Arquivo da categoria: cronipoesia

Amosse Mucavele (Apresentação)

Nina Rizzi
Á Nina Rizzi

Ando PENSATIVO
100 MOTIVO , dissocio-me da alma do gato de que me SIRVO
comovido pelo baile das mascarás que dançam na MESA ,onde o espirito do felino dita a sentença.
movo , o PRATO,
do lado da cozinha assisto o PARTO.
da carne que coze na OFICINA, e da panela testemunho a CHACINA dos ingredientes que jazem no pranto do PRATO do dia.
pego no garfo, afio as espadas do apetite com o semblante do meu líame (amor e angústia)
retiro-me da MESA , rodopio pela CASA, caminho em direcção a capoeira do meu lobo
e de seguida
penso ao alto no CRAVO
ACTIVO o amor nos olhos da rosa antes de ficar BRAVO
ponho o meu pensamento em pé
cavo bem ao fundo o sentimento que torna VIVO
este amor que o passáro canta ainda dentro do OVO
sento debaixo da árvore
TIRO o chulé do cansaço que cobre a alvorada do homem NOVO
ATIRO os silêncios costurados na primavera dos frutos que se embebedam no vôo do corvo
aos POUCOS à COPOS alcanço os TOPOS de um sonho erguido nos TRÓPICOS
e por fim activo, de forma radiante o meu uivo nos ouvidos do Globo:
eu não sou nada , sou apenas um sonhador.

Fonte:
Texto enviado pelo autor

Deixe um comentário

Arquivado em cronipoesia, Moçambique

Amosse Mucavele (Relógio)

Pintura de Salvador Dali
Á Marilía mulher que o tempo levou

É impossível que eu durma sem dar uma palmada no teu vertiginoso trilho

Impossível é, o meu acordar sem saudar a sua majestade voz

É impossível que eu me sente a mesa antes de namorar a sua redonda face

Impossível é, que eu vá ao serviço na sua ausência

Resumindo é impossível que eu viva sem ti, pois você é a menina dos meus olhos, de beleza infindável, incontornável é a sua sabedoria secular.

O teu silêncio ensina a pontualidade a falar todas as línguas

Querida ensina-me a fabricar verdades a hora certa. sabe admira-me bastante este seu jeito de ser e estar. mulher de mil e uma face pintadas a mesma cor ..

No pulso da parede que assombra a sala você declara o seu amor de forma leve, e eterna

Na parede do meu braço nossos sentimentos percorrem 365 dias sem intervalo, acendem o brilho das estrelas que iluminam o mundo.

A surdez dos ponteiros apontam o gatilho a nudez dos números, pois a muito que anda teso

Nós impávidos, assistimos a interminável guerra dos dois amantes

Que a cada hora carregam a certeza da morte dos sonhos e o nascer da nova aurora

Eu e você meu amor , escalaremos a montanha que cresce a cada olhar esboçado a compasso No cronômetro da distância que tem a nossa cara: o tempo – onde a hora se enamora com os minutos e os segundos.

Fonte:
Texto enviado pelo autor

Deixe um comentário

Arquivado em cronipoesia, Moçambique