Arquivo da categoria: Curiosidades de Nosso Brasil

Folclore Brasileiro (Por quê é Triste o Jaburu)

mito indígena de animais encantados do Mato Grosso
–––––––––––––
Nessa hora dúbia que ainda é dia e ainda não é noite, uma imensa tristeza se apodera dessa ave esquisita. E o jaburu, num dormitar profundo, nem sequer agita o longo pescoço, parecendo então um empalhado espécime de museu.

Nas grandes noites de cheia, move as asas poderosas e caminha de um lado para outro, lento e meditativo, como a montar guarda, naquela lagoa que é, desde há muito tempo, o seu pouso, a sua morada.

Vive sempre só e quando acontece aparecer um intruso, abre-lhe guerra e luta ferozmente.

Na hora crepuscular o seu voo nos faz lembrar velhas imagens de contos de fadas.

Quem viajar pelos sertões de Mato Grosso, mormente pela zona sul, há de encontrar à margem dos rios ou à beira das lagoas, uma ave cinzento-escura, pernas grossas, triste e esquisita, que tem, constantemente, a cabeça voltada para a terra…

É o jaburu.. .

Todas as tardes, ali escorado ele está numa perna só, tristonho, cabisbaixo.

Sobre a tristeza mística dessa ave há a seguinte versão: Mandi, indiozinho guerreiro, quebrando os preceitos sagrados da sua religião, deixou-se um dia apaixonar perdidamente por Ituna a mais formosa mulher da tribo de Morembi.

O pai queria fazê-lo Cacique, mas para isso era preciso, conforme dizia o pajé, que o filho não se casasse enquanto não passassem cinco luas, depois de ter recebido do pai o tacape de guerreiro e o diadema de morubixaba. Mas Mandi, que já havia consultado as águas da Lagoa Sagrada, sabia perfeitamente que a primeira lua muito longe estava ainda.

Por isso não podia esperar. Antes perder a soberania de Cacique do que ficar sem o amor daquela que Tupã mandara do céu, para alegria de seu coração na terra.

E Mandi não esperou, nem tão pouco ouviu as súplicas angustiosas do pai velhinho e doente…

Carin revoltou-se e, num momento de ódio, rogou uma praga terrível contra o filho.

Todas as tardes inevitavelmente, Mandi ia encontrar-se com Ituna à beira da Lagoa Sagrada e ali ficava, horas a fio, a contemplar a majestade de Febo, que se ocultava, aos poucos, na curva ensanguentada do horizonte.

Mas nunca estavam sós.

Uma ave de plumagem cinzento-escura, pescoço encolhido, descansando sobre uma das pernas, vinha fazer-lhes companhia.

E os dois divertiam a jogar migalhas de fruta adocicada ou miolo saboroso de quipiá para aquela ave mansa e esquisita apanhar com o seu bico grosso e forte. E em pouco tempo eram três que todas as tardes vinham admirar à beira da lagoa, a sublimidade da luta do dia contra as trevas.. .

Ficara tão manso o jaburu que vinha tirar-lhes da palma da mão a fruta adocicada ou o miolo saboroso.

Uma tarde, porém, umas nuvens densas e pesadas conglobaram-se para os lados do poente, com prenúncio de borrasca iminente.

Na tribo dos Araés ia uma balbúrdia medonha.

Carin, o valente e destemido guerreiro cacique, estava agonizante. As sombras daquela noite sem alvorada começavam a cair, lentamente sobre sua cabeça.

De quando em quando, pavoroso e medonho, um relâmpago rasgava o céu. O pajé, mãos cruzadas, cabeça caída sobre o peito rezava baixinho. Mulheres e crianças imitavam-no.

Quando percebeu que era chegada a hora, Carin chamou Mandi e entregou-lhe o tacape de guerreiro e o diadema de morubixaba.

Lá fora coroando o novo tuxana, um grupo de aráes dançava ao som de música fúnebre…

Mandi beijou a fronte bronzeada do pai e retirou-se. Na frente da palafita, mãos em conchas, sem dar atenção aos que saudavam, olhou em baixo e viu, por entre o clarão de um relâmpago, o vulto de Ituna que o esperava.

Não pode conter-se. Atirou para um lado os troféus sagrados que há pouco o pai lhe dera e desceu a encosta em desabalada carreira. Lá estava Ituna a formosa virgem que Tupã mandara do céu para a alegria do seu coração na terra.

Mandi contornou-lhe o corpinho delgado com seus braços longos e vigorossos e ia forçá-la para satisfação do seu incontido e lúbrico desejo, quando um raio, rasgando as trevas, veio cair-lhe em plena cabeça, fulminando-o juntamente com a índia virgem. No outro dia, já muito tarde, o pajé encontrou-os caídos sobre a relva úmida, os corpos estreitamente unidos, num abraço impressionante — o abraço da morte.

Lá estava também, meio idiotizado, o cismarento jaburu. Nessa mesma tarde um grupo de aráes abria duas tibis nas terras de Pendejã, o heróico tuxana, pai de Carin, que ali tombara um dia em defesa da tribo varado pelas balas dos guerreiros brancos. Uma delas para receber o corpo do bravo cacique: a outra, aberta ao lado da Lagoa Sagrada para sepultar os dois jovens que tombaram fulminados, ante os olhos irados de Tupã, na hora da consumação do pecado…

O jaburu, tristonho e imóvel, tudo presenciara sem nada compreender.

E quando a última pá de terra caiu sobre a tibi dos dois pecadores, ele voou e partiu.

Mas todas as tardes voltava.

Vinha esperar como de costume que alguém lhe atirasse a fruta adocicada ou o miolo saboroso.

Mas em vão. Nunca mais os viu voltar, alegres como dantes!

Daí por diante, o jaburu tornou-se mais triste ainda; as penas foram caindo aos pouco e a cabeça vergou sob o peso tremendo da dor… Mas ele não desanimava. Todas as tardes, ali estava descansando sobre uma das pernas em cima daquele amontoado de terra, os olhos cravados no chão, na esperança de ver surgir, debaixo dos seus pés, aquelas duas almas amigas.

Fonte:
Regina Lacerda (seleção). Estórias e Lendas de Goiás e Mato Grosso.

Deixe um comentário

Arquivado em Brasil, Curiosidades de Nosso Brasil, Folclore

Folclore Brasileiro (Lenda do Negro D’água)

O negro d’água faz parte da vida de todos os pescadores do Centro Oeste. Crendo ou não crendo, todos eles já experimentaram um sustozinho, certa vez que um boto apareceu com a sua cabeça de porco a soprar bem pertinho de onde estava a sua vara de anzol. Em certa pescaria no curso baixo do rio Vermelho, uma vez, acompanhou-nos um “chauffer” chamado João, de sobressalência, para ajudar-nos a remendar câmara de ar no caminho, ou consertar as avarias dos pontilhões. Sempre ia por conta de serviços prováveis, sem pagar a contribuição para a cobertura das despesas. Era, pois, um companheiro para tudo.

Uma noite, quando já estávamos em boas redes, contando anedotas uns para os outros, e esperando chegar os últimos companheiros que subiram e desceram o rio, para dormirmos sossegados, escutamos um ruído do lado do rio, como se animal espantado tivesse corrido para nosso lado, derrubando mato. Era o João. Chegou sem poder falar, e horrorizado com o que vira naquele poço escuro que fica na curva do rio. Todos nos levantamos para socorrê-lo.

Que foi isso rapaz, perguntamos a um só tempo. Foi o negro d’água que brotou mesmo em baixo do meu pesqueiro, fazendo um rebojo e um barulhão, antes de erguer a metade do corpo fora d’água. E dizendo isto olhava para todos os lados, assombrado.

Você viu negro d’água coisa nenhuma, o que você viu foi um boto, que nós também vimos hoje à tarde, na curva do poço da piratinga. Os bolos do Araguaia sobem até aqui e gostam de se mostrar para os pescadores. E para provar que era isso mesmo, o nosso comparsa se meteu pelo caminho do poço indicado. Meia hora depois voltou confirmando que era boto mesmo, e se quiséssemos ver iríamos todos apreciar as evoluções que eles fazem quando vêem o homem.

Alguém “pediu a palavra” para contar um caso que havia acontecido há tempos, e dava o seu testemunho de homem de fé, qualidade que ninguém lhe negava. Todos aproximaram-se para ouvir a narrativa. Tratava-se do Tenente Pacheco, um excelente companheiro de pescaria e de caçada, profundo conhecedor daquela região e também do Estado todo.

— Uma noite, começou o oficial, estávamos pescando no rio Tapirapés, tributário do Araguaia, muito piscoso e com excelente caça; por essa razão preferido para as excursões dos que vão à Ilha, quando se formou, em baixo do nosso pesqueiro, um enorme rebôjo. Logo a seguir algo emergiu espadanando água, e fazendo um estranho barulho. Julguei que se tratasse de enorme sucuri, e pus de jeito minha espingarda de caça. Há, naquela região, muitas lagoas que são viveiros de sucuris. São elas que formam a cabeceira do rio. Não atirei no rumo; nunca fiz isso. Meti a lanterna elétrica em cima do rebôjo e avistei uma cara horrorosa, meio macaco, meio homem, cabelos lisos e bem pretos, cobrindo todo o rosto.

Os dentes eram alvos e pontiagudos, rindo para mim com ar de mofa. Os olhos, refulgindo pelo efeito da luz do farolete, eram duas tochas acesas. Nunca mais vi coisa igual. O índio Carajá que estava comigo já havia corrido espavorido. Gritou em português que não atirasse nele que ganharia maldição para o resto da minha vida.

Quando o bicho mergulhou, aproveitamos para dar o fora, e o índio pediu que fossemos embora, a seguir, porque não haveria mais um único peixe para nós. Este, é o sapo grande, que governa o rio e aparece para quem fala mal do Araguaia. Não fizemos objeção e até hoje nos recordamos daqueles olhos que pareciam farol de automóvel aumentados pela luz da lanterna.

Cada um, então, contou um caso de negro d’água e João nunca mais quis saber de participar de nossas pescarias, apesar de convidado com insistência, porque no pior servia para ajudar a empurrar o fordinho e remendar câmaras de ar.

Fontes:
Regina Lacerda (seleção). Estórias e Lendas de Goiás e Mato Grosso.
Imagem = http://www.sohistoria.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Brasil, Curiosidades de Nosso Brasil, Folclore

Academia Pedralva de Letras e Artes (1947)

A Academia Pedralva Letras e Artes foi fundada em 20 de fevereiro de 1947 por Pedro Batista Manhães, Almir Soares e pelo professor Walter Siqueira na cidade de Campos dos Goytacazes, situada no norte do estado do Rio de Janeiro.

Foi numa oficina de bicicletas, de Hermann Lessa, na antiga Rua Barão de Cotegipe, atual Governador Theotônio Ferreira de Araújo, onde funciona hoje a firma Neves e Irmãos, que nasceu a idéia da fundação da Academia Pedralva, formada pelas iniciais de seus três fundadores, poetas Pedro Baptista Manhães, Almir Maciel Soares e Walter Siqueira, todos, na época, jovens, inspirados e entusiastas pela poesia.

Mais tarde, já fundada, a Pedralva começou a se reunir efetivamente na residência do poeta-fundador Pedro Manhães, na Rua Conselheiro José Fernandes (ex-Rua dos Bondes), em frente à Primeira Igreja Batista de Campos, com a presença de dezenas de poetas, trovadores e cronistas da terra. Eram reuniões inteligentes, agradáveis, bem-humoradas, durante as quais eram servidos café e refresco amigos. Pedro foi sempre um gentleman.

A academia cresceu e por motivos vários, passou a realizar as suas reuniões no escritório do advogado e intelectual Walter Silva, pedralvense, no antigo Edifício Bartholomeu Lysandro (também conhecido por edifício d’A Brasileira). Mas não ficou por muito tempo. Crescendo e se projetando cada vez mais, a Pedralva foi abrigada pela Associação de Imprensa Campista (AIC), entidade pronta a atender às iniciativas comunitárias, em particular às culturais. Retornando, mais tarde, a se reunir na oficina de bicicletas, em outro endereço.

Na sede da AIC, a Pedralva, que contava também com jornalistas pedralvenses, realizou importantes e memoráveis reuniões e solenidades, com a participação de intelectuais campistas e visitantes e a presença constante de convidados e populares.

Com o passar do tempo, por exigências estruturais, a entidade passou a se chamar Academia Pedralva – Letras e Artes, editando livros e boletins, realizando palestras e conferências, programação de intercâmbio literário e a saudosa criação dos Salões Campistas de Trovas, de dois em dois anos.

Os salões de trovas marcaram época, desde a sua instituição em 1959. Até o último, em 1993, foram abordados os mais variados temas, contando invariavelmente com a participação de trovadores locais, nacionais e internacionais. Nesses períodos de realizações trovadorescas, a Pedralva trouxe a Campos, para palestras, manhãs, tardes e noites de autógrafos, lançamentos de livros e outras iniciativas, renomados nomes da cultura, como J. G. de Araújo Jorge, Hélio Teixeira, João Felício dos Santos, Vitor Visconti, Lourdes Povoa Bley, Aparício Fernandes, Zalkind Piatigorsky, Alice de Oliveira, Jacy Pacheco, Pedro Paulo Gavazzoni, Nabor Fernandes, Raul de Oliveira Rodrigues, Navega Cretton, Alípio Mendes, Aurélio Buarque de Hollanda, Herberto Sales, entre muitos e muitos outros. Os salões deixaram de ser realizados por questões financeiras.

A Academia Pedralva possui 40 cadeiras. Há 62 anos ininterruptos difunde a cultura campista pelo Brasil. Foi fundada em 20 de fevereiro de 1947, com sede no Palácio da Cultura (Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima), graças ao ex-prefeito Raul David Linhares Corrêa e mantida pelos prefeitos posteriores.

Foram presidentes, segundo arquivo, os pedralvenses Walter Siqueira (o poeta), Pedro Manhães, Walter Silva, Latour Neves Silva Arueira, Ebenézer Soares Ferreira, Herbson da Rocha Freitas, José Ferreira da Silva, Adamastor Barros da Cunha, Waldir Pinto de Carvalho, José Florentino Salles e Heloísa Helena Crespo Henriques.

A APLA tem hoje a administrá-la o cronista José Gurgel dos Santos, empossado em 2008. Nomes como os de José Viana Gonçalves, Aldiney de Souza Sá, Carlos Augusto Souto de Alencar, Geraldo Ferreira da Silva, Manoel Junqueira e Elias Rocha Gonçalves compõem a atual diretoria pedralvense.

Eis, em síntese, uma micro-história da Academia Pedralva Letras e Artes, que toda Campos dos Goytacazes conhece e admira pelos seus trabalhos culturais. Por fim, como muito bem disse, certa vez, o poeta Walter Siqueira, “o sonho de Almir Soares não se desfez com a sua morte: materializou-se na Academia que ele desejou ver triunfar e recebeu o cognome feliz de “Casa de Almir Soares””.

Acadêmicos

Cadeira no. 01

    Patrono Alberto Ferreira
    1º. Ocupante José Florentino Salles

Cadeira no. 02

    Patrono Alberto José Sampaio
    1º. Ocupante Andral Nunes Tavares
    2º. Ocupante Waldir Pinto de Carvalho
    3º. Ocupante Thelmo Lopes Albernaz

Cadeira no. 03

    Patrono Alberto Frederico de Morais Lamego
    1º. Ocupante José Moreira Machado
    2º. Ocupante José Gurgel dos Santos

Cadeira no. 04

    Patrono Alcides Carlos Maciel
    1º. Ocupante Joel Maciel Soares
    2º. Ocupante Jaélzia Denise Barreto Crespo Rangel

Cadeira no. 05

    Patrono Anthero Ferraz Manhães
    1º. Ocupante Murilo Abreu Henrique
    2º. Ocupante José Marques
    3º. Ocupante Sueli Maria Vasconcelos de Azevedo Petrucci

Cadeira no. 06

    Patrono Antônio Arêas Júnior
    1º. Ocupante Rosa Maria Soares
    2º. Ocupante Pedro Paulo Caputti
    3º. Ocupante Carlos Augusto Souto de Alencar

Cadeira no. 07

    Patrono Dalton Guimarães
    1º. Ocupante Hernon Viana
    2º. Ocupante Mário de Barros Wagner
    3º. Ocupante Fernando Siqueira
    4º. Ocupante Aldiney de Souza Sá

Cadeira no. 08

    Patrono Horácio Souza
    1º. Ocupante Ubirajara Cruz
    2º. Ocupante José Ferreira da Silva
    3º. Ocupante Jayro Rodrigues Faria

Cadeira no. 09

    Patrono Everardo Tinoco
    1º. Ocupante Lucas Vieira Neto
    2º. Ocupante José Ramos Bernardes Pinheiro
    3º. Ocupante Ruy Alves
    4º. Ocupante Carlos Luiz Azevedo Allemand
    5º. Ocupante Sônia Vasconcelos Tavares

Cadeira no. 10

    Patrono Joaquim Laranjeira
    1º. Ocupante Vero Baptista de Azevedo
    2º. Ocupante Jonas Lopes de Carvalho
    3º. Ocupante Anete Rodrigues Carneiro
    4º. Ocupante Amy Barbosa Costa

Cadeira no. 11

    Patrono Latelbe Barroso
    1º. Ocupante Walter Silva
    2º. Ocupante Eloy Barreto 3º. Ocupante Nísia Campos

Cadeira no. 12

    Patrono Mário Barroso
    1º. Ocupante Décio Aquino
    2º. Ocupante Genaro Teixeira Vasconcelos
    3º. Ocupante Jahel Ramalho Pereira
    4º. Ocupante Neiva de Souza Fernandes

Cadeira no. 13

    Patrono Narcisa Amália de Campos
    1º. Ocupante Gercy Pinheiro de Souza
    2º. Ocupante Luísa Lins Costa “Lysa” Castro

Cadeira no. 14

    Patrono Mário Fontoura
    1º. Ocupante Pedro Batista Manhães
    2º. Ocupante Marília Bulhões dos Santos Carneiro

Cadeira no. 15

    Patrono Oswaldo Tinoco
    1º. Ocupante Pedro Marins Rangel
    2º. Ocupante Joel Ferreira Mello

Cadeira no. 16

    Patrono Péricles Maciel
    1º. Ocupante Herval da Silva Coutinho
    2º. Ocupante Amaro Prata Tavares
    3º. Ocupante Ignácio Gonçalves de Azevedo

Cadeira no. 17

    Patrono Rufino Carneiro
    1º. Ocupante Pedro Dias de Carvalho
    2º. Ocupante Alceir Maia Mendonça

Cadeira no. 18

    Patrono Silvio Fontoura
    1º. Ocupante Prof. Walter Siqueira
    2º. Ocupante Luiz Omar Amerio Monteiro

Cadeira no. 19

    Patrono Thecilia Cruz
    1º. Ocupante Vilmar Ferreira Rangel

Cadeira no. 20

    Patrono Tomé da Costa Guimarães
    1º. Ocupante Pedro Gomes Nogueira
    2º. Ocupante Carlos Rodolfo Ferreira da Rocha
    3º. Ocupante Vitória Rangel França

Cadeira no. 21

    Patrono Phocion Serpa
    1º. Ocupante Ebenézer Soares Ferreira

Cadeira no. 22

    Patrono Aloísio Faria
    1º. Ocupante Floriana Eloy Ribeiro
    2º. Ocupante Jairo de Souza Pontes
    3º. Ocupante Paulo Muylaert Tinoco
    4º. Ocupante Gil Wagner Quintanilha

Cadeira no. 23

    Patrono Gastão Machado
    1º. Ocupante Latour Neves Silva Arueira
    2º. Ocupante Celso Cordeiro Filho

Cadeira no. 24

    Patrono Claudinier Martins
    1º. Ocupante Orávio de Campos Soares

Cadeira no. 25

    Patrono Silvio Cardoso Tavares
    1º. Ocupante Plinio Bacelar da Silva
    2º. Ocupante Oldemar Pimentel Tavares
    3º. Ocupante Helio Bulhões Mayerhofer

Cadeira no. 26

    Patrono Ulysses Martins
    1º. Ocupante Coriolano Henriques da Silva
    2º. Ocupante Dr. Walter Siqueira

Cadeira no. 27

    Patrono Joaquim de Melo
    1º. Ocupante Afrânio Maciel
    2º. Ocupante Manoel Junqueira Vieira

Cadeira no. 28

    Patrono Campos Sobrinho
    1º. Ocupante Gastão de Barros Wagner
    2º. Ocupante Sérgio Soares Fernandes
    3º. Ocupante Vera Lúcia Gonçalves Manhães Moço

Cadeira no. 29

    Patrono João Antunes de Freitas
    1º. Ocupante Herbson da Rocha Freitas

Cadeira no. 30

    Patrono Belo da Gama Bilot
    1º. Ocupante Denancy de Melo Anomal
    2º. Ocupante Geraldo Ferreira da Silva

Cadeira no. 31

    Patrono Abelardo N. Vasconcelos
    1º. Ocupante Antonio Miguel
    2º. Ocupante Roberto Pinheiro Acruche

Cadeira no. 32

    Patrono Antonio Sarlo
    1º. Ocupante Constantino Gonçalves
    2º. Ocupante José Carlos Fontes
    3º. Ocupante José Viana Gonçalves

Cadeira no. 33

    Patrono Átila Moreira
    1º. Ocupante Octacílio Cruz Peixoto
    2º. Ocupante Manoel Leandro Filho
    3º. Ocupante Eduardo Augusto de Souza
    4º. Ocupante Elias Rocha Gonçalves

Cadeira no. 34

    Patrono João Barreto da Silva
    1º. Ocupante Elmar Rodrigues Martins
    2º. Ocupante Walnize Carvalho de Lemos

Cadeira no. 35

    Patrono João Batista Tavares da Hora
    1º. Ocupante Edson de Souza Neto
    2º. Ocupante Ana Lúcia Rodrigues Gomes

Cadeira no. 36

    Patrono Júlio Nogueira
    1º. Ocupante Nilo Terra Arêas
    2º. Ocupante Antonio Morgado Pinto
    3º. Ocupante Hyran Tinoco Botelho
    4º. Ocupante Aylton Damas dos Santos
    5º. Ocupante Heloísa Helena Crespo Henriques

Cadeira no. 37

    Patrono Laert Chaves
    1º. Ocupante Antônio Roberto Fernandes

Cadeira no. 38

    Patrono Manoel Ferreira de Souza
    1º. Ocupante Paulo Muylaert Tinoco
    2º. Ocupante Manoel José de Assis
    3º. Ocupante Haroldo Werneck
    4º. Ocupante Agostinho da Conceição Rodrigues Filho

Cadeira no. 39

    Patrono Thiers Cardoso
    1º. Ocupante Artur Gomes Abreu
    2º. Ocupante Wellington Paes

Cadeira no. 40

    Patrono Thiers Martins Moreira
    1º. Ocupante Jerônimo Ribeiro
    2º. Ocupante Adamastor Barros da Cunha

Fonte:
Wikipedia

Deixe um comentário

Arquivado em Academias e Associações, Curiosidades de Nosso Brasil

Ditados Populares do Brasil (Letra D)

DÁ com a mão direita, que a esquerda não saiba.
DÁ o dito por não dito.
DAR a César o que é de César..
DAR A MÃO à palmatória.
DAR A VOLTA por cima.
DAR COM LUVA de pelica.
DAR NÓ em pingo de água.
DAR O GOLPE do baú.
DAR TRATOS à bola.
DAR UM BOI pra não entrar na briga, e uma boiada para não sair.
DE CAVALO dado, não se olham os dentes.
DE DENTE no coradouro.
DE GRÃO em grão a galinha enche o papo.
DE HORA em hora, Deus melhora.
DE NOITE todos os gatos são pardos.
DE ONDE se tira e não bota, um dia fica com nada.
DE PENSAR, morreu um burro.
DEITAR nos louros da vitória.
DEIXE como estar para ver como é que fica.
DEPOIS da tempestade, vem a bonança.
DEPOIS de mim virá quem bem me fará.
DESGRAÇA pouca é tiquinho.
DESMANCHAR o nó.
DEUS criou, o vento espalhou e o diabo ajuntou.
DEUS dá a canga conforme o pescoço.
DEUS dá o frio conforme a roupa.
DEUS escreve certo por linhas tortas.
DEUS proteja este carro.
DIRIGIDO por mim e guiado por Deus.
DEUS é a luz do meu caminho.
DAQUI até onde Deus quiser.
DEUS proteja este carro.
DESCULPE a poeira.
DE LONGE também se ama.
DENTRE elas prefiro todas.
DE MULHER de burguês ninguém queira ser freguês.
DEPOIS da batalha, aparecem os valentes.
DESANIMAR, nunca. O desengano deve ser o começo de outra esperança.
DETESTADO pelos homens, querido pelas mulheres.
DEUS guia e eu dirijo.
DEUS lhe dê o dobro do que voce me deseja.
DEVAGAR chego depressa.
DEVAGAR se vai ao longe.
DINHEIRO de trouxa é farra de sabido.
DINHEIRO e mulher bonita é que governam o mundo.
DINHEIRO não traz felicidade, mas ajuda a sofrer em Paris.
DIRIGIDO por mim e guiado por Deus.
DIVÓRCIO é o sacramento do adultério.
DUAS coisas que gosto: cerveja gelada e mulher quente.
DURMA no volante e acorde no céu.
DEUS querendo, água fria é remédio.
DEVAGAR com o andor que o santo é de barro.
DEVAGAR se vai ao longe.
DEVO, não nego, pagar, não posso.
DIA de muito, véspera de pouco.
DINHEIRO, na mão, escorrega que nem sabão.
DIZE-ME com quem andas, e te direi quem és.
DIZER o que sente, fazer o que não sente.
DO BOLSO que enfia a mão, o pobre só tira dedos.
DO PASSADO, não remexer na ferida.
DOIS narigudos não se beijam.
DORMIR na estação e perder o trem.
DOS MALES o menor.
DURMA com um barulho desse, e acorde da boa cara.
DURO com duro não faz bom muro.
DURO, como boca de sino.

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades de Nosso Brasil, Sopa de Letras

Jornais e Revistas do Brasil (Città di Caxias – periodico semanal)

Período disponível: 1913 a 1922 
Local: Caxias do Sul, RS 
Fundado em Caxias do Sul (RS) em 1º de janeiro de 1913, Città di Caxias se definia como “periodico settimanale d’interesse coloniale”, ou seja, um semanário voltado para os interesses da colônia italiana, em especial aquela formada no Sul do Brasil. Foi dirigido inicialmente por Ernesto Scorza, embora o proprietário tenha sido sempre Emilio Fonini. Circulando tanto em italiano quanto em português, era impresso em tipografia própria, primeiro a vapor e depois elétrica, em tamanho standard.
Desde que foi lançado, o jornal teve boa aceitação de público e grande adesão de anunciantes. Inicialmente com quatro páginas por edição, em pouco tempo aumentou o número para seis. Um ano depois de sua fundação, quando engrossou sua cobertura internacional por causa da Primeira Guerra Mundial, Città di Caxias já circulava com oito ou dez páginas. Em geral, eram publicados artigos, reportagens, crônicas, editais municipais, telegramas internacionais, informes a pedidos, discursos de autoridades italianas, além de muitos anúncios.
Crítico e opinativo, sempre enaltecendo o labor e os valores morais da colônia italiana, o semanário abordou assuntos diversos, em geral de interesse local – sobretudo em seus primeiros tempos. Tiveram destaque em suas páginas questões relativas ao sistema de trabalho em cooperativas, aplaudindo-se o empreendedor cooperativista local Giuseppe de Stefano Paternò, e o deficiente transporte férreo regional, na série “La compagnia della morte”, que criticava provavelmente a belga Compagnie Auxiliare, a qual desde 1905 administrava a ferrovia que ligava Porto Alegre a Caxias. Por ocasião de grandes acontecimentos na Europa ou, sobretudo, na Itália, o foco se voltava para o velho continente. Durante a Primeira Guerra Mundial, por exemplo, Città di Caxias acompanhou detidamente o conflito, porém sob ponto de vista italiano. Isto o levou a divulgar propaganda de guerra, como a suposta notícia de que marinheiros da frota alemã teriam oferecido um berço tingido de sangue francês a uma princesa da família imperial germânica (edição de 30 de agosto de 1916). 
O jornal tratava de economia e comércio, agricultura (sobretudo viticultura), enologia, indústria, impostos, serviços, variedades em colônias dos arredores de Caxias (Nova Milão, Nova Pádua, Nova Vicenza etc.), cotidiano administrativo oficial e forense, infraestrutura, política brasileira, saúde e atendimento médico, educação e instrução pública, eventos e festividades, questões ligadas à infraestrutura e peculiaridades urbanas de Caxias, futebol, cultura e entretenimento, atualidades científicas, personalidades ilustres regionais, casos de polícia, lições morais e comportamento, acontecimentos políticos e variedades internacionais, religião, turismo, entre outros assuntos.
Simpático à intendência municipal do major José Penna de Moraes, o periódico chegou a lançar em 1915 um suplemento de cerca de 40 páginas “dedicato all’Esimo Presidente dello Stato Del Rio Grande do Sul”, Antônio Augusto Borges de Medeiros, autoridade sempre louvada pelo jornal. Ali, entre registros fotográficos de Caxias e informações gerais sobre os municípios de Bento Gonçalves, Alfredo Chaves e Antônio Prado, aplaudia-se ainda a figura de Pinheiro Machado e diversas iniciativas comerciais locais. 
A partir da edição nº 137, de 20 de outubro de 1915, o jornal passou a ter Silvio Dal Zotto como gerente. No nº 165, de 18 de maio de 1916, ainda com Ernesto Scorza como diretor-geral, o cargo passou a Mario Rey Gil. Pouco tempo depois, novas mudanças: com o falecimento de Scorza, em 14 de julho de 1916, Giuseppe Buzzoni e Luigi Bancalari assumiram a direção da folha. Rey Gil também não figurava mais ali, tendo a gerência ficado diretamente com o proprietário Emilio Fonini. No nº 185, de 16 de novembro do mesmo ano, Ercole Donadio acabou substituindo a dupla Buzzoni-Bancalari. Mesmo mantendo-se em seu cargo, Donadio desapareceria do expediente do jornal em outubro de 1917, momento em que nenhum nome aparecia como responsável pela direção.
Città di Caxias terminou 1917 fazendo campanha para a reeleição de Borges de Medeiros à presidência do Rio Grande do Sul. Nesse momento, seu expediente vinha apenas com Ernesto Scorza como fundador e com o endereço da redação: o nº 28 da rua Sinimbú. 
Iniciando 1918, o periódico deixava de lado questões mais ligadas ao cotidiano colonial e à economia agrícola locais, dando maior atenção à realidade italiana e à política brasileira e europeia. O número de páginas reduzira-se para quatro e a quantidade de anúncios não era a mesma, embora ainda tomassem boa parte das edições.
Ercole Donadio mudou-se para Porto Alegre, deixando a direção do semanário a José Joaquim de Vargas. Com a morte deste último em outubro do mesmo ano (ver edição do dia 19), o jornal passou a ser dirigido por Adolpho Peña, que cerca de um mês depois deixou o cargo para Benício Dantas. Na ocasião, M. Marchetinni tornou-se o redator principal.
Em 1919, Benício Dantas substituiu Marchetinni no cargo de redator-chefe por Ulysses Castagna, até então responsável principalmente pela coluna de viticultura e enologia do jornal (mesmo com a promoção, a coluna continua sendo publicada, com mais destaque). No ano seguinte, a direção passou a Arthur de Lavra Pinto.
Segundo as informações disponíveis, Città di Caxias circulou apenas até 30 de setembro de 1922, quando foi publicada edição nº 464. Em seus últimos momentos, a folha publicava mais textos em português do que em italiano. 
Foram também colaboradores do jornal Giuseppe de Stefano Paternò, Octavia Paternò, V. Bornancini, Guido d’Andrea, Antonio Casagrande, Mario Mariani, Silvio Becchia, Jacintho Godoy, Samorim Gustavo de Andrade, entre outros.
Fontes
 1. Acervo: edições do nº 1, ano 1, de 1º de janeiro de 1913, ao nº 464, ano 10, de 30 de setembro de 1922. Disponível em http://hemerotecadigital.bn.br/artigos/città-di-caxias

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades de Nosso Brasil, revistas e jornais

Jornais e Revistas do Brasil (Cinearte)

Período disponível: 1926 a 1932 
Local: Rio de Janeiro, RJ 
Em busca da modernidade, uma das palavras de ordem que marcaram as grandes cidades ocidentais no início do século XX, o Rio de Janeiro também foi palco, na mesma época, de profundas mudanças em sua paisagem urbana. Capitaneadas pelo prefeito Francisco Pereira Passos, com apoio decisivo do presidente da República, Rodrigues Alves, as reformas modernizadoras tinham por objetivo transformar a então capital federal numa cidade que pudesse rivalizar, pelo menos em matéria de bom gosto arquitetônico e estética urbana, com as melhores urbes européias. 
Foi parte significativa dessa modernização a verdadeira revolução no mundo audiovisual operada pelo “cinematógrafo”, ou melhor, “cinemathographo”, logo chamado de cinema. Em 1905, inaugurava-se a Avenida Central (hoje Rio Branco) e logo depois o Teatro Municipal. a Biblioteca Nacional e o novo prédio do Museu Nacional de Belas Artes, e também os primeiros cinematógrafos cariocas. Anos depois, a Cinelândia, como ficou conhecida posteriormente a Praça Floriano, se converteria num complexo de lazer tendo o cinema e os bares como principais atrações. Foi nesse último contexto histórico que surgiu, em 1926, Cinearte, uma das mais importantes revistas sobre o tema que circularam no país.
Referência obrigatória para quem deseja conhecer a história do cinema, Cinearte apareceu no momento em que a mídia assumia importante papel na formação cultural da sociedade. O interesse pelo cinema havia crescido, e a imprensa não poderia ficar indiferente ao fenômeno. A seção de cinema da revista Para Todos fazia tanto sucesso entre os leitores que surgiu a idéia de transformá-la numa publicação independente… Nascia assim Cinearte.
Criada por Mário Behring e Adhemar Gonzaga, a nova revista oferecia aos leitores informes sobre produções hollywoodianas, mas também dava destaque às incipientes produções nacionais da época e ao mercado cinematográfico, em seções que tratavam de temas variados. Entre essas seções, uma em especial, a crítica de cinema, que logo se tornaria indispensável nos grandes periódicos do país. 
Cinearte era feita por intelectuais, cineastas, advogados, literatos, educadores, críticos de arte e até advogados. Publicação quinzenal desde 1933, tornou-se depois bimensal e, em sua última fase, mensal. A tiragem chegou à notável marca de 250 mil exemplares por edição. 
Impressa em papel jornal, era inspirada na revista americana Photoplay. Seus padrões de papel e formato pouco mudaram até a última edição, que foi o número 561, de julho de 1942. Media 31cm x 23cm. As cores das imagens variavam entre o azul, verde, marrom, vermelho. Algumas edições tinham páginas em papel especial,contendo apenas anúncios publicitários. A Biblioteca Nacional possui em seu acervo 569 edições referentes aos anos 1926 a 1942, todas digitalizadas e disponíveis neste site.
Fonte:

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades de Nosso Brasil

Jornais e Revistas do Brasil (Breviário: revista de arte)

Período disponível: 1900 a 1900 
Local: Curitiba, PR 
Fundado e dirigido por Romário Martins e Alfredo Coelho, Breviario foi um periódico mensal de arte e cultura, com ênfase em literatura simbolista. Lançado em Curitiba (PR) em agosto de 1900, com o subtítulo “Revista de arte”, tinha Aluízio França como gerente e redação no nº 13 da rua Borges de Macedo. Era impresso pela Typographia Impressora Paranaense, em formato pequeno.
Julgando-se apenas pelos seus números 1 e 2, respectivamente de agosto e setembro de 1900, cada edição de Breviario girava em torno da obra de duas importantes figuras do Simbolismo paranaense, com versos, prosa, excertos de obras, ensaios, homenagens e perfis dos literatos, entre outras coisas. Na primeira edição, publicaram-se Emiliano Pernetta e Emílio de Menezes; na segunda, Nestor de Castro e Sebastião Paraná.
Além de textos de Romário Martins, Adolfo Coelho e dos quatro intelectuais homenageados nas duas edições iniciais, Breviario publicou ainda “Emancipação da mulher”, de Marianna Coelho; “D. João d’Amor” e “Do paiz dos Lyrios”, de Domingos Nascimento; “Prece” e “Turris Eburnea”, de Silveira Netto; “Supliciado” e “Fallando”, de Euclides Bandeira; “Livro de Job”, de Júlio Pernetta; e “Deslumbramento” e “Magnos olhos”, de Ricardo de Lemos.
Apesar de não ser propriamente uma revista aguerrida, na penúltima página do segundo número, Breviario felicitava o lançamento de dois periódicos combativos: Epistola, de Júlio Pernetta, e Tartufos, de Ismael Martins, ambos voltados para a questão anticlerical.
Na edição de lançamento, Breviario informava que só aceitava textos de seus próprios colaboradores, convidados especialmente, e que cada edição traria “finas photogravuras”. Informava também que “não tem numero determinado de paginas, que não serão, entretanto, inferiores a 20” (a primeira edição vinha com 25 páginas e a segunda, 18). Exemplares avulsos podiam ser comprados a 1$000 e assinaturas semestrais podiam ser feitas a 5$000.
É provável que esta publicação tenha tido somente essas duas edições. O periódico fundiu-se logo depois, em novembro de 1900, com a revista cultural Pallium, para o nascimento de outro periódico de arte, Turris Eburnea. A nova publicação era responsabilidade da chamada “Ordem da Turris Eburnea”, formada por intelectuais engajados na libertação do espírito do século XIX no homem.
Fonte:

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades de Nosso Brasil