Arquivo do mês: abril 2009

Paulo Leminski (O Hóspede Despercebido)

Deixei alguém nesta sala
que muito se distinguia
de alguém que ninguém se chamava,
quando eu desaparecia.
Comigo se assemelhava,
mas só na superfície.
Bem lá no fundo, eu, palavra,
não passava de um pastiche.
Uns restos, uns traços, um dia,
meus tios, minhas mães e meus pais
me chamarem de volta pra dentro,
eu ainda não volte jamais.
Mas ali, logo ali, nesse espaço,
lá se vai, exemplo de mim,
algo, alguém, mil pedaços,
meio início, meio a meio, sem fim.

[LEMINSKI, Paulo. Distraídos Venceremos. Ed. Brasiliense]

1 comentário

Arquivado em O poeta no papel

Marcos Aurélio Gomes de Carvalho (Cordel para Anayde)

Cordel pelo Centenário de Anayde Beiriz, em 2005.

18 de fevereiro
mil novecentos e cinco
Anayde veio ao mundo
e só hoje é que sinto
a história de seu nome
e por não ter sido homem
vou narrar e eu não minto.

Uma luz alumiou
as terras da Parahyba
quase alumiava
as terras de mais de riba
mas foi aqui que nasceu
criou-se e assim cresceu
que nem meio caraíba.

Menina simples, formosa
de olhar por sobre a proa
brincava mirando as águas
de nossa linda Lagoa
pousada qual borboleta
no remanso do planeta
como uma nuvem que voa.

Alegria era seu nome
altivez seu alazão
crescia contando os dias
de um futuro vulcão
na leitura sua mente
no coração a semente
de sentimento e razão.

Bonita moça se fez
de olhos amendoados
e na escola normal
entre todos diplomados
de sua turma a primeira
deu seu passo de carreira
de formal professorado.

Tinha 17 anos
em maio de vinte e dois
se formando professora
que seu desejo não foi
pois queria medicina
o verso mudou de rima
o rumo foi outro pois.

Foi plantar em Cabedelo
sua sublime missão
professora do ABC
em alfabetização
crianças fazendo ler
adultos no anoitecer
aproveitando a lição.

O mundo arroseou-se
nos olhos dessa menina
não o mundo do comum
não seria a sua sina
tomou-se por ideal
e meio intelectual
fez verso de outra rima.

Apoderou-se do vento
da escrita fez pincel
construiu o seu castelo
e encheu o seu farnel
botou-se de mundo afora
despojou-se da espora
incorporou seu corcel.

Arrodeava o coreto
enamorados flertavam
a poesia de bom gosto
em mil saraus recitava
crônicas lindas fazia
o deleite de quem lia
palavras que lhe brotavam.

Um dia, sem se saber
seu coração deu ouvidos
ao amor que irrompeu
de emoção e sentido
seu anjo caiu do céu
embriagado de mel
na flecha de um cupido.

Viajou sem viajar
num campo sem tanta flor
com espinhos pra contar
a fundura de uma dor
afoitou-se em ganhar
uma alma de abraçar
numa história de amor.

O seu nome era João
Dantas era o sobrenome
o anjo de seu desejo
doce pão de sua fome
um favo cheio de mel
um facho vindo do céu
iluminado de homem.

Essa nossa ninfa alada
Anayde era Beiriz
só queria desse mundo
o querer de ser feliz
pousando seu coração
em uma pura paixão
de poderosa raiz.

Viveu tão docemente
seu romance mais vivaz
em corpos não dizíveis
de deleites não formais
pele e alma ascendentes
num vulcão incandescente
de guerra brotando paz.

Essa alcova especial
era chão de oratório
era puro paraíso
sem ter carta de cartório
era sangue, coração
brancura de uma paixão
um altar de ofertório.

Lua, rua e estrelas
assistiram o casal
em passeio de mãos dadas
em noites longe do mal
trocando duas mil juras
sintonia de alvura
que nem roupa no varal.

Foi na Rua Sto Elias
o painel de tal pintura
a natureza nutria
o amor das criaturas
sob o olhar da esperança
que no brincar de crianças
vinham trocar suas juras.

Mas o destino mudou
com sua mão tão cruel
como vassoura varreu
o chão pintado do céu
os ideais se confrontam
e a beleza desmonta
com o amargor de seu fel.

Perrepistas, Liberais
sua fronteira encerra
déias de intenção
de comandar sua terra
e o eito republicano
entorna o caldo insano
alimentando tal guerra.

Numa investida atroz
de uma depredação
se resolve de peitada
partir pr´uma invasão
e foi nesse promotório
invadir o escritório
de João Dantas cidadão.

Esperava-se encontrar
um erro de sua lavra
um documento, um papel
ou uma coisa mais brava
e o resultado ruim
o rescaldo do butim
foi de amor pela palavra.

Nessa manhã tenebrosa
numa briga de partidos
suas entranhas tomadas
derramadas sem sentido
esparramadas no chão
e o escritório de João
injustamente invadido.

Publicou-se n´A União
sem medir qualquer pudor
o que foi particular
d´um cidadão de valor
e por três ou quatro dias
na Parahyba se lia
as suas cartas de amor.

No poder o presidente
fez de conta que não viu
se espalhar pela cidade
e assim tudo assistiu
em seu belo camarote
um cruel infame trote
frente a isso se omitiu.

Na sarjeta enlameada
uma graça de valor
uma história sublime
uma história de amor
sofria seu alto preço
com o pior endereço
origem de seu furor.

Com sua honra ferida
o seu amor maculado
João Dantas enfurecido
e não se deu por rogado
em um caminho sem volta
procurou de porta em porta
o que queria tombado.

Na Confeitaria Glória
com seu coração pungente
na cidade do Recife
o desafeto presente
liquidou sua cobrança
em um tiro que alcança
quem não era inocente.

Foi preso após o crime
não tinha como voltar
viver o que lhe fizeram
não é viver, é penar
engrandeceu seu amor
perdido em plena flor
sofrendo por mais amar.

No dia 6 de outubro
na cela de seu presídio
último quartel de 30
no sofrer de seu exílio
sua vida foi ceifada
numa história mal contada
duvidoso suicídio.

Anayde amargou
o seu derradeiro fel
acuada e fugitiva
do mundo o pior réu
a 22 de outubro
foi o seu dia mais rubro
partindo pro mesmo céu.

Restou um mundo tão vil
de cartório a delegado
de abutres carniceiros
de documentos roubados
de anarquia de rua
debaixo da mesma lua
de amor-papel queimado.

A Parahyba perdeu
no século do alvorecer
por tanta alma mesquinha
rodiziando o poder
o estado é uma intriga
pela mesma rapariga
se enfrentam sem saber.

Diferente do amor
de João por Anayde
um amor personalista
que o coração incide
que sem ele não se tem
o saber de querer bem
verde-azul de um Caribe.

Esse amor que lhe falei
esse amor de querer bem
não se mistura a Estado
nem a cargo de ninguém
é um amor de estrelas
um fogaréu de centelhas
somente vistas do além.

Dantas foi aviltado
o inimigo assim o quis
Anayde humilhada
perseguidos os Beiriz
criaturas inocentes
numa história recente
de desejar ser feliz.

Rogo minha homenagem
para este centenário
de Anayde Beiriz
sua vida, seu calvário
esperando que no céu
se ouça esse cordel
no alto do campanário.

Com tinta rubra se escreva
que nos anais desse templo
a figura de Anayz
não se desmanche no vento
a liberdade da vida
é nessa história contida
acima de qualquer tempo.

Acima de nós, de vós
acima mesmo do nexo
a liberdade do ser
não tem nada de complexo
o amor tem a medida
do continente da vida
não tem a ver com o sexo.
––––––––––––––––––––––
Marcos Aurélio Gomes de Carvalho é cordelista e poeta. Pernambucano de Bodocó – PE, vive na Paraíba há bastante tempo.
———-

Fontes:
LIVRE PENSAR
Do ponto mais Oriental das Américas – João Pessoa – Paraíba – Brasil
Número 625 – 28 de fevereiro de 2005
http://www.triplov.com/livre_pensar/janeiro_maio/625.html
Imagem = http://www.memorialpernambuco.com.br/

Deixe um comentário

Arquivado em homenagem, Literatura de Cordel

Vanessa Vicente (Coisas da Vida)

Até hoje sinto o seu cheiro puro,
Um odor que me atrai
O amor puro e sincero
Que tu tens por mim
Fez com que eu aceitasse
A metamorfose da minha imagem
Um simples toque seu
Aumentou o calor da minha
Luta para viver
Folhas em branco
De minha vida
Ficaram para trás
Hoje, num novo parágrafo
Estou desabrochando
Para um novo amanhã
Mas nunca esquecerei
Da tua imagem
Pois a tua luz
Me guia
Até o topo
Da mais alta montanha.
––––––––––––––––––-

A autora Vanessa Vicente ajudou a fundar o Clube de Escritores de Alvorada (CEA). Na atualidade mora em Viamão, mas continua a manter contato com o CEA.
* Este poema foi retirado do livro “Só Para Mulheres” – outono de 2004.

Fonte:
Clube dos Escritores de Alvorada.
http://www.clubedosescritoresdealvorada.blogspot.com/

Deixe um comentário

Arquivado em A Poetisa no Papel

Antologia de Microcontos, até 30 de maio.

Até 30/05/2009, estaremos recebendo microcontos para uma antologia a ser lançada em setembro de 2009. Seu título: HISTÓRIAS LILIPUTIANAS.

Microcontos são histórias de sentido completo com, no máximo, 600 caracteres incluindo os espaços, mas não o título. Veja dois exemplos:

PATERNIDADE (Edson Rossatto)
Crescera sem o exemplo de um pai. Repentinamente, aquele que deveria exercer essa função apareceu, reivindicando autoridade. Angústia. Dúvida. Sofrimento. Resolveu, então, devolver tudo que recebera daquele que seria seu genitor: um saquinho de esperma.

COMPROMISSO (Edson Rossatto)

Quadris em vai-e-vem, urros, suor, lençóis amarrotados. Aquela havia sido a melhor transa de ambos. Só não continuaram porque ele precisava rezar a missa das oito.

Qualquer pessoa pode escrever e enviar uma obra com pretensão de publicá-la em nosso livro.

Para participar da comunidade do livro no orkut, clique em http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=81332213

E ainda estamos recebendo obras para as seguintes antologias:

PALAVRAS VELADAS – ANTOLOGIA DE POEMAS SEM TEMÁTICA ESPECÍFICA
MARCAS NA PAREDE – CONTOS SOBRENATURAIS, DE TERROR E DE SUSPENSE
RISOS DE PAPEL – CONTOS E CRÔNICAS DE HUMOR
DIMENSÕES.BR – CONTOS DE LITERATURA FANTÁSTICA NO BRASIL
DIAS CONTADOS – CONTOS SOBRE O FIM DO MUNDO
2054 – CONTOS FUTURISTAS (histórias que se passem no ano de 2054)

Para maiores informações, acesse www.andross.com.br e leia o regulamento de envio de obras.

Fonte:
Edson Rossato. Andross Editora. e-mail.

Deixe um comentário

Arquivado em Antologia, Inscrições Abertas

Concurso Cultural Anador – Leve a Vida sem Dor

REGULAMENTO:

1- Podem participar deste concurso que tem caráter exclusivamente recreativo cultural, todas as pessoas físicas residentes no território nacional exceto os funcionários, sócios, acionistas e respectivos familiares das pessoas que farão parte da comissão julgadora, ou qualquer pessoa diretamente envolvida no concurso.

2- Para participar deste concurso não é necessária a aquisição de qualquer produto, bem ou serviço e a apuração dos vencedores não está sujeita a qualquer tipo de álea ou sorte e nem à aquisição ou uso de qualquer bem, direito ou serviço, de acordo com o artigo 3º inciso II da Lei 5768/71 e com o artigo 30 do Decreto 70.951/72.

3- O período de participação inicia-se em 02/03/09 e termina em 29/05/09.

4- Os participantes deverão acessar o site http://www.anador.com.br, gratuitamente, preencher o cadastro de participação com seus dados pessoais (Nome, Endereço completo, CEP, Cidade, Estado, CPF e E-mail), e enviar uma frase (dica), sobre o tema: “Como levar a vida sem dor de cabeça”.

Obs.: Caso os dados não estejam completos, a frase não será válida, conforme item 18 deste Regulamento.

5- As pessoas que desejarem concorrer estarão sujeitas às regras e procedimentos descritos a seguir:

a) O objetivo deste “Concurso Cultural” é que o participante crie uma frase (dica) sobre o tema: “Como levar a vida sem dor de cabeça”.

b) A dica a ser criada deverá ter até 5 (cinco) linhas ou até 450 (quatrocentos e cinqüenta) caracteres (Artigos e preposições contam como palavras).

6- Os participantes poderão concorrer com quantas frases (dicas) desejar.

7- Todos os participantes que assim procederem, terão suas frases julgadas por uma comissão criada pela promotora que fará a avaliação baseada em:

a) criatividade; b) originalidade; c) possibilidade de implementação da ideia: e d) adequação ao tema proposto.

8- Data da Apuração:

Apuração: 11/06/09 às 9:00 horas – dentre as frases encaminhadas entre os dias 02/03/09 à 29/05/09 serão escolhidas e contempladas as 5 melhores, segundo definição da Comissão Julgadora, considerando-se os critérios previstos no item 7 acima.

9- Serão distribuídos 05 (cinco) prêmios, consistentes ao equivalente a 1 (um) ano de compras em supermercados e ou estabelecimentos comerciais conveniados:

1º Classificado – 1 (um) Cartão Pré-Pago – Banco do Brasil, sem função de saque, no valor de R$ 500,00, creditados mensalmente durante 01 (um) ano, totalizando R$ 6.000,00;

2° Classificado – 1 (um) Cartão Pré-Pago – Banco do Brasil, sem função de saque, no valor de R$ 400,00, creditados mensalmente durante 01 (um) ano, totalizando R$ 4.800,00;

3° Classificado – 1 (um) Cartão Pré-Pago – Banco do Brasil, sem função de saque, no valor de R$ 400,00, creditados mensalmente durante 01 (um) ano, totalizando R$ 4.800,00.

4° Classificado – 1 (um) Cartão Pré-Pago – Banco do Brasil, sem função de saque, no valor de R$ 300,00, creditados mensalmente durante 01 (um) ano, totalizando R$ 3.600,00.

5° Classificado – 1 (um) Cartão Pré-Pago – Banco do Brasil, sem função de saque, no valor de R$ 300,00, creditados mensalmente durante 01 (um) ano, totalizando R$ 3.600,00.

10- O prêmio é pessoal e intransferível, sendo que, em nenhuma hipótese, o prêmio discriminado poderá ser trocado por dinheiro. O prêmio será concedido em crédito, através de cartão pré pago do Banco do Brasil o qual poderá ser utilizado em supermercados e/ou estabelecimentos comerciais conveniados em todo o território nacional.

11- Comissão julgadora: a comissão julgadora será formada pelos representantes da Boehringer Ingelheim.

12- Não caberá qualquer recurso, questionamento e/ou pedido de reconsideração quanto a decisão da comissão julgadora.

13- A divulgação será feita através do site http://www.anador.com.br e a empresa envidará todos os esforços para que o vencedor seja notificado no prazo de 10 (dez) dias.

14- A participação no presente Concurso Cultural é voluntária e gratuita, não sendo sujeita a qualquer espécie de cobrança ou desembolso a ser feito pelo participante.

15- O participante, ao preencher o cadastro de participação, manifesta sua total concordância com as regras deste concurso e concorda em ceder gratuita, definitiva e irrevogavelmente à promotora, todas as idéias, conceitos, frases (dicas) e materiais enviados concordando em assinar os recibos e cessões para tal efeito, inclusive aqueles relativos a direitos autorais.

16- A empresa promotora se exime de qualquer responsabilidade por eventual violação a direitos autorais de terceiros que tenha tido sua obra, total ou parcialmente, utilizada por qualquer participante que tenha enviado indevidamente a obra, para participação no concurso ora instituído.

17- Os participantes do presente concurso ficam cientes de sua única e exclusiva responsabilidade por eventual violação a direitos autorais de terceiros, eventualmente prejudicados pela utilização ilegal e indevida de suas obras, devendo arcar com as indenizações advindas deste ato.

18- Os dados fornecidos pelo participante, no cadastro de participação, deverão ser corretos, claros, precisos, completos e apresentados de uma forma que permita a verificação de sua procedência, veracidade e autenticidade.

19- É de total responsabilidade do participante, manter seus dados pessoais atualizados e corretos no cadastro de participação, sob pena de não ser possível a entrega do prêmio.

20- Os prêmios serão entregues para os vencedores no endereço fornecido pelos mesmos no cadastro de participação, em até 30 (trinta) dias a contar da data de apuração.

21- Os prêmios só serão atribuídos após a verificação do cumprimento de todas as regras e regulamento do concurso, sendo desclassificados aqueles que não as cumprirem integralmente.

22- A entrega dos prêmios ao ganhadores será feita mediante a confirmação dos dados cadastrais e pessoais do participante (CPF e RG do participante ou do responsável legal e comprovante de residência).

23- Na eventualidade do participante ganhador ser menor de idade, o seu responsável legal poderá receber em seu nome o prêmio do presente Concurso, devendo, para tanto, comprovar sua condição e firmar, na entrega do prêmio, uma declaração de responsabilidade.

24- Prescrição do direito aos prêmios: 180 dias após a data de cada apuração deste Concurso Cultural.

25- Os candidatos serão avaliados segundo os critérios estabelecidos pela promotora e os participantes renunciam expressamente, ao aceitar as regras deste concurso pela sua participação, a qualquer questionamento sobre os critérios adotados, prevalecendo sempre o critério da comissão julgadora formada pela promotora.

26- Os participantes concordam expressamente, pelos simples ato de participação, que a patrocinadora não será responsável por qualquer dano ou prejuízo oriundo da aceitação do prêmio de sua participação no Concurso.

27- Serão automaticamente excluídos os participantes que tentarem fraudar ou burlar as regras estabelecidas neste regulamento ou que se recuse a assinar o recibo de entrega do prêmio na forma estabelecida pelo promotor.

28- A empresa promotora se reserva o direito de desclassificar as dicas/textos com qualquer conteúdo que seja de caráter obsceno, preconceituoso, indecoroso, desrespeitoso ou ofensivo à empresa promotora bem como textos que atentem contra a ordem pública, os bons costumes e/ou qualquer norma jurídica vigente.

29- Caso algum vencedor seja desclassificado, será substituído por aquele colocado logo em seguida e assim sucessivamente.

30- O ganhador concorda em permitir a utilização de seu nome, imagem e som de voz para divulgação, sem qualquer ônus para a empresa promotora ou para qualquer outra pessoa envolvida nesta promoção.

31- Em caso de dúvidas a respeito do presente Concurso Cultural, os participantes poderão esclarecer através do site http://www.anador.com.br.

32- Os casos omissos e as dúvidas suscitadas serão solucionados pela empresa promotora.

33- É promotora deste Concurso:

BOEHRINGER INGELHEIM DO BRASIL QUÍMICA E FARMACÊUTICA LTDA.
Av. Maria Coelho Aguiar, 215, Bloco F – 3º andar, Jardim São Luiz
São Paulo – SP – CEP 05805-000
Caixa Postal 60639
C.N.P.J. 60.831.658/0001-77

Deixe um comentário

Arquivado em Concursos em Andamento

PROVOCARE TV destaca a contação de histórias

Nesta semana, o Programa PROVOCARE TV, traz como assunto principal o projeto “Violas, causos e crendices”, desenvolvido em Votorantim. O entrevistado da apresentadora Míriam Cris Carlos é o contador de histórias Zé Boca, coordenador do projeto. Ele é votorantinense e desde criança já contava causos. É conhecido em diversas regiões do Brasil pelo talento e pelos projetos culturais que desenvolve relacionados à contação de histórias.

O projeto “Violas, causos e crendices” existe há seis anos e é uma atividade de lazer e aprendizagem que visa incentivar o hábito da leitura e potencializar a imaginação e criatividade dos participantes. Traz à região artistas de todo o Brasil, em eventos com entrada gratuita que une diversas manifestações culturais, como a oralidade, a música e culinária. É realizado pela Secretaria de Cultura de Votorantim e neste ano, através da aprovação pela Lei Rouanet, conta com patrocínio concedido pela Votorantim Cimentos e o Instituto Votorantim.

No programa, Zé Boca conta o histórico do projeto e fala quais são as novidades desta edição. Também serão exibidas imagens das ultimas apresentações.

O PROVOCARE TV é gravado no Transamérica Flats The First e é exibido pela TV COM (Canal 7 – NET- Sorocaba) . Vai ao ar nesta quinta-feira (30/04), às 22h30, com as seguintes reprises: sexta-feira às 9h30, sábado às 14h, terça-feira às 13h30 e quarta-feira às 17h30. Também será exibido pela ”VTV” (Canal10 – Supermídia –Votorantim).

O programa tem a direção do jornalista Werinton Kermes, apresentação da doutora em comunicação Míriam Cris Carlos, produção de Luciana Lopez, assistência de produção de Edgar Gonçalves, imagens de Fábio Costa e Jorge Silva e edição de Flávia Karam.

http://provocaretv.blogspot.com
http://www.portalprovocare.com.br

Fonte:
Luciana Lopez. Provocare TV, por e-mail.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias Em Tempo

Paulo Leminski (Um Homem com uma Dor)

um homem com uma dor
é muito mais elegante
caminha assim de lado
como se chegando atrasado
andasse mais adiante

carrega o peso da dor
como se portasse medalhas
uma coroa um milhão de dólares
ou coisa que os valha

ópios édens analgésicos
não me toquem nessa dor
ela é tudo que me sobra
sofrer, vai ser minha última obra

Deixe um comentário

Arquivado em O poeta no papel