Arquivo do mês: agosto 2008

Antonio Roberto de Paula (O silêncio de Maringá – Cabrito na Horta)

O Silêncio de Maringá

É na noite
Quando procuro o sono
Fecho os olhos
E tento ouvir
O silêncio de Maringá
Um silêncio que dura
A eternidade
De poucos segundos

Um motor ronca
Rompendo uma reta
Perdendo força
Nos meus ouvidos

Chega uma música
Em baixo volume
Sobe poderosa
E se perde na escuridão

Logo outros sons
Itinerantes de vozes
Passos e latidos
Vêem e seguem
Sem dar boa-noite

A noite passa veloz
O dia começa na madrugada
Acelerações e freios
Buzinas e máquinas
É a cidade de pé
Em movimento

Houve um tempo
Em que a cidade
Dormia mais cedo
Não vagava tanto
E acordava no horário

Tempo da poeira
Dos lampiões
Das casas de madeira
E portões de balaústres

A noite era de poucos
Só dos profissionais
Hoje o dia ficou pequeno
A noite é a extensão

É na noite
Quando procuro o sono
Fecho os olhos
E tento ouvir
O silêncio de Maringá
Um precioso silêncio
Um frágil silêncio
Que dura menos
Que a pureza do instante

A noite
Já não é mais noite
É só o dia sem sol
Entrando no outro dia
(Antonio Roberto de Paula – Livro Maringânias – 2007 – Poesias comemorativas – Maringá 60 anos)
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Cabrito na Horta


Patrono, manda-chuva, mandava brasa
Pedro Caveira era o tipo de fazer tremer
Nunca foi de levar desaforo para casa
Não havia homem que podia lhe conter

Na faca, na bala, no pau, na porrada
Pedro Caveira se valia da truculência
A cada dia mais uma área era dominada
Demarcava seu espaço sem pedir licença

Para Pedro Caveira era vencer ou morrer
Dos homens ganhava o temor, o respeito
Das mulheres conseguia tirar o prazer
Era na marra, na força, de qualquer jeito

Entre as tantas moçoilas submissas
Havia uma que ocupava seu coração
Era a bela , doce e estonteante melissa
Morena brejeira exalando amor e paixão

Por ela é que Pedro Caveira se derretia
Um caso conhecido em toda comunidade
Quando ela chegava seu sorriso se abria
Para ela, ele pedia só amor e fidelidade

Na vida acontecem coisas inesperadas
Por uma bronca sem grande repercussão
Caveira teve que tirar férias forçadas
Fora de circulação, um ano de prisão

Um dia antes de se entregar à justiça
Pediu ao bando a palavra em penhor
Chorou abraçado à querida Melissa
Que lhe fez juras de eterno amor

Chamou num canto o seu preferido
O humilde amigo Zequinha Terceiro
Lhe pediu em lágrimas, comovido
Que cuidasse de todo o seu terreiro

Zequinha levou à risca aquele pedido
Por sua conta incluiu a bela morena
Virou chefão do pedaço, cabra temido
E botou as guampas no Pedro Caveira

Passou o tempo, cumprida a sentença
Caveira quis retornar ao antigo ninho
Mas ninguém mais quis a sua presença
E até Melissa lhe negou os carinhos

Humilhado, pobre, com medo de morrer
Pedro Caveira abandonou aquela cidade
Com ódio de Zequinha de endoidecer
Hoje perambula na estrada da infelicidade

O mundo sempre foi e será dos espertos
Zequinha agora é senhor, do alto escalão
O pai e o avô na vida não deram certo
Mas ele é o terceiro, o chefe, um campeão

E finalizando essa incrível história
Pra você não ser tomado de revolta
E pra que a tua vida não seja inglória
Não deixe o cabrito tomar conta da horta

Letra: Antonio Roberto de Paula
Melodia: Helington Lopes
História contada por Cláudio Viola
A música “Cabrito na horta” , em versão reduzida, participou do Femucic, em 2005, com apresentação do grupo Receita do Samba
===================

Fontes:
http://blogdodepaula.blogspot.com/
Foto de Maringá: http://www.skyscrapercity.com/

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em O poeta no papel

Antonio Roberto de Paula (Da Minha Janela – Escrever é viver – Amor em cada esquina)

Da minha janela

Da minha janela vejo a ponta da Catedral. Já passei por tantas janelas, mas tenho a sorte ou a graça de Deus de sempre vislumbrar parte deste Sputinik de concreto. Hoje, cá onde me encontro, só vejo a cruz. Este símbolo católico me persegue e a cada dia o defino de uma maneira. Já me rebelei com a ostentação e já me emocionei com a fé construtora desta comunidade.

Fiz da Catedral a representação maior do meu amor por Maringá. E, como contraponto, ao ver esta imponente armação de cimento, me culpo por não buscar novos caminhos.

Os anos passam e estes pensamentos antagônicos estão comigo. Tantas janelas, ângulos, olhares. Importantes e parcas vitórias, derrotas providenciais e uma luta diária igual a muitas outras de muitos outros. Um céu de paradoxos me invade.

Meus olhos já não enxergam tanto como antes, mas hoje me atenho mais a detalhes. Os horizontes ainda estão lá. A cidade cresceu e pela minha janela não posso descortinar tantas possibilidades. Mas elas ainda existem. Penso em aumentar meu campo de visão, mas esta paisagem encanta, conforta e acomoda. Dia, noite, sol, néon, roncos, silêncio, chuva, grama, asfalto, árvores, flores, carros, casas, muros, placas. Tudo confusamente ordenado. Uma natureza feliz com a invasão.

Da minha janela vejo a ponta da Catedral, os prédios, o verde. Vejo uma cidade que buzina, acelera, avança. Cidade clara e obscura. Planejamento, estética, beleza física. Cidade desorganizada de idéias e objetivos, o espírito coronelista ainda a rondá-la, resquícios da ”fazendola iluminada”, expressão utilizada nos anos 70 para chamá-la de provinciana. Maringá canção, artística, pólo, vigorosa. Da minha janela vejo Maringá com mil olhos sem saber quais são verdadeiros.

Da minha janela vejo gente que nasce e morre, ri da vida e chora pela morte, comemora e sofre, conta vantagens e percalços. Gente que ama e odeia, que sonha e tem os pés no chão. Gente do bem e do mal. Gente nem tão boa e nem tão má assim. Gente que me completa e me esvazia, que me faz ser doce e amargo, sereno e turbulento.

Da minha janela vejo esta vida passar como deve ser, na essência, a paisagem de todas as janelas de todos os lugares. Concluo que aqui ou em qualquer outro “lá” não intensificaria ou reduziria minhas emoções. Posso ter outros campos de visão, mas o eu que me leva não vai me deixar porque os mil olhos vão estar sempre atentos. Seja onde for, o antagônico e o paradoxo vão estar comigo. Vai sempre existir a ponta de uma Catedral.
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Escrever é viver

Escrever é tortura e terapia, trabalho e divertimento, sofrimento e comemoração. É a vontade de mostrar a alma e expor as idéias. Escrever é poetar, declarar, orar, protestar e sonhar.

Escrever é participar, interferir, informar, comentar, repensar, apontar alternativas, ousar, facilitar e complicar. É vagar, descompromissar-se do estabelecido tendo a vontade como compromisso. É querer ser livre, ordenando as palavras de modo que elas levem a mensagem. Formas e estilos variados de enviá-las.

Escrever é marcar posição, é sentir-se inserido, responsável e útil. É tirar pensamentos dispersos e discipliná-los no papel. É fotocopiar frases do coração. O som das teclas é a alma em ebulição despejando letras.

A razão nem sempre está em primeiro lugar. Nem poderia. Desprendimento nem sempre combina com racionalidade. E como é salutar sufocar a razão de vez em quando e deixar a emoção comandar!

Escrever é destilar prazer, buscar no âmago a idéia, fazendo a criação a partir da primeira palavra, exteriorizar esta idéia. Tirá-la da prancheta da mente. Um dolorido e feliz parto. Parir o pensamento e entregá-lo ao mundo.

Escrever é desligar-se deste mundo para nele se concentrar. É concretizar o abstrato, materialização de influências e experiências. Escrever é arte, profissão, passatempo e desabafo.

É a catarse, a devolução da pressão e repressão acumuladas diariamente. É escapismo e engajamento. Tudo ao mesmo tempo. Quem escreve é egoísta e narcisista, mas também é tímido e solitário. É o companheiro que quer estender o seu raio de ação e entende que a escrita é a melhor maneira de atingir a meta.

Escrever é um ato de amor e de coragem. É a divertida tortura que leva ao prazer. É o sofrido trabalho sinônimo de terapia. Escrever é viver.
¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Amor em cada esquina

Viver é exercitar o amor nas suas mais variadas formas e buscar em cada uma a sua plenitude. Encontre o amor na mulher que abre corpo e alma para seu homem, que por sua vez o devolve na mesma medida, e na primeira visão do pai para o filho ainda envolto no cordão umbilical.

Encontre o amor na velha que conduz a colher à boca do netinho, no velho pai que abraça o filho moço, nas crianças que brincam como se o mundo fosse uma eterna infância. Encontre o amor na mãe que embala o seu bebê, na mãe que se desespera nas madrugadas tendo como cenário o quarto vazio. E naquela que chora com a filha a reprise do sofrimento.

O amor na vida que chega e o amor que fica, deixado por quem entrou em nova dimensão. Encontre o amor nas mãos que trocam adeus ou nos abraços efusivos da chegada. No beijo demorado do casal que sonha. No homem de preto que diz sim à mulher de branco e vice-versa, enquanto todos dizem amém. E com a mão direita, um homem de bata traça uma cruz imaginária abençoando o amor.

Nos cárceres, tente encontrar o amor. Nas lágrimas de saudade e junto daqueles que querem libertar a alma. Encontre o amor nos cartazes de fé, nas bíblias manchadas e nos rostos clementes. Ele vai estar na mão estendida, no pão repartido, na família reunida para comemorações ou lamento. No brinde e no choro. Entre paredes ou na natureza, encontre o amor.

Encontre o amor na solidão dos santuários e no burburinho da multidão nas ruas, nas flores que se abrem e nos pássaros a flanar. Na beleza, no perfume e no canto, o amor vai estar presente. Encontre o amor no coração, gestos e pensamentos, na visão positiva diante da vida, na força de lutar, na noite que vem e no dia que se abre. Encontre o amor. Deus vai estar lá.

Fontes:
TV Clipping Maringá .
http://www.tvcm.com.br/

Deixe um comentário

Arquivado em O Escritor com a Palavra

Antonio Roberto de Paula (1957)

O jornalista Antonio Roberto de Paula, sócio-proprietário da TV Clipping Maringá, nasceu na cidade paulista de Lupércio, em 17 de junho de 1957. É o primogênito dos quatro filhos de Alcebíades de Paula Neto e Rita Andrade de Paula. A mudança para Maringá ocorreu em 1959. De Paula concluiu o curso primário em 1967, em Engenheiro Beltrão (PR), onde a família residiu até meados de 1972.

Em 1968 estudou no Seminário Verbo Divino, em Ponta Grossa. De 1969 a 1976, fez o ginásio e o científico, como eram chamados na época os ensinos fundamental e médio, nos seguintes estabelecimentos de ensino de Maringá: Santo Inácio, Instituto de Educação, Gastão Vidigal e Paraná.

Foi aprovado no vestibular do curso de Letras na UEM (Universidade Estadual de Maringá) em 1981, mas desistiu do curso. Em 2001, formou-se em Jornalismo pelo Cesumar (Centro Universitário de Maringá). Em 2003, fez o curso de pós-graduação Língua Portuguesa – Teoria e Prática, pelo Instituto Paranaense de Ensino e Univale (União das Escolas Superiores do Vale do Ivaí). Atualmente, cursa Mestrado em Letras na UEM.

Sua monografia de conclusão do curso de graduação foi a apresentação do livro Os homens da Folha do Norte do Paraná , jornal maringaense fundado em 1962, pelo primeiro arcebispo de Maringá, dom Jaime Luiz Coelho, e que teve suas atividades encerradas em 1979.

Antes de atuar profissionalmente na imprensa, De Paula foi escriturário na Transparaná (1977), funcionário público municipal ( 1977 a 1979), tendo trabalhado na extinta Codemar (Companhia de Desenvolvimento de Maringá) e Secretaria de Fazenda; bancário ( 1979 a 1985), no Centro Regional do Bradesco-Maringá; e foi proprietário do Bar do Toninho ( 1985 a 1990), na avenida Dr. Alexandre Rasgulaeff, no Jardim Alvorada, em Maringá.

Desde a adolescência escreve poesias, contos, crônicas e artigos, inclusive com publicações desde a década de 1970, nos jornais O Diário do Norte do Paraná , O Jornal de Maringá e Jornal do Povo . Sua primeira experiência efetiva no jornalismo ocorreu em 1975, no Colégio Estadual Dr. Gastão Vidigal, com o jornal Skeletus , do CETA (Centro Estudantil Tristão de Athaíde).

Publicado até 1977, o Skeletus tinha como editores, além de De Paula, seus amigos Mário Sérgio Recco, José Miguel Grillo, Nivaldo Gôngora Verri, Edson Cemensati e Edson Luiz Matias. Em 1981, foi colaborador do Vôo Livre , suplemento de O Diário publicado às sextas-feiras, editado por Mário Sérgio Recco.

Seu primeiro emprego efetivo na imprensa foi no Jornal do Povo, em 1991, como colunista de futebol amador, passando depois para a editoria de esportes e escrevendo a coluna Visão de jogo. Neste mesmo ano atuou como comentarista da extinta Rádio Metropolitana (Rádio Jornal).

Em 1992 e 1993 trabalhou como comentarista em transmissões de futebol amador pela RTV Maringá. Em 1993, deixou o Jornal do Povo e se transferiu para a sucursal do Correio de Notícias, jornal curitibano que encerrou as atividades na cidade no ano seguinte. Lá, foi colunista e editor de esportes.

Ainda em 1993, deixou a RTV indo para a TV Maringá (Band) para ser editor, pauteiro e produtor do programa diário Esporte por Esporte , onde permaneceu até 1995.

Neste período, De Paula também foi produtor e comentarista do programa Atalaia Esportiva, da Rádio Atalaia de Maringá. De 1995 a 1997, trabalhou no O Diário exercendo as funções de editor de esportes, colunista do DNP Esporte, repórter de matérias políticas e locais, pauteiro e secretário de redação.

De 1997 a 1998 foi repórter da Revista M-9. De 1997 a 1999 escreveu crônicas, artigos, poesias e contos na coluna Linha Expressa, no Jornal do Povo. Em 1998 e 1999 atuou como editor-chefe do departamento de jornalismo da TV Cidade – Sistema NET. Em 2000, foi repórter, pauteiro e colunista do jornal Hoje Maringá.

De Paula e o jornalista Cláudio Viola são parceiros em composições em que incluem os hinos do Maringá Futebol Clube (1996), do Grêmio Maringá (2000) e as músicas Maringá Velho, gravada em 2003 pela cantora maringaense Márcia Mara, e Cabrito na horta , classificada no Femucic (Festival de Música Cidade Canção), gravada por Helington Lopes (que também foi um dos compositores) e o grupo Receita do Samba.

Em 2002, abriu com a jornalista Simone Labegalini a TV Clipping Maringá. No início de 2003, De Paula trabalhou como produtor, repórter e comentarista do programa Estação Comunitária , da Rádio Comunitária São Francisco FM, do Jardim Alvorada, retornando no ano seguinte. Foi responsável juntamente com seu filho Guilherme Tadeu de Paula da sucursal em Maringá do jornal londrinense Paraná Shimbun, em 2003 e 2004, e um dos produtores do programa Beca TV , da TV Clipping Maringá, com Guilherme Tadeu e Allan Oliveira, em 2004. Em 2003, publicou o livro Da minha janela, de crônicas, artigos, poemas, contos inéditos e já publicados.

Em 2004 lançou o livro A história política de um cabo de José, de Maria e de todos os Santos , em que narra a história do vereador maringaense Cabo Zé Maria e seus dez anos de mandato. Em 2005, dirigiu o videodocumetário Crônica democrática de uma cidade brasileira , sobre as Eleições 2004, numa produção da TV Clipping Maringá, com roteiro de Guilherme Tadeu de Paula e fotografia e montagem de Allan Oliveira.

Foi nomeado assessor de imprensa da Câmara Municipal de Maringá em 1997, vindo a ocupar a chefia do setor no final de 1999, onde permanece até hoje.

Fonte:
TV Clipping Maringá . http://www.tvcm.com.br/

Deixe um comentário

Arquivado em Academia de Letras de Maringá, Biografia

Antonio Mário Manicardi (A Cachorrada)

Antonio Mário Manicardi, o “Nhô Juca” que foi o primeiro funcionário da Prefeitura de Maringá (o número 1, está na carteira de trabalho dele) está escrevendo um livro sobre a história da cidade. E ele sabe muitas. Todas verídicas

Um das histórias que Nhô Juca contará no livro é sobre os cachorros de Maringá.

*Américo Dias Ferraz era o prefeito. Um dia, chamou Manicardi e outro funcionário em seu gabinete e deu uma ordem.

-Esta cidade está cheia de cachorros. Não aguento mais reclamações. Peguem os animais, coloquem no caminhão da prefeitura e soltem os bichos pra lá do rio Ivai.

E isso foi feito. Os funcionários da prefeitura saíram catando cachorro pela cidade, colocaram uns trezentos no caminhão e foram.

Passaram o rio Ivaí, soltaram a cachorrada no meio do mato, viraram o caminhão e picaram a porva de volta pra Maringá.

Naquele tempo, o rio Ivaí (de Maringá a Campo Mourão) não tinha aquela ponte que hoje transitamos por ela. Era uma balsa.

Nhô Juca conta que enquanto esperavam a balsa, ouviram um barulhão na água. “Fomos conferir e a cachorrada toda estava atravessando o Ivaí a nado. Eles chegaram em Maringá antes da gente”, relata, rindo.

Bem feito.

Fontes:
Edson Lima. In http://blogs.odiariomaringa.com.br/
Foto: http://omeulugar.wordpress.com

Deixe um comentário

Arquivado em Cronicas - Contos, Magia das Palavras

Rui Mascarenhas ("Literatura, quem publica?")

…e aconteceu o acalorado debate “Literatura, quem publica?”, às 10 horas da manhã do sábado (23/08/08), na Biblioteca Temática de Cultura Popular Belmonte (Auditório Kiyomi Oba) r. Paulo Eiró, 525 – Santo Amaro(SP); debate esse que nos enriqueceu com as diferentes iluminações dos nossos debatedores sentados à mesa e as intervenções precisas, do público presente.

Antônio Vicente Seraphim Pietroforte, prof do curso de graduação em letras e pós-graduação em semiótica e linguística geral da Usp, nos relatou suas experiências vividas com publicações de sua autoria nas áreas acadêmicas (Semiótica visual – os percursos do olhar (1ª ed, Contexto, 2004; 2ª ed, Contexto, 2007); Análise do texto visual – a construção da imagem (Contexto, 2007); Tópicos de semiótica – modelos teóricos e aplicações (Annablume, 2008), e literárias (Amsterdã SM (romance, DIX, 2007); O retrato do artista enquanto foge (poesias, DIX, 2007); Papéis convulsos (contos, DIX, 2008); Palavra quase muro (poesias, Demônio Negro, 2008); M(ai)S – antologia SadoMasoquista da Literatura Brasileira (DIX, 2008), organizada com o escritor Glauco Mattoso).

Segundo o professor, o mercado acadêmico é sempre receptivo e tem interesse pelas novas produções acadêmicas e encontra apoio de instituições fortes, a exemplo da “FAPESP” – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, e que é possível achar, sem muita dificuldade, uma editora especializada que investirá na publicação e posicionará estrategicamente o livro para escoamento. O mesmo não acontece com as publicações “literárias” que exigem mais perseverança do autor para sua realização, e a sujeição, em contra partida da publicação, às condições amenas impostas pelas editoras, ou mesmo inexistentes, de retribuição desse trabalho – quando não, elas ainda cobram, a preços euro-espaciais, para que você possa ter seu livro publicado.

…bem, palavras minhas: esse que é o verdadeiro “comércio” das “editoras comerciais” – depois abandonam seu livro no estoque.

O prof. Frederico Barbosa foi o segundo a nos relatar suas experiências com o nosso semi-árido mercado de publicações, onde publicou os livros de poesia Rarefato (1990); Nada Feito Nada (1993), que ganhou o Prêmio Jabuti; Contracorrente (2000); Louco no Oco sem Beiras (2001); Cantar de Amor entre os Escombros (2002); A Consciência do Zero (2004) e, em parceria com Antonio Risério, Brasibraseiro (2004), pelo qual recebeu seu segundo Prêmio Jabuti (e que vendeu cerca de 18 mil exemplares – medalha de ouro, para essa dupla brasibraseira!); além de poemas traduzidos e publicados em coletâneas de diversos países, também organizou as antologias Cinco Séculos de Poesia (2000) e, com Cláudio Daniel, Na Virada do Século, Poesia de Invenção no Brasil (2002) – e haja experiência nisso tudo!! – confessa que pagou para publicarem seu primeiro livro, dividiu as despesas com o segundo e encontrou reconhecimento e não mais despesas, a partir do terceiro.

Em seguida, Binho, do Sarau do Binho, que acontece toda segunda feira, ali, numa quebrada, próximo a Uniban, estrada do Campo Limpo. Binho é o portal do registro da oratória, do verso e da prosa publicada no gogó pelos habitantes daquela região, que encontra na oportunidade dos seus Saraus, a representação de sua autêntica literatura.

Binho nem tentou acordo, nem enfrentou desgostos com as editoras comerciais, publicou seu próprio livro – todo independente – com lombo artesanal, posto um aplique boliviano, bilíngüe, em parceria com outro poeta Serginho Poeta, o livro chama-se “Donde Miras – dois poetas e um caminho”, que vende de mãos em mãos levando suas experiências por toda América Latina.

Renato Palmares, Binho, Ivan Antunes,
Frederico Barbosa, André Luís (agachado),
Sônia Pereira, Beso e Rui Mascarenhas.
A última debatedora da manhã foi a Sônia Pereira que publicou o primeiro livro “solo” em 1998; “Conta Gotas” pela Editora Talentus e em 2004; “MALDIÇÕES e outras crueldades” – pela Meireles Editorial; todos financiados por conta própria, completa!

A autora afirma que Não participa mais de coletâneas cooperativadas nem pretende mais publicar seus livros em editoras formais, diz que é insuportável enfrentar um segundo problema que lhe parece muito maior, que é o da distribuição dos autores não consagrados: “O problema não é publicar, pagando qualquer editora publica. O sinistro é distribuir. Vc publica, leva pra casa e fica aquela montanha de exemplares atravancando as prateleiras”. E diz mais, “…então resolvi quebrar isso tudo, faço minhas próprias edições caseiras em papel sulfite grampeado. Poucas páginas, preço pequeno; mesmo sendo pouco conhecida, pelo preço muita gente compra, e aí vou ficando conhecida e fazendo virar uma grana. Imprimo o que acho que vai vender, dependendo do evento, sem grandes custos pra mim e sempre cobertos pelas vendas”… É isso, tá resolvido!

…e deixo ai um resumido rápido rabisco das diversas experimentações desses debatedores mágicos formados em diferentes escolas, que tiram da cartola mestra ou usam do jeitinho brasileiro para imprimir seus sonhos e o conteúdo de suas experiências.

Fonte:
E-mail enviado por Rui Mascarenhas. (
http://www.trezevisoes.blogspot.com/)

Deixe um comentário

Arquivado em Congressos - Eventos

Silvino Potêncio (O Descanso do Guerreiro)

… O ouro é como o amor; mata quem o guarda e vivifica quem o dá. (Gibran Khalil Gibran) — durante a pré campanha para as recentes eleições presidenciais na santa terrinha, um dos Pré-Candidatos que não chegou a ser inscrito, ele me escreveu através do portal a perguntar pelo meu “ouro” dado gratuitamente!… e eu aqui estou vivinho da costa!
Silvino Potêncio, Emigrante Transmontano! – Janeiro de 2006

Imbuído de um portuguesismo bastante exacerbado, senão um defensor ferrenho dos purismos da língua, causado traumáticamente pela minha vivência pessoal e directa durante quatro anos em Portugal, logo a seguir ao 11 de Novembro de 1975 pelo clima que lá se tinha naquela época, eu cheguei a terras de Santa Cruz de Cabrália, quatro anos depois…

– Por mais conhecimento literário, cultural, e/ou social que se tenha do lugar aonde se pretende ir, nada melhor do que chegar lá e verificar “in loco” como são as coisas da vida, diariamente vividas e sentidas na sua plenitude.

– Ainda no saguão do aeroporto da minha primeira chegada em terras “Tupiniquins”, estava eu preocupado em confirmar a minha chegada, aos amigos que me esperavam em determinado local, que não aquele onde eu estava, eu meti a moeda na ranhura da cabine telefônica, que só mais tarde eu entenderia porque se chamava de “orelhão” publico ou seja: um lugar onde todo mundo tem direito a escutar o que quer e o que não quer ouvir – iiii!!!,…. tchibum….plim, plim, pardais ao ninho, a minha moedinha caiu na caçapa sem me liberar o contacto com quem quer que seja.

– Mais umas duas tentativas e como não conseguia, eu dirigi-me a uma “cigarreira”, vulgarmente conhecida por banca de revistas, ou ponto do jornaleiro, além de lanchonete ou simplesmente um ponto móvel (fixado com cimento e cal na calçada) de venda de cachorro quente, e caldo de cana doce como mel, que ficava logo ali à ilharga para, delicadamente pedir à rapariga que lá estava atrás do balcão para me vender o “tabaco” dela, depois de pedir uma informação.
– Olhe, faz favor,… tem tabaco?

… Seu “inguinorante”, fio d’ua égua… vai lá p’ra sua terra chamar esses nomi tudin p’ra sua mãezinha tá! – Aqui nois é póbe mas tem, inducação viu!?…

– Mas!,… olhe, eu sou português acabei de chegar.

– Tenho até as malas ali no guarda-volumes do aeroporto, porque eu só tenho conexão daqui a umas seis horas… e eu só queria telefonar para lá, para…!

Pode pará, pára,… pera i home, tu é doido é?… dizia-me ela de dedo apontado;
— hum!… é só isso mêmo que você quére ???…

É, … é, só isso que eu quero. – Como é que faço?

– Oi,… primero voismecê compra aqui a “ficha” na cigarreira p’ra botá lá no “orilhão”… – a despois voismecê liga o número e pronto, já pode falar!!!…

Antes de me afastar da cigarreira onde colhi a informação, a rapariga ainda acrescentou… Mas preste atinção: aqui num vende tabaco não,… – eu inda sou moça sorteira e só vende cigarro, você entende!?… aqui num tem tabaco não e também num tem nem rapariga não!,… tá certo?

– Está muito bem, muito obrigado…

– …num tem di quê?

Encerrado este diálogo inicial da minha apresentação ao serviço da guerra de termos e vocábulos luso-brasileiros, lá fui eu então para o meu telefonema inaugural. Mas… agora já munido de algumas informações turísticas e uns poucos “macetes” para não dar “mancada” nos meus confábulos que se avizinhavam já a seguir.

— E que tinham que ser bem educados, respeitosos, e sobretudo diplomáticos a bem da minha pretendida permanência em casa de desconhecidos até então.

– Está lá? … (- risos do outro lado da linha…) Alô!?… é você?

– Sim, sou eu! – mas quem é esse tal de alô?, eu vim sozinho e estou no aeroporto à espera do voo com conexão para ir para aí! (- mais risos do outro lado da linha…)

Tudo bem! – quando você chegar aqui nós já estaremos lhe esperando no aeroporto…

– Mas como não nos conhecemos pessoalmente ainda, como vamos saber quem é você?

– Haaa!…, está certo…

– Olhe não tem qualquer problema porque eu estou com uma “camisola” vestida nas cores branco, com uma faixa azul e encarnado no peito… (— novamente, muito mais risos do outro lado da linha…) – supostamente a voz colocou a mão sobre o bocal do telefone, e ainda assim eu percebi numa voz sussurrada e fanhosa; … minha Nossa Senhora!,… o cara só pode ser algum orixá porque está vestido de branco e azul mas está “encarnado”.

E dever ser também alguma bichona a ponto de descer do avião vestido com uma “camisola”… – vige! maria!,… que caba da peste hein!?,… – esses portugas tem cada coisa hein!…

– Tem um lá no Rio de Janeiro que é um tarado por beijos! … depois de tanto beijar mulatas, brancas, pretas, amarelas, indias, caboclas, ciganas, pardas, sarárás, e tudo mais que tenham rabo de saia, ele acabou por ficar famoso ao beijar homens!

– Eh, cara… até lhe chamam de “beijoqueiro”,… eu hein?!

As horas se passaram, eu fiz a minha conexão e desembarquei mesmo de “camisola” em pleno aeroporto com um sol tropical maravilhoso como eu já não via desde os tempos de Luanda, cinco anos atrás.

– As pessoas me receberam literalmente de braços abertos e, agora muito mais aliviados e positivamente mais contentes ainda porque,… afinal eu não vinha vestido com nenhuma “camisola”… mas sim uma “T Shirt” do tipo camiseta polo.

– Me entregaram logo na amizade um FIAT (na virgem…) modelo 147 e lá comecei eu então a minha jornada de emigrante do outro lado das grandes áugas!…(1)

… Logo no primeiro “dez de junho” que se aproximou eu busquei a classe jornalística cá do burgo, e procurei saber da viabilidade de a imprensa escrita assinalar a nossa data nacional….

– O que é que se escrevia por aqui… – como era o dia da raça lusitana!?…

– De canto em esquina, eu … fui indo, fui indo mas num fondo…

– Fui apresentado a alguns jornalistas locais, os quais conheço até hoje e ainda mantenho no meu “caderninho ” de endereços, porém nada de mais sério senti da parte deles.

– Fiz um artigo de minha autoria (na época era alusivo ao 10 de Junho de 1980) que entreguei a um deles, jornalistas, para que o publicassem na sua coluna diária porém, em vez disso, na data aprazada eu só pude ler algo incongruente sobre um tal pseudo vendedor ambulante, também popularmente conhecido na região como “camelô” que nada mais é do que um trabalhador formal que caiu no mercado informal, para formar a turma de abandonados da sorte, e do governo formalmente, e aí!,… meus amigos,… eu conheci pessoalmente, finalmente, pela primeira vez na minha vida, um Senhor Cônsul de Portugal no estrangeiro.

… Natural de Caminha, o velho Ti Manel Afonso já então com mais de oitenta e tal anos, ele caminhava lento.

– Levantava-se cedo por hábito adquirido há muitos e muitos anos!…

– Tomava o autocarro na porta da sua casa – único bem que lhe restou do patrimônio familiar angariado em mais de 70 anos de emigrante – e todos os dias, pelas sete horas da manhã, ele abria o estabelecimento!

— Ah!,… que consolo dizer isto à boca cheia.

O homem tinha uma “banquinha de jogo do bicho” com aproximadamente um metro quadrado de espaço, localizado debaixo da escada que levava ao primeiro andar do prédio, a qual lhe era autorizado instalar no vão da escada da entrada desse edifício,… que outrora já fora o seu grande quartel general de negócios.

– Não é por nada não mas, aqui me ocorreu o velho tango…

Música melancólica que nem o tal Gardel conseguia disfarçar depois de uma noitada de dor de cotovelo:

“corrientes!,… treis cuatro ocho!,… subiendo al primer andar!…
( ai, Jesus! que tristeza…)

– Ali ele recebia politicos e comerciantes, artistas e jornalistas.

Lá mesmo eu vi fotografias dele, Ti Manoel Afonso, junto ao aeroplano, e junto do Gago Coutinho em escala no aeroporto de Recife… mas isso eram devaneios de outras eras, como o são todos os tangos de que me lembro!

– O dia a dia do Ti Manel Afonso era bem mais simples:
… veio para o Brasil com “carta de chamada” e não tinha passaporte.
Sim, senhores!…. eu pessoalmente o ajudei a tirar a Carteira de Identidade, ou RNE – RG como queiram lhes chamar,… – perguntei-lhe pelo passaporte e o homem simplesmente, com lágrimas nos olhos, se encolheu e confessou que nunca mais teve condição de ir a Recife para tirar o próprio passaporte mas,…ele nem o precisava!

– Porque todo o mundo em Natal sabia que ele era o Consul Honorário de Portugal, então para quê ele precisaria de passaporte???…

– Isto ele me dizia meio a sério, meio na brincadeira, porque eu era afinal o patrício que ele tinha ali mais perto da loja dele onde, às vezes eu ia lá para comprar um maço de cigarros (vulgo tabaco)… e ele se recusava a vender-mo!…sabem porquê?

Ele foi caixeiro viajante,… enriqueceu no comércio de jóias, relógios e muito trabalho como bom emigrante que era.

– Construiu o prédio onde por vezes promovia bailes de gala nas décadas de 40 e 50 do século passado.

– Agora na década de oitenta ele tinha que vender cigarros avulso porque dessa forma ele conseguia mais uns trocados para a sopa!

– Se me vendesse a mim o maço completo, ele não tinha como abastecer os clientes que compravam um de cada vez!…e, para disfarçar a contravenção de fazer o joguinho da bicharada, lá vendia cigarros: um de cada vez!

– Acompanhei-o eu a um almoço do Rotary Club local, em dia de homenagem a Portugal lá pelos idos do “dez de junho” de 1982-83, se não estou em erro,… e o Ti Manel Afonso não aguentou de saudade!…

A meio do almoço e na hora de botar “faladura”, ele desabou por cima da mesa com a fala já entaramelada de emoção, depois de um copito do tinto, uma olhada na bandeira das quinas na parede em frente de nós dois, e mais o amigo Albano, que também já está ausente,… e lá o fomos a deixar na casa dele, quase desacordado.

– Faleceu um tempo depois, já p’ra lá dos noventa e tantos anos, e a grande mágoa que o acompanhou na sua ultima e derradeira batalha, foi a sua grande tristeza de tudo ter dado e feito em prol do nosso País, da nossa cultura, em terras Potiguares e, ele o Sr Consul Honorário de Portugal, ele jamais recebeu sequer uma menção honrosa de quem de direito…

– Ganhou muito ouro em vida, agora descansa em paz!…antes de ser Cônsul ele foi emigrante como eu, como qualquer um de nós… viva o novo P.R. ( entenda-se Portugal Renovado!…) e ainda vou reler a história da transição transalpina dos camelos do Anibal – grande guerreiro, imperador romano que mandou construir a fonte da minha santa terrinha, que ainda lá está!…

Silvino Potêncio/Natal-Brasil – Jan/2006

Fonte:
E-mail enviado pelo Portal CEN (
www.caestamosnos.org )
Foto:
http://eu-vejo.blogspot.com

Deixe um comentário

Arquivado em O Escritor com a Palavra

Agenda Cultural do Grupo Sorocult (Sorocaba)

O Sorocult (ao lado de alguns de seus escritores) começou o 2º semestre de 2008 em plena atividade. Confiram abaixo o que já aconteceu:

1) Visita à “Flip” (Festa Literária de Parati).

2) Realização de mais uma “Maratona Literária Sorocult” e “Maratona Literária Infantil Sorocult” no Esplanada Shopping Center de Sorocaba nos dia 25, 26 e 27 de julho.

3) Lançamento de 7 novos livros dentro das Maratonas acima citadas.

4) Realização, no dia 4 de agosto, do Sarau “Encontro com a Poesia Sorocabana”, no IHGGS (Instituto e Genealógico de Sorocaba), participando assim do calendário comemorativo do aniversário de 354 anos de Sorocaba.

5) Visita à “20ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo”, no dia 16 de agosto, sábado, juntamente a um grupo de escritores do Sorocult, quando :

– Participou do lançamento da antologia “Dez rostos da Poesia Lusófona”, que tem como um dos co-autores, Joaquim Evónio, de Portugal, colunista do Sorocult e também um dos co-autores do novo livro e da “3ª Coletânea do Espaço Literário do Sorocult”.

– Prestigiou o escritor sorocabano Luis Samuel Tabacow que, junto à Editora O Clássico, esteve apresentando seu livro “Por dentro do cérebro do aprendiz”, recém lançado ao grande público presente.

– Fez contatos com vários escritores Maurício de Souza, Ziraldo e Marília Pêra, presentes no grande evento naquele dia.

6) Início em agosto das novas atividades do “Projeto Leitura Responsável Sorocult” com:

– Entrega dos livros da “3ª Coletânea do Espaço Literário do Sorocult” em várias escolas e bibliotecas de Sorocaba e região.

– Início de mais uma “Maratona Literária Infantil” para a doação da “1ª Coletânea da Sorocultinha” para várias entidades assistenciais, bibliotecas e escolas de Sorocaba e região.

Fonte:
E-mail enviado pelo Grupo Sorocult (
www.sorocult.com)

Deixe um comentário

Arquivado em Agenda, Eventos, Sorocaba