse a ponto de ter o impacto social imediato de um tempo novo.

Blake viveu durante um tempo de intensa mudança social. A Revolução americana, a Revolução francesa, e a Revolução Industrial aconteceram durante sua vida. Estas mudanças deram para Blake uma chance para ver um das fases mais dramáticas na transformação do mundo Ocidental de uma sociedade um pouco feudal, agrícola para uma sociedade industrial onde os filósofos e os pensadores políticos como Locke, Franklin, e Paine proclamaram os direitos do indivíduo. Algumas destas mudanças tiveram a aprovação de Blake, outras não.

Um exemplo da desaprovação de Blake de mudanças que aconteceram no seu tempo entra no poema “London” da obra: Songs of Experience. Em ” London “, que foi descrito como resumindo muitas implicações de Songs of Experience, Blake descreve as aflições da Revolução Industrial.

Um exemplo:
O narrador em “London” descreve o rio e as ruas da cidade londrina como controlada por interesses comerciais; referindo-se “mind-forged manacles“; Blake relaciona que a face de todo homem contém ” Marcas de fraqueza, marcas de aflição “; e ele discute o “every cry of every Man” e “every Infant’s cry of fear.” Blake conecta matrimônio e morte recorrendo a um “carro funerário” e descreve isto como “destruído com pestilência”. Ele também fala sobre “o suspiro “do Soldado infeliz e a maldição “da” Meretriz jovem e descreve “enegrecendo Igrejas” e palácios que escorrem em sangue ( “London“).

Em “London“, e muitos dos outros trabalhos, Blake que lida com um tema semelhante, particularmente esses das Songs of Experience, golpeiam um nervo particular para esses homens que estão vivendo em uma sociedade onde o custo de vida comparada com renda é continuamente crescente. Os poemas dessa fase ressonam para uma geração que tem que lidar com problemas de população exponencialmente crescente e com rapidamente demandas crescentes em nossas instalações de imigração e recursos. Eles golpeiam uma corda especial com uma nação que, devido aos problemas acima mencionado, a elevação de crime violento, e outras considerações, está se dessensibilizando rapidamente às “marcas de fraqueza, marcas de aflição” que nós estamos ficando acostumados a ver nas faces de todos transeuntes.

Blake aprovou algumas das medidas que os indivíduos e sociedades levaram ganhar e manter liberdade individual. Era liberal em políticas, sensível às medidas opressivas do governo e favoravelmente inspirado pela Guerra Revolucionária americana e a Revolução francesa. Blake escreveu muitas coisas positivas e apreciativas sobre o pensador político americano revolucionário Thomas Paine.

Blake também aderiu muitas outras noções com que nós estamos agora familiarizados. Por exemplo, em Jerusalem, Blake propõe a Fraternidade de Homem como a única solução para os problemas do mundo, individual e internacional. De acordo com Blake, nós somos todos os irmãos porque nós somos todos os filhos do Pai, e todos têm o Jesus (que simboliza freqüentemente Imaginação, Humanidade, e a fonte de tudo para Blake) em nós.

As visões de Blake em religião também são particularmente pertinentes para o mundo moderno. Blake substituiu o ateísmo árido ou deísmo tépido do enciclopedistas e seus discípulos com uma religião pessoal. Além de rejeitar ” ateísmo ” árido e ” deísmo tépido, ” Blake atacou também religião convencional.

Em The Marriage of Heaven and Hell escreveu sobre as religiões ” são construídas Prisões com pedras de Lei, Bordéis com tijolos de Religião ” e ” Como a lagarta escolhe as folhas para botar os ovos, assim o padre põe a maldição dele nas alegrias “. Em lugar de aceitar uma religião tradicional de uma igreja organizada, Blake projetou sua própria mitologia (baseada principalmente na Bíblia e na mitologia grega).

A religião pessoal de Blake era sua procura do Everlasting Gospel que ele acreditava, como escreveu: ” todos tiveram um idioma e uma religião originalmente. A religião de Blake era baseada na alegria do homem que ele acreditava ser Deus glorificado. Um das objeções mais fortes de Blake para o Cristianismo ortodoxo é que a doutrina encoraja a supressão de desejos naturais e desencoraja alegria terrestre; em A Vision of the Last Judgement, diz Blake que ” não são admitidos os Homens no Céu porque eles governam suas Paixões“.

A última linha do poema épico inacabado dele The Four Zoas é “as Religiões escuras são passadas e doce a Ciência reina .

Há inúmeras semelhanças entre nosso tempo e o de Blake. Ele teve a Revolução Industrial; nós estamos vivendo na idade da Revolução de Informação.

Blake viveu num tempo quando capitalistas da classe alta gananciosos exploraram a classe de trabalhadores para lucro pessoal, a coisa em nosso tempo se dá não como um grupo de pessoas, mas uma nação explorando outra.

Blake viveu em uma idade onde Deísmo, uma fé que negou qualquer possibilidade de experiência direta com Deus, tinha capturado as mentes das pessoas mais inteligentes; nós vivemos em uma idade de dúvida, enquanto procurando, rejeição de religião dogmática tradicional, e ciência sem experiência, a mística avança muitas vezes sem ética alguma.

Certamente as visões e os poemas de William Blake, não pertencem há um tempo passado, mas mergulham no futuro, na mitologia pessoal de cada um de nós, em busca de uma resposta para o nosso existir: O que fazemos aqui, no terceiro planeta de um pequeno sistema solar, num canto de um galáxia quase imperceptível no universo? A resposta, como queria William Blake: pode estar dentro de nós mesmos.

Fonte:
pt.wikipedia.com

Deixe um comentário

Arquivado em Biografia, Literatos

A Narração e sua estrutura

O QUE É NARRAÇÃO

A narração ou narrativa pode ser definida como um dos três modos literários, sendo os outros o lírico e o dramático; ou como um dos três modos básicos de redação, sendo as outras a descrição e a dissertação.

Basicamente narrar é contar uma história, e para tanto teremos personagens, cenários, conflitos, cenas. O estudo da narrativa e destes elementos é chamado de narratologia, comumente associado ao estruturalismo, mas com referências na Poética grega e no formalismo russo.

Roland Barthes, mestre no estudo da narrativa, afirma que “a narrativa está presente em todos os tempos, em todos os lugares, em todas as sociedades, começa com a própria história da humanidade; é fruto do gênio do narrador ou possui em comum com outras narrativas uma estrutura acessível à análise”.

Ação
A ação é o conjunto de acontecimentos que se desenrolam num determinado espaço e tempo. Aristóteles, em sua Poética, já afirmava que “sem ação não poderia haver tragédia”. Sem dificuldade se estende o termo tragédia à narração, e assim a presença de ação é o primeiro elemento essencial ao texto narrativo.

Estrutura da ação
A ação da narrativa é constituída por três ações: Intriga, Ação principal e Ação secundária.
•Intriga: Ação considerada como um conjunto de acontecimentos que se sucedem, segundo um princípio de causalidade, com vista a um desenlace. A intriga é uma ação fechada.
•Ação principal: Integra o conjunto de seqüências narrativas que detêm maior importância ou relevo.
•Ação secundária: A sua importância define-se em relação à principal, de que depende, por vezes; relata acontecimentos de menor relevo.

Seqüência
A ação é constituída por um número variável de seqüências (segmentos narrativos com princípio, meio e fim), que podem aparecer articuladas dos seguintes modos:
•Encadeamento ou organização por ordem cronológica
•Encaixe, em que uma ação é introduzida numa outra que estava a ser narrada e que depois se retoma
•Alternância, em que várias histórias ou seqüências vão sendo narradas alternadamente.

Tempo
•Tempo cronológico ou tempo da história – determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos narrados.
•Tempo histórico – refere-se à época ou momento histórico em que a ação se desenrola.
•Tempo psicológico – é um tempo subjetivo, vivido ou sentido pela personagem, que flui em consonância com o seu estado de espírito.
•Tempo do discurso – resulta do tratamento ou elaboração do tempo da história pelo narrador. Este pode escolher narrar os acontecimentos:
Por ordem linear
•(anacronia), recorrendo à analepse (recuo a acontecimentos passados) ou à prolepse (antecipação de acontecimentos futuros);
•(isocronia), como, por exemplo, na cena dialogada;
•(anisocronia), recorrendo ao resumo ou sumário (condensação dos acontecimentos), à elipse (omissão de acontecimentos) e à pausa (interrupção da história para dar lugar a descrições ou divagações).

Personagens
Roland Barthes, além de retomar a importância que os clássicos davam à ação, avança ao afirmar que “não existe uma só narrativa no mundo sem personagens”. Aqui se entende personagem não como pessoas, seres humanos. Um animal pode ser personagem (Revolução dos Bichos), a morte pode ser personagem (As intermitências da morte), uma cidade decadente ou uma caneta caindo podem ser personagens, desde que estejam num espaço e praticando uma ação, ainda que involuntária.

Relevo das personagens
•Protagonista, personagem principal ou herói: desempenha um papel central, a sua atuação é fundamental para o desenvolvimento da ação.
•Personagem secundária: assume um papel de menor relevo que o protagonista, sendo ainda importante para desenrolá-lo da ação.
•Figurante: tem um papel irrelevante no desenrolar da ação, cabendo-lhe, no entanto, o papel de ilustrar um ambiente ou um espaço social de que é representante.

Composição
•Personagem modelada ou redonda: dinâmica, dotada de densidade psicológica, capaz de alterar o seu comportamento e, por conseguinte, de evoluir ao longo da narrativa.
•Personagem plana ou desenhada: estática, sem evolução, sem grande vida interior; por outras palavras: a personagem plana comporta-se da mesma forma previsível ao longo de toda a narrativa.
•Personagem-tipo: representa um grupo profissional ou social.
•Personagem coletiva: Representa um grupo de indivíduos que age como se os animasse uma só vontade.

Caracterização
•Direta
•Autocaracterização: a própria personagem refere as suas características.
•Heterocaracterização: a caracterização da personagem é-nos facultada pelo narrador ou por outra personagem.
•Indireta: O narrador põe a personagem em ação, cabendo ao leitor, através do seu comportamento e/ou da sua fala, traçar o seu retrato.

Espaço
•Espaço físico: é o espaço real, que serve de cenário à ação, onde as personagens se movem.
•Espaço social: é constituído pelo ambiente social, representando, por excelência, pelas personagens figurantes.
•Espaço psicológico: espaço interior da personagem, abarcando as suas vivências, os seus pensamentos e sentimentos.

Final
Narrador
• Participação
• Heterodiegético: Não participante.
• Autodiegético: Participa como personagem principal.
• Homodiegético: Participa como personagem secundária.
• Focalização: É a perspectiva adotada pelo narrador em relação ao universo narrado.
• Focalização onisciente: colocado numa posição de transcendência, o narrador mostra conhecer toda a história, manipula o tempo, devassa o interior das personagens.
• Focalização interna: o narrador adota o ponto de vista de uma ou mais personagens, daí resultando uma diminuição de conhecimento.
• Focalização externa: o conhecimento do narrador limita-se ao que é observável do exterior.

Sucessão e Integração
Claude Bremond, ao definir narrativa, acrescentará a sucessão e a integração como essenciais para a narratividade: “Toda narrativa consiste em um discurso integrando uma sucessão de acontecimento de interesse humano na unidade de uma mesma ação. Onde não há sucessão não há narrativa, mas, por exemplo, descrição, dedução, efusão lírica, etc. Onde não há integração na unidade de uma ação, não há narrativa, mas somente cronologia, enunciação de uma sucessão de fatos não relacionados”.

Totalidade de significação
A totalidade de significação é apontada por Greimas como outro elemento fundamental da narrativa. Ainda que aparentemente o leitor não entenda um texto, há de ter nele uma significação para que se configure como história, como narração.

Em prosa e verso
Apesar de aparecer comumente em prosa, a narração pode existir em versos. Os exemplos clássicos são as epopéias, como a Odisséia, ou os romanceiros, como o Romanceiro da Inconfidência. Mas poemas como O Caso do Vestido e Quadrilha, de Carlos Drummond de Andrade, são verdadeiras narrativas em versos, com ação, personagens, sucessão, integração e significação.

Fonte:
Wikipédia, a enciclopédia livre.
pt.wikipedia.com

Deixe um comentário

Arquivado em Teoria Literária

O Trovador em Versos Diversos (Luiz Otávio)

QUEM FOI O TROVADOR LUIZ OTÁVIO?
por Carolina Ramos

O POETA

Gilson de Castro nasceu a 18 de julho de 1916, no Rio de Janeiro. Luiz Otávio foi o pseudônimo que ele adotou para assinar suas trovas, poesias e outras manifestações de seu talento literário. Era cirurgião-dentista, profissão que exerceu no Rio de Janeiro, onde se formou e mais tarde se transferindo para Santos no final de sua vida.

Começou a enviar seus versos para os jornais e revistas lá por 1938, ainda timidamente, oculto sob pseudônimo. Não pretendia misturar a vida literária com a profissional. As principais revistas e jornais da época começaram a divulgar poesias e principalmente trovas de Luiz Otávio, que podiam ser encontradas no “Correio da Manhã”, “Vida Doméstica”, “Fon-Fon”, “O Malho”, “Jornal das Moças”, revistas que, como “O Cruzeiro”, eram as mais lidas dos anos 1939, 40 e 41, etc. A revista “Alterosa” de Belo Horizonte, também o divulgou. Pouco a pouco, a Trova tomou conta do coração do poeta, assumindo Literalmente papel de Liderança na sua vida. E ele confessa:

A Trova tomou-me inteiro,
tão amada e repetida,
que agora traça o roteiro
das horas da minha vida!…

Para a ascensão da Trova na vida de Luiz Otávio, muito contribuiu sua amizade com Adelmar Tavares. Quem os aproximou foi o consagrado poeta A. J Pereira da Silva. Recuperava-se Luiz Otávio na Fazenda Manga Larga em Pati de Alferes, quando teve oportunidade de conhecer esse renomado poeta, da Academia Brasileira de Letras, com quem iniciou amizade edificante, solidificada pela Poesia; amizade que se estendeu até os derradeiros dias de A. J. Pereira da Silva que, naquele tempo, já passava dos sessenta, enquanto Luiz Otávio não galgara ainda o vigésimo segundo degrau de sua sofrida existência. Isto não perturbou as horas deliciosas de conversa amena e espiritualizada, em que a fina sensibilidade de ambos fazia desaparecer a diferença de idade, provando que um coração capaz de vibrar “de amor” e pulsar em ritmo de poesia, simplesmente não tem idade.

A viúva do acadêmico Antônio Joaquim Pereira da Silva, doaria posteriormente, a preciosa Biblioteca do poeta ao seu particular amigo, Luiz Otávio, que, por sua vez, ao transferir residência para Santos, em 1973, doou parte desse valioso acervo, juntamente com livros de sua própria estante – num total de mil exemplares devidamente catalogados – à Academia Santista de Letras, que só então teve formada sua Biblioteca. Na época, a A.S.L. era presidida pelo Dr. Raul Ribeiro Florido que se responsabilizou pelo transporte Rio-Santos. Com esta doação, Luiz Otávio não pretendia nada para si, como deixou bem claro em carta, (era de conhecimento geral sua quase aversão às Academias, em virtude do próprio temperamento). Mas pediu, por uma questão de justiça, que numa das estantes fosse colocada uma placa que levasse o nome de A. J Pereira da Silva. Luiz Otávio recebeu um carinhoso oficio de agradecimento do então Presidente da Academia. O atual Presidente, Dr. Nilo Entholzer. Ferreira, trovador de méritos, comprometeu-se a cumprir essa cláusula. Como já dito, A. J. Pereira da Silva foi quem levou Luiz Otávio até Adelmar Tavares, também da Academia Brasileira de Letras, em visita à sua casa, em Copacabana. Corria o ano de 1939. Adelmar Tavares sentia a idade pesar-lhe nos ombros, e, mais uma vez, um jovem poeta e um velho e consagrado mestre da Poesia uniam-se por laços afetivos dos mais duradouros. A principal responsável por essa união foi a Trova, que Adelmar Tavares cultivava e da qual Dr. Gilson de Castro já era profundo apaixonado, trazendo-a para o público sob o Pseudônimo, agora definitivamente adotado.

Luiz Otávio. Luiz, por ser bonito, melodioso, e combinar com Octávio, o nome do Pai, a quem, homenageava. Para atualizar o nome, o c foi cortado em acordo às regras ortográficas vigentes. A Poesia de Luiz Otávio ganhava espaço. Jornais de outros estados o acolhiam em suas páginas, tinha ao seu dispor colunas literárias de crítica poética, onde comentava livros, publicava trovas, poesias e arrebanhava fãs e admiradores de todas as idades. Daí ai constituir-se Líder de um Movimento Trovadoresco, era questão de um passo, muito embora isto viesse acontecer sem procura. Idealista, lírico, por excelência, com um profundo senso de organização, Luiz Otávio acumulava ainda outras qualidades indispensáveis ao “verdadeiro Líder”, seja lá do que for. Era simples, honesto, e sabia convencer sem forçar. Embora convicto e determinado, sabia humildemente ceder, se preciso fosse. Se persuadido da necessidade de uma renúncia, cedia, sim, porém, não facilmente, mesmo porque antes de propor algo, o fazia convicto de que aquilo era o certo, respondendo de antemão a todos os possíveis apartes – o que de certo modo desarmava, a priori, o opositor. Era bom, afável e acima de tudo, profundamente carismático. Um verdadeiro Príncipe!

O TROVADOR

Era, portanto, o campo fecundo onde a semente da Trova encontrou chão propício para deitar raízes, expandindo sua opulência por todo território nacional. O ritmo da Trova que embalava seus ouvidos desde os tempos de escoteiro, cresceu com ele, ganhando melodia ao som do violão de Glauco Vianna, mais tarde pertencente ao “Bando dos Tangarás”, seu colega de faculdade e de noitadas de seresta.

FINAL

Luiz Otávio sempre gostou de cantar e compor embora não conhecesse música. Aloysio de Oliveira, outro companheiro, também possuidor de um bom timbre vocálico, iria pertencer, no futuro, ao Bando da Lua, que tanto sucesso fez na terra de Tio Sam ao lado de Carmen Miranda. A influência destes dois amigos foi grande na iniciação poética de Luiz Otávio. Glauco tocava, Aloysio cantava e Luiz Otávio não apenas cantava como também compunha letras e músicas de canções, sambas, fox-trotes, valsas, etc. e continuou cantando e compondo até o final dos seus dias. Nascia o “Trovador” – assim carinhosamente chamado, já naquele tempo, antes mesmo do seu ingresso definitivo no Mundo da Trova.

Cada quadrinha que faço
em hora calma ou incalma,
é pequenino pedaço
que eu mesmo furto a minha alma.

Ó trovas – simples quadrinhas
que tem sempre um que de novo…
– Como podem quatro linhas
trazer toda a alma de um povo?!

Uma trova pequenina,
tão modesta, tão sem glória,
bem pouca gente imagina,
que também tem sua história.

Deixe um comentário

Arquivado em Literatos, Trovas

Nobel de Literatura 2001 – 2007

2007

Doris May Tayler, a Doris Lessing
(1919 – )

Escritora britânica nascida em Kermanshah, na Pérsia, atual Irã, que aos 87 anos tornou-se a pessoa mais velha a receber o Prêmio Nobel de Literatura (2007) e a 11ª mulher a ser agraciada com o prêmio, por transmitir a experiência épica feminina, que descreveu com ceticismo, paixão e força visionária a divisão da civilização. Filha de Alfred Cook Taylor, capitão da British Army durante a I Guerra Mundial, e da enfermeira britânica Emily Maude Taylor, mudou-se para a Rodésia do Sul, hoje Zimbábue, o que influenciou profundamente sua literatura, na qual discute tensões interraciais, violência contra crianças e movimentos feministas.

Teve uma infância pressionada pelo rigor puritano de sua mãe que impunha um severo sistema de criação, obcecada por criar uma filha que fosse uma dama. Aos sete anos foi internada em um colégio de freiras, onde ela vivia aterrorizada por ameaças e histórias sobre o inferno. Depois foi mandada para um colégio só de meninas, em Salisbury, mas abandonou-o rapidamente e aos 14 anos interrompeu sua educação formal e passou e ser autodidata. Aos 15, saiu de casa e arrumou um emprego como enfermeira, telefonista, secretária, estenógrafa e jornalista, enquanto lia livros sobre política e sociologia e escrevia pequenas histórias.

Casou duas vezes e teve três filhos. O primeiro casamento (1939-1943) foi com FrankCharles Wisdom, com quem teve um casal de filhos, John e Jean. Divorciada, fez um segundo (1945-1949) com Gottfried Lessing, que foi embaixador de Uganda e com quem teve um filho, Peter.

Divorciada novamente, passou a viver na Inglaterra (1949) com o filho Peter, onde publicou seu primeiro romance, The grass is singing, lançado em Londres (1949). Foi membro do British Communist Party (1952 /1956), onde lutou ativamente contra as armas atômicas. Seu compromisso político a levou a criticar abertamente os governos racistas de Rodésia e da África do Sul, sendo impedida de entrar nesses países (1956-1995). Também lançou livros de poesias e contos, além de volumes de ficção especialmente histórias em que naves espaciais colonizavam planetas distantes. The golden notebook (1962), foi o romance que a tornou famosa e depois consolidou sua fama com uma série de títulos de temática africana. Sua última obra publicada foi The cleft (2007). O prêmio valeu para a laureada uma medalha de ouro, um diploma e um cheque de 10 milhões de coroas suecas, cerca de 1,08 milhões de euros.

2006

Ferit Orhan Pamuk
(1952 – )

Escritor turco nascido em Istambul, o maior romancista turco da atualidade, com obras traduzidas em mais de trinta idiomas, e o ganhador do Prêmio Nobel de Literatura (2006) por buscar na alma melancólica da sua terra natal encontrar novas imagens espirituais para o combate e para o cruzamento de culturas.

De uma família rica de Istambul, estudou no estrangeiro engenharia, arquitetura e jornalismo, porém a partir dos seus 22 anos preferiu dedicar-se definitivamente à literatura.

Tornou-se polêmico ao acusar, num artigo de um jornal suíço, por si escrito, seu país de ter cometido genocídio contra o povo armênio, quando da decorrência da primeira guerra mundial e o assassinato de 30 mil curdos, a posteriori. O caso foi levado à justiça turca, e ele teve mesmo que prestar declarações em tribunal. este caso teve polêmica internacional e o romancista tornou-se conhecido um pouco por todo o mundo. Mas o que o levou para a fama mundial, foi o fato de ter sido galardoado com o Nobel de Literatura, o primeiro turco a receber esta honraria. Antes, porém, já havia recebido outros prêmios de renome internacional. Foram os seus textos sobre as vivências turcas, as desigualdades entre os cidadãos da Istambul atual e as comparações feitas entre a Turquia otomana e a Turquia moderna.

Entre seus romances mais célebres encontra-se o laureado Benim Adim Kirmizi (1998), traduzido como o Meu nome é vermelho, uma história de amor e mistério implacáveis, vividos na Turquia do Século XVI. Outros livros publicados foram Cevdet Bey ve Ogullari (1982), Sessiz Ev (1983), Beyaz Kale (1985), Kara Kitap (1990), Gizli Yuz (1992), Yeni Hayat (1995), Öteki Renkler (1999), Kar (2002), Istanbul: Hatiralar ve Sehir (2003), entre outros.

2005

Harold Pinter
(1930 – )

Dramaturgo e escritor inglês nascido no dia 10 de Outubro em Hackney, Londres, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura (2005) por descobrir em suas obras o precipício sob a banalidade quotidiana e entra com força nas salas fechadas da opressão.

Filho de judeus de origem no leste da Europa, foi educado em um colégio do bairro londrino de Hackney, a Hackney Grammar School. Foi aceito pela Royal Academy of Dramatic Art (1948), onde publicou seus primeiros poemas (1949-1950). Depois foi aceito pela Central School of Speech and Drama (1951) e passou a trabalhar para a companhia teatral de Anew McMaster e fez seu debut como teatrólogo com a peça The Room (1957), em Bristol. Sua primeira obra importante foi The bithday party (1958) embora seu sucesso só tenha aparecido depois de ter sido exibida na televisão.

De posições políticas controvertidas, opôs-se radicalmente à invasão do Iraque (2003) e às politicas belicistas de George Bush e Tony Blair enquanto considerava Slobodan Miloševic como o digno herói nacional da Sérvia. É um dos mais importantes renovadores do teatro do absurdo e as suas peças apresentam, num estilo característico a que se deu o nome de pinteresco, situações em que as personagens vêem repentinamente em perigo a segurança das suas vidas quotidianas.

Escreveu livros como Kullus (1949), The Dwarfs (1952-1956), The Black and White (1954-1955), Tea Party (1963), The Coast (1975), Girls (1995) e Voices in the Tunnel (2001), entre outros. Editou um livro de poesias War (2003) e no teatro destacou-se com peças como The Caretaker (1959), The caretaner (1960), A slight ache (1961), The homcoming (1964) e No Maris land (1975). Foi casado (1956-1980) com a atriz Vivien Merchant, e depois casou (1980) com a escritora Lady Antonia Fraser.

2004

Elfriede Jelinek
(1946 – )

Novelista e autora de peças de teatro austríaca nascida na cidade de Mürzzuschlag, décima mulher da história a ganhar o Prêmio Nobel da Literatura (2004) pelo fluxo musical de vozes e contra-vozes em suas novelas e dramas que revelam o absurdo dos clichês da sociedade e seu poder dominador.

Filha de um judeu tcheco e uma rica vienense, estreou no mundo literário com a publicação em Munique da coleção de poemas Lisas Schatten (1967), mas conseguiu projeção mundial graças ao filme A Professora de Piano (2001), do compatriota Michael Haneke, a história autobiográfica de uma pianista perturbada que se envolve com um aluno, de seu romance Isabelle Huppert in Malina (1991). Combativa política, militante do Partido Comunista Austríaco por mais de 15 anos, e autora de mais de 20 livros, de poemas, prosa e teatro, e tradutora para o alemão de autores como Thomas Pynchon.

Entre outras publicações, em sua obra figuram como destaque outros romances como Die Liebhaberinnen (1975), Die Ausgesperrten (1980), Die Klavierspielerin (1983) e Die Kinder der Toten (1995), e peças como Lust (1989), Totenauberg (1991), Ein Sportstück (1998), Macht nichts: eine kleine Trilogie des Todes (1999) e Bambiland (2004), esta uma crítica política que satiriza a invasão americana do Iraque. Uma seqüência deste trabalho foi a peça Babel (2005), tratando das torturas na prisão de Abu Ghraib e da mutilação de corpos de estadunidenses em Fallujah.

2003

John Maxwell Coetzee
(1940 – )

Escritor húngaro nascido em Cape Town, África do Sul, Prêmio Nobel da Literatura (2003) por retratar em sua obra, sob inumeráveis maneiras, o envolvimento surpreendente do estranho. O mais velho das duas crianças de uma professora de escola primária e de um advogado, e recebeu a educação primária em Cape Town e na cidade próxima de Worcester. Concluiu sua educação secundária no Marist Brothers, uma escola católica de Cape Town (1956). Entrou na Universidade de Cape Town (1957), e formou-se sucessivamente em inglês (1960) e matemática (1961).

Viveu três anos (1962-1965) na Inglaterra trabalhando como um programador enquanto pesquisava para uma tese sobre a novelista inglesa Ford Madox Ford., período em que também casou-se (1963) com Philippa Jubber (1939-1991) e com quem teria um filho, Nicolas (1966-1989), e uma filha, Gisela (1968-). Entrou como diplomado na University of Texas, em Austin (1965), onde obteve um Ph.D. em inglês, lingüística, e idiomas germânicos (1968). Nos três anos (1968-1871) foi professor assistente de inglês na State University of New York, em Búfalo, quando também começou a escrever ficção. Depois que seu visto de residência permanente nos United States, foi negado, voltou à África do Sul e exerceu uma séries de funções na University of Cape Town (1972-2000), o último deles como Distinguished Professor of Literature.

Durante este período e no subseqüente, ensinou também freqüentemente nos United States, especialmente nas universidades State of New York, Johns Hopkins, de Harvard, Stanford e de Chicago, onde durante seis anos ele foi membro do Committee on Social Thought. Seu primeiro livro, Dusklands, foi publicado na África do Sul (1974). Depois veio Heart of the Country (1977) com o qual ganhou o CNA Prize, então o principal prêmio literário da África do Sul, e que também foi publicado na Inglaterra e nos EEUU Mas foi com Waiting for the Barbarians (1980) que ganhou reputação internacional. Com Life & Times de Michael K (1983) ganhou o Booker Prize, na Inglaterra.

Outras importantes publicações de sua autoria foram Foe (1986), Age of Iron (1990), The Master of Petersburg (1994) e Disgrace (1999), que lhe deu um novo Booker Prize. No campo dos não ficcionais foram destaque Doubling the Point (1992), Boyhood (1997), Stranger Shores (2001), Youth (2002), Elizabeth Costello (2003). Também foi ativo como tradutor de holandês e literatura de holandês sul-africano e emigrou para a Austrália (2002) onde passou a viver com a família em Adelaide, e onde ocupa um cargo honorário na University of Adelaide.

2002

Imre Kertész
(1929 – )

Escritor húngaro nascido em Budapeste, sobrevivente do holocausto e Prêmio Nobel da Literatura (2002) por uma obra que trata da fragilidade da existência humana contra a bárbara arbitrariedade da história. Descendente de uma família judaica, foi deportado (1944) para Auschwitz e Buchenwald, sendo libertado pelas tropas norte-americanas (1945) e regressando a Budapeste como único sobrevivente de uma família inteira dizimada pelos nazistas.

De volta a Hungria trabalhou em Budapeste (1948-1951) como jornalista na publicação Világosság, do qual foi despedido quando o jornal passou a órgão do Partido Comunista Húngaro. Depois de ter cumprido serviço militar durante dois anos dedicou-se à escrita e a sua prestigiosa carreira literária, incluindo a tradução para húngaro de autores alemães como Nietzsche, Hofmannsthal, Schnitzler, Freud e Wittgenstein, entre outros, pelos quais foi fortemente influenciado. Sua primeira novela publicada foi Sorstalanság (1975), baseada em suas experiências em Auschwitz e Buchenwald e para o qual passou dez anos trabalhando.

Escreveu ainda musicais e teatro de diversão. Antes de consagrar-se com o Nobel ganhou muitos outrros prêmios entre os quais o Brandenburger Literaturpreis (1995), o Leipziger Buchpreis zur Europäischen Verständigung (1997), o Herder-Preis e o Welt-Literaturpreis (2000), o Ehrenpreis der Robert-Bosch-Stifung (2001) e o Hans Sahl-Preis (2002). Outros trabalhos seus foram A nyomkeresõ: Két regény (1977), Detektívtörténet (1977), A kudarc (1988), Kaddis a meg nem született gyermekért (1990), Az angol lobogó (1991), Gályanapló (1992), A holocaust mint kultúra: három elõadás (1993), Valaki más: a változás krónikája (1997), A gondolatnyi csend, amíg a kivégzõosztag újratölt (1998), A számuzött nyelv (2001) e Felszámolás (2003).

2001

Sir Vidiadhar Surajprasad Naipaul
(1932 – )

Escritor caribenho nascido em Chaguanas, Trinidad e Tobago, agraciado com o Prêmio Nobel da Literatura (2001) por ter unido a narrativa preceptiva e incorruptível nos seus trabalhos. De família indiana, foi educado em Porto Príncipe, capital do Haiti, e radicou-se na Inglaterra (1950) onde foi estudar, aos dezoito anos, apesar de ter passado a maior parte de sua vida viajando especialmente pela Índia e África. Na Universidade de Oxford, na Inglaterra, onde cursou literatura inglesa. Casou-se (1955) com Patricia Ann Hale, de quem enviuvaria (1996). Em um de seus primeiros grandes livros, A House for Mr Biswas (1961), descreveu a missão quase impossível dos imigrantes indianos de se integrarem à sociedade caribenha mantendo suas raízes. Hon. Fellow da University Coll., Oxford (1983), Hon. Dr Letters Columbia Univ., NY (1981), Hon. LittD. Cambridge (1983), London (1988) e Oxford (1992).

Além do Nobel recebeu outras honrarias como o John Llewelyn Rhys Memorial Prize (1958), o Somerset Maugham Award (1961), o Hawthornden Prize (1964), o W.H. Smith Award (1968), o Booker Prize (1971) e o British Literature Prize (1993). Assina seus livros como V. S. Naipaul e grande parte de seu trabalho fala sobre os traumas advindos das mudanças pós período colonial e entre suas obras alguns livros foram publicados no Brasil traduzidos para o português como O Sufrágio de Elvira (1958), Uma Casa para o Sr. Biswas (1961), Guerrilheiros (1975), um dos seus mais famoso livros, O Enigma da Chegada (1987) e Um Caminho no Mundo (1994).

A academia sueca chegou a cogitar a possibilidade de suspender a entrega do prêmio daquele ano por causa dos conflitos no Afeganistão, mas como este era o centenário da entrega do Nobel, eles resolveram seguir adiante. Casou-se novamente (1996) com Nadira Khannum Alvi.

Outras publicações, entre novelas, romances e outros, The Mystic Masseur (1957), The Suffrage of Elvira (1958), Miguel Street (1959), The Middle Passage (1962), Mr Stone and the Knights Companion (1963), An Area of Darkness (1964), The Mimic Men (1967), A Flag on the Island (1967), The Loss of El Dorado (1969), In a Free State (1971), The Overcrowded Barracoon, and other articles (1972), Guerrillas (1975), este um dos seus miores sucessos, India: a wounded civilisation (1977), A Bend in the River (1979), The Return of Eva Peron (1980), Among the Believers (1981), Finding the Centre (1984), The Enigma of Arrival (1987), A Turn in the South (1989), India: a million mutinies now (1990), A Way in the World (1994), Beyond Belief: Islamic Excursions (1998) e Letters (1999).

Fonte:
http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/

Deixe um comentário

Arquivado em Biografia, Literatos

O Trovador em Versos Diversos (Nei Garcez – Curitiba/PR)

Quem trabalha com grandeza
gera emprego no país;
põe comida em cada mesa…
Faz um povo mais feliz!

A nossa fisionomia
revelada no facial,
de tristeza ou de alegria,
é um idioma universal!

Quem esquece da saúde,
entregando-se a bebida,
tem por prêmio um ataúde
e uma herança dividida.

Pra evitar um acidente
atenção tenho que dar,
dirigindo mais consciente
sem usar meu celular.

A poetisa que poetiza
os seus poemas preferidos
só por eles se eterniza
ao passar dos tempos idos.

Quando uma mãe amamenta,
com seu leite maternal,
enquanto ao filho acalenta
cumpre a lei universal.

Só é livre de verdade
quem conhece o seu caminho
pra pensar com liberdade,
mas pensar por si sozinho.

Quem namora a vida inteira,
com a mesma namorada,
numa mão tem a bandeira
e na outra a sua amada.

Amizades que são boas
e atitudes tão singelas
é gostarmos das pessoas
bem assim como são elas.

Fontes:
http://www.clevanepessoa.net/visualizar.php?idt=173640
http://www.movimentodasartes.com.br/trovador/pop_062/060708a.htm
http://www.blocosonline.com.br/literatura/poesia/dd/ddpoe076.htm
http://www.caestamosnos.org/rev_caesperamosnos/revista08Ago.htm

Deixe um comentário

Arquivado em Literatos, Trovas

John Ronald Reuel Tolkien (1892 – 1973)

John Ronald Reuel Tolkien (Bloemfontein, 3 de Janeiro de 1892 — Bournemouth, 2 de Setembro de 1973) foi um escritor, professor universitário e filólogo britânico.

Tolkien nasceu na África do Sul e aos três anos de idade, com sua mãe e irmão, passou a viver na Inglaterra, terra natal de seus pais. Desde pequeno fascinado pela lingüística, cursou a faculdade de Letras em Exeter. Lutou na Primeira Guerra Mundial, onde começou a escrever os primeiros rascunhos do que se tornaria o seu “mundo secundário” complexo e cheio de vida, denominado Arda, palco das mundialmente famosas obras O Hobbit, O Senhor dos Anéis e O Silmarillion, esta última, sua maior paixão, que, postumamente publicada, é considerada sua principal obra, embora não a mais famosa.

Tornou-se filólogo e professor universitário, tendo sido professor de anglo-saxão (e considerado um dos maiores especialistas do assunto) na Universidade de Oxford de 1925 a 1945, e de inglês e Literatura inglesa na mesma universidade de 1945 a 1959. Mesmo precedido de outros escritores de fantasia, tais como William Morris, Robert E. Howard e E. R. Eddison, devido à grande popularidade de seu trabalho, Tolkien ficou conhecido como o “pai da moderna literatura fantástica”. Sua obra influenciou toda uma geração.

Católico fervoroso, foi grande amigo de C.S. Lewis, autor de As Crônicas de Nárnia, ambos membros do grupo de literatura The Inklings.

Biografia

A família Tolkien
Até onde se sabe a maioria dos parentes paternos de Tolkien eram artesãos. A família teve origem na Saxônia (Alemanha), mas viveu na Inglaterra desde o século XVII, tornando-se “rápida e intensamente inglesa (mas não britânica)” . O sobrenome Tolkien é um anglicismo de Tollkiehn (em alemão, tollkühn, temerário, imprudente, que em uma tradução etimológica deveria ser dull-keen, algo como estúpido-sagaz, uma tradução literal de oxímoro).

Mesmo sendo um Tolkien, considerava-se mais um Suffield (sua família materna) do que propriamente um Tolkien.

Aos três anos parte com sua mãe, Mabel Suffield, dona de casa, e seu irmão, Hilary Arthur Reuel Tolkien, para a Inglaterra, onde pretendiam passar apenas uma temporada devido a questões de saúde de Mabel e de seus filhos, mas devido à morte de seu pai, eles ali permaneceram por toda a vida. O pai, Arthur Tolkien, um bancário que trabalhava para o Bank of Africa, contraiu febre reumática e morreu em 1896 na África do Sul, antes de se juntar à família. Em 1900 a situação financeira da família se complicou. Mabel Suffield fazia parte da Igreja Anglicana, e quando tornou-se católica, sua família cortou a ajuda financeira que lhe dava, e assim ela morreu, por diabetes, sem tratamento na época. Tolkien, que considerava esse fato um sacrifício da mãe em nome da fé, converteu-se ao Cristianismo. Tolkien e seu irmão passaram então aos cuidados do Padre Francis Xavier Morgan, que Tolkien mais tarde descreveria como um segundo pai, e aquele que lhe ensinara o significado da caridade e do perdão.

Conheceu Edith Bratt em 1908, três anos mais velha que ele, e os dois começam a namorar escondido, mas seu tutor, o Padre Francis Morgan, descobre a situação e, acreditando que este relacionamento prejudicaria a educação do rapaz, proíbe-o de vê-la até que complete vinte e um anos, quando Tolkien alcançaria a maioridade. Na noite do seu vigésimo primeiro aniversário, Tolkien escreve a Edith, e a convence a casar-se com ele, apesar de ela já estar comprometida, e também a converte ao catolicismo. Juntos eles têm quatro filhos: John Francis Reuel Tolkien (1917–2003), Michael Hilary Reuel Tolkien (1920-1984), Christopher John Reuel Tolkien (1924-) e Priscilla Anne Reuel Tolkien (1929-). Muitos de seus descendentes e ascendentes podem ser vistos aqui.

Tolkien era um pai devotado. Essa característica mostrava-se bastante clara nos livros, muitas vezes escritos para seus filhos, como Roverandom, escrito quando seu filho perdeu um cachorrinho de brinquedo na praia. Além disso, Tolkien mandava todos os anos cartas do Papai Noel quando os filhos eram mais jovens. Havia mais e mais personagens a cada ano, como o Urso Polar, o ajudante do Papai Noel, o Boneco de Neve, Ilbereth (um nome semelhante ao da rainha Elbereth, a Valië), sua secretária, e vários outros personagens menores. A maioria deles contava como estavam as coisas no Pólo Norte. Mestre Gil de Ham foi uma história contada para entreter os filhos também.

A vida em sua obra

A infância de Tolkien teve duas realidades distintas: a vida rural em Sarehole, ao sul de Birmingham, lugar que inspirou o famoso Condado, e o período urbano na escura Birmingham, onde iniciou seus estudos. Nesta frase Tolkien fala sobre Sarehole:

A ancestral Sarehole há muito se foi, engolida pelas estradas e por novas construções. Mas era muito bonita na época em que vivi lá…

Ainda criança, mudou-se para King’s Heat, numa casa próxima a uma linha de trem. Foi aí que ele começou a desenvolver uma imaginação lingüística, motivada pelos estranhos nomes das paradas do percurso, tais como Nantyglo, Perhiwceiber e Seghenydd. Sua infância foi muito marcada pelos contos de fadas, que estimularam sua imaginação para o Faërie, Belo Reino, como ele se refere ao mundo dos seres fantásticos.

Em 1900 sua mãe abraçou a religião católica, fato que o influenciou profundamente, mesmo sem a menção direta de Deus em sua obra (Tolkien representa Deus por Eru, o qual cria todo universo e os seres que lá habitam). Tolkien disse que os mitos não-cristãos guardavam em si elementos do Grande Mito, o Evangelho, que adentraram o Mundo Primário, isto é, o mundo real, fato este que não vai contra a Igreja Católica.

Sua mãe Mabel apresentou a ele e a seu irmão os contos de fadas em línguas como o latim e o grego. Depois de sua morte, em 1904, por diabete, Tolkien e seu irmão foram deixados aos cuidados do padre Francis Morgan, sacerdote de Birmingham. A partir de então, o rapaz se dedicou aos estudos demonstrando grande talento lingüístico. Estudou grego, latim, línguas antigas e modernas, como o finlandês, que serviu de base para criação do idioma élfico Quenya e o galês, base para o outro idioma élfico, o Sindarin. Em 1905 os órfãos mudaram-se para a casa de uma tia em Birmingham. Em 1908, deu início à sua carreira acadêmica, ingressando no Colégio de Exeter, da Universidade de Oxford.

Em 1914, ano em que explode a Primeira Guerra Mundial, Tolkien fica noivo de Edith Bratt. No ano seguinte, recebe com honras o diploma de licenciatura em Literatura de Língua Inglesa. A graduação e os méritos não o libertam da convocação e em 1916, depois de se casar com Edith Bratt, é chamado à guerra. Tolkien sobrevive à batalha do Somme (província de Soma), uma mal sucedida incursão na França/Bélgica onde morreram mais de 500 mil combatentes. Em 1917 nasceu o seu primeiro filho, John Francis Reuel Tolkien (mais tarde padre John Tolkien) e no ano seguinte, depois de contrair febre da trincheira (tifo), J.R.R.Tolkien é enviado de volta à Inglaterra. Foi neste período que Tolkien iniciou o Livro dos Contos Perdidos (The Book of Lost Tales), que mais tarde se converteria em O Silmarillion, em 1919 quando ele retornou a Oxford.

Depois do fim da guerra Tolkien dedicou-se ao trabalho acadêmicos como professor, tornando-se um dos maiores filólogos do mundo. Nesta mesma época ingressou na equipe formada para preparar o New English Dictionary, o equivalente inglês do dicionário brasileiro Aurélio. O projeto já havia chegado à letra W, e seu supervisor, impressionado com o trabalho de Tolkien, afirmou que:

Seu trabalho [de Tolkien] dá provas de um domínio excepcional de anglo-saxão e dos fatos e princípios da gramática comparada das línguas germânicas. Na verdade, não hesito em dizer que nunca conheci um homem da sua idade que se igualasse a ele nesses aspectos.

Mas foi só em 1925, depois do nascimento de seus filhos Michael Hilary Reuel Tolkien (1920) e Christopher John Reuel Tolkien (1924) que Tolkien publicou seu primeiro livro, ao lado de E. V. Gordon: Sir Gawain & the Green Knight, baseado em lendas do folclore inglês. Sua filha caçula, Priscilla Anne Reuel Tolkien, nasceria dali a cinco anos.

Tolkien e as Sociedades

Tolkien foi muito ligado a sociedades. Nas que participou, a literatura era o tema fundamental, algo que o ajudou na criação de suas obras, pois nestas sociedades encontrou seu primeiro público e encorajadores.

Em sua juventude, sua primeira sociedade foi a T.C.B.S. (Tea Club, Barrowian Society), formada por Tolkien e três amigos. Não era dedicada apenas a literatura, mas ela estava presente. A Primeira Guerra Mundial dissolveu o grupo, matando Rob Gilson, e algum tempo depois G. B. Smith. Os dois restantes, Christopher Wiseman (inspiração para o nome do filho de Tolkien) e Tolkien, foram amigos até o fim da vida.

Anos depois, fundada por Tolkien, The Coalbiters se dedicava à literatura nórdica, muito apreciada por Tolkien, que incluía Beowulf e o Kalevala, por exemplo. Chamavam-se de Kolbitars, ou, “homens que chegam tão perto do fogo no inverno que mordem carvão”, o que originou no nome Coalbiters (mordedores de carvão). Entre seus membros estavam R. M. Dawkins, C. T. Onions, G. E. K. Braunholz, John Fraser, Nevill Coghill, John Bryson, George Gordon, Bruce McFarlane e C. S. Lewis.

Outro grupo de que participava era chamado The Inklings, também dedicado à literatura, que se reunia no pub The Eagle and Child (em português A Águia e a Criança) que os integrantes chamavam O Pássaro e o Bebê (The Bird and Baby em inglês). Os Inklings incluíam C. S. Lewis e seu irmão H. W. Lewis, Charles Williams, Owen Barfield, Nevil Coghill, Gervase Mathew e John Wain.

Quando Tolkien conheceu C. S. Lewis, este era agnóstico, e Tolkien logo se empenhou para convertê-lo ao catolicismo romano. No entanto, Lewis preferiu o anglicanismo, movimento protestante cristão no qual foi educado. Tal fato se tornou a raiz de desentendimentos (não tão sérios) dos dois. Tolkien inclusive não apreciou muito a obra de seu amigo, As Crônicas de Nárnia, por esta ser demasiadamente alegórica. A religião no livro de Lewis é bem explícita, ao passo que nos de Tolkien ela é oculta em personagens, lugares e até atitudes. Apesar dos desentendimentos Tolkien e Lewis foram grandes amigos, amizade essa explorada no livro O Dom da Amizade: Tolkien e C. S. Lewis. De fato, O Senhor dos Anéis provavelmente não existiria sem o incentivo de C. S. Lewis, que aliás foi o primeiro a ouvir a história, e As Crônicas de Nárnia também não existiriam não fosse a força de Tolkien.

Títulos

Tolkien fez uma longa e ilustre carreira, em que, com certeza, seus livros foram os mais admirados e reconhecidos. Porém ele não se resumia a isso. Além de ser chamados por muitos fãs de “mestre”, ou “professor”, em 1972 Tolkien foi agraciado com o título de Comendador do Império Britânico (Ordem do Império Britânico) e com o Doutor Honoris Causa em Letras, pela Universidade de Oxford.

O hobbit

A idéia de seu primeiro grande sucesso, O Hobbit, surgiu em 1928, enquanto Tolkien examinava documentos de alunos que queriam ingressar na Universidade e Tolkien contou que:

Um dos alunos deixou uma das páginas em branco – possivelmente a melhor coisa que poderia ocorrer a um examinador – e eu escrevi nela: Em um buraco no chão vivia um hobbit, não sabia e não sei por quê.

Foi a partir desta frase que ele começou a escrever O Hobbit, somente dois anos depois, mas o abandonou no meio.

Tolkien emprestou o manuscrito incompleto para a Reverenda Madre de Cherwell Edge na época, quando esta estava doente, e ele foi visto por Susan Dagnall, uma bacharel de Oxford , que trabalhava para Allen & Unwin (comprada em 1990 pela Editora Harper Collins) e analisado depois por Rayner Unwin (Filho de Stanley Unwin, fundador da Allen & Unwin, na época com 10 anos de idade) que ficou maravilhado pela história. Dagnall ficou tão encantada com o material que encorajou Tolkien para que ele terminasse o livro, e em 1937 é publicada a primeira edição de O Hobbit.

A saga do hobbit Bilbo – um ser baixo, pacato, de pés peludos e grandes, que se aventura na Terra Média ao lado do mago Gandalf e mais treze anões – teve tanto sucesso que Tolkien foi sondado para novas aventuras. Tolkien oferece O Silmarillion, que ele considerava sua principal obra, mesmo que, hoje, não a mais conhecida. Stanley Unwin prefere não arriscar e não publica a obra. Mesmo depois da recusa, Tolkien concorda em continuar a saga dos hobbits e começa a dar forma a uma nova obra, que lhe consome doze anos de trabalho desde os primeiros rascunhos até a sua conclusão, mas que o tornaria um dos mais cultuados escritores de todos os tempos: O Senhor dos Anéis.

O elo para a nova aventura surge no Anel que Bilbo rouba de Gollum em O Hobbit. Os primeiros rascunhos da obra datam de 1937, mas devido ao seu perfeccionismo, que o impelia a ter de fazer vários rascunhos para cada uma de suas obras, foi somente em 1949 que O Senhor dos Anéis foi para as mãos de sua editora. Durante este longo tempo, Tolkien também escreveu Leaf by Niggle em que o autor se manifesta de forma autobiográfica, projetando-se em Niggle, suas dúvidas sobre o trabalho que estava escrevendo, “O Senhor dos Anéis”, e sua relevância. Em princípio o texto foi recusado, pois a idéia de Tolkien era lançar dois volumes, sendo eles “O Silmarillion” e “O Senhor dos Anéis”, já que ele os considerava interdependentes e indivisíveis. Entretanto o editor da Collins, uma outra editora, havia gostado da idéia e começou a encorajar Tolkien a publicar os livros pela editora Collins. Depois de grande atraso na publicação, Tolkien perde a paciência e desiste do acordo. Posteriormente, após algumas conversas com Rayner Unwin (já adulto e trabalhando na empresa do pai, Rayner foi um dos que recebiam os rascunhos de “O Senhor dos Anéis” de Tolkien ao longo de sua composição), a decisão da Allen & Unwin foi reconsiderada e, em 1954, foram publicados os dois primeiros volumes (A Sociedade do Anel e As Duas Torres). Em 1955 foi publicado o terceiro e último volume (O Retorno do Rei). A idéia original era lançar a obra toda num único volume, mas para baratear os custos de impressão, foi dividida em três volumes.

Esse livro consolidava então o que Tolkien chamava de Mundo Secundário, com novas normas, novos povos, uma realidade à parte: Arda, o cenário de uma das maiores obras literárias de todos os tempos. “Arda” é a Terra, povoada por seres fantásticos, como os Valar, os Maiar, e os mais conhecidos, hobbits, elfos, anões, trolls, orcs e cercada de mistérios e magia:
[Criei] um Mundo Secundário no qual sua mente pode entrar. Dentro dele, tudo o que ele relatar é “verdade”: está de acordo com as leis daquele mundo. Portanto, acreditamos enquanto estamos, por assim dizer, do lado de dentro.

Apesar dos ataques da crítica, o livro teve grande sucesso dos dois lados do Atlântico, mas seus livros só alcançaram a classe de cult nos anos 60, devido ao fato de sua obra ter se tornado mania entre os universitários dos Estados Unidos com a chegada de uma edição pirata norte-americana neste país. O nome de Tolkien ganhou notoriedade mundial, fato este que provocava mais transtornos que prazer ao autor, pois visitantes excêntricos afluíam ao seu encontro: fãs norte-americanos telefonavam-lhe durante a madrugada sem se lembrar do fuso horário por exemplo. Tais fatos tiveram grande peso em sua decisão de se mudar para Bournemouth.

Tolkien era um homem apaixonado por idiomas. Quando criança se encantava com nomes galeses que via nos caminhões de carvão. Com suas primas aprendeu rapidamente uma língua artificial e bem simples criadas pelas garotas, chamada Animálico, com base nos nomes de animais. Juntos criaram outra língua, uma mistura de vários outros idiomas. Chamava-se Nevbosh, traduzido como Novo Disparate. Mais tarde criou o Naffarin, mais complexa e baseada na língua de seu tutor Francis Morgan: o espanhol.

Tolkien, em dezembro de 1910, tornou-se aluno do curso de literatura clássica na Universidade de Oxford, onde obteve uma bolsa de estudos do Exeter College, mas desinteressou-se por este curso e começou a gastar mais tempo no estudos de filologia, sendo orientado por Joseph Wright, um dos grandes pesquisadores britânicos desta ciência e grande conhecedor do tronco lingüístico indo-europeu. Pediu transferência para a Honour School of English Language and Literature, onde teve um notável melhora devido ao seu interesse pela filologia germânica.

O primeiro artigo da Declaração dos Direitos Humanos escrita nos caracteres Fëanorianos: as Tengwar. Desde criança já tinha em sua volta línguas clássicas como grego e o latim, e mais tarde com o espanhol, idioma de seu tutor, o padre Francis Morgan. Sempre achou o italiano muito elegante e, é claro, o inglês e o anglo-saxão o fascinavam. O francês não o cativava tanto, apesar de ser (como ainda é) aclamada como uma belíssima língua. Quando se deparou com a língua finlandesa ele se encantou, e usou sua gramática, junto com a galesa, como base para as línguas que mais tarde apareceriam em seus livros. Línguas de gramática complexa e vasto vocabulário. Línguas que seriam estudadas a fundo por muitos de seus fãs: o Quenya, cujo exemplo máximo é expresso pelo poema Namárië, e o Sindarin, este último baseado no galês, as Línguas Élficas, todas movidas pelo som bonito (eufonia) e pela estética, como o “Repicar dos sinos” dizia ele. Foi baseado nestas línguas que Tolkien começou a desenvolver seu mundo. Para ele, primeiro vinha a palavra, depois a história. A composição para ele não era um passatempo (como foi ‘acusado’ na época), mas um trabalho filológico. Ele criou um mundo onde suas línguas pudessem ser faladas, e lendas para rodeá-las.

Tolkien, consciente da língua como um organismo mutável, totalmente relacionado com as histórias de um povo, afirmou certa vez que:
O Volapuque, Esperanto, o Ido, o Novial, são línguas mortas, mais mortas do que antigas línguas sem uso, porque seus inventores jamais criaram lendas para acompanhá-las.

Criou várias outras línguas (como o Khûzdul e o Valarin), mas nenhuma tão elaborada quanto as duas élficas. Também desenvolveu alguns sistemas de escrita, as Angerthas (ou runas) e as Tengwar. Acreditava que uma língua bonita devia ter também um alfabeto elegante.

Além do inglês, Tolkien conhecia cerca de dezesseis outros idiomas (à exceção dos criados por ele mesmo) que eram os seguintes: grego antigo, latim, gótico, islandês antigo, sueco, norueguês, dinamarquês, anglo-saxão, médio inglês, alemão, neerlandês, francês, espanhol, italiano, galês e finlandês.

Quando O Hobbit foi traduzido para o islandês, Tolkien ficou encantado, porque, além de esta ser uma de suas línguas favoritas, ele achava que o livro combinaria muito com ela. Muitos nomes, como Gandalf, foram retirados do antigo islandês.[8]

Aversão à tecnologia

Se por um lado Tolkien exerceu grande influência na era da informática, por outro, isso bate de frente com a visão nostálgica e radical do autor. Ele sempre foi avesso a computadores, trens, automóveis, televisão e comida congelada, a indústria em si. Tolkien acreditava que essa dominação e controle que a tecnologia moderna exerce sobre o Homem, mesmo que usadas para o bem, “trazem sofrimento à criação” (referindo-se ao seu Mundo Secundário). Este ponto de vista foi criado devido a sua experiência como veterano da Primeira Guerra Mundial e pai de rapazes que lutaram na Segunda Guerra Mundial, e ele não alimentava mais ilusão papel benfazejo e salvador do desenvolvimento das tecnologias. Com esse pensamento, ele coloca o problema da tecnologia no coração de O Senhor dos Anéis. O Um Anel é o instrumento máximo do poder. Poder esse que até Gandalf preferiu não arriscar, deixando o fardo para Frodo. E cabe ao pequeno hobbit o dilema da saga: ter o poder não é possuir o Um Anel, e sim destruí-lo. Frodo deve então renunciar ao poder porque ele corrompe. Só assim ele será capaz de destruir Sauron. Mesmo assim, sua obra foi a inspiração que faltava para novos jogos de computados, para o cinema e a televisão.

Além de “O Hobbit” e “O Senhor dos Anéis”, foram publicados Sir Gawain & The Green Knight (1925), Mestre Gil de Ham (1949), As Aventuras de Tom Bombadil (1963), Smith of Wootton Major (1967) e Sobre Histórias de Fadas (1965) entre outros . O escritor então se aposenta e junto de sua mulher se muda para Bournemouth. Com a morte de sua esposa em 19 de novembro de 1971, após 55 anos de casamento, Tolkien refugiou-se na solidão em um apartamento na Universidade de Oxford. Numa carta ao seu filho Christopher, John Ronald Reuel Tolkien escreveu, sobre sua mulher Edith Bratt:
[…]o cabelo dela era preto e sedoso, a pele clara, os olhos mais brilhantes do que os que vocês viram, e sabia cantar… e dançar. Mas a história estragou-se, e eu fiquei para trás, e não posso suplicar perante o inexorável Mandos.[…].

No texto, Tolkien decide que no epitáfio de Edith estaria escrito Lúthien. Lúthien é uma personagem de “O Silmarillion” inspirada na esposa de Tolkien, como afirma o trecho da mesma carta:

É breve e simples [o epitáfio], a não ser por Lúthien, que tem para mim mais significado do que uma imensidão de palavras, pois ela era (e sabia que era) a minha Lúthien […] Nunca chamei Edith de Lúthien, mas foi ela a fonte da história que, a seu tempo, se tornou parte de O Silmarillion.

Lúthien era elfa, imortal, mas se apaixona por um mortal, Beren. Ela então desiste de sua imortalidade. Ambos enfrentam muito para ficar juntos e, quando ele morre, Lúthien vai até os Palácios de Mandos, o guardião das Casas dos Mortos. Beren a aguardava nos Palácios, e ela canta diante de Mandos que, então, se comove, a única vez em toda sua existência, e permite que ambos voltem, como mortais. E assim foi. No túmulo, abaixo do nome Edith Tolkien está escrito Lúthien, que, nas histórias, é a mais bela das elfas, a mais bela dos Filhos de Ilúvatar. A história dos dois está contada na Balada de Leithian.

Em 1972, J. R. R. Tolkien recebeu o Doutorado Honorário em Letras da Universidade de Oxford, e conseguiu seu último e mais importante título: a Ordem do Império Britânico pela Rainha Elizabeth, uma das maiores honras britânicas. Era agora Sir John Ronald Reuel Tolkien.

No dia 28 de agosto de 1973 Tolkien sentiu-se mal durante uma festa, e na manhã do outro dia foi internado, com úlcera e hemorragia. No sábado descobriu-se uma infecção no peito.

Aos 81 anos de idade, então, nas primeiras horas do domingo de 2 de setembro de 1973, J. R. R. Tolkien morre na Inglaterra. Enterrado junto com a esposa, no Cemitério de Wolvercote, no túmulo feito de granito da Cornualha, abaixo do seu nome há a inscrição Beren.

Após sua morte, seu filho Christopher editou e publicou “O Silmarillion” (em 1977), além de nos anos 80 e 90 lançar a série The History Of Middle-Earth (A História da Terra-Média), uma gigantesca coletânea dividida em doze volumes, e Unfinished Tales of Númenor and Middle-Earth (Contos Inacabados)

Em 1992, ano em que Tolkien completaria 100 anos, duas árvores foram plantadas em seu tributo em Oxford pela Tolkien Society e pela Mythopoeic Society, grupos de leitores e estudiosos de sua obra. Essas duas árvores fazem alusão às Duas Árvores de Valinor, que davam luz a Valinor nos Dias Antigos.

O Legado de Tolkien

Apesar de ter dado início em 1937 com O Hobbit, o livro infanto-juvenil que fez tanto barulho quanto Harry Potter em sua época, foi somente após o lançamento da trilogia de “O Senhor dos Anéis” (1954-1955) que Tolkien passou a ser cultuado por milhões de fãs. Em 1996, uma pesquisa feita pela livraria londrina Waterstone’s, que conta com mais de 200 lojas em toda Grã-Bretanha, em parceria com um canal de TV britânico, entre cerca de 25.000 leitores, coroou O Senhor dos Anéis como o melhor livro do século e O Hobbit entre os 20 melhores. Uma outra pesquisa mais recente, datada de 2003, feita pela BBC, perguntando às pessoas qual o livro favorito delas, “O Senhor dos Anéis” ficou em primeiro, e “O Hobbit” em 25°. São mais de 50 milhões de exemplares vendidos em vários países, traduzido para 34 idiomas, juntamente com legiões de fãs que se dedicam a ler e estudar a obra do autor.

Ao contrário de muitos escritores que contaram mais com a sorte do que com um respaldo acadêmico para a criação de suas obras, John Ronald Reuel Tolkien foi membro da diretoria do New English Dictionary (1918-1920), professor de Língua Inglesa na Universidade de Leeds, cátedra Rawlinson & Bosworth, posto ligado à Faculdade Pembroke (em Oxford) (1920-1925), professor de Anglo-Saxão (inglês arcaico) em Oxford (1925-1945) e professor de Língua e Literatura Inglesa em Merton (1945-1959), o que caracteriza um jeito próprio de lidar com os livros e a mitologia sempre presente em seus livros.

Mesmo com o sucesso de “O Senhor dos Anéis”, Tolkien só virou celebridade nos anos 60. Nessa época os fãs do autor se reuniam pelos campus das universidades com o único objetivo de discutir sua obra.

Estes fãs tiveram a mesma importância que os trekkers em Star Trek, os “star warriors” em Star Wars e os “excers” em Arquivo X para tornar a obra de Tolkien conhecida. Desde os encontros da primeira sociedade Tolkien, que se comunicava através de frases em cartazes no metrô de Nova York, a tolkienmania só cresceu e continua a influenciar muita gente. No auge da contracultura, a obra era considerada uma espécie de bíblia da Sociedade Alternativa. Com broches como “Frodo Vive” e “Gandalf para Presidente”, os fãs se reuniam para celebrar Tolkien. O público nessa época era composto, quase sempre, por geeks da computação e hippies. De certa maneira, esse público buscava justamente o que Tolkien queria: uma nova realidade (mas não a mesma visão dessa nova realidade).

A criação de mundos complexos como a Terra-Média também deram uma arejada à literatura ficcional, além de inaugurar um novo gênero literário, a literatura fantástica, algo de que Tolkien sentia falta na literatura. Muitos autores também criaram seus mundos próprios e essa realidade virtual criada por Tolkien foi o elemento-chave para a ficção científica de Duna (de Frank Herbert), para a fantasia de A Cor da Magia (de Terry Pratchett). Talvez até para o universo de Harry Potter de J. K. Rowling, autora que gosta muito da obra, a obra tolkieniana tenha servido de base, apesar de a autora ter declarado:

Penso que, se deixarmos de lado o fato de que os livros falam de dragões, varinhas mágicas e magos, os livros de Harry Potter são muito diferentes, especialmente no tom. Tolkien criou toda uma mitologia. Não penso que alguém possa dizer que eu tenha feito isso.

Não se pode deixar de citar também uma obra que é muitíssimo parecida com a de Tolkien: Eragon, de Christopher Paolini. Nela, os elfos são ainda criaturas belas e os anões os mineradores rabugentos também.

Muitas outras áreas sucumbiram ao poder dos Anéis. Em 1974, Gary Cygax e Dave Anerson arrumaram uma maneira de interagir com esta realidade e criaram o Role-Playing Game (RPG) Dungeons & Dragons, um jogo de personificações com temas fantásticos, claramente inspirados na Terra-Média de Tolkien. Com o RPG foi possível se aventurar no universo de orcs, anões, elfos, dragões e até os hobbits, os Halflings do D&D, que mantêm muitas características dos Hobbits com leves alterações (inclusive o próprio Tolkien usava o nome halfling para os seus hobbits). O RPG serviu de estímulo para o público explorar e conhecer novos mundos. A própria Terra-Média chegou a ter seu RPG, o MERP (Middle-Earth Role Playing), em 1982, só que o complexo sistema de regras e os freqüentes equívocos em relação à trama atrapalharam sua difusão, e o MERP não decolou.

Do papel para o computador foi um pulo. Na década de 70, um hacker fã de Tolkien deu uma ajuda ao programador do arcaico RPG Adventure. O jogo foi transformado, ganhou o nome de Zork e virou hit entre os usuários da Arpanet (embrião da Internet) porque estava cheio de referências ao mundo de Tolkien. Nos primórdios da rede, essas realidades virtuais ganharam uma versão em texto, batizadas de MUD (Multi-User Dungeon/Dimension, que em português soa algo do gênero Dimensão Múltipla de Usuários). Hoje, graças aos avanços da tecnologia, os MUD caíram em desuso e o que é sucesso são jogos multiplayer como EverQuest, Última Online, Asheron’s Call, Warcraft e Kingdom Under Fire. Todos têm em comum cenários fantásticos e referências às obras de Tolkien. A Internet teve papel importante na propagação dos trabalhos do autor. Através dela foi possível reunir fãs do mundo inteiro, que demonstram sua admiração e discutem a política, sociedade, as línguas, a biologia e a história da Terra-Média. Há milhares de sites dedicados aos trabalhos de Tolkien que trazem ensaios, poemas, fan-fictions (contos de ficção escritos por fãs), sátiras, críticas, notícias, grupos de estudos, de discussão, fóruns e, é claro, humor (vide Ligações externas).

Ao contrário dos trekkers e dos “star warriors” que aprovam e incentivam as seqüências das obras originais em livros, filmes, seriados, produtos e HQs, os fãs de Tolkien preferem manter seu próprio ponto de vista sobre a obra. Com uma visão muito pessoal e particular da saga de Frodo, os fãs não se arriscam a tocar na Terra-Média. E esse é um dos motivos que impediram uma proliferação ainda maior do legado do autor. A única exceção talvez seja o livro The Black Book of Arda, escrito por duas jovens russas no início dos anos 90, que recontavam os acontecimentos de O Silmarillion, só que do ponto de vista dos vilões.

A influência de Tolkien também pode ser percebida nas mais diversas formas de artes. Pintores como John Howe, Roger Garland, Ted Nasmith, Alan Lee, Tim Kirk e os irmãos Hildebrandt entre outros figuram em enciclopédias ilustradas e centenas de galerias de imagens na Internet. Eles retratam com primazia várias passagens dos livros. A obra do autor também aparece nas músicas de bandas como Led Zeppelin, Blind Guardian, a banda sueca Za Frûmi’s (que compôs uma música com uma versão modificada do idioma orc) entre várias outras influenciadas.

O cinema e a TV não poderiam ficar de fora, o desenho animado Caverna do Dragão e o filme Dungeons & Dragons (ambos baseado no RPG D&D) são claramente influenciados por Tolkien. Podem-se citar outras produções cinematográficas como O Cristal Encantado (1982), A História Sem Fim (1984), Labirinto (1986), A Lenda (1986), Willow – Na Terra da Magia (1988) e Coração de Dragão (1996).

Em 1978, o animador britânico Ralph Bakshi (o mesmo de Super Mouse e Gato Felix) tentou adaptar O Senhor dos Anéis para o cinema num longa-metragem de animação de duas horas. Mas o roteiro era fraco e mesmo usando uma técnica de animação interessante (a rotoscopia, onde os movimentos humanos são sobrepostos pelo desenho) a produção não agradou e parece terminar em algum ponto no meio de As Duas Torres. Outras duas obras de Tolkien viraram longas animados para a TV inglesa: O Hobbit (em 1978) e O Retorno do Rei (1980), ambas criadas para especiais de TV e dirigidas por Jules Bass, o mesmo produtor de Thundercats e Silverhawks e co-diretor do longa metragem Rudolph, a rena do Nariz Vermelho. Tolkien também marcou presença nas HQs. Há influência dele em Bone, a HQ fantástica de Jeff Smith e na megassérie Elfquest, que já tem mais de vinte anos de publicação e conta a história de um mundo recheado de elfos. Também existe Lodoss, uma série criada por fãs-japoneses de RPG, que durante anos, anotaram suas aventuras e transformaram em duas sagas animadas. A primeira é The Record of Lodoss War (de 1991) e a mais recente saga chama-se Chronicles of the Heroic Knight (de 1999), ambas trazem um mundo mágico de deuses, dragões, demônios, magos e guerreiros lutam pelo poder.

Com seus tentáculos se espalhando por todos os lugares, no início do século XXI a saga dos Anéis chega ao cinema. Graças a Peter Jackson, um antigo fã, isso se tornou realidade, e a realidade dos três filmes produzidos simultaneamente (divididos do mesmo modo que os livros, lançados em 2001, 2002 e 2003), rendeu 17 Oscar à série, 4 ao primeiro, 2 ao segundo e 11 concedidos ao terceiro, igualando-o aos recordes de Titanic e Ben-hur.

Fontes:
NOVA Enciclopédia Ilustrada Folha. volume 2. São Paulo: Empresa Folha da Manhã, 1996.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Tolkien
http://www.dec.ufcg.edu.br/biografias/JohnRRTo.html

Deixe um comentário

Arquivado em Biografia, Literatos