Sexteto em Sextilhas (Parte 9)

241 – Assis
Que bom quando a gente amarra
num feriado um domingo…
Domingo que pede cama,
ou pede da pinga um pingo;
domingo que quase rima
com  pé de cachimbo… bingo!

242 – Ademar
Eu sempre passo o domingo
sentindo e dando alegrias,
visitando meus amigos
que não vejo há vários dias;
e caçando inspiração
pra fazer minhas poesias…

243 – Delcy
Contemplo o  passar dos dias
com  alegria  e  saudades,
abrindo meus dois e-mails
para  ler as  novidades,
e  agradecer a  ventura
de crescer em amizades!

244 – Prof. Garcia
Não creio nas vaidades
dos sobejos sociais;
prefiro a contemplação
dos mistérios divinais
de um Cristo crucificado
ao mundo pedindo paz!

245 – Gislaine
O ser humano é capaz;
me encanta o mundo virtual,
que aumentou meu rol de amigos
de maneira atemporal!
Eu considero a Internet

invenção  fenomenal.    

246 – Zé Lucas
Com a internet, afinal,
o mundo está diferente,
as distâncias encolheram,
permitindo até que a gente
faça um debate de longe
tal se fosse frente a frente.

247 – Assis
Distância, modernamente,
é simples virtualidade.
Podemos, via internet,
bater um papo à vontade,
como se a gente estivesse
os seis na mesma cidade.

248 – Ademar
A Internet na verdade,
é uma grande maravilha,
mas perde para o poeta
pois não segue a nossa trilha;
ela pode fazer tudo
mas não faz uma sextilha!

249 – Delcy
Nem sextilha,  nem  septilha,
a  Internet,  nós  sabemos,
apesar  de  fazer  tudo
não faz o que nós fazemos,
e,  por  isso, nós  poetas,
ao  Senhor,  agradecemos!
 
250 – Prof. Garcia
Nós internautas, sabemos,
que a NET encurta os caminhos;
mas não gorjeia do jeito
do canto dos passarinhos
ao despertar da alvorada
no aconchego dos seus ninhos!
 
251 – Gislaine
Podemos trocar carinhos
por e-mails todo dia,
e podemos divulgar                                               
mensagens, versos, poesia,
repartindo com o mundo
a nossa eterna alegria!

252 – Zé Lucas
Quando eu não fizer poesia
para a mulher preferida
nem sair pra ver a Lua
brilhando em minha avenida,
estarei fora do mundo,
ou mesmo fora da vida.

253 – Assis
Jamais será interrompida
a nossa vida, jamais,
pois que a teremos eterna,
já que somos imortais,
e em nosso canto a faremos
sempre linda, mais e mais.

254 – Ademar
Nos nossos jogos florais
eu encontro um certo enlevo,
embora fique indeciso
se participar eu devo;
e só encontro as respostas
nas trovas que eu mesmo escrevo.

255 – Delcy
Será que devo ou não devo,
dos  Florais,  participar?
Há trovadores  famosos
que, por certo, irão ganhar!…
Mas, nesta minha humildade,
eu  quero, apenas,  trovar!

256 – Prof. Garcia
Eu passo a vida a cantar,
pois, cantar, faz muito bem;
o poeta quando canta
espanta os males que tem,
afasta as mágoas do peito
e os pesadelos não vem!

 257 – Gislaine
Gosto de cantar também,
cantando espalho os meus sonhos,
plantando suas sementes
tento tornar mais risonhos
os dias tristes do mundo,
que pesam porque , tristonhos! 

258 – Zé Lucas
Os momentos mais risonhos
eu desfruto quando canto
pra transmitir alegria
a quem sofre o desencanto
de não conseguir, sozinho,
afastar a dor do pranto.  

259 – Assis
A vida é dura, no entanto
vale a pena ser vivida.
E vale bem mais ainda
quando a gente faz da lida
um modo de, amando o irmão, 
dar-lhe a mão para a subida.
 
260 – Ademar
Pra ir ao fim da subida
estou de marcha engatada,
sou poeta conhecido
por ter a mão calejada;
sou retirante da seca,
um peregrino na estrada.

261 – Delcy
Chego a ficar agoniada,
quando sigo o meu caminho,
e encontro, logo a  seguir,
um irmão triste e sozinho,
que anda à procura de alguém,
que o entenda e dê  carinho!
 
262 – Prof. Garcia
Eu sou feliz passarinho
na copa das verdes matas,
sou menestrel das estrelas
em noites de serenatas,
sou colcheias latejantes
dos gemidos das cascatas!

263 – Gislaine
Relembro antigas fragatas
percorrendo o mar sem fim,
aos ventos, se aventurando,
enfrentando algum motim,
que muitas vezes parece
o que sinto dentro em mim!

264 – Zé Lucas
Dentro do mundo sem fim,
saí a buscar espaços,
onde a sorte me sorrisse,
afastando os embaraços;
encontrei muitos caminhos
e Deus aprumou meus passos.

265 – Assis
Enlaçado nos meus laços
de amizade e de afeição,
vou seguindo vida afora
numa alegre comunhão
em que a cada amigo trato
qual se fosse um meu irmão.

266 – Ademar
Quero você como irmão,
ao lado dos irmãos meus,
eu fazendo aqui meus versos
e você fazendo os seus;
trilhemos pois, o caminho
determinado por Deus!

267 – Delcy
Não sejamos  fariseus,
procuremos  ajudar
àquele que mais precisa
e junto, a nós, quer estar,
pois  somos  todos irmãos,
que precisam se amparar!

268 – Prof. Garcia
No rojão de versejar
todos nós somos estetas,
traçamos os nossos planos,
cumprimos as nossas metas,
deixando em cada sextilha
o murmúrio dos poetas!

269 – Gislaine
São as estradas completas
com versos cheirando a flor,
e a nossa terna amizade
é bem maior do que o amor,
pois unindo os corações
tem um novo brilho e cor!

270 – Zé Lucas
Há fortes doses de amor
nesta nossa poesia,
fruto de uma interação
de amizade e simpatia,
por isso Deus abençoa
os versos que a gente cria.

continua… final

Deixe um comentário

Arquivado em sextilhas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s