Arquivo da categoria: cavalgada de poemas

Pam Orbacam (Cavalgada de Poemas)

ACIDEZ

Verdade cítrica
Saliva a boca
Num prazer agro.
Sorriso oculto
Nos olhos críticos
Do que profere.
Não é um teste
É tão somente
O deleite que dói
O que equilibra
Ou desequilibra,
O que confirma
Que fato e medo
São insolúveis.

ANALOGIA

Onde o sol jaz
E as palavras se dissimulam
Não há calor.
O juízo trepida
O olho entorpece
E a carcaça teima posicionar-se na vertical.

Onde a lua reverencia o escuro que a cerca
E as estrelas são velas caravelas
Que navegam sem discernimento
O frio abraça doce.
E eu amo.

Penso que estou
Imagino que sou
Porque se fosse
Jamais amaria
Por isso a certeza voraz que
Tudo não passa de falsa identidade.

APELO

Vinhas
Rosa e quente
Úmida e latente.
Vias
Entre cílios e pupilas
Saliva e lágrima.
O cálice seco,
A vulva molhada.
Hálito de vinho
Sussurrava
Apelo.

BORBOLETARIA

Se hoje minha vida secasse
E se ninguém se importasse
No dia seguinte eu borboletaria.
Faria vibrar o ar com minhas asas
E viveria apenas alguns dias.
Beijaria tenras flores,
Assistiria o mundo lá de cima
Desceria somente quando a fadiga chegasse…
E se, o cansaço fosse exorbitante
De tal forma que eu não conseguisse mais voar
Aí então eu mais uma vez eu morreria.
Sob a luz das estrelas, eu secaria.
E de fato ninguém perceberia
Porque ninguém se preocupa com as borboletas
Apenas cobiçam a sua liberdade.
Por isso eu borboletaria.

CASULO

Viver em silêncio. Doce silêncio.
Ruído nenhum. Nem luz, nem sombra.
Só a brisa do tempo.
Olhos fechados, assim como o corpo.
Silêncio sem movimento.
Sem fome, sem sede. Sem ninguém que abale meu terno silêncio.
Doce silêncio, doce sono, só sonhos…
Sonhos de um sono só.
Sozinha em minha cama, eu: pós lagarta, pré borboleta.

CHUVA

Chove.
Eu olho para o céu
Pescoço em seta
E não vejo de onde ela vem.
Brota no ar a chuva
Ou esconde sua nascente?
Molha ela meus olhos
Para que eu não a veja surgir?
Lacrimeja o céu em meus olhos
E me cega para sua raiz.

LABIRINTO

Luz e sombra… Encanta e cega.
Labirinto com espelhos.
Desnorteia…
Luz que não se apaga,
Sombra que abala o chão.
Calor e frio:
Quando quente, acolhe,
Quando frio, aparta.
Multidão e solidão.
Dia e noite.
De dia exposto
De noite, fetal.
Na multidão, acessível
Na solidão, comprimido.
O dia não existe,
Á noite é o parto.
Da nascente
Do sono profundo.
Encanto e desencanto
Lembrança e saudade
Amargura e doçura
Que assassina e ressuscita.
Ódio intenso sem tamanho.
Carinho imenso sem medida.
Audaciosa carência escondida
Em envelope sem destino.
Labirinto sem saída…
Caminho com curvas, muralhas,
Espelhos que iludem
A inexistente saída.
Voz que ordena,
Mãos que oferecem
Tortura e afago.
Boca que cala,
Olho que fala…
Eco no labirinto que
Enlouquece os sentidos.

LUZ

O cheiro e a umidade deixaram saudades.
O cheiro e a umidade agora se foram
E o rosa tão rosa das rosas agora é pálido
Como um anêmico crônico na ânsia por sangue fresco e quente,
Embora as borboletas nadem com sincronicidade no ar,
Embora as estrelas continuem a iluminar o céu,
Mesmo que mortas, mesmo que mortas.

O BEIJO

Basta.
Um toque úmido
É o beijo que aquece e
Em instantes morre.
Gela e seca a boca.

Diz adeus ao frio que corre
Dentro do peito,durante o beijo.
Diz adeus quando se acaba.
E o calor vai embora,
E a saliva evapora.
Um segundo na lembrança
Que se transforma em horas.

Ele basta,
É vida e morte,
Ressuscita e assassina,
Encontra e perde,
Aquece e gela,
Molha, seca,
Porém basta,
Por si só,
O momento do beijo.

O POETA

O poeta segurou minhas mãos
Abriu meus olhos
Espremeu meu coração.
O poeta secou minhas lágrimas
Molhou meu sexo
destrancou meu pensamento.
O poeta sugou meus olhos
Bebeu meu coração
Comeu minha alma.
O poeta assassinou
para fazer ressuscitar.

TRANCAS

Porque a porta
É o horizonte obsessivo
E o café coado
Ferrão da boca amante
Secreções
Sentidos semi-serrados
Onde se perdem as chaves
E o café cheira queimado.

Fontes:
http://4.bp.blogspot.com/_LeZahUxRZc4/TBzjX9nSGDI/AAAAAAAABrQ/MLGvzCDM3oc/s1600/PAM3.jpg
http://www.blocosonline.com.br/literatura/poesia/obrasdigitais/saciedigpv/06/pamorbacam03.php#borboletaria

Deixe um comentário

Arquivado em cavalgada de poemas, Estado de São Paulo, Santo André