Antonio Manoel Abreu Sardenberg (Poesias e Trovas) 2


Vil Metal
Antonio Manoel Abreu Sardenberg
São Fidélis “Cidade Poema”

Nessa vida só descobre
Quem usa a sabedoria
Para entender que o nobre
Nem sempre se avalia
Usando o ouro e o cobre
Para dizer quem é rico
Ou indicar quem é pobre!

A pobreza e a riqueza
não se vêem pelo metal!
Esse juízo é fatal,
é vil, cruel e perverso;
é como julgar poema
simplesmente por um verso!

A riqueza está na alma,
no cerne, no interior,
no âmago de cada um…
por isso digo sem medo
e sem receio nenhum:
(observa e descobre)
tem muito “pobre” que é rico,
tem muito “rico” que é pobre!

O que mais dói 
Patativa do Assaré 
1909 – 2001 

O que mais dói não é sofrer saudade 
Do amor querido que se encontra ausente
Nem a lembrança que o coração sente 
Dos belos sonhos da primeira idade. 
Não é também a dura crueldade 
Do falso amigo, quando engana a gente, 
Nem os martírios de uma dor latente, 
Quando a moléstia o nosso corpo invade. 
O que mais dói e o peito nos oprime, 
E nos revolta mais que o próprio crime, 
Não é perder da posição um grau. 
É ver os votos de um país inteiro, 
Desde o praciano ao camponês roceiro, 
Pra eleger um presidente mau. 

TROVAS

Extraídas do ” O TROVADOR”
Órgão Cultural da Academia de Trovas do Rio Grande do Norte
Ano XII – nº 52 – página 7 –

“Trove lá que eu Trovo cá”
O Boletim que extraímos essas trovas foram enviadas pelo saudoso amigo e grande trovador Francisco Macedo. Uma forma de lembrar o relevante serviço prestado pelo grande poeta a cultura brasileira.

Sabedoria não cabe, 
nas vaidades mortais, 
o sábio mesmo é quem sabe 
que precisa saber mais. 
Geraldo Amâncio/CE 

Estudante noite e dia, 
como quem cumpre uma lei, 
consegui sabedoria 
pra saber que nada sei 
José Lucas de Barros/RN 

Se conselho resolvesse, 
resultasse em melhoria, 
por mais que se pretendesse 
não se dava…se vendia! 
Flávio Stefani/RS 

Conselhos bons, de verdade, 
por mais que já estejam velhos… 
Recolho com humildade, 
nas folhas dos evangelhos!… 
Francisco N. Macedo/RN 

Com o dom do entendimento, 
o bem do mal eu separo, 
evito causar tormento 
e do irmão me torno amparo. 
Leda Colleti/SP 

Quando na terra cessar 
fome, guerra e sofrimento, 
ninguém mais vai duvidar 
do valor do entendimento. 
Hélio Pedro Souza/RN 

O entendimento se faz 
como amor no coração, 
sem guerras, com muita paz 
e abrançando nosso irmão. 
Clério José Borges/ES 

A inspiração é o momento, 
que num poema imortal, 
faz do verso entendimento 
da linguagem universal. 
Hélio A.S. Souza /RN 

Enquanto a ciência avança, 
fato novo se descobre… 
E o fruto do que se alcança, 
Torna a ciência mais nobre! 
Prof. Garcia/RN 

Só peço a Deus fortaleza 
para levar minha cruz; 
– mais vigor (vindo a fraqueza); 
nas trevas ver sua luz! 
Geraldo Lira/RN 

Mesmo na dor, pus de pé, 
com espernças sem fim, 
a fortaleza de fé 
que existe dentro de mim! 
Ademar Macedo/RN 

De posse do entendimento 
das palavras de Jesus, 
as trevas do pensamento 
viram caminho da Luz. 
Jair Figueiredo/RN 

Me ajuda, Ó Deus! Me conforta… 
Piedade, Senhor, piedade! 
Me afasta, da esposa morta, 
o suplício da saudade! 
Humberto R. Neto 

Piedade é chama divina, 
que acende a cada aflição, 
é fonte que me ilumina 
quando concedo perdão. 
Marcos Medeiros/RN 

O dom da Sabedoria 
do Espírito Santo é graça 
de ver, com santa alegria, 
o Bem até na desgraça. 
Lairton Trovão de Andrade/PR

Jorrando sabedoria 
iluminando o univero, 
a trova com maestria 
é um hino de amor ao verso! 
Joamir Medeiros/RN

Fonte:
A.M.A. Sardenberg
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Poemas, Trovas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s