Ialmar Pio Schneider (Baú de Trovas XII)

A brisa sempre é bem-vinda
nessas tardes de calor,
quando apareces tão linda
para preencher meu amor !

Aceita os versos que faço
com verdadeira emoção,
há de ter o seu espaço
dentro do teu coração !

A saudade que me assalta
E punge meu coração,
É da morena que falta
Nesta minha solidão !

Canta o poeta tristonho
seus versos desesperados,
pois que alimenta no sonho
sóbrios amores frustrados…

Contemplando a imensidão
do céu azul e do mar,
minh´alma sente a paixão
de viver para te amar !…

Coração sentimental,
a bater desesperado,
ontem teve um ideal,
hoje é brinquedo quebrado !

De novo o sol vai se pôr
na colina além do rio,
sinto saudades do amor
que me trouxe tanto brio…

Era jovem e vivia
desfrutando a mocidade…
Por que será que hoje em dia,
vivo agora de saudade?!

Era menino… e bem cedo
vivia a brincar sozinho;
o meu primeiro brinquedo
foi só… um caminhãozinho…

Estas trovas que hoje canto
com vontade de chorar,
vem do triste desencanto
de nunca mais te encontrar.

Já fui gato abandonado
e vivia ao Deus-dará…
hoje sou gato amarrado
por laços que a vida dá !

Meus cantares estão cheios
de paixão e fantasia,
meus queridos devaneios
no Universo da Poesia.

Na ascensão ou na descida,
tenham fé, queridos filhos;
não se percam pela vida
ao seguirem falsos trilhos !

Não esperes compreensão
para os poemas que escreves,
é tão longa a ingratidão,
como os momentos são breves.

No coração de quem ama
sempre haverá um lugar
para alimentar a chama
de uma paixão a queimar.

Nunca mais vou projetar
mensagens de amor ardente,
existe um outro lugar
pra quem não gosta da gente.

Onde habita a majestade
deusa do meu coração?
Ela vive na saudade
dos anos que lá se vão !

Passaram-se tantos dias
que formaram muitos anos,
se colhemos alegrias,
não faltaram desenganos.

Pelos trilhos da saudade
vai seguindo o trem do amor;
e lembrando a mocidade,
inda sou um sonhador…

Quando a saudade me aperta,
Faço uma trova, somente;
A vida fica deserta
E choro convulsamente…

Quando a saudade vier
me visitar, com certeza,
hei de lembrar a mulher
mais linda da natureza !

Quando cansado, à tardinha,
meu corpo exausto descansa,
vem a brisa e me acarinha
enchendo-me de esperança…

Quando lembro a mocidade
dos meus verdes madrigais,
sinto que a felicidade
já se foi, pra nunca mais !

Quem diz que a felicidade
Depende só do dinheiro,
Veja se compra a saudade
Com o ouro do mundo inteiro !

Quem for amigo de alguém,
precisa ter lealdade;
caso contrário, só tem
traição em vez de amizade…

Queria ter deste mundo
só flores e não espinhos;
mas um triste vagabundo
tem os dois pelos caminhos…

Sejam as trovas singelas
como as flores de um jardim,
e assim serão as mais belas
pérolas de um mar sem fim.

Tão rápida a vida passa,
nem se chega a perceber,
pois é como uma fumaça
pelo espaço a se perder…

Vivia fazendo versos,
crendo ser feliz, enfim,
vejo-os agora dispersos
e faço trovas pra mim…

Fonte:
O Autor

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em A escritora em xeque, Baú de Trovas, Contos, Entrevista, Entrevistas, Trovas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s