Lóla Prata (Poesias)

Bragança Paulista, por Nestor Silveira
ESTRELA CARENTE

Encaracolados e tintos de amarelo,
secos cabelos; maus dentes, mãos sem cadernos,
cresci num cortiço de Santos, sem anelo,
com muita gente… e ausência de gestos ternos.

Golas de marinheiros jogadas ao chão,
a mãe-mulher gargalhando na grande cama,
brinquedo quebrado…, feia boneca… são
as solenes recordações que a infância clama.

Aos doze anos, uso saia curta e justa,
possuo seios lindos que eu exibo agora,
esmalte roxo e batom que pouco me custa.

O sonho de encontrar amor já está bem morto…
Espalho um brilho opaco pela noite afora
como nova prostituta do cais do porto!

A ÁRVORE DO ESQUECIMENTO

Talvez fosse um jequitibá, não sei…
porém, entrou na história brasileira
não pela imponência, mas pela lei
que vigorava dentro da fronteira:

aportando aqui, negros africanos
arrancados dos seios das famílias,
estampavam no rosto, muitos danos;
no corpo, vestes mais que maltrapilhas.

Obrigavam-nos a dar muitas voltas
em torno do velho jequitibá
até que “esquecessem” sob os agravos,

as origens e as emoções revoltas…
Após a ronda da mentira má,
ficavam livres… pra serem escravos…

UMA FLOR PARA UM MORTO

Oh! Flor do céu! Oh! Flor cândida e pura!
A mão piedosa te coloca em mim
nesse dia em que desço à sepultura
na quietude, sem toque de clarim.

És aquela tristeza perfumada
que murchará em minha companhia.
Tanta beleza vai, desperdiçada,
desfalecer nessa cova sombria!

Mas és cativa de meu coração
e nos amando, vamos descer juntos,
pois no amor há luz, nunca escuridão.

Se a Deus chegarmos, nós dois defuntos,
dirá minha alma, tirando a mortalha:
-Perde-se a vida, ganha-se a batalha!

MINUTO DE SILÊNCIO
-AO FILHO PEDRO-

Ele esquentava as mãos nos bolsos do agasalho
pois fazia frio. Estava bem cansado
do muito esforço para encerrar um trabalho
e entregá-lo, perfeito, em tempo aprazado.

De vez em quando, apertava os olhos felizes
como a apagar tantas imagens e sons,
porém, a ânsia de criar vinha em reprises,
transbordando do grande acúmulo de dons.

Convidou-me: – Mãe, quer comigo concorrer
ao prêmio de vídeo que dure um minuto
sobre o amor, em especial, o materno?

-Sim, meu filho, quero! Tal amor é eterno!
Mas… Pedro, de tanto viver, ia morrer…
Naquela noite, começaria meu luto!

FALSO AMIGO

Ele é brutamontes, um troglodita,
vem com a noite em montaria sinistra,
é apocalíptico, força inaudita,
surge do todo mal que o administra.

Na feiúra desse ser reversível,
na gulodice de sempre faminto,
chega de improviso, ininteligível,
perscruta minha alma, invade o recinto.

Quem é ele, quem a me assustar tanto
a ponto de eu tremer de calafrio,
a ponto de me estrangular de espanto?

Essa visita com que me constranjo
e me dá semblante de desvario,
é o pecado, trazido por mau anjo.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em A Poetisa no Papel, Poesias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s