Ialmar Pio Schneider (Em Alto Mar)

Aragem branda já enfuna as velas
da nave abandonando o cais na aurora;
há de partir p’ra longe, vai-se embora
vencendo calmarias e procelas.

E quando mar adentro, noite afora,
o céu povoar-se de milhões de estrelas
e a lua desfilar no meio delas,
cândida, pensativa e sonhadora,

uma poesia imensa nascerá de
repente, ao sussurrar sem fim das águas.
E os tripulantes vão sentir saudade

das terras que deixaram para trás,
porque nos corações cheios de mágoas
lágrimas rolarão em mananciais…

Fonte:
http://ial123.blog.terra.com.br/

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em O poeta no papel, poema.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s