Arquivo da categoria: Associação dos Literatos de Ubiratã

Joacir Zen Ranieri (Sete Quedas)

Nesta hora de sol ardente,
Águas correntes
Arco-íris sob águas
Serenos
Brisas geladas,
Emoções!

Eu ouço o canto das águas,
Das Sete Quedas
(As quedas mais lindas do mundo!)
– As Sete Quedas de Guaíra.

Eu ouço o tropel das águas,
Batendo nas pedras nuas,
Serenando uma brisa fria,
Molhando a relva verde
E iluminando esta manhã,
De bolhas e pingos verdes.

Eu ouço a grave melodia
Do correr forte das águas
Ao rolar nas cachoeiras,
Varrendo folhas, galhos, flores…

Nesta hora de lazer,
Quando desabrocha a manhã,
Vejo a corrente de águas,
Que lambe o barro das barrancas,
Varrendo folhas, galhos e flores…

Nesta hora de sol ardente,
Ouço as quedas de Guaíra,
Dando seu último adeus!

O Autor
Joacir é presidente da Associação dos Literatos de Ubiratã

Fonte:
XIII Coletânea de Poesias – Poesia Nossa de Cada Dia. Ubiratã: Associação dos Literatos de Ubiratã (ALIUBI), 2007.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Associação dos Literatos de Ubiratã, Literatura Brasileira, O poeta no papel

José Feldman (Tempo de Magia)

(Dedicado a Luciano Pavarotti)
***********************************
Não há ninguém na velha rua suja!

Havia magia no ar
Entre as árvores quentes e sussurantes

Em um rio de sons
Através do espelho
A magia da música
Ilumina o caminho
Projetando nossas imagens
No espaço e no tempo,
A música tocando nossa alma…
A música do espírito.

Beber sonhos
Nos córregos,
Andar sobre o arco-íris
Como os duendes!

Está na hora
De abrir asas e voar
Viajar para algum lugar
Distante, bem longe
Levado pelo vento
Numa estrela cadente
Como uma borboleta
Solta no alto –
Espírito errante!

Deixe um comentário

Arquivado em Associação dos Literatos de Ubiratã, Literatura Brasileira, Poesia