Arquivo do mês: julho 2011

Ademar Macedo (Mensagens Poéticas n. 277)


Uma Trova Nacional

Na estação do meu anseio,
nos perdemos de nós dois…
-Não foi o trem que não veio:
fui eu que cheguei depois…!
–PEDRO MELO/SP–

Uma Trova Potiguar

A bíblia é minha passagem,
meu porto, minha estação
e o norte em minha viagem
em busca da salvação.
–TARCÍSIO FERNANDES/RN–

Uma Trova Premiada

2008 – Nova Friburgo/RJ
Tema – ESCOLHA – M/H

Estou só… Mas sou feliz;
vou vivendo mesmo assim:
por escolhas que não fiz,
mas a vida fez por mim!
–SELMA PATTI SPINELLI/SP–

Uma Trova de Ademar

Aos Meus Irmãos Trovadores
e a Selma Patti, Saúdo…
Nestes versos, meus louvores:
Muito Obrigado por Tudo!
–ADEMAR MACEDO/RN–

…E Suas Trovas Ficaram

Veja, amada companheira,
este quadro, que beleza.
Temos a família inteira
ao redor de nossa mesa.
–ALYDIO C. SILVA/MG–

Simplesmente Poesia

ÓRION.
–Edla Feitosa/PE–

Não está escuro !
Existe um jogo de luz e sombra
E um certo silêncio.
Órion muda de lugar
E me confunde ….
Um cão ladra ao longe
Um gato ágil escala telhados
A taça enche e esvazia
Como a maré que sussurra ao longe.
As nuvens cobrem as estrelas ….
E dói a solidão.

Estrofe do Dia

Roberto é rei da canção
do barro, foi Vitalino,
do cangaço, é Virgulino
o famoso lampião,
Gonzaga, rei do baião
Brasil foi rei do café,
do futebol foi Pelé,
pinto foi rei do repente,
existe um rei entre a gente:
PATATIVA DO ASSARÉ.
–Oliveira de Panelas/PE–

Soneto do Dia

AUSÊNCIA.
–Thalma Tavares/SP–

O teu jardim ainda está florido,
mas não refletem vida as suas flores.
Há um pálido lírio emurchecido
e a velha fonte já não tem rumores…

Há pela casa um pranto mal contido
gritando a tua falta em seus labores.
No quarto o teu retrato colorido
por tua culpa vai perdendo as cores.

No leito que era nosso, em desalinho,
reclamam, como eu, por teu carinho
as fronhas e os lençóis que perfumaste.

E este poema que a compor me atrevo,
no vazio da noite em que te escrevo,
é filho da saudade que deixaste.

Fontes:
Textos enviados pelo Autor
Imagem = http://reikiana.blogs.sapo.pt/arquivo/362362.html
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Mensagens Poéticas

Concursos da UBT São Paulo 2011 (Resultados Finais) 1a. Parte






Concurso Nacional/Internacional da UBT São Paulo Tema: Sal

Vencedores

A vida é drama brutal
para a criança sem nome,
em que a lágrima de sal
tempera o prato da fome!
ADILSON MAIA (Niterói/RJ)

Numa lágrima salgada
eis a vida resumida,
nas emoções da chegada
e nas dores da partida!
ADILSON MAIA (Niterói/RJ)

O rancor é um sal barato
que ao longo do tempo oxida
todas as faces do prato
no qual provamos a vida!
ANTONIO DE OLIVEIRA (Rio Claro/SP)

Por um contraste cruel,
de razões mal explicadas,
dos teus olhos cor de mel
descem lágrimas salgadas!
ARLINDO TADEU HAGEN (Belo Horizonte/MG)

Seria oposto e fatal
porém tão bom se assim fosse:
teu amor… um mar de sal
e o meu… um riacho doce!
CLENIR NEVES RIBEIRO (Nova Friburgo/RJ)

Por maior que seja o mal,
sê persistente na sina.
Uma montanha de sal
não resiste à chuva fina.
DULCIDIO DE BARROS MOREIRA SOBRINHO (Juiz de Fora/MG)

Na festa plena de encanto
um brinde, um beijo, um anel…
E em vez de sal, no meu pranto
impera o gosto do mel!
ELEN DE NOVAIS FELIX (Niterói/RJ)

Numa paixão imortal,
minhas tristezas eu venço,
beijando o sabor de sal
que deixaste no meu lenço!
HERMOCLYDES SIQUEIRA FRANCO (Rio de Janeiro/RJ)

Por minha culpa partiste;
e o sal do pranto, sem dó,
agora, torna mais triste
o triste viver de um só…
JOSÉ TAVARES DE LIMA (Juiz de Fora/MG)

Deixei-te… Agora eu lamento
a decisão da partida,
pois vi que o arrependimento
põe gosto de sal na vida!
THEREZA COSTA VAL (Belo Horizonte/MG)

Depois de tua partida
por desavença banal,
o que foi “a doce vida”
hoje é uma vida sem sal!
WANDA DE PAULA MOURTHÉ (Belo Horizonte/MG)

Mar agitado e bravio
foi teu amor sem ternura,
só me deixando um vazio
e as salinas da amargura.
WANDA DE PAULA MOURTHÉ (Belo Horizonte/MG)

VENCEDORES DO ÂMBITO INTERNACIONAL Tema: Sal

No auge duma tormenta
com teu corpo divinal,
no teu olhar há pimenta
e os beijos sabem a sal.
ANTÓNIO JOSÉ BARRADAS BARROSO (Parede/Portugal)

O teu riso é o sal da vida
que tempera as emoções.
Traz de volta a fé perdida
e do pranto faz canções.
DOMINGOS FREIRE CARDOSO (Ilhavo/Portugal)

Se o ciúme é o sal do amor
como muita gente diz…
Só provoca dissabor
e não faz ninguém feliz.
EMÍLIA PEÑALBA DE ALMEIDA ESTEVES (Porto/Portugal)

Lábios doces e dourados
que a sul o sol faz tostar,
regalam beijos salgados
com vento vindo do mar.
VICTOR MANUEL CAPELA BATISTA (Barreiro/Portugal)

————-

Nota por J. B. Xavier:
O verbo saber, em Portugal tem uso e significado mais abrangente que no Brasil.
É uma diferença sutil e muito dificil de explicar cognitivamente.

No caso da trova cujo verso é “e os beijos sabem a sal”, o significado do verso se aproxima de: “os beijos tem gosto de sal” ou, “sabe o gosto de sal? os beijos tem esse gosto”.

Viu como é dificil dar um sentido exato? Mas em Portugal, o verso está perfeito. E, se é um concurso internacional, há que se respeitar os estrangeirismos.

CONCURSO ASSINANTES DO INFORMATIVO Âmbito Nacional: Vencedores Tema: Duna

As minhas mãos, em desvelos,
vão surfando, sem receios,
nas ondas dos teus cabelos
rumo às dunas dos teus seios.
ARLINDO TADEU HAGEN (Belo Horizonte/MG)

Paciência e lentidão
constroem coisas perfeitas.
Reparem: de grão em grão
aquelas dunas são feitas!
CÉLIA GUIMARÃES SANTANA (Sete Lagoas/MG)

Durante o sono do Sol,
enquanto a Lua desperta,
tomo a duna por lençol
e as estrelas por coberta…
ÉLBEA PRISCILLA DE SOUSA E SILVA (Caçapava/SP)

Ondulantes areias,
ao sabor do vento incerto,
as dunas são sensuais
odaliscas do deserto…
ÉLBEA PRISCILLA DE SOUSA E SILVA (Caçapava/SP)

Brincando, o vento travesso
pelas areias se espraia,
enquanto muda o endereço
das brancas dunas da praia!
ELEN DE NOVAIS FELIX (Niterói/RJ)

O mar num longo suspiro
inveja a serenidade
da brisa que faz seu giro
pelas dunas da saudade.
ELEN DE NOVAIS FELIX (Niterói/RJ)

As dunas que, à beira-mar,
tanto encantam nossa vista,
por certo, querem provar
que o vento é também artista…
JOSÉ TAVARES DE LIMA (Juiz de Fora/MG)

No deserto desta vida,
sozinho e de amor sedento,
sou triste duna esquecida,
que espera o afago de um vento!…
JOSÉ TAVARES DE LIMA (Juiz de Fora/MG)

Já na planície, alquebrada,
transcendo tempo e distância:
procuro a duna encantada
dos sonhos da minha infância!
JOSÉ VALDEZ DE CASTRO MOURA (Pindamonhangaba/SP)

Paixões – eu digo e sustento –
pela inconstância da forma
são dunas de sentimento
que o tempo varre e transforma!…
MARIA HELENA DE C. COSTA (Ponta Grossa/PR)

Sob a luz da lua cheia,
as dunas fazem lembrar
lençóis corando na areia
que o vento enruga ao passar!
MARIA MADALENA FERREIRA (Magé/RJ)

Às vezes, grandes fortunas
têm uma vida fugaz:
são semelhantes a dunas
que o vento faz… e desfaz!…
MARIA MADALENA FERREIRA (Magé/RJ)

No deserto, eu penso, absorto
ante as dunas em cadeia:
são as ondas de um mar morto,
que o vento esculpe na areia!!!
MARIA MADALENA FERREIRA (Magé/RJ)

Nas miragens de um deserto
em que vivo, hoje, os meus dias,
sei que os sonhos que acoberto
são dunas de fantasias…
THEREZA COSTA VAL (Belo Horizonte/MG)

Aquela duna imponente,
que na paisagem se alteia,
tem na origem, certamente,
minúsculos grãos de areia.
VANDA FAGUNDES QUEIROZ (Curitiba/PR)

Teu amor, em nossa história,
inconstante, me atormenta,
feito duna migratória
que o vento não sedimenta…
WANDA DE PAULA MOURTHÉ (Belo Horizonte/MG)

ASSINANTE INTERNACIONAL Tema: Duna

Minha vida é um grão de areia
em duna perto do mar
enfrentando a maré cheia
que consigo a quer levar…
DOMINGOS FREIRE CARDOSO (Ilhavo/Portugal)

CONCURSO INTERSEDES DA UNIÃO BRASILEIRA DE TROVADORES

Seção Vencedora em 2010 – São Paulo/ SP
Trovadora: Marina Bruna
Tema: Jura

VENCEDORA 2011

De mim… tu juras que gostas…
– Mas, tal cinismo realças,
que eu juro – até de mãos postas! –
que as tuas juras são falsas!!!
MARIA MADALENA FERREIRA (Rio de Janeiro/RJ)

MENÇÕES HONROSAS

Erra feio quem calcula
na equação da vida a dois,
que uma mentira se anula
quando há uma jura depois!
ANTONIO DE OLIVEIRA (Rio Claro/SP)

Puseste-me na clausura!
E hoje, em sonhos sem sentido,
eu me alimento da jura
que murmuras noutro ouvido.
MANOEL CAVALCANTE DE SOUZA CASTRO – Natal/RN

Na igreja, em rito divino,
nossa jura faz supor
que as badaladas do sino
são de aplauso ao nosso amor!
WANDA DE PAULA MOURTHÉ (Belo Horizonte/MG)

Continua… Concurso Associados da Seção São Paulo/SP Concurso Humorístico Associados da Seção São Paulo/SP Homenagem ao Nordeste Homenagem a Ademar Macedo

Fonte:
Revista “Concursos UBT São Paulo – 2011”
Fotos: J B Xavier e José Feldman

Deixe um comentário

Arquivado em Concursos de Trovas, Resultados de Concursos

Ademar Macedo (Mensagens Poéticas n. 276)


Uma Trova Nacional

Brigamos, mas a tormenta
em instantes se desfaz;
um grande amor sempre inventa
um arco-íris de paz!…
–DOMITILLA BORGES BELTRAME/SP–

Uma Trova Potiguar

A seca nos causa pena,
mas nosso povo se veste
desta saúde morena,
tingida ao sol do nordeste
–JOSÉ LUCAS DE BARROS/RN–

Uma Trova Premiada

2005 – Nova Friburgo/RJ
Tema: MOTIVO – M/E

Quando a inspiração vagueia
à procura de um motivo,
o meu passado passeia
em cada verso que eu vivo!
–SELMA PATTY SPNILELLI/SP–

Uma Trova de Ademar

Sedento dos teus abraços
num desejo que é só nosso,
quero correr pra os teus braços
mas de muletas… Não posso!…
–ADEMAR MACEDO/RN–(PARA MINHA ESTRELA DALVA!)

…E Suas Trovas Ficaram

A chuva que cai serena
quando a seca surge agreste,
faz a ponte de safena
no coração do nordeste.
–HILDEMAR DE ARAÚJO/BA–

Simplesmente Poesia

–SERGIO AUGUSTO SEVERO/RN–
Xaxado

De “Apragatas de Rabicho”,
chapéu de Couro e Gibão,
os “Cabras de Lampião”,
vão xaxando, “no capricho”!

“Matanto o Bicho”, a Cachaça
“Papo-Amarelo” na mão,
e cortando a escuridão,
os lampeões, lá da Praça.

Pé à frente, deslizando,
num vai e vem levantando
a poeira, sem ter medo…

numa Dança, sem Parceira,
vai xaxando a Tropa inteira,
no Nordestino Folguedo !

Estrofe do Dia

Fica triste o cantar dos sabiás,
se a graúna, cantar, canta de dor;
fica mudo o concriz e o beija-flor
de tristeza e de dor não voa mais;
se esta morte abalou os animais
imaginem a dor do seu irmão
ao ensaiar na viola uma canção
que ele fez para o mano Vitorino;
quando morre um poeta nordestino
nasce um pé de saudade no sertão.
(ADEMAR MACEDO/RN)
(homenagem Póstuma ao Poeta Diniz Vitorino)

Soneto do Dia

–PEDRO ORNELLAS/SP–
Refúgio

Todo poeta tem, por ser poeta,
um mundo à parte, pleno de magia!
Só ele sabe a porta, que é secreta,
fronteira entre o real e a fantasia.

Ali depõe a mágoa que o alfineta,
se o mundo o fere, ali se refugia…
É ali que encontra a paz e se completa
quando conversa, a sós, com a poesia.

Nesse lugar que a mente humana cria
o Amor é a lei, o bem a ordem-do-dia,
o idioma é a Paz e quem governa é a Arte!

Não é um lugar nas dimensões terrenas,
mas um estágio ao qual se eleva apenas
quem da Poesia faz seu mundo à parte!

Fontes:
Textos enviados pelo Autor
Imagem = http://gifsj.blogspot.com/2011/01/gifs-arco-iris.html

Deixe um comentário

Arquivado em Mensagens Poéticas

Ademar Macedo (Mensagens Poéticas n. 275)

Uma Trova Nacional

Ao vê-la, sente que a odeia,
fica tenso e encolhe a pança…
todo dia a briga é feia
entre um gordo… e uma balança!
–TEREZINHA BRISOLLA/SP–

Uma Trova Potiguar

Eu choro igual Madalena,
pra não perder uma farra.
Mas, pra missa ou pra novena,
eu só vou, se for na marra!
–FRANCISCO MACEDO/RN–

Uma Trova Premiada

2003 – Belém/PA
Tema: CORETO – M/E

No coreto, atrapalhado,
o maestro me dá dó:
prometeu tocar dobrado
mas tocou uma vez só…
–MARINA BRUNA/SP–

Uma Trova de Ademar

Pelas “coisas” que fazia,
vive o malandro enjaulado;
usando de noite a dia
o seu “pijama listrado”.
–ADEMAR MACEDO/RN–

…E Suas Trovas Ficaram

A solteirona infeliz
viu sua casa assaltada,
ladrão levou o que quis:
menos a pobre coitada.
–GRAZIELA LYDIA MONTEIRO/MG–

Simplesmente Poesia

MOTE:
“Veado” talvez não seja,
mas trejeitos ele tem.

GLOSA:
Em qualquer canto que esteja
quer sentado, quer de pé,
parece mais que é mulher,
“veado”, talvez não seja.
Toda mão que aperta beija,
chama todos de meu bem,
casar, não quer com ninguém
e só fala afeminado;
pode até não ser veado,
mas trejeitos ele tem.
–LUIZ XAVIER/RN–

Estrofe do Dia


Lá em casa a crise é tanta
que eu nem sei como resisto,
a roupa que estou usando
é minha e do Evaristo,
quando em não visto, ele veste;
quando ele não veste, eu visto.
AFONSO PEQUENO/PE–

Soneto do Dia

–LUIZ LEITÃO/PE–
Na Loja

Seguida da vovó, meiga e bonita,
ela entrou numa loja, no armarinho…
– Tem fita de cetim azul-marinho?
Qual o preço? –perguntou ela, catita.

Um beijo cada metro, senhorita!
Respondeu-lhe o caixeiro com carinho.
– É muito caro, mas, enfim, mocinho,
corte-me doze metros desta fita!

Já se sabe: o caixeiro como um raio,
cortava a fita quase num desmaio
sem ter sequer da tesourinha dó.

– Pronto, formosa! O pagamento agora…
E a moça lhe responde sem demora:
– Adeus! Quem paga as compras é a vovó…

Fonte:
Textos enviados pelo autor

1 comentário

Arquivado em Mensagens Poéticas

Cesário Verde (Caravelas da Poesia)


EU E ELA

Cobertos de folhagem, na verdura,
O teu braço ao redor do meu pescoço,
O teu fato sem ter um só destroço,
O meu braço apertando-te a cintura;

Num mimoso jardim, ó pomba mansa,
Sobre um banco de mármore assentados.
Na sombra dos arbustos, que abraçados,
Beijarão meigamente a tua trança.

Nós havemos de estar ambos unidos,
Sem gozos sensuais, sem más ideias,
Esquecendo para sempre as nossas ceias,
E a loucura dos vinhos atrevidos.

Nós teremos então sobre os joelhos
Um livro que nos diga muitas cousas
Dos mistérios que estão para além das lousas,
Onde havemos de entrar antes de velhos.

Outras vezes buscando distracção,
Leremos bons romances galhofeiros,
Gozaremos assim dias inteiros,
Formando unicamente um coração.

Beatos ou pagãos, vida à paxá,
Nós leremos, aceita este meu voto,
O Flos-Sanctorum místico e devoto
E o laxo Cavalheiro de Flaublas…

ARROJOS

Se a minha amada um longo olhar me desse
Dos seus olhos que ferem como espadas,
Eu domaria o mar que se enfurece
E escalaria as nuvens rendilhadas.

Se ela deixasse, extático e suspenso
Tomar-lhe as mãos “mignonnes” e aquecê-las,
Eu com um sopro enorme, um sopro imenso
Apagaria o lume das estrelas.

Se aquela que amo mais que a luz do dia,
Me aniquilasse os males taciturnos,
O brilho dos meus olhos venceria
O clarão dos relâmpagos nocturnos.

Se ela quisesse amar, no azul do espaço,
Casando as suas penas com as minhas,
Eu desfaria o Sol como desfaço
As bolas de sabão das criancinhas.

Se a Laura dos meus loucos desvarios
Fosse menos soberba e menos fria,
Eu pararia o curso aos grandes rios
E a terra sob os pés abalaria.

Se aquela por quem já não tenho risos
Me concedesse apenas dois abraços,
Eu subiria aos róseos paraísos
E a Lua afogaria nos meus braços.

Se ela ouvisse os meus cantos moribundos
E os lamentos das cítaras estranhas,
Eu ergueria os vales mais profundos
E abateria as sólidas montanhas.

E se aquela visão da fantasia
Me estreitasse ao peito alvo como arminho,
Eu nunca, nunca mais me sentaria
Às mesas espelhentas do Martinho.

Cesário Verde
Lisboa, Diário de Notícias, 22 de Março de 1874

O SENTIMENTO DUM OCIDENTAL

I

Avé-Maria

Nas nossas ruas, ao anoitecer,
Há tal soturnidade, há tal melancolia,
Que as sombras, o bulício, o Tejo, a maresia
Despertam-me um desejo absurdo de sofrer.

O céu parece baixo e de neblina,
O gás extravasado enjoa-me, perturba;
E os edifícios, com as chaminés, e a turba
Toldam-se duma cor monótona e londrina.

Batem carros de aluguer, ao fundo,
Levando à via-férrea os que se vão. Felizes!
Ocorrem-me em revista, exposições, países:
Madrid, Paris, Berlim, S. Petersburgo, o mundo!

Semelham-se a gaiolas, com viveiros,
As edificações somente emadeiradas:
Como morcegos, ao cair das badaladas,
Saltam de viga em viga os mestres carpinteiros.

Voltam os calafates, aos magotes,
De jaquetão ao ombro, enfarruscados, secos;
Embrenho-me, a cismar, por boqueirões, por becos,
Ou erro pelos cais a que se atracam botes.

E evoco, então, as crónicas navais:
Mouros, baixéis, heróis, tudo ressuscitado!
Luta Camões no Sul, salvando um livro a nado!
Singram soberbas naus que eu não verei jamais!

E o fim da tarde inspira-me; e incomoda!
De um couraçado inglês vogam os escaleres;
E em terra num tinir de louças e talheres
Flamejam, ao jantar alguns hotéis da moda.

Num trem de praça arengam dois dentistas;
Um trôpego arlequim braceja numas andas;
Os querubins do lar flutuam nas varandas;
Às portas, em cabelo, enfadam-se os lojistas!

Vazam-se os arsenais e as oficinas;
Reluz, viscoso, o rio, apressam-se as obreiras;
E num cardume negro, hercúleas, galhofeiras,
Correndo com firmeza, assomam as varinas.

Vêm sacudindo as ancas opulentas!
Seus troncos varonis recordam-me pilastras;
E algumas, à cabeça, embalam nas canastras
Os filhos que depois naufragam nas tormentas.

Descalças! Nas descargas de carvão,
Desde manhã à noite, a bordo das fragatas;
E apinham-se num bairro aonde miam gatas,
E o peixe podre gera os focos de infecção!

II

Noite Fechada

Toca-se às grades, nas cadeias. Som
Que mortifica e deixa umas loucuras mansas!
O Aljube, em que hoje estão velhinhas e crianças,
Bem raramente encerra uma mulher de <>!

E eu desconfio, até, de um aneurisma
Tão mórbido me sinto, ao acender das luzes;
À vista das prisões, da velha Sé, das Cruzes,
Chora-me o coração que se enche e que se abisma.

A espaços, iluminam-se os andares,
E as tascas, os cafés, as tendas, os estancos
Alastram em lençol os seus reflexos brancos;
E a Lua lembra o circo e os jogos malabares.

Duas igrejas, num saudoso largo,
Lançam a nódoa negra e fúnebre do clero:
Nelas esfumo um ermo inquisidor severo,
Assim que pela História eu me aventuro e alargo.

Na parte que abateu no terremoto,
Muram-me as construções rectas, iguais, crescidas;
Afrontam-me, no resto, as íngremes subidas,
E os sinos dum tanger monástico e devoto.

Mas, num recinto público e vulgar,
Com bancos de namoro e exíguas pimenteiras,
Brônzeo, monumental, de proporções guerreiras,
Um épico doutrora ascende, num pilar!

E eu sonho o Cólera, imagino a Febre,
Nesta acumulação de corpos enfezados;
Sombrios e espectrais recolhem os soldados;
Inflama-se um palácio em face de um casebre.

Partem patrulhas de cavalaria
Dos arcos dos quartéis que foram já conventos:
Idade Média! A pé, outras, a passos lentos,
Derramam-se por toda a capital, que esfria.

Triste cidade! Eu temo que me avives
Uma paixão defunta! Aos lampiões distantes,
Enlutam-me, alvejando, as tuas elegantes,
Curvadas a sorrir às montras dos ourives.

E mais: as costureiras, as floristas
Descem dos magasins, causam-me sobressaltos;
Custa-lhes a elevar os seus pescoços altos
E muitas delas são comparsas ou coristas.

E eu, de luneta de uma lente só,
Eu acho sempre assunto a quadros revoltados:
Entro na brasserie; às mesas de emigrados,
Ao riso e à crua luz joga-se o dominó.

III

Ao gás

E saio. A noite pesa, esmaga. Nos
Passeios de lajedo arrastam-se as impuras.
Ó moles hospitais! Sai das embocaduras
Um sopro que arripia os ombros quase nus.

Cercam-me as lojas, tépidas. Eu penso
Ver círios laterais, ver filas de capelas,
Com santos e fiéis, andores, ramos, velas,
Em uma catedral de um comprimento imenso.

As burguesinhas do Catolicismo
Resvalam pelo chão minado pelos canos;
E lembram-me, ao chorar doente dos pianos,
As freiras que os jejuns matavam de histerismo.

Num cutileiro, de avental, ao torno,
Um forjador maneja um malho, rubramente;
E de uma padaria exala-se, inda quente,
Um cheiro salutar e honesto a pão no forno.

E eu que medito um livro que exacerbe,
Quisera que o real e a análise mo dessem;
Casas de confecções e modas resplandecem;
Pelas vitrines olha um ratoneiro imberbe.

Longas descidas! Não poder pintar
Com versos magistrais, salubres e sinceros,
A esguia difusão dos vossos reverberos,
E a vossa palidez romântica e lunar!

Que grande cobra, a lúbrica pessoa,
Que espartilhada escolhe uns xales com debuxo!
Sua excelência atrai, magnética, entre luxo,
Que ao longo dos balcões de mogno se amontoa.

E aquela velha, de bandós! Por vezes,
A sua trai^ne imita um leque antigo, aberto,
Nas barras verticais, a duas tintas. Perto,
Escarvam, à vitória, os seus mecklemburgueses.

Desdobram-se tecidos estrangeiros;
Plantas ornamentais secam nos mostradores;
Flocos de pós-de-arroz pairam sufocadores,
E em nuvens de cetins requebram-se os caixeiros.

Mas tudo cansa! Apagam-se nas frentes
Os candelabros, como estrelas, pouco a pouco;
Da solidão regouga um cauteleiro rouco;
Tornam-se mausoléus as armações fulgentes.

E, nas esquinas, calvo, eterno, sem repouso,
Pede-me esmola um homenzinho idoso,
Meu velho professor nas aulas de Latim!

IV

Horas mortas

O tecto fundo de oxigénio, de ar,
Estende-se ao comprido, ao meio das trapeiras;
Vêm lágrimas de luz dos astros com olheiras,
Enleva-me a quimera azul de transmigrar.

Por baixo, que portões! Que arruamentos!
Um parafuso cai nas lajes, às escuras:
Colocam-se taipais, rangem as fechaduras,
E os olhos dum caleche espantam-me, sangrentos.

E eu sigo, como as linhas de uma pauta
A dupla correnteza augusta das fachadas;
Pois sobem, no silêncio, infaustas e trinadas,
As notas pastoris de uma longínqua flauta.

Se eu não morresse, nunca! E eternamente
Buscasse e conseguisse a perfeição das cousas!
Esqueço-me a prever castíssimas esposas,
Que aninhem em mansões de vidro transparente!

Ó nossos filhoes! Que de sonhos ágeis,
Pousando, vos trarão a nitidez às vidas!
Eu quero as vossas mães e irmãs estremecidas,
Numas habitações translúcidas e frágeis.

Ah! Como a raça ruiva do porvir,
E as frotas dos avós, e os nómadas ardentes,
Nós vamos explorar todos os continentes
E pelas vastidões aquáticas seguir!

Mas se vivemos, os emparedados,
Sem árvores, no vale escuro das muralhas!…
Julgo avistar, na treva, as folhas das navalhas
E os gritos de socorro ouvir, estrangulados.

E nestes nebulosos corredores
Nauseiam-me, surgindo, os ventres das tabernas;
Na volta, com saudade, e aos bordos sobre as pernas,
Cantam, de braço dado, uns tristes bebedores.

Eu não receio, todavia, os roubos;
Afastam-se, a distância, os dúbios caminhantes;
E sujos, sem ladrar, ósseos, febris, errantes,
Amareladamente, os cães parecem lobos.

E os guardas, que revistam as escadas,
Caminham de lanterna e servem de chaveiros;
Por cima, as imorais, nos seus roupões ligeiros,
Tossem, fumando sobre a pedra das sacadas.

E, enorme, nesta massa irregular
De prédios sepulcrais, com dimensões de montes,
A Dor humana busca os amplos horizontes,
E tem marés, de fel, como um sinistro mar!

Manias!

O mundo é velha cena ensanguentada,
Coberta de remendos, picaresca;
A vida é chula farsa assobiada,
Ou selvagem tragédia romanesca.

Eu sei um bom rapaz, — hoje uma ossada, —
Que amava certa dama pedantesca,
Perversíssima, esquálida e chagada,
Mas cheia de jactância quixotesca.

Aos domingos a deia já rugosa,
Concedia-lhe o braço, com preguiça,
E o dengue, em atitude receosa,

Na sujeição canina mais submissa,
Levava na tremente mão nervosa,
O livro com que a amante ia ouvir missa!

LÚBRICA

Mandaste-me dizer,
No teu bilhete ardente,
Que hás-de por mim morrer,
Morrer muito contente.

Lançaste no papel
As mais lascivas frases;
A carta era um painel
De cenas de rapazes!

Ó cálida mulher,
Teus dedos delicados
Traçaram do prazer
Os quadros depravados!

Contudo, um teu olhar
É muito mais fogoso,
Que a febre epistolar
Do teu bilhete ansioso:

Do teu rostinho oval
Os olhos tão nefandos
Traduzem menos mal
Os vícios execrandos.

Teus olhos sensuais
Libidinosa Marta,
Teus olhos dizem mais
Que a tua própria carta.

As grandes comoções
Tu, neles, sempre espelhas;
São lúbricas paixões
As vívidas centelhas…

Teus olhos imorais,
Mulher, que me dissecas,
Teus olhos dizem mais,
Que muitas bibliotecas!

EU, QUE SOU FEIO…

Eu, que sou feio, sólido, leal,
A ti, que és bela, frágil, assustada,
Quero estimar-te, sempre, recatada
Numa existência honesta, de cristal.

Sentado à mesa dum café devasso.
Ao avistar-te, há pouco, fraca e loura.
Nesta Babel tão velha e corruptora,
Tive tenções de oferecer-te o braço.

E, quando socorreste um miserável,
Eu que bebia cálices de absinto,
Mandei ir a garrafa, porque sinto
Que me tornas prestante, bom, saudável.

«Ela aí vem!» disse eu para os demais;
E pus-me a olhar, vexado e suspirando,
O teu corpo que pulsa, alegre e brando,
Na frescura dos linhos matinais.

Via-te pela porta envidraçada;
E invejava, – talvez não o suspeites!-
Esse vestido simples, sem enfeites,
Nessa cintura tenra, imaculada.

Ia passando, a quatro, o patriarca.
Triste eu saí. Doía-me a cabeça.
Uma turba ruidosa, negra, espessa,
Voltava das exéquias dum monarca.

Adorável! Tu muito natural,
Seguias a pensar no teu bordado;
Avultava, num largo arborizado,
Uma estátua de rei num pedestal.

CONTRARIEDADES

Eu hoje estou cruel, frenético, exigente;
Nem posso tolerar os livros mais bizarros.
Incrível! Já fumei três maços de cigarros
Consecutivamente.

Dói-me a cabeça. Abafo uns desesperos mudos:
Tanta depravação nos usos, nos costumes!
Amo, insensatamente, os ácidos, os gumes
E os ângulos agudos.

Sentei-me à secretária. Ali defronte mora
Uma infeliz, sem peito, os dois pulmões doentes;
Sofre de faltas de ar, morreram-lhe os parentes
E engoma para fora.

Pobre esqueleto branco entre as nevadas roupas!
Tão lívida! O doutor deixou-a. Mortifica.
Lidando sempre! E deve conta à botica!
Mal ganha para sopas…

O obstáculo estimula, torna-nos perversos;
Agora sinto-me eu cheio de raivas frias,
Por causa dum jornal me rejeitar, há dias,
Um folhetim de versos.

Que mau humor! Rasguei uma epopeia morta
No fundo da gaveta. O que produz o estudo?
Mais uma redacção, das que elogiam tudo,
Me tem fechado a porta.

A crítica segundo o método de Taine
Ignoram-na. Juntei numa fogueira imensa
Muitíssimos papéis inéditos. A Imprensa
Vale um desdém solene.

Com raras excepções, merece-me o epigrama.
Deu meia-noite; e a paz pela calçada abaixo,
Um sol-e-dó. Chovisca. O populacho
Diverte-se na lama.

Eu nunca dediquei poemas às fortunas,
Mas sim, por deferência, a amigos ou a artistas.
Independente! Só por isso os jornalistas
Me negam as colunas.

Receiam que o assinante ingénuo os abandone,
Se forem publicar tais coisas, tais autores.
Arte? Não lhes convém, visto que os seus leitores
Deliram por Zaccone.

Um prosador qualquer desfruta fama honrosa,
Obtém dinheiro, arranja a sua “coterie”;
Ea mim, não há questão que mais me contrarie
Do que escrever em prosa.

A adulaçãao repugna aos sentimento finos;
Eu raramente falo aos nossos literatos,
E apuro-me em lançar originais e exactos,
Os meus alexandrinos…

E a tísica? Fechada, e com o ferro aceso!
Ignora que a asfixia a combustão das brasas,
Não foge do estendal que lhe humedece as casas,
E fina-se ao desprezo!

Mantém-se a chá e pão! Antes entrar na cova.
Esvai-se; e todavia, à tarde, fracamente,
Oiço-a cantarolar uma canção plangente
Duma opereta nova!

Perfeitamente. Vou findar sem azedume.
Quem sabe se depois, eu rico e noutros climas,
Conseguirei reler essas antigas rimas,
Impressas em volume?

Nas letras eu conheço um campo de manobras;
Emprega-se a “réclame”, a intriga, o anúncio, a “blague”,
E esta poesia pede um editor que pague
Todas as minhas obras…

E estou melhor; passou-me a cólera. E a vizinha?
A pobre engomadeira ir-se-á deitar sem ceia?
Vejo-lhe a luz no quarto. Inda trabalha. É feia…
Que mundo! Coitadinha!

Fonte:
Carlos Leite Ribeiro. Portal CEN

Deixe um comentário

Arquivado em O poeta no papel

Cesário Verde (1855 – 1886)

José Joaquim Cesário Verde (Lisboa, 25 de Fevereiro de 1855 — Lumiar, 19 de Julho de 1886) foi um poeta português, sendo considerado um dos precursores da poesia que seria feita em Portugal no século XX.

Filho do lavrador e comerciante José Anastácio Verde e de Maria da Piedade dos Santos Verde, Cesário matriculou-se no Curso Superior de Letras em 1873, mas apenas o frequentou alguns meses. Ali conheceu Silva Pinto, que ficou seu amigo para o resto da vida. Dividia-se entre a produção de poesias (publicadas em jornais) e as actividades de comerciante herdadas do pai.

Em 1877 começou a ter sintomas de tuberculose, doença que já lhe tirara o irmão e a irmã. Estas mortes inspiraram contudo um de seus principais poemas, Nós (1884).

Tenta curar-se da tuberculose, mas sem sucesso, vem a falecer no dia 19 de Julho de 1886. No ano seguinte Silva Pinto organiza O Livro de Cesário Verde, compilação da sua poesia publicada em 1901.

No seu estilo delicado, Cesário empregou técnicas impressionistas, com extrema sensibilidade ao retratar a Cidade e o Campo, que são os seus cenários predilectos. Evitou o lirismo tradicional, expressando-se de uma forma mais natural.

A DICOTOMIA CIDADE/CAMPO

A supremacia exercida pela cidade sobre o campo leva o poeta a tratar estes dois espaços em termos dicotómicos. O contacto com o campo na sua infância determina a visão que dele nos dá e a sua preferência. Ao contrário de outros poetas anteriores, o campo não tem um aspecto idílico, paradisíaco, bucólico, susceptível de devaneio poético, mas sim um espaço real, concreto, autêntico, que lhe confere liberdade. O campo é um espaço de vitalidade, alegria, beleza, vida saudável… Na cidade, o ambiente físico, cheio de contrastes, apresenta ruas macadamizadas/esburacadas, casas apalaçadas (habitadas pelos burgueses e pelos ociosos)/quintalórios velhos, edifícios cinzentos e sujos… O ambiente humano é caracterizado pelos calceteiros, cuja coluna nunca se endireita, pelos padeiros cobertos de farinha, pelas vendedeiras enfezadas, pelas engomadeiras tísicas, pelas burguesinhas… É neste sentido que podemos reconhecer a capacidade de Cesário Verde em trazer para a poesia o real quotidiano do homem citadino.

Ao ler-se o poema “De Tarde”, pertencente a “Em Petiz”, é visível o tom irónico em relação aos citadinos, mas onde o tom eufórico também sobressai, ao percorrer os lugares campestres ao lado da sua “companheira”. A preferência do poeta pelo campo está expressa nos poemas “De Verão” e “Nós” (o mais longo), onde desaparecem a aspereza e a doença ligadas à vida citadina e surge o elogio ao ambiente campesino. A arte de Cesário Verde é, pois, reveladora de uma preocupação social e intervém criticamente. O campo oferece ao poeta uma lição de vida multifacetada (por exemplo, os camponeses são retratados no seu trabalho diário) que ele transmite com objectividade e realismo. Trata-se, pois, de uma visão concreta do campo e não da abstracção da Natureza.

A força inspiradora de Cesário é a terra-mãe, sendo nela que Cesário encontra os seus temas. É por isto que, habitualmente, se associa o poeta ao mito de Anteu.

A mulher em Cesário Verde

Deambulando pelos dois espaços, depara com dois tipos de mulher, que estão articulados com os locais. A cidade maldita surge associada à mulher fatal, frívola, calculista, madura, destrutiva, dominadora, sem sentimentos. Em contraste com esta mulher predadora, surge um tipo feminino, por exemplo em “A Débil”, que é o oposto complementar das esplêndidas aristocráticas, presentes em poemas como “Deslumbramentos” e “Vaidosa”. Essa mulher é frágil, terna, ingénua e despretensiosa.

Outra perspectiva nos é mostrada da mulher (desfavorecida) no campo . A vendedora em “Num Bairro Moderno”, ou a engomadeira em “Contrariedades” mostram as características da mulher do povo no campo. Sempre feias, pobres e por vezes doentes, ou em esforço físico, as mulheres trabalhadoras são objecto da admiração de Cesário.

“Depois de referir o cenário geral da acção em “Num Bairro Moderno”, os olhos do sujeito poético retêm, como uma objectiva, um elemento novo – a vendedeira. A sua caracterização é de uma duplicidade contrastante: ela é pobre, anémica, feia, veste mal e tem de trabalhar para sobreviver, mas aparece envolvida numa força quase épica, de “peito erguido” e “pulsos nas ilhargas”, encarnando, pela sua castidade, a força genuína do povo trabalhador, que Cesário tão bem defende.”

A poética de Cesário e as escolas literárias

Podemos afirmar a sua aproximação a várias estéticas, embora seja visível a proximidade com Baudelaire, por retratar realidades cotidianas, o que o aproxima dos poetas portugueses do século XX e o fez incompreendido em seu tempo.

Embora Cesário Verde não pudesse ser enquadrado em nenhuma das escolas poéticas dos países de língua portuguesa da época podemos dizer que ele não poderia não estar relacionado às estéticas do seu tempo de alguma forma. Se se tiver em conta o interesse pela captação do real, por exemplo, ao considerarmos o tipo de cena a serem retratadas pelas quais o poeta optou, seus quadros e figuras citadinos, concretos, plásticos e coloridos, é fácil detectar aqui a afinidade ao Realismo. A ligação aos ideais do Naturalismo verifica-se na medida em que o meio surge determinante dos comportamentos. Se considerarmos o fato do poeta figurar plasticamente uma cena, poderia aproximá-lo, inclusive, do Parnasianismo. Porém, sua obra ainda tem um certo sentimentalismo que remete ao Romantismo e as imagens retratadas, muitas vezes de personagens doentes ou pobres, jamais poderiam ser retratadas por um parnasiano.

Aproxima-se dos impressionistas que captam a realidade mas que a retratam já filtrada pelas percepções, o que, definitivamente, o inscreve no quadro dos poetas fundadores da modernidade. Ecos de sua obra podem ser vistos nos poemas de Fernando Pessoa, parecendo Cesário Verde o predecessor do heterônimo Álvaro de Campos de Opiário e sendo citado várias vezes por Alberto Caeiro.

Importância da representação do cotidiano na poesia de Cesário Verde

A observação das situações do quotidiano é o ponto de partida preferencial para os poemas de Cesário Verde. É o mundo real, rotineiro, que é retratado e analisado, servindo de suporte às ideias e sentimentos do poeta.

Os sujeitos poéticos criados por Cesário Verde são atentos ao que se passa. Aquilo que para outro transeunte seria uma banalidade é, na perspectiva do poeta, parte de um quadro do real. Veja-se que antes de se focar numa situação particular, que prenda a atenção, o poeta dá-nos uma visão geral do ambiente: “Dez horas da manhã, os transparentes/Matizam uma casa apalaçada(…)E fere a vista, com brancuras quentes, a larga rua macadamizada” (em “Num bairro moderno”). Mas, apesar de existirem situações particulares, estas poderiam ser integradas no movimento quotidiano de uma rua de uma cidade onde “(…) rota, pequenina azafamada,/Notei de costas uma rapariga” (em “Num bairro moderno”), mas que para o sujeito poético tomam uma nova dimensão. Um processo análogo pode verificar-se em “Cristalizações”, onde as primeiras estrofes constituem uma visão panorâmica, para se focar mais à frente nos “calceteiros” ou na “actrizita”.

É essencialmente destacado o quotidiano urbano, onde o sujeito poético deambula, sendo o poema “O sentimento de um ocidental” aquele em que é mais clara a descrição do dia-a-dia como ponto de partida para a revolta contra a vivência desumana da cidade. Aliás, Cesário Verde está longe de se deixar na passividade da observação casual, e repara naquilo, que tendo-se tornado parte de cada dia, é um factor de animalização e doença. Outras vezes, partindo da realidade, transfigura-a, num impulso salutar, em que tudo parece tomar formas orgânicas e vivas em oposição ao emparedamento das ruas da cidade: “Se eu transformasse os simples vegetais, num ser humano que se mova e exista/Cheio de belas proporções carnais?!”.
Linguagem e estilo

Eis algumas das características estilísticas e linguísticas: vocabulário objectivo; imagens extremamente visuais de modo a dar uma dimensão realista do mundo (daí poeta-pintor-calceteiro-condutor de metro); pormenor descritivo; mistura o físico e o moral; combina sensações; usa sinestesias, metáforas, comparações, hipálage; emprega dois ou mais adjectivos a qualificar o mesmo substantivo; quadras, em versos decassilábicos ou versos alexandrinos.

Fonte:
Wikipedia

Deixe um comentário

Arquivado em Biografia, Portugal

Ademar Macedo (Mensagens Poéticas n. 274)

Uma Trova Nacional

Somente a força divina
promove graças tamanhas:
– o sol remove a neblina…
– a fé remove montanhas…
–ERCY MARIA MARQUES/SP–

Uma Trova Potiguar

Mar adentro, mundo afora,
a distância aumenta mais…
e enquanto a saudade chora,
“um lenço acena no cais”.
–MARA MELINNI/RN–

Uma Trova Premiada

2008 – Ribeirão Preto/SP
Tema : INCLUSÃO – 5º Lugar

Meu Deus, que eu não seja omissa
na luta pela inclusão,
pois quem clama por justiça
é Teu filho…e é meu irmão.
–THEREZINHA DIEGUEZ BRISOLLA/SP–

Uma Trova de Ademar

Após causar desencantos
e nos fazer peregrinos,
a seca faz chover prantos
nos olhos dos nordestinos…
–ADEMAR MACEDO/RN–

…E Suas Trovas Ficaram

A igreja, as flores e o eleito,
ela de branco e eu tristonho;
foi o cenário perfeito
para o enterro de meu sonho.
–ALONSO ROCHA/PA–

Simplesmente Poesia

–JOMACI DANTAS/PB–
Meu Filho

Vem meu filho, meu amigo
para se banhar na fonte,
depois viajar comigo
nas linhas do horizonte;
vem meu filho ouvir meu verso
que fiz no lindo universo
com inspiração, porque…
Em cada estrofe que faço
sinto por dentro um pedaço
da grandeza de você!…

Vem meu filho, eu quero dar-te
e dizer com fé imensa,
Deus está em toda parte
eu sinto a sua presença,
o sol que revela o brilho
é com certeza, meu filho
o santo olho de Deus;
que em sua plenitude
vem clarear de virtude
os ensinamentos seus.

Estrofe do Dia

Não é para cantador
que se diz bom repentista,
fica para cordelista
que também tem seu valor;
o bom improvisador
não bota papel na mão,
pois da sua inspiração
nasce um verso sem defeito
o verso quando é bem feito
passa pelo coração.
–GERALDO AMÂNCIO/CE–

Soneto do Dia

–DIVENEI BOSELI/SP–
Caminho Amargo

Há tons de dor no por do sol tristonho
(se é que a dor tem, por acaso, cor);
é hora de eu voltar pelo enfadonho
caminho sempre amargo, aonde eu for…

Todos os dias trilho-o com a dor,
e, ao regressar, à dor já não me oponho,
pois trago o pão de cada dia e o amor
por quem, no amanhecer, levo em meu sonho…

Réstias de sol me banham quando venho
ao romper da alva o pão buscar, garrida,
por bem dos “anjos” que em casa deixei.

Ao regressar, o olhar sempre detenho
no ocaso (que reflete a minha vida)
e… ái, que saudade atroz de quando amei…

Fontes:
Textos enviados pelo autor

Deixe um comentário

Arquivado em Mensagens Poéticas