Arquivo da categoria: Classificação

VIII Jogos Florais de Cambuci – 2013 (Vencedores)

ÂMBITO REGIONAL

TEMA: SORTE


Celso Luiz Fernandes Chaves Cambuci-RJ

Dejalma Matola Miranda- Cambuci-RJ

Dinah Terra Peixoto-Cambuci-RJ

Ducila Guerrante Gomes-Cambuci-RJ

Elizeu Macieira-Cambuci-RJ

Éstia Batista Lima-Cambuci–RJ

Francisca Isabel Almeida-Cambuci-RJ

Francisco Carlos Vellasco-Cambuci-RJ

Iraci Pietrani – São Sebastião do Alto

Iramar Meireles Gonçalves-Cambuci-RJ

José Carlos Queiroz Conceição-São Sebastião do Alto-RJ

José Moreira  Sobrinho-São Fidélis-RJ

Maria Luiza Peres Campos-RJ

Mª  Stella Gomes Moreira-Cambuci-RJ

Sônia Santos Paulino-Cambuci-RJ

ÂMBITOS INTERNACIONAL  E NACIONAL

TEMA  LIVRE.

A.A. de Assis – Maringá – PR

Antônio José Barradas Barroso-Parede – Portugal

Djalda Winter Santos-Rio de Janeiro-RJ

Dodora Galinari- Belo Horizonte-MG

Gilvan Carneiro da Silva-São Gonçalo-RJ

Jessé Fernandes do Nascimento-Angra dos Reis-RJ

J B Xavier – São Paulo -SP

Joana D’ arc da Veiga – Nova Friburgo-RJ

Maria Madalena Ferreira-Magé-RJ

Maria Stella Gomes Moreira-Cambuci-RJ

Marisa Mendonça Pinheiro-São Gonçalo-RJ

Messias da Rocha – Juiz de Fora-MG

Milton Souza – Porto Alegre-RS

Pedro Mello – São Paulo – SP

Renata Paccola – São Paulo – SP

Renato Alves – Rio de Janeiro-RJ

Wanderlei Rodrigues Moreira Santos-Santos – RJ

Fontes:
A. A. de Assis
Imagem = formatação : José Feldman

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, concurso de trovas

XI Prêmio Literário Livraria Asabeça (Resultado Final)

VENCEDOR – CONTOS

Marcondes Araujo Campos
Obra: Piolhos de Cobra
Feira de Santana / BA

Obras Pré-selecionadas / Menção Honrosa – Contos

Amanda D’Andréa Lowenhaupt Guimarães
Obra: Retratos
Pelotas / RS

Carlos Bruni Fernandes
Obra: Cinderela Desajustada
São Paulo / SP

Douglas Tavares de Araújo
Obra: Contos Fantásticos
São Paulo / SP

Fabricio Bueno Borges dos Santos
Obra: Contos Insólitos
Chapecó / SC

Fernanda Cupolillo Maina de Faria
Obra: Mínimos Mares
Niterói / RJ

Gabriela Lovato Seli
Obra: O Jogo
Franca / SP

Gustavo Fontes Rodrigues
Obra: Devaneios
São Paulo / SP

Jenny Alexandra Rugeroni
Obra: Um Passo no Escuro
São João da Boa Vista / SP

José Angelo Potiens
Obra: O Homem que Procurava o Ibirapuera e outras histórias
São Paulo / SP

Maria Edy-Lamar Gonçalves de Oliveira
Obra: Cantos de Todas as Águas
Belém / PA

Pollyana Correia Lima
Obra: Lápis, caderno e mochila
Uibaí / BA

VENCEDORA – POESIAS

Aglaé Torres Cristofaro
Obra: DDI – Discagem Direta do Inconsciente – Pensamentos Ilógicos
São Paulo / SP

Obras Pré-selecionadas / Menção Honrosa – Poesias

Alexandre Dias Paza
Obra: A Velha Poesia Novinha em Folha
Guarulhos/SP

Alexandre Márcio da Silva Gouveia
Obra: Àmor-Romá – Proles do Espaço
Itapecerica da Serra/SP

Alexandre Rodrigues da Costa
Obra: Bela Lugosi no Ateliê de Kandinsky
Belo Horizonte/MG

André Luiz dos Santos Gandra
Obra: Urbanóias (e outras modernidades)
Santo André/SP

André Luíz Soares
Obra: Palavras de Sal e Sol
Guarapari/ES

Dalva Agne Lynch
Obra: Nos Jardins Sagrados
São Paulo/SP

Diulinda Garcia de Medeiros Silva
Obra: Através da Vidraça
Natal/RN

Erica da Costa Boia
Obra: Interior
Rio de Janeiro/RJ

Flávia Drummond Naves
Obra: Florárvore no Jardim da Solidão
Belo Horizonte/MG

Flávio Rubens Machado de Queiroz
Obra: Provisórios
Obra: Cabo Frio/RJ

Hideraldo Montenegro
Obra: Flores de Maio
Jaboatão dos Guararapes/PE

Jacqueline Lopes Salgado Soares
Obra: Manual da Metrópole
Belo Horizonte/MG

Jaqueson Luiz da Silva
Obra: Na Velocidade do Pó
Campinas/SP

José Carlos Mendes Brandão
Obra: Relíquias
Bauru/SP

Kleiton Gonçalves Bezerra Alves
Obra: Invenção Noturna
Picos/PI

Luiz Fernando da Fonseca Selistre 
Obra: Breviário
Porto Alegre/RS

Marcelo Gonçalves Silva Torres
Obra: Vertigem de Telhados
São Bernardo do Campo/SP

Margareth Izilda Fiorini
Obra: Simplesmente Mulheres
Joinville/SC

Maria Helena Lopes Latini
Obra: Múltiplo Um
Niterói/RJ

Ramon Luiz Braga Dias Moreira
Obra: Kala
Belo Horizonte/MG

Roberto Nonato de Oliveira Lima
Obra: Contradição
Barbacena/MG

Rogerio Luz
Obra: As Palavras
Rio de Janeiro/RJ

Tanussi Cardoso
Obra: Eu e Outras Consequências
Rio de Janeiro/RJ

Tatiana Oliveira Druck
Obra: Antes Arte do Que Nunca
Porto Alegre/RS

Tiago Butarelli Lima
Obra: Folhas do Mato
Campo Grande/MS

Vinícius Bovo de Albuquerque Cabral
Obra: Outras Tardes Nessa Taça
Vilhena/RO

Fonte:

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Concurso Literário

Jogos Florais de Cantagalo 2012 (Classificaçaõ Final – Âmbito Nacional)

ÂMBITO NACIONAL:

TEMA: ESPAÇO

01
No ocaso de minha vida,
se antigos sonhos refaço,
vem a saudade e, atrevida,
quer ocupar todo o espaço!
THEREZINHA DIEGUEZ BRISOLA (São Paulo/SP)

02
Neste planeta avarento,
onde o “ter” é o ditador,
que triste é ver o cimento
roubar o espaço da flor!
ANTÔNIO AUGUSTO DE ASSIS (Maringá/PR)

03
Ao passar por mim, nem para…
sou a sombra de ninguém!
Que espaço enorme separa
meu amor de seu desdém!
WANDA DE PAULA MOURTHÉ (Belo Horizonte/MG)

04
Quando me deito e, no espaço
que foi teu, alguém se lança,
não é outra que eu abraço
senão a tua lembrança…
JOSÉ OUVERNEY (Pindamonhangaba/SP)

05
Por te amar tanto, é que a vida,
embora dure um segundo,
possui o espaço e a medida
das horas todas do mundo…!
MARA MELINNI DE ARAUJO GARCIA (Caicó/RN)

06
A maquiagem pesada,
diante do espelho, desfaço
e em minha cara lavada
rugas brigam por espaço…
ÉLBEA PRISCILA DE SOUZA E SILVA (Caçapava/SP)

07
Meu amor nunca se expande
por mais que eu queira e insista.
Não cabe um amor tão grande
no teu espaço egoísta!
RITA MOURÃO (Ribeirão Preto/SP)

08
Perdê-la foi uma pena…
E hoje dói ficar olhando
esta casa tão pequena,
com tanto espaço sobrando.
HEGEL PONTES (Juiz de Fora/MG)

09
Mandei a ilusão embora.
A saudade quis entrar.
Há tanto espaço lá fora,
mas ela insiste em ficar.
ZENI DE BARROS LANA (Belo Horizonte/MG)

10
Homem…! É afoito seu passo
e um paradoxo o consome:
– Rompe limites no Espaço,
enquanto a Terra… tem fome!
PEDRO MELLO (São Paulo/SP)

11
Um casebre na favela…
o espaço ganhou fulgor,
quando alguém pôs na janela
um simples vaso de flor!
VANDA FAGUNDES QUEIROZ (Curitiba/PR)
12
Se a inspiração vem chegando,
eu me vejo em pleno espaço,
vendo Deus metrificando
todos os versos que eu faço!
ADEMAR MACEDO (Natal/RN)

13
Ventre Materno… o espaço
da semente em gestação,
onde Deus fez Seu regaço
em amor à Criação!
MARIA DA CONCEIÇÃO FAGUNDES (Curitiba/PR)

14
Quem tem um amor fecundo,
semeado a cada passo…
Quando parte deste mundo,
deixa um “vazio” no espaço!…
ROBERTO TCHEPELENTYKY (São Paulo/SP)

15
O mais cruel beijo do mundo
demonstrou de forma ingrata,
que no espaço de um segundo
alguém trai, condena e mata.
WANDIRA FAGUNDES QUEIROZ (Curitiba/PR)

Fonte:
A.A. de Assis

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Jogos Florais, Trovas

IV Festival Aberto de Poesia Falada de São Fidélis (Finalistas)

Plásticos e Megabytes –
Geraldo Evangelista

A Praça –
Irene Trindade da Silva

Órfãos Mais Natos –
José Moreira Sobrinho

Revela-se –
José Carlos Melo Rison

Lua Nova –
Pedro Emílio de Almeida

Sintoma –
Maria Lucia Fernandes Rocha

Vidas Vazias –
Patrícia de Fátima Leonardo Vieira

Canção do Observante –
Jailton Rosa Serra

Poema Para Embalar Joana –
Pedro Emílio de Almeida

Iniciação –
Pedro Emílio de Almeida

Outras Cidades do País

À Brasileira –
Renata de Aragão Lopes – Juiz de Fora-MG

Soneto de Amor Partido –
Rodrigo Ornelas França – Salvador-BA

Vida Seca –
Luiz Antonio Barreto Pinto – Bom Jardim-RJ

A Pessoa –
Paulo Franco – Ribeirão Pires-SP

A Louca –
Geraldo Aguiar Ribeiro – Campos dos Goytacazes-RJ

Primeira Página –
Eder Rodrigues – Pouso Alegre-MG

Aquele Velho Navio –
Eder Rodrigues – Pouso Alegre-MG

Obra de Fé Sem Luto –
Eder Rodrigues – Pouso Alegre-MG

Fazenda –
Edelson Rodrigues Nascimento – Brasília-DF

Ecce Homo –
Benedito José de Almeida Falcão – Bauru-SP

Pacto de (IN) Fidelidade –
José Benedito de Almeida Falcão – Bauru-SP

Canção Para Ninar Meu Filho –
José Benedito de Almeida Falcão – Bauru-SP

A Arte de Tecer Poentes –
Luiz Alfredo Santos – Belo Horizonte-MG

Cecogramas –
Luiz Alfredo Santos – Belo Horizonte-MG

Construção –
Luiz Otávio Oliani – Rio de Janeiro-RJ

Poesia Contemporânea –
Lucas Jerzy Portela – Salvador-BA

A Vera Condenação do Eden –
Lucas Jerzy Portela – Salvador-BA

A Máscara no Espelho –
Paulo Franco – Ribeirão Pires-SP

Os Ventos –
Paulo Franco – Ribeirão Pires-SP

Rebelião das Palavras –
Shenaider Pereira Caixeta – Catalão-Goiás

Comissão de Seleção

Roberto Félix – Prof. De Literatura e História – Representante da Secretaria Municipal de Educação de São Fidélis
Lígia Sueth Assunção – Representante do Conselho Municipal de Cultura de São Fidélis
Ana Regina Soares Ribeiro – Profª. De Língua Portuguesa e Literatura
Lucia Helena – membro do Conselho Municipal de Educação de São Fidélis – representando a sociedade civil
Artur Gomes – poeta, ator, produtor cultural, vídeo maker

Fonte:
http://concursos-literarios.blogspot.com 

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Concurso de Poesias

Jogos Literários de Montargil 2012 (Classificação Final)

GRUPO DE PROMOÇÃO S.C.MONTARGIL

Tema: A ESCOLA

QUADRA


Foi por não ter ido à escola
com a atenção que é devida,
que ando, hoje, a pedir esmola
na outra escola : a da Vida.

João Baptista Coelho—S.Domingos de Rana
………………………………………………………………

Da escola tenho saudade
e do tempo que lá andei,
porque foi lá de verdade
qu’ a ser homem comecei.

Victor Manuel Capela Batista—Barreiro
………………………………………………………………….

Porque a escola me educou,
Porque a escola me instruiu,
Muito daquilo que sou
Foi na escola que floriu

Maria Ruth Brito Neto—Lisboa
………………………………………………………………………………

Minha Escola, minha amiga,
Tudo o que ensinaste outrora
É o elo que me liga
A tudo o que sou agora.

José António Palma Rodrigues—Ganilhos-Aljubarrota
……………………………………………………………………………….

Sempre bom em redação,
Escrevia cartas d’amor,
sucedeu haver meninas,
com queixas ao professor…

Júlio Siva Máximo Viegas—Queijas
………………………………………………………………………………

Dando cor ao universo
Desde a treva à luz suprema,
A escola, mais do que verso,
É, no seu todo um poema.

João Batista Coelho—S.Domingos de Rana
……………………………………………………………………………..

Com a escola fiz-me à vida
E a vida deu-me saber
Que a vida só é valida
Com um constante aprender.

Maria Ruth Brito Neto—Lisboa
………………………………………………………………………………….

Na minha Escola Primária
O ensino foi muito rico
Mas na Escola Secundária
Arranjei um namorico

Celeste Maria da Silva Avó Charneca—S.Miguel de Machede
………………………………………………………………………………..

Dos velhos tempos da escola
o que mais me apraz registar
É que levava na sacola
o importante pra trabalhar.

Miguel Mendes—Montargil
……………………………………………………………………………….
10º
Bata branca, lá ia eu
Prá escola, oh alegria!
Realizei sonho meu ,
Ensinar no dia a dia.

Isabel Maria dos Anjos Viegas—Carnaxide
……………………………………………………………………………..
1º do ALENTEJO,de MONTARGIL e da EBI

Miguel Mendes

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

CONTO CURTO


A ESCOLA DE E PARA A VIDA
Maria Albertina Guerra Dordio Caldeira Martins
PORTALEGRE
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::


REDACÇÃO-A MINHAESCOLA
Fernando Máximo
AVIS
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

ESCOLA PARA SEMPRE
João Manuel da Silva Rogaciano
ALVERCA
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

A FALTA DAS LETRAS
Vítor Manuel Capela Batista
BARREIRO
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

O SORRISO DA CÉLIA
Maria João Lopes
Gaspar  de Oliveira
COIMBRA
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

A ESCOLA QUE TEMOS
Maria Rita dos Santos Romão
LOURES
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Áásáá, Éééé, Iiiii, Óóóó, Uuuu!
Fernandino Lopes
AVIS
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

ESCOLAS
Fernando Máximo
AVIS
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

NA MINHA ESCOLA
Victor Manuel Capela Batista
BARREIRO
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::
10º
FELIZ O QUE RECORDA VELHOS TEMPOS
Júlio Silva Máximo Viegas
QUEIJAS
:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

1º ALENTEJO
Maria Albertina Guerra Dordio Caldeira Martins
PORTALEGRE

Obrigado a todos os participantes e parabéns aos premiados.

Atribuição dos prémios no Espetáculo “Pátio da Cultura” a Realizar na Casa do Povo de Montargil, dia 8 Setembro, pelas 15.30h.

Fonte:
Lino Mendes

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Concurso Literário, Quadras

XXXII Concurso da Academia de Trovas do Rio Grande do Norte (Classificação Final)

CONCURSO PARA SÓCIOS EFETIVOS

Tema LAGO:

1º lugar: José Lucas de Barros,
2º lugar: Mara Melinni de Araújo Garcia,
3º lugar: Ubiratan Queiroz de Oliveira,
4º lugar: Ademar Macedo;
5º lugar: Francisco Garcia de Araújo,
6º lugar: Manoel Cavalcante Souto de Castro,
7º lugar: Francisco Garcia de Araújo,
8º lugar: José Lucas de Barros,
9º lugar: Hélio Pedro de Souza,
10º lugar: Ademar Macedo,
11º lugar: Manoel Cavalcante S. de Castro
12º lugar: Ivaniso Galhardo,
13º lugar: Antônio Rodrigues Neto,
14º lugar: Severino Campelo,
15º lugar: Hélio Pedro de Souza.

COMISSÃO JULGADORA:
Lisete Johnson,
Alba Christina Campos Neto
Geraldo Nogueira

CONCURSO PARA SÓCIOS CORRESPONDENTES

Tema ILHA:

1º lugar: Arlindo Tadeu Hagen/MG
2º lugar: Wanda de Paula Mourthé/MG
3º lugar: Arlindo Tadeu Hagen/MG
4º lugar : Therezinha Brisolla/SP
5º lugar: A. A. de Assis/PR
6º lugar: Maria Madalena Ferreira/RJ
7º lugar: Maria Madalena Ferreira/RJ
8º lugar: A. A. de Assis/PR
9º lugar: Wanda de Paula Mourthé/MG
10º lugar: Gislaine Canalles/SC
11º lugar: Delcy Canalles/RS
12º lugar: Gislaine Canalles/SC
13º lugar: Wandira Fagundes Queiróz/PR
14º lugar: Delcy Canalles/RS
15º lugar: Wandira Fagundes Queiróz/PR

COMISSÃO JULGADORA:
Antonio Colavite/SP
Darly O. Barros/SP
Newton Vieira/SP.

CONCURSO DE ÂMBITO ESTADUAL
Tema MELODIA:

1º lugar: Manoel Cavalcante de Souza Castro,
2º lugar: Paulo Roberto da Silva,
3º lugar: José Lucas de Barros,
4º lugar: Hélio Pedro Souza,
5º lugar: Ademar Macedo,
6º lugar: Paulo Roberto da Silva,
7º lugar: Fabiano de Castro Magalhães Wanderley,
8º lugar: Hélio Pedro Souza,
9º lugar: Francisco Garcia de Araujo (Prof. Garcia),
10º lugar: Ivaniso Galhardo,
11º lugar: Antônio Rodrigues Neto,
12º lugar: Ivaniso Galhardo
13º lugar: Ademar Macedo,
14º lugar: Israel Maria dos Santos Segundo,
15º lugar: Severino Campêlo.

COMISSÃO JULGADORA
Edna Gallo
Maria Nelsi Sales Dias
Antônio Colavite Filho
Todos da UBT de SANTOS/SP.

CONCURSO DE ÂMBITO NACIONAL
Tema SOM:

1º lugar: José Valdez de Castro Moura/Pindamonhagaba/SP
2º lugar: Ercy Maria M. de Faria/Bauru/SP,
3º lugar: Adilson Maia/Niterói/RJ,
4º lugar: Darly O. Barros/são Paulo/SP,
5º lugar: Ercy Maria M. de Faria/Bauru/SP,
6º lugar: Therezinha Diegues Brisolla/São Paulo/SP,
7º lugar: Renato Alves/Rio de Janeiro/RJ,
8º lugar: Almerinda F. Liporage/Rio de Janeiro/RJ,
9º lugar: Darly O. Barros/são Paulo/SP,
10º lugar: Wanda de Paula Mourthé/Belo Horizonte/MG,
11º lugar: J. B. Xavier/São Paulo/SP,
12º lugar: Simão Elane Marques Rangel/Rio de Janeiro/RJ,
13º lugar: Domitilla Beltrame/São Paulo/SP,
14º lugar: Antônio Claret Marques/Guaxupé/MG,
15º lugar: Therezinha Diegues Brisolla/São Paulo/SP,

COMISSÃO JULGADORA:
Marcos Antônio Medeiros
Hélio Pedro de Souza
Hélio Alexandre S. Souza

CONCURSO DE ÂMBITO NACIONAL
Tema BARULHO(H):

1º lugar: Sandro Pereira Rebel/Niterói/RJ,
2º lugar: Therezinha Diegues Brisolla/São Paulo/SP,
3º lugar: José Ouverney/Pindamonhangaba/SP,
4º lugar: Edmar Japiassú Maia/Nova Friburgo/RJ,
5º lugar: Manoel Cavalcante de Souza Castro/P.Ferros/RN,
6º lugar: Giva da Rocha/São Paulo/SP,
7º lugar: Elen de Novais Félix/Niterói/RJ,
8º lugar: Sandro Pereira Rebel/Niterói/RJ,
9º lugar: A.A. de Assis/Maringá/PR,
10º lugar: Flávio Roberto Stefanii/Porto Alegre/RS,
11º lugar: Arlindo Tadeu Hagen/Belo Horizonte/MG,
12º lugar: Francisco José Pessoa/Fortaleza/CE,
13º lugar: Therezinha Tavares/Nova Friburgo/RJ,
14º lugar: Maria Madalena Ferreira/Magé/RJ,
15º lugar: Therezinha Tavares/Nova Friburgo/RJ,

COMISSÃO JULGADORA:
Francisco Garcia de Araújo (Prof. Garcia),
Marcos Antônio Medeiros,
José Lucas de Barros.

Sinceros parabéns a todos os classificados, e convidamo-los a participarem da Festa de Premiação que ocorrerá em Natal/Parnamirim, nos dias 11 e 12/10/2012, e em Caicó, nos dias 13 e 14/10/2012.

Aos que vêm de outros Estados,encarecemos o obséquio de confirmarem sua participação até o dia 15/9/2012, indicando dia e hora de chegada, nº de voo, empresa aérea e número de pessoas.

Fraternalmente,
José Lucas de Barros,
presidente da Academia de Trovas do Rio Grande do Norte.

Fonte:
José Lucas de Barros

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, concurso de trovas

XVII Jogos Florais de Curitiba (Classificação Final)


ÂMBITO NACIONAL/INTERNACIONAL – (Língua Portuguesa, exceto Paraná). –

TEMA: JUSTIÇA: (L/F) 
Por ordem de classificação.

1º Lugar: Mara Melinni de Araújo Garcia (Caicó – RN)
2º Lugar: José Ouverney (Pindamonhangaba-SP)
3º Lugar: Alba Christina Campos Netto (São Paulo – SP)
4º Lugar: Sergio Ferreira da Silva (Santo André – SP)
4° Lugar: Maurício Cavalheiro (Pindamonhangaba – SP)
5º Lugar: Dulcídio de Barros Moreira Sobrinho (Juiz de Fora – MG)

Menções Honrosas: 
Por ordem de alfabética

Carolina Ramos (Santos – SP)
Darly O. Barros (São Paulo – SP)
José Ouverney (Pindamonhangaba – SP)
José Tavares de Lima (Juiz de Fora – MG)
Manoel Cavalcante de Souza Castro (Pau dos Ferros – RN)
Marina Bruna (São Paulo)
Messias da Rocha (Juiz de Fora – MG)
Wanderley Rodrigues Moreira (Santos – SP)

Menções Especiais: 
Por ordem de alfabética

Ederson Cardoso de Lima (Niterói- RJ)
Elen de Novais Felix (Niterói – RJ)
Izo Goldman (São Paulo – SP)
José Tavares de Lima (Juiz de Fora – MG) – (duas trovas)
Maurício Cavalheiro (Pindamonhangaba – SP)
Renata Paccola (São Paulo- SP)
Therezinha Dieguez Brisolla (São Paulo – SP)

Comissão Julgadora do Concurso:
Antonio Augusto de Assis
Janske Schlenker
Luíza Nelma Fillus
Olga Agulhon
Vanda Fagundes Queiroz
Coordenação Geral: Andréa Motta.

TEMA: TAPA (Humor): 

Por ordem de classificação

1º Lugar: Wanda de Paula Mourtthé – (Belo Horizonte/MG)
2º Lugar: Pedro Mello (São Paulo/ SP)
3º Lugar: Elen de Novais Felix (Niterói/RJ)
4º Lugar: Dulcídio de Barros Moreira Sobrinho (Juiz de Fora/MG)
5º Lugar: Djalda Winter Santos (Rio de Janeiro/RJ)

Menções Honrosas:

Campos Sales (São Paulo/SP)
Dulcídio de Barros Moreira Sobrinho (Juiz de Fora/MG)
José Lucas de Barros (Natal/ RN)
Roberto Tchepelentyky (São Paulo/SP)
Thereza Costa Val (Belo Horizonte/MG)

Menções Especiais:

Edmar Japiassú Maia (Nova Friburgo/RJ)
Eliana Ruiz Jimenez (Balneário Camboriú /SC).
Flávio Roberto Stefani (Porto Alegre /RS)
Maurício Cavalheiro (Pindamonhangaba/SP)
Messias da Rocha (Juiz de Fora/MG)

Comissão Julgadora do Concurso:

Nei Garcez
Roza de Oliveira
Wandira Fagundes Queiroz
Coordenação Geral: Andréa Motta.

AMBITO ESTADUAL
TEMA: TESOURO: (L/F) – 
Por ordem de classificação.

1º Lugar: Antônio Augusto de Assis
2º Lugar: Roza de Oliveira
3º Lugar: Dari Pereira
4º Lugar: Vanda Fagundes Queiroz
5º Lugar: Antônio Augusto de Assis

Menção Honrosa: 
Por ordem alfabética

Antonio Augusto de Assis
Maria da Conceição Fagundes
Nei Garcez
Roza de Oliveira
Vanda Fagundes Queiroz

Menção Especial: 

Por ordem alfabética

Istela Marina Gotelipe Lima
Luiza Nelma Fillus
Maria Aparecida Pires
Maria Helena Oliveira Costa
Nei Garcez

TEMA: TESOURA (Humor): 
Por ordem de classificação

1º Lugar: Vanda Fagundes Queiroz
2º Lugar: Antônio Augusto de Assis
3º Lugar: Antônio Augusto de Assis
4º Lugar: Maria Aparecida Pires
5º Lugar: Walneide Fagundes S. Guedes

Menções Honrosas: 
Por ordem alfabética

Antônio Augusto de Assis
Maria Aparecida Pires
Maria da Conceição Fagundes
Vanda Fagundes Queiroz (duas trovas)

Menções Especiais:

Istela Marina Gotelipe Lima
Nei Garcez (duas trovas)
Roza de Oliveira
Yara Mara de Castro Araújo.

Comissão Julgadora do Concurso:
José Lucas de Barros – Natal-RN
Thalma Tavares – São Simão-SP
Wanda de Paula Mourthé – Belo Horizonte-MG
Coordenação Geral: Professor Garcia.

XVII Juegos Florales –Curitiba -PR-Brasil-2012


Tema: “Justicia”
 

1° Lugar: Maria Cristina Fervier (Argentina)
2° Lugar: Rafael Ramos Nápoles (Venezuela)
3° Lugar:Cristina Oliveira Chávez (USA)
3° Lugar: Martha Alicia Qui Aguirre (México)

MENCIÓN HONROSA:
(Por orden alfabética)

Cristina Oliveira Chávez (USA)
Martha Alicia Qui Aguirre (México)
Martha Senovia V. Vélez (Colombia)
Miguel Ángel Almada (Argentina)
Ricardo Ducoing ( México)
Teresa de Jesús R. Lara (España Islas Canarias)

MENCIÓN ESPECIAL:
(Por orden alfabética)

Alicia Borgogno (Argentina)
Ángela Desirée Palacios (Venezuela)
Carmen Patiño Fernández (España)
Catalina Margarita Mangione (Argentina)
Freddy Ramos Carmona (México)
Nerina Thomas (Argentina)
Urbano Vilchis Miranda (USA)

Comisión Julgadora:
A. A. de Assis 
Eliana Ruiz Jimenez 
Francisco Garcia
Lisete Johnson 
Coordinadora:
Gislaine Canales

AMBITO REGIONAL/ESTUDANTIL –
ENSINO FUNDAMENTAL

TEMA: ESCOLA: (L/F)

– ESCOLA MUNICIPAL ALBERT SCHWEITZER

1° Lugar: Eduarda Natasha de C.A. de Lima – 6ª F
2° Lugar: Ellena Mendes de Lima – 6ª F
3° Lugar: Ana Paula de Jesus da Silva – 6ª F
3° Lugar: Isabela Larissa V. Gomes – 6ª F

Menção Honrosa 
(ordem alfabética)

Manoella da Silva da Cruz – 6ª G
Nicole Martins dos Santos – 6ª G

ESCOLA PAPA JOÃO XXIII

1° Lugar: Ana Paula de Moraes – 7ª D
2° Lugar: Ana Paula de Moraes – 7ª D
3° Lugar: Gabriely Dalla Vecchia – 7ª E

Menção Honrosa 
(ordem alfabética)

– Bruna Santos Soares – 6ª E
– Izabelly Nadine dos Santos – 7ª D
– Lucas Vasco Garcia – 8ª D

AMBITO REGIONAL/ESTUDANTIL

ENSINO MÉDIO
TEMA: ESCOLHA: (L/F)

COLÉGIO PROF. ALCYONE DE CASTRO VELLOZO

– Por ordem de classificação.

1º Lugar: Dayanna Vanessa Augusto – 3° A.
2º Lugar: Iasmin Garcia de Almeida – 3° A.
3º Lugar: Carina de Fátima Gularte – 3° A.

Menção Honrosa:
Por ordem alfabética

Carina de Fátima Gularte – 3° A
Fernanda Simões – 3° A.
John Everton Soezeck -3º A

Comissão Julgadora:
Maria da Conceição Fagundes
Sônia Maria Ditzel Martelo
Vanda Alves

Coordenação Geral: Andréa Motta.

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Curitiba, Jogos Florais

Concurso de Contos SESC-AM (Resultado Final)

O SESC Amazonas divulga a lista das 16 produções selecionadas no Concurso de Contos do SESC. As inscrições dos contos foram realizadas de março até novembro do ano passado. A seleção foi feita por uma comissão coordenada pelo professor e escritor Allison Leão, da Universidade Estadual do Amazonas (UEA).

Os 16 primeiros colocados participarão automaticamente de uma antologia literária, a “Antologia de Contos SESC”. O autor do conto que conquistou a primeira colocação receberá um notebook e 20 exemplares da antologia. O segundo colocado receberá um Ipod e 20 exemplares da antologia e o terceiro receberá 20 exemplares da antologia e um kit contendo os cem melhores contos de todos os tempos e os cem melhores contos fantásticos.

De acordo com o regulamento do concuso, apenas 15 contos deveriam ser selecionados, mas atendendo a uma recomendação da comissão, o SESC Amazonas resolveu classicar um a mais, devido a qualidade das produções.

O Concurso de Contos do SESC tem a finalidade de estimular a criação literária e descobrir novos talentos. O concurso é realizado desde 2006 no Amazonas. As inscrições das obras são abertas para todo o País.

Ao todo, 138 contos foram inscritos. Destes, 53 do Amazonas e o restante de outros estados do Brasil, além de brasileiros residentes no Japão, França e Estados Unidos. A cerimônia de premiação dos autores será no Festival Literário SESC de 2012, que ocorrerá em outubro.

Confira a lista de contos selecionados:

1 – “Madre Alzira” – de Vale de Cabeça

2 – “Iluminuras” – de Joe

3 – “Menina Cuidando de Girassóis” – de Splath

4 – “Sabedoria” – de Nabeiro’s

5 – “O jogo das dez Marias” – de Vilu Nguri

6 – “Febril” – de Max

7 – “Fábula Falsa” – de Fernando Mendes

8 – “Lili e o lado de fora do aquário” – de Anatov

9 – “Da rotina alheia” – de Luiz Sena

10 – “O espelho” – de Holavrac

11 – “O pranto” – de Bill Vargas

12 – “Estatística” – de Aureliano José

13 – “O camerungo ronra” – de Manuel Pão-de Pedra

14 – “Volte Amanhã” – de Rindo Alto

15 – “Pareçenca” – de José Machado Rosa

16 – “A insustentável leveza da dor” – de Azulado
(Angelo Pessoa, Cordeiro – RJ)

Fonte:
http://www.sesc-am.com.br/destaques/sesc-divulga-resultado-do-concurso-de-contos/

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Concurso Literário

IV Prêmio de Literatura Unifor (Classificação Final)


Na noite de 25 de abril, foram conhecidos os vencedores do IV Prêmio de Literatura Unifor, que nesta edição contemplou o gênero poesia. Ao todo foram inscritos cerca de 350 trabalhos de 180 participantes, entre concorrentes do Ceará, Distrito Federal, Minas Gerais, Pará, Rio de Janeiro e São Paulo.

Em solenidade realizada no Teatro Celina Queiroz, o livro “Cem pequenas poesias do dia a dia”, de autoria do paulista André Kondo, foi anunciado o grande vencedor na categoria Obra Inédita, que recebeu como prêmio uma viagem a Washington, para visitar a Biblioteca Nacional do Congresso Americano, além da publicação da obra.

Na categoria Trabalhos Inéditos, 20 autores foram premiados. O primeiro lugar ganhou uma viagem ao Rio de Janeiro, para visitar a Biblioteca Nacional, e os classificados do 2º ao 20º lugar foram agraciados com a publicação dos trabalhos numa coletânea, sendo disponibilizado 20 exemplares a cada um.

Confira os ganhadores:

Categoria: Obra Inédita

1º lugar – Cem pequenas poesias do dia a dia – André Kondo

Categoria: Trabalhos Inéditos

1º lugar – A menina e o mar – Perpétua Amorim
2º lugar – É melhor que fique assim – Nemésio Dias Silva Filho
3º lugar – Procissão – Maria Lúcia Sales Crisóstomo
4º lugar – Não sei como me sinto – Kalina Grangeiro Landim
5º lugar – Fotografia – José Osterno Campos de Araújo
6º lugar – Vermelho em dois tons – Talita Cavalcante Nogueira
7º lugar – Memórias de Macabéa – Lúcio Flávio Gondim da Silva
8º lugar – Poema de quando tudo é eterno – Valmir Luiz Saldanha
9º lugar – Tradição – Tatiana Alves Soares Caldas
10º lugar – Caminho Azul – Ana Cristina Mendes Gomes
11º lugar – Saudade – Francisco Edmar de Freitas
12º lugar – Ciranda da menina – Vera do Nascimento Alves
13º lugar – Pelas luzes do pé de carambola – Alan Mendonça
14º lugar – Das cores das flores – Ivaíze Rodrigues
15º lugar – O entardecer – Valdemir de Castro Pacheco
16º lugar – Antes da saudade de antes – Silvana Michele Ramos
17º lugar – Estação – André Kondo
18º lugar – Para José Alcides Pinto – Antônio Flávio da Silva
19º lugar – Fundo Infinito – Éder Rodrigues
20º lugar – Ela monta um sorriso – Thiago Fonseca Veras

Fonte:
http://concursos-literarios.blogspot.com

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Concurso Literário

Primeros Juegos Florales de Concepción – Chile – 2012 (Classificação Final)


Tema: IDENTIDADE

VENCEDORES:
(Por ordem alfabética)

A A de Assis (PR)
Entre o pássaro e o poeta
há perfeita identidade:
seu canto só se completa
se há completa liberdade.

A A de Assis (PR)
Bendita seja a nação
que tem como identidade
a cultura, a educação,
sobretudo a honestidade!

Carolina Ramos (SP)
Quem abraça a caridade,
sem esperar recompensa,
demonstra maior bondade,
se a identidade dispensa!

Clênio Borges (RS)
Felizes os corações
se a paz, em vez da maldade,
unir todas as nações
pela mesma identidade.

Ivone Taglialegna Prado (MG)
Se na saudade me enlaço,
e as esperanças se vão,
a identidade refaço
com retalhos de ilusão!

Mara Melinni de Araújo Garcia (RN)
Meu senhor, por caridade,
não me julgue em atos vãos…
Trago a minha identidade
nos calos das minhas mãos.

Renata Paccola (SP)
É na busca pela paz
e o conhecimento novo
que tantas vezes se faz
a identidade de um povo!

Rodolpho Abbud (RJ)
Prisioneiro da saudade,
escravo eterno do amor,
que, na minha identidade,
conste apenas, “Trovador”!

Vanda Fagundes Queiroz (PR)
Deus, oleiro de artes santas,
com saber, amor e zelo,
molda identidades… tantas…
sem repetir o modelo!
—-
MENÇÃO HONROSA:
(Por ordem alfabética)

Carolina Ramos (SP)
Mostrando a mão calejada,
exibe o trabalhador,
a identidade sagrada,
a prova do seu labor!

Clenir Neves Ribeiro (RJ)
Tenho tanta afinidade
e te amo,com tal apreço,
que na minha identidade
tem teu nome e endereço!

Edmar Japiassú Maia (RJ)
Da identidade ou do amor,
quando a perda se anuncia,
não se assuma um perdedor:
-Recorra à segunda via!

Mara Melinni de Araújo Garcia (RN)
Identidade é o segredo
que revela muito mais
do que a marca do teu dedo
e das tuas digitais…

Mara Melinni de Araújo Garcia (RN)
A identidade que encobre
cada não e cada sim,
vem da verdade mais nobre
que eu trago dentro de mim…!


Maurício Cavalheiro (SP)
Podem tentar arrancar
a identidade de um povo;
mas a raiz vai ficar
e a fará brotar de novo.

Nei Garcez (PR)
Só quem vive sem vaidade,
difundindo o que é o amor,
tem a mesma identidade
de seu próprio Criador.

Neide Rocha Portugal (PR)
Quando a vida não descora
a identidade dos brilhos,
o nosso brilho de outrora
se reflete em nossos filhos.


Relva do Egypto Rezende Silveira (MG)
Tu partiste!… E, no abandono,
perdi minha identidade,
pois nem de mim sou mais dono,
sendo escravo da saudade.

Renato Alves (RJ)
Brasileiro, professor,
casado, Terceira Idade
e aprendiz de trovador…
– Eis a minha identidade!


Rodolpho Abbud (RJ)
De um sonho de amor, perfeito,
que ela sem dó desprezou,
resta-me a placa,no peito,
que indaga, apenas:”Quem sou?”

Rodolpho Abbud (RJ)
Já fui sonho, fui saudade,
sombra e luz, frio e calor…
Perdi minha identidade,
quando perdi seu amor!

Wanda de Paula Mourthé (MG)
Pode ser uma utopia,
mas persigo a identidade
– que espero alcançar um dia –
entre o sonho e a realidade!

Wanda de Paula Mourthé (MG)
Nada deixou… nem saudade,
porque levou, na partida,
não só minha identidade,
mas a minha própria vida!

Wandira Fagundes Queiroz (PR)
Dos pais nos vêm a genética,
identidade e valores,
e de Deus a alma poética,
que acalanta os sonhadores.


Wandira Fagundes Queiroz (PR)
Mesmo em trovas mais dispersas,
por laços universais,
identidades diversas
congregam sonhos iguais.

MENÇÃO ESPECIAL:
(Por ordem alfabética)

Ademar Macedo (RN)
Eu, tal qual num dossiê,
confesso e juro…É verdade:
de tanto eu “viver você,”
perdi minha identidade…

Delcy Canalles (RS)
Era tanta a identidade
que, entre nós dois, existia,
que até nossa intimidade,
nos versos , aparecia!

Dodora Galinari (MG)
Em toda manhã nascida
vê-se a mesma identidade:
dar mais vida à própria vida,
acordando a humanidade!

João Costa (RJ)
A perfeita identidade
de um poeta sonhador
é sua autenticidade
de Mensageiro do Amor.

Josafá Sobreira da Silva (RJ)
Teu jeito grácil me cega,
mas me aponta uma verdade:
se, entre dois, irrompe a entrega,
brota a mesma identidade!


Maria Conceição Fagundes (PR)
A UBT fez seu aceno
e encontrou identidade,
e a “rosa” em solo chileno
floresce em fraternidade!

Maria Lucia de Godoy Pereira (MG)
Encantar a humanidade
seja sempre a nossa meta,
fazer jus à identidade
de ser simplesmente poeta.

Roberto Resende Vilela (MG)
A educação esmerada,
ao preparar para o novo,
conduz, em sua escalada,
à identidade de um povo.

Sérgio Ferreira da Silva (SP)
Ante à multiplicidade
dos sentimentos que lavra,
o poeta é a identidade
de toda e qualquer palavra.

Thereza Costa Val (MG)
Tantas vezes disfarcei
o que sinto de verdade
que, agora, nem mesmo eu sei
qual a minha identidade!

Thereza Costa Val (MG)
Somos dois… mas somos um!
Temos tanta afinidade
que, entre nós, tudo é comum,
até mesmo a identidade…


Vanda Alves da Silva (PR)
Amizade e lealdade,
sempre juntas, de mãos dadas,
correntes de identidade
entre almas entrelaçadas!

Vanda Fagundes Queiroz (PR)
Temos vida paralela:
– a identidade pessoal
e o valor de ser parcela
na amplitude universal.

Comissão Julgadora para os I Jogos Florais de Concepción- Chile-2012:
Tema: IDENTIDADE- para Trovadores do Brasil e Portugal

Eduardo A O Toledo
Luiz Antonio Cardoso
Dorothy Jansson Moretti
Domitila Beltrame
Jose Ouverney
Marcos Medeiros

Coordenadores: Gislaine Canales
Jairo Gerak Millalonco Velásquez

Fonte:
Gislaine Canales, enviado por A. A. de Assis

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Concursos de Trovas, Trovas

Concurso Internacional de Trovas do Elos Cluibe de Londrina (Classificação Final)


VENCEDORES:

Amália Max (Ponta Grossa)

Edmar Japiassu Maia (Rio de Janeiro)

Izo Goldman (São Paulo)

Francisco Neves de Macedo (Natal)

Renata Paccola (São Paulo)

MENÇÕES HONROSAS:

Almira Guaracy Rebelo (Belo Horizonte)

Ademar Macedo (Natal)

Antônio Augusto de Assis (Maringá)

Deise Domingues Giannini (São Vicente)

Gilvan Carneiro da Silva ( São Gonçalo )

Hegel Pontes (Juiz de Fora)

Marilúcia Rezende (São Paulo)

Myrthes Mazza Masiero (São José dos Campos)

Nei Garcez (Curitiba)

Roza de Oliveira ( Curitiba )

Therezinha de Jesus Lopes (Juiz de Fora)

Wandira Fagundes Queiroz (Curitiba)

MENÇÕES ESPECIAIS:

Angélica Maria Vilella Rebelo Santos (Taubaté)

Dirce Montechiari ( Nova Friburgo )

Edmar Japiassu Maia (Rio de Janeiro)

Eduardo A. O. Toledo (Pouso Alegre )

Leonilda Yvonetti Spina (Londrina)

Lóla Prata ( Bragança Paulista )

Lucília A. T. Decarli (Bandeirantes)

Luiz Moraes Santos (São José dos Campos)

Maria Lúcia Daloce ( Bandeirantes )

Marilúcia Rezende (São Paulo)

Nei Garcez (Curitiba)

Relva do Egypto Rezende Silveira ( Belo Horizonte )

Renato Alves (Rio de Janeiro)

Rosa Maria G. Mendes (Rio de Janeiro)

Sonia Maria Ditzel Martelo (Ponta Grossa)

Thereza Costa Val (Belo Horizonte)

Vanda Fagundes Queiroz (Curitiba)

Wandira Fagundes Queiroz.(Curitiba)

Fonte:

A. A. de Assis

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Concursos Literários

XV Jogos Florais de Santos (Classificação Final)


Homenagem


Ao identificarmos os classificados nos Nossos Jogos Florais, grande foi a emoção quando, cdoração ainda bastante dolorido pelo recente falecimento do nosso querido Irmão MILTON NUNES LOUREIRO, vimos seu nome surgir de um dos
envelopes. Milton Marcava sua presença em Santos, como prometera, há dois meses atrás!

Assim, em justificadíssima homenagem, substituímos a Menção Honrosa que conquistara, pela classificação extra de Vencedor, que outro título não merece quem levou a termo vinte e dois Jogos Florais à frente da UBT/Niterói, por ele presidida por tantos anos! Deixa saudades nosso querido irmão!


Sendo um mistério profundo,

que a gente nunca pressente,
Destino é força do mundo
regendo a vida da gente…

MILTON NUNES LOUREIRO – VENCEDOR

CONCURSO NACIONAL / INTERNACIONAL
Tema: Destino

VENCEDORES

Destino, fado ou o que for
isso tudo é só brinquedo.
– Na história real do amor,
cria o amor seu próprio enredo.
A. A. de ASSIS (Maringá/PR)

Desde os tempos de criança,
meu destino faz trapaças:
enche as taças de esperança
e depois…derruba as taças!
EDMAR JAPÍASSÚ MAIA (Rio de Janeiro/RJ)

Reage se a sorte inglória
em teu destino é chegada,
que há uma noite obrigatória
entre o poente e a alvorada!
EDMAR JAPIASSÚ MAIA (Rio de Janeiro/RJ)

O destino, sobretudo,
numa visão alongada,
é uma incerteza de tudo
ante a certeza do nada!
EDUARDO A. O. TOLEDO (Posuo Alegre/MG)

Convivem dentro de mim,
o “eu profano” e o “eu divino”;
um demônio, um querubim,
formatando o meu destino!
FRANCISCO DE NEVES MACEDO (Natal/RN)

Sou tal qual um beduíno,
na vastidão do deserto,
levado pelo destino
para o meu destino incerto!
FRANCISCO NEVES DE MACEDO (Natal/RN)

Sem pretensão, eu domino
os fados que são só meus…
Quero levar meu destino
para os destinos de Deus!
JOÃO FREIRE FILHO (Rio de Janeiro/RJ)

Em nosso viver diário,
de contratempos sem conta,
a gente monta um cenário,
chega o destino e desmonta!
JOSÉ TAVARES DE LIMA (Juiz de Fora/MG)

E por falar em destino,
seus caminhos desconheço.
Como entender o divino
se nem o humano conheço.
JOTA DE JESUS (Saquarema/RJ)

O destino traiçoeiro
separou-nos, sem piedade,
mas o amor fez do carteiro
o porta-voz da saudade.
WANDA DE PAULA MOURTHÉ (Belo Horizonte/MG)

MENÇÕES HONROSAS

Qual o vento, quando muda,
leva a nuvem que o céu cobre,
muita vez pequena ajuda
muda o destino de um pobre.
A. A. DE ASSIS (Maringá/PR)

Por perguntas sem respostas…
Por mil escolhas erradas…
Ah!, Destino, em tuas costas
quantas culpas são lançadas!…
ARLINDO TADEU HAGEN (Belo Horizonte/MG)

Aquele amor do passado
só na lembrança ficou,
pois nosso encontro marcado
o destino desmarcou!
CLENIR NEVES RIBEIRO (Nova Friburgo/RJ)

O destino é meu parceiro
quando, em meio à tempestade,
eu tenho por timoneiro
o próprio Deus da verdade.
FLÁVIO ROBERTO STEFANI (Porto Alegre/RS)

Papel limpo…cristalino,
a vida é assim, como deve.
A história do seu destino
você mesmo é quem escreve…
GILVAN CARNEIRO DA SILVA (São Gonçalo/RJ)

O sonho, às vezes tão lindo,
é uma pipa que à tardinha,
quando no céu vai subindo,
o destino corta a linha.
HEGEL PONTES (Juiz de Fora/MG)

Mesmo que eu renove as trilhas,
desviando a caminhada,
não escapo às armadilhas
que o destino põe na estrada!
JOSÉ LUCAS DE BARROS (Natal/RN)

Destino, esta vida atroz
é jogo no qual te fartas
de triunfar sobre nós,
que nunca damos as cartas!
NEWTON VIEIRA (Curvelo/MG)

No amor eu fui peregrino,
só você me conquistou…
Eu não mudei meu destino,
mas o meu, você mudou!
RODOLPHO ABBUD (Nova Friburgo/RJ)

Destinho – senhor medonho –
que, às vezes, com falso embalo,
mostra a magia de um sonho,
mas não nos deixa alcançá-lo.
THEREZA DA COSTA VAL (Belo Horizonte/MG)

MENÇÕES ESPECIAIS

No meu barco repentino,
vou remando, sem estrilo:
– eu não sei o meu destino,
Deus sabe mas faz sigilo…
AÍLTO ROGRIGUES (Nova Friburgo/RJ)

Destino! É dada a partida…
O trem resfolega…e sai,
E a gente embarca na vida,
sem saber por onde vai!
ANTÔNIO CARLOS T. PINTO (Brasília/DF)

Não culpes o teu destino,
mas levanta resoluto!
Não temas o sol a pino,
que a seu tempo vem o fruto.
CARLOS ALBERTO DE ASSIS CAVALCANTI (Arcoverde/PE)

Soam plangentes os sinos
nos ritos dos funerais…
Por diferentes destinos,
temos destinos iguais.
DULCÍDIO DE B. M. SOBRINHO (Juiz de Fora/MG)

Trovador, terceira idade,
destino as horas vazias,
para que a própria saudade,
escreva as minhas poesias!
EDERSON CARDOSO DE LIMA (Niterói/RJ)

Meu destino é nau sem fim
que o mar da vida levou…
Nem disse de onde eu vim,
nem disse para onde eu vou!!!
EDUARDO A. O. TOLEDO (Pouso Alegre/MG)

Meu destino eu mesmo imponho,
senhor dos meus universos…
Não posso abdicar do sonho
que enche de amor os meus versos!
GILVAN CARNEIRO DA SILVA (São Gonçalo/RJ)

Olhei-te…Também me olhaste.
E o destino, sedutor,
camuflou todo o contraste
nas cegas tramas do amor!
MARIA HELENA O. COSTA (Ponta Grossa/PR)

Perdi…E a sorte malsino
se amor não me tens, agora…
No jogo do teu destino
fui carta jogada fora!
THEREZA DA COSTA VAL (Belo Horizonte/MG)

Sonhar com dias risonhos,
impõem-nos desde menino,
mas não ensinam que os sonhos
não mudam nosso destino.
WANDIRA FAGUNDES QUEIROZ (Curitiba/PR)

Quando o destino me lança,
em tristes vielas tortas,
eu sinto o sol da Esperança,
revivendo auroras mortas…
YVONE TAGLIALEGNA PRADO (Belo Horizonte/MG)
=============

CONCURSO ESTADUAL (SP)
Tema: Onda

VENCEDORES

Dos beijos que cegaram,
não guardo saudade alguma,
foram ondas que passaram
sem sequer deixar espuma…
ALBA CHRISTINA CAMPOS NETTO (São Paulo/SP)

Nas ondas sentimentais
que o meu barco sempre avista,
posso encontrar temporais,
mas meus sonhos vão na crista.
ALBA CHRISTINA CAMPOS NETTO (São Paulo/SP)

Abre o mar meu relicário
e oferece à lua cheia,
lindas conchas de um rosário,
que as ondas deixam na areia.
CAMPOS SALES (São Paulo/SP)

Sobre as ondas sem receio,
o jangadeiro arredio,
lembra um peão de rodeio,
domando um potro bravio.
CAMPOS SALES (São Paulo/SP)

No meu corpo, mar revolto,
quando o desejo me invade,
o teu vulto “surfa” solto
nestas ondas de saudade.
DOMITILLA BORGES BELTRAME (São Paulo/SP)

Às vezes, em desatino,
eu vou perguntando assim:
por que as ondas do destino
vão te afastando de mim?
IZO GOLDMAN (São Paulo/SP)

Junto à praia, a contrastar
com a fúria das marés,
as ondas calmas do março
beijam de leve, meus pés!
RENATA PACCOLA (São Paulo/SP)

Morena, que te amo tanto,
e desprezas meus desvelos:
deixa afogar o meu pranto
nas ondas dos teus cabelos…
SELMA PATTI SPINELLI (São Paulo/SP)

O vento, zéfiro alado,
cavalga a onda e ponteia:
e a onda, num rendilhado,
vem descansar sobre a areia.
SELMA PATTI SPINELLI (São Paulo/SP)

Quando chegou, foi sincero:
– Sou onda do mar, meu bem.
Depois se foi…e eu espero…
toda a onda…vai e vem!
THEREZINHA DIEGUEZ BRISOLLA (São Paulo/SP)

MENÇÕES HONROSAS

A beleza do luar
e a solidão que me invade,
me lavam a mergulhar
numa onda de saudade.
ARGEMIRA FERNANDES MARCONDES (Taubaté/SP)

Neste mar de guerra e paz
alternando luz e treva,
a vida é onda que traz,
a morte é a onda que leva.
CAMPOS SALES (São Paulo/SP)

Qualquer onda eu desafio,
sou surfista destemida
neste imenso mar bravio
que nós chamamos de Vida!
ERCY MARIA M. DE FARIA (Baurú/SP)

Ondas…mansas ou revoltas,
em noites de lua cheia
criam mil pérolas, soltas
com que o mar enfeita a areia…
HÉRON PATRÍCIO (São Paulo/SP)

Olho as ondas se batendo
no penhasco, junto ao mar,
parecem sonhos morrendo,
beijados pelo luar.
LYGIA T. FUMAGALLI AMBROGI (Taubaté/SP)

Ondas vão, mas voltarão…
Na praia fica a cismar
que elas servem de lição
para eu ir, depois voltar.
MARIA IGNEZ PEREIRA (Mogi Guaçu/SP)

Sua lembrança me alcança
e a saudade me desperta
mas, as ondas da esperança
morrem na praia deserta!…
MARILÚCIA REZENDE (São Paulo/SP)

Foi uma noite de amor
mas partiste no arrebol
me deixando o teu calor
entre as ondas do lençol….
MARINA BRUNA (São Paulo/SP)

O vento faz serenata
e o mar se põe a cantar
versos, em ondas de prata,
de uma poesia… ao luar…
ROBERTO TCHEPELENTYKY (São Paulo/SP)

Falou de amor…achei graça…
e quase que eu disse não!
Mas, para minha desgraça,
“fui na onda” da paixão.
THEREZINHA DIEGUEZ BRISOLLA (São Paulo/SP)

MENÇÕES ESPECIAIS

Nosso amor sem sintonia,
nos deixou com igualdade,
ondas curtas de alegria,
ondas longas de saudade.
ALBA CHRISTINA CAMPOS NETTO (São Paulo/SP)

Velho mar, o seu bailado
das ondas nos vem provar,
que nada existe de errado
às vezes em recuar…
ERCY MARIA MARQUES DE FARIA (Baurú/SP)

A onda toda vez quando
na praia vem deslizar,
parece o pranto rolando
dos olhos tristes do mar…
ERCY MARIA MARQUES DE FARIA (Baurú/SP)

As ondas laboriosas
urdindo em verdes teares,
desenham rendas mimosas
para as noivas de seus mares!…
EDNA VALENTE FERRACINI (São Paulo/SP)

Enfrento as ondas bravias
que o mar da vida me traz…
Assim conquisto os meus dias
e tenho noites de paz.
MAURÍCIO CAVALHEIRO (Pindamonhangaba/SP)

Em noite de lua cheia,
numa carícia risonha,
as ondas beijam a areia,
tal qual o poeta sonha!
LUIZ CARLOS JUNIOR (Pindamonhangaba/SP)

Ante o teu corpo, sou cego
tateando com desvelos,
e com meus dedos navego
nas ondas dos teus cabelos…
RENATA PACCOLA (São Paulo/SP)

Já não sou onda que assola
a praia desta paixão,
hoje sou simples marola
no mar do seu coração!
ROBERTO NINI (Moji Guaçu/SP)

Meu destino foi traçado
quando a onda, no convés,
veio forte, e de bom grado,
me fez cair aos teus pés!
SELMA PATTI SPINELLI (São Paulo/SP)

Meus sonhos morrem ou crescem,
retratando esta aparência:
ondas que sobem e que descem
no mar da minha existência!….
MARILÚCIA REZENDE (São Paulo/SP)

CONCURSO LOCAL (SANTOS)
Tema: Jardim

VENCEDORES

Na vida de um trovador….
florindo sonhos diversos,
a Trova é um Jardim de Amor…
Num trevo de quatro versos!!!!
ANA MARIA GUERRIZE GOUVEIA

Se a poesia nasce em mim,
assim como nasce a planta…
Presumo ter um jardim,
na minha alma quando canta…
ANA MARIA GUERRIZE GOUVEIA

Em um jardim da cidade,
tendo a sua companhia,
eu já nem sinto saudade
dasaudade que eu sentia….
ANTÔNIO COLAVITE FILHO

Nos jardins da humanidade
está faltando uma flor…
É a nossa fraternidade
e o seu perfume de amor!
EDNA GALLO

Seja qual for o motivo
segue na doce ilusão,
tendo sempre um sonho vivo
no jardim do coração.
MARIA NELSI SALES DIAS

MENÇÕES HONROSAS

Num jardim – abrindo flores…
Deus fez surgir, majestosa,
a alma dos trovadores,
quando foi abrir a rosa!!!
ANA MARIA GUERRIZE GOUVEIA

Semeio rimas cruzadas
qual jardineiro em labor
para colher, perfumadas
as Trovas, flores do Amor!
ANTÔNIO COLAVITE FILHO

A Lua, não sei por onde,
espera o Sol na jornada
brincando de “esconde-esconde”
nos jardins…da madrugada…
ANTÔNIO COLAVITE FILHO

No meu jardim perfumado
de matizes multicores,
eu vejo Deus disfarçado
no meio das belas flores!
EDNA GALLO

Ao passar pelo jardim
lar da minha mocidade,
tua imagem veio a mim
com a mais doce saudade!
NAIR LOPES RODRIGUES

MENÇÕES ESPECIAIS

As estrelas são no céu
como flores no jardim,
dispersas, soltas ao léu
em primaveras sem fim!
CYNIRA ANTUNES DE MOURA

Meus sonhos de primavera
embalados de paixão,
foram rosas de quimera
nos jardins de uma ilusão!
EDNA GALLO

Flores, luar e jardim,
três belezas reunidas
que fazem brotar em mim
o encanto de nossas vidas.
ILZE DE ARRUDA CAMARGO

No jardim de rima e prosa
do meu peito sonhador
és o cravo e eu a rosa
na primavera do amor….
MARIA NELSI SALES DIAS

Borboletas multicolores
sobrevoam o jardim,
adornando nossas flores
de uma beleza sem fim.
ZAÍRA ALMEIDA GOMES

=================
Amanhã continua com Trovadores de Origem Hispânica, com o tema Paz

Fonte:
Livreto dos XV Jogos Florais de Santos/ 2011

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Concursos de Trovas

XXIV Jogos Florais de Ribeirão Preto (Resultado Final do Nacional)


TEMA NACIONAL
Liricas/Filosóficas: LOROTA –

VENCEDORES –TROFEU

1º lugar

Oferecendo a miragem
de uma vida sem escolta,
o vicio vende passagem
para a viagem sem volta.
OLYMPIO DA CRUZ SIMÕES COUTINHO
BELO HORIZONTE -MG

2º lugar

Fuja da pior das penas,
não se entregue, seja forte!
droga não é vício apenas,
é uma sentença de morte!
GENILTON VAILLANT DE SÁ
VITÓRIA-ES

3º lugar

A quem no vício se afoga,
Uma rotina suicida:
-Não faça o poder da droga
maior que o poder da vida!
EDMAR JAPIASSU MAIA
RIO DE JANEIRO –RJ

4º lugar

Ser dotado de Razão,
Um homem adulto sabe:
-não há virtude em vão;
-nem vício que não se acabe!
SELMA PATTI SPINELLI
SÃO PAULO-SP

5º lugar

Rogando à Mãe de Jesus
uma ajuda,no suplício,
sofre a mãe levando a cruz
do seu filho entregue ao vício!
GABRIEL BICALHO
MARIANA-MG

MENÇÕES HONROSAS
(medalha dourada)

1º lugar

A decadência mora!
dessa humanidade rude,
me leva a crer ,afinal,
que não ter vício é virtude!
FRANCISCO JOSÉ PESSOA
FORTALEZA – CE

2º lugar

O vício é grande desgraça,
pois faz com que o cidadão,
depois que,ao vício se abraça,
perca, de vez, a razão!
DELCY RODRIGUES CANALLES
PORTO ALEGRE-RS

3º lugar

O vicio sempre nos joga
numa dor que nos revolta:
-ver um filho usando droga,
numa viagem sem volta!
ADEMAR MACEDO
NATAL-RN

4º lugar

Diante do “precipício”,
de um modo firme e sincero,
para conter qualquer vício
basta dizer: EU NÃO QUERO!
GILVAN CARNEIRO DA SILVA
SÃO GONÇALO-RJ

5º lugar

A gente tem a mania,
ou vício de reclamar
sem ver o encanto do dia,
da lua e da luz solar!
CÉLIA GUIMARÃES SANTANA
SETE LAGOAS-MG

MENÇÕES ESPECIAIS
(medalha prateada)

1º lugar

O vício –grotesco nó;
Futuro morto no ninho.
é feito cortar sem dó
as asas de um passarinho.
MÁRIO MASSARI
SERTÃOZINHO-SP

2º lugar

O meu vício é controverso,
tem dependência e vicia.
sou dependente do verso,
rima, métrica e poesia!
FRANCISCO NEVES DE MACEDO
NATAL-RN

3º lugar

Ter amor é a minha lei,
sem ele,como há de ser?
Parece um vício, eu bem sei,
um vício que faz viver !
MARTA MARIA DE OLIVEIRA PAES
SÃO PAULO – SP

4º lugar

Impor-se,ter atitude
é sempre um bom exercício:
conservar-se na virtude
desanima qualquer vício.
ÉLBEA PRISCILA DE SOUSA E SILVA
CAÇAPAVA – SP

5º lugar

É meu vicio e eu bendigo !
ler um livro todo mês.
Ele é mestre e bom amigo
e trovadora me fez!
CÉLIA GUIMARÃES SANTANA
SETE LAGOAS – MG

TEMA NACIONAL
Humorísticas: LOROTA

VENCEDORES –TROFEU

1º lugar

Ele é um poço de vaidade.
Diz lorota,sem pudor.
Sem cursar a Faculdade,
Já se intitula doutor.
LEONILDA YVONNETI SPINA
LONDRINA-PR

2º lugar

“Cada vez mais pobre fico…”
diz,num lamento, o agiota;
e vai ficando mais rico
quanto mais conta lorota.
OLYMPIO DA CRUZ SIMÕES COUTINHO
BELO HORIZONTE-M G

3º lugar

Meu sogro me deixa tonta,
Sua conversa me esgota,
Cem por cento do que conta
Noventa e nove é lorota.
ARGEMIRA FERNANDES MARCONDES
TAUBATÉ-SP

4º lugar

Lorota assim nunca vi!
Pescador, que coisa feia!
Quando pescas lambari,
Lambari vira baleia?
JOSÉ ANTÔNIO DE FREITAS
PITANGUI-MG

5º lugar

Conta lorota a Zezé.
À mentira vive presa.
Chega a provocar até
… frieira nos pés da mesa.
CÉLIA GUIMARÃES SANTANA
SETE LAGOAS-MG

MENÇÕES HONROSAS
(medalha dourada)

1º lugar

Quem sempre conta lorota,
fica marcado e na mira:
verdade que dele brota
vale igual a uma mentira.
MILTON SOUZA
PORTO ALEGRE-RS

2º lugar

Casou-se,por interesse,
com a “coroa” Carlota.
Mas a riqueza, hoje vê-se,
não passava de lorota.
HERMOCLYDES S.FRANCO
RIO DE JANEIRO – RJ

3º lugar

Come feijão com gorgulho
e todo “posudo”,arrota…
Ô filé! Diz com orgulho:
isto sim é que é lorota!
FRANCISCO NEVES DE MACEDO
NATAL-RN

4º lugar

Nunca antes,neste País,
ouviu-setanta lorota;
e o analfabeto nos diz
que se sente um poliglota.
ANTÔNIO CLARET MARQUES
GUAXUPÉ-MG

5º lugar

A loura não perde a vez,
vive contando lorota,
e por esta insensatez
tem a alcunha de lourota.
DULCÍDIO DE BARROS MOREIRA SOBRINHO
JUIZ DE FORA-MG

MENÇÕES ESPECIAIS
(medalha prateada)

1º lugar

Chega de tanta besteira,
de lorota, gabolice,
pois esta nação inteira
já está farta de tolice.
LEONILDA YVONNETI SPINA
LONDRINA – PR

2º lugar

Quer lorota de verdade?
Veja o horário eleitora!
o povo perde a vontade
de crer na turma em geral.
MÁRCIA JABER DE BARROS MOREIRA
JUIZ DE FORA – MG

3º lugar

Amigo compatriota,
em época de eleição,
não aceite mais lorota:
desligue a televisão.
ELBA PRISCILA DE SOUZA E SILVA
CAÇAPAVA – SP

4º lugar

É bem pobre a tal de Akira,
porém, possui um “carrão”!
e ouça a lorota, a mentira
que ela diz: “foi doação”!
GIVA DA ROCHA
SÃO PAULO/SP

5º lugar
Velho assanhado é lorota:
fala, fala, e nada faz.
Só de sonhar já lhe esgota
a reservinha de gás…
ANTONIO AUGUSTO DE ASSIS
MARINGÁ – PR

Fonte
Nilton Manoel

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Jogos Florais, Resultados de Concursos

II Concurso de Trovas de Tremembé (Classificação Final(

Montagem sobre foto de Celio Gonçalves Dias
(Igreja de São Sebastião)

NÍVEL MUNICIPAL – Tema: VIVER

VENCEDORES

1º Lugar – ISABEL NOGAROTTO
2º Lugar – BENILSON TONIOLO
3º Lugar – ISABEL NOGAROTTO
4º Lugar – MARTINHO MONTEIRO
5º Lugar – BENILSON TONIOLO
6º Lugar – CLÁUDIO DE MORAIS
7º Lugar – ANDREIA JOFRE SIMAS

MENÇÕES HONROSAS

ALDA LOPES
ALEXANDRE SILVA
Dom ANTONIO AFFONSO DE MIRANDA
LAMARQUE MONTEIRO
MARTINHO MONTEIRO

MENÇÕES ESPECIAIS

ALDA LOPES
ANDRÉIA JOFRE SIMAS
CELINHA MARQUES
LORIS TURRINI
WALTER MOTA

MELHORES CONJUNTOS DE TROVAS
1º Lugar – ISABEL NOGAROTTO
2º Lugar – BENILSON TONIOLO
3º Lugar – MARTINHO MONTEIRO

COMISSÃO JULGADORA
DOMITILLA BORGES BELTRAME – São Paulo-SP
GILVAN CARNEIRO – São Gonçalo-RJ
JEANETTE DE CNOP – Maringá-PR
JOSÉ VALDEZ DE CASTRO MOURA – Pindamonhangaba-SP
PEDRO MELLO – São Paulo-SP
MILTON SOUZA – Porto Alegre-RS

NÍVEL REGIONAL – Tema: ECOLOGIA

VENCEDORES

1º Lugar – ÉLBEA PRISCILA SOUZA E SILVA – Caçapava-SP
2º Lugar – ÉLBEA PRISCILA SOUZA E SILVA – Caçapava-SP
3º Lugar – AMILTON MACIEL MONTEIRO – São José dos Campos-SP
4º Lugar – LUIZ MORAES SANTOS – São José dos Campos-SP
5º Lugar – MYRTHES MASIERO – São José dos Campos-SP
6º Lugar – DARCY BANDERANTE AZEVEDO COSTA – Taubaté-SP
7º Lugar – NÉLIO BESSANT – Pindamonhangaba-SP

MENÇÕES HONROSAS

ALFREDO BARBIERI – Taubaté-SP
AMILTON MACIEL MONTEIRO – São José dos Campos-SP
JOSÉ GUARANY RODRIGUES – Pindamonhangaba-SP
MARIA ARLINDA DOS SANTOS – Taubaté-SP
NÉLIO BESSANT – Pindamonhangaba-SP

MENÇÕES ESPECIAIS

AUGUSTO GOMES – Taubaté-SP
JOEL HIRENALDO BARBIERI – Taubaté-SP
MARIA MARLENE NASCIMENTO TEIXEIRA PINTO – Taubaté-SP
MIFORI – Paraibuba-SP
MYRTHES MASIERO – São José dos Campos-SP

MELHORES CONJUNTOS DE TROVAS
1º Lugar – ÉLBEA PRISCILA SOUZA E SILVA
2º Lugar – AMILTON MACIEL MONTEIRO
3º Lugar – NÉLIO BESSANT

COMISSÃO JULGADORA
ADEMAR MACEDO – Natal-RN
ARI SANTOS DE CAMPOS – UBT de Itajaí-SC
CLÁUDIO DE MORAIS – UBT de Tremembé
DELCY CANALLES – Porto Alegre-RS
FRANCISCO MACEDO – Natal-RN
GISLAINE CANALES – Balneário Camboriú-SC
JOÃO COSTA – Saquarema-RJ
LUIZ ANTONIO CARDOSO – UBT de Tremembé-SP

NÍVEL ESTADUAL – Tema: DESAFIO

VENCEDORES

1º Lugar – PEDRO MELLO – São Paulo-SP
2º Lugar – PEDRO MELLO – São Paulo-SP
3º Lugar – ERCY MARIA MARQUES FARIA – Bauru-SP
4º Lugar – MARINA BRUNA – São Paulo-SP
5º Lugar – ANTONIO DE OLIVEIRA – Rio Claro-SP
6º Lugar – HÉRON PATRÍCIO – São Paulo-SP
7º Lugar – MARINA BRUNA – São Paulo-SP

MENÇÕES HONROSAS

CAROLINA RAMOS – Santos-SP
DARLY O. BARROS – São Paulo-SP
MARILUCIA REZENDE – São Paulo-SP – duas
RENATA PACCOLA – São Paulo-SP

MENÇÕES ESPECIAIS

CAROLINA RAMOS – Santos-SP
CLÁUDIO DE CÁPUA – Santos-SP
DOROTHY JANSSON MORETTI – Sorocaba-SP
MARIA IGNEZ PEREIRA – Mogi Guaçu-SP
MARTA MARIA DE OLIVEIRA PAES DE BARROS – São Paulo-SP

MELHORES CONJUNTOS DE TROVAS

1º Lugar – PEDRO MELLO
2º Lugar – MARINA BRUNA
3º Lugar – MARILUCIA REZENDE

COMISSÃO JULGADORA
A. A. DE ASSIS – Maringá-PR;
ANGÉLICA VILELLA SANTOS – UBT de Taubaté
ARLINDO TADEU HAGEN – Belo Horizonte-MG
EDMAR JAPIASSU MAIA – Rio de Janeiro-RJ
JOSÉ OUVERNEY – Pindamonhangaba-SP
LUIZ ANTONIO CARDOSO – UBT de Tremembé
MARIA NASCIMENTO SANTOS CARVALHO – Rio de Janeiro-RJ
OTAVIO VENTURELLI – Nova Friburgo-RJ
THEREZA COSTA VAL – Belo Horizonte-MG
VANDA FAGUNDES QUEIROZ – Curitiba-PR

NÍVEL TROVADORES MESTRES

Tema: ETERNO

VENCEDORES

1º Lugar – LUIZ ANTONIO CARDOSO – Tremembé-SP
2º Lugar – ARGEMIRA FERNANDES MARCONDES – Taubaté-SP
3º Lugar – ANGÉLICA VILELLA SANTOS – Taubaté-SP
4º Lugar – ARGEMIRA FERNANDES MARCONDES – Taubaté-SP
5º Lugar – ARGEMIRA FERNANDES MARCONDES – Taubaté-SP
6º Lugar – LUIZ ANTONIO CARDOSO – Tremembé-SP
7º Lugar – JOSÉ OUVERNEY – Pindamonhangaba-SP
8º Lugar – LUIZ ANTONIO CARDOSO – Tremembé-SP
9º Lugar – JOSÉ OUVERNEY – Pindamonhangaba-SP
10º Lugar – LUIZ ANTONIO CARDOSO – Tremembé-SP

MELHORES CONJUNTOS DE TROVAS

1º Lugar – LUIZ ANTONIO CARDOSO
2º Lugar – ARGEMIRA FERNANDES MARCONDES
3º Lugar – ANGÉLICA VILLELA SANTOS
3º Lugar – JOSÉ OUVERNEY

COMISSÃO JULGADORA
CAROLINA RAMOS – Santos-SP
ERCY MARIA MARQUES FARIA – Bauru-SP
JOSÉ LUCAS DE BARROS – Natal
MARINA BRUNA – São Paulo-SP
PEDRO ORNELLAS – São Paulo-SP
THALMA TAVARES – São Simão
SELMA PATTI SPINELLI – São Paulo-SP

A premiação será realizada no dia 13 de novembro de 2010, às 15h, em reunião da UBT de Tremembé, no Salim – Comida Árabe, Estrada Nova Taubaté x Tremembé. Para maiores informações basta entrar em contato com Luiz Antonio pelos telefones: (12) 3025-0921 e (12) 8154-2177, lembrando que, caso não atenda durante o dia (trabalho dia sim, dia não, em local onde os telefones devem permanecer desligados), deverá voltar a ligar após as 18h.

Tremembé, outubro de 2010.
Luiz Antonio Cardoso
UBT de Tremembé-SP

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Concursos de Trovas

I Concurso de Poemas Cultura Revista, tema Primavera (Classificação Final)

Nesta edição, estamos divulgando a relação dos vinte primeiros classificados do “I Concurso de Poemas Cultura Revista, tema Primavera”, conforme previsto no regulamento.

A entrega dos prêmios está prevista para 24 de setembro de 2010, em razão de estarmos no início da Primavera. Local e horário serão divulgados, até trinta dias antes da data prevista para entrega, aqui na Cultura Revista.

Mais informações podem ser obtidas solicitando via e-mail redacao@culturarevista.jor.br ou via telefone 0..27 8155-3446.
——

CLASSIFICADOS ATÉ O 20º COLOCADO

1º –
Luiz Antonio Cardoso (Taubaté/SP)
CHEGASTE…

Chegaste em meu destino, de repente,
com poucas palavrinhas, a sorrir.
Chegaste no meu mundo e docemente,
fizeste a minha vida refulgir.

Chegaste, completando o meu presente…
traçando com detalhes meu porvir.
fazendo renascer, efervescente,
a vida – que queria inexistir !

Chegaste, numa noite irretocável,
alimentando sonhos magistrais
de um tempo de carícia incomparável.

Chegaste… e amanheceu neste jardim…
e aquele que era triste? Não é mais…
fizeste florescer dentro de mim !

2º –
Rosana Banharoli (Santo André/SP)
ESPERA

Pendurada no tempo,
Balanço entre outonos
À sua espera

Você, verão
Desperta em sóis
Apresenta-me à vida

Fechada em passados
Eu, gris
Em invernos

Você, primavera
Planta futuros
Em Viagens

No recorte das estações
Nos encontramos
Na zona de confluências
Embebidas em fotografias


António José Barradas Barroso (Parede/Portugal)
PRIMAVERA EM FLOR

Mostrando, muito leve, um tom de rosas,
Todas brancas, algumas mais lilases,
Ondulam, com a brisa, tão formosas,
Que os olhos, de as deixar não são capazes.

Essas flores que brotam, tão vivazes,
Tão belas, tão puras, tão vistosas,
Em momentos de vida tão fugazes,
São só belezas de alma, milagrosas!

E enquanto tronco e ramo sem mais nada,
A amendoeira só vive esperançada
Na rima das flores que não se queixam;

Que nascem por amor, com alegria,
E que, ao morrer, dão lições de poesia
Nos frutos que, afinal, elas nos deixam!


Eduardo de Paula Nascimento (São Paulo/SP)
AS QUATRO ESTAÇÕES

“Desejo-te o amor no universo
Disperso em cada etéreo sonho humano
E por mais que pareça controverso
Desejo gritar bem alto que eu te amo

Desejo uma paixão tão elevada
Que a estrela mais distante alcançaria
Mesmo a deusa mais linda e desejada
Ser você, ao deus do amor, imploraria

Desejo que nosso amor seja eterno
Em todo ano, em todas as estações
No outono mágico, quente no inverno

Na primavera forte em emoções
E no verão, no calor dos seus beijos
Desejo que me guardes seu desejo”


Denise Moraes (Vitória/ES)
PRIMAVERA

É primavera
teço uma tela.
Pinto os frondosos ipês,
que já estavam a minha espera.
Os pincéis, as tintas…
Aguardavam a inspiração na quimera.

Os ipês amarelos
iluminam,
ofuscam
e roubam a cena

A cor amarela
sente – se a mais bela.
Envaidecida
causa fuzuês,
ansiosa,
para ter vida na tela.

ganham vida os ipês amarelos,
reluzentes como ouro.

Ao desabrochar,
seus cachos despontam
confundindo – se com o raiar do sol.
Iluminando a madrugada que adentra
umedecida pelo orvalho,
o seu perfume vem exalar.

Silenciosa chega a aurora!


Nilton Silveira (Porto Alegre/RS)
SAGRAÇÃO DA PRIMAVERA

Em carruagem de estrelas,
Num tilintar de magia,
Desabrocha a Primavera
Ante o castelo da Vida
Que com festejo celebra
A sua digna chegada.
Para a entrada triunfal,
O tapete que a enobrece
Não é de carmim veludo,
Mas a terra que se doa
E dadivosa a abençoa
Em sua divinal missão
De, por onde quer que passe,
Deixar rastros de empatia,
Respeito e aceitação,
Todos ornados de flores
Que deem ensejo ao milagre
Da olorada beleza
Que estabelece a nobreza
Na evolução do humano
E atrai os seres alados,
Das borboletas aos anjos.
Ao toar de clarinadas
Escancara-se o portal
E adentra a Primavera,
Que luzente ascende ao trono
Onde Ígor Stravinski,
Com fato de Sinfonia,
Cinge-lhe a fronte com poesia
E a consagra rainha.


Ivan Frederico Lupiano Dias (Londrina/ PR)
PRIMAVERA E UM QUERER

Primavera
Que aos olhos dela
Me conduz
Em uma caravela
Para dentro dos olhos dela
Onde outra primavera
Se reduz
A um verde tanto verde
De um verde que não me lembro
A não ser o de setembro
De um certo dia
Que traduz
O seu ver de fantasia
Um verde que eu sabia
Ser o ver de do olhar dela
Um verde de aquarela
Que reluz
Como uma estrela que revela
O caminho da primavera
Para o verde do olhar dela
E me seduz!


Solange Firmino de Souza (Rio de Janeiro/RJ)
SETEMBRO

Um poema-deserto
Vê um oásis
Na primavera florida

Descobre cores
Olores
E o silêncio
Da semente
Rasgando o ventre
Da estação repetida

Um poema-fruto
Brota na ruga
Do tempo
Cíclico


Tatiana Alves Soares Caldas (Rio de Janeiro/RJ)
SAZONAL

Mirava os bosques, de todo sem vida
Em sua existência, um ar sepulcral
Era como um cais, já em despedida,
O vento na face batia, glacial.

Saudoso do estio dos braços de outrora
Dos tempos do vinho, hoje já vinagre,
Contava as perdas, do tempo que chora
Clamava aos céus por santo milagre.

Lembrando o Outono, de folhas caídas,
Chorou pela vida deixada pra trás
Agarra-se às dores, mesmo as sofridas,
Mostrando-lhe tudo de que era capaz.

Percebe, enfim, que, nesse umbral,
Há ritmo, hora, e tempo de espera
Se as sombras trouxeram-lhe a dor hibernal,
Aguarda, risonho, pela Primavera!

10º
Nilson Vieira Moreno (São Carlos/SP)
PRIMAVERA

Eu sinto como fosse um reinício
Que o mundo convidasse o olhar e o ócio
Em setembro, passado do equinócio
Tudo ao fundo das almas mais propício

Beleza se fazendo mais que indício
Desfilando mais leve, doce e dócil
Primavera zelosa, um sacerdócio
Que só finda em dezembro, no solstício

Celebrando estação de mais amores
Assaltam nossas ruas vivas cores
Céu azul, tempo ameno, belos dias

Tantos ninhos, abelhas, girassóis
Sensação que eu e um outro somos nós
Natureza declama poesias.

11º
Regina dos Anjos Sousa Gouveia (Porto – Portugal)
PRIMAVERA

Floriu a magnólia e nem me apercebi.
Por certo nem para ela olhei
eu que, ansiosamente, sempre aguardo que dê flor
e em frente a ela me sento, comovida ao vê-la tão florida.
Floriu a magnólia e nem me apercebi.
Por certo andava distraída com a vida
quem sabe a pensar em ti, que nem conheço
e que, por certo, não mereço,
tão perfeito esse “ti” que imaginei.
Um ser dotado de tão grande perfeição
quiçá nunca existiu em toda a criação.
Estou a pensar na lua e em Galileu
que nela viu crateras e montanhas,
e foi julgado por dizer heresias tão tamanhas
pois no pensar dos homens que o julgaram a lua,
porque celestial, não poderia ter qualquer imperfeição.
E afinal Galileu tinha razão.
Floriu a magnólia e nem me apercebi
mas as flores da magnólia, que eu não vi,
de tão simples e belas, provocam em mim tal sensação
que fico extasiada só de vê-las.
Floriu a magnólia e nem me apercebi.
Não havia mais flores quando para ela olhei.
Também elas não cumprem o ideal da perfeição.
As que ainda restavam, tombadas no chão,
já não eram as flores da minha magnólia
apenas seres em decomposição.
Floriu a magnólia e eu não vi.
Fico à espera do pré- dealbar da nova primavera.

12º
Reginaldo Costa de Albuquerque (Campo Grande/MS )
O IPÊ

Sob a esfolhada pele dos teus ramos
fomos os mais ditosos dos mortais:
havia em nós, ipê, risos demais,
havia em ti, pesar que lamentamos.

Sobre outonais corolas nos amamos,
e tu que assim nos viste tão sensuais,
do amor às mil volúpias divinais,
invejaste os momentos que gozamos…

Veio a separação que nos surpreende
e assomou-te em regalo a primavera,
que em dourado matiz e aroma, esplende.

E agora, ante os teus pés quanta mudança:
há em ti as flores e o frescor de outra era,
há em nós um pranto, um luto, uma lembrança…

13º
Paulo Tórtora (Rio de Janeiro/RJ)
MAIS UMA VEZ, PRIMAVERA…

Primavera! Eclode a natureza
Numa profusão de ninhos e flores,
Numa pujança de gozo e de amores,
Num frêmito de júbilo e beleza!

Há em cada canto festas e risos.
Há em cada coração, esperança,
E, até onde a vista alcança,
Descortina-se o sol do paraíso.

Sinfonia de casais enamorados,
Amando-se sem pudor ou pecado,
Pelos parques e alamedas dispersos.

E o poeta só, sorrindo, indulgente,
E fingindo não sentir o que sente,
Ilude a solidão, tecendo versos…

14º –
Jayme Cardozo dos Santos Junior (Mogiguaçu/SP)
O JARDIM

Eu quero um jardim na primavera
Com toda sua luz, suas cores
Seu cheiro – cheiros que inebriam
Seu envolver em minh’alma, sua calma.

O jardim, os jardins na primavera
São a prova mais nítida de que há paz
Paz na turbulência, nos espaços sós
Paz que se vê, que quem quer faz.

Qual é a mais linda flor do jardim?
Será enfim que já sabemos ser todas?
Irmãos são o amor e a fraternidade
São um só a humanidade e flores.

Tem que ter chegado a esperada Era
E como a primavera têm seu tempo
O ser racional também tem um vento
Que sopra levando as cinzas; refazendo.

A vida tem que ser mais importante
Do que a morte no centro, no morro
Do que os tanques lá na faixa de Gaza.
A vida é primavera em rebento.

Que seja a Terra então um Jardim
De belas flores e odores suaves
Onde se possa reconhecer não só uns
Mas todos os comuns que nela viajam.

15º
Marisa Helena Carneiro Ribas (Curitiba/PR)
ESTAÇÃO

Suave canto invade a madrugada,
Não é a cotovia de Romeu.
O regional canto ora transformado
em alegre trinado do sabiá
Anúncio que o dia já vem
Colorindo todo o céu
com todas as cores do arco-íris.
O pintor que ora amanheceu
a brincar com as cores,
no céu e na terra
repletos de muitas flores.
Assim como o paraíso,
falado e descrito
nos sonhos dos homens.
É hora de novas vidas
Surgirem na Terra
Na estação do amor.

16º
Tânia Diniz (Belo Horizonte/MG)
FEITO FLOR

Trepadeira
dama-da-noite
em cantos e muros
varanda e escuro
a vida enfeita
e perfuma

germina e apruma
floresce desejos
corpos-deleite
buquês de beijos
mordentes-de-leão

Verdegestação

Em lençóis d’água
alastra, propaga
carícia-folhagem
larga ramagem
cobrindo o leito
em arranjos
de amor-perfeito
Indecorosa
Delírio
Jas em in.
Eu, jardim.

17º
Fernando Catelan (Mogi das Cruzes/SP)
VEM, PRIMAVERA

Vem, primavera, que tanto te anseio,
‘inda hoje a esfolar a carne o inverno
Se de minha investidura, vê, eu apeio
é por te adiares em desenlace eterno!

Vem, primavera, que tanto te anelo,
se, ajardinada, vens num riso florido,
‘inda cá mui se dê as costas ao Belo,
‘inda cá o versejar há tanto, crê, ido!

Vem, primavera, cessa de vez vento,
vento que, impiedoso, rói as vísceras
Traz-nos tua brisa por dádiva, alento,
acende sóis, ora da palidez de ceras!

Tu, ausente, ‘inda cá o peito te ama,
o facho de luz que irradias tudo para
Vem, primavera, flor na verde rama,
se verdes são teus olhos, coisa rara!

Vem, primavera, noite ébria de perfume,
‘inda lancem garras sobre botão em flor
Se desejo campos cheios de teu lume,
mais ainda és, ó primavera, meu amor!

Vem, primavera, vem em doce vestal,
traja lírios, e nada mais, pois, te cubra
Desce de vez desse teu régio pedestal,
ou deusa caída cá verve, sei, elocubra!

Vem primavera, verdes olhos em diva,
espargindo da Terra vez mais a flora
Se minh’alma da tua, ora sei, se priva,
teu prisco amante vinda tua implora!

18º
Edinan de Almeida Preisigke (Aracruz/Espírito Santo)
PRIMAVERA

Flores de todas as cores e tons
Rosas, tulipas e alecrins.
Flores da primavera
Que enfeitam o jardim

O Beija Flor
Encanta-se com tanta beleza
E agradece ao pai da natureza
Por todas as cores das flores

Os passarinhos
Nos galhos verdes e pequeninos
Constroem seus ninhos.

As borboletas, quase que se perdem
No meio de tantas cores.
Misturam-se na paisagem
Deixando mas linda a sua imagem.

E todos os animais da floresta
Em um só tom, numa só orquestra
Cantam alegres pelo verde que os cerca

19º
Ruth Hellmann Claudino (Dourados/MS)
É SETEMBRO

Abra a janela e veja
Como o panorama se transforma,
O que estava seco e sem forma
Com mito vigor verdeja.

É setembro, é vida, tudo cresce.
É primavera de alegria e paz.
E em cada criatura capaz
É tempo em que o amor floresce.

Natureza, enorme palco especial
Onde impera o verde encanto
Dos pássaros a arte do canto,
Dos insetos a dança espacial.

É hora de conscientização e ação;
Sem plantas tudo fica imundo.
Semeia, para colher neste mundo
Bons frutos e paz no coração.

20º
Lia Abreu Falcão (Pernambuco)
SOL DE PRIMAVERA

Da solitude da sua vida
pressentiu o que era nunca

E pendurou cascas de ovos
no pé seco da umburana

Fez cortinas para a sala
com flor de chitão guardado

No sagrado de sua casa
fincou o sempre de uma rosa

E colheu flores campestres
para alguém vindo dos longes

Trajou-se de branco-lírio
para a ceia derradeira

E viu o mar reluzente
pela luz do Sete Estrelo

E chorou todo o seu pranto
vendo o Sol da Primavera

Que semeia a Vida sempre
com Verdade e Esperança.

COMISSÃO JULGADORA

Rose Vieira Tunala – Poetisa, cronista, delegada da UBT em Cachoeiro de Itapemirim-ES, colunista da Cultura Revista-ES.

Maria Catherine Rabello – poetisa, colunista do Jornal da Cidade On Line http://www.jornaldacidadeonline.com.br

Andrade Sucupira Filho – jornalista, poeta, cronista, delegado da UBT em Vila Velha-ES, editor da Cultura Revista- ES

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Poemas

XVI Jogos Florais de Curitiba (Classificação Final – Âmbito Internacional)

Âmbito Internacional
Países de Língua Hispânica

Tema : MADRUGADA

GANADORES (por ordem alfabética)

Una estrella matutina
siempre duerme esperanzada,
ver que todo se ilumina
¡ después de la madrugada !
CRISTINA OLIVEIRA CHAVEZ – USA

Mi madrugada es desvelo
si es tu ausência mi pensar,
pero se convierte em cielo
si en ti me pongo a somar.
ELENA GUEDE ALONSO – Peru

Recuerdo esa madrugada
que en un tálamo de rosas,
me amabas em la alborada,
com carícias primorosas.
ELIZABETH LEVYA RIVERA – México

En mi pasado y presente
por ti me siento adorada,
eres luz que intensamente
alumbra mi madrugada.
ELIZABETH LEVYA RIVERA – México

Al llegar la madrugada
mi pecho triste te nombra,
pues tu amor es alborada
y el mio, es ocaso y sombra.
IRMA GUADALUPE HERNÁNDEZ VÁLDEZ (Pentrova) – México

Sobre suaves almohadas
sueño contigo mi amor
y en oscuras madrugadas…
mi piel busca tu calor.
LIZ CASTRO RIVERA – México

Quiero dormir en tu lecho
una tíbia madrugada
y al cobijarme en tu pecho,
sentirme por siempre amada.
LIZ CASTRO RIVERA – México

Madrugada eres mi sino
un faro de luz brillante
y por siempre en mi destino
serás recuerdo constante.
LIZBETH RIVERA ANDREW – México

Anhelo la madrugada
porque es anuncio de aurora
y es espacio en que mi amada
demostra cuánto me adora.
MANUEL SALVADOR LEYVA MARTÍNEZ – México

Te amo por la madrugada,
por la noche y por el día,
que temo ser castigada
por amarte en demasía.
MARÍA ELENA ESPINOSA MATA – México

Mi madrugada es rezar
para esperarte despierta,
por si quieres regresar
te dejo la puerta abierta.
MARTHA ALICIA QUI DE ZAMORANO – México

No me niegues tu mirada
que me haces morir de pena,
te espero esta madrugada
que hay noche de luna llena.
RENE B. ARRIAGA DEL CASTILLO – México

MENCIÓN HONORÍFICA

Después de una bella noche
la madrugada es preciosa
porque nos llena el derroche
de la vivencia amorosa.
CARLOS RODRIGUES SÁNCHEZ – Venezuela

Después de una noche triste
con llanto tu alma mojada,
olvida todo y se viste
¡ con la hermosa madrugada!
CRISTINA OLIVEIRA CHAVEZ – USA

Se suma otra madrugada
a las que tantas viví,
con tu ausencia como espada
y todo mi amor por ti.
ELENA GUEDE ALONSO – Peru

La madrugada es amiga
de los males y el pecado,
y también es mi enemiga
si no te tengo a mi lado.
ELENA GUEDE ALONSO – Peru

La noche tiende la cama
como lógico remanso,
en madrugada que llama,
al cuerpo para el descanso.
HILDEBRANDO RODRÍGUEZ – Venezuela

Fría está mi madrugada
ya vuelve cariño mío,
quiero pronto tu llegada
para no morir de frío.
LIZ CASTRO RIVERA – México

Con la luz de madrugada
se enciende en el alma sueños.
De pincelada azulada
se tiñen soles risueños.
MARIA CRISTINA FERVIER – Argentina

No se como será amarte
pero se que dicha siento.
De madrugada al pensarte
El amor es mi sustento.
MARIA CRISTINA FERVIER – Argentina

Madrugada…¿volverás?
a mí no me pertences,
¿o tal vez me olvidarás?
si en otra cama amaneces.
MARTHA ALICIA QUI DE ZAMORANO – México

No habrá sufrimiento y llanto…
Ni sombras alucinadas,
Porque Dios que te ama tanto,
Cuidará tus madrugadas!!
MIGUEL ÁNGEL MUÑOZ CORTÉS – España

Los paraísos hermosos,
de tu bella alma iluminas,
se aparecen impetuosos,
¡en madrugadas divinas!
MIGUEL ÁNGEL MUÑOZ CORTÉS – España

Dame nueva madrugada
repleta de inmensidad
y en tus manos sujetada
alcanzar la eternidad.
NATIVIDAD PADILHA – República Dominicana

MENCIÓN ESPECIAL

Madrugada tempranera
Blasón del madrugador,
siempre serás la primera
¡ en gozar del trovador!
CARLOS IMAZ ALCAIDE – Francia

Son mis tristes madrugadas
como gotas de rocio
siempre de pena empapadas
y congeladas de frío.
CARMEM PATIÑO FERNÁNDEZ (Carmiña) – España

La luna está enamorada
del sol que se ha retirado
y al llegar la madrugada
con sus rayos le ha besado.
CARMEM PATIÑO FERNÁNDEZ (Carmiña) – España

Llegaste de madrugada
a entregarme tu calor
me hiciste sentir amada
al darme todo tu amor.
GLORIA RIVERA ANDREU – México

El que ve de madrugada
la lumbre del gran lucero
tendrá la suerte marcada
para triunfar de primero.
HÉCTOR JOSÉ CORREDOR CUERVO – Colombia

El sueño sin ajetreo
en su acción más pronunciada
lo brinda siempre Morfeo
en la fría madrugada.
HILDEBRANDO RODRÍGUEZ – Venezuela

Madrugadas de desvelo
contando estrellas de a una,
tu abandono es un flagelo
me acompaña triste luna.
IRMA GUADALUPE HERNÁNDEZ VALDEZ – México

Recuerdo las MADRUGADAS
de mi tierra campesina,
jugaba malas pasadas,
con formas en la neblina.
JOSÉ TRINO CAMPOS – Colombia

Te busco en el mismo cielo.
Te llamo de madrugada.
Solo tenerte yo anhelo.
Para dormirme abrazada.
LIBIA BEATRIZ CARCIOFETTI – Argentina

Yo fui feliz en tus brazos
esa bella madrugada
y unidos en dulces lazos
me sentí tu prenda amada.
LIZBETH RIVERA ANDREW – México

Que divina es la aventura
de amor, en la madrugada,
por todo el tiempo perdura
esa pasión añorada.
MANUEL SALVADOR LEYVA MARTÍNEZ – México

Las inquietas madrugadas,
bajan en mi despertar,
en bellos sussurros de hadas.
¡ Dulce ambrosía a cantar!
MIGUEL ÁNGEL MUÑOZ – España

En el mar quiero esperar
que llegue la madrugada,
bajo este cielo estelar
con la luna plateada.
SUSANA STEFANIA CERUTTI – Argentina

Fonte:
– Livreto dos XVI Jogos Florais – Troféu Gledis Tissot – Curitiba 2010

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Jogos Florais, Trovas

XVI Jogos Florais de Curitiba (Classificação Final )

Neste fim de semana,a convite da Presidente da UBT/Curitiba, estive presente nas festividades dos Jogos Florais de Curitiba, como Delegado Municipal de Ubiratã da UBT/PR.

Num ambiente de descontração e confraternização, estiveram presentes trovadores do Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Ceará, Argentina, entre outros, além de representantes literários, havendo a abertura na Câmara Municipal na sexta feira à noite, quando foram entregues os prêmios aos vencedores estudantis, e no sábado após um passeio turistico pela capital paranaense, no Paraná Suite Hotel, onde estavam hospedados os convidados, a entrega dos premios na Categoria Estadual, Nacional e Internacional nos países de língua hispânica, que obteve a participação de Argentina, Colômbia, Espanha, França, México, Peru, República Dominicana, USA, Venezuela e outros.

Segundo as palavras de João Cláudio Derosso, Presidente da Câmara Municipal de Curitiba: “A cidade de Curitiba está mais uma vez em festa, ao sabor da poesia vestida de trova! (…) A poesia é o cantar da alma…e a trova é, das modalidades poéticas, a mais popular, acessível e apreciada. Felizes os que possuem este dom!”

Nas palavras de Lygia Lopes dos Santos, presidente da Academia Feminina de Letras do Paraná: “O trovador vive num mundo especial, cheio de beleza, no encanto das florestas, na magia dos cumes das montanhas, na sedução do amor puro, na fantasia do palhaço, na alegria do alvorecer.

Trovando, ele transmite todas as suas belas inspirações aos leitores, a trova agrada a todos, pois é alegre, romântica, abordando vários temas, ela abrange todas as raças, tornando-se universal.

A trova encanta, comove, perturba, porque em uma quadra apenas, apresenta vigorosa mensagem poética, emotiva, benfazeja, que preenche a nossa carência emocional

Segundo Vânia Maria Souza Ennes, presidente estadual da UBT/Paraná, em seu livro “Paraná em trovas”, nos diz: “Penso que a trova na vida do ser humano está agregada, intimamente, naquilo que ele tem de melhor. Suas viagens mentais são inerentes aos seus desejos, princípios e personalidade. Quando transcritas para o apel podem tornar-se eternas, muitas vezes, verdadeiras jóias poéticas: líricas, filosóficas, educativas, ou humorísticas.

Costumo dizer que saber viver é saber quebrar as durezas normais da existência, ao conseguir enxerga-las com os olhos da alma e da serenidade do espírito. É ter a habilidade de, além de adquirir, saber declarar belos e profundos sentimentos, revelados através do coração”

Com alma verde e amarela
o meu coração febril,
com muito orgulho revela,
o Trovador do Brasil.
Vânia Maria Souza Ennes (Curitiba/PR)
—————————————-

Âmbito Nacional
(Brasil, exceto estado do Paraná)

Trovas Líricas/Filosóficas

Tema “MADRUGADA”

VENCEDORAS:

Em teus traços eu diviso
a natureza espelhada:
a alvorada em teu sorriso,
e em teus olhos… madrugada!
ARLINDO TADEU HAGEN – Belo Horizonte/MG

Foi tão triste a despedida,
na madrugada chuvosa,
que a roseira, entristecida,
chorou pétalas de rosa…
CAMPOS SALES – São Paulo/SP

Madrugada. A lua sonda
minha rede e, sem vacilo,
entregue à exaustão da ronda,
se deita, para um cochilo…
DARLY OLIVEIRA BARROS – São Paulo/SP

Nos braços da Madrugada,
eu deito anseios tristonhos…
e ela preenche, calada,
minha insônia… com mil sonhos!
GILVAN CARNEIRO DA SILVA – São Gonçalo/RJ

Pelas noites desoladas,
minha saudade, sem sono,
vai contando, em madrugadas,
os meus dias de abandono…
MARINA BRUNA – São Paulo/SP

MENÇÃO HONROSA

Deslumbrando a natureza,
a lua, cristalizada,
veste de prata e riqueza
a nudez da madrugada.
AILSON CARDOSO DE OLIVEIRA – Magé/RJ

Madrugada… e me consome
a insônia a me perseguir.
Saudade grita o teu nome…
como é que eu posso dormir?!
CAROLINA RAMOS – Santos/SP

Dos insones, confidente,
a Madrugada, arredia,
vai saindo, lentamente,
e não conta nada ao dia.
GILVAN CARNEIRO DA SILVA – São Gonçalo/RJ

Madrugada… e tens no olhar
estrelas a refulgir.
– Fecha os olhos, devagar…
que elas precisam dormir.
HEGEL PONTES – Juiz de Fora/MG

Suavizando a escuridão
de uma fria madrugada,
foste na vida o clarão
a iluminar minha estrada.
IEDA MARINI SOUZA OLIVEIRA – B. Horizonte/MG

A madrugada é o instante
em que o sol, com ousadia,
induz a noite – gestante –
a dar à luz… novo dia!
JAIME PINA DA SILVEIRA – São Paulo/SP

– DEUS PAI: Protege os meus filhos!
Meu medo é tal – que nem sei! –
de que se percam nos trilhos
das madrugadas sem lei!…
MARIA MADALENA FERREIRA – Magé/RJ

Madrugada… No infinito,
estrelas a cintilar…
Mas meu céu é mais bonito:
ele brilha em teu olhar!
MILTON SOUZA – Porto Alegre/RS

Madrugada, por que insistes
– na solidão que apavora –
em arrastar horas tristes…
se eu anseio pela aurora?
THEREZA COSTA VAL – Belo Horizonte/MG

Não vens… te espero… e, sem queixa,
minha esperança resiste!
Mas vem a saudade… e deixa
a madrugada… mais triste!
THEREZINHA DIEGUEZ BRISOLLA – São Paulo/SP

MENÇÃO ESPECIAL

Eu me lembro com saudade
das madrugadas de outrora…
Mamãe, na extrema bondade:
– “Filha, acorda, está na hora”.
DÁGUIMA VERÔNICA DE OLIVEIRA – Sta. Juliana/MG

Na incerteza da jornada
que a vida me faz seguir,
nem mesmo de madrugada
vejo a saudade dormir!
ELEN DE NOVAIS FELIX – Niterói/RJ

Meus cabelos cor de prata,
que o luar pintou em mim,
são marcas de serenata
nas madrugadas sem fim.
FRANCISCO JOSÉ PESSOA – Fortaleza/CE

Quando sai de madrugada,
sabe o filho a direção,
se o pai deixou pela estrada
suas pegadas, no chão.
HEGEL PONTES – Juiz de Fora/MG

Ouve-se o último acorde
da seresta… E a madrugada,
com a cortesia de um lorde,
cede seu posto à alvorada.
JAIME PINA DA SILVEIRA – São Paulo/SP

Sinto uma falta sofrida,
nas madrugadas vazias:
É tua ausência… estendida
no lado em que tu dormias…
LUIZ MACHADO STABILE – Uruguaina/RS

Só vejo em Deus as respostas
às providências cobradas,
ante as crianças expostas
ao frio das madrugadas!…
MARIA MADALENA FERREIRA – Magé/RJ

Temendo teu abandono,
meu coração – velho avaro –
soma horas mortas de sono
a madrugadas em claro!…
MARIA MADALENA FERREIRA – Magé/RJ

Nas madrugadas compridas,
em que a solidão me invade,
eu vivo milhões de vidas…
movidas pela saudade!
MARIA NASCIMENTO S. CARVALHO – Rio de Janeiro/RJ

Minha esperança é chamada,
sempre que a vida escurece.
Ela espanta a madrugada…
e o sol brilhante aparece!
MARILÚCIA REZENDE – São Paulo, SP

TROVAS HUMORÍSTICAS –

Tema “PIJAMA”

VENCEDORAS

Ele diz, ressabiado:
– Eu vi um fantasma falante!
E ela, em humor refinado:
– Era um pijama ambulante!
DILVA MARIA DE MORAES – Nova Friburgo/RJ

Da nova mulher reclama,
gritando, com voz já rouca:
– Eu não durmo de pijama!…
E ela: – Mas dorme “de touca”…
EDMAR JAPIASSU MAIA – Rio de Janeiro/RJ

Do soldado o sangue ferve,
por saber que, em seu plantão,
seu pijama, em casa, serve
de sargento a capitão!
EDMAR JAPIASSU MAIA – Rio de Janeiro/RJ

É “Almirante de Pijama”,
mas no amor tem vida ativa:
No alto-mar de sua cama,
não deixa o barco “à deriva”…
HERMOCLYDES S. FRANCO – Rio de Janeiro/RJ

Noite e dia, usa pijama,
depois que se aposentou.
E a sogra, ao vê-lo na cama:
– Vai dormir… ou acordou?…
MARIA NASCIMENTO S. CARVALHO – Rio de Janeiro/RJ

MENÇÃO HONROSA

Irmão gêmeo, desligado,
só viu que errou de pijama,
quando acordou, assustado,
com a cunhada na cama.
ALBA CHRISTINA CAMPOS NETTO – São Paulo/SP

Ao chegar, vira um capeta,
o marido que usa P,
ao ver que em sua gaveta
só tem pijama G…G!…
DILVA MARIA DE MORAES – Nova Friburgo/RJ

Dois pijamas, dialogando,
no varal dependurados:
– À noite, estão nos usando…
pra quê, se acordam pelados?
DORALICE GOMES DA ROSA – Porto Alegre/RS

O molequinho, encantado
com a zebra do “zoo”, pediu
um pijaminha listrado:
– Mas, mamãe, sem rabo, viu?…
LISETE JOHNSON – Porto Alegre/RS

Com Adão, no paraíso,
Eva pensa, ao ir pra cama:
– Ah… se eu tivesse juízo…
dava pra ele um pijama!
WANDA DE PAULA MOURTHÉ – B. Horizonte/MG

MENÇÃO ESPECIAL

Ainda agora estou vendo
o que ninguém mais controla:
– O meu pijama correndo
atrás de uma camisola…
ANTONIO COLAVITE FILHO – Santo André/SP

Mal se deita, já adormece,
só ocupa lugar na cama:
– Meu velho, você parece
um banana de pijama.
ARGEMIRA FERNANDES MARCONDES – Taubaté/SP

Não sei bem o que acontece
com nós dois, em nossa cama:
Estamos, quando amanhece,
dentro do mesmo pijama.
DORALICE GOMES DA ROSA – Porto Alegre/RS

Tive um amigo – coitado –
que era magro de dar dó:
No seu pijama listrado,
cabia uma listra só!
EDERSON CARDOSO DE LIMA – Niterói/RJ

Minha sogra quebra um galho,
no pomar, quando abre os braços,
pois de pijama é espantalho
pra afugentar os sanhaços!
WANDA DE PAULA MOURTHÉ – Belo Horizonte/MG

ÂMBITO ESTADUAL (PARANÁ)

TROVAS LÍRICAS FILOSÓFICAS –

Tema “IMAGEM”

VENCEDORES

Cuidemos, irmão, da imagem;
sem exagero, contudo.
– Muito mais do que a embalagem,
o que conta é o conteúdo.
ANTÔNIO AUGUSTO DE ASSIS – Maringá/PR

Não julgue alguém pela imagem,
pois muitos fazem de tudo
para esconder na “embalagem”
a falta de conteúdo.
GERSON CÉSAR SOUZA – São Mateus do Sul/PR

Sem o meu consentimento,
tua imagem atrevida
invade o meu pensamento
e tranca qualquer saída.
MARIA LÚCIA DALOCE – Bandeirantes/PR

A minha imagem se verga,
mas meu espelho, educado,
afirma que não enxerga,
por estar velho e riscado!
NEIDE ROCHA PORTUGAL – Bandeirantes/PR

É tão vazia a paisagem,
e nem um vulto se vê…
Mas, sem ver qualquer imagem,
consigo enxergar você!
VANDA FAGUNDES QUEIROZ – Curitiba/PR

MENÇÃO HONROSA

Deus nunca foi retratado,
mas, se tiveres coragem,
olha o próximo, ao teu lado,
e verás, de Deus, a imagem!
MARIA LÚCIA DALOCE – Bandeirantes/PR

Quem pratica a temperança
e cultiva o dom do amor
tem, na imagem, semelhança
com o seu próprio Criador.
NEI GARCEZ – Curitiba/PR

Na estação… e sem passagem,
avistei o rosto dela,
e, diante daquela imagem,
o que faltou… foi janela!
NEIDE ROCHA PORTUGAL – Bandeirantes/PR

Minha infância – que linguagem!
Se no céu relampejava,
eu sentia, nessa imagem,
que Deus me fotografava!
ROZA DE OLIVEIRA – Curitiba/PR

A grande riqueza humana
consiste em se perceber
quando a luz do “ter” profana
e ofusca a imagem do “ser”.
WANDIRA FAGUNDES QUEIROZ – Curitiba/PR

MENÇÃO ESPECIAL

Da lembrança doce e calma,
quando a tarde se inicia,
tua imagem em minha alma
é saudade todo dia.
AMÁLIA MAX – Ponta Grossa/PR

Na copa de uma araucária,
a graça da gralha-azul:
– bela imagem legendária
do eterno charme do Sul.
ANTÔNIO AUGUSTO DE ASSIS – Maringá/PR

“O homem foi por Deus criado
à Sua imagem”… somente.
Deus o fez capacitado
para um viver plenamente.
MARIA DA CONCEIÇÃO FAGUNDES – Curitiba/PR

A saudade, qual miragem,
vendo o meu deserto triste,
insiste em mostrar a imagem
de um bem que não mais existe.
VANDA FAGUNDES QUEIROZ – Curitiba/PR

Meu coração, “paparazzo”,
guardou imagens tão belas,
que mesmo as sombras do ocaso
são manhãs, ao lado delas.
WANDIRA FAGUNDES QUEIROZ – Curitiba/PR

TROVAS HUMORÍSTICAS –

Tema “PIJAMA”

VENCEDORES

Diz a zebrinha ao zebrão,
sacolejando na grama:
– E que tal, meu bonitão,
triramos logo o pijama?…
ANTÔNIO AUGUSTO DE ASSIS – Maringá/PR

Primeira noite… Pijama,
camisola de babado…
Ela, acordada na cama,
tudo o mais… “desacordado”!
LUCÍLIA A. T. DECARLI – Bandeirantes/PR

Quando, ao zoológico, vai
o piá, vê a zebra e exclama,
chamando a atenção do pai:
– Quem pôs, no burro, um pijama?
LUIZ HÉLIO FRIEDRICH – Curitiba/PR

Com seu pijama listrado,
a sogra vai ao quintal…
E o genro, todo apressado,
prende a “zebra” no curral!
MARIA LÚCIA DALOCE – Bandeirantes/PR

Teve um infarto, na cama,
a noiva, que é tão frajola,
ao ver que, em vez do pijama,
o noivo pôs camisola!
MAURÍCIO N. FRIEDRICH – Curitiba/PR

MENÇÃO HONROSA

Faz frio e Eva reclama,
questionando a Criação:
“Ó Deus, invente o pijama,
que eu dispenso o tal Adão!”
GERSON CESAR SOUZA – São Mateus do Sul – PR

Chega o marido com medo,
põe o pijama, quietinho.
E a mulher: – Ainda é cedo,
volte pra cama, benzinho!
MARIA APARECIDA PIRES – Curitiba/PR

Meu pijama… sem botão,
fez sucesso, no passado;
mas se as coisas vêm… e vão,
hoje dorme abotoado!!!
NEIDE ROCHA PORTUGAL – Bandeirantes/PR

Depois que se aposentou,
seu pijama é só frangalho,
pois nunca mais o tirou,
para não lhe dar trabalho.
VANDA ALVES DA SILVA – Curitiba/PR

Celular ao pé do ouvido,
nem ouve se alguém o chama,
de tal modo distraído…
vai trabalhar de pijama!
VANDA FAGUNDES QUEIROZ – Curitiba, PR

MENÇÃO ESPECIAL

– Que será que o meu pijama
quer com a tua camisola?…
– O mesmo que nós na cama,
quando a gente deita e rola!…
ANTÔNIO AUGUSTO DE ASSIS – Maringá/ PR

O noivo, muito acanhado,
de noite ele fez um drama…
Teve de dormir pelado,
pois esqueceu o pijama.
ISTELA MARINA GOTELIPE LIMA – Bandeirantes/ PR

Preocupado com ladrão,
assustado, em sua cama,
trancou tudo, até o portão…
e acordou sem o pijama.
NEI GARCEZ – Curitiba/ PR

Dois pijamas lamentando
as suas vidas em vão:
– Começa assim, desbotando,
e depois… pano de chão!
NEIDE ROCHA PORTUGAL –Bandeirantes/PR

– Hoje é domingo, benzinha,
ovos mexidos na cama…
E a mulher, assanhadinha:
– Mexo, sim, mas sem pijama.
WANDIRA FAGUNDES QUEIROZ – Curitiba/PR

Âmbito Regional

ESTUDANTIL


Tema: ÁGUA

Se esta água nós sujamos,
De sede vamos morrer.
Pois ainda não pensamos
Que os bisnetos vão sofrer.
ALENCAR DOS SANTOS VIEIRA – 6a. Série do Ensino Fundamental
Escola Municipal Albert Schwettzer

A torneira está pingando?
Então é melhor fechar.
Pouco a pouco se esgotando…
A água pode até acabar.
ALINE OLIVEIRA – 2o. Ano do Ensino Médio
Escola Estadual Prof. Alcyone M. Castro Vellozo

É lindo vê-la na areia,
saindo da água do mar,
parecendo uma sereia…
Até fez-me apaixonar.
ALISSA CRISTINA CARNEIRO – 3o. Ano do Ensino Médio
Escola Estadual Prof. Alcyone M. Castro Vellozo

A água da chuva é tão bela,
que faz a gente feliz,
recebendo, na janela,
Um pinguinho no nariz.
GUSTAVO GUIMARÃES – 3o. Ano do Ensino Médio
Escola Estadual Prof. Alcyone M. Castro Vellozo

É desperdiçando as águas,
muitas vezes sem pensar,
que passamos pelas mágoas
de ver a fonte secar.
GUSTAVO GUIMARÃES – 3o. Ano do Ensino Médio
Escola Estadual Prof. Alcyone M. Castro Vellozo

Água, coisa essencial,
Que rima com “perfeição”.
E seu uso racional
rima com “preservação”.
HIGOR ALEXANDRE PADILHA LIMA – 6a. Série Ensino Fundamental
Escola Municipal Albert Schwettzer

As águas pedem ajuda,
pois existe solução.
Por favor, alguém acuda
a nossa grande nação!
JULIANE SALES – 3o. Ano do Ensino Médio
Escola Estadual Prof. Alcyone M. Castro Vellozo

Fiz um verso diferente,
com meu olhar cheio d’água…
Quis mostrar a toda a gente
Meu peito cheio de mágoa.
LILIAN J. CARVALHO – 3o. Ano do Ensino Médio
Escola Estadual Prof. Alcyone M. Castro Vellozo

Se a água acabar um dia,
todos nós vamos chorar.
Para manter a alegria,
vou mesmo dela cuidar.
POLIANA CELINE DE ALMEIDA – 5a. Série do Ensino Fundamental
Escola Municipal Albert Schwettzer

Gente, plantas, animais…
água de todos. Direito!
Seres vivos, tão iguais,
Em equilíbrio perfeito.
RAFAELLA CRISTINE DE S. LOPES – 6a. Série do Ensino Fundamental
Escola Municipal Albert Schwettzer

A água vira vapor,
e fez as nuvens também.
O sol, trazendo calor…
é a chuva que logo vem.
VICTÓRIA A. DE ASSIS FRAGOZO – 6a. Série do Ensino Fundamental
Escola Municipal Albert Schwettzer

As trovas de Âmbito Internacional divulgarei amanhã, terça-feira.
—————

Fontes:
– Livreto dos XVI Jogos Florais – Troféu Gladis Tissot – Curitiba 2010.
– Vânia Maria Souza Ennes – Paraná em Trovas. 3a. Edição revisada e ampliada. Curitiba: ABRALI, 2009.

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Jogos Florais, Trovas

Jogos Florais de Nova Friburgo- 2010 (Classificação Final)

Âmbito nacional

Tema — PRAZER

Vencedores

1º Lugar

Se a vida, em seus embaraços,
faz minha vida ser triste,
busco prazer em teus braços…
… e esqueço que a vida existe!
PEDRO MELLO
SÃO PAULO- SP

2º lugar

A vida, além de um prazer,
é a chance que a gente tem
de, mais que apenas viver,
ser luz na vida de alguém.
A. A. DE ASSIS
MARINGÁ- PR

3º lugar

Neste mundo tão mesquinho,
é um prazer ouvir a voz
de quem faz o bem sozinho,
mas usa o pronome “Nós”.
VANDA FAGUNDES QUEIROZ
CURITIBA – PR

4º lugar

De compromissos te esquivas
mas é fácil de notar,
que o prazer do qual me privas
vive escrito em teu olhar…
ANALICE FEITOSA DE LIMA
SÃO PAULO- SP

5º lugar

Quem segue, apenas querendo
ver o porto de chegada,
nem sabe que está perdendo
o prazer de olhar a estrada!
VANDA FAGUNDES QUEIROZ
CURITIBA – PR

Menção Honrosa

No prazer que envolve a gente
há tanta proximidade,
que me sinto intimamente
parte da tua metade.
ANALICE FEITOSA DE LIMA
SÃO PAULO- SP

O vinho ao pé da lareira,
teu carinho, teu calor…
Como não ser prisioneira
desses prazeres de amor?
WANDA DE PAULA MOUTHÉ
BELO HORIZONTE- MG

Esse meu amor de outrora
que vivi na mocidade,
é prazer que ainda mora
nos desejos da saudade.
SEBAS SUNDFELD
TAMBAÚ – SP

As mentiras bem montadas
que me dizes com prazer,
são algemas desgastadas
que eu teimo em não desprender!
ALBA CRISTINA CAMPOS NETO
SÃO PAULO- SP

Seu beijo me dá prazer,
me faz perder o juízo…
Eu nem preciso morrer
para entrar no paraíso!
ISTELA MARINA GOTELIPE
BANDEIRANTES- PR

Menção Especial

Disse-me adeus a esperança,
mas deixou no seu lugar
o prazer de uma lembrança
que veio para ficar!
ALMIRA GUARACY REBELO
BELO HORIZONTE- MG

Em algo simples se encerra
raro prazer e emoção:
– O cheiro que emana a terra
quando a chuva cai no chão.
OLGA AGULHON
MARINGÁ – PR

Findou a paixão intensa,
o prazer deu-se ao cansaço…
E, entre nós, a indiferença
construiu o seu espaço.
THEREZA COSTA VAL
BELO HORIZONTE- MG

Guardo os bons tempos da vida,
e os maus procuro esquecer,
mas a memória, atrevida,
teima em roubar-me o prazer.
DOROTY JANSSON MORETTI
SOROCABA- SP

Quanto mais a idade avança
no longo tempo a correr,
eu tenho mais esperança
e mais prazer em viver…
BENEDITO VIEIRA TELLES
MARINGÁ -PR

Tema Desespero ( Humororistica)

1º Lugar

Desepero mais certeiro
neste mundo errado e torto,
é o coitado do coveiro
não ter onde cair morto…
JOÃO PAULO OUVERNEY
PINDAMONHANGABA-SP

2º lugar

Cornélio…desesperado…
abre o armário…(a arma na mão)…
“Você…compadre?!…”. – E, aliviado:
“Pensei que fosse um ladrão!”
JAIME PINA SILVEIRA
SÃO PAULO – SP

3º lugar

Pleno vôo, explica o Pero:
– este avião vai cair…
Não entrem em desespero,
quem quiser pode sair.
ISTELA MARINA GOTELIPE LIMA
BANDEIRANTES- PR

4º lugar

Tomou “todas”- Que exagero!-
ficou com dupla visão…
Foi pra casa e… Oh! Desespero!
– Duas sogras no portão!!!
RENATO ALVES
RIO DE JANEIRO- RJ

5º lugar

Diz vovó, com desespero,
– Não “eleva”, nem rezando?
Bota no gelo, Ferrero,
quem sabe, se congelando…
LICÍNIO ANTÔNIO DE ANDRADE
JUIZ DE FORA-MG

Menção Honrosa

Chega em casa, inesperado
e ao procurar, seu pijama,
por desespero, o danado,
remia, em baixo da cama…
FABIANO DE CRISTO M. WANDERLEY
NATAL – RN

Desespero do tenor,
que já se sente “gagá”:
pra noiva, cheia de amor,
só ergue a voz – e olhe lá…
JOÃO FREIRE FILHO
RIO DE JANEIRO- RJ

Fez a macumba… no entanto,
desesperou-se e sofreu…
– Em vez de “baixar” o santo,
a caxumba é que desceu…
PEDRO MELLO
SÃO PAULO- SP

A platéia se espantou:
o ator saiu do roteiro,
desesperado, e gritou:
“Meu reino por um banheiro!”
SELMA PATTI SPINELLI
SÃO PAULO- SP

Com desespero, gemidos,
Zé se agacha atrás de um toco.
pelos torresmos comidos,
passa vergonha…e sufoco!..
TEREZA COSTA VAL
BELO HORIZONTE- MG

Menção Especial

Mal subi no parapente,
que DESESPERO, Doutor :
– Minha sogra – “sorridente”…
bem no lugar do instrutor!…
MARIA MADALENA FERREIRA
MAGÉ- RJ

Comida sem « exagero »
disse o médico ao doente:
-Não me leve ao desespero…
dotô, sou um rico emergente…!
WANDIRA FAGUNDES QUEIROZ
CURITIBA- PR

Faz regime…e, por fazê-lo,
se desespera a coitada,
pois sempre tem pesadelo
com rodízios…de salada!…
PEDRO MELLO
SÃO PAULO- SP

“Desembarque demorado!!!”
E quando o luso escutou
“É FOGO!” – desesperado,
Correu à proa… e pulou!…
MARIA MADALENA FERREIRA
MAGÉ- RJ

O “cabra lá no sertão,
pra desespero da casa,
só gosta de chimarrão
e de churrasco na brasa!
DJALDA WINTER SANTOS
RIO DE JANEIRO
—————

Fonte:
Colaboração de A. A. de Assis

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Concursos de Trovas

II Jogos Florais de Caxias do Sul – 2010 (Classificação Final)

UBT SEÇÃO DE CAXIAS DO SUL E ACADEMIA CAXIENSE DE LETRAS

TROVAS PREMIADAS

ÂMBITO NACIONAL = TEMA “TREM”

VENCEDORES

O trem da vida ao destino
chega no horário marcado:
– Por que não desce o menino
que embarcou tão animado?
Olympio Coutinho – Belo Horizonte/ MG

Na ferrovia do ardor…
a paixão dita o preceito:
sou trem que conduz… o amor,
sobre os trilhos do teu leito!G
Ailto Rodrigues – Nova Friburgo/ RJ

MENÇÃO HONROSA

Prevendo a grande viagem
a qual farei qualquer dia,
reservei uma passagem
para o trem da poesia.
Adilson Galvão – Nova Friburgo/ RJ
O “te esquecer” me conflita
e a razão manda que eu tente
mas…quando a saudade “apita”,
cresce um “trem” dentro da gente!
José Ouverney – Pindamonhangaba/ SP
MENÇÕES ESPECIAIS

Na estação do meu anseio,
nos perdemos de nós dois…
-Não foi o trem que não veio:
fui eu que cheguei depois…!
Pedro Mello – São Paulo/ SP

Lá vai o trem ofegante
montanha acima, e um véu
de fumaça esvoaçante
falseia nimbos no céu!
Francisco José Pessoa – Fortaleza/ CE

ÂMBITO ESTADUAL = TEMA “TRILHO”

VENCEDORES

Penso que assim como os trilhos
levam e trazem o trem,
o pai conduz os seus filhos
pelo caminho do bem.
Clênio Borges/ Porto Alegre -RS

Caminhando pelos trilhos
em noites enluaradas,
as estrelas lançam brilhos,
que salpicam as estradas!
Delcy Canalles/Porto Alegre -RS

MENÇÕES HONROSAS

Quando o percurso é distante
e os trilhos correm sem fim,
é bem nesse exato instante,
que Deus alia-se a mim!
Lisete Johnson/Porto Alegre -RS

Doces lembranças guardadas,
no peito, quem não as tem?
de caminhar de mãos dadas
pó sobre os trilhos do trem.
Neoly de O. Vargas/Sapucaia -RS

MENÇÕES ESPECIAIS

Belos gestos de inocência,
bênçãos de amor despertaram,
e, nos trilhos da existência,
só saudade carregaram…
Olga Maria Dias Ferreira/ Pelotas-RS

Quando um filho perde a trilha
perseguindo falsos brilhos,
toda a vida da família,
geralmente, sai dos trilhos.
Milton Sousa/Porto Alegre-RS

ÂMBITO MUNICIPAL = TEMA “COLHEITA”

VENCEDORES

Enquanto a vida se enfeita
com sorrisos e amizades,
vou preparando a colheita
das lembranças e saudades.
Alice Brandão

Cada semente lançada,
com amor e com cuidado,
traz a colheita sagrada
do sonho mais esperado.
Amália Marie Gerda Bornheim

MENÇÃO HONROSA

No momento da partida
queira Deus, Nosso Senhor,
que a colheita desta vida
seja só frutos do amor.
Lucí Barbijan

A nossa farta colheita
árduo trabalho revela:
uma estrada tão estreita
tornou-se fértil e bela!
Jussára C. Godinho

MENÇÃO ESPECIAL

A colheita da estação,
junto aos vastos parreirais,
traz a marca e o coração
dos mais nobres ancestrais…
Amália Marie Gerda Bornheim

Desde o plantio à colheita
quanto trabalho e beleza!
A família satisfeita
alegra de uva a mesa!
Jussara C. Godinho

———

Fonte:
Colaboração de Giuseppe Stromboli Barbosa

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Resultados de Concursos, Trovas

Primeira Edição do Prêmio Talentos de Poesia (Resultado Final)

A primeira edição do Prêmio TALENTOS de Poesia foi realizada entre o final de abril e o início de agosto de 2009. Reuniu 664 poetas de todo o País, que postaram 1.252 poesias ao longo de todo o período.

Uma coincidência entre os três vencedores: nenhum deles havia participado de um concurso de poesias antes.

TALENTOS contabilizou grandes números ao longo da disputa. O site chegou a manter média superior a 50 mil acessos únicos por mês e teve picos de quase 70 mil acessos em 30 dias corridos. A média de páginas visitadas a cada acesso (13,48) e o tempo médio dedicado por cada visitante no site (6,41 minutos), ficaram muito acima das médias registradas na internet. Ao longo dos quatro meses de concurso, o site recebeu visitantes de 74 países e a inscrição de brasileiros que moram em Portugal e na Suíça. A interatividade proporcionada pela introdução do Júri Popular e dos comentários nas poesias garantiu a alta freqüência. Durante o período de realização, foram postados, nas poesias publicadas, exatos 9.051 comentários.

OS VENCEDORES

——————
1.
As Últimas Horas do Galo José, primeira colocada em TALENTOS, é obra de um jovem sul-mato-grossense de 22 anos: Ivan Marinho de Souza, que usou o nickname Eriol. Escritor, redator e roteirista profissional, Ivan escreveu sua primeira poesia aos dez anos, por uma causa nobre: queria dar um presente aos pais e, como não tinha dinheiro, sentou e escreveu seus primeiros versos. Ivan se inspirou num fato do seu cotidiano para compor As Últimas Horas do Galo José. “Minha vizinha tinha um galo que costumava cantar sempre à 1 hora da madrugada, um horário meio incomum”, contou ele, em entrevista por e-mail para TALENTOS. “Certo dia, ele não cantou mais, e então resolvi eternizá-lo em uma poesia que mostra que devemos valorizar cada hora da nossa vida como se fosse a última”. Ivan mora em Campo Grande e, se fosse um dos jurados, escolheria como vencedora Ipê Verde, de autoria de Estrela, codinome da jornalista Albina Morais Cordella, de Santos (SP).

As Últimas Horas do Galo José

Às cinco horas da matina
O Galo José afinou o gogó
Para entoar um sol sustenido

Às onze horas do almoço
Alongou as afiadas esporas
Para disputar a pipoca de cada dia

Às quatro horas da tarde
Desfilou pelo terreno da Carijó
Para mostrar quem era o “bom de bico”

Às sete horas do jantar
Tomou um rápido banho de lua
Para ir ciscar nos braços de Morfeu

À meia-noite dos lobisomens
Buscou um galho mais seguro
Para não virar despacho de encruzilhada

Às cinco horas da matina
O Galo José não afinou o gogó
Mas as últimas horas valeram à pena

2.
Remorsos, segunda colocada em TALENTOS, foi escrita por Odir Milanez da Cunha (foto), um paraibano de 53 anos que participou pela primeira vez de um concurso de poesias usando o nickname de OKLIMA. Auditor fiscal aposentado, Odir descobriu-se um poeta tardiamente, aos 36 anos, quando compôs Minha Rua, inspirada por uma bela mulher que morava nas vizinhanças. Remorsos foi escrita, segundo contou Odir em entrevista por e-mail a TALENTOS, “em um instante de reflexão sobre o que fiz da minha vida até agora, o que eu sonhava ser quando criança e os meus sonhos atuais sobre o que poderia ter sido e não fui”. Neste sentido, Remorsos, está inserida dentro da própria definição que ele dá a poesia: “É um sussurro da alma que a mente fértil do poeta percebe, congrega letras, concebe palavras e as transmuda em sentimentos por ele inspirados”. Odir mora em João Pessoa, e foi lá que articulou a edição de seu primeiro livro, lançado em julho de 2009, A Odisséia de Xexéu, Xana e Xibina – Uma Saga do Cotidiano, em parceria com o sul-matogrossense Rubenio Macedo e com o paraibano Fernando Cunha Lima. Ele aponta um de seus concorrentes no turno final, DVILLON – codinome do redator publicitário Daniel Retamoso Palma, de Santa Maria (RS) – como o autor da poesia que mais lhe agradou no concurso: Colheita no Silêncio.

REMORSOS

Que fiz da vida que nasceu comigo?
Por que o remorso pesa em meu passado?
Por que não me arrisquei ante o perigo,
para criar o que não foi criado?

Poderia ter sido mais amigo,
amar demais e ser bem mais amado,
poderia ter dito o que não digo
ou, em vez de dizer, ficar calado…

Dos dias me esqueci do entardecer.
Agora só me resta conhecer
que o futuro presente me reclui.

Se nas horas dos dias de crescer
eu sonhava com o que queria ser,
hoje sonho em ter sido o que não fui.

3.
Vampiro, terceira colocada em TALENTOS, é de autoria do psicanalista paulista Paschoal Di Ciero Filho (foto), de 66 anos, que assinou com o pseudônimo SATURNO. Nascido em Itu, no interior de São Paulo, Ciero mora na Capital desde os 18 anos. Em São Paulo escreveu, aos 20 anos, sua primeira poesia. “Foi no dia do meu aniversário. Pela primeira vez eu estava sozinho para comemorar a data, o que me deixou muito triste”, contou ele em entrevista por e -mail para TALENTOS. Segundo ele, “a poesia foi o modo que encontrei para expressar essa tristeza, mesmo sabendo que corria o risco de não ter um leitor”. Em 2003, Ciero, publicou o livro Primavera Fenecida. Vampiro, a poesia que deu a ele a terceira colocação do concurso, foi inspirada pela ideia de “descontruir um fato, uma coisa e reconstruir à sua maneira pessoal”. Ciero, que também escreve contos, teve uma de suas obras agraciadas com menção honrosa em concurso literário da Academia Brasileira de Letras do Rio de Janeiro.

VAMPIRO

Escuras ondas
Labaredas.

Serpentes silvam,
Silenciosas.

Lascas, estacas,
Exangues faces.

Bater de asas
Que se afastam.
===========================
Outras poesias do Concurso mencionadas acima

Albina Moraes Cordella
IPÊ VERDE

Ipê amarelo, roxo, rosa, branco!
Esse era um especial Ipê.
Cobria-se de flores verdes,
onde já se viu???
Na porta da minha casa!

Um dia…
O vento, naqueles dias de mau humor,
num sopro zangado, derrubou a arvorezinha.
E ela ficou deitada, ali na calçada, quietinha!
Esperando, com olhinhos de anjinho de igreja,
que alguém fizesse alguma coisa.

As raízes expostas sangraram todo o verde
usado para tingir as flores.

Veio a chuva, veio o Sol, veio a noite.
Vieram os pássaros, aflitos.
Vieram os insetos, velozes.
Vieram as crianças, ingênuas, curiosas.
E os homens não vieram, insanos, cruéis.

Esperou por dias a fio. Agonizante…
Em vão!

Sua alma verde foi para o céu.
Enfeitar a entrada do paraíso.

Aqui jaz o Ipê Verde.
Ainda tinha muito o que fazer na Terra.

Aqui jaz o Ipê Verde.
Ainda tinha muito o que fazer pela Terra.
==============================

Daniel Retamoso Palma
COLHEITA NO SILÊNCIO

colher
verbenas dos campos
do silêncio
colher
verbenas dos campos
minados pelo silêncio
ofertar seu pólen
aos fantasmas do vento
que erguem poemas
do que não tem verbo
colher
verbenas dos campos
de concentração do silêncio
e ofertá-las ao tempo
que cala no verbo
a flor do poema
colher
verbenas
dos campos de batalha
entre flores de silêncio
e sangue
e aos desertores do ab-surdo
ofertá-las
em vez das medalhas
colher
verbenas
dos campos-santos
consagrados ao silêncio
exumar a voz dos corpos
que é nosso também o grito
estrangulado em nossos mortos
colher
verbenas
dos campos de fantasmas
exilados no silêncio
e ofertá-las ao balé
do vento sem pátria
colher
verbenas
dos campos do silêncio
e ofertá-las, sem esperança
ofertá-las, apenas

Fontes:
Colaboração de Douglas Lara.
http://www.talentos.wiki.br/PremioTalentos/

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Concursos Literários, Resultados de Concursos

Jogos Florais Estudantis de Ribeirão Preto 2009 (Classificação Final)

Estudantil para alunos de 5ª a 8ª e ensino médio de todas as redes de ensino
LÁPIS – (Lírico ou filosófico)
BORRACHA (Humorístico)

VENCEDORES: (troféu)
LÁPIS – (Lírico ou filosófico)

1º lugar
O lápis trabalha o tema
que escrevo com alegria
o lápis cria o poema
amigo no dia-a-dia!
Christian G. Serafim 8ª B
Escola: Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

2º lugar
Com o lápis registrei
o seu nome, com amor,
só que nunca imaginei
que me desse tanta dor!
Maria Fabiana G. da Silva 6ªA
Escola: Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

3ª lugar
O lápis e o pensamento
escreveram bem assim:
com meu puro sentimento
eu te juro amor sem fim!
Raquel P. da Silveira 8ª A
Escola: Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

4º lugar
No papel tento expressar
Os gestos que não consigo
Só o lápis pode mostrar
Os dons que trago comigo.
Maria Rúbia S. Machado-nº26-7ª
EMEF “Professor Anísio Teixeira”

5º lugar
O lápis tem cores lindas
Arco-íris que vem do além
Como saudades infindas
Que nos fazem muito bem.
Guilherme de Almeida Camargo -7ª A
EMEF “Professor Anísio Teixeira”

MENÇÕES HONROSAS:
(medalha de prata)

1º lugar
No papel branco desenho
com o lápis, uma flor;
assim algo terno tenho
pra mandar ao meu amor!
Larissa G da Silva-6ª C
Escola: Cemei Dr. João Gilberto Sampai

2º lugar
O lápis é meu amigo
Com ele vou escrevendo
Ele sempre está comigo
A lição vou aprendendo.
Vania Carla Correa-6ª série
EMEF do CAIC Antonio Palocci

3º lugar
Com o lápis vou escrever
a paixão que tens por mim
com os teus olhos vou ver
um sentimento sem fim.
Gabriella Lucindo Reyde-7ª A
Escola Municipal de Ensino Fundamental Profª Elisa Duboc Garcia

4º lugar
Com o lápis vou escrevendo
um mundo sem crueldade
e assim nós vamos vivendo
com um pouco de igualdade.
Karina Aparecida Barreto Quirino -7ª A
Escola Municipal de Ensino Fundamental Profª Elisa Duboc Garcia

5º lugar
“Com um pequenino toque
De um só lápis encantado
Eu modifico meu rock
Num clássico inesperado”.
Mariana Cardoso Amaral Gonçalves-8ª A
EMEF “Professor Anísio Teixeira”

MENÇÕES ESPECIAIS
(medalha de bronze)

1º lugar
O meu lápis registrou
dias de felicidade,
mas a dor logo lembrou:
não passava de saudade!
Jaqueline A. de Oliveira-8ª A
Escola: Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

2º lugar
Dia da prova chegou
todos com lápis na mão
a professora falou:
– agora, muita atenção!
Matheus H. Zanin-7ª A
EMEF do CAIC Antonio Palocci

3º lugar
Eu não posso te dizer
Também não posso explicar
Com o lápis posso escrever
O que sofro por amar.
Natália de Carvalho Vieira-7ª série D
CAIC Antonio Palocci

4º lugar
Lápis não anda sozinho
Precisa de uma mãozinha
Para escrever um versinho
Para brilhar na escolinha.
Adolfo Ribeiro Pina-7ª C
EMEF do CAIC Antonio Palocci

5º lugar
O lápis é como a vida:
um dia vai se acabar.
Só que a vida bem vivida
mais feliz vai terminar.
Thaís Marilaine T. Rodrigues da Silva-8ª A
CEMEI” Virgílio Salata”
===================
BORRACHA (Humorístico)
VENCEDORES:
(troféu)

1º lugar
A borracha eu usei
pra apagar minha lição
e com ela apaguei
nota baixa no provão.
João Vitor A Rosato-5ª A
Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

2º lugar
O churrasco do meu pai
é borracha…de terceira:
a cada mordida, um ai
e dois dentes pra lixeira!
Matheus Mattos -8ª A
Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

3º lugar
Em minha rósea borracha
desenhei um coração
mas meu amor, que se “acha”,
jogou a pobre no chão!
Maria Victória -5ª A
Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

4º lugar
A borracha foi queixar
Perto daquela morena
Eu fui correndo buscar
Caí e saí de cena!
Marcos Aparecido Mendes Sobrinho-6ª C
Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

5º lugar
A borracha do chiclete
Eu mastigo sem parar
e sem dó eu pinto o sete
o meu dente a estragar!
Artur Henrique Costa de Souza-5ª B
Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

MENÇÕES HONROSAS
(medalha de prata)

1º lugar
A danada da borracha
sem querer caiu no chão,
dureza, ninguém a acha,
e me custou um dinheirão!
Izadora P. Moreira -8ª A
Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

2º lugar
A borracha do estilingue
pra matar um passarinho,
se rasgou e, puxa, zingue!
foi na casa do vizinho!
Peterson José de Melo de Campos-5ª B
Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

3º lugar
A borracha da mangueira
estourou na minha mão
puxa, me molhei inteira,
parecia um sopão!
Larissa G. da Silva-6ª C
Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

4º lugar
Quis pedir uma borracha,
mas a língua é grudada…
falei mesmo foi “bolacha”
ganhei uma bofetada!
Paulo Henrique Mendonça Junior-7ª A
Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

5º lugar
Este cara do meu lado
Gastou da minha borracha
Mandou eu ficar calado
E comeu minha bolacha.
Vinicius Cipriano Andrade-6ª série
EMEF do CAIC Antonio Palocci

MENÇÕES ESPECIAIS
(medalha de bronze)

1º lugar
Com a borracha apaguei
lembranças de um mau passado
a cabeça eu arejei
– era um namoro arretado!
Júlia Maria Araújo -7ª B
Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

2º lugar
A borracha eu cortei
fiz com ela uma mistura
num menino atirei
pois era uma belezura!
Mayara Ruiz Bonassa-5ª A
Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

3º lugar
Emprestei uma borracha
mas ninguém me devolveu
eu comprei uma bolacha
só que o meu bem comeu!
Steffani Soares N. Amado-7ª A
Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

4º lugar
A borracha apagou
o erro no meu escrito;
foi o lápis que errou
no fim, eu tomei um pito?
Reginaldo Ignácio Ferreira-7ª B
Cemei Dr. João Gilberto Sampaio

5º lugar
A borracha era infiel
Então o lápis se vingou
Desenhou-a no papel
ela mesma se apagou.
Bruna Giovana Malta Victal Teodoro -1º B-Ensino Médio
Emefem Dom Luis do Amaral Mousinho

O resultado do XXII Jogos Florais de Ribeirão Preto Nacional e Internacional se encontra em http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/05/xxii-jogos-florais-de-ribeirao-preto_31.html

———————–

Fonte:
UBT/SP– Seção de Ribeirão Preto

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Concursos, Ribeirão Preto, Trovas

Projeto de Trovas Para Uma Vida Melhor (Resultados da 2a. Etapa)

Grupo 1 Nacional
Tema: Paciência
VENCEDORES

1º Lugar
Ante as agruras da vida,
que nos chegam com freqüência,
a conduta mais contida
é seguir com paciência.
Hélio Pedro Souza
Natal/RN

2º LUGAR
A Paciência é uma virtude
que, junto à perseverança,
de nós, afasta a inquietude,
e traz de volta a esperança!
Delcy Rodrigues Canalles
Porto Alegre/ RS

3º LUGAR
Só com paciência se alcança
o que se espera da vida.
Siga com mais esperança
a cada meta vencida!
Leonilda Yvonneti Spina
Londrina/PR

MENÇÃO HONROSA


1.
Dá-me, Deus, com certa urgência,
a graça que aqui rabisco:
dez por cento da paciência
que puseste em São Francisco!
Humberto Rodrigues Neto
Pirituba/SP

2.
Motorista, paciência…
Calma lá, meu companheiro!
Não se esqueça: competência
nem sempre é chegar primeiro!
Antonio Augusto de Assis
Maringá/PR

3.
Não há nada que se negue
ao homem manso e cortês:
a paciência consegue
muito mais do que a altivez!
Renata Paccola Frischkorn
São Paulo/SP

4.
É na sua deficiência,
que o cego, na escuridão,
acende a luz da paciência
no altar do seu coração…
Ercy Maria Marques de Faria
Bauru/SP

5.
“Quando a dor chega a seu lar
paciência é uma virtude
que se deve cultivar
com amor em plenitude!”
Sônia Ditzel Martelo
Ponta Grossa/PR

MENÇÃO ESPECIAL

1.
Quem pratica a paciência,
como virtude na vida
supera toda ciência
vence a mais perversa lida.
Wilton Di Cali
Guarulhos/SP

2.
Paciência tem limite,
eu sempre pensei assim;
embora não acredite,
nosso amor chegou ao fim.
Neiva Fernandes
Campos dos Goytacazes/RJ

3.
A virtude da paciência
nos traz equilíbrio e paz
ao evitar a imprudência
de uma atitude fugaz.
Alfredo Barbieri
Taubaté/SP

4.
Um desafio na vida
é vencer tribulações
e a paciência nos convida
a refrear emoções.
Marina Gomes de Souza Valente
Bragança Paulista/SP

5.
Quando a dor desta existência
torna-se um fardo pesado,
a Deus peço a Paciência
e na fé sigo amparado!
Maria Emília Leitão Medeiros Redi
Piracicaba/SP
—————
GRUPO 2 NACIONAL
Tema: Paciência


VENCEDORES

1º Lugar
Contra a grande violência
e a total insegurança,
é melhor ter paciência
e uma dose de esperança,
Ilze Soares
São Paulo/SP

2º Lugar
Paciência teve Jó
que tantas dores sofreu,
perdeu tudo, ficou só
mas, sua fé não morreu.
Mifori
Mogi das Cruzes/SP

3º Lugar
Tenha a calma de um regato,
da criança a inocência;
você verá que, de fato,
a tudo vence a paciência.
Adamo Pasquarelli
São José dos Campos/SP

MENÇÃO HONROSA

1.
Neste mundo em que vivemos,
de tanta pressa e aflição
que paciência nós temos
para ajudar um irmão?!
Diamantino Ferreira
Campos dos Goytacazes/RJ

2.
Loja de conveniência,
farmácia e lanchonete
ofereçam “Paciência”
em comprimido ou tablete.
Gisleno Feitosa
Teresina/PI

3.
Todas as dores do mundo,
tem uma causa, uma essência.
Mas, com fé e amor profundo,
Deus nos provê Paciência!
Dilma Ribeiro Suero
Estácio/RJ

4.
Paciência é um preceito
de quem tem fé, confiança,
e acredita no conceito:
“Quem espera sempre alcança”
Decio Rodrigues Lopes
Mogi das Cruzes/SP

5.
Tenha paciência, senhora,
na vida tem recomeço;
quando um amor vai embora,
outro amor manda endereço.
Clênio Borges
Porto Alegre/RS

MENÇÃO ESPECIAL

1.
Diante de tanta violência,
serena, medita e ora;
espera com paciência
e vive no aqui e agora.
Elisa Santos
Ponta Grossa/PR

2.
Se teu viver é exemplar,
com paciência e união,
tua vida há de brilhar,
como uma bela lição!
Arlene Lima
Maringá/PR

3.
A paciência na dor
é virtude de alma forte.
Vislumbra tão grande Amor,
vai vencer até a morte.
Elisa Alderani
Ribeirão Preto/SP

4.
Paciência!… Paciência!…
Oh meu Deus, me dá um pouco…
Pois se dela, há carência,
fico agindo como um louco.
Raquel Delvaje
Piracicaba/SP

5.
Houve pedras no caminho…
Em que eu tanto tropecei,
com paciência e carinho,
na esperança confiei!
Célia Apparecida Silli Barbosa
Ribeirão Preto/SP
—————
GRUPO INTERNACIONAL
Tema: Paciência

VENCEDORES

1º Lugar
Paciência é uma virtude
que se tem, mas que se gasta
quando se toma a atitude
de, para alguém, dizer: – Basta!
António José Barradas Barroso
Portugal

2º Lugar
Tanta era a sua pobreza
com humildade e decência,
que, faltando o pão na mesa,
lhe sobrava a paciência.
Olívia Alvarez Miguez Barroso
Portugal

3º Lugar
Que Deus me dê paciência
para sofrer esta dor
de ver que a inconsciência
mata e diz que é por amor!
Gisela Alves Sinfrónio
Olhão/Portugal

MENÇÃO HONROSA

1.
Em teus braços meu amor
me sinto plena e feliz,
tua paciência é calor,
dá a minha vida matiz.
Nora Lanzieri
Buenos Aires/Argentina

2.
Os avanços da ciência,
por vezes vão devagar,
preciso ter paciência
para uma cura aguardar…
Aciolinda Spranger
Lagos/Portugal

3.
Se diz não ter paciência
pra ler, da Bíblia, conselhos;
use da sua valência:
Fale com Deus, de joelhos…
Maria da Conceiçãoo Custódio Sanches
Gois/Portugal

4.
Com positiva paciência
obra boa descortina,
te diz a minha consciência
que sempre Deus ilumina.
Jamil William Piscoya Ayala
Ferreñafe/Peru

5.
Para todo o sofrimento
É preciso Paciência
Um olhar com sentimento
A quem vive na indigência.
Maria José Fraqueza
Fuzeta/Olhão/Portugal

MENÇÃO ESPECIAL

1.
Se a paciência faltar
nas penas, que hão-de ser luz…
Lembra Deus a carregar
por nós, o peso da Cruz!
Clarisse Barata Sanches
Góis/Portugal

2.
Se na dor, por excelência,
O amor é primordial…
Há o sofrer, com paciência,
De quem sofre d’algum mal!
Fernando Reis Costa
Coimbra/Portugal

3.
Um homem sem paciência,
nem na dor tira vantagem;
e vê na sua existência
uma vida sem coragem!
Jorge A. G. Vicente
Suiça

4.
No sofrimento e na dor
rogo a Deus Sua clemência,
resarei com mais fervor,
para me dar paciência…
António Boavida Pinheiro
Lisboa/Portugal

5.
Paciência é virtude
que no mundo pouco abunda;
hoje em qualquer latitude
está quase moribunda.
Euclides Cavaco
Canadá
——-

Colaboração
Antonio Augusto de Assis, por e-mail.

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Resultados de Concursos, Trovas

XXII Jogos Florais de Ribeirão Preto 2009 (Classificação Final)

TEMA NACIONAL – CIGANO (LIRISMO)

Categoria: Vencedores (Troféu)

1º LUGAR
Sofredor desde menino
e tendo o sonho por meta,
quis saber qual seu destino,
diz-lhe o cigano:- Poeta!
Carolina Ramos
Santos (SP)

2º LUGAR
Cigano de olheiras fundas,
pele morena, crestada,
quantas tristezas profundas
já deixaste pela estrada?
Hermoclydes Siqueira Franco
Nova Friburgo (RJ)

3º LUGAR
Cigana e bela mulher…
desse romance eu me ufano!
Não vive um amor qualquer,
quem vive um amor cigano!
Éderson Cardoso de Lima
Niterói (RJ)

4º LUGAR
Amor cigano, utopia,
triste busca por alguém;
quem tem um amor por dia
não tem o amor de ninguém.
Olympio da Cruz Simões Coutinho
Belo Horizonte (MG)

5º LUGAR
Cigano eu vou pela vida,
e minha tenda é montada,
não com a lona estendida,
mas, com a noite estrelada…
Izo Goldman
São Paulo (SP)

Categoria: Menção Honrosa (Medalha Dourada)

1º LUGAR
Errei pela vida afora,
sou cigano sem destino…
te achei!… Não vou mais embora,
sigo o sonho de menino.
Renato Alves
Rio de Janeiro (RJ)

2º LUGAR
Tangendo brilhos e rastros,
como compete a um perito,
cigano é o “pastor dos astros”
no rebanho do Infinito!
José Ouverney
Pindamonhangaba (SP)

3º LUGAR
Qual pequenina carroça
de cigano sonhador,
leva a trova, a quantos possa,
carga máxima de amor.
Antônio Augusto de Assis
Maringá (PR)

4º LUGAR
Quando o cigano chegou
tocando seu violino,
no meu coração tocou,
entrando no meu destino.
Maria Apparecida S.Coquemala
Itararé (SP)

5º LUGAR
Sei que irá me causar dano.
o fascínio que me exerces,
pois teu amor é cigano
mas o meu quer alicerces…
Elbea Priscila de Sousa e Silva
Caçapava (SP)

Categoria: Menção Especial (Medalha Prateada)

1º LUGAR
O cigano ao ver-me em pranto,
na dor que cruel avança,
espantou meu desencanto,
despertou minha esperança!…
Marilúcia Resende
São Paulo (SP)

2º LUGAR
Deu-me, o cigano, uma rosa
e partiu sem dizer nada
e esta rosa, hoje saudosa,
vive a chorar…desfolhada…
Marina Bruna
São Paulo ( SP)

3º LUGAR
Cigano, da tua andança
por esse mundo sem fim,
traz-me um pouco da esperança
que a sorte roubou de mim…
Ercy Maria Marques de Faria
Bauru (SP)

4º LUGAR
Mulher olhando vitrine,
cigano vendo dinheiro,
Eis a pergunta:- Imagine
quem desistirá primeiro?
Miguel Russowsky
Joaçaba (SC)

5º LUGAR
Ante o teu vulto de fada
e esse lindo olhar arcano,
sinto a alma engalanada
por ter nascido cigano!
Hermoclydes Siqueira Franco
Nova Friburgo (RJ)

TEMA NACIONAL – EREMITA – ( Humorismo )

Categoria: Vencedores (Troféu)

1º LUGAR
Foi o bebum “muito esperto”
como eremita… e está crente
que, no calor do deserto,
o oásis é de água… ardente!!!
Therezinha Dieguez Brisolla
São Paulo (SP)

2º LUGAR
Já não há nenhum prazer
que em público a lei permita:
quem quer fumar ou beber
tem que virar eremita!
Renata Paccola
São Paulo (SP)

3º LUGAR
Diz o Zé, sem compaixão,
Vendo a vizinha esquisita:
“a casar com tal canhão,
melhor morrer eremita”.
Eduardo Domingos Bottallo
São Paulo (SP)

4º LUGAR
O coitado do eremita
vive esta dúvida eterna:
quando vê mulher bonita,
só pensa em… sua caverna…
Izo Goldman
São Paulo (SP)

5º LUGAR
De andar a pé, já cansado,
um eremita ameaça:
vou me eleger deputado
pra andar de avião de graça…
Marina Bruna
São Paulo (SP)

Categoria: Menção Honrosa (Medalha Dourada)

1º LUGAR
Adotei o isolamento,
feito um ermitão qualquer,
pra fugir do casamento
e das manhas de mulher!…
Ademar Macedo
Natal (RN)

2º LUGAR
Fugiu da cara-metade…
fingiu ser monge eremita…
e vem ao bar da cidade,
só quanto acaba a birita!
Therezinha Dieguez Brisolla
São Paulo (SP)

3º LUGAR
Indo armar uma arapuca,
encontrei um eremita
que, me vendo de peruca,
perguntou se eu era Chita…
Ruth Farah Nacif Lutterback
Cantagalo ( RJ)

4º LUGAR
Louras, morenas, mulatas,
cada qual, a mais bonita,
vive cercado de gatas
e ainda diz que é Eremita.
Argemira Fernandes Marcondes
Taubaté (SP)

5º LUGAR
O eremita se isolou…
até que morreu, zureta.
ao chegar ao céu, pensou
que um anjo era borboleta.
Vanda Fagundes Queirós
Curitiba (PR)

Categoria: Menção Especial (Medalha Prateada)

1º LUGAR
– Sou eremita, diz, ancho,
celibatário também,
mas, no fundo do seu rancho,
o “santo” esconde um harém…
Élbea Priscila de Sousa e Silva
Caçapava (SP)

2º LUGAR
O eremita, na entrevista,
Ao voltar faminto e roto:
-para ser um João Batista
tem que comer gafanhoto?!
Therezinha Dieguez Brisolla
São Paulo (SP)

3º LUGAR
Um eremita só quer
ser feliz com o que tem,
para ele, não há mulher,
e não tem sogra também.
António José Barradas Barroso
Parede (Portugal)

4º LUGAR
Um eremita perfeito
Eu encontrei certo dia…
era tão chato o sujeito
que de si mesmo fugia.
Olympio da Cruz Simões Coutinho
Belo Horizonte (MG)

5º LUGAR
Minha sogra é uma eremita,
mas não sei por que razão
em minha casa é visita
de mala, cuia e colchão!!!
Maria Lúcia Daloce
Bandeirantes (PR)

Fonte:
Nilto Manoel.
UBT/SP – Seção de Ribeirão Preto

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Resultados de Concursos, Trovas

Concurso Literário Professor Horácio Pacheco (Academia Niteroiense de Letras)

Ocorreram 428 inscrições válidas: 64 crônicas, 168 contos e 196 poemas, provenientes de 20 Estados da Federação, do Distrito Federal e de Portugal.

Classificaram-se os seguintes escritores, que terão seus textos publicados em antologia a ser editada pela Imprensa Oficial do Rio de Janeiro:

Poesia:
· Ana Cristina Mendes Gomes (Rio de Janeiro / RJ): “O planeta colorido”.
· Anna Maria Avelino Ayres (Poços de Caldas / MG): “Lugarejo”.
· Antônio Rosalvo Accioly (Nova Friburgo / RJ): “A última esquina da rua sem nome”
· Isabel Florinda Furini (Curitiba / PR)): “Pesadelo”.
· Jafran José Bastos (Niterói / RJ): “Artesanato”.
· Janice Brito Mansur (Cabo Frio / RJ): Vinte e quatro tempos”.
· José Carlos do Nascimento (Fortaleza / CE): “Água”
· Lourdes Neves Cúrcio (Barra Mansa / RJ): “Versejando”.
· Pedro Ornellas (São Paulo / SP): “Recaída”.
· Roberto Saraiva Kahlmeyer-Mertens (Niterói / RJ): Haicai.

Crônica:
· Agatha Dias Lemos (Poços de Caldas / MG): “A fila do banco”.
· Carlos José Rosa Moreira (Niterói / RJ): “Indignação e êxtase”.
· Cláudio Alves da Silva (São João do Mereti / RJ): “Zorro x Dom Quixote”.
· Coracy Teixeira Bessa (Salvador / BA): “O coletor de quimeras”.
· Deborah Goldemberg (São Paulo / SP): “Tarde no tanque”.
· Júlio César Dias Erthal (Niterói / RJ): “Coindidências”.
· Karla Leopoldino Oliveira Freitas (Iúna / ES): “Todos meus amores”.
· Raymundo Souza (Rio de Janeiro / RJ): “Resgatando o passado”.
· Ricardo Martins Freire (Aparecida / SP): “Marília Monroe”.
· Sérgio Martins Pandolfo (Belém / PA): “O presépio de Belém”.

Conto:
· Adriano Monte Alegre (Salvador / BA): “Da minha janela”.
· Alfeu de Melo Valença (Rio de Janeiro / RJ): “Três pedidos”.
· Antônio Augusto de Assis (Maringá / PR): “A enchente”.
· Celso Antônio Lopes da Silva (São Paulo / SP): “São Paulo / SP): “Rogai por nós”.
· Davi Menossi Gonzáles (São Caetano do Sul / SP): “Boneca”.
· Guilherme Ferreira de Toledo Lourenço (Juiz de Fora / MG): “Variações desconcertantes sobre a mulher impermeável”.
· Luiz Gilberto de Barros (Rio de Janeiro / RJ): “Urutu”.
· Maria das Dores Oliveira (Ipatinga / MG): “Conto das Irmãs Carmelitas”.
· Ricardo Rao (Bragança Paulista / SP): “Canto Mariano”.
· Vanda Fagundes Queiroz (Curitiba / PR): “Confidência”.

Fonte:
http://www.academianiteroiense.org.br/

Deixe um comentário

Arquivado em Classificação, Concursos