Arquivo da categoria: Balaio de Trovas

Balaio de Trovas VIII

O Amor para ser gostoso,
jamais deve ser pamonha.
Tem de ser escandaloso,
cego, surdo e sem-vergonha!
A.A. de Assis

E já velho fui arrumar
Sarna para me coçar
Inventei de fazer trova
coisa para gente nova.
Adalberto Thiago

Saudade é tarde chorando
um tempo em que foi aurora,
ao ver a noite levando
o brilho do sol embora.
Adélia Victória Ferreira

Para matar as saudades
fui ver-te em ânsias, correndo.
E eu que fui matar saudades
Vim de saudades morrendo.
Adelmar Tavares

Noites feitas de saudade,
de lembranças, de meiguice…
Tão curtas na mocidade,
e tão longas na velhice!
Alfredo de Castro

Morre o amor… o espólio é feito…
tudo partido em metade;
minha, inteira, por direito,
só ficou mesmo a saudade.
Almerinda Liporage

Maria, só por maldade,
deixou-me a casa vazia…
Dentro da casa: saudade!
E na saudade: Maria!
Anis Murad

Deixa bater, ó menina,
teu coração sonhador!
No sepulcro não termina
o novelário do amor.
Antonio Nobre

O Homem sempre há de penar
nas mãos da mulher que amou:
antes por querer casar,
e, depois porque casou.
Antônio Zoppi

Debaixo da nossa cama
que tu deixaste vazia,
o meu chinelo reclama
o teu chinelo, Maria
Anis Murad

Se aquilo que a gente sente
cá dentro tivesse voz,
muita gente toda, gente
teria pena de nós!
Augusto Gil

Saudade, palavra doce,
que traduz tanto amargor!
Saudade é como se fosse
espinho cheirando a flor!
Bastos Tigre

O tempo ao Amor não mata.
É disto a prova fiel
as nossas Bodas de Prata
em plena Lua de Mel.
Carlos Guimarães

Enxuta! Que Maravilha!
Enxuta como ela só,
quando amamentava a filha
só saía leite em pó.
Colbert R. Coelho

Eu quisera ouvir estrelas,
ter ouvidos p’ra escutá-las,
ser poeta p’ra entendê-las
e trovador para amá-las!
Delcy Canalles

Quando a mulher do vizinho
cruza contigo na rua,
diz o diabo baixinho:
“esta é melhor do que a tua!”
Durval Mendonça

A saudade se embaraça
e a paixão se intensifica…
– Não pelo instante que passa,
mas pelo instante que fica!
Eduardo A. O. Toledo

Orgulho bobo… vaidade…
caprichos do amor sobejo…
Eu, morrendo de saudade,
fingir que nem te desejo!
Elisabeth Souza Cruz

Neste momento, calado,
de gestos e olhar bisonhos,
penso em você ao meu lado
nos amanhãs dos meus sonhos…
Ester Figueiredo

Saudade, velha canção,
saudade, sombra de alguém
que os tempos só levarão
se me levarem também!
Fernandes Soares

Como é risonha a vida
Quando se tem um amor,
Sem ele não há guarida
Tudo é desalentador.
Fernandina Marques

Todo genro masoquista,
que a trajetória malogra,
acha que a maior conquista
é ter um clone da sogra!…
Flávio Roberto Stefani

Ao ver uma rosa abrir
em perfeita sutileza,
é o mesmo como sentir
carinhos da natureza.
Gilda Moura

Teu amor foi falsidade,
li na carta que me envias.
Mas, meu bem. quanta saudade
do tempo em que tu mentias!
Hugo de Alvarenga Peixoto

Na vida há céus constelados
e cardos pelos caminhos.
E há poetas deslumbrados
pondo estrelas nos espinhos.
Iracy Nascimento

Parece troça, parece,
mas é verdade patente,
que a gente nunca se esquece
de quem esquece da gente
Jader Andrade

Quanto mais teu corpo enlaço
mais padeço o meu tormento
por saber que o meu abraço
não prende teu pensamento.
Jesy Barbosa

Saudade estranha ilusão
que a solidão recompensa;
presença no coração
maior que a própria presença!
J. G. de Araújo Jorge

Fazer trova é gravidez
De idéia e pensamento
De loucura e sensatez
Com amor e sentimento
João Alencar Sobrinho

Com a saudade eu reparto
minhas noites de abandono;
mal apago a luz do quarto,
ela vem tirar meu sono…
Joaquim Carlos

Lembra a saudade uma estrela
nas águas de um ribeirão
que fica sempre a retê-la,
enquanto as águas se vão…
Luiz Antônio Pimentel

Entre a tua e a minha idade,
filho meu, quanta distância…
És a infância da saudade!
Sou a saudade da infância!
José Maria Machado de Araújo

Quer ser feliz? Então siga
a minha vida bizarra
que tem muito de formiga
e ainda mais de cigarra.
Luiz Otávio

Toda Mulher que é gorducha,
tem um recurso só seu,
ao vestir-se grita: “puxa
como esse troço encolheu!!”
Magdalena Léa

Tímida, meio sem jeito,
uma saudade enxerida
entrou aqui no meu peito…
e hoje manda em minha vida!
Maria Madalena Ferreira

A mulher, ou por vaidade,
ou por ser demais esperta,
depois de uma certa idade,
não tem mais idade certa.
Nero Sena

No dia em que tu quiseres
ser meu senhor e meu rei,
serei todas as mulheres
na mulher que te darei.
Nidia Yaggi

Quem se conserva de pé
frente a calúnia tacanha,
tem humildade, tem fé,
e transpõe qualquer montanha.
Nilton Manoel

No tempo da mocidade,
eu por saudade bebia;
hoje bebo com saudade
da saudade que sentia!
Orilo Dantas

Ah, coração, tem piedade…
Batendo tão forte assim,
vais acordar a saudade
que dorme dentro de mim!
Orlando Brito

Vermelho igual ao tomate,
meu coração é um bife:
quanto mais alguém lhe bate,
mais amolece o patife.
Orlando Woczikosky

Saudade, saudade minha,
quanta saudade restou;
saudade, saudade eu tinha,
saudade, saudade eu sou.
Otavio Venturelli

O eletricista Zé Roque,
que só na Light produz
levou um tremendo choque
quando a mulher deu à luz.
Rangel Coelho

A saudade que me resta
vai comigo, quando eu vou
à procura de uma festa
que há muito tempo acabou.
Sebas Sundfeld

Posso jurar de mãos postas,
Pesando o que já passei,
Que as mais difíceis resposta
Foi em silêncio que eu dei.
Waldir Neves

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas

Ademar Macedo (Lançamento de O Trovadoresco n. 73 – Julho 2011)

Aquela duna imponente,
que na paisagem se alteia,
tem na origem, certamente,
minúsculos grãos de areia.
–Vanda Fagundes Queiroz/PR–

Quando a paixão é marcada
por possessão, se resume
numa rosa incinerada
na fornalha do ciúme…
–Renata Paccola/SP–

Se for teste, meu Senhor,
o viver nesta fornalha,
tu verás que a fé e o amor
de um nordestino não falha!
–J.B. Xavier/SP–

Na fornalha, em que me abraso,
– você finge que não vê –
seu desprezo não faz caso
do meu amor… por você!
–Therezinha Brisolla/SP–

A vida é um “fogo de palha”
e o tempo se mostra algoz,
mais parece uma fornalha
onde a palha… “somos nós”!…
–Roberto Tchepelentyky/SP–

Por minha culpa partiste;
e o sal do pranto, sem dó,
agora, torna mais triste
o triste viver de um só…
–José Tavares de Lima/MG–

E muito mais.

Baixe a Revista na íntegra para seu computador AQUI.

Fonte:
Ademar Macedo

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Revista Virtual de Trovas O Trovadoresco

Ademar Macedo (Mensagens Poéticas n. 1)

Trova do Dia:

É tão fiel o seu cão,
que ás vezes até “apela”:
faz festa pro Ricardão
e morde o marido dela!
JOSÉ OUVERNEY/SP

Trova Potiguar:

Se eu ganhar, minha querida
na mega, muito dinheiro
Vou lhe tirar dessa vida…
(Contratando um pistoleiro.)
HELIODORO MORAIS/RN

Uma Trova Premiada:
2010 > Bragança Paulista/SP
Tema > RIMA > Venc.

Que infortúnio o da Raimunda!…
Numa enchente de verão,
derrapou na rua imunda
… e deu com a “rima” no chão!
RENATO ALVES/RJ

Uma Trova de Ademar:

Por falta de patrimônio,
sem ter no bolso uma prata,
anuncia o matrimônio
por uma “rádio pirata”.
ADEMAR MACEDO/RN

…E Suas Trovas Ficaram:

Chamam de “mulher da vida”,
mulher que mal se comporte.
E a honesta, a gente apelida
de quê? De “mulher da morte”?…
ORLANDO BRITO/MA

Estrofe do Dia:

Atendendo a ligação,
a mulher ouve dizer:
Acabou de acontecer,
Bateram no seu carrão.
Seu amor, na contramão,
chocou-se contra um Peugeot,
no acidente ele ficou,
sem um arranhão em baixo…
– e a parte de cima, macho? _
Essa ainda não chegou.
FRANCISCO MACEDO/RN

Soneto do Dia:

HAROLDO LYRA/CE
DUAS TAÇAS.

O álcool sempre vem abrilhantar
Os banquetes em salas requintadas,
Servido nas baixelas prateadas
Que aos olhos serve mais que ao paladar.

O álcool é um prazer bem popular,
Nos bares, nas barracas empalhadas,
Servido n’umas taças mal lavadas,
Agrada à boca, à venta, a quem tomar.

Um drink, salgadinhos de salmão;
Uma cereja adorna a taça à mão
E o fino aristocrata se enaltece.

Um trago, um tira-gosto de buchada;
A banda de um limão, já machucada,
E o jeca deita e rola e a pinga desce.

Fonte:
Ademar Macedo

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, poema., Soneto.

Balaios de Trovas VII

Se acaso seu filho abusa,
diga-lhe um “não”, que faz bem.
Muita vez uma recusa
salva o futuro de alguém.
A. A. DE ASSIS – PR

De uma forma desmedida,
muita gente, a toda hora,
dizendo gozar a vida,
vai jogando a vida afora!…
ALFREDO DE CASTRO – MG

Quanta gente em devaneios,
buscando instantes risonhos,
vive dos sonhos alheios
e esquece dos próprios sonhos!…
ANTÔNIO JURACI SIQUEIRA-PA

Se entre guizos, eu componho
meu disfarce de Arlequim,
há sempre um Pierrô tristonho,
que chora dentro de mim!
CAROLINA RAMOS – SP

Eu peço que não me iludas,
nem me deixes com infarto
com essas pernas desnudas
na penumbra do teu quarto.
CLÊNIO BORGES – ES

E desde o raiar do dia,
entre rocha, musgo e lua,
vou te fazendo poesia,
morta de saudade sua.
DÁGMA VERÔNICA -MG

Onde a lei torta vigora
e o povo ao jugo se presta,
o rico só comemora
e o pobre é quem paga a festa.
DIVENEI BOSELI – SP

A dor materializou-se,
nestas lágrimas sem cor.
Meu orgulho evaporou-se…
Rendi-me à força do amor!
FRANCISCO NEVES MACEDO-RN

Existe amor sem sequelas,
na união de um casal,
nos romances e novelas,
nunca na vida real.
GERALDO AMÂNCIO PEREIRA – CE

E’ de ternura o momento
em que o Sol sorri no espaço,
se faz vida e sentimento
e lança ao mar seu abraço!
GISLAINE CANALES – SC

Quando chegar, vou sorrir;
sorrirás, quando eu chegar.
Não chores quando eu partir,
para eu partir… sem chorar…
IZO GOLDMAN – SP

Sonhei um sonho tão triste!…
Sonhei que o mundo acabou…
– Logo depois, tu partiste,
e o sonho se confirmou…
JOSÉ OUVERNEY – SP

Para ser feliz, na vida,
bem alegre, a todo instante,
sem causar qualquer ferida,
o equilíbrio é importante.
NEI GARCEZ-PR

Sem rodeio e sem firula
deixo a todos essa dica:
Impostor sempre bajula,
amigo às vezes critica!
PEDRO ORNELLAS – SP

Você pode até amar
aos limites do impossível,
mas ao se relacionar,
equilíbrio, imprescindível.
RAYMUNDO SALLES BRASIL-BA

Quando à noite, a solidão
e a saudade trazem dor,
vou dizendo ao coração:
-é o preço por tanto amor.
ROBERTO PINHEIRO ACRUCHE – RJ

Na vida, em toscos degraus,
entre tropeços a sustos,
mais que a revolta dos maus,
temo a revolta dos justos!
RODOLPHO ABBUD – RJ

Um coração congelado
pega fogo, de repente,
quando o amor, fósforo alado,
risca faíscas na gente!
ROSA DE OLIVEIRA – PR

Fonte:
ACRUCHE, Roberto Pinheiro. Trovas e Poemas. n.19. setembro de 2010.

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas

Aloisio Alves da Costa (20 Novembro 1935 – 24 Fevereiro 2010)

Aloísio Alves da Costa, o “Velho Marujo” como gostava de ser chamado faleceu na data de hoje, 24 de fevereiro de 2010.

Aloísio nasceu a 20 novembro de 1935 em Umari/CE, filho de Vicente Alves da Costa e Vicência Alves Aranha. Ex militar da Marinha brasileira. Residiu bom tempo em Nova Friburgo, onde iniciou suas atividades poéticas obteve o honroso título de “Magnífico Trovador”. Publicou “Cantigas um sonhador” e “Cantigas de três”.
_____________

Trovas que Deixam Saudades

Quem não aprende em menino,
tem que aprender na velhice,
que ter pai pobre é destino,
mas sogro pobre é burrice!…

Minha irmã conta as topadas,
que já deu pelos caminhos,
pelas pedras arrancadas…
– E eu conto, pelos sobrinhos!…

Sambando quase pelada,
no ‘No bloco do vai sem medo”,
Paulete foi mais cantada
que o refrão do samba enredo..

Quando a noiva viu a cama
que a esperava pra dormir,
mandou sustar o proclama
e desistiu do faquir!…

Na farmácia, ao ver o busto
da balconista, hesitante,
em vez de xarope, o Augusto
pediu mesmo foi calmante!…

O que faz eu ter ciúme
da Rosinha – diz o Freire:
– É que a Rosa tem perfume
mas não é flor que se cheire…

Sendo orador de alta escala,
é tão profundo e erudito,
que a gente, quando ele fala,
só entende o… “tenho dito”.

Partiste, chorando tanto,
no teu rumo oposto ao meu,
que, solidário ao teu pranto,
o céu fechou-se… e choveu…

Na tua ausência, a meu lado,
em cima de nossa mesa,
o candelabro apagado
mantém a saudade acesa!…

Teimei no amor… e errei tanto
na teimosia de amar,
que eu mesmo não sei mais quanto
errei tentando acertar!…

Partiste, cigana errante,
e de uma noite em teu leito,
restou-me um sonho distante
e esta saudade em meu peito’…

Meu sonho em mágoa desfeito,
tão grande fez meu desgosto,
que não cabendo em meu peito
se fez pranto em meu rosto!…

Feito de essência divina
e fluídos de eternidade,
um grande amor não termina,
mas se transforma em saudade!

Dando na alma embevecida,
laços de amor e amizade,
fui, na jangada da vida
um pescador de saudade!…

Sempre que a vida me nega
segurança nos meus passos,
minha esperança me pega
e me carrega nos braços!

Na luta contra a cobiça,
mantendo na alma a esperança,
meu desejo de justiça
é maior que o de vingança!

Quando a vida se complica
nas horas de solidão,
amigo é aquele que fica
depois que os outros se vão.

Não busques falso tesouro
se bens duráveis garimpas…
Nem sempre as mãos que têm ouro
e pedras raras, são limpas…

Castigado desde cedo,
tanto apanhei do destino,
que nunca tendo um brinquedo,
nem lembro que fui menino.

Dói a saudade em meu peito
e eu canto, não silencio…
Quando mais pedras no leito,
mais alto o canto do rio!…

Nem ouro, nem pedra rara,
nada que vem do garimpo,
vale um fio de água clara
no leito de um rio limpo…

Quando a voz de um pai ressoa
e a de um filho abaixa o tom,
conselho é semente boa,
plantada em terreno bom!

Sou de onde o vento trabalha,
lá onde a brisa fagueira
embala de leve a palha,
beijando a carnaubeira! …

Era uma vez uma dona
que andava a pé, sem ninguém;
e tanto pediu carona,
que ganhou carro também! …

Teu olhar… a voz macia…
tuas promessas de amor…
– são notas de fantasia
na pauta da minha dor.

Dos jogos o mais nocivo,
até hoje, em meu caminho,
tem sido o rebolativo da mulher
do meu vizinho!

Dos ideais o maior
é viver, lutar, e, após,
deixar um mundo melhor
aos que vêm depois de nós.

Enquanto o Zé Liberato
sai em busca da gatinha,
pela janela entra um gato
que janta a sua sardinha!

Creio em Deus, unicamente
não ando rezando à-toa…
– tenho uma alma que sente
e um coração que perdoa!

Somente um bem acontece
quando a gente cai doente:
doente é que se conhece
quem é amigo da gente.

Vejo em ti, coroa rica,
dois males que não têm cura:
– capa de pura pelica,
– cara de pelanca pura!

De olhos baços, pelas ruas,
vi, distante de Belém,
que sem a chuva das duas,
saudade molha também!

Já diz o velho ditado,
que lenha verde e viúva,
com paciência e cuidado
pegam fogo até na chuva!…

Quando a lei se faz omissa
e a impunidade se solta,
do silêncio da justiça
surgem gritos de revolta…

Não condeno o revoltado
que defende seu direito…
-revolta de injustiçado,
merece todo respeito!

Quando instantes de carinho,
trazem saudades depois,
lembrança é viver sozinho
de um sonho vivido a dois.

Quando não vens, na ansiedade
desses momentos perversos,
vem a musa da saudade
pôr mais saudade em meus versos.

Agora que tu partiste
e a saudade está chegando,
desculpe o meu verso triste,
minha musa está chorando!…

Volátil, discreta e doce,
no instante certo, presente,
a musa é como se fosse
o anjo-da-guarda da gente…

As musas, não posso vê-las…
vivem num mundo distante…
mas posso além das estrelas
ouvi-las a todo instante

No momento doce e breve
que a inspiração nos invade,
dos versos que a gente escreve,
a musa escreve metade!…

Na luta contra a cobiça,
mantendo na alma a esperança,
meu desejo de justiça
é maior que o de vingança!

Preguiçoso, o “ZÉ PIJAMA”,
Tanta preguiça agasalha,
Que a mulher só não reclama
Porque o vizinho trabalha.

Mensagem de amor profundo,
nos deu o Mestre Divino…
O maior homem do mundo
antes foi pobre menino!…

Esta saudade infinita
do amor que a gente viveu,
é a mensagem mais bonita
que o meu passado viveu!…

Vencendo o tempo e a distância,
mensagens da mocidade,
sempre nos trazem da infância,
saudade … muita saudade…

Mensagem que se recebe
e nos enche de quimeras,
é aquela em que se percebe
que as palavras são sinceras

Ante o medo que angustia,
talvez a grande mensagem,
fosse a que Deus nos diria …
– Coragem, filho, coragem …

Dói a saudade em meu peito
e eu canto, não silencio…
Quanto mais pedras no leito
mais alto o canto do rio!

Na tua ausência, ao meu lado
em cima da nossa mesa,
o candelabro apagado
mantém a saudade acesa.

Dentro da noite inclemente
De frio intenso e garoa,
o agrado de um beijo quente
garante que a noite é boa!…

– Pelas ruas da lembrança,
nas cirandas das calçadas,
saudade, sonho e esperança,
brincam juntos de mãos dadas!

– Quando o amor se faz lembrança
e a solidão nos invade,
ou se vive de esperança
ou se morre de saudade…

– Quando Deus fez da Trindade
a divina aventurança,
entre a fé e a caridade,
pôs em destaque a esperança…

– Na carta que ela me fez,
nas reticências sem fim,
a incerteza de um “talvez”
dá-me esperanças de um “sim”…

Na linha desta saudade,
que é tua e também é minha,
nós somos nós de verdade
nas duas pontas da linha!

Passa o tempo, a idade avança…
e na velhice inclemente,
a velha, numa cobrança
mata o velho… inadimplente…

Toda noite na gandaia,
vai muito mal a Loló…
Pois perdeu além da saia
outras coisas no forró.

______________
Fonte:
UBT Juiz de Fora

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Ceará., Nota de Falecimento

Viajando pelo Sul em Trovas

Amar é bom, ame à beça,
o mais que puder amar;
ame sem medo e sem pressa,
de preferência ao luar!
A A de Assis-PR

Lembranças da minha infância;
lembranças da mocidade.
Hoje só resta a distância
ligada pela saudade.
Alberto Paco – PR

Partiu a jangada airosa
na praia ficou Maria,
pedindo, de alma ansiosa,
que ela volte ao fim do dia.
Amália Max – PR

Adocei minha saudade,
bem lembrando de você…
Pense em mim, tenha bondade,
esquecer?… Não sei por quê!
Apollo Taborda França – PR

Sorrisos trago e os semeio
como quem lança um fermento
que traga ao mundo o recheio
da paz e do entendimento.
Arlene Lima-PR

É Curitiba no inverno
uma cidade tão fria
mas seu abraço fraterno
nos traz calor e alegria.
Camilo Borges Neto – PR

Alô trova, aquele abraço,
disse o poeta trovador:
– Em quatro linhas eu traço
quatro versos de valor!
Ceciliano José Ennes Neto-PR

No transcurso do caminho
as flores vamos jogando,
sem nos importar com o espinho,
se nele vamos pisando.!
Cyroba Ritzman – PR

Deus, que semeia o sagrado,
para manter nossa crença,
criou um céu estrelado,
sinal da Sua presença!
Gerson César Souza – PR

A verdade, quando dita,
por mais dura que pareça,
é uma dádiva bendita
que faz com que a gente cresça.
Nei Garcez – PR

Da janela da velhice,
eu contemplo com saudade
os jogos da meninice
e as festas da mocidade…
Olga Agulhon- PR

Pinheiro do Paraná,
eu não te esqueço jamais,
algo mais lindo não há
no chão dos Campos Gerais!…
Sônia Ditzel Martelo – PR

Vence valores, de fato,
quando em meio à discussão,
se revolta de imediato,
mas, na ofensa… dá o perdão!!!
Vânia Maria Souza Ennes – PR

A semente é como a trova,
de modo geral pequena,
bem plantada se renova
numa riqueza serena.
Vidal Idony Stockler – PR

Brasil de muitas culturas,
país altaneiro e belo!
É a beleza das misturas
que aviva o verde e amarelo.
Wandira F. Queiroz – PR

À noite vou namorar:
– Da lua já nem preciso!…
só quero ver teu olhar
fascinando o meu sorriso.
Ari Santos de Campos – SC

Vamos a vida encantar
com nossa Trova querida,
e na Trova, então cantar,
um hino de amor à vida!
Gislaine Canales – SC

Que saudade dos brinquedos
do meu tempo de criança,
tendo os risos e folguedos
como arautos da esperança.
Alice Brandão-RS

Solidão faz apertado
o coração sofredor,
que desperta, inebriado,
ao toque de um novo amor.
Ana Michel – RS

Depois de longa jornada
tenho uma grande ambição:
quero percorrer a estrada
que leva ao teu coração.
Clênio Borges – RS

Quero entender a magia
do silêncio , que renova ,
e afastar a nostalgia ,
que chora na minha trova!
Delcy Canalles-RS

As pedras do meu caminho
vou transpondo-as com ardor
e cada dia um trechinho
vira caminho de amor!
Flávio Stefani – RS

Não adianta querer tanto,
nem amar sem ser amado,
foi assim meu desencanto
ao me sentir desprezado.
Ialmar Pio Schneider-RS

No brinquedo “Esconde- esconde”,
eu me escondia tão bem,
que, até hoje, não sei onde,
eu me escondi…E de quem?
Lisete Johnson – RS

A imaginação flutua,
dando à vida, mais sabor…
…Que a lua é muito mais lua
nos versos de um trovador!
Marlê Beatriz Araújo-RS

Quando a mágoa nos revolta,
e os dias tinge de breu,
só o Perdão nos traz de volta
a luz que a mágoa escondeu.
Marisa Vieira Olivaes – RS

Um erro sempre é semente
de uma dor que vai nascer.
Perdão é o melhor presente
que alguém pode receber…
Milton Souza-RS

Pra que teu lar seja um templo,
pleno de amor e de paz,
mostra o caminho do exemplo,
que é sempre o mais eficaz.
Neoly de Oliveira Vargas – RS

Foi preciso muito brio,
quase a coragem faltou,
para enfrentar o vazio,
que a tua ausência deixou!
Wilma M. Cavalheiro-RS
—————

Fonte:
Revista Trovamar – União Brasileira de Trovadores – UBT Balneário Camboriú – SC – Ano 6 – Nº 62 – Fevereiro de 2010

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas

Diálogo Culinário

Eu adoro mocotó
caldo de carne e farinha
mas vou provar teu jiló,
co´essa pimenta e galinha.
Ana Maria Gazzaneo (Bragança Paulista/SP)

Sendo tão boa de prato,
dou-te uma vaca atolada.
Mas, sei que tu queres de fato,
Uma saborosa favada.
Carlos Soares (Natal/RN)

Já perdí o apetite
a favada me assustou
agora sem um palpite
vou jantar ovo… Se vou!
Ana Maria Gazzaneo (Bragança Paulista/SP)

Estás fazendo dieta?
Proponho então… uma seleta!
Nem feijoada completa,
nem ovo na omeleta…
Carlos Soares (Natal/RN)

A receita se completa
se delícia de compota
no dizer do meu esteta
me deixar aquém da cota.
Ana Maria Gazzaneo (Bragança Paulista/SP)

Rezando pelo esteta,
compota de esturjão!
Ova do peixe, completa,
à preservar teu corpão.
Carlos Soares (Natal/RN)

Uma torta de palmito
acompanha esse menu
delícia que eu repito
com salada de chuchu.
Ana Maria Gazzaneo (Bragança Paulista/SP)

Feijão verde com nata
e uma boa farofa,
a carne assada na brasa
o cabra come que “gofa”.
Carlos Soares (Natal/RN)

Quibe ou mesmo um vatapá
regado ao sol do Brasil,
tem sabor do ar de cá,
liberdade… Humor febril!
Ana Maria Gazzaneo (Bragança Paulista/SP)

Dó, ré, mi, fá, si bemol,
assim me ponho a cantar,
se me dão carne de sol
e um bom arroz de cuxá.
Carlos Soares (Natal/RN)

Hoje a dieta é magrinha
num calorão de matar
só suco e uma polentinha
depois sorvete e nadar…
Ana Maria Gazzaneo (Bragança Paulista/SP)

Num dia quente, exaurido,
refresco de maracujá
ou de limão espremido
pras forças recuperar.
Carlos Soares (Natal/RN)

Sopa cremosa de ervilha
e gostoso pão torrado
deliciosa maravilha,
não se deixa ali de lado.
Ana Maria Gazzaneo (Bragança Paulista/SP)

Depois dessa guloseima
Um bom licor de cacau
Pois nos ajuda na queima
e assim ninguém fica mal.
Carlos Soares (Natal/RN)

Um salgadinho, coxinha
e um suquinho gelado,
matou a fome que eu tinha
me deixou alimentado.
Augustus Vinicius (São Luís/MA)

Esse frango à passarinho
com salada de tomate,
regado ao copo de vinho…
Ah, delícia, me arrebate!
Ana Maria Gazzaneo (Bragança Paulista/SP)

Lembraste bem!
A passarinho!
Será que tem
arroz soltinho?
Carlos Soares (Natal/RN)

Arroz soltinho tem não,
mas tem um baião de dois,
tão gostoso, meu irmão,
dá certinho pra nós dois…
Edir Pina de Barros (Cuiabá/MT)

Nem um cuscus com jabá?
Um café preto torrado?
Um queijo assado, quiça!
Banana maçã com melado?
Carlos Soares (Natal/RN)

Comi uma caranguejada
bem lá no bar da Lenoca,
juntinho com a namorada
que pra beber pediu coca.
Augustus Vinicius (São Luís/MA)

Sem coca, como a paçoca
sem amor janto a desdita
se a saudade me empipoca
até rejeito a marmita.
Ana Maria Gazzaneo (Bragança Paulista/SP)

E faço greve de fome
e dispenso esse banquete
minha dor nem tem um nome…
… mas um porco no rolete…
Ana Maria Gazzaneo (Bragança Paulista/SP)

Na venda do seu Joaquim
Nas quintas, estou por lá,
Um bom bolo de aipim,
um prato com munguzá.
Carlos Soares (Natal/RN)

Testando ou gerundiando,
caio com gosto no prato,
degusto apimentando,
a dobradinha de fato!
Carlos Soares (Natal/RN)

Dobradinha já não gosto,
pra mim parece borracha,
mas tem quem ame, aposto,
então meu gosto esculacha…
Augustus Vinicius (São Luís/MA)

Ao menos nesta cozinha
fique certo, tudo pode.
Vem e dá u´a provadinha
nesta buchada de bode…
Ana Maria Gazzaneo (Bragança Paulista/SP)

Se for mal a gente alinha
num menú menos profano
uma canja à mineirinha,
ou um caldo lusitano.
Ana Maria Gazzaneo (Bragança Paulista/SP)
———–

Observação: A União Brasileira dos Trovadores tem por norma versos setesilabicos com as rimas entre o 1o. e 3o. Verso, 2o. e 4o. Versos. No caso de tal não ocorrer, geralmente são denominadas quadras.

Fonte:
http://recantodasletras.uol.com.br/forum/

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Quadras

Projeto de Trovas para uma Vida Melhor (2ª Etapa – 5º Concurso)

Tema: No Lar = Devotamento

Resultado Final

GRUPO 01 NACIONAL

1º LUGAR

Se no pão faltar fermento
ele jamais crescerá,
um lar sem devotamento
facilmente ruirá…
Leda Coletti (Piracicaba – SP)

2º LUGAR

Traz a palha com carinho
e, depois, traz alimento;
é assim que o passarinho
mostra seu devotamento.
Olympio da Cruz Simões Coutinho (Belo Horizonte – MG)

3º LUGAR

– Retirada por falha nossa.

MENÇÃO HONROSA

1. Bendito o devotamento
do herói que seja capaz
de, neste mundo briguento,
ser instrumento da paz!
Antonio Augusto de Assis (Maringá – PR)

2. Faz da fé, teu alimento,
e a Deus, a vida consagre…
Pelo seu devotamento,
alcançarás o milagre!…
Francisco Neves de Macedo (Natal – RN)

3. Devotamento é virtude
de todo o bom professor,
que conquista a Juventude,
usando as armas do amor!
Delcy Canalles (Porto Alegre – RS)

4. Devotamento – em verdade,
no lar, é como se fosse
prece que afasta a maldade
da vida serena e doce!
Prof. Garcia (Caicó – RN)

5. No momento dos conflitos,
devotamento não falha:
no silêncio dos contritos,
na fibra de quem batalha!
José Valdez de Castro Moura (Pindamonhangaba – SP)

MENÇÃO ESPECIAL

1. O grande devotamento
de pais e filhos no lar,
dá o tom de encantamento
de uma cena familiar!
Gislaine Canales (Camboriu – SC)

2. Devotamento é capaz
de um santo sonho gerar:
Família tranquila, em paz,
se no Natal se espelhar!
Angela Togeiro (Belo Horizonte – MG)

3. Devotamento é magia
quando alguém se faz presente
para cuidar – noite e dia –
de um irmão muito doente.
Milton Souza (Porto Alegre – RS)

4. Com devotamento ao lar,
onde o amor finca raízes,
a noite é para sonhar
e os dias são mais felizes.
José Lucas de Barros (Rio Grande do Norte)

5. No nosso devotamento
referente à honestidade,
sentimos é sofrimento
quando se falta à verdade!…
Geraldo Lyra (Recife – PE)

+++++++++++++++++++++++++++

GRUPO 02 NACIONAL

1º LUGAR

Aquele devotamento
que no lar é esperado,
é fruto do entendimento
de um amor entrelaçado.
MIFORI (Mogi das Cruzes – SP)

2º LUGAR

Este teu devotamento
é de encantar, meu amor!
Não ouço em nenhum momento
um ai de cansaço ou dor.
Gilson Faustino Maia (Petrópolis – RJ)

3º LUGAR

Devotamento no lar
prova a presença do amor,
dando exemplo singular
de família de valor.
Ruth Farah Nacif Lutterback (Cantagalo – RJ)

MENÇÃO HONROSA

1. Devotamento, confesso:
meu lar, meu mundo, afinal,
é meu trabalho onde expresso,
todo amor universal!
Dilva Moraes (Nova Friburgo – RJ)

2. Principalmente no amor
deve haver devotamento,
sem o qual pode haver dor
e até mesmo esquecimento.
Raymundo de Salles Brasil (Salvador – Bahia)

3. Este meu devotamento
pelo lar que é meu jardim,
resultou do ensinamento
que meus pais legaram a mim.
Tarcísio José Fernandes Lopes (Brasília – DF)

4. O real devotamento
acontece em nossa vida
a todo e qualquer momento
numa oração bem vivida.
Célia Aparecida Marques da Silva (Taubaté – SP)

5. No lar, o devotamento,
traz a calma e a harmonia,
e promove o crescimento,
para todos na alegria.
Maria Diva Fontes Ricco (São José dos Campos – SP)

MENÇÃO ESPECIAL

1. O devotamento é luz
que clareia nosso lar,
nos conforta e reproduz
um enorme bem-estar.
Jair Pereira da Silva (Pilar do Sul – SP)

2. Preste a Deus devotamento
dando ao lar um bom sentido;
desfazendo o céu cinzento,
pinte o ar em colorido.
Cristina Leite Goetten (Paranavaí – Paraná)

3. O integral devotamento
à paz, alegria e amor,
não nos causa sofrimento
faz sorrir o Criador!
Ilze Soares (Catanduva – SP)

4. Haverá devotamento,
se reinar amor no lar;
e, seu desenvolvimento,
fortes laços vão criar.
Barão de Jambeiro (Jambeiro – SP)

5. Com amor, dedicação,
devotamento no lar,
ela mostrou afeição,
a família soube amar…
Edina Prado

+++++++++++++++++++++++++++++++++

GRUPO 03 NACIONAL – ALUNOS DE PARAIBUNA/SP

1º LUGAR

Eu sinto devotamento,
por meus pais e meus irmãos,
pois, não há merecimento
se não nos dermos as mãos.
Aline de Oliveira das Neves (E.E. “Dr. Cerqueira César” )

2º LUGAR
Minha vovó tem carinho
e muito devotamento,
reza sempre bem baixinho,
com fé e conhecimento.
André Luiz Santos – 8ª C – (E.E. “Dr. Cerqueira César” )

3º LUGAR
Um devotamento santo
nos fará ganhar o céu,
Deus nos cobre com seu manto
ou apenas com um véu.
Margarete Aparecida dos Santos – (E.E. “Dr. Cerqueira César” )

MENÇÃO HONROSA

1. Ao meu Santo poderoso
todo o meu devotamento;
no retorno generoso,
é proteção e acalento.
Larissa Andréa da Silva (EE “Cel. Eduardo José de Camargo”)

2. Eu vejo devotamento
nos meus pais e seu amor;
eles nos dão o sustento,
e também nos dão valor.
Marcos Fernandes do Prado (E.E. “Dr. Cerqueira César” )

3. Quem tem o devotamento,
não precisa da certeza
de que vem a si o alento,
pois, sabe agir com nobreza.
Caroline G. dos Santos (EE “Cel. Eduardo José de Camargo”)

4. Eu sinto devotamento
pelo meu querido amor
que chegando como um vento,
curou toda minha dor.
Júlia Gabriela Jerônymo (EE “Cel. Eduardo José de Camargo”)

5. Vivo com devotamento,
amo minha mãe e meu lar.
Ela nos dá o provento
e nos ensina a amar.
Arthur Rodrigues Bitencourt Moura (E.E. “Dr. Cerqueira César” )

MENÇÃO ESPECIAL

1. Quem sente devotamento,
quem tem amor nesta vida,
passa muito sofrimento
quando não é atendida.
Darjana Aieska Bitencourt S. Santos (E.E. “Dr. Cerqueira César” )

2. Com muito devotamento
eu creio no meu Senhor,
porém, em todo o momento,
fico sofrendo de amor.
Emerson A (E. E. “Cel. Eduardo José de Camargo“)

3. Meu devotamento vem
das alturas, com os ventos…
Gosto de todos também
que desenvolvem talentos.
Carlos Felipe Almeida Moraes Santos (EE “Cel. Eduardo José de Camargo”)

4. Se todo devotamento
faz a pessoa feliz,
quero ter esse talento;
hoje sou um aprendiz.
Letícia M. M. Sakamoto (E.E. “Dr. Cerqueira César” )

5. Vivo com devotamento,
amo minha mãe e meu lar.
Ela nos dá o provento
e nos ensina a amar.
Arthur Rodrigues Bitencourt Moura (E.E. “Dr. Cerqueira César” )

+++++++++++++++++++++++++++

GRUPO INTERNACIONAL

1º LUGAR

Viveu tal devotamento
Ao lar, filhos e marido
Que fez do seu casamento
Mais do que foi prometido.
Domingos Freire Cardoso (Ílhavo – Portugal)

2º LUGAR

Quem tiver devotamento
à família e ao seu lar
tem na Terra encantamento
e no Céu o seu lugar.
Gisela Alves Sinfrónio (Portugal)

3º LUGAR

Devotamento no lar,
é ter paz, amor profundo
e a família consagrar
Ao criador deste mundo.
Jorge A G Vicente (Suiça)

MENÇÃO HONROSA

1. Amor é devotamento
à família em que se vive,
é carinho, é sentimento,
dos entes com quem convive…
António Boavida Pinheiro (Lisboa – Portugal)

2. Devotamente é o amor
elevado em alto grau;
é a devoção e o fervor
subindo mais um degrau!
Maima (Toulon – França)

3. Lembro o nosso casamento
contigo, bem junta a mim,
com todo o devotamento,
eu disse ao padre que “sim”.
António José Barradas Barroso (Parede – Portugal)

MENÇÃO ESPECIAL

1. Fazer do lar sacramento
e leva-lo aos apogeus
dum grande devotamento,
abrem-se as portas a Deus!
Clarisse Barata Sanches (Góis – Portugal)

2. Sagrado devotamento
que na fé consumarei.
Essência do sentimento
que por ti tudo darei.
Maria Cristina Fervier (Salto Grande – Santa Fe – Argentina)

3. Em Nazaré fora visto
devotamento ao luar,
e os olhos de Jesus Cristo
a iluminarem o lar!
Judite Raquel Neves Fernandes (Góis – Portugal)

4. Devotamento depura
a família a todo o norte,
para que seja mais pura
e amorosa até à morte.
Isaura Martins (Lameiras – Tábua – Portugal)
=======================

Próximo Concurso

6 – Tema: na rua – GENTILEZA;
de 05/01/2010 a 15/02/2010 –
resultado até 15/03/2010

(abril/maio/junho ………….. – 2010 – publicações: de cirandas e Livros virtuais)

Fonte:
Colaboração de Maria Inez “Mifori”

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Concursos de Trovas, Resultados de Concursos

José Feldman (Publicação Virtual do Santuário de Trovas – vol.2)

O Livro Santuário de Trovas – vol.2, organizado por José Feldman já se encontra disponível no site http://sites.google.com/site/pavilhaoliterario/Home, ao fim da página.
Possui cerca de 13 mb.
São trovas em imagens.
Pode ser feito o download ou simplesmente visualiza-lo.
Na mesma página, encontra-se o volume 1.

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Lançamento, Notícias Em Tempo

Ciranda de Trovas – Natal

01.
Natal! Tempo de harmonia,
de repensar seu agir,
de perdão, com alegria,
nova vida construir.
(Mifori)

02.
As vozes dizem: Hosana!
É Natal. Só paz e amor!
O Universo se engalana
num parto de luz e cor!
Gislaine Canales (SC)

03.
Era Natal na favela.
Bem limpinhos e arrumados,
foram postos na janela
dois sapatinhos furados!
Delcy Canalles (SC)

04.
Embora rudes e escassos
os bons atos, em geral,
o Natal recria laços
num simples “Feliz Natal!”
(Flávio Roberto Stefani/RS)

05.
No Natal é uma beleza,
tem presentes, festa e luz.
Mas vi que ao redor da mesa,
falta um lugar pra Jesus!
(Ademar Macedo/RN)

06.
Neste Natal vou pedir
ao Pai do Céu muitas graças
para eu não contribuir
na segregação de raças!
(Amilton Maciel Monteiro/SP)

07.
Sentamos juntos à mesa:
filhos, pais, irmãos, avós…
E o Natal mantém acesa
a chama do amor em nós!
(Marina Bruna/SP)

08.
Natal, tempo de bonança,
tempo de amor, de perdão;
deixa nascer a esperança
dentro do teu coração.
(Conceição A. de Assis/MG)

09.
Minha infância na favela
não teve um Natal de fato.
O que botar na janela
se eu não tinha nem sapato?!
(Arlindo Tadeu Hagen/MG)

10.
Esse Natal dos meninos
eles que sonham com santa.
Dão-lhes seus pais carinhos
e Santa Claus lhes encanta.
(Jaime Correa)

11.
Um Natal mais abrangente,
seria, para as crianças,
Papai Noel, consciente,
distribuindo esperanças!
(Elisabeth Souza Cruz)

12.
Que o Ano Novo, afinal,
seja de instantes risonhos
e que os sonhos do Natal
sejam muito mais que sonhos!
(Arlindo Tadeu Hagen/MG)

13.
Vou pedir com insistência,
neste Natal, um presente:
Amor e paz com urgência,
para este mundo carente!
(Vânia Ennes-Curitiba/PR)

14.
Menino Deus com ilusão,
eu sigo teus mesmos passos
paz e amor, a solução,
um Natal cheio de abraços!
(Carlos Imaz Alcaide / França)

15.
É Natal, Menino Deus,
e renasce uma esperança
às penas eu digo adeus,
ponho em ti minha confiança!
(Cristina Oliveira Chavez / USA)

16-
É Natal… E me parece
que os Natais se multiplicam
no amor fraterno que cresce
das Amizades que ficam.
(Divenei Boseli/SP)

17-
Quisera que Deus pudesse,
acabar com todo o mal
e que o mundo todo em prece
festejasse….é o natal!!!!
Eleandra Bonatto

18.
É Natal, noite de luz,
recordando a manjedoura:
José, Maria e Jesus,
traz-nos a paz duradoura.
(Arlene Lima)

19.
Nesse tempo o principal
menino que vai nascer
nesse dia de Natal
jamais ele vai morrer.
(Mário Osny Rosa)

20.
Que o Natal ao vento espalhe
toda angústia, toda dor,
e um sino alegre bimbalhe
novas mensagens de amor!
(Dorothy Jansson Moretti/SP)
———–

Fonte:
Mifori

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas

Trovas Mensageiras

Fonte:
Jornal Mensageiro da Poesia – Fortaleza, CE – outubro de 2009 – ano XXI n. 275.
Enviado por Nilto Maciel.

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas

Jogos Florais de Nova Friburgo de 1960 a 2008 (Vencedores)

1960 – AMOR
Não me chames de senhor
que eu não sou tão velho assim,
e ao teu lado, meu amor,
não sou senhor…nem de mim!
Rodriges Crespo (Belo Horizonte)

1961 – SAUDADE
Maria, só por maldade,
deixou-me a casa vazia
Dentro da casa: a saudade!
e na saudade: Maria!
Anis Murad (Rio de Janeiro)

1962 – CIÚME
Quanto mais teu corpo enlaço
mais padeço o meu tormento,
por saber que o meu abraço
Não prende o teu pensamento
Jesy Barbosa (Petrópolis)

1963 – VIDA
Esta engrenagem, que é a vida
esmaga a todos, sem dó
e a gente, aos poucos moída,
de novo volta a ser pó.
Paulo Emílio Pinto

1964 – BEIJO
Ao beijar a tua mão,
que o destino não me deu,
tenho a estranha sensação
de estar roubando o que é meu…
Durval Mendonça (Rio de Janeiro)

1965 – MULHER
No dia em que tu quiseres
ser meu senhor e meu rei,
serei todas as mulheres
na mulher que te darei.
Nydia Iaggi Martins (Nova Friburgo/RJ)

1966 – DESPEDIDA
Meu lenço, na despedida,
tu não viste em movimento:
– Lenço molhado, querida,
Não pode agitar-se ao vento.
Carlos Guimarães (Nova Friburgo/RJ)

1967 – NOITE
Noites feitas de saudade,
de lembranças, de meiguice…
-Tão curtas na mocidade
E tão longas na velhice!
Alfredo de Castro (Pouso Alegre/MG)

1968 – NOVA FRIBURGO
Amanhece. A névoa fina
vai aos poucos se extinguindo…
E o Sol, varrendo a neblina,
mostra Friburgo…sorrindo!
Daniel de Carvalho

1969 – ABANDONO
Sozinho…o tempo passando,
um dia vai, outro vem…
Meu Deus! Maria chegando,
abro meus olhos…ninguém!
Rubens de Castro

1970 – PRESENÇA
Aérea, fluída, de gase…
corpo volátil de essência…
sua presença era quase,
como se fosse uma ausência…
João Rangel Coelho (Rio de Janeiro/RJ)

1971 – ANGÚSTIA
Na minha angústia, calado,
eu vi no espelho outro dia,
um rosto amargo e cansado
– Meu Deus do céu, quem seria?…
Walter Sanches

1972 – SILÊNCIO
Nessas angústias que oprimem,
que trazem o medo e o pranto,
há gritos que nada exprimem,
silêncios que dizem tanto…
Luiz Otávio (Rio de Janeiro/RJ)

1973 – RETICÊNCIAS
Mãos tristes temendo ausências
se despedem com revolta…
Nosso adeus tem reticências
que acenam dizendo…Volta!
Carolina Ramos (Santos/SP)

1974 – FIBRA
Cabelos brancos ao vento,
-Saudade feita de neve – !
Mil fibras de sentimento
dizendo a tudo: Até breve!…
Helvécio Barros (Bauru/SP)

1975 – ENCONTRO
Eu e tu , duas metades
Que a vida vai separando…
Eu e tu, duas saudades
Na saudade se encontrando
Izo Goldman (São Paulo/SP)

1976 – CULPA
Ante as sandálias furadas
que entre cascalhos gastei,
não culpo o chão das estradas,
culpo os maus passos que dei.
José Maria Machado de Araújo (Rio de Janeiro)

1977 – CONFLITO
No conflito de um desgosto,
por saber que não me queres,
vivo em busca do teu rosto
no rosto de outras mulheres…
Octávio Venturelli (Nova Friburgo/RJ)

1978 – OCASO
Na paixão em que me abraso
tanto sol tem minha estrada,
que eu não troco o meu ocaso
pela mais linda alvorada!
Alcy R. Souto Maior (Rio de Janeiro/RJ)

1979 – AUSÊNCIA
Não diga adeus nem brincando,
o adeus é irmão da saudade,
e alguma ausência, escutando,
pode pensar que é verdade…
Octávio Venturelli (Nova Friburgo/RJ)

1980 – RUMO
Fim do meu rumo. Eu grisalho
dos netos entre os carinhos,
pareço um velho espantalho
cercado de passarinhos.
Romeu Gonçalves da Silva

1981 – VIDRAÇA
Entre esperas e demoras,
que a solidão descompassa,
já nem sei quantas auroras
vi chegar pela vidraça!…
Vasques Filho (Fortaleza/CE)

1982 – FUGA
Em passos e contrapassos,
ao som de acordes tristonhos
sempre foges dos meus braços
no bailado dos meus sonhos…
Vasques Filho (Fortaleza/CE)

1983 – QUASE
São quase uma eternidade
minhas noites de abandono,
porque em meu quarto a saudade
se deita, mas não tem sono…
João Freire Filho (Rio de Janeiro)

1984 – AMOR
Nós tanto nos pertencemos,
nosso amor vai tão além…
Que nós dois já nem sabemos,
qual de nós é mais de quem!
Almerinda Liporage (Rio de Janeiro)

1985 – BRINQUEDO
Infância é um brinquedo usado
que um dia a vida resolve
tomar um pouco emprestado
e nunca mais nos devolve!
Arlindo Tadeu Hagen (Juiz de Fora/MG)

1986- CANTIGA
Cantiga, que me transporta
da angústia, ao sono de paz;
é o som da chave na porta
e teus passos, logo atrás…
Almerinda Liporage (Rio de Janeiro)

1987 – ACENO
Partiste sem um aceno
multiplicando os meus ais:
não quis teu mundo pequeno
meu sonho grande demais!
Eugênia Maria Rodrigues (Rio Novo/MG)

1988 – PROCURA
Jurei não te procurar…
Jurei, mas quebrei a jura…
Quem ama pode jurar
não procurar, mas…procura.
Luna Fernandes (Rio de Janeiro/RJ)

1989 – TEIMOSIA
Espero-a…A noite está fria,
mas não desisto…Ouço passos…
E o prêmio da teimosia
vem se acolher em meus braços
José Tavares de Lima (Juiz de Fora/MG)

1990 – LEMBRANÇA
Teu retrato até rasguei
para fugir da verdade…
“ Sem lembranças””, eu pensei,
mas ninguém rasga a saudade!…
Thereza Costa Val (Belo Horizonte/MG)

1991 – ESPAÇO
Mãe, por mais que eu me concentre
na importância do que faço
não esqueço que teu ventre
foi o meu primeiro espaço!
Almerinda Liporage (Rio de Janeiro)

1992 – EMOÇÃO
Resisto…mas, distraída,
minha razão nem percebe
quando a emoção atrevida
abre a porta…e te recebe!
Marilúcia Resende (São Paulo/SP)

1993 – RETRATO
Teu retrato, enraivecida,
eu rasguei, sem embaraços…
mas a saudade atrevida
juntou de novo os pedaços!…
Marilúcia Resende (São Paulo/SP)

1994 – DESPREZO
Não desprezei meu Nordeste,
desprezo, eu juro, foi não…
Foi a dureza do agreste
que me afastou do setão!
Alfredo de Castro (Pouso Alegre/MG)

1995 – POETA
Quando esta lua indiscreta,
me traz lembranças sem fim
eu choro o velho poeta
que morreu dentro de mim.
Rita Marciano Mourão (Ribeirão Preto/SP)

1996 – MAGIA
Lavrador,por tuas mãos,
que Deus dotou de magia,
faz-se o milagre dos grãos
dando o pão de cada dia!
Maria Lucia Daloce Castanho (Bandeirantes/PR)

1997 – TRISTEZA
Eu me recuso, tristeza,
a conviver com teu mundo:
-Vida que tem correnteza
não cria lodo no fundo!
Héron Patrício (São Paulo/SP)

1998 – JANELA
Meu orgulho se rebela
mas o amor faz perdoar,
porque a saudade é janela
que eu nunca aprendo a fechar.
Almerinda Liporage (Rio de Janeiro)

1999 – BILHETE
Velho bilhete…lembrança
de um amor que não foi meu…
Um pedido de esperança
que a vida não respondeu…
Marina Bruna (São Paulo/SP)

2000 – INSTANTE
A saudade se embaraça
e a paixão se intensifica…
– Não pelo instante que passa,
mas pelo instante que fica
Eduardo Toledo (Pouso Alegre/MG)

2001 – DETALHE
Meu perdão foi um tributo
A uma lágrima suspensa:
– um detalhe diminuto
Mas,que fez a diferença…
Darly Barros (São Paulo/SP)

2002 – CERTEZA
Se te vais, por gentileza,
deixa a porta sem trancar!
não me roubes a certeza,
de que logo irás voltar!
Adélia Victória Ferreira (São Paulo)

2003 – ESPERA
Eu te quero às escondidas
e, se esta espera durar,
te esperarei quantas vidas
for necessário esperar!
Eugênia Maria Rodrigues (Rio Novo/MG)

2004 – REFÚGIO
Baú velho, tampo torto,
cartas e fotos mofando…
– Refúgio de um sonho morto
Que eu vivo ressuscitando
José Ouverney (Pindamonhangaba/SP)

2005 – MOTIVO
Sei que os motivos são poucos,
sei que as razões também são,
mas este amor nos faz loucos
e os loucos não têm razão!!!
Gerson César de Souza (Porto Alegre/RS)

2006 – FRONTEIRA
Amai- vos, e as derradeiras
muralhas hão de cair.
– Havendo amor, as fronteiras
não têm razão de existir!
Antonio Augusto de Assis (Maringá/PR)

2007 – MENSAGEM
Sem precisar das imagens
ou linguagem que os ensinem,
os olhos trocam mensagens
que as palavras não definem.
Campos Sales (São Paulo/SP)

2008 – ESCOLHA
Duas culpas, um pecado
e um remorso a nos doer:
você- que escolheu errado;
eu- que nem pude escolher…
José Ouverney (Pindamonhangaba/SP)
———-

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Jogos Florais, Nova Friburgo., Resultados de Concursos

Paulo Monteiro (A Trova no Espiríto Santo – Parte X, final)

Água Doce do Norte, ES
SILVANO THOMES

Silvano César Thomes nasceu no dia 24 de agosto de 1964, em Cariacica, Espírito Santo. Reside em Vila Velha. É estudante, tendo sido revelado para a trova com o CTC.

Adeus, escola querida,
eu digo com muito amor;
nesta hora de despedida
enalteço o Seu valor.

Vitória, és um encanto
e cidade de esplendor!
Presépio maravilhoso
que eu amo com muito ardor!

SOLIMAR DE OLIVEIRA

Mineiro de Juiz de Fora e filho de poeta, Solimar Braga de Oliveira, nasceu no dia 5 de agosto de 1913. Desde menino reside no Espírito Santo. Pertence a diversas entidades culturais do país. É um dos melhores trovadores e sonetistas do Espírito Santo. Jornalista e funcionário público. Há muitos anos vem divulgando a trova no Estado em que reside. Sua produção literária é vasta e valiosa.

Anda a honra tão sem jeito,
neste mundo camuflada,
que, agora, qualquer sujeito
a exibe como fachada!

As pessoas geralmente
deixam seu rastro no chão;
– o teu rastro unicamente
ficou no meu coração…

Na velhice a gente vela,
talvez pensando, acordado:
– a vida não era aquela
que eu esbanjei no passado…

As redondilhas que amamos,
e têm realce e frescor,
são sempre aquelas que armamos
com o cimento do amor…

Chegando ao fim da jornada,
sem passado e sem futuro,
no presente encontro o nada
porque nada mais procuro…

A verdade seja dita
numa trova sem valor:
– em cada mulher bonita
se encontra um verso de amor.

Conhecerás pelos frutos
as plantas, boas ou más:
– vê que os homens dissolutos
não darão frutos de paz…

Meu destino nesta vida
há de sempre ser assim:
– sempre a lembrar-te, querida,
sempre a fugires de mim…

Na vida, oceano inclemente,
de engano e tantos escolhos,
navega a infância inocente
tendo a esperança nos olhos.

Cultiva, amigo, a bondade,
E algum dia entenderás
que a maior felicidade
está no bem que se faz…

Tudo ilude, tudo mente,
na vida cheia de escolhos:
muita gente há descontente
com um sorriso nos olhos…

Eu levo a vida cismando
no tempo todo perdido
do tempo em que andei sonhando
um tempo nunca vivido.

Uma verdade parece
muita gente definir:
– quem muito sobe se esquece
que também pode cair…

Tenho o coração magoado,
não que me julgue infeliz,
mas por nunca ter amado
como devia e não quis…

VALSEMA RODRIGUES DA COSTA

Nascida em Sacramento, Minas Gerais, no dia 5 de novembro de 1943, Valsema Rodrigues da Costa é professora, especialista em musicaterapia. Reside em Vila Velha e tem desenvolvido trabalhos de divulgação e prática da trova entre estudantes daquela cidade. Tem duas filhas pequenas que já fazem trovas.

Minha vida, nossa vida…
oh, meu Deus! que confusão!
Todo mundo na cabeça,
só você no coração!

O mundo está sempre em guerra,
mas todos querem a paz.
Se a vida faz nossa terra,
a morte… o que ela faz?

VICENTE VASCONCELOS

Nascido em Campos, Rio de Janeiro, no dia 29 de maio de 1905, o poeta e trovador Vicente Vasconcelos, que também usa o pseudônimo De Vivas, reside há muito tempo no Espírito Santo, onde publicou diversos trabalhos em prosa e verso. Magistrado, foi desde Promotor de Justiça até Presidente do Tribunal de Justiça do Estado.

Mandam princípios gerais,
para grandes e pequenos:
– dar menos a quem tem mais
e dar mais a quem tem menos.

Para haver bom julgamento
boa regra sempre ouvi:
agir com discernimento,
julgar os outros por si…

Proclama o “mandão” sisudo
que é preciso economia,
mas sobe o preço de tudo
e não cessa a mordomia…

Não há quem não tenha errado,
pois o erro em todos medra:
– quem se julgar sem pecado
atire a primeira pedra.

O homem manda em todo mundo,
em quase tudo que quer,
mas, na verdade, no fundo,
quem manda mesmo é mulher.

É preciso distinguir
da palavra o seu sentido:
– para não se confundir
um cúpido com cupido.

ZEDÂNOVE TAVARES

Zedânove Tavares Sucupira nasceu em Vila Velha, no dia 11 de outubro de 1948. É funcionário do Banco do Brasil. Presidiu a UBT de Vitória, há vários anos. É autor do três centenas de poemas.

O besouro, na vidraça,
pulula, esbate-se, lida,
tal qual o homem na desgraça,
nessa muralha da vida.

Ao ver na novela, enfim,
o “cara” e a empregada – a sós –
a Maria olhou pra mim,
e minha mulher… pra nós!?…

Fontes:
http://www.usinadeletras.com.br/
Imagem = http://www.gazetaonline.globo.com/

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Espírito Santo

Paulo Monteiro (A Trova no Espiríto Santo – Parte IX)

Pedra do Itabira, em Cachoeiro do Itapemirim, ES
LUIZ CARLOS BRAGA RIBEIRO

Luiz Carlos Braga Ribeiro firma-se entre os trovadores mais atuantes das terras capixabas. Nasceu em Vila Velha, no dia 11 de agosto de 1951. Tem curso de tecnologia mecânica superior pela Universidade Federal do Espírito Santo.

Com bondade e muito amor
Ele a todos satisfaz…
Chico Xavier com louvor
Merece o Nobel da Paz.

Esta criatura tão doce
Minha mulher, minha amante,
Jamais pensei que ela fosse
De um amor tão abundante.

LUIZ SIMÕES JESUS

Autor de livros em prosa e verso, Luiz Simões Jesus, nasceu em Guarapari, no Espírito Santo, e reside no Rio de Janeiro. É advogado e professor, pertencendo a diversas entidades culturais do país.

Tirem-me tudo na vida,
Até do sol o calor,
Mas estarei sem guarida,
Se ficar sem teu amor.

Vi morrer a pobre flor,
Entre espinhos, sufocada.
No jardim do nosso amor,
Que vejo? Espinhos, mais nada.

De um amor tive lembrança
E de outro lembranças tive:
Um – o amor que não se alcança,
Outro – o amor que não se vive.

O frescor em ti impera,
Eu padeço um frio eterno:
Tu vives na primavera,
Eu morro no meu inverno.

MARCOS TAVARES

Marcos Tavares nasceu em 16 de janeiro de 1957. Estudante de Matemática e Estatística, na Universidade Federal do Espírito Santo. É um dos trovadores revelados pelo CTC.

HOMENINO
Não sou dado a milícias,
nem milito em partidos.
Sou menino sem malícias,
e igual homem, repartido.

NATAL
É Natal e sou tão pobre:
Não possuo nova veste.
Mas feliz, pois não me cobre
a pele nenhuma peste.

NEALDO ZAIDAN

Pernambucano de Caruaru, Nealdo Zaidan, que usa o pseudônimo de Matuto, reside no Espírito Santo desde 1973. Técnico em Contabilidade, é um dos mais dinâmicos trovadores do Estado capixaba. Nasceu no dia 25 de fevereiro de 1939.

Não falo por picardia
Mas é verdade no duro.
Mulher e fotografia
Só se revelam no escuro.

Seu batom é de carminho,
Tire o seu rosto do meu.
Se manchar meu colarinho…
Chego em casa: apanho eu.

PAULO FREITAS

Paulo Athayde de Freitas é o nome desse consagrado poeta e trovador capixaba. Nasceu em Rio Novo, Espírito Santo, no dia 28 de janeiro de 1902. Pertence, entre outras entidades culturais, à Academia Espírito-Santense de Letras. É uma das figuras mais representativas da Magistratura de seu Estado.

Vejo a imagem de Maria
nas luzes da Catedral,
tendo Jesus entre os braços
numa noite de Natal.

Vejo a imagem de Maria
envolta num lindo véu,
numa divina alegria
por entre os anjos do céu.

Vejo a imagem de Maria
na luminosa manhã
inspirando a poesia
nas plagas de Canaã.

Vejo a imagem de Maria
no templo, no céu, nos mares,
ouvindo suave harmonia:
– voz dos anjos nos altares.

Na brancura do luar,
na Prece, na Poesia,
na linda Estrela do Mar,
vejo a imagem de Maria.

ROOSEVELT DA SILVEIRA

Capixaba de Alegre, Roosevelt Flávio da Silveira, é funcion6rio do Banco do Brasil, residindo em Guaçuí, em seu estado natal. Formado em Direito, não exerce a advocacia. Pertence a diversas entidades culturais. Nasceu em 5 de setembro de 1947.

Muitas amizades temos
que não traduzem verdades!
A verdadeira só vemos
em nossas dificuldades.

Se os povos querem que a paz
reine sempre em toda a terra,
por que é que cada vez mais
fabricam armas de guerra?

A mulher quer igualdade,
que diz ser direito seu,
mas é escrava da idade:
não fala quando nasceu.

Um casebre num recanto,
um casal… felicidade.
Para que maior encanto
que amor e tranqüilidade?

A cobra, em bote certeiro,
mostra as presas, de repente…
Um amigo interesseiro
também age assim com a genie.

Em nossa terra é assim:
um homem só é lembrado
depois de chegar ao fim,
quando estiver enterrado.

Fontes:
http://www.usinadeletras.com.br/

Imagem = http://www.verdeamarelo.ning.com

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Espírito Santo

Paulo Monteiro (A Trova no Espiríto Santo – Parte VIII)

Convento da Penha, em Vila Velha, ES. Pintura de Sérgio Câmara
J. CABRAL SOBRINHO

O poeta José Cabral Sobrinho nasceu em Afonso CIáudio, Espírito Santo, em 30 de março de 1935. Há mais de 20 anos vive longe de sua terra natal, mas não perdeu o contato com a literatura espírito-santense. Trovador atuante e hábil sonetista. É militar da ativa do Exército Brasileiro.

Nesses sertões sofredores,
onde a seca se renova,
com a Fé dos sonhadores
cultivo safras do trovas.

Voando por entre as flores,
o beija-flor, todo dia,
numa profusão de cores,
é um exemplo de harmonia.

– Se o colega me permite
que um conselho seja dado,
é sempre bom que se evite
a trova de pé-quebrado.

Não há quem não fique roxo
de agonia, na parada,
ao ver um soldado coxo
marchando em cadência errada.

JOÃO MOTTA

João Motta nasceu em Cachoeiro de Itapemirim em 1881. Foi apenas jornalista e poeta, sendo que a maioria de suas produções literárias foram perdidas. Informa Evandro Moreira que, no ano do 1966, o jornalista Trófanes Ramos reuniu o que pode da vasta produção do poeta no livro “Poesias do João Motta”. Foi um poeta marcado pelos ideais libertários, tanto que o jornal “O Cachoeirense”, por ele dirigido, foi empastelado em 1906. Faleceu no dia 14 de fevereiro de 1914.

Aos sons da meiga cantiga,
folgava, sonhava e ria…
Muitas vezes, boa amiga,
chorando mesmo, sorria…

Sonhos do amor ela teve,
eu creio… também passaram,
ligeiros, e, nem de leve,
um rastro sequer deixaram…

No céu de sua existência
nenhuma nuvem tristonha…
Havia em toda a esplendência,
ridente manhã risonha…

Que te importa que desabe
o mundo? A vida seguindo,
padeces rindo! E, quem sabe?
Talvez que morras sorrindo..

Ide, sonhos de venturas,
saudosos, idos amores,
quero esposar as torturas,
dormir nos braços das dores.

Andei em plagas formosas,
vivi em mundos diversos,
singrando mares de rosas,
em barcos feitos de versos…

Ide, meus sonhos dispersos,
presos às asas dos anos;
deixai-me só com meus versos,
unido aos meus desenganos!

JOSÉ DE ANDRADE SUCUPIRA FILHO

Nascido em 9 de março de 1954, na Capital do Espírito Santo, José de Andrade Sucupira Filho é analista químico e concluiu diversos cursos técnicos.

Se a vida fosse sem lutas,
sem vitória. Só prazer.
Sem empecilhos. Escuta:
Teria razão viver?

Querendo saber a causa
do acidente de avião
teve a resposta sem pausa:
Esbarramos na inflação.

Pestes, fomes, mendicâncias,
não haveria, nem guerra,
se em todas as circunstâncias
dominasse o amor na terra.

Assombrou sábios nos templos
(Quanta maldade ao seu lado),
pregou o amor, deu exemplos,
depois foi crucificado.

JOUBERT DE ARAÚJO SILVA

Um dos mais conhecidos trovadores do Espírito Santo, Joubert reside há vários anos no Rio do Janeiro, onde faz parte da alta direção da União Brasileira de Trovadores. É um dos trovadores brasileiros mais premiados em concursos de trovas e jogos florais. Nasceu em Cachoeiro de Itapemirim no dia 29 de novembro de 1915 e tem prontos para publicação dois livros do trovas.

Ela não anda, flutua…
mas com tanta e tanta graça,
que até os postes da rua
se inclinam, quando ela passa!

Enganam-se os ditadores,
que, no seu furor medonho,
mandam matar sonhadores,
pensando matar o sonho

Muita gente que eu não gabo
lembra a pipa colorida:
– quanto mais comprido o rabo
mais alto sobe na vida!…

Aquela aranha paciente,
que tece despercebida,
lembra o destino da gente
e as armadilhas, da vida!

Minha alma lembra um menino
pobrezinho e de ar tristonho,
que estende a mão ao Destino,
pedindo a esmola de um sonho!

Ela se foi… E esta espera,
pouco a pouco, transformou
o moço feliz que eu era,
no poeta infeliz que eu sou!

Sejam “brotos” ou “coroas”
– Isto dispensa argumentos –
São sempre as mulheres “boas”
que inspiram “maus” pensamentos…

Pra botar fogo na gente
É assim que a mulata faz:
em cima estufa pra frente;
em baixo estufa pra trás!

Linda viuvinha, a Anacleta
nos deixa de vistas turvas..
Não pode ter vista reta
a dona daquelas curvas…

O segredo que o Biscalho
soube da esposa travessa
deu, por fim, “aquele galho”
que não lhe sai da cabeça…

“Só com o Zé se casaria…”
Jurou, e foi verdadeira:
Já tem três filhos Maria,
e continua solteira!..

Fontes:
http://www.usinadeletras.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Espírito Santo

Trovas Brincantes


Tique-taque, tique-taque…
é o tempo que vai passando.
Quase tenho um piripaque,
ao ver a idade avançando!
A.M.A. Sardenberg – RJ

Quem hoje não tem e-mail
perde contato e dinheiro…
Sem e-mail a gente é meio,
não consegue ser inteiro.
Antônio da Serra – PR

Do seu posto, à sentinela,
sobre o teto do galpão,
galo duro de panela
abre a goela, canta em vão…
Ari Santos de Campos – SC

Coincidência que me arrasa,
que me assusta e me espezinha:
– Meu marido chega em casa
quando chega o da vizinha!…
Clenir Neves Ribeiro – RJ

Arruaça e bebedeira
preferiu aos seus estudos:
hoje é peso na algibeira
dos amigos de canudos!
Eliana Palma – PR

Serei, se não morrer antes,
uma idosa serelepe;
entre jovens fascinantes,
sem ser de ninguém estepe.
Mifori – SP

– Acaso tu tem morim?
– Tenho sim… ma-qui-cô-qué?
– Uai, uai… assim, assim…
de caqué-cô qui tivé…
Osvaldo Reis – PR

Não foi possível contê-lo…
sai disparado o rojão!
Ele é quem tem pesadelo
quando ela come feijão!
Renata Paccola – SP

———–
Trovas extraídas da Revista virtual mensal – Coordenador: A. A. de Assis Ano 10 – n. 119 – novembro de 2009

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas

Paulo Monteiro (A Trova no Espiríto Santo – Parte VI)

Monte H, em Piúma (ES). Tela da
Escola Municipal de Educação Fundamental
Álvaro de Castro Mattos

ÁBNER DE FREITAS COUTINHO

Ábner de Freitas Coutinho, que também usa o pseudônimo de Percy Guido, é advogado e economista. Natural do Santo Antônio, Estado do Mato Grosso, onde nasceu no dia 15 de dezembro de 1926. Reside há mais de duas décadas no Espírito Santo. É professor e integra diversas instituições culturais.

Caravelas portuguesas,
mensageiras da História
foram, levando incertezas,
voltaram cheias de glórias…

Se poupança a gente encara,
logo descobre a verdade:
nossa metade mais cara
é nossa cara metade..

Meu pai, figura esquecida,
eterno semblante mudo,
o que fiz em minha vida
só a ti eu devo tudo…

Se pensar no seu irmão,
um instante, por favor,
sentirá no coração,
renascer fraterno amor!

ALBERTO ISAÍAS RAMIRES

Alberto Isaías Ramires é capixaba de Vila Velha, onde nasceu em 8 de setembro de 1924. Um dos mais representativos trovadores do Espírito Santo. Há vários anos residente no Rio de Janeiro. Militar (Capitão Rh do Exército). Autor de diversas obras e membro de várias instituições culturais do país. Ganhador de vários concursos literários.
Quando eu morrer, por favor
coloquem na minha cova
um epitáfio de amor
escrito em forma de trova!

Da vida, pelos caminhos,
uma coisa aprendi bem:
a roseira dá espinhos,
mas nos dá rosas, também…

Por nascer pobre, o Divino
num gesto compensador,
despertou, em meu destino,
a lira de trovador…

Não entendes meu desgosto,
mas aprende esta lição:
nem sempre pomos no rosto
as mágoas do coração.

Via-a rezando, contrita,
com os olhos fitos no céu.
Quanto pecado escondido
debaixo de um fino véu!…

Falar mal da vida alheia
é coisa que não convém;
quem tem telhado de vidro
não fustiga o de ninguém…

Lá se foi a meninice,
meu barquinho do papel,
minha ingênua peraltice,
meu doce Papai Noel…

ALYDIO C. DA SILVA

Alydio de Carvalho e Silva pertence a diversas entidades culturais do país. É natural de Santa Cruz, Espírito Santo, onde nasceu em 11 de abril de 1917. Industriário aposentado, reside há quase 30 anos, fora de seu estado natal. Além de poeta é romancista. Autor de centenas de trovas e outros poemas. Tem vários livros inéditos e participou de diversas antologias.
Vi num jornal estampado
o perigo que há no beijo.
Antes ser contaminado
do que morrer de desejo.

Quando passei pela estrada
e ouvi teu canto distante,
senti que a mágoa passada
reviveu naquele instante.

Carnaval, fraternidade
transitória e resumida,
onde se esconde a verdade
dos sofrimentos da vida.

Se passas muito apressada,
fugindo à minha atenção,
eu sinto a tua pisada
esmagar meu coração.

É doce morrer no mar…
Cayme receita a dose.
Só Cristo pra transformar
tanta salmoura em glicose.

AMAURY DE AZEVEDO

Também usando o pseudônimo de Yruama, Amaury de Azevedo, capixaba de Alegre, onde veio à luz em 1º de agosto de 1935, é comerciante e reside em Campos, no Rio de Janeiro. Mesmo afastado de sua terra natal, há mais de 27 anos, Amaury continua mantendo intercâmbio com poetas do Espírito Santo.

O capixaba não nega
O que lhe pedem com jeito.
Também não foge do pega,
Estufando logo o peito.

Quando toda a Cristandade
Vê passar mais um Natal,
Surgem novas esperanças
De uma paz universal.

ANDRADE SUCUPIRA

José de Andrade Sucupira é sergipano de Pacatuba. Há mais de 35 anos reside no Espírito Santo, onde militou na imprensa e foi funcionário público. Hoje está aposentado e reside em Vila Velha. Desde os anos 30 faz trovas, divulgando-as pelas páginas dos vários jornais em que trabalhou. É um dos Príncipes da Trova Capixaba, escolhidos pelo CTC. Nasceu em 22 de junho de 1909.
Meu espelho mostra a cara
sem vergonha, encarquilhada,
no corpo setenta anos,
muita canseira, mais nada.

Pela tapera da vida
O homem nasce lutando.
Luta, luta, lida, lida
e morre… sempre esperando.

No Brasil, coisa mais feia,
e coisa que mais consome…
Poucos de barriga cheia
e a maioria com fome.

Esses seus olhos traquinos
e vivos, vivos de mais,
têm nossos céus nordestinos
no verde dos coqueirais.

Sempre amar. Eis a verdade
do berço de qualquer vida.
Se o amor não tem idade…
Venha aos meus braços, querida!

Saudade… doce ternura,
espinho que se bendiz,
flor que fere com doçura
e deixa a gente feliz.

ANSELMO GONÇALVES

Pertencendo a diversas entidades culturais e por sua prática em favor da trova, Anselmo Gonçalves, capixaba de Vitória, onde nasceu em 21 de abril de 1929, é um dos mais atuantes trovadores do Espírito Santo. É funcionário público estadual e colabora na imprensa de sua terra natal.

Meu coração bate, insiste,
vai sacudindo, batendo.
A tudo ele bem resiste,
mas continua doendo.

Vela branca passa ao largo
Lá fora, longe, no mar.
Sua vida, sem embargo,
morre distante do lar.

Uma vida! Nosso amor
degringolou de repente.
Caiu da planta uma flor
resta a lembrança somente!

Toda tua indiferença
não consegue me vencer.
Sou todo amor e sou crença,
sou vida, e sou bem-querer!

ANTONIO TAVARES SUCUPIRA

Nascido em Vitória, no dia 12 de outubro do 1956, Antonio Tavares Sucupira é filho do trovador Andrade Sucupira. É, no campo profissional, engenheiro civil, formado pela Universidade Federal do Espírito Santo.
Saudades dela? Talvez?
Se se pudesse voltar
Eu nasceria outra vez
Com a mesma mãe para amar.

E um certo amigo dizia
À sua cara-metade:
Já fui preso, que ironia!
Por querer a liberdade.

Seria o mundo feliz
E só haveria glória
Se todo o povo da terra
Nascesse aqui em Vitória.

ASSUMPÇÃO BOTTI

Manoel Assumpção Botti nasceu em Vitória no dia 15 de agosto do 1916. É advogado. Autor de muitos poemas e trovas.
Que não me empolgue a subida,
Que a humildade viva em mim,
Que eu suba sempre na vida
Sem me esquecer de onde vim.

Se pintor eu pintaria
A vida com duas cores:
Um pingo azul de alegria
Num fundo roxo de dores.

Quantos contrastes abriga
Minha existência bizarra:
Obrigado a ser formiga,
Eu que nasci pra ser cigarra.

Os meus tristes olhos baços
Do que sou dão a medida:
Um coração em pedaços
Num corpo quase sem vida.
—–

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Espírito Santo

Trova L

Deixe um comentário

23 de julho de 2009 · 23:37

Trova XLIX

Deixe um comentário

22 de julho de 2009 · 23:19

Trova XLVIII

Desenho do Submundo Mamão

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Rio de Janeiro em Trovas

Trova XLVII

Deixe um comentário

20 de julho de 2009 · 23:05

Trova XLVI

Trova sobre caricatura do CEI Municipal de São Carlos

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Humorismo, Nova Friburgo em Trovas, Rio de Janeiro

Trova XLV

Deixe um comentário

15 de julho de 2009 · 22:24

Trova XLIV

Trova sobre cartoon do Nani

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Juiz de Fora, Minas Gerais

Trova XLIII


Imagem:
Montagem de trova e chifres sobre caricatura de Nilmar Piacentini, in Bau do Luizinho

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, São Paulo em Trovas

Trova XLII

Deixe um comentário

12 de julho de 2009 · 21:53

Trova XLI

Deixe um comentário

10 de julho de 2009 · 22:18

Trova XL

Deixe um comentário

9 de julho de 2009 · 22:01

Trova XXXIX

Deixe um comentário

8 de julho de 2009 · 23:31

Trova XXXVIII

Deixe um comentário

7 de julho de 2009 · 01:00

Trova XXXVII

Trova sobre charge de Márcio Diemer

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Humorismo, Rio de Janeiro em Trovas

Trova XXXVI

Deixe um comentário

5 de julho de 2009 · 00:24

Trova XXXV

Deixe um comentário

3 de julho de 2009 · 23:38

Trova XXXIV

Trova sobre Caricatura de Maurízio de Reda

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Belo Horizonte, Humorismo, Minas Gerais

Trova XXXIII

Deixe um comentário

30 de junho de 2009 · 23:16

Trova XXXII

Deixe um comentário

29 de junho de 2009 · 23:22

Trova XXXI

Deixe um comentário

27 de junho de 2009 · 20:55

Trova XXX

Deixe um comentário

26 de junho de 2009 · 22:17

Trova XXIX

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas

Trova XXVIII

Montagem sobre Imagem de Impressões de Viagem

1 comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, São Paulo em Trovas

Trova XXVII

Deixe um comentário

23 de junho de 2009 · 23:56

Trova XXV

Deixe um comentário

20 de junho de 2009 · 22:32

Trova XXI

Deixe um comentário

14 de junho de 2009 · 21:30

Jussara C. Godinho (Rio Grande do Sul em Trovas)

Sou gaúcha de verdade
Verdadeira Rio-grandense
Eu prezo minha cidade
Digo mais: sou Caxiense

Vou te oferecer amigo
Um bom churrasco no espeto
E com orgulho te digo:
Faço Trova e até Soneto

Um bom churrasco no espeto
Para amigo saborear
Muita Trova e até Soneto
Só vendo pra acreditar!

Só vendo pra acreditar
gente boa de montão
Vim aqui te convidar
Pra tomar um chimarrão!

Vem tomar um chimarrão
Amigos e companheiros
Um forte aperto de mão
Sentimentos verdadeiros

Uma rosa tão pequena
Com perfume de jasmim
Cada pétala serena
Traz seu cheiro para mim.

Arranjei um namorado
Que era lindo, milionário.
O safado era casado,
Um tremendo salafrário.

Está sempre de pileque
Cambaleando pela rua
Quero te dizer moleque
Troca o gole por charrua.

Vinho e uva de montão
Morro abaixo, morro acima
Não estranhe, amigo, não
É a festa da vindima
(Menção Honrosa no I jogos Florais de Caxias do Sul, tema Vindima – 2008)

Esta escola é tão querida
Sempre muito organizada,
Que alegria nesta vida
Ensinar a meninada!

O coração da mulher
É recheado de intuição
E sabe sempre o que quer,
Pois ela é pura emoção.
————

Fontes:
Jú Virginiana
Para Ler e Pensar

Imagem = José Feldman

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Rio Grande do Sul

Balaios de Trovas VI

O céu deve estar cheinho
de madrinhas, mães e avós…
– Têm lá, em dobro, o carinho
com que cuidaram de nós!
A. A. de Assis – PR

Tem visita que aconchega,
tem outra que não me atrai;
não empolga quando chega…
mas alegra quando sai!
Ademar Macedo – RN

Num clima emocionante
do mar na arrebentação
o teu beijo cativante,
viajou no meu coração.
Agostinho Rodrigues

“Via de regra” – essa é boa! –
não é uma regra geral;
é a via por onde escoa
certo incômodo mensal…
Antônio da Serra – PR

Quando o peixeiro passava
com sua noiva faceira,
a vizinha comentava:
– Vai ter piranha na feira…
Antonio Juraci

Chegar mais cedo é proeza
que assusta muito marido,
pois quem chega de surpresa
costuma ser surpreendido!
Arlindo Tadeu Hagen – MG

Da singeleza eu me ufano,
da minha rua escondida,
que tem mais calor humano
que a mais central avenida.
Conceição de Assis – MG

Quando o chão foge dos pés,
(seu amor é minha rima…),
feliz, vejo no convés,
o Vapor trazendo estima.
Dáguima Verônica

Escrevem tanta besteira!
Parem com isso, de vez!
Pois quem des…fralda bandeira
de… frauda o bom português!…
Diamantino Ferreira – RJ

Embora sendo poeta,
foi com você que aprendi,
Isadora, minha neta,
que Amor começa com I.
Eliana Palma – PR

Pouco importa que tu venhas
apressado, em teu fulgor,
pois trazes contigo as senhas
para os feitiços do amor!
Elisabeth Souza Cruz – RJ

Na roça não se complica
a higiene rotineira:
começa na velha bica
e um gamelão é banheira!
Fernando Vasconcelos – PR

No avarandado da casa,
que a rodeia feito abraço,
quanta vez, o corpo em brasa,
tornamos pequeno o espaço!…
Flávio Stefani – RS

Deus, em toda a sua glória,
com tanta grandeza e brilho,
pra completar sua história,
quis ter mãe e quis ser filho!
Gislaine Canales – PR

O forte nó da saudade
amarra o tempo num laço,
e aprisiona a mocidade
nas trovas de amor que eu faço.
Héron Patrício – SP

Alvo da própria pirraça,
o Zé caiu do cavalo;
em vez de ganhar a taça,
na testa ganhou um galo.
Istela Marina – PR

Numa espera doce e mansa,
qual zelosa tecelã,
bordo rendas de esperança
pra enfeitar nosso amanhã!
Jeanette De Cnop – PR

Leve a vida sem queixume,
plante amor por onde andar:
– Seja a fé o seu perfume.
– Seja a paz o seu altar!
Joamir Medeiros – RN

Deus me dê a boa sorte
de, na hora da partida,
ser esperado na morte
por quem me esperou na vida.
José Fabiano – MG

“Humildade” e “aceitação”,
sempre na exata “medida”,
são a melhor “solução”
para os percalços na vida.
José Ouverney

Embora o dia me açoite
com seus barulhos brutais,
lá no silêncio da noite…
a solidão bate mais!
Maria Madalena Ferreira – RJ

A saudade é um bem guardado
que nos volta, de repente,
num presente do passado,
quando o passado é presente.
Maria Nascimento – RJ

A criança tem direito:
lar, carinho e educação
pra conduzir com respeito
o futuro da nação.
Neiva Fernandes –- RJ

Por vaidosa a tartaruga
olha no espelho e faz planos
de remover uma ruga
surgida aos 200 anos!
Pedro Ornellas – SP

Na minha dúvida atroz,
pra evitar vexame e enrosco,
não direi “arroz com noz”,
direi sempre “arroz conosco”…
Osvaldo Reis – PR

Posso reclamar de tudo…
Direito que me convém!
Mais fico todo “sisudo”
quando reclamas também.
Roberto Pinheiro Acruche -RJ

Ao que pede, à tua porta,
dá, também, tua afeição!
Um pouco de amor conforta
mais que um pedaço de pão!
Rodolpho Abbud – RJ

Mil calçados! Ser multípede
que até me dá cefaleia!
Casei-me com uma bípede…
Vivo com uma centopeia!!!
Roza de Oliveira – PR

Tive um trabalho danado
com a vaca hoje cedinho:
não deu leite empacotado
nem quis sentar no banquinho…
Ruth Farah Lutterback – RJ

A vida, em sua beleza,
deu-me tantas emoções,
que, mesmo ao sentir tristeza,
há doces recordações.
Vanda Alves da Silva – PR

Se, sendo mãe, a mulher
diviniza os seus anseios,
mais nobre ainda é quem quer
ser mãe de filhos alheios.
Vanda F. de Queiroz – PR

Dos meus tempos de experiência,
na vida, trânsito e estrada,
deixo aqui uma advertência:
respeito… não custa nada!
Vânia Ennes – PR

Toda virtude e ternura
é conteúdo do bem.
Leve a vida com doçura,
não faça mal a ninguém.
Vidal Idony Stockler – PR

Canto meu canto de amor,
canto meu canto de paz!
– é próprio do trovador
pôr no verso o que lhe apraz…
Zenaide Marcal – CE
——————

Fontes:
ACRUCHE, Roberto Pinheiro. Trovas e Poemas – n.2 – abril 2009
ASSIS, Antonio A. de. Revista Mensal Trovia – ano 10 – n.113 – maio 2009.

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas

Balaios de Trovas de Famosos

Entre os suspiros dos vento,
da noite ao mole frescor,
quero viver um momento,
morrer contigo de amor!
Álvares de Azevedo

Piloto que dás teu giro
montado em peixe de prata,
carrega este meu suspiro
e leva a quem me maltrata!
Carlos Drummond de Andrade

Dessa tão ferrenha mágoa
de querer vos esperar,
meus olhos me encheram d’água,
salgada como a do mar!
Emiliano Perneta

No mundo são as verdades
como as nossas esperanças;
as que vêm nas tempestades
vão-se após nas águas mansas…
Gonçalves de Magalhães

Deus move a nuvem e ordena
que baixe à terra; entretanto,
ela vem com tanta pena
que desce em forma de pranto.
Humberto de Campos

Ao nosso espírito ardente,
na avidez do bem sonhado,
nunca o passado é presente,
nunca o presente é passado.
Machado de Assis

Saudade, perfume triste,
de uma flor que não se vê;
culto que ainda persiste
num crente que já não crê!
Menotti del Picchia

Deixando a bola e a peteca,
com que inda há pouco brincavam,
por causa de uma boneca
duas meninas brigavam.
Olavo Bilac

O amor perturbou-me tanto,
que este combate deploro:
querendo chorar, eu canto;
querendo cantar, eu choro!
Osório Duque Estrada

Duas almas deves ter…
é um conselho dos mais sábios:
uma no fundo do ser,
outra boiando nos lábios.
Raul de Leoni

Amar é fazer o ninho
que duas almas contém;
ter medo de estar sozinho,
dizer com lágrimas: – Vem!
Tobias Barreto

Haverá queixa mais justa
que a do feliz que se queixa?
Ai, o bem que menos custa
custa a saudade que deixa!
Vicente de Carvalho
—————

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas

Balaio de Trovas V

Numa visita diária
a um coração em carência,
a saudade solidária
tenta suprir tua ausência…
ÉLBEA PRISCILA DE S. E SILVA
Caçapava-SP

Zumbindo sobre as corolas,
de delicada beleza,
os insetos são violas
na orquestra da Natureza!
ANGÉLICA VILLELA SANTOS
Taubaté-SP

Sem alegria no rosto,
mas para espantar o pranto,
tento esquecer meu desgosto
cantando, triste, mas canto.
ARGEMIRA F. MARCONDES
Taubaté-SP

É sina dos trovadores,
no mundo tão incomum,
falar de tantos amores,
às vezes sem ter nenhum.
CARLOS ALVES CABRAL
Pindamonhangaba-SP

Falamos muito de paz
mas, às vezes, esquecemos
que todo bem que ela traz
é todo o bem que fazemos.
JUDITE DE OLIVEIRA
Taubaté-SP

A natureza se enflora
e eu vivo um contraste assim:
é primavera lá fora
e inverno dentro de mim…
OSCAR DIAS SOARES
Taubaté-SP

Toda a noite, quando saio,
vendo o céu luminescente,
sinto a paz que é como um raio
de luar dentro da gente.
MYRTHES MAZZA MAZIERO
São José dos Campos-SP

Folha em branco à minha frente,
inquisidora, calada,
como a esperar que eu invente
um verso, uma trova…e nada !
NÉLIO BESSANT
Pindamonhangaba-SP

Sou, nas praias dessa vida,
que o destino desprezou,
fugaz espuma esquecida
que o mar, na areia, deixou!
JOSÉ VALDEZ DE C. MOURA
Pindamonhangaba-SP

Sábio é quem, mesmo que falhe
nos caminhos que envereda,
corrige cada detalhe
para evitar outra queda.
MAURÍCIO CAVALHEIRO
Pindamonhangaba-SP

Deixando o orgulho de lado,
meu amor lhe declarei
e, por ter me declarado,
com mais orgulho fiquei.
PAULO TARCÍZIO MARCONDES
Pindamonhangaba-SP

Tangendo as tropas em sonho,
velho tropeiro: ar cansado…
– Este é o tropel mais tristonho
pelos sertões do passado!…
JOSÉ OUVERNEY
Pindamonhangaba-SP
———–

Fonte:
Boletim Literário da UBT de Tremembé/SP – Vale Trova – Ano I – n.3 – 15 nov 2008
Responsável: Luiz Antonio Cardoso

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas

Balaio de Trovas IV

Trovas inseridas em Letras de Músicas:

Fica comigo esta noite
e não te arrependerás…
Lá fora o frio é um açoite,
calor aqui tu terás!
Adelino Moreira

Eu nasci naquela serra,
num ranchinho à beira-chão,
todo cheio de buraco,
onde a lua faz clarão…
Angelino de Oliveira

Serenô, eu caio, eu caio;
serenô, deixa cair…
serenô da madrugada
não deixou meu bem dormir…
Antônio Almeida

O teu nome principia
na palma da minha mão,
e cabe bem direitinho
dentro do meu coração!
Ary Barroso

Não me dou com terra roxa,
com a seca larga pó…
Na baixada do areião,
eu sinto um prazer maió!
Athos Campos e Serrinha

Com a filha de João
Antônio ia se casar,
mas Pedro fugiu com a noiva
na hora de ir pro altar…
Benedito Lacerda

A gente apenas repete
tudo o que escuta e que vê.
Oi, gente grande, eu queria
ser igualzinho a você!
Billy Blanco

Por entre fotos e nomes,
sem livros e sem fuzil;
sem fome, sem telefone,
no coração do Brasil…
Caetano Veloso

Estava à toa na vida,
o meu amor me chamou
pra ver a banda passar
cantando coisas de amor…
Chico Buarque de Holanda

Minha voz enternecida
já dourou os teus brasões
na expressão mais comovida
das mais ardentes canções..
Davi Nasser

Segredos de um caminhão,
fronteiras por desvendar…
Não diga que eu me perdi,
não mande me procurar!
Dominguinhos e Manduka

Peguei um Ita no Norte
pra vim pro Rio morá…
Adeus, meu pai, minha mãe;
adeus, Belém do Pará!
Dorival Caymi

Dentre as manias que eu tenho,
uma é gostar de você.
Mania é coisa que a gente
tem mas não sabe por quê…
Flávio Cavalcante

Prepare o seu coração
pras coisas que eu vou contar.
Eu venho lá do sertão,
e posso não lhe agradar…
Geraldo Vandré

Minha mãezinha querida,
mãezinha do coração,
te adorarei toda a vida
com uma grande emoção!
Getúlio Macedo

As moças de Vila Bela
não têm mais ocupação
e só vivem na janela
namorando Lampião…
Hervê Cordovil

Só nós dois é que sabemos
quanto nos queremos bem…
Só nós dois é que sabemos,
só nós dois e mais ninguém!
Joaquim T. Pimentel

Minha casa, que tem tudo,
tanta coisa de valor,
minha casa não tem nada;
vive só, sem teu amor!
Joubert de Carvalho

Na alameda da poesia,
chora rimas o luar…
Madrugada… e Ana Maria
sonha sonhos cor do mar…
Juca Chaves

Este é o exemplo que damos
aos jovens recém-casados:
que é melhor se brigar juntos
do que chorar separados!
Lupicínio Rodrigues

Quando estou nos braços teus,
sinto o mundo bocejar…
Quando estás nos braços meus,
sinto a vida descansar!
Luiz Vieira

O nosso amor traduzia
felicidade, afeição,
suprema glória que um dia
tive ao alcance da mão!
Mário Rossi

Depois da curva da estrada
tem um pé de araçá…
Sinto vir água nos olhos
toda vez que passo lá!
Renato Teixeira

Não preciso nem dizer
tudo isto que lhe digo,
mas é muito bom saber
que você é meu amigo.
Roberto e Erasmo Carlos

Muita gente cai à toa,
outros caem com razão…
A saudade é uma garoa
caindo no coração.
Roberto Martins

Olho o sol findando lento,
sonho o sonho de um adulto:
minha voz na voz do vento
indo em busca do teu vulto…
Sérgio Bittencourt

Eis aqui este sambinha
feito de uma nota só…
Outras notas vão entrar,
mas a base é uma só…
Tom Jobim

Tomara que chova logo,
tomara, meu Deus, tomara…
Só deixo o meu cariri
no último pau-de-arara!
Venâncio Curumbá

Esta porta não se fecha,
tem o emblema de uma cruz.
Contra ela não há queixa:
são os braços de Jesus!
Vicente Celestino

Um velho calção de banho,
o dia pra vadear…
Um mar que não tem tamanho
e um arco-íris no ar!
Vinícius de Moraes
——

Fonte:
VICTOR, Agenir Leonardo. A Trova: o canto do povo. Maringá: Fac. Maringá, 2003.

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas, Trovas

Balaio de Trovas IV

No presépio, um quadro lindo:
a jovem mãe e a criança.
– Era a ternura sorrindo,
amamentando a esperança!
A. A. de Assis – PR
Fiz trovas para vencer,
mas já me dei por vencido.
Ganhar… é saber perder,
sem merecer ter perdido!
Ademar Macedo – RN

Paquerador, mas casado,
da aliança faz segredo.
Sai por aí, o safado,
com um bandeide no dedo…
Adilson de Paula – PR

Meu pai, muito te agradeço
por tudo que me ensinaste;
não existe nenhum preço
pelo tanto que me amaste.
Agostinho Rodrigues – RJ

Neste Natal eu vou pôr
minha boca na janela
para você, por favor,
deixar o seu beijo nela…
Antônio Roberto Fernandes

Os poetas sempre estão
trazendo alegria à terra.
Cada verso é uma oração,
cada rima um sonho encerra!
Arlene Lima – PR

O mar, de língua sonora,
sabe o presente e o passado.
Canta o que é meu, vai-se embora,
que o resto é pouco e apagado.
Cecília Meireles

Quanto esta vida seria
difícil de suportar,
se não fosse essa mania
que a gente tem de sonhar!
Carolina Azevedo Castro

Todos os picos da serra,
nos Andes, nos Pirineus,
são dedos grandes da terra
mostrando a casa de Deus!
Célio Grünewald

Natal… repicam os sinos…
banha-se o mundo de luz…
Há nos lábios dos meninos
o sorriso de Jesus!
Colbert Rangel Coelho

Creio, pensando em Jesus
e em São Francisco também,
que existe um arco de luz
ligando Assis a Belém!
David de Araújo

Minha toalha de banho
encontra a tua, na corda,
e, no vento, é tanto assanho,
que em pouco tempo uma engorda…
Flavio Stefani – RS

Eu tenho te amado tanto,
com tão intensa paixão,
que muitas vezes me espanto
de ter um só coração!
Galdino Andrade

– Esse biquíni agarrado…
Meu bem, o que aconteceu?
– Foi na água que, molhado,
rapidinho se encolheu…
Gasparini Filho – SP

Um mundo melhor… queria,
para deixar aos meus netos,
onde imperasse a alegria
numa transfusão de afetos!
Gislaine Canales – SC

Vendo a perua chegar,
pergunta logo a vizinha:
– Querida, que vai tomar?
– Seu marido, queridinha…
Istela Marina Lima – PR

Pior que não ver estrelas
sobre os caminhos que eu trilho
é olhar para o céu e vê-las,
mas não enxergar seu brilho…
Izo Goldman – SP

Se sofres, poeta, canta,
que essa cantiga, aonde for,
consola, embala, acalanta,
quem vive pobre de amor!
Jeanette De Cnop – PR

A morena, quando passa,
no molejo das cadeiras,
deixa nos olhos a graça;
no pensamento, besteiras!…
J. J. Germano – RJ

Para os jovens, de ordinário,
este é um problema somenos:
o velho, no aniversário,
comemora um ano a menos…
José Fabiano – MG

Uma chave carregamos,
porta de um mundo melhor,
entretanto não largamos
a muleta de um pior.
José Feldman – PR

Ante as sandálias furadas
que entre cascalhos gastei,
não culpo o chão das estradas,
culpo os maus passos que dei.
José Maria M. de Araújo

Tudo que é vivo precisa
de carinho e de afeição;
sempre foi minha divisa
aprender essa lição.
José Marins – PR

Com seu jeitinho de santa,
no mesmo olhar ela oferta
a timidez que me encanta
e a audácia que desconcerta!
José Ouverney – SP

O amor que se oferta a Deus
é essência da caridade.
E o cuidado aos filhos seus
chama-se fraternidade.
Lairton T. Andrade – PR

Procurei por Deus em tudo
pra ter, de novo, esperança;
achei-O, após grande estudo,
… num meigo olhar de criança.
Lóla Prata – SP

Quisera que o mundo visse
meu ar de felicidade
assim que você me disse:
“Namoro” – e não: “Amizade”.
Luiz Hélio Friedrich – PR

Quanto mais festa e mais luz
nesses Natais de salões,
mais nós sentimos Jesus
ausente dos corações!
Luiz Otávio

Tirei da gaveta o sonho,
limpei o mofo, espanei;
revi meu viver bisonho
e, afinal, recomecei.
Nádia Huguenin – SC

Preguiça é grande pecado!,
diz minha sábia vizinha.
– Vem “preguiçar” ao meu lado,
assim não peco sozinha…
Neiva Pavesi – SP

E’ Deus que forja o destino,
distribuindo talento.
O poeta é só um menino
soltando letras – ao vento…
Newton Meyer

Nas capelas, a candura
das esposas, nas novenas.
Fora delas, a aventura
dos maridos “noutras” cenas…
Olga Agulhon – PR

A amizade Deus criou
naquele exato momento,
quando estrelas semeou
nas trevas do firmamento!
Roza de Oliveira – PR

Passado? Foi num repente.
Futuro – não descortino…
Melhor viver o presente,
que ele é um presente divino!
Rose Mari Assumpção – PR

Revezam-se em nossas rotas
sombra e luz, contras e prós,
e as vitórias e derrotas
começam dentro de nós…
Vanda F. Queiroz – PR

O sabiá de peito roxo,
passarinho cantador…
Seus gorjeios sem muxoxo
são melodias de amor!
Vidal Idony Stockler – PR

Velha rendeira sofrida!…
A malha viva em teu rosto
é amarga renda que a vida
teceu, desgosto a desgosto.
Waldir Neves
———————–

Fonte:
TROVIA – Revista Virtual Mensal – ano 10 – n.110 – dezembro de 2008
Esta é uma revista mensal de trovas realizada em Maringá/PR, distribuída virtualmente por seu coordernador, o trovador, poeta e haicaista Antonio A. de Assis.

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas

Balaios de Trovas III

O Amor para ser gostoso,
jamais deve ser pamonha.
Tem de ser escandaloso,
cego, surdo e sem-vergonha!
A.A. de Assis

Prece que veio agora,
por um milagre de Deus,
o suave encontro da aurora
no brilho dos olhos teus!
Admerval Silva de Souza

Felicidade constante
na vida, consiste bem
em a gente achar bastante
o pouquinho que se tem.
A. G. Ramos Jubé

Feliz quem vai pela vida
tão suave e docemente,
como a flor adormecida,
levada pela corrente…
Aires de Montalbo

Já repararam que o rio,
quando vai a caminhar,
é nas pedras do caminho
que mais parece cantar.
Albercyr Camargo

Velhice não é doença,
todos sabem muito bem.
Porém, quanto mais descrença,
mais depressa ela nos vem…
Alberto Lima

No mundo nada terás,
se não socorres alguém.
Ajuda, espera, e verás
como é bom fazer o bem!
Almeida Corrêa

Para matar as saudades
fui ver-te em ânsias, correndo.
E eu que fui matar saudades
Vim de saudades morrendo.
Adelmar Tavares

Minha sogra é mesmo o fim.
Eu digo e tenho vergonha:
duvida tanto de mim
que acredita na cegonha.
Antonio Carlos Pinto

O Homem sempre há de penar
nas mãos da mulher que amou:
antes por querer casar,
e, depois porque casou.
Antônio Zoppi

Se Deus atendesse, um dia,
minha prece ingênua e doce,
quem fosse mãe não morria,
por mais velhinha que fosse.
Arquimimo Japajesse

Debaixo da nossa cama
que tu deixaste vazia,
o meu chinelo reclama
o teu chinelo, Maria
Assis Murad

Mergulha o sol no poente
qual se fosse enorme flor
que, depois de dar semente,
perde o perfume e a cor…
Astolfo Rezende

O tempo ao Amor não mata.
É disto a prova fiel
as nossas Bodas de Prata
em plena Lua de Mel.
Carlos Guimarães

O tempo ao amor não mata.
É disto a prova fiel
as nossas Bodas de Prata
em plena Lua de Mel.
Carlos Guimarães.

Cultiva a amizade, insiste,
põe nela o fervor maior,
pois cada amigo que existe
faz nosso mundo melhor.
Cleonice Rainho

Enxuta! Que Maravilha!
Enxuta como ela só,
quando amamentava a filha
só saía leite em pó.
Colbert R. Coelho

Eu vou aqui na beirada,
Ela ao lado da janela.
Graças às curvas da estrada,
Vou sentindo as curvas dela.
Colbert R. Coelho

Quando a mulher do vizinho
cruza contigo na rua,
diz o diabo baixinho:
“esta é melhor do que a tua!”
Durval Mendonça

Entrei nas lojas da vida,
quis comprar felicidade.
– Fui roubado na medida,
no preço e na qualidade.
Durval Mendonça

Não cobices a mulher
do próximo, nunca mais!
Especialmente se o próximo
está próximo demais…
Eno Theodoro

A mulher no aniversário,
sempre deseja que a gente
se esqueça do seu passado,
mas nunca do seu presente.
Eno Theodoro

É um perigo essa gente
que vive sempre a dizer,
não o que viu, mas somente
aquilo que julgou ver.
Guimarães Barreto

Na vida há céus constelados
e cardos pelos caminhos.
E há poetas deslumbrados
pondo estrelas nos espinhos.
Iracy Nascimento

Felicidade consiste
num contraste extraordinário:
esperar tudo que é triste
e acontecer o contrário.
Lamartine Babo

Quer ser feliz? Então siga
a minha vida bizarra
que tem muito de formiga
e ainda mais de cigarra.
Luiz Otávio

Distraída, distraída,
é a mulher do Januário,
ouve à porta uma batida,
tranca o marido no armário.
Magdalena Léa

Toda Mulher que é gorducha,
tem um recurso só seu,
ao vestir-se grita: “puxa
como esse troço encolheu!!”
Magdalena Léa

Embora sem alegria
vou cantando nos caminhos
foi essa a filosofia
que aprendi com os passarinhos.
Magdalena Léa

Foi tão engraçada a piada
que a dentadura da Zinha
em tremenda gargalhada,
caiu no chão rindo sozinha.
Magdalena Léa

A rua mais esquisita,
a mais escura viela,
fica uma rua bonita
se as crianças brincam nela.
Mariano Vicente

Quem recusa um elogio,
dizendo não merecê-lo,
no fundo sente um desejo
de outra vez mais recebê-lo!
Marivaldo Facca

Coração não tem idade…
Tolice de quem o diz.
– O coração envelhece
quando se sente infeliz.
Mercês Maria Moreira Lopes

Naquele jardim da praça,
quando passas, tão formosa,
é tamanha a tua graça,
que tira a graça da rosa!
Moacyr Pereira

Ternura, meiguice, amor,
e tantas rosas na estrada,
livres de espinhos e dor…
– Sonhar não nos custa nada!
Monteiro Viana

A mulher, ou por vaidade,
ou por ser demais esperta,
depois de uma certa idade,
não tem mais idade certa.
Nero Sena

Amizade é um vaso de flor
que precisa de cuidado, carinho,
de terra, da água e do amor
e se guardar num lindo antinho.
Ondina de Aquino Carrilho Cruz

As suas cartas, senhora,
releio-as de quando em vez.
Mas nelas só vejo agora
os erros de português…
Paulo Emílio Pinto

No homem a malícia é tanta
que, bonita ou mesmo feia,
a mulher que mais o encanta
é sempre a mulher alheia.
Peri Ogilve Rocha

O eletricista Zé Roque,
que só na Light produz
levou um tremendo choque
quando a mulher deu à luz.
Rangel Coelho

Etérea, fluida, de gaze,
corpo volátil de essência,
sua presença era quase
como se fora uma ausência.
Rangel Coelho
======================

Fonte:
A Hora da Trova. http://www.velhosamigos.com.br/
1-6,39

Deixe um comentário

Arquivado em Balaio de Trovas