Arquivo do mês: setembro 2009

Paulo Monteiro (A Trova no Espiríto Santo – Parte II)

Pintura capixaba de Ignácia Macedo

VILA VELHA

Vila Velha, como já dissemos, também teve seu concurso de trovas, uma promoção modesta e menos ousada que as anteriores. Em 1971, sob o tema PELÉ.

0 vencedor do I CONCURSO DE TROVAS DE VILA VELHA, organizado pela UBT local, foi o saudoso trovador Cegídio Ambrogi, de Taubaté, com esta trova:

Que o Brasil todo enaIteça,
tanto a Rui, como a PELÉ.
Se um o honrou pela cabeça,
o outro o honrou usando o pé.
CLUBE DOS TROVADORES CAPIXABAS

Conforme vimos, antes, a UBT não teve uma existência muito fértil no Espírito Santo.

Parece que ela não se transformou no Clube dos Trovadores Capixabas (CTC) como disse o professor José Augusto Carvalho.

Da UBT, no Espírito Santo, porém, sobrou o exemplo que, tal qual a Fênix, renasceria no CTC.
Esse exemplo sobrou principalmente em/e para o penúltimo presidente da UBT de Vitória e Vila Velha, um jovem de 20 anos, nascido em 15 de setembro do 1950: CIério José Borges de Sant`Anna.

Não nos é difícil compreender – a nós que vivemos experiência semelhante – quanto pesa ver alguma coisa em que se depositou todo o desprendimento juvenil tombar sob a guilhotina inexorável dos acontecimentos.

Então, CIério José Borges, entre seus compromissos de trabalhador, chefe de família e estudante, passou a freqüentar bibliotecas à cata de materiais relacionados com a trova no território capixaba.

Numa dessas idas e vindas, em busca de informações úteis aos seus planos de pesquisa, na Biblioteca Pública de Vitória, deu de cara com “O TROVISMO”, um Iivro de Eno Teodoro Wanke, historiando o movimento dos modernos trovadores brasileiros.

Visto que ali quase nada se encontra com relação à trova em terras espírito-santenses, Clério José, feito uma fera, escreveu ao autor do livro.

Acabaram ficando amigos.

Dessa amizade surgiu a idéia de reativar o movimento em torno da trova em terras capixabas.
Sabe-se que CIério José pretendia uma entidade basicamente local. Somente “capixaba”. Aos poucos se convenceu de que era necessário criar vínculos entre os trovadores capixabas organizados e trovadores de outras plagas.

Esclareça-se que o CTC entende, “para efeito de inscrição no Clube, como capixaba o (trovador) nascido no Espírito Santo e os que residam no Estado”.

Assim é que o Clube dos Trovadores Capixabas foi fundado em 1º de juIho de 1980.

ATIVIDADES DO CTC

CONCURSOS NACIONAIS

A primeira atividade do Clube dos Trovadores Capixabas, que o projetou nacionalmente, foi o I CONCURSO DE TROVAS DA CIDADE DE VITÓRIA.

A realização do evento ficou sob responsabilidade do CTC e da Federação Cultural do Espírito Santo.

Dois foram os temas apresentados aos concorrentes: CAPIXABA, para as trovas humorísticas, e ANCHIETA, para trovas laudatórias, com referência ao padre José de Anchieta, há pouco beatificado.

Os três primeiros colocados, no primeiro tema, com as respectivas trovas:

1º lugar – ZÉ DE ÁVILA:
Na casa de um capixaba
se a gente chega sem pressa,
a pressa logo se acaba
quando a conversa começa.

2º lugar – JOÃO FIGUEIREDO:
Festa no Espírito Santo…
Quem for mineiro não vai.
– Você, aí nesse canto…
– Eu sou Capixaba… Uai.

3° lugar – IZO GOLDMAN:
O Capixaba garante
que sua terra é um encanto:
– Espírito tem bastante…
– o que falta mesmo é… Santo…


Já sob o terna Anchieta os três primeiros lugares ficaram assim distribuídos:
1º lugar – RANGEL COELHO:
Anchieta, pelo que diz
seu evangelho de luz,
foi o FRANCISCO DE ASSIS
das terras de Santa Cruz.

2º lugar – ALOÍSIO BEZERRA:
Lá no céu muito chorou
ANCHIETA, e tem chorado
que o índio, a quem tanto amou
no Brasil só tem penado.

3º lugar – VICENTE NOLASCO COSTA:
Vitória dos meus encantos
coração do meu planeta,
venero, dentre teus santos,
o grande santo ANCHIETA.

.
No dia 4 de outubro do 1980, no Teatro Carlos Gomes, de Vitória, em sessão solene, foram entregues os prêmios aos vencedores desse primeiro concurso, e diplomas aos sócios fundadores e sócios de honra presentes.

Logo depois, a Fundação Cultural foi extinta e o livro com as trovas – quarenta ao todo – vencedoras do CONCURSO DE TROVAS DA CIDADE DE VITÓRIA ficou sem patrocinador.

CONCURSOS INTERNOS

Uma outra característica marcante do Clube dos Trovadores Capixabas é a realização quase que permanente de concursos internos de trovas. Estes elevaram-se a cinco no primeiro ano do existência do CTC.

O primeiro desses concursos foi realizado em novembro de 1980, obedecendo ao tema GASOLINA, para trovas humorísticas.

Foram recebidas 54 trovas e o resultado oficial foi este:

1º lugar – BEATRIZ ABAURE:
Num posto de álcool na esquina,
diz um bêbado que passa:
– Isto que é gasolina!
– Tem cheiro até de cachaça.

2º lugar – VICENTE NOLASCO COSTA:
Sobe o gás e sobe o óleo,
gasolina é todo dia.
Quanto mais sobre o petróleo
mais aumenta a mordomia.

3º Iugar – JOÃO FIGUEIREDO:
O preço da gasolina
Vai subir mais (e não bufe!)
até que jorre da mina
o petróleo do Maluf…

4º lugar – ALYDIO C. DA SILVA:
Na crise da gasolina,
tive um lampejo de estalo:
Deixo o carro na oficina
e vou andar a cavalo.

5º lugar – VICENTE NOLASCO COSTA:
Vou vender tudo que pego.
Vou trocar rádio e buzina,
ou botar tudo no prego
ou ficar sem gasolina.


Receberam menções honrosas as seguintes trovas, por ordem alfabética de seus autores:
Se acabar a gasolina,
melhor é ficar na roça:
Lá não tem gente granfina,
todo mundo usa carroça…
ÁBNER DE FREITAS COUTINHO

Gasolina eu pus de lado
pois era um gastar sem fim,
e o carro a áIcooI hidratado
bebe quase igual a mim…
BEATRIZ ABAURRE

Vamos cavar, gente fina,
tentar óIeo encontrar.
Pois carro sem gasolina,
“alcoólatra”… vai ficar.
VALSEMA RODRIGUES DA COSTA

Hoje dei em pagamento
um tanque de gasolina
por um lindo apartamento
com garaje e com piscina.
VICENTE NOLASCO COSTA

Derivado do petróleo
que o capixaba assim glosa:
– Sendo “óleo”, contém álcool,
sendo líquida é “gasosa”.
ZEDÂNOVE TAVARES


Este concurso contou com o valioso apoio do CORREIO POPULAR, de Cariacica, onde é editada uma coluna dedicada à trova, sob responsabilidade de CIério José Borges.
——————–
continua…
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Espírito Santo, Sopa de Letras, Trovas

Erros Mais Comuns da Lingua Portuguesa (Parte II)

21 – Atraso implicará “em” punição. Implicar é direto no sentido de acarretar, pressupor: Atraso implicará punição. / Promoção implica responsabilidade.

22 – Vive “às custas” do pai. O certo: Vive à custa do pai. Use também em via de, e não “em vias de”: Espécie em via de extinção. / Trabalho em via de conclusão.

23 – Todos somos “cidadões”. O plural de cidadão é cidadãos. Veja outros: caracteres (de caráter), juniores, seniores, escrivães, tabeliães, gângsteres.

24 – O ingresso é “gratuíto”. A pronúncia correta é gratúito, assim como circúito, intúito e fortúito (o acento não existe e só indica a letra tônica). Da mesma forma: flúido, condôr, recórde, aváro, ibéro, pólipo.

25 – A última “seção” de cinema. Seção significa divisão, repartição, e sessão equivale a tempo de uma reunião, função: Seção Eleitoral, Seção de Esportes, seção de brinquedos; sessão de cinema, sessão de pancadas, sessão do Congresso.

26 – Vendeu “uma” grama de ouro. Grama, peso, é palavra masculina: um grama de ouro, vitamina C de dois gramas. Femininas, por exemplo, são a agravante, a atenuante, a alface, a cal, etc.

27 – “Porisso”. Duas palavras, por isso, como de repente e a partir de.

28 – Não viu “qualquer” risco. É nenhum, e não “qualquer”, que se emprega depois de negativas: Não viu nenhum risco. / Ninguém lhe fez nenhum reparo. / Nunca promoveu nenhuma confusão.

29 – A feira “inicia” amanhã. Alguma coisa se inicia, se inaugura: A feira inicia-se (inaugura-se) amanhã.

30 – Soube que os homens “feriram-se”. O que atrai o pronome: Soube que os homens se feriram. / A festa que se realizou… O mesmo ocorre com as negativas, as conjunções subordinativas e os advérbios: Não lhe diga nada. / Nenhum dos presentes se pronunciou. / Quando se falava no assunto… / Como as pessoas lhe haviam dito… / Aqui se faz, aqui se paga. / Depois o procuro.

31 – O peixe tem muito “espinho”. Peixe tem espinha. Veja outras confusões desse tipo: O “fuzil” (fusível) queimou. / Casa “germinada” (geminada), “ciclo” (círculo) vicioso, “cabeçário” (cabeçalho).

32 – Não sabiam “aonde” ele estava. O certo: Não sabiam onde ele estava. Aonde se usa com verbos de movimento, apenas: Não sei aonde ele quer chegar. / Aonde vamos?

33 – “Obrigado”, disse a moça. Obrigado concorda com a pessoa: “Obrigada”, disse a moça. / Obrigado pela atenção. / Muito obrigados por tudo.

34 – O governo “interviu”. Intervir conjuga-se como vir. Assim: O governo interveio. Da mesma forma: intervinha, intervim, interviemos, intervieram. Outros verbos derivados: entretinha, mantivesse, reteve, pressupusesse, predisse, conviesse, perfizera, entrevimos, condisser, etc.

35 – Ela era “meia” louca. Meio, advérbio, não varia: meio louca, meio esperta, meio amiga.

36 – “Fica” você comigo. Fica é imperativo do pronome tu. Para a 3.ª pessoa, o certo é fique: Fique você comigo. / Venha pra Caixa você também. / Chegue aqui.

37 – A questão não tem nada “haver” com você. A questão, na verdade, não tem nada a ver ou nada que ver. Da mesma forma: Tem tudo a ver com você.

38 – A corrida custa 5 “real”. A moeda tem plural, e regular: A corrida custa 5 reais.

39 – Vou “emprestar” dele. Emprestar é ceder, e não tomar por empréstimo: Vou pegar o livro emprestado. Ou: Vou emprestar o livro (ceder) ao meu irmão. Repare nesta concordância: Pediu emprestadas duas malas.

40 – Foi “taxado” de ladrão. Tachar é que significa acusar de: Foi tachado de ladrão. / Foi tachado de leviano.
————————–

————–
Fonte:
http://www.culturatura.com.br/

Deixe um comentário

Arquivado em Erros gramaticais, O nosso português de cada dia

José Roberto Torero (Algumas razões nobres e outras plebéias)

Dois tipos de razões me levam a escrever: as razões nobres e as plebéias.
As plebéias são as tradicionais: fama, dinheiro e mulheres.

Pensava que, como um escritor, teria um pouco dessas três coisas, mas a fama de um escritor é irrisória perto da de um razoável centroavante. O dinheiro é ridículo, se comparado ao que ganha qualquer desafinado cantor de pagode.

E, quanto ao gemido das mulheres, qualquer ator que tenha feito uma aparição na Globo é mais solicitado do que eu.

Na verdade, até hoje só uma leitora sorriu-me de um modo mais insinuante: uma senhora chamada Noemi. Muito simpática, mas octogenária.

Há, porém, os motivos nobres.

Como tive muitos professores humanistas, prendeu-se em mim essa idéia hoje tida como ridícula de que “devemos lutar por um mundo melhor”, hoje trocada por “devemos maximizar os lucros”.

Acho que escrevendo, posso, de alguma forma, influenciar as pessoas. Posso fazê-las rir dos maus costumes e dos maus personagens, posso fazê-las perceber um vício e exaltar uma atitude, posso falar bem da honestidade e mal de Maluf e Pitta, posso falar bem da coerência e mal da compra de votos pela reeleição, posso falar bem da coragem e mal da aliança com o PFL.

Mas, na verdade, acho que nesse quesito eu também apenas vou conseguir virar a cabeça de Dona Noemi.

Enfim, apesar do fracasso de minhas motivações nobres e plebéias, não posso me queixar da sorte. O trabalho não me deixa suado como um cantor de pagode, não levo pontapés como um centroavante e, ainda por cima, ando pelas ruas despreocupado, sem temer que fãs puxem meus cabelos ou tentem rasgar minhas roupas.

Se bem que, no lançamento do meu último livro, Dona Noemi tenha me dado um beliscão na bunda.

Fontes:
http://www.redacaocriativa.com.br/
Imagem = http://pre-vestibular.arteblog.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em O Escritor com a Palavra, Santos, São Paulo

José Roberto Torero (O Chalaça)

Chalaça quer dizer zombeteiro, gracejo, caçoada.

Narrada em 1ª pessoa, esta obra constitui-se do caderno de anotações de Francisco Gomes da Silva, conselheiro do Império, que, durante um bom tempo, foi um dos mais importantes auxiliares e o mais próximo de Dom Pedro I. Houve quem o chamasse de alcoviteiro e safardana, mas tais acusações não passam de calúnias.

Se o chalaça – este era seu apelido – conseguiu ascender de simples serviçal a um dos mais influentes homens do Império brasileiro, isto aconteceu principalmente graças à sua privilegiada inteligência. Além de habilidoso conselheiro, este companheiro de D. Pedro I foi também um brilhante filósofo, conforme demonstram algumas de suas teorias que aqui estão. Como pôr exemplo aquela na qual ele estabelece a profunda relação entre o fluxo sangüíneo e o funcionamento do cérebro no momento da cópula, o que explica tantas e tantas atitudes masculinas. O personagem esteve em todos os grandes acontecimentos da jovem nação brasileira: gritou, junto com o imperador, às margens do Ipiranga, escreveu a primeira Constituição e dissolveu com bravura a primeira Assembléia Constituinte.

O chalaça foi, enfim, um exemplo acabado de homem e estadista, e constituiu-se num modelo muito imitado pelos brasileiros, desde aqueles tempos até os dias de hoje. Mas Francisco Gomes também sabia fazer rir.

Não é à toa que seu apelido significa gracejo, caçoada, zombaria. Seu humor fino e inteligente, seu talento musical (tirava inspirados lundus de sua viola) e sua habilidade ao intermediar os encontros de D. Pedro I com as filhas de Eva fizeram com que ele fosse a companhia favorita do imperador enquanto não admirava as flores pelo lado da raiz.

Pode ser que o Chalaça, em seu diário, falte com a verdade em alguns trechos, mas não o julguemos mal. Se há exageros e omissões em sua narrativa, é porque assim funciona a memória, prolongando vitórias e dissimulando derrotas. Talvez por conta disso ele seja acusado de imprecisão histórica.

Chalaça, um píncaro por excelência, teria escrito algumas das páginas mais elegantes e divertidas de que se tem notícia sobre os termos do Primeiro Império.

Estávamos lá eu, o Caldeira Brant, que recentemente recebera o título de Marquês de Barbacena, o gentil-homem do paço João da Rocha Pinto e o criador de cavalos João Carlota. Estes dois eram figuras assíduas nos saraus e eu até já fizera com eles alguns negócios. O marquês eu conhecia de vista e era uma das principais vozes do Império. Até então havíamos trocado apenas alguns comprimentos de cabeça. O fidalgo usava coletes engomados ao exagero e ostentava medalhas muito lustradas mesmo nas mais simples recepções. Entramos numa sala um tanto pequena em que havia apenas uma mesa redonda com cinco cadeiras. Eu. como secretário particular de Sua Majestade, obviamente, deveria ficar ã sua direita, mas o marquês se antecipou e tomou a cadeira na qual eu costumava sentar-me.

“Este era o seu lugar? Perdão, não tive intenção, queria sentar-me. Pensei que os nobres sempre tivessem a preferência de se assentar à direita do soberano.”

Ele já ia se levantando quando pus a mão em seu ombro. Não podia deixar que ele se mostrasse tão superior aos olhos do Imperador.

“Por favor, Marquês, não queira se incomodar; o Imperador é canhoto mesmo.”

Fonte:
http://www.pobrevirtual.com.br/

Deixe um comentário

Arquivado em Estante de Livros

José Roberto Torero (1963)

José Roberto Torero Fernandes Júnior (Santos, 9 de outubro de 1963), conhecido como Torero, é um escritor, cineasta, roteirista, jornalista e colunista de esportes brasileiro.

Formado em Letras e Jornalismo pela Universidade de São Paulo, é autor de diversos livros, como “O Chalaça”, vencedor do prêmio jabuti de 1995.

Além disso, escreveu roteiros para cinema e tevê, como em Retrato Falado para Rede Globo do Brasil.

Cursou, sem concluir, pós-graduação em Cinema e Roteiro.

No Jornal da Tarde, de São Paulo, iniciou sua carreira de cronista e depois começou a escrever para revista Placar textos sobre futebol, colabora com a Folha de São Paulo desde 1998.

Como roteirista nos longas A Felicidade É e Pequeno Dicionário Amoroso.

É sócio proprietário da Realejo Livros, em Santos.

Atualmente, Torero mantém um blog no portal UOL, o Blog do Torero. Publica também o Blog do Lelê, seu sobrinho fictício, iniciado durante a Copa do Mundo de 2006.

Bibliografia

Livros
Galantes Memórias e Admiráveis Aventuras do Virtuoso Conselheiro Gomes, o Chalaça
Brevíssima história das gentes de Santos
Terra Papagalli (com Marcus Aurelius Pimenta)
Santos, um time dos céus (com Marcus Aurelius Pimenta)
Futebol é bom pra cachorro (com Marcus Aurelius Pimenta)
Os cabeças-de-bagre também merecem o paraíso
Ira – Xadrez, truco e outras guerras
Os Vermes
Dicionário Santista
Pequenos amores
Zé cabala e outros filósofos do futebol
Uma história de futebol
Nuno descobre o Brasil
Naná descobre o céu
Nonô descobre o espelho
O pequeno rei e o parque real
As primeiras histórias de Lelê

Roteiros

Amor!
Morte
Uma História de Futebol
Amassa que elas gostam
Pequeno Dicionário Amoroso
Um Homem Sério
Como fazer um filme de amor
Memórias Póstumas
O cantor de samba
Oswaldo Cruz
O casamento de Louise

Curtas

O Bolo (Felicidade É…)
Morte
A Alma do Negócio
Amor
A Inútil Morte de S. Lira
Nunc et Semper

Vídeos

Glauber Rocha – Quando o cinema virou samba
O mundo cabe numa cadeira de barbeiro
Como fazer um filme de amor

Teatro

Sic transit gloria Dei
Romeu e Julieta – Segunda parte (com Marcus Aurelius Pimenta)
Omelete (com Marcus Aurelius Pimenta)

Televisão

Professor Planeta (ESPN-Brasil), estrelado por Marcelo Tas.
Retrato Falado (Fantástico–TV Globo), estrelado por Denise Fraga.
Manual de Instruções (Fantástico–TV Globo), estrelado por Pedro Cardoso.

Prêmios Recebidos

O Chalaça
Prêmio no Concurso Nascente, da Editora Abril e USP. (1992)
Prêmio Aplub, categoria romance. (1994)
Prêmio Jabuti de Romance e Livro do Ano. (1995)

Fontes:
Wkipedia
Projeto Releituras

Deixe um comentário

Arquivado em Biografia, Santos, São Paulo

Mark Twain (As Aventuras de Tom Sawyer)

SINOPSE

As divertidas histórias de Tom, um menino órfão, sonhador e muito esperto, são contadas com muito humor e lirismo. E mostram a importância de uma amizade e da descoberta do amor. Texto integral em cuidadosa tradução. Numa pacata cidadezinha às margens do Mississípi, o menino Tom vive encrencado com a tia, o irmão e a escola.

Malandro e espertíssimo, dizem que ele tem tudo para virar presidente, se não for enforcado antes… Enquanto nenhuma das duas coisas acontece, Tom brinca de pirata, pele-vermelha, Robin Hood e o que mais lhe der na cabeça, mesmo que ás vezes os perigos de mentirinha se tornem bem reais e assustadores! Durante a história o leitor embarca com os garotos-pirata do Mississípi num clássico do humor, mistério e ação!

ANÁLISE DA OBRA

Há maior significado profundo nos contos de fadas que me contaram na infância do que na verdade que a vida ensina.” (Schiller)

Tom Sawyer é um menino aventureiro, pobre, espertíssimo e órfão – quando ainda bebê seus pais faleceram, tendo que então morar com sua tia Polly, “(…) É filho de minha falecida irmã, o coitadinho (…)” p.12, mais o seu irmão Sid – que se comporta totalmente ao oposto de Tom e sua prima Mary – um pouco mais velha, religiosa e dada aos afazeres doméstico.

A personagem de Tom Sawyer serve para representar o sonho de muitas crianças: desejo de ser visto como um herói. “ (…) É possível que o estômago de Tom nunca houvesse sentido verdadeira fome por aqueles prêmios, mas não resta dúvida que todo o seu ser, em muitas ocasiões, ansiou pela glória que deles advinha.” p.37 Tom vive numa busca constante de glória para provocar inveja em seus companheiros “ (…) Todos os meninos remorderam-se de inveja; mas _ mas o que mais lhes doeu foi verificar que eles mesmos haviam contribuído para aquele triunfo, quando negociaram com Tom os seus cartões (…).” p. 41, conquistar o coração de sua amada Becky Tatcher e ser admirado pelos adultos “ (…) Um estante depois lá estava ele espinoteando como um índio selvagem, gritando, rindo, perseguindo os outros, jogando coisas, ficando de pés para o ar – fazendo todas as coisas heróicas que lhe vinham à cabeça, sempre com o olho alerta para ver se Becky Thatcher prestava atenção (…).” p. 101. Não tem medo de nada, é forte, ágil, carismático e sedutor.

Ser pirata e descobrir tesouros é o seu sonho. Amigos não lhe falta, mas é com os seus companheiros, Huckleberry Finn, ou apenas Huck, e Joe Harper que Tom partilha as suas maiores aventuras, como se isolar por dias numa ilha deserta no meio do rio, consentindo que os parentes pensassem que eles haviam morrido. “ (…) Os três meninos “mortos” vinham “ressuscitando!” – vinham entrando, Tom à frente, Joe em seguida e Huck todo trapos atrás! (…).” p.135.

Tom utiliza dessa e de várias outras estratégias para ser notado, passando, muitas vezes, por situações embaraçosas e perigosas – exemplo: quando ele e Huck presenciam um assassinato e passam a conhecer o perigoso Injun Joe, o índio, e procuram pelo tesouro perdido. “ (…) Tom disse: … e assim que o doutor pegou na tábua e Muff Potter caiu, Injue Joe saltou de faca em punho e …” p.173

Na obra o mundo adulto se contrapõe ao mundo infantil. Com base no fragmento abaixo, percebemos que compete aos adultos – a educação – ou seja, aplicar as regras, e às crianças rompê-las, pois raramente as cumpriam.

(…) A viúva é muito boa e amiga _ mas eu não agüento aquelas histórias. Ela me faz levantar todos os dias à mesma hora, e tomar banho; e me penteiam e me escovam; e não me deixam dormir no lenheiro; tenho que andar com umas roupas que me incomodam , que não deixam entrar o ar e são tão finas que não posso sentar-me no chão ou rolar pela areia. Tenho de ir à igreja, e suar, suar, a ouvir aqueles sermões. Não gosto de sermões. Não posso pegar uma mosca, nem mascar fumo. Tenho aos domingos de andar calçado o dia inteiro. A viúva não faz nada sem o toque da campainha _ levantar-se, deitar-se, comer… Tudo numa ordem tão horrível que um ser humano não agüenta.” p.249

Mark Twain relata de forma muito superficial a vida dos adultos na obra, procura enfatizar muito mais o universo infantil, revelando a verdadeira essência do ser humano ainda não corrompido pela sociedade: A beleza da ingenuidade, a espontaneidade, a generosidade e a sinceridade presentes na criança. “ (…) eles não me esquecem (…) vocês tem sido tão bons comigo (…) Estas mãozinhas pequenas e fracas, mas muito que tem ajudado Muff Potter, e mais o ajudariam, se pudessem.” p.169

Outro fato marcante a ser ressaltado é a passagem que relata quando as crianças pintam a cerca por diversão. “Tom havia passado horas muito divertidas na companhia dos meninos e a cerca estavam com três mãos de pintura!” p.24. Isso mostra-nos que os dissabores e amarguras do mundo adulto, em situações idênticas para as crianças representam mais uma de suas aventuras, uma vez que vivem num mundo de sonhos e fantasias, tais sentimentos que se perdem quando alcançamos a maturidade.

As Aventuras de Tom Sawyer não é um livro pedagógico, já que não tem intenção de educar e sim de divertir. Pode-se averiguar na leitura que as principais personagens da obra não são modelo a ser seguido, principalmente o protagonista, Tom Sawyer, que viola em todo momento as regras estipuladas pelos adultos, ou seja, os princípios impostos pela sociedade.

Diante disso, no prefácio o autor tenta levar o leitor a crer que o livro trata-se de histórias reais, apenas com um pouco de fantasia, no intuito de ocultar qualquer tendência que pudesse revolucionar na época, pois se a obra fosse considerada imprópria, poderia ser proibida de circular, principalmente por se tratar de um livro indicado para o público infanto-juvenil, onde poderia representar um perigo para as crianças “(…) Fazemos que os parentes juntem todo o dinheiro que possam e resgatem o preso; (…) se não pagam, então sim _ zás! Faca no pescoço.” p. 237, incentivando-as a se rebelarem, visto que muitas vezes, Tom não era castigado pelos seus atos, pelo contrário, era visto como herói em suas façanhas. A responsável por sua educação é a tia Polly. “ (… ) A verdade é que não ando cumprindo o meu dever com este menino (…) Ele tem o demo no corpo, mas o que fazer? (…) Não tenho coragem de surrá-lo. Cada vez que o deixo escapar minha consciência dói; e se o agarro, o que dói é meu coração.” p.12.

Tom não é um menino exemplar: é rebelde, não obedece a ninguém, não quer estudar “ (…) se tivesse amanhecido doente, não iria à escola (…) “ p.49, detesta andar de sapatos, “(…) Tom teve esperança de que Mary se esquecesse dos sapatos, mas foi esperança vã; (…) e ele entrou nos sapatos resmungando (…)” p.35 ter de ir aos domingos à missa, ter que tomar banho “ (…) Que vergonha Tom, um menino desse tamanho com medo de água! Água não machuca ninguém.” p.34 e mente sempre para evitar castigos ou sair de situações inesperadas.

Ele é uma criança muito difícil de tratar, espécie de degenerado da casa, mas a tia mesmo assim o estima muito, embora não deixa demonstrar para não estragar na educação, pois por algumas vezes acaba sendo necessário castigá-lo com alguma dureza, porém, em outras, não sofre nenhum castigo, pois ela deixa-se passar para trás, fazendo-se de desentendida. “ (…) Parece que cheira até que ponto pode me atormentar; e sabe que se consegue me atrapalhar ou fazer rir-me, já está livre de sova (…).” p.12

Tom Sawyer tem como arma principal para sobreviver na sociedade – a inteligência, ou melhor, a malandragem. Usa a esperteza para se safar de situações inusitadas ou barganhar quando está em condições de desvantagem, mesmo que seja necessário enganar os outros. Seu brinquedo é a sua astúcia – capaz de manipular a todos por meio da malandragem. Tom – o herói infantil do romance é um menino normal, que vive em busca do prazer e da aventura.

(…) enquanto o Big-Missouri trabalhava e suava ao sol, ficou ali sentado numa travessa, a comer a maçã e a pensar na caçada de outros inocentes. Material não lhe faltava, e constantemente vinham meninos, que paravam para caçoar e acabavam pintando (…) Lá pela tarde, Tom, que tinha começado o dia paupérrimo, estava o que havia de rico (…)” p.24

Fontes:
– TWAIN, Mark. As aventuras de Tom Sawyer. 5 ed. São Paulo: Brasiliense, 1961.
– Análise da Obra por Marli Savelli de Campos, disponível em http://mscamp.wordpress.com/as-aventuras-de-tom-sawyer/

Deixe um comentário

Arquivado em Análise da Obra, Estante de Livros

Manuel Bandeira (Andorinha)

Poesia sobre imagem do blog http://bloguitim.blogspot.com

Deixe um comentário

Arquivado em Pernambuco, Poesia, Recife