Nilto Maciel (O Pião)

Nota Introdutória de José Feldman

Ontem, sexta-feira, tive o enorme prazer de receber de presente o livro Contos Reunidos, volume I, lançado este ano de 2009, deste escritor de Baturité, Ceará, Nilto Maciel. Constantemente ele me tem enviado seus livros de contos ou sobre os contistas do Ceará, além de jornais e boletins do Ceará.

Antes de colocar um conto deste livro para abrir o apetite do leitor, gostaria de colocar algumas palavras sobre este “fantástico escritor fantástico”.

Tudo isto nos faz remeter a um estado que pouco se tinha conhecimento de sua literatura, ou se conhecíamos, nosso inconsciente não poderia conceber que tais obras fossem escritas por escritores da região. O que nos vem a mente, é a seca, a pobreza, a violência, mas não que apesar de todo este drama que se desenvolve, existam tantos e tantos escritores de alta qualidade, como é o caso de nosso irmão de letras, Nilto Maciel.

O que poderia dizer sobre o que escreve, além de que é sem sombra de dúvida escritos que nos levam a vagar por sobre as ondas do cotidiano, isto, entre a ficção e a realidade, que nos remete a vivenciar seus personagens. Não são contos que são presente, ou passado, mas que transformam os tempos em um só, havendo uma fusão de passado, presente e futuro. O futuro que não conhecemos, mas que somos seus construtores.

Nilto nos mostra em seus contos algo que vai além de uma simples fotografia, ele pinta um quadro que envolve toda uma paisagem e que nos faz penetrar na alma dele. Vivemos cada instante seus personagens. Carlim ou Hiroito (contos que coloquei aqui no blog), são testemunhas disto. Eles surgem do nada, às vezes em uma paisagem dantesca e penetram nosso ser, e ficam enraizados dentro de nós.

Como bem nos diz Silvério da Costa, no Jornal Sul Brasil, de Chapecó, SC, em 2 de junho de 2005, “contos quase que integralmente oníricos e inspirados na história e na mitologia, transpõe para os dias de hoje, de forma subvertida e alegórica, histórias longínquas que arrebatam o leitor e que não só tirou minha dúvida, como também me tirou do sério, por trazer tudo aquilo que há de mais encantatório, para mim, na arte do conto, que é o mágico-fantástico de um Gabriel Garcia Márquez, a absurdez kafkiana, a alusão a castelos, princesas, fadas, anjos, monstros, enfim, heróis exóticos de todas as estirpes e para todos os gostos, bem como a evocação de figuras das artes, da história, da ciência e da mitologia, como, entre outros, Ícaro, Átila, Jesus, Napoleão, Pilatos, Santos Dumont, Carlos Magno, Descartes, Malthus, Sophia Loren, Joana d’Arc e Lampião.

Uma salada excêntrica, cujos personagens brotam de um passado mais ou menos remoto, e que, associadas a ingredientes como vida, morte, velhice, desilusão, fanatismo, repressão, dinheiro e prazeres da carne, se atualizam e nos levam à complexidade e aos desajustes do ser humano moderno, e à inter-relação de seus mundos, interior e exterior, em situações esdrúxulas, só concebíveis na ficção, das quais as personagens se libertam graças à caneta do autor, à intervenção do deus Morfeu, aliás, a grande recorrência de que se vale o Nilto para livrá-las das suas encrencas”.

Enfim, pelo que já li de seu livro, Nilto é um pintor das palavras, transforma paisagens e momentos em letras que nos presenteiam com seu encantamento seja em seus dramas, ou não. Ele nos faz rir, nos faz chorar, sofrer, e mesmo pensarmos em quem somos nós e qual a nossa participação no mundo que vivemos.
==========================

Nilto Maciel (O pião )

O menino atirou à distância o pião e puxou o cordão. O objeto alcançou o chão, com violência, e se pôs a girar. E tão velozmente girava, que Us imaginou estar ele parado. No entanto fazia voltas no chão, num movimento de translação ao redor de um ponto imaginário.

Aos poucos, o giro se fazia mais lento e Us pôde perceber o movimento de rotação do pião.

Mais alguns giros, e o objeto perdeu o equilíbrio. Entrou em desordem, rolou deitado e foi repousar longe do lugar onde originalmente caíra.

O menino atirou-se em busca do brinquedo. Certamente enrolaria de novo o cordão ao redor do pião e reiniciaria a brincadeira. Us, porém, não esperou o novo espetáculo. Devia se sentir satisfeito. E correu para casa.

– Mãe, compra um pião pra mim.

A mulher resmungou sim ou não e mudou de assunto. Fosse o filho tomar banho. A hora do almoço não tardava. Se não se apressasse, ia chegar atrasado à escola.

Us tomou banho com o pião girando em sua cabeça. Durante o almoço falou do brinquedo. A caminho da escola repetiu o pedido à mãe.

Mal teve início a aula, a professora chamou a atenção de Us. Deixasse a conversa para a hora do recreio. Ele falava a um amiguinho sobre o pião que iria ganhar.

Para sua mãe, no entanto, aquilo parecia muito perigoso. Mas ele não via perigos, só via piões. E sonhava esquisitices. Um mundo de piões. Todos girando. Nas calçadas, nas ruas, nos telhados, nos ares. A Lua, um pião enorme e lindo. As estrelas, piões do céu, brinquedos dos anjos.

E se a Terra também fosse um pião gigante a rodopiar no espaço? Brinquedo de Deus, aquele ser poderoso das aulas de religião e das missas de domingo.

Mas como os sonhos durassem pouco, durante o dia Us não se continha e fugia de casa para o país dos rodopios. Esquecia-se do tempo, dos estudos, da mãe. Aprendia a soltar piões. Olhos atentos às mãos dos outros meninos. Daqueles felizardos. E pedia, humílimo, para ao menos enrolar o cordão. Negavam-lhe esse favor, essa caridade. Comprasse ou mandasse fazer um pião.

Ora, a mãe jamais lhe daria dinheiro para comprar tão perigoso brinquedo. De qualquer forma, iria ao carpinteiro. Talvez não custasse tanto um pequeno pião.

Não custou nada. O carpinteiro com certeza se apiedou do pobre Us.

E toda a felicidade humana se incorporou ao menino. Tão feliz se sentia, que não carecia de platéia nem de elenco para seu espetáculo. Só de palco, do pião e de si mesmo. E se isolava nos becos, nas pontas de rua, nos terrenos baldios.

Havia, porém, um espectador oculto a ver todo o seu sonho rodar no chão. Um velho escultor. Entalhava uma estátua de Deus-homem, e só lhe faltava o coração. Aquele pião talvez servisse.

O menino se assustou e agarrou o brinquedo. Não, não venderia nem daria seu pião. Custara-lhe caro. O homem sorriu. Via mentira nos olhos de Us. Contasse a verdade. Ele também tinha sua via-crucis para contar.

Fizeram-se amigos. E o pião de Us acabou incrustado no peito do Deus do velho escultor.

Fonte:
MACIEL, Nilto. Contos Reunidos. Vol.I. Porto Alegre, RS: Bestiário, 2009.

Capa do Livro = fotografia de José Feldman
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Nota do Editor, O Escritor com a Palavra

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s