Esopo (Fábula 20: As Lebres e as Rãs)


Eram uma vez umas lebres que acharam que não estavam satisfeitas com as condições em que viviam e convocaram uma reunião para resolverem o problema. “Nós vivemos”, disse uma, “á mercê dos homens, dos cães, das águias e de toda a espécie de animais que nos dão caça. Estamos sempre com medo, constantemente em perigo, e acho que é melhor morrer, de uma vez para sempre, do que viver continuamente com medo, o qual é pior do que a própria morte.”

As outras lebres concordaram com a que falara, e decidiu-se que se afogariam todas. Correram ao rio mais próximo para realizarem o terrível acto. Quando alcançaram o rio, surpreenderam uma multidão de rãs, assustadas com a chegada das lebres, e que se tinham atirado à água por uma questão de segurança.

“Esperem!”, disse a mais esperta das lebres. “Temos de ser mais pacientes. A nossa vida não é tão má como nós imaginávamos; estas rãs têm tanto medo de nós como nós dos outros!”

Moral da história

 Dificilmente existe um estado de vida capaz de satisfazer a todos; de facto, poucas pessoas estão em tão más circunstâncias que não consigam encontrar ninguém ainda mais miserável do que elas.

Fonte:
Fábulas de Esopo. Coleção Recontar. Ed. Escala, 2004.
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Fabulas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s