Arquivo da categoria: Curiosidades

Conhecendo o Mundo Acadêmico (Quais são as diferenças entre monografia, dissertação e tese?)

Muitas pessoas confundem os termos monografia, dissertação e tese. Entretanto, esses erros não se restringem apenas ao significado dos termos e muito menos às pessoas que não estão ligadas à área acadêmica.

É possível encontrar, em alguns programas de pós-graduação, alunos de doutorado defendendo dissertações e chamando-as de teses, o que é algo muito sério.

Uma dissertação não é uma tese de pior qualidade ou mais superficial. Da mesma forma, uma tese não é uma dissertação com mais páginas ou um conjunto de dissertações em um trabalho só. A diferença fundamental não é o número de páginas. É a originalidade.

Monografia

A monografia é um trabalho acadêmico Lato sensu que tem por objetivo a reflexão sobre um tema ou problema específico e que resulta de processo de investigação sistemática. As monografias tratam de temas circunscritos, com abordagem que implica análise, crítica, reflexão e aprofundamento por parte do autor.

Dissertação

A dissertação é um trabalho acadêmico Stricto sensu que se destina à obtenção do grau acadêmico de mestre. Os projetos de dissertação não precisam abordar temas e/ou métodos inéditos. O aluno de mestrado deve demonstrar a habilidade em realizar estudos científicos e em seguir linhas mestras na área de formação escolhida.

Tese

A tese é um trabalho acadêmico Stricto sensu que importa em contribuição inédita para o conhecimento e visa a obtenção do grau acadêmico de doutor. O doutorando deve defender uma ideia, um método, uma descoberta, uma conclusão obtida a partir de uma exaustiva pesquisa e trabalho científicos.

Fonte:
http://www.posgraduando.com/blog/quais-sao-as-diferencas-entre-monografia-dissertacao-e-tese

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades, Sopa de Letras

Júlio Salusse (Os Cisnes: A História Belíssima de um Soneto)

Nilo Bruzzi, amigo e biógrafo de Júlio Salusse, escreve:
“Júlio Salusse adquire um terreno na avenida Friburgo, à margem do Bengalas, desenha uma planta de casa, contrata um pedreiro e faz construir um simpático “chalet” em centro de formoso jardim. É hoje (1950) a casa nº 158 da Avenida Comte. de Bittencourt, residência do Doutro Hugo Antunes. Ali instala-se sozinho. É o Promotor Público de Nova Friburgo. A cidade regurgitava de famílias elegantes do Rio que para lá iam passar o verão.  Os condes de Nova Friburgo tinham regressado da Europa e habitavam o suntuoso Castelo do Barracão. 
“Baile no Cassino. O que há de mais distinto na sociedade de Nova Friburgo ali está. Júlio Salusse, cabelos dourados, olhos profundamente azuis, buço louro, tez muito clara e rosada, elegante, alto, lenço de cambraia evolando perfume inebriante, gravata de seda fina e colorida, também ali está. Duas moças formosíssimas polarizam a atenção de todos os rapazes. Vera van Erven, loura, clara, olhos azuis, elegantíssima, inteligente, risonha, dançando muito bem, intelectual, dizendo versos de cor, conversando com todos e por todos admirada. Laura de Nova Friburgo, a castelã do Barracão, lindíssima, de um moreno delicioso, olhos brilhantes e escuros, recém-chegada da Europa, onde fora se instruir. […]
“Júlio Salusse naquela noite conheceu ambas e com ambas dançou. […]
“Dias depois, nova festa em casa do Dr. Ernesto Brasil de Araújo.
“Baile animado. Laura está mais linda, com seu fofo vestido de rendas, seus maravilhosos cabelos, olhos provocadores, aquele moreno inesquecível.
“Em seguida, vieram dias de chuvas copiosas. Júlio Salusse fica preso em casa, naquele simpático “chalet” à margem do rio, cercado de flores. Uma noite, o sonho embala o seu pensamento. Passa-lhe pela lembrança a formosa moça do Castelo do Barracão…
“Está só. A chuva lá fora cai ininterrupta. As águas do rio crescem. E o poeta começa a compor o soneto – Cisnes – que lhe vai abrir as portas da glória imorredoura. Quando, no terceiro dia, cessa a chuva, Júlio Salusse tem pronto os versos imperecíveis. […]
“Um novo baile, agora no Castelo do Barracão, proporciona novo encontro de Júlio Salusse com Laura de Nova Friburgo. Dançam, conversam. Mas o poeta, que é arrojado no pensamento, tem, entretanto, a palavra contida pela timidez, oriunda da falta de confiança em si mesmo. […]
“E o que poderia ter sido um delicioso enredo sentimental ficou sendo um êxtase ungido da filosofia de Platão, silencioso, como daquele outro Petrarca que, em 1327, à porta da Igreja de Santa Clara, em Avignon, viu pela primeira vez aquela outra Laura de Novaes, esposa de Ugo de Sade, e nunca mais a esqueceu nos seus versos imortais”.

JÚLIO SALUSSE

Os Cisnes

A vida, manso lago azul algumas
vezes, algumas vezes mar fremente,
tem sido para nós constantemente
um lago azul, sem ondas, sem espumas.

Sobre ele, quando, desfazendo as brumas
matinais, rompe um sol vermelho e quente,
nós dois vagamos indolentemente
como dois cisnes de alvacentas plumas.

Um dia um cisne morrerá, por certo.
Quando chegar esse momento incerto,
no lago, onde, talvez, a água se tisne,

que o cisne vivo, cheio de saudade,
nunca mais cante, nem sozinho nade,
nem nade nunca ao lado de outro cisne.

Fonte:
Colaboração de Nei Garcez

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades, Soneto.

Marco Aqueiva / SP (Alguns Metros de Sangue e Pó)

Nessas ocasiões o asfalto às vezes reclama
um asfalto tocado por um sangue rasteiro
pesa até o erro na moça de olhos vermelhos
deslizando pela avenida o corpo estendido

O corpo bem pouquinho acumulara blindagem
um olho estica-se aos pingos da chuva nas árvores
o outro já tentara estrelas e outros colírios
e a língua agora coberta de asfalto e frouxas sílabas

Meio-fio segurando com destreza a cabeça
o asfalto desarrumado, vidro e gritos moídos
teria de limpar-se do sangue da carne da eficaz
indiferença e vestir-se de rodas outra vez

Mantém-se disforme nódoa no espesso retrovisor
agarra-se ao olho e às mãos da repulsa
cola-se ao para-brisa apenas um olho
o outro esmagado na extensão do asfalto

Repisando alguns metros de sangue e pó
sem lá chegar, a pupila sem órbita a esticar-se
nessas ocasiões sem outro pálio ou fronteira

________
(*Poema premiado na fase estadual, edição 2011-2012, do Mapa Cultural Paulista, categoria Poesia)
–––––––––––

Sobre a foto acima:
A Ternura de um Passarinho
Aconteceu numa praça, no Japão.  Não se sabe como o pássaro morreu.  Ele estava ali no asfalto, inerte, sem vida. Segundo o relato do fotógrafo, uma outra ave permanecia próxima àquele corpo sem vida e ficara ali durante horas. Chamando pelo companheiro, ela pulava de galho em galho, sem temer os que se aproximavam, inclusive sem temer ao fotógrafo que se colocava bem próximo. Ela cantou num tom triste. Ela voou até o corpinho inerte, posou como querendo levantá-lo e alçou vôo até um jardim próximo. O fotógrafo entendeu o que ela pedia e, assim, foi até o meio da rua, retirou a ave morta e a colocou no canteiro indicado. Só então a ave solidária levantou vôo e, atrás dela, todo o bando. Segundo o relato de testemunhas, dezenas de aves, antes de partirem, sobrevoaram o corpinho do companheiro morto. Aquela ave que fez toda a cerimônia de despedida, quando o bando já ia alto, inesperadamente voltou ao corpo inerte no chão e, num grito de não aceitação da morte, tenta novamente chamar o companheiro à vida. Desesperada, mas com amor e carinho, ela se despede do companheiro, revelando o seu sentimento de dor.

Fonte do soneto:
Enviado por Nilto Maciel, de Literatura sem Fronteiras

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades, Soneto.

Gelert, O Cão Real do País de Gales


Uma das vilas mais bonitas do País de Gales é Beddgelert, que fica na junção de três vales, no condado de Gwynedd.

Milhares de visitantes de todas as partes do mundo vão para lá todos os anos, mas não é devido aos jardins ornamentais ou pelas atraentes lojas de souvenir. Há uma razão especial para esta vila ser tão popular e tem tudo a ver com um incrível cão real.

O cão, Gelert, é uma das maiores lendas do País de Gales e sua estória aquece o coração dos amantes de animais. O nome da vila, Beddgelert, está fortemente ligada a esta estória romântica e se traduz literalmente como “o túmulo de Gelert”- o nome do leal cão do príncipe Llywelyn, que reinou esta parte do País de Gales muitos séculos atrás.

Gelert nasceu no castelo do rei John da Inglaterra, que reinou entre 1199 e 1216, e quando a filha do rei se casou com o príncipe Llywelyn, o filhote foi dado a eles como presente de casamento. Gelert cresceu e se tornou um cão de caça corajoso e conhecido por sua lealdade. Com o passar do tempo, Llywelyn ficou cada vez mais apegado ao cão e Gelert era sempre visto ao seu lado. Em um curto período de tempo Gelert foi nomeado líder da matilha de cães do príncipe, pois não havia outro que tivesse a sua persistência e força.

Cerca de um ano mais tarde, a esposa do príncipe deu a luz a um lindo garoto. Gelert se encantou com o bebê e ficava noite e dia ao lado do berço. Ele recusou-se a ir caçar com o príncipe um dia e parecia preferir ficar guardando o bebê enquanto ele dormia no berço. Embora Llywelyn sentisse muito a falta do animal, entendia que o cão precisava proteger a família e por isso não forçou Gelert a acompanhá-lo. Llywelyn sabia que no final do dia Gelert sempre estaria esperando no portão do castelo pelo retorno do seu senhor.

Um dia Llywelyn voltou para casa e encontrou seu fiel cão no portão. Ao se aproximar, ficou horrorizado em ver sangue no focinho e corpo de Gelert. O príncipe correu para dentro do castelo e para o quarto de seu filho. Não havia sinal do bebê, mas o berço estava virado e as cobertas da criança estavam caídas no chão, encharcadas de sangue.

O príncipe ficou com o coração partido e concluiu precipitadamente que Gelert, com ciúmes, matara o bebê enquanto estava caçando. Em um ataque de raiva, Llywelyn sacou sua espada e matou Gelert. Mas quando Llywelyn caiu de joelhos chorando, seus gritos foram respondidos pelo choro do bebê.

Llywelyn endireitou o berço e encontrou seu filho embaixo dele. O bebê não tinha sofrido mal algum e estava dormindo tranqüilamente dentro do emaranhado de cobertas no chão. Enquanto o príncipe colocava seu filho no berço pode ver a cauda de um animal embaixo de um dos cobertores. Lá estava o corpo de um grande lobo que havia sido morto por Gelert enquanto tentava atacar o bebê dentro do berço.

A estória conta os remorsos do príncipe. Tentando mostrar ao mundo o quão orgulhoso era de seu leal Gelert, enterrou o cão nos arredores do castelo e deu-lhe um enterro digno de um rei. É dito que o príncipe e seu filho visitavam o local freqüentemente e que ordenou que o local fosse conhecido como Beddgelert, em memória a seu amado cão.

Embora pareça uma estória triste, a lenda do corajoso Gelert tem lugar nos corações de gerações de amantes de cães ao redor do mundo. Ela continua sendo uma maravilhosa estória que toca os corações das milhares de pessoas que visitam o local. E a lealdade de Gelert, o verdadeiro cão real do País de Gales, vive nos corações de muitos.

Fontes:
http://www.pedigree.com.br/o-cao-real-do-pai-s-de-gales
STALL, Sam. 100 Cães que Mudaram a Civilização. 2. Ed. SP: Prumo, 2009.

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades, O Escritor com a Palavra

Biblioteca de Alexandria


A Biblioteca de Alexandria foi uma das maiores bibliotecas do mundo e se localizava na cidade egípcia de Alexandria que fica ao norte do Egito, situada a oeste do delta do rio Nilo, às margens do Mar Mediterrâneo.

É hoje, o mais importante porto do país, a principal cidade comercial e a segunda maior cidade do Egito. Tem cerca de 4.4 milhões de habitantes.

A cidade ficou conhecida por causa do empreendimento de tornar-se, na Antigüidade, o centro de todo conhecimento do homem, com a criação da Biblioteca de Alexandria.

Considera-se que tenha sido fundada no início do século III a.C., durante o reinado de Ptolomeu II do Egito, após seu pai ter construído o Templo das Musas (Museum).

É atribuída a Demétrio de Falero sua organização inicial. Estima-se que a biblioteca tenha armazenado mais de 400.000 rolos de papiro, podendo ter chegado a 1.000.000.

Foi destruída parcialmente inúmeras vezes, até que em 646 foi destruída num incêndio acidental.

A instituição da antiga Biblioteca de Alexandria tinha como o principal objetivo preservar e divulgar a cultura nacional. Continha livros que foram levados de Atenas. Ela se tornou um grande centro de comércio e fabricação de papiros.

Papiro (pelo latim papyrus do grego antigo πάπυρος) é, originalmente, uma planta perene da família das ciperáceas cujo nome científico é Cyperus papyrus, por extensão é também o meio físico usado para a escrita (percursor do papel) durante a Antigüidade (sobretudo no Antigo Egito, civilizações do Oriente Médio, como os hebreus e babilônios, e todo o mundo greco-romano).

Foi por volta de 2200 anos antes de Cristo que os egípcios desenvolveram a técnica do papiro, um dos mais velhos antepassados do papel.

Para confeccionar o papiro, corta-se o miolo esbranquiçado e poroso do talo em finas lâminas. Depois de secas, estas lâminas são mergulhadas em água com vinagre para ali permanecerem por seis dias, com propósito de eliminar o açúcar. Outra vez secas, as lâminas são ajeitadas em fileiras horizontais e verticais, sobrepostas umas às outras.

A seqüência do processo exige que as lâminas sejam colocadas entre dois pedaços de tecido de algodão, por cima e por baixo, sendo então mantidas prensadas por seis dias.

E é com o peso da prensa que as finas lâminas se misturam homogeneamente para formar o papel amarelado, pronto para ser usado. O papel pronto era, então, enrolado a uma vareta de madeira ou marfim para criar o rolo que seria usado na escrita.

A lista dos grandes pensadores que frequentaram a biblioteca e o museu de Alexandria inclui nomes de grandes gênios do passado.

Importantes obras sobre geometria, trigonometria e astronomia, bem como sobre idiomas, literatura e medicina, são creditados a eruditos de Alexandria.

Segundo a tradição, foi ali que 72 eruditos judeus traduziram as Escrituras Hebraicas para o grego, produzindo assim a famosa Septuaginta (tradução da Tora para o idioma grego, feita no século III a.C.).

Ela foi encomendada por Ptolomeu II (287 a.C.-247 a.C.), rei do Egito, para ilustrar a recém inaugurada Biblioteca de Alexandria.

A tradução ficou conhecida como a Versão dos Setenta (ou Septuaginta, palavra latina que significa setenta, ou ainda LXX), pois setenta e dois rabinos trabalharam nela e, segundo a lenda, teriam completado a tradução em setenta e dois dias.

A Septuaginta foi usada como base para diversas traduções da Bíblia.

Fontes:
Amigos do Livro
Imagem = Biblioteclando

Deixe um comentário

Arquivado em Bibliotecas, Curiosidades

Palavras e Expressões mais Usuais do Latim e de de outras linguas) Letra U-V

ubi bene, ibi patria
Latim = Onde se (vive) bem, aí (está) a pátria. Conceito materialista dos cosmopolitas.

ubi eadem ratio ibi eadem legis dispositio
Latim Direito = Onde existe a mesma razão, aí se aplica o mesmo dispositivo legal.

ubicumque sit res, pro domino suo clamat
Latim = Onde quer que esteja a coisa clama pelo seu dono. Princípio jurídico que resume o direito de propriedade, também citado assim em moral: res clamat domino, a coisa clama por seu dono.

ubi non est justitia, ibi non potest esse jus
Latim = Onde não existe justiça não pode haver direito. A justiça é que sustenta as diversas formas de direito.

ubi Petrus, ibi Ecclesia
Latim = Onde (está) Pedro aí (está) a Igreja. Provérbio muito citado pelos apologistas católicos que só consideravam verdadeira a igreja que estivesse em comunhão com o pontífice romano.

ubi societas, ibi jus
Latim Direito = Onde (está) a sociedade aí (está) o direito. De modo geral, as causas correm no foro da comarca onde a sociedade foi estabelecida.

ubi solitudinem faciunt, pacem appelant
Latim = Onde estabelecem a solidão, atraem a paz. Frase que Tácito atribui a um herói, vítima da rapinagem dos soldados romanos.

ultima ratio
Latim = Última razão. Argumento decisivo e terminante.

ultima ratio regum
Latim = Último argumento dos reis. Legenda gravada nos canhões de Luís XIV.

ultra petita
Latim Direito = Além do pedido. Diz-se da demanda julgada além do que pediu o autor.

una salus victis, nullam sperare salutem
Latim = A única salvação para os vencidos é não esperar salvação. Frase com que Enéias procura arrancar do desânimo os companheiros vencidos em Tróia.

una voce
Latim = De comum acordo; em coro; unanimemente.

unguibus et rostro
Latim = Com as garras e com o bico; com unhas e dentes.

urbi et orbi
Latim = Para a cidade (de Roma) e para o universo. Diz-se das bênçãos dadas pelo papa, em circunstâncias especiais, quando as estende ao mundo inteiro.

uti, non abuti
Latim = Usar, não abusar.

uti possidetis
Latim Direito = Como possuís. 1 Fórmula diplomática que estabelece o direito de um país a um território, baseada na ocupação pacifica dele. 2 Princípio que faz prevalecer a melhor posse provada da coisa imóvel, no caso de confusão de limites com outra contígua.

utile dulci
Latim = O útil ao agradável.

vade in pace
Latim = Vai em paz. Palavras com que o confessor despede o penitente, depois de absolvê-lo.

vade mecum
Latim = Vai comigo. Diz-se dos livros de conteúdo prático e útil, e formato pequeno.

vade retro, Satana!
Latim = Vai para trás, Satanás! Expressão usada duas vezes por Jesus: (Mt. IV, 10) a fim de repelir o demônio que o tentava de idolatria e (Marcos, VIII, 33) para repreender o apóstolo Pedro, que desejava dissuadi-lo de aceitar a morte e a paixão.

vae soli!
Latim = Ai do solitário! Expressão com que o Eclesiastes (IV, 10) lamenta a fraqueza do homem abandonado à própria sorte.

vae victis!
Latim = Ai dos vencidos! Exclamação atribuída a Breno, célebre caudilho gaulês que derrotou e saqueou Roma no ano de 390 a. C.

vanitas vanitatum et omnia vanitas
Latim = Vaidade das vaidades, e tudo é vaidade. Conclusão melancólica do Eclesiastes (XII, 8), sobre a pequenez das coisas deste mundo.

varietas delectat
Latim = A variedade agrada.

varium et mutabile semper femina
Latim = A mulher é algo mutável e inconstante. Expressão de Virgílio (Eneida, IV, 569-570).

velut aegri somnia
Latim = Como os sonhos de doente. É como Horácio (Arte Poética, 7) compara as obras literárias, sem entrosamento nas idéias; são sonhos disparatados de um enfermo.

veniam petimus damusque vicissim
Latim = Pedimos licença e a damos também. Horácio (Arte Poética, 2) aconselha a tolerância nas relações.

Veni Creator Spiritus
Latim = Vinde Espírito Criador. Primeiro verso do hino litúrgico da festa do Espírito Santo.

venite, exultemus Domino
Latim = Vinde, exultemos no Senhor. Palavras do breviário no invitatório de matinas, recitado diariamente pelos ministros sagrados.

veni, vidi, vici
Latim =Vim, vi, venci. Palavras com que César anunciou, ao Senado Romano, sua vitória sobre Farnaces, rei do Ponto, no ano 47 a. C. São citadas como alusão a um êxito seguro e rápido em qualquer empreendimento.

ventus popularis
Latim = Aura popular; popularidade.

vera incessu patuit dea
Latim = Manifestou-se verdadeira deusa pelo andar. Modo como Virgílio se refere a Vênus (Eneida, 1, 405).

verba et voces, praetereaque nihil
Latim = Palavras e vozes e nada mais. Verso de Ovídio em que o poeta verbera alguns discursos do seu tempo.

verba volant, scripta manent
Latim = As palavras voam, os escritos permanecem. Provérbio de grande atualidade que aconselha prudência em pronunciamentos comprometedores e na assinatura de contratos bilaterais.

verbum pro verbo
Latim = Palavra por palavra; ao pé da letra. Diz-se das traduções e interpretações fiéis.

vergiss mein nicht
Alemão = Não me olvides; miosótis.

veritas odium parit
Latim = A verdade gera o ódio. Conceito emitido por Terêncio, cujo pensamento é o seguinte: a complacência produz amigos e a franqueza, o ódio.

vesica piscis
Latim = Bexiga de peixe. Grande nimbo em forma de amêndoa.

victis honos
Latim = Honra aos vencidos. Empregada nas competições esportivas como sinal de confraternização.

victrix causa diis placuit, sed victa Catoni
Latim = A causa vencedora agradou aos deuses, mas a vencida a Catão. Lucano, em Farsália, I, 128, alude à fidelidade de Catão a Pompeu, quando este foi derrotado por César. Emprega-se para expressar apoio a uma causa, embora vencida.

video meliora, proboque, deteriora sequor
Latim = Vejo as coisas melhores e as aprovo, mas sigo as piores. Imagem do homem fraco, traçada por Ovídio (Metamorfoses, VII, 20). Vê o bem e o aprova, mas é arrastado pelas paixões.

vient de paraître
Francês = Acaba de surgir. Usada no mercado de livros para anunciar as novidades literárias.

vincit omnia veritas
Latim =A verdade vence todas as coisas.

vir bonus dicendi peritus
Latim = Homem de bem, perito em falar. O perfeito orador, segundo Quintiliano, deve aliar a honestidade de vida à perfeição oratória.

vis-à-vis
Frances = Frente a frente. Empregada quando alguém se encontra em frente a outra pessoa numa mesa, bailado etc.

vitam impendere vero
Latim = Consagrar a vida à verdade.

vivas in Deo
Latim = Que tu vivas em Deus. Frase com que os primeiros cristãos se despediam daqueles que morriam, desejando-lhes a felicidade eterna.

vivere parco
Latim = Viver com pouco.

vivit sub pectore vulnus
Latim = A ferida ainda vive no coração. O poeta Virgílio refere-se à paixão nascente de Dido.

volenti nihil difficile
Latim = Nada é difícil a quem quer; querer é poder.

volenti non fit injuria
Latim = Não se faz injúria àquele que consente. Axioma jurídico segundo o qual a vítima não se deve queixar em juízo de uma ofensa por ela consentida.

volti subito
Italiano = Volte rapidamente. Música = Expressão empregada nas partituras.

vox clamantis in deserto
Latim = A voz do que clama no deserto. Palavras de São João Batista, referindo-se a si próprio (Mt. II, 3), quando pregava às multidões no deserto. A expressão passou a ser empregada para designar aquele cujas admoestações não são atendidas.

vox faucibus haesit
Latim = A voz ficou presa na garganta. Expressão virgiliana para indicar uma forte emoção.

vox populi, vox Dei
Latim = Voz do povo, voz de Deus. O assentimento de um povo pode ser o critério de verdade.

vulnerant omnes, ultima necat
Latim = Todas ferem, a última mata. Inscrição filosófica em mostradores de relógios. Cada hora fere a nossa vida até que a derradeira a roube.
=====================
LETRA A http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA B http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_07.html
LETRA C http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_21.html
LETRA D http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA E http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_28.html
LETRA F http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/01/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA G-H http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/05/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA I http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA J-L http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_21.html
LETRA M http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA N http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_11.html
LETRA O http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/09/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA P http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/10/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA Q http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/10/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_17.html
LETRA R http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/11/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA S http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/11/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_21.html
LETRA T http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/12/02/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do-latim-e-de-outras-linguas-letra-t/

Fonte:
Helio Consolaro. In Por Tras das Letras

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades

Academia de Letras (Objetivo)

As Academias de Letras têm como objetivo:

Congregar as pessoas que se dediquem as atividades literárias e artísticas nas mais diversas formas de expressão.

Promover, divulgar e apoiar atividades literárias e artísticas.

Praticar o intercambio com entidades congênitas no Brasil e exterior.

Os lugares ocupados pelos membros efetivos, chamados “Cadeiras” são vitalícios.

Não pode haver pressa no preenchimento de lugares vagos e quando alguém é convidado é porque já foi longa e cuidadosamente avaliado.

Quando alguém se candidata a um cargo vago passa pelo mesmo critério podendo ou não ser aceito e os acadêmicos (membros efetivos) tratam-se por “confrades” e “confreiras” e devem procurar, na medida do possível, manter entre eles uma evidência uma convivência social, importante para um convívio vitalício além do que, faz parte do espírito acadêmico desde a criação das academias.

Deixe um comentário

Arquivado em Academias e Associações, Curiosidades

Palavras e Expressões mais Usuais do Latim e de outras linguas (Letra T)

tabula rasa
Latim: Tábua raspada. Expressão muito empregada em linguagem filosófica de origem aristotélica. Aristóteles admitia que o espírito humano era, antes de qualquer experiência, inteiramente vazio como as tabuinhas cobertas de cera em que nada fora escrito.

taedium vitae
Latim: Tédio da vida; desgosto de viver.

tantae molis erat
Latim: Era tamanha a dificuldade. Expressão usada por Virgílio (Eneida, I, 33), descrevendo as dificuldades da fundação de Roma.

tanto tienes, quanto vales
Espanhol: Tanto tens, tanto vales. Expressão que coloca o dinheiro acima dos valores morais e intelectuais.

tantum ergo
Latim: Palavras iniciais da penúltima estrofe do hino Pange Língua, cantada antes da bênção do Santíssimo Sacramento.

tarde venientibus, ossa
Latim: Ossos para os que chegam tarde. Aplica-se àqueles que, por desídia ou inépcia, perdem um bom negócio.

taxi-girl
Inglês: Moça-taxa. Empregada de boate e outros lugares de diversão que recebe uma importância, para o estabelecimento, cada vez que dança com um dos freqüentadores.

te Deum
Latim: A ti Deus. Rel e Mús 1 Hino sacro de ação de graças que começa com Te Deum laudamus (A ti, ó Deus, louvamos) e é atribuído a Santo Ambrósio, ou a este e a Santo Agostinho, que, segundo a tradição, num rapto de fervor religioso, o improvisaram na Catedral de Milão, entoando alternadamente os seus versículos. 2 Cerimônia que acompanha essa ação de graças. 3 Solenidade religiosa em ação de graças, geralmente pública.

tempo di marcia
Italiano: Tempo de marcha. Movimento musical que regula o passo militar ordinário.

tempora si fuerint nubila solus eris
Latim: Se os tempos forem nublados estarás só. Reflexão triste mas verdadeira, de Ovídio (Tristes, I, 1-40).

tempus edax rerum
Latim: Tempo devorador das coisas. Pensamento de Ovídio (Metamorfoses, XV, 234).

tempus est optimus judex rerum omnium
Latim: O tempo é o melhor juiz de todas as coisas.

tempus lenit odium
Latim: O tempo abranda o ódio.

tenere lupum auribus
Latim: Ter o lobo pelas orelhas. Vencer uma grande dificuldade, mas encontrar-se embaraçado em conseqüência desse mesmo triunfo.

terminus ad quem
Latim: Termo a que. Ponto que determina o fim de uma ação.

terminus a quo
Latim: Termo do qual. Ponto que marca o início de uma ação.

testis unus, testis nullus
Latim: Testemunha única, testemunha nula. Aforismo antigo, recusado pelo Direito brasileiro, o qual admite, em determinadas circunstâncias, a validade do depoimento de uma só pessoa.

thalassa! Thalassa!
Grego: Ó mar! Ó mar! Exclamação de alegria dos soldados de Xenofonte, ao avistarem as praias do Ponto Euxino, durante a retirada dos dez mil.

that is the question
Inglês: Esta é a questão. Expressão shakespeariana no monólogo de Hamlet.

the right man in the right place
Inglês: O homem certo no lugar certo. Para indicar a competência de quem ocupa determinado cargo ou posto.

tibi quoque
Latim: A ti também. Frase designativa dos bacharéis de Coimbra que colavam grau por decreto, sem prestar exames.

time is money
Inglês: Tempo é dinheiro.

timeo Danaos et dona ferentes
Latim: Temo os gregos ainda quando oferecem presentes. Episódio da Eneida, II, 49, que se refere ao famoso cavalo de Tróia, deixado como oferta aos deuses. Virgílio atribui a frase ao sacerdote de Laocoonte.

timeo hominem unius libri
Latim: Temo o homem de um só livro. Santo Tomás de Aquino empregou esta expressão para dizer que temia aquele que não tinha uma cultura vasta, mas era adversário temível quando se aprofundava no estudo de uma especialidade.

to be or not to be
Inglês: Ser ou não ser. Assim inicia Shakespeare o monólogo de Hamlet (III, l) que caracteriza a existência de um indivíduo ou de um povo, em jogo.

totum continens
Latim: Que contém tudo. Expressão designativa de um indivíduo que tem ou pretende ter muitas aptidões.

tour de mains
Francês: Passagem de mãos. Contradança em que os pares se dão as mãos e as soltam em determinados momentos.

tour de promenade
Francês: Passeio.

tous les genres sont bons, hors le genre ennuyeux
Francês: Todos os gêneros são bons, fora o gênero aborrecido. Frase de Voltaire para justificar-se de ter escrito uma comédia.

tout passe, tout casse, tout lasse
Francês: Tudo passa, tudo quebra, tudo cansa.

tout est bien qui finit bien
Francês: Tudo que termina bem é bom.

trade marke
Inglês: arca de fábrica. Expressão impressa em produtos industriais, para garantia de sua procedência.

traduttori, traditori
Italiano: Tradutor, traidor. Trocadilho nada honroso para os tradutores considerados como infiéis ao pensamento do autor.

trahit sua quemque voluptas
Latim: Cada qual tem o seu prazer que o arrasta. Palavras de Virgílio nas Éclogas.

trompe l’oeil
Francês: Engana-olho. Pintura que produz, através de artifícios de perspectiva, a ilusão de objetos em relevo.

trop de zèle
Francês: Muito zelo. Zelo comprometedor.

tua res agitur
Latim: Trata-se de coisa tua. É de teu interesse (Horácio, Epístola I, 18, 84).

tu duca tu signore e tu maestro
Italiano: Tu guia, tu senhor, e tu mestre. Palavras de Dante a Virgílio (Inferno, II, 14).

tu es ille vir
Latim: Tu és aquele homem. Palavras com que Natan repreendeu a Davi por seu adultério com a mulher de Urias, a quem mandou matar (II Samuel, XII, 7).

tulit alter honores
Latim: Outro teve as honras. Queixa de Virgílio por ver outros colherem os frutos do seu trabalho.

tu quoque fili!
Latim: Tu também, filho! Exclamação de César ao ver Bruto, considerado seu filho, entre os conspiradores.

tutti frutti
Italiano: Todas as frutas. Alimento preparado com todas as frutas.

tutti quanti
Italiano: Quantos outros. Segue-se a uma enumeração e tem, muitas vezes, sentido irônico.

=====================
LETRA A http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA B http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_07.html
LETRA C http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_21.html
LETRA D http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA E http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_28.html
LETRA F http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/01/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA G-H http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/05/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA I http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA J-L http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_21.html
LETRA M http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA N http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_11.html
LETRA O http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/09/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA P http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/10/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA Q http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/10/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_17.html
LETRA R http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/11/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA S http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/11/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_21.html

Fonte:
Por Tras das Letras
http://www.portrasdasletras.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades

Palavras e Expressões mais Usuais do Latim e de outras linguas (Letra S)


salus populi suprema lex esto
Latim: A salvação do povo seja a suprema lei. Máxima do Direito Romano.

sancta sanctorum
Latim: O santo dos santos. O lugar mais secreto do templo de Jerusalém, onde só entrava o sumo-sacerdote quando em funções.

sans-culotte
Francês: Sem calção. Apelativo por que eram tratados os revolucionários de 1789, por usarem calças em vez de calções.

sans peur et sans reproche
Francês: Sem medo e sem censura. Sem temor e com a consciência tranqüila.

sapienti sat
Latim: Basta para o sábio; ele não precisa de muitas explicações.

sapiens filius laetificat patrem
Latim: O filho sábio alegra o pai (Provérbios, X, 1).

sapientis est mutare consilium
Latim: É próprio do sábio mudar de parecer. Sabe reconhecer os erros.

Scilicet
Latim: (cílicet) Isto é.

scintilla contempta excitavit magnum incendium
Latim: Pequena centelha ateou um grande incêndio. Coisas pequenas podem ter graves conseqüências.

scribitur ad narrandum, non ad probandum
Latim: Escreve-se para narrar e não para provar. Quintiliano estabelece assim a diferença entre a história e a eloqüência (Inst. Orat. X, 1, 31).

sede vacante
Latim: Estando vaga a sede. Usado principalmente no Direito Canônico.

sedia gestatoria
Italiano: Cadeira especial em que se conduz o papa nas grandes solenidades.

self-governement
Inglês: Governo próprio. Como o dos Estados e municípios brasileiros que gozam de autonomia.

semel emissum volat irreparabile verbum
Latim: A palavra uma vez pronunciada voa irreparável.

senatus populusque romanus
Latim: O senado e o povo romano. Divisa da antiga república romana.

se non è vero, è bene trovato
Italiano: Se não é verdade foi bem inventado.

servum pecus
Latim: Rebanho servil. Assim classifica Horácio os plagiadores (Epístolas, I, 19).

sic itur ad astra
Latim: Assim se vai aos astros. Expressão virgiliana muito empregada durante as descobertas aeronáuticas.

sic transit gloria mundi
Latim: Assim passa a glória do mundo. Reflexão da Imitação de Cristo que nos convida a desprezar as glórias mundanas.

similia similibus curantur
Latim: Os semelhantes curam-se pelos semelhantes. Med Lema da homeopatia que se opõe à alopatia cujo princípio é: contraria contrariis curantur.

sine die
Latim: Sem dia. Adiar sine die, isto é, sem data fixa.

sine ira et studio
Latim: Sem ódio e sem preconceito. É a diretriz de Tácito para aqueles que desejam escrever a História; sem parcialidade.

sine qua non
Latim: Sem a qual não. Diz da condição essencial à realização de um ato.

sinite parvulos venire ad me
Latim: Deixai vir a mim os pequeninos. Palavras com que Jesus (Mt. XIX, 14) manifesta sua predileção para com as crianças e para com os humildes.

sint ut sunt aut non sint
Latim: Que sejam como são ou deixem de existir. Resposta do Geral dos jesuítas, Padre Ricci, a alguém que lhe propunha modificar os estatutos da Companhia.

si parla italiano
Italiano: Fala-se italiano. Encontrada em estabelecimentos comerciais.

sit pro ratione voluntas
Latim: A vontade sirva de razão. Verso de Juvenal que demonstra até onde podem ir os caprichos dos prepotentes longe de seguir a lógica, preferem impor o seu ponto de vista mesmo com prejuízo próprio ou de terceiros.

sit tibi terra levis
Latim: Que a terra te seja leve; lê-se nas inscrições tumulares.

si vis me flere, dolendum est primum ipsi tibi
Latim: Se queres que eu chore, começa tu também por chorar. Conselho de Horácio ao ator dramático, citado por todos os autores de retórica e eloqüência (Arte Poética, 102-103).

si vis pacem, para bellum
Latim: Se queres a paz, prepara a guerra. Aforismo ainda hoje seguido pelas nações, que procuram fortalecer-se a fim de evitar uma eventual agressão.

sola apis mel conficit
Latim: Somente a abelha faz mel: cada qual no seu ofício.

sola Deus salus
Latim: Deus (é) a única salvação.

sola nobilitas virtus
Latim: A virtude (é) a única nobreza.

sol lucet omnibus
Latim: O Sol brilha para todos.

solve senescentem
Latim: Solte o velho. Conselho horaciano, que compara o escritor ao cavalo, que depois de velho deve aposentar-se, a fim de não sucumbir na luta.

spiritus ubi vult spirat
Latim: O espírito sopra onde quer. A inspiração divina não procede da vontade humana mas de Deus. São palavras de Cristo (Jo. III, 8).

spiritus promptus est, caro infirma
Latim: O espírito é pronto, a carne é fraca. Assim Cristo aconselha os apóstolos à vigilância e oração (Mt. XXVI, 36-41).

sponte sua
Latim: Por sua própria iniciativa.

stabat mater
Latim: A mãe estava de pé. Canto litúrgico da semana da paixão e festas de Nossa Senhora das Dores, que descreve os sofrimentos de Maria Santíssima ante o martírio de Jesus Cristo.

stare sulla corda
Italiano: Aguentar-se na corda. Equilibrar-se em uma situação instável. Corresponde a: dançar na corda bamba.

Statim
Latim: Imediatamente. No início das receitas médicas, indica que há urgência em aviá-las.

statu quo
Latim: Estado em que. Estado anterior à questão de que se trata.

stricto sensu
Latim: No sentido restrito.

struggle for life
Inglês: Luta pela vida. Expressão empregada por Darwin para explicar a seleção das espécies.

stultitiam simulare loco summa prudentia est
Latim: Simular tolice às vezes é grande prudência. Aforismo de Catão.

stultorum infinitus est numerus
Latim: O número dos tolos é infinito (Eclesiastes, I, 15).

sub conditione
Latim: Sob a condição; com a condição de.

sub Jove
Latim: Debaixo de Júpiter; ao relento.

sub judice
Latim: Sob o juízo. Direito: Diz-se da causa sobre a qual o juiz ainda não se pronunciou.

sublat a causa, tollitur effectus
Latim: Eliminada a causa, desaparece o efeito. Não existe efeito sem causa.

sub lege libertas
Latim: Liberdade dentro da lei. Liberdade sem lei degenera em licenciosidade.

sufficit diei malitia sua
Latim: A cada dia basta o seu mal. Cristo aconselha-nos a não nos preocuparmos com o futuro, que está nas mãos de Deus (Mt. VI, 34).

sui generis
Latim: Do seu gênero; peculiar, singular. Designa coisa ou qualidade que não apresenta analogia com nenhuma outra.

sui juris
Latim: Do seu direito.
Direito: Diz-se da pessoa livre, capaz de determinar-se sem depender de outrem.

summum jus, summa injuria
Latim: Excesso de direito, excesso de injustiça.
Direito: Axioma jurídico que nos adverte contra a aplicação muito rigorosa da lei, que pode dar margem a grandes injustiças.

sunt lacrimae rerum
Latim: Existem as lágrimas das coisas. Expressão de Virgílio (Eneida, I, 462). Nos grandes infortúnios até os seres inanimados parecem chorar.

suo jure
Latim: Por seu direito; por direito próprio.

suo tempore
Latim: Em seu tempo. No momento oportuno.

super flumina Babylonis
Latim: Junto dos rios de Babilônia. Assim começa o Salmo 137, no qual o profeta-rei chora os sofrimentos do povo eleito, exilado em Babilônia.

sursum corda
Latim: Corações ao alto. Locução proferida pelo sacerdote ao iniciar o prefácio da missa, convidando os fiéis a prepararem suas almas para a participação no sacrifício.

suscipe Sancta Trinitas
Latim: Recebei, ó Santíssima Trindade. Oração que o celebrante faz durante a missa, após o lavabo.

suscipe Sancte Pater
Latim: Recebei, ó Pai Santo. Oração pela qual o sacerdote oferece a hóstia a ser consagrada durante a missa.

sus Minervam docet
Latim: O porco ensina a Minerva. Diz-se sempre que alguém pretende ensinar a outrem aquilo em que ele é especializado. Equivale a: ensinar o pai-nosso ao vigário.

sustine et abstine
Latim: Sofre e abstém-te. Princípio de espiritualidade, que consiste em suportar os incômodos da vida e abster-se de tudo que não seja absolutamente necessário.
=====================
LETRA A http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA B
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_07.html
LETRA C
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_21.html
LETRA D
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA E
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_28.html
LETRA F
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/01/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA G-H
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/05/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA I
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA J-L
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_21.html
LETRA M
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA N
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_11.html
LETRA O
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/09/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA P
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/10/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA Q
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/10/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_17.html
LETRA R
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/11/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html

Fonte:
Por Tras das Letras
http://www.portrasdasletras.com.br/

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades

O Mundo Curioso da Literatura

Alcides Maya (1878-1944) foi o primeiro gaúcho a ingressar na Academia Brasileira de Letras, em 1914.

Em 1963, com quarenta anos, Celso Luft casou-se com Lya Fett, com vinte e um anos, e que viria a tornar-se a escritora Lya Luft. Eles se conheceram durante uma prova de vestibular e, posteriormente, ela foi sua aluna. Celso, então conhecido como Irmão Arnulfo, abandonou a batina para casar. Eles tiveram três filhos: Suzana (1965), André (1966) e Eduardo (1969). Celso faleceu em 1995.

O escritor porto-alegrense Flávio Moreira da Costa (1942-) foi um dos escritores brasileiros mais premiados na década de 90. Ele foi também indicado pela Unesco para viver como escritor-residente no CAMAC, comunidade artística internacional em Marnay-sur-Seine, a 110km de Paris, onde escreveu o romance O país dos ponteiros desencontrados, lançado pela Editora Agir em novembro de 2004.

A gaúcha Luciana de Abreu (1847-1880) foi a primeira mulher, no Brasil, a ser aceita em uma sociedade literária (o Partenon literário, criado em 1868).

O fato de não ter ocupado uma vaga na Academia Brasileira de Letras só fez o poeta Mário Quintana ( 1906-1994) aguçar seu conhecido humor e sarcasmo. Perdida a terceira indicação para aquele sodalício, compôs o conhecido “Poeminha do Contra”, onde mostra que acreditava que enquanto os imortais da Academia serão esquecidos, seus versos são simplesmente livres…
Todos esses que aí estão
Atravancando meu caminho,
Eles passarão…
Eu passarinho!

Em 17 de fevereiro de 1927, o combativo e popular jornalista e escritor Crispim Mira foi assassinado na redação do jornal que trabalhava, em Florianópolis. Ele não tolerava os abusos do poder público e fazia questão de denunciar em seus jornais as irregularidades vigentes. Pouco antes de morrer escreveu artigos em que questionava, por exemplo, a lentidão com que a Comissão de Melhoramentos dos Portos, vinculada ao Ministério da Viação, tratava do aumento do calado do porto de Florianópolis – que, por ser limitado, obrigava as embarcações a atracarem na ilha de Ratones, na Baía Norte. Quem atirou em Crispim Mira foi Aécio Lopes, 26 anos, filho de Tito Lopes – diretor da Companhia de Melhoramentos dos Portos da Capital e duramente criticado nos editorias de Folha Nova, onde Mira trabalhava. Aécio e seus comparsas foram absolvidos, no entanto. (O poder $empre falou muito alto).

A catarinense Edla Van Steen (1936-) é uma das únicas autoras do sul do país a ter 4 livros publicados (e muito elogiados) nos Estados Unidos. São eles: A bag of stories, 1991 (EUA) Scent of love, 1991 (EUA) Village of the ghost bells, 1991 (EUA) Early mourning, 1991 (EUA).

Em 1885, o catarinense Luiz Defino (1834 – 1910), em concurso nacional da revista A Semana, foi eleito o maior poeta do Brasil.

Harry Laus (1922-1992) publicou seu primeiro livro depois dos 50 anos de idade, após aposentar-se na carreira militar. O escritor e crítico de arte catarinense é hoje mais conhecido na França que no Brasil.

Guido Wilmar Sassi (1922-2003) não terminou o curso ginasial, mas aos doze anos de idade, já costumava ler tudo quanto lhe caía à mãos, inclusive Cervantes no original espanhol, histórias de fadas e ficção científica (Júlio Verne), romances policiais (Edgar Wallace e Conan Doyle), os contos de Hoffmann, Machado de Assis e Monteiro Lobato, peças de teatro e dicionários. (algo raro para um menino de hoje de 12 – ou até bem mais – anos de idade).

Dalton Trevisan, além de não dar entrevistas e não aceitar ser fotografado (a menos que seja por um descuido, como nesta foto), não recebe visitas nem aceita nenhuma espécie de fama. Já recebeu o apelido de “Vampiro de Curitiba”, por viver enclausurado em casa.

O escritor paranaense José Colombo de Souza (1920-?), como se informa em nota por ocasião do lançamento do livro Fuga, foi demitido de uma academia de letras por converter-se à poesia moderna. Sobre Fuga, afirmava-se que era obra hesitante como toda a poesia moderna.

O poeta Emiliano Perneta (1866-1921) foi quem divulgou As Flores do Mal, do francês Baudelaire aos poetas curitibanos, fazendo da capital do Paraná, um dos centros de formação de poetas simbolistas. Em vida, os curitibanos lhe prestaram uma homenagem, dando-lhe o título de “Príncipe dos Poetas Paranaenses”. A poética de Emiliano Pernet tem versos bem trabalhados à parnasiana e tematiza a metalinguagem, o satanismo, o elogio à natureza e o misticismo cristão.

Falando em poesia, com suas poesias curtas, sucintas e sábias, Paulo Leminski (1944-1989) anda sendo chamado o precursor (inteligente) do Twitter (inteligente). Por sinal, ele foi homenageado recentemente no Jornal da Globo, na ótima coluna de Nelson Motta.

Outra curiosidade interessante sobre Leminski, é que ele se casou ainda menor de idade, aos 17 anos, com Neiva Maria de Sousa. O casamento durou apenas 6 anos, e eles não tiveram filhos. No mesmo ano em que se separou, começou a namorar Alice Ruiz, poetisa com quem viveu vinte anos e incentivou a escrever. Os dois, inclusive, moraram um ano com a ex-esposa de Leminski e o namorado dela. Tiveram três filhos: Miguel Ângelo, Áurea e Estrela. Separaram-se em 1987.

Emílio de Meneses (1866 – 1918), jornalista e poeta curitibano ao ser convidado para a Academia Brasileira de Letras compôs um discurso de posse, em que revelava nada compreender de Salvador de Medonça, nem na expressão da atuação política e diplomática, nem na superioridade de sua realização intelectual de poeta, ficcionista e crítico. A Mesa não permitiu a leitura do discurso e o sujeitou a algumas emendas. Emílio protelou o quanto pôde aceitar essas emendas, e quando faleceu, quatro anos depois de ter sido eleito, ainda não havia tomado posse de sua cadeira.

O escritor Wolfgang Von Goethe escrevia em pé. Ele mantinha em sua casa uma escrivaninha alta.

O escritor Pedro Nava parafusava os móveis de sua casa a fim que ninguém o tirasse do lugar.
Gilberto Freyre nunca manuseou aparelhos eletrônicos. Não sabia ligar sequer uma televisão. Todas as obras foram escritas a bico-de-pena, como o mais extenso de seus livros, Ordem e Progresso, de 703 páginas.

Euclides da Cunha, Superintendente de Obras Públicas de São Paulo, foi engenheiro responsável pela construção de uma ponte em São José do Rio Pardo (SP). A obra demorou três anos para ficar pronta e, alguns meses depois de inaugurada, a ponte simplesmente ruiu. Ele não se deu por vencido e a reconstruiu. Mas, por via das dúvidas, abandonou a carreira de engenheiro.

Machado de Assis, nosso grande escritor, ultrapassou tanto as barreiras sociais bem como físicas. Machado teve uma infância sofrida pela pobreza e ainda era miope, gago e sofria de epilepsia. Enquanto escrevia Memórias Póstumas de Brás Cubas, Machado foi acometido por uma de suas piores crises intestinais, com complicações para sua frágil visão. Os médicos recomendaram três meses de descanso em Petrópolis. Sem poder ler nem redigir, ditou grande parte do romance para a esposa, Carolina.

Graciliano Ramos era ateu convicto, mas tinha uma Bíblia na cabeceira só para apreciar os ensinamentos e os elementos de retórica. Por insistência da sogra, casou na igreja com Maria Augusta, católica fervorosa, mas exigiu que a cerimônia ficasse restrita aos pais do casal. No segundo casamento, com Heloísa, evitou transtornos: casou logo no religioso.
Aluísio de Azevedo tinha o hábito de, antes de escrever seus romances, desenhar e pintar, sobre papelão, as personagens principais mantendo-as em sua mesa de trabalho, enquanto escrevia.

José Lins do Rego era fanático por futebol. Foi diretor do Flamengo, do Rio, e chegou a chefiar a delegação brasileira no Campeonato Sul-Americano, em 1953.

Aos dezessete anos, Carlos Drummond de Andrade foi expulso do Colégio Anchieta, em Nova Friburgo (RJ), depois de um desentendimento com o professor de português. Imitava com perfeição a assinatura dos outros. Falsificou a do chefe durante anos para lhe poupar trabalho. Ninguém notou. Tinha a mania de picotar papel e tecidos. “Se não fizer isso, saio matando gente pela rua”. Estraçalhou uma camisa nova em folha do neto. “Experimentei, ficou apertada, achei que tinha comprado o número errado. Mas não se impressione, amanhã lhe dou outra igualzinha.”

Numa das viagens a Portugal, Cecília Meireles marcou um encontro com o poeta Fernando Pessoa no café A Brasileira, em Lisboa. Sentou-se ao meio-dia e esperou em vão até as duas horas da tarde. Decepcionada, voltou para o hotel, onde recebeu um livro autografado pelo autor lusitano. Junto com o exemplar, a explicação para o “furo”: Fernando Pessoa tinha lido seu horóspoco pela manhã e concluído que não era um bom dia para o encontro.

Érico Veríssimo era quase tão taciturno quanto o filho Luís Fernando, também escritor. Numa viagem de trem a Cruz Alta, Érico fez uma pergunta que o filho respondeu quatro horas depois, quando chegavam à estação final.

Clarice Lispector era solitária e tinha crises de insônia. Ligava para os amigos e dizia coisas pertubadoras. Imprevisível, era comum ser convidada para jantar e ir embora antes de a comida ser servida.

Monteiro Lobato adorava café com farinha de milho, rapadura e içá torrado (a bolinha traseira da formiga tanajura), além de Biotônico Fontoura. “Para ele, era licor”, diverte-se Joyce, a neta do escritor. Também tinha mania de consertar tudo. “Mas para arrumar uma coisa, sempre quebrava outra.”

Manuel Bandeira sempre se gabou de um encontro com Machado de Assis, aos dez anos, numa viagem de trem. Puxou conversa: “O senhor gosta de Camões?” Bandeira recitou uma oitava de Os Lusíadas que o mestre não lembrava. Na velhice, confessou: era mentira. Tinha inventado a história para impressionar os amigos.

Fernando Sabino foi escoteiro dos nove aos treze anos. Nadador do Minas Tênis Clube, ganhou o título de campeão mineiro em 1939, no estilo costas.

Guimarães Rosa, médico recém-formado, trabalhou em lugarejos que não constavam no mapa. Cavalgava a noite inteira para atender a pacientes que viviam em longínquas fazendas. As consultas eram pagas com bolo, pudim, galinha e ovos. Sentia-se culpado quando os pacientes morriam. Acabou abandonando a profissão. “Não tinha vocação. Quase desmaiava ao ver sangue”, conta Agnes, a filha mais nova.

Mário de Andrade provocava ciúmes no antropólogo Lévi-Strauss porque era muito amigo da mulher dele, Dina. Só depois da morte de Mário, o francês descobriu que se preocupava em vão. O escritor era homossexual.

Vinicius de Moraes, casado com Lila Bosco, no início dos anos 50, morava num minúsculo apartamento em Copacabana. Não tinha geladeira. Para aguentar o calor, chupava uma bala de hortelã e, em seguida, bebia um copo de água para ter sensação refrescante na boca.

José Lins do Rego foi o primeiro a quebrar as regras na Academia Brasileira de Letras, em 1955. Em vez de elogiar o antecessor, como de costume, disse que Ataulfo de Paiva não poderia ter ocupado a cadeira por faltar-lhe vocação.

Castro Alves morreu com apenas 24 anos, nasceu em 1847 vindo a falecer em 1871.

J.K Roling (Escritora de Harry Potter) começou a escrever seu primeiro livro Harry Potter e a Pedra Filosofal, em guardanapos em um bar que frequentava, e ao terminar o livro ficou com uma terrível dúvida: escolher se comprar leite para sua filha ou mandava seu livro pra editora, hoje ela é milionaria !

Jorge Amado para autorizar a adaptação de Gabriela para a tevê, impôs que o papel principal fosse dado a Sônia Braga. “Por quê?”, perguntavam os jornalistas, Jorge respondeu: “O motivo é simples: nós somos amantes.” Ficou todo mundo de boca aberta. O clima ficou mais pesado quando Sônia apareceu. Mas ele se levantou e, muito formal disse: “Muito prazer, encantado.” Era piada. Os dois nem se conheciam até então.

Fontes:
http://www.escritoresdosul.com.br/
Academia Brasileira de Letras.
http://moyseswesley.blogspot.com

Imagem = montagem sobre desenho do blog de Moyses Wesley.

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades, Escritoras, Escritores

Palavras e Expressões mais Usuais do Latim e de outras linguas (Letra R)

rapere in jus
Latim: Conduzir a juízo.

rapel de ton
Francês: Chamada de cor. Retoques distribuídos em um quadro para salientar a tonalidade principal dele.

rari nantes in gurgite vasto
Latim: Poucos nadando no imenso abismo. Verso de Virgílio (Eneida, I, 118), que descreve a situação de alguns náufragos. Aplica-se diversamente no sentido figurado, citando-se, muitas vezes, apenas as duas primeiras palavras.

ratio juris
Latim: Razão do direito. Direito: Motivo que o hermeneuta encontra no direito vigente para justificar a interpretação ou solução que dá a uma regra jurídica ou a certo caso concreto.

ratio legis
Latim: A razão da lei. Direito: Espírito que inspira a lei e deve ser objeto de investigação dos intérpretes e comentadores que procuram esclarecer o seu texto.

ratio summa
Latim: Razão superior. Direito: Espírito de eqüidade que deve determinar a escolha da solução mais benigna, dentre as duas resultantes da interpretação estrita de determinada regra jurídica.

ratione materiae
Latim: Em razão da matéria. Direito: Razão resultante da matéria.

ratione officii

Latim: Direito: Em razão do ofício.

regis ad exemplar
Latim: A exemplo do rei. Citada para satirizar aqueles que pautam seus atos pelos do rei ou do chefe.

relicta non bene parmula
Latim: Abandonado vergonhosamente o escudo. Refere-se Horácio à fuga por ele empreendida na batalha de Filipos (Odes, II, 7-10).

rempli de soi-même
Francês: Cheio de si; convencido.

requiescat in pace
Latim: Descanse em paz. Prece recitada no ofício dos mortos e muitas vezes gravada em pedras tumulares.

res integra
Latim: Direito: A coisa inteira.

res inter alios judicata aliis neque nocet neque prodest
Latim: Direito: A coisa julgada não pode aproveitar nem prejudicar senão às próprias partes.

res judicata est quae finem controversiarum pronuntiatione judicis accipit
Latim: Direito: Coisa julgada é a que, pelo pronunciamento do juiz, põe fim às controvérsias.

res judicata pro veritate habetur
Latim: A coisa julgada é tida por verdade. Axioma jurídico, segundo o qual aquilo que foi objeto de julgamento definitivo não pode ser novamente submetido a discussão.

res non verba
Latim: Fatos e não palavras. Citada quando se pleiteia a ação imediata e não promessas.

res nullius
Latim: Direito: Coisa de ninguém, isto é, que a ninguém pertence.

res sacra miser
Latim: O infeliz é coisa sagrada. Palavras de Sêneca que patenteiam o seu respeito para com os infelizes.

restons telles que Dieu nous a faites
Francês: Fiquemos como Deus nos fez. Máxima que serviu de base a campanha das mulheres francesas contra o uso do espartilho.

rira mieux qui rira le dernier
Francês: Ri melhor quem ri por último.

risum teneatis?
Latim: Sofrereis o riso? Pergunta feita por Horácio, após descrever um quadro cuja figura se compõe de partes disparatadas (Arte Poética, 5).

rudis indigestaque moles
Latim: Massa confusa e informe. É como Ovídio (Metamorfoses I, 7) descreve a matéria caótica.

rule, Britannia
Inglês: Governa, Inglaterra. Palavras iniciais de uma canção patriótica inglesa que exalta o domínio britânico nos mares.
=====================
LETRA A http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA B http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_07.html
LETRA C http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_21.html
LETRA D http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA E http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_28.html
LETRA F http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/01/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA G-H http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/05/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA I http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA J-L http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_21.html
LETRA M http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA N http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_11.html
LETRA O http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/09/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA P http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/10/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA Q http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/10/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_17.html

Fonte:
Por Tras das Letras
http://www.portrasdasletras.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades, Expressões Idiomáticas

Dicionário do Folclore (Letra X e Z)

XÁCARA. É um romance cantado ao som alegre da viola. No gênero da narrativa popular temos três espécies: 1ª O romance, quando predomina o épico, o heróico; 2a A xácara, quando prevalece a forma dramática, na qual os personagens falam muito e o poeta quase nada; 3a O solau, que é mais lírico, com diálogo cheio de lamentações. A xácara não se popularizou no Brasil.

XANGÔ. É um dos mais populares orixás dos terreiros, dos candomblés, das macumbas, em todo o país. Foi trazido pelos escravos africanos vindos do Togo, Daomé, Lagos, barra do Níger, golfo de Benin, jejes e iorubas ou nagôs. Xangô é a divindade das tempestades, raios, trovoadas, descargas da eletricidade atmosférica. Seu fetiche é um meteorito e sua insígnia é a lança e a machadinha de pedra, dupla, a bipene. Apresenta-se como um rapaz forte, ágil, sensual. Usa contas vermelhas e brancas, pulseira de latão e come galo, bode, caruru e cágado. Êi-í-í é o seu grito e, na religião católica, é representado por São Jerônimo e Santa Bárbara, santos que protegem seus devotos contra os meteoros. Seu dia é a quarta-feira e sua festa é celebrada no dia 30 de setembro.

XAPANÃ. Ou saponã, chaponã, wari-waru, afoman, é o mesmo omonolu, omolu.

XARÁ. 1. É uma dança do fandango do Rio Grande do Sul. Dizem que é originário daquele estado, mas os colonos, que vieram da ilha dos Açores para o sul do Brasil, dançavam muito o cará e o xará; 2. É a pessoa que tem o mesmo nome de batismo que outra.

XARAPADA. O mesmo que XARÁ.

XAROPE. É a pessoa chata, tudo que é ruim e não agrada.

XAXADO. É uma dança só de homens, originária do sertão de Pernambuco e que foi divulgada por Lampião e seus cangaceiros. O xaxado é dançado em círculo, fila indiana, cada dançarino fica um atrás do outro, avançando o pé direito em três ou quatro movimentos para os lados e puxando o pé esquerdo num ligeiro sapateado. Os cangaceiros de Lampião, quando dançavam o xaxado, marcavam o compasso dominante com uma pancada da coronha do rifle no chão. Xaxado é a onomatopéia do barulho feito pelas alpercatas quando arrastadas no chão durante a dança.

XEPA. Comida de gente pobre, gororoba.

XEQUETÉ. É uma bebida tradicional entre os adeptos das seitas africanas nordestinas. É feita com cravo-do-reino, canela em pau, erva-doce, castanha de caju, amendoim e batida de limão com pitanga. Depois de três dias de feita, o xequeté, também conhecido como levanta-saia, é que pode ser servido, com melhor paladar.

XERA. No Pará, é um tratamento carinhoso dado às mulheres.

XERE. É um chocalho usado na apresentação dos caboclinhos.

XEXEIRO. É a pessoa que não paga o que deve.

XERÉM. Milho pilado pra fazer cuscuz, bolo, alimentar pintos.

XEXÉU. É um passarinho que imita o canto dos outros ou outros ruídos que ele escuta várias vezes.

XINXIM-DE-GALINHA. É um prato muito gostoso, feito com galinha, meio quilo de camarões secos, três xícaras de azeite-de-dendê, uma cebola grande ralada, um ramo de salsa, coentro, pimenta e sal. O xinxim é feito da seguinte maneira: Corta-se a galinha em pedaços e bota-se para cozinhar em pouca água, com os camarões secos, descascados e moídos, a salsa, a cebola ralada, o sal e pimenta a gosto, bem como uma xícara de azeite de dendê. Se for necessário, acrescentar mais água até que os pedaços de galinha fiquem bem cozidos e macios. Quando estiver no ponto, seca-se a água e acrescentam-se duas xícaras de azeite de dendê. Neste azeite, os pedaços de galinha e os camarões devem ser refogados, com mais sal e pimenta. Deve ser servido bem quente, com arroz branco.

XIRÓ. É o caldo do arroz, temperado com sal.

ZABELÊ. É uma ave que, no Sul, é conhecida como jaó, de carne muito gostosa.

ZABUMBA. É o nome popular do bombo, instrumento de percussão, usado nos maracatus, nos sambas, nos pastoris, nos zé-pereiras, nas bandas de pífanos. Na Espanha e em Portugal, zabumba é o que nós conhecemos aqui como cuíca..

ZAMBÊ. 1. Dá-se o nome de zambê ao tambor que mede mais de um metro, de forma cilíndrica, tendo uma pele numa das extremidades e que é percutido com ambas as mãos pelo tocador e que é sustentado por tiras de couro; 2. Zambê também é o nome que o povo dá ao baile popular, ao pagode, no qual a presença do instrumento é muito importante.

ZANIAPOMBO. Segundo a crença dos que participam dos candomblés, zaniapombo é um ser superior, um deus supremo, também conhecido por Olorum.

ZINHO. No sul, zinho é o nome que é dado aos meninos, quando pequenos. Já no Nordeste, zinho e zinha são denominações pejorativas dadas às pessoas de mau procedimento.

ZORO. 1. É um prato da culinária sulista, feito com camarão, azeite, salsa, pimenta-do-reino, cebola, cebolinha, tomate, maxixe, jilós ou com quiabos, água. Depois de tudo bem cozinhado, o zoró é comido com angu de milho; 2. No Nordeste, a palavra zoró é usada na expressão “está zoró de fome”, significando que a pessoa está com muita fome, faminta.

ZUMBIDOR. No Nordeste, é o rói-rói, feito com um pedaço de madeira, de osso, de marfim, de metal ou de matéria plástica, amarrado num cordão, soando pela deslocação do ar quando girado circularmente. O mesmo que ZUNIDOR.

ZUNIDOR. Veja zumbidor.

ZIGUE-ZAGUE. É uma das motivações da quadrilha. Os participantes fazem uma fila, de mãos dadas, e o cavalheiro que encabeça a fila, dançando, vai formando linhas sinuosas.

ZÁS-TRÁS-NÓ-CEGO. É uma expressão bastante usada no Norte e Nordeste brasileiros, quando uma pessoa faz qualquer coisa na hora, imediatamente: – “Num instante eu faço isso. E – zás-trás-nó-cego!”

ZURUÓ. Diz-se de quem está fora de si, embriagado, cheio da água-que-passarinho-não-bebe.

ZURETA. Denominação dada às pessoas que sofrem das faculdades mentais.

ZÉ-PEREIRA. No sábado de carnaval, sai o zé-pereira, tendo como máscara uma cabeça maior do que o tamanho normal, seguido de foliões que, com muita alegria, cantam: – “Viva o zé-pereira! / Que a ninguém faz mal! / Viva o zé-pereira! / No dia do carnaval!”. O zé-pereira é de origem portuguesa e, em Portugal, ele aparece não somente no carnaval como também nas festas locais e romarias. No Brasil, o zé-pereira só aparece no Sábado de carnaval e a letra da música é brasileira. Origens brasileiras: Zé Pereira é apelido dado ao português José Nogueira de Azevedo Paredes, sapateiro no Rio de Janeiro. Na segunda-feira do carnaval de 1846, José Nogueira juntou os amigos e realizou uma barulhenta passeata pela Rua São José. Acontece que os participantes trocaram o nome do português José Nogueira por José Pereira, daí a denominação Zé Pereira.

O Dicionário completo pode ser obtido em http://sites.google.com/site/pavilhaoliterario/dicionario-de-folclore

Fontes:
LÓSSIO, Rúbia. Dicionário de Folclore para Estudantes. Ed. Fundação Joaquim Nabuco
Imagem = http://www.terracapixaba.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades, Folclore

Palavras e Expressões mais Usuais do Latim e de de outras linguas) Letra Q

q. e. D. (abrev de quod erat demonstrandum)
Latim: Que se devia demonstrar.

quaerens quem devoret
Latim: Procurando a quem devorar. São Pedro, na primeira epístola (V, 8), adverte os fiéis contra as insídias do demônio que se assemelha ao leão faminto em busca da presa.

quae sunt Caesaris Caesari
Latim: A César o que é de César. Palavras com que Cristo confundiu os fariseus que lhe faziam uma pergunta capciosa. Significam que não se deve negar ao poder temporal o que realmente lhe cabe, sem omitir nada do que se deve a Deus.

qualis artifex pereo
Latim: Morro como um grande artista. Expressão atribuída por Suetônio a Nero que se julgava grande poeta, cantor e ator. O imperador pronunciou estas palavras pouco antes de suicidar-se.

qualis pater, talis filius
Latim: Tal pai, tal filho.

qualis vita, finis ita
Latim: Tal vida, tal morte. Não pode morrer bem aquele que viveu mal, é o princípio aceito pelos mestres da vida espiritual.

quand même
Francês: Mesmo assim. Em qualquer hipótese; apesar dos pesares.

quando bene se gesserit
Latim: Direito: Enquanto se comportar bem.

quandoque bonus dormitat Homerus
Latim: Também o bom Homero cochila. Expressão de Horácio, para dizer que a suma perfeição não existe em poesia; até o grande Homero comete suas falhas.

quantum libeat
Latim: Quanto lhe agrade, à vontade.

quantum mutatus ab illo
Latim: Quanto se mudou do que era. Enéias pronuncia estas palavras ao ver, em sonho, Heitor coberto de feridas (Eneida, II, 274).

quantum satis
Latim: Quanto baste. Med Expressão empregada abreviadamente qs, nas receitas médicas.

quantum sufficit
Latim: O suficiente, o estritamente necessário: Alimentava-se quantum sufficit para não morrer à fome.

quia nominor leo
Latim: Porque me chamo leão. Trecho de Fedro usado para estigmatizar aqueles que abusam de sua posição ou força, para oprimir os fracos.

qui bene amat, bene castigat
Latim: Quem ama bem, castiga bem. O castigo deve ser o fruto do amor.

quid inde?
Latim: E então? Qual a conseqüência disso?

quid juris?
Latim: Que do direito? Qual a solução dada pelo direito?

quidquid delirant reges, plectuntur Achivi
Latim: Quando os reis deliram, os gregos são açoitados. O povo paga pelos desvarios dos governantes.

quidquid tentabam dicere versus erat
Latim: Tudo que eu tentava dizer era verso. Frase de Ovídio que narra a sua irreprimível vocação de poeta contrariada pelo pai.

quieta non movere
Latim: Não mexer no que está quieto.

qui habet aures audiendi audiat
Latim: Quem tem ouvido para ouvir, ouça. Palavras do Apocalipse e do Evangelho, que encerram uma ameaça àqueles que não querem atender à pregação da palavra de Deus.

qui nescit dissimulare, nescit regnare
Latim: Quem não sabe dissimular, não sabe reinar. Princípio que traduz o pensamento de Maquiavel e de muitos políticos inescrupulosos.

qui potest capere, capiat
Latim: Quem é apto para o admitir, admita. Palavras com que Cristo conclui sua exortação à prática da castidade perfeita (Mateus, 19, 12).

qui pridie
Latim: Liturgico: O qual na véspera. Palavras iniciais da consagração que recordam a instituição da Eucaristia na última ceia.

qui scribit bis legit
Latim: Quem escreve lê duas vezes. Axioma da pedagogia antiga, ainda hoje aceito por muitos educadores.

quis, quid, ubi, quibus auxiliis, cur, quomodo, quando?
Latim: Quem? O quê? Onde? Por que meios? Por quê? Como? Quando? Verso hexâmetro de Quintiliano, que sintetiza a divisão da Retórica. Muito usado modernamente por jornalistas que, com as respostas a estas perguntas circunstanciais, consideram esgotado o assunto. O mesmo processo se aplica em criminologia.

quis tulerit Gracchos de seditione quaerentes?
Latim: Quem suportará que os Gracos se queixem de sedição? Quem empregou um meio para conseguir determinado fim não tem força moral para condenar esse meio. Os irmãos Gracos subiram ao poder por uma revolução.

quod abundat non nocet
Latim: O que abunda não prejudica. É melhor sobrar do que faltar.

quod Deus avertat
Latim: O que Deus afaste (de nós). Locução equivalente a Deus nos livre.

quod di omen avertant!
Latim: Que os deuses afastem este agouro!

quod facis, fac citius
Latim: Faze logo o que tens a fazer. Palavras com que Jesus dá a entender a Judas que conhece seu plano de traição e ao mesmo tempo manifesta o desejo que sente de realizar a salvação dos homens (Jo. XIII, 27).

quod petis alter habet
Latim: O que pedes outro tem. Chegaste tarde.

quod scripsi, scripsi
Latim: O que escrevi, escrevi. Foi como Pilatos respondeu aos sacerdotes que o censuravam por mandar colocar na cruz de Cristo a legenda: Jesus nazareno rei dos judeus (Jo. XIX, 22).

quod tibi non vis alteri ne facias
Latim: Não faças a outrem o que não queres para ti.

quod volumus facile credimus
Latim: Facilmente cremos aquilo que desejamos.

quot capita, tot sensus
Latim: Quantas cabeças, tantas sentenças.

quousque tandem
Latim: Até quando. Palavras iniciais do discurso de Cícero contra Catilina no Senado Romano.

quo vadis?
Latim: Aonde vais? Pergunta que, segundo a lenda, teria feito Cristo a Pedro na Via Ápia, quando o apóstolo fugia da perseguição de Nero.

As outras letras:

LETRA A http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA B http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_07.html
LETRA C http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_21.html
LETRA D http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA E http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_28.html
LETRA F http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/01/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA G-H http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/05/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA I http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA J-L http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_21.html
LETRA M http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA N http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_11.html
LETRA O http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/09/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA P http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/10/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
––––––
Fonte:
Por Tras das Letras
http://www.portrasdasletras.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades

Palavras e Expressões mais Usuais do Latim e de de outras linguas) Letra P

palmam qui meruit ferat
Latim: Leve a palma quem a mereceu.

panem et circenses
Latim: Pão e espetáculos circenses. Era o que pediam os romanos da decadência, censurados por Juvenal.

parcere subjectis et debellare superbos
Latim: Perdoar os que se sujeitam e submeter os orgulhosos. Virgílio delineia neste verso o programa político do povo romano.

parce sepultos
Latim: Perdoa os mortos. Não se deve falar mal de quem já morreu.

pares cum paribus facillime congregantur
Latim: Iguais com iguais se unem facilmente.

par est fortuna laboris
Latim: A fortuna é companheira do trabalho.

par pari refertur
Latim: Igual com igual se paga; amor com amor se paga.

pari passu
Latim: Com passo igual.

parti pris
Frances: Opinião preconcebida; prevenção.

parturiunt montes; nascetur ridiculus mus
Latim: As montanhas partejam, nascerá um ridículo rato. Horácio critica o grande espalhafato de um empreendimento que fracassa na execução.

parva scintilla excitavit magnum incendium
Latim: Pequena centelha desencadeou um grande incêndio. Provérbio que se aplica a pequenas coisas capazes de provocar conseqüências desastrosas.

pas de nullité sans grief
Francês Direito: Não há nulidade sem prejuízo. Princípio segundo o qual o juiz não deve pronunciar a nulidade de um ato processual por vício de forma, desde que dela não resulte prejuízo para a parte que a alega.

passato il pericolo, gabato il santo
Italiano: Passado o perigo, o santo é escarnecido. Só nos lembramos dos amigos quando precisamos deles.

pâte cuite
Francês: Pasta cozida. Sistema de decoração de origem veneziana.

paté de foie gras
Francês: Massa de fígado gordo. Produto alimentício enlatado, feito de fígado de ganso engordado por processo especial.

pâte de verre
Francês: Pasta de vidro. Pequenos cubos de vidro colorido que imitam pedras preciosas.

pâte dure
Francês: Pasta dura. Termo de cerâmica, empregado para designar o caulim.

patere quam ipse fecisti legem
Latim: Suporta a lei que tu próprio fizeste. Não podemos fugir das conseqüências de princípios estabelecidos por nós. Aplica-se aos legisladores e moralistas.

patiens quia aeternus
Latim: Paciente porque eterno. Santo Agostinho explica assim as injustiças aparentes, pelas quais os maus parecem triunfar, enquanto os justos são castigados com reveses. Deus pode esperar a hora da justiça.

pauca sed bona
Latim: Poucas coisas, mas boas. Aplicação generalizada.

pauci quos aequus amavit Jupiter
Latim: Os raros que o justo Júpiter amou. Verso de Virgílio que se aplica às pessoas muito dotadas ou felizes.

paulo majora canamus
Latim: Cantemos coisas um pouco mais elevadas. Verso de Virgílio, empregado quando se quer passar de um assunto para outro mais importante.

paupertas impulit audax
Latim: A pobreza audaciosa impeliu. A pobreza pode ser um estimulante das idéias criadoras.

pax vobis
Latim: A paz esteja convosco. Saudação litúrgica que somente os bispos podem usar nas missas.

pectus est quod disertos facit
Latim: O coração é que faz os eloqüentes. Frase de Quintiliano; demonstra que a convicção e sinceridade são requisitos essenciais aos oradores.

pecuniae obediunt omnia
Latim: Todas as coisas obedecem ao dinheiro. O dinheiro tem muita força.

pede poena claudo
Latim: O castigo claudica. Quis Horácio dizer que, muitas vezes, o crime não é imediatamente castigado.

pejor avis aetas
Latim: A idade moderna é pior que a dos tempos passados. Os velhos gostam de lembrar dos bons tempos (os tempos deles).

pêle-mêle
Francês: Confusão; misturada.

per capita
Latim: Por cabeça; para cada um. Termo muito empregado nas estatísticas.

pereat mundus, fiat justitia
Latim: Que o mundo pereça, mas faça-se a justiça.

per fas et nefas
Latim: Pelo lícito e pelo ilícito; por todos os meios possíveis; de qualquer modo.

per jocum
Latim: Por brincadeira.

persona grata
Latim: Pessoa agradável. Pessoa que será diplomaticamente bem recebida por uma entidade ou Estado internacional.

persona non grata
Latim: Pessoa indesejada. Qualificativo que uma chancelaria dá a determinado agente diplomático estrangeiro, em nota ao governo deste, por meio da qual pede a sua retirada do país, onde se acha acreditado, em virtude de considerá-lo, por motivo grave, contrário aos interesses nacionais.

per summa capita
Latim: Pelos pontos capitais; por alto; sem entrar em pormenores; sucintamente, sumariamente.

pertransiit benefaciendo
Latim: Passou fazendo o bem. São Pedro (Atos dos Apóstolos, X, 38) assim resume a vida de Cristo.

petit à petit l’oiseau fait son nid
Francês: Pouco a pouco o pássaro faz seu ninho. Todas as realizações são fruto do trabalho constante e pertinaz.

pied-de-poule
Francês: Pé-de-galinha. Padrão de tecido com desenhos que imitam as pisadas de uma ave, em fundo de cor viva.

piscem natare doces
Latim: Ensinas o peixe a nadar. Ensinas o padre-nosso ao vigário.

Placet
Latim: Agrada, parece bem, apraz. 1 Voto de anuência usado nas assembléias do clero. 2 Diplomacia: Aprovação, beneplácito: Placet régio.

plaudite cives
Latim: Aplaudi cidadãos. Palavras por que terminavam as apresentações teatrais na antiga Roma.

pluralia tantum
Latim: Somente os plurais. Diz-se dos substantivos que só se empregam no plural.

plurima mortis imago
Latim: A imagem multiforme da morte. Foi como Enéias descreveu a Dido a última noite de Tróia (Eneida, II, 369).

plus aequo
Latim: Mais que o razoável; em excesso.

point de nouvelles, bonnes nouvelles
Francês: Nada de notícias, boas notícias. A falta de notícias é sinal de que tudo corre bem.

porte-bonheur
Francês: Porta-felicidade. Mascote ou amuleto considerado portador de sorte a quem o possui.

post equitem sedet atra cura
Latim: O negro cuidado se assenta atrás do cavaleiro (na garupa). As preocupações seguem a pessoa por toda parte.

post hoc, ergo propter hoc
Latim: Depois disto, logo por causa disto. A prioridade no tempo não importa em causalidade. Pelo fato de algo vir antes de alguma coisa não se segue que seja causa desta.

post meridiem
Latim: Depois do meio-dia.

post mortem
Latim: Após a morte. 1 Além do túmulo; na outra vida. 2 Expressão enpregada quando se trata de conferir alguma honraria a pessoa falecida.

post partum
Latim: Depois do parto.

pour boire
Francês: Para beber; gorjeta.

praesente cadavere
Latim: Em presença do cadáver. Diz-se da leitura do testamento do papa que deve ser feita diante do cadáver, antes do seu sepultamento.

praetium aestimationis
Latim: Valor estimativo.

primo occupanti
Latim Direito: Ao primeiro ocupante. Princípio aceito em jurisprudência, segundo o qual, na falta de outra circunstância, o primeiro ocupante adquire o direito de propriedade.

primum non nocere
Latim: Primeiramente não prejudicar. Critério médico, para empregar novas drogas em seres humanos; que elas não prejudiquem o paciente.

primum vivere, deinde philosophari
Latim: Primeiro viver, depois filosofar. Aplicado àqueles que, por especulações abstratas, deixam de conseguir o necessário para a subsistência.

primus in orbe deos fecit timor
Latim: O temor primitivo criou os deuses na Terra.

primus inter pares
Latim: Primeiro entre os iguais. Designa o presidente de uma assembléia onde todos têm voz ativa.

principiis obsta
Latim: Obsta no princípio. Ovídio aconselha o combate às paixões no seu início, antes que criem raízes.

pro aris et focis
Latim: Pelos altares e pelos lares. Pela religião e pela pátria.

pro domo sua
Latim: Pela sua casa. Em defesa de seus interesses.

pro forma
Latim: Por mera formalidade, para não modificar o costume, para salvar as aparências: Discutir um assunto pro forma.

proh pudor!
Latim: interj Expressão que significa Que vergonha! Era divisa de Guilherme de Orange.

prolem sine matre creatam
Latim: Filho criado sem mãe. Epígrafe de Ovídio, que Montesquieu apôs no frontispício de um de seus livros, para significar que ele era inteiramente original.

pro rata
Latim: Proporcionalmente. Recebendo cada um, ou pagando, a quota que lhe toca num rateio.

pro re nata
Latim: Segundo as circunstâncias.

pulchre, bene, recte
Latim: Lindo, bem, ótimo. Expressões que, segundo Horácio, empregam os parasitas para com seus anfitriões.

pulsate et aperietur vobis
Latim: Batei e abrir-se-vos-á. Palavras do Evangelho (São Lucas Xl, 9), em que Cristo aconselha perseverança na oração.

punica fides
Latim: Fé púnica. Locução que usavam os romanos para indicar a falta à palavra empenhada, defeito de que acusavam os cartagineses.
——————————
As outras letras:

LETRA A http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA B http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_07.html
LETRA C http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_21.html
LETRA D http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA E http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_28.html
LETRA F http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/01/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA G-H http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/05/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA I http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA J-L http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_21.html
LETRA M http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA N http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_11.html
LETRA O http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/09/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html

Fonte:
Por Tras das Letras http://www.portrasdasletras.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades

Palavras e Expressões mais Usuais do Latim e de de outras linguas) Letra O

o altitudo!
Latim: Ó profundeza! São Paulo refere-se na Epístola aos Romanos à sabedoria e ciência divinas. Aplicam-se estas palavras, quando se trata de um mistério insondável.

obscurum per obscurius
Latim: O obscuro pelo mais obscuro. Vício de linguagem que consiste em apresentar alguma definição por termos menos conhecidos que os do enunciado.

oculos habent et non vident
Latim: Têm olhos e não vêem. O salmista fala no Salmo CXV, versículo 5, da cegueira dos ídolos, mas na linguagem popular aplicam-se estas palavras para significar a cegueira intelectual.

oderint dum metuant
Latim: Que me odeiem, contanto que me temam. Palavras tiradas do poeta Attius, citadas por Cícero, e que se aplicam às autoridades prepotentes e desconfiadas.

odi profanum vulgus
Latim: Detesto o vulgo profano. Na Ode I do Livro IV, versículo 1, Horácio mostra o seu desprezo pelos aplausos populares e o apreço pelos elogios dos homens de bom gosto.

o fortunatos nimium, si sua bona norint, agricolas
Latim: Ó demasiadamente felizes agricultores, se conhecessem a sua felicidade. Aplicam-se estes versos de Virgílio àqueles que gozam de benefícios que desconhecem.

o. K.
Inglês: Certo; correto. Corresponde à locução inglesa: all correct, tudo certo.

oleum perdidisti
Latim: Perdeste o teu azeite. Refere-se esta locução aos trabalhos realizados à noite, à luz dos candeeiros, demasiadamente exaustivos, e que não conseguiram bom êxito.

omne ignoto pro magnifico
Latim: Tudo que é desconhecido é tido por magnífico. A imaginação sente-se fascinada pelo desconhecido.

omne tulit punctum qui miscuit utile dulci
Latim: Ganhou todos os votos o que uniu o útil ao agradável. Unir, numa composição literária, o útil ao agradável, forma, segundo Horácio, a base do sucesso.

omne vivum ex ovo
Latim: Tudo que é vivo (provém) de um ovo. Aforismo citado pelo médico inglês Harvey.

omnia mecum porto
Latim: Trago comigo todas as coisas. Resposta do filósofo Bias, da Grécia, àqueles que, fugindo ao exército persa, se admiravam de ver o sábio sair sem nada levar. Para Bias só valiam as riquezas do espírito.

omnia serviliter pro dominatione
Latim: Tudo servilmente pelo domínio. Máxima que se aplica aos políticos inescrupulosos.

omnia vincit amor
Latim: O amor vence todas as coisas. Virgílio, nesta passagem, refere-se ao Amor personificado.

omnis cellula e cellula
Latim: Toda célula procede de outra célula, axioma de Biologia.

omnis homo mendax
Latim: Todo homem é mentiroso. Palavras do Salmo CXVI, de freqüente aplicação.

omnium consensu
Latim: Pelo assentimento de todos; por unanimidade; por voto universal.

onus probandi
Latim Direito: Encargo de provar. Expressão que deixa ao acusador o trabalho de provar (a acusação).

opus citatum
Latim: Obra citada. Geralmente empregada abreviadamente op. cit. e indica que oportunamente foi ou será citada a obra.

ora pro nobis
Latim: Roga por nós. Refrão repetido a cada invocação das ladainhas de Nossa Senhora e dos Santos.

ore rotundo
Latim: De boca arredondada. Referência à linguagem pomposa e alambicada.

o rus, quando ego te aspiciam!
Latim: Ó campo, quando tornarei a ver-te! Horácio sentia saudades da vida agreste.

o sancta simplicitas!
Latim: Ó santa simplicidade! Exclamação atribuída a João Huss, quando viu uma velhinha lançar uma acha de lenha à fogueira em que ele se consumia. Empregada em sentido irônico.

os homini sublime dedit
Latim: Deu ao homem um rosto elevado. Verso de Ovídio (Metamorfoses, I, 85), em que se salienta a superioridade do homem sobre os outros animais, que têm a cabeça voltada para a terra.

os magna sonaturum
Latim: Boca que proferirá grandes palavras. Horácio fala dos verdadeiros poetas que devem ter gênio e inspiração divina.

o tempora! o mores!
Latim: Ó tempos! Ó costumes! Exclamação de Cícero, contra a depravação de seus contemporâneos.

o terque quaterque beati!
Latim: Ó três e quatro vezes felizes! Circunlóquio virgiliano para dizer o superlativo de feliz.

otium cum dignitate
Latim: Descanso com dignidade. Expressão de Cícero aplicada aos letrados de seu tempo que dispunham de recursos para levar uma velhice inteiramente dedicada aos livros.
===================================
As outras letras:

LETRA A http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA B
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_07.html
LETRA C
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_21.html
LETRA D
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA E
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_28.html
LETRA F
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/01/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA G-H
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/05/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA I
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA J-L
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_21.html
LETRA M
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA N
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_11.html

Fonte:
Por Tras das Letras http://www.portrasdasletras.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades

Palavras e Expressões mais Usuais do Latim e de outras linguas (Letra N)

nascuntur poetae, fiunt oratores
Latim: Os poetas nascem, os oradores fazem-se.

natura non facit saltus
Latim: A natureza não dá saltos. Leibniz quis com este aforismo mostrar que não existem gêneros ou espécies completamente isolados, mas são todos interligados.

necessitas non habet legem
Latim: A necessidade não tem lei. Aforismo de Santo Agostinho que indica a cessação da lei diante da necessidade.

nec plus ultra
Latim: Não mais além. Termo ou ponto que não se deve ultrapassar. Indica também o que há de melhor.

nec semper lilia florent
Latim: Nem sempre florescem os lírios. As coisas não nos favorecem continuamente; existem os dias de contratempo.

nemine discrepante
Latim: Sem a discrepância de ninguém. Por unanimidade.

neque semper arcum tendit Apollo
Latim: Nem sempre Apolo retesa o arco. Ninguém pode trabalhar sem descanso, nem mesmo Apolo.

ne quid nimis
Latim: Nada de mais. Todo excesso é condenável.

nescio vos
Latim: Não vos conheço. Palavras de rejeição, na parábola das dez virgens (Evangelho seg. Mateus, 25.12), na qual Cristo aconselha a prudência e a vigilância no que concerne à salvação.

nescit vox missa reverti
Latim: Palavra expressa não pode voltar. Horácio refere-se à palavra escrita, aconselhando os escritores a reverem os escritos antes de os publicarem. Aplica-se também à palavra falada (pensar antes de falar).

nessun maggior dolore che ricordarsi del tempo felice nella miseria
Italiano: Não há maior sofrimento do que recordar-se do tempo feliz na miséria. Palavras que Dante coloca nos lábios de Francisca de Rímini, que narra ao poeta suas desventuras (Divina Comédia, Inferno, V, 121-123).

ne, sutor, ultra crepidam
Latim: Sapateiro, não vá além do calçado. O pintor Apeles assim responde ao sapateiro que, depois de criticar a sandália, pretendia analisar o resto do quadro.

ne varietur
Latim: Que não se altere. Usado pelas editoras quando querem a obra exatamente de acordo com os originais.

nigro notanda lapillo
Latim: Para ser marcado com pedra preta. Referência dos antigos aos dias nefastos.

nihil actum credens, dum quid superesse agendum
Latim: Crendo que nada fora feito, enquanto restasse alguma coisa por fazer (Lucano, Farsália II, 657).

nihil admirari
Latim: Não se admirar de nada. Princípio adotado pelos estóicos e também pelos indiferentes e apáticos.

nihil diu occultum
Latim: Nada oculto por muito tempo.

nihil novi sub sole
Latim: Nada de novo sob o Sol. Expressão do Eclesiastes (I, 10).

nihil obstat
Latim: Nada obsta. Fórmula usada pelos censores eclesiásticos ao permitir a publicação de um livro.

nimium ne crede colori
Latim: Não acredite muito na cor. As aparências enganam.

nisi utile est quod facimus, stulta est gloria
Latim: Se não é útil o que fazemos, a glória é vã. Não pode haver glória nas coisas inúteis.

noblesse oblige
Francês: A nobreza obriga. Um cavalheiro educado não pode comportar-se como um desclassificado.

nocturna versate manu, versate diurna
Latim: Versai com mão diurna, versai com mão noturna. Conselho de Horácio àqueles que desejam aprimorar o estilo: devem ler constantemente os bons autores.

noli me tangere
Latim: Não me toques. 1 Palavras de Jesus, logo após a ressurreição, a Madalena, que provavelmente lhe queria beijar os pés. 2 Pessoa muito melindrosa, que com tudo se amua e ofende.

nomen juris
Latim Direito: Denominação legal; o termo técnico do direito.

non bis in idem
Latim Direito: Não duas vezes pela mesma coisa. Axioma jurídico, em virtude do qual ninguém pode responder, pela segunda vez, sobre o mesmo fato já julgado, ou ser duplamente punido pelo mesmo delito.

non decet
Latim: Não convém.

non dominus
Latim Direito: Não dono. Diz-se daquele que não é proprietário da coisa de que se trata.

non ducor, duco
Latim: Não sou conduzido, conduzo. Divisa do Estado de São Paulo.

nondum natus eram
Latim: Eu ainda não era nascido. Passagem de Fedro, que a põe na boca do cordeiro, acusado pelo lobo de turvar a água.

non eadem miramur
Latim: Não admiramos as mesmas coisas; cada qual tem o seu gosto.

non multa, sed multum
Latim: Não muitas coisas, mas muito. Não seremos importantes pelo número, mas pela qualidade de nossas ações.

non nova, sed nove
Latim Direito: Não coisas novas, mas (tratadas) de (modo) novo.

non omne quod fulget aurum est
Latim: Nem tudo que brilha é ouro. Cuidado com as aparências.

non omnia possumus omnes
Latim: Todos nós não podemos tudo. Frase de Virgílio que põe termo à auto-suficiência humana.

non omnis moriar
Latim: Não morrerei inteiramente. Não morrerei completamente, minhas obras prolongarão minha vida. Pensamento de Horácio.

non plus ultra
Latim: Não mais além. Aplica-se com referência ao que não pode ser excedido.

non possumus
Latim: Não podemos. Resposta de São Pedro e São João ao príncipe dos sacerdotes que tentava proibir-lhes a pregação do Evangelho (Atos, IV, 19-20).

non videbis annos Petri
Latim: Não verás os anos de Pedro. Frase que se aplica aos sucessores de São Pedro, pois, de 261 papas, apenas Pio IX e Leão XIII superaram em anos a São Pedro no trono pontifício.

nosce te ipsum
Latim: Conhece-te a ti mesmo. Frase inscrita na entrada do templo de Delfos, na Grécia. Os filósofos gregos aproveitaram-na para suas lucubrações e a ascética cristã faz dela a base da perfeição.

nostrum baixo
Latim: O nosso, isto é, remédio ou preparado de fórmula secreta.

nota bene
Latim: Note bem. Locução empregada em alguns textos, para chamar a atenção para o que segue. Abreviadamente: N. B.

noverim te, noverim me
Latim: Que eu te conheça, que eu me conheça. Frase de Santo Agostinho, quando, nos Solilóquios, dirige-se a Deus para pedir-lhe o conhecimento (de Deus), para amá-lo, e de si próprio, a fim de se humilhar.

novissima verba
Latim: As últimas palavras; as palavras mais recentes.

nulla dies sine linea
Latim: Nenhum dia sem linha. Plínio diz esta frase de Apeles que não passava um dia sem exercitar-se na pintura.

nulla poena sine lege
Latim Direito: Nenhuma pena sem lei. Não pode existir pena, sem a prévia cominação legal.

numero Deus impare gaudet
Latim: Deus gosta de número ímpar. Referência de Virgílio às propriedades místicas atribuídas aos números ímpares.

nunc dimittis servum tuum
Latim: Despede agora o teu servo. 1 Cântico do velho Simeão ao tomar nos braços o Menino-Jesus, no templo de Jerusalém, agradecendo a Deus a ventura de ver, antes da morte, o Salvador de Israel. 2 Este mesmo hino, recitado em Completas, no breviário romano.

nunc est bibendum
Latim: Agora é beber. Horácio convida os seus contemporâneos a festejarem a vitória romana na batalha de Actium. Emprega-se esta locução quando se quer comemorar algum acontecimento auspicioso.
===========================
As outras letras:

LETRA A http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA B http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_07.html
LETRA C http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_21.html
LETRA D http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA E http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_28.html
LETRA F http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/01/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA G-H http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/05/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA I http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA J-L
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_21.html
LETRA M
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/07/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
––––––––––––––
Fonte:
Por Tras das Letras

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades

Palavras e Expressões mais Usuais do Latim e de de outras linguas (Letra M)

made in
Inglês: Feito em. fabricado em Locução aposta ao nome do lugar onde se fabricou ou industrializou um produto comercial.

magister dixit
Latim: O mestre falou. Com esta expressão os escolásticos referiam-se a Aristóteles cuja opinião encerrava qualquer discussão. Ainda hoje se aplica para citar alguém tido como mestre em determinada matéria.

magnae spes altera Romae
Latim: A segunda esperança da grande Roma. Virgílio falava do filho de Enéias. Aplica-se à segunda autoridade de uma nação ou região.

magni nominis umbra
Latim: A sombra de um grande nome. Verso de Lucano que se aplica à pessoa que teve sua hora de glória, caindo depois na obscuridade.

major e longinquo reverentia
Latim: Maior reverência ao que está distante. Refere-se Tácito à reverência que temos por aqueles que se acham afastados de nós no tempo e no espaço.

majores pennas nido
Latim: Asas maiores do que o ninho. Horácio visava àqueles que, nascidos de condição humilde, tentam melhorar a posição social.

malgré ceci
Francês: Apesar disto.

malgré cela
Francês: Apesar daquilo.

malgré lui
Francês: A seu pesar; contra a sua opinião.

malgré tout
Francês: Apesar de tudo.

malo mori quam foedari
Latim: Antes morrer do que desonrar-se. Divisa da Sicília.

mane, thecel, phares
Latim: Contado, pesado, dividido. Palavras que, segundo o livro de Daniel, apareceram na parede da sala onde o Rei Baltasar promovia uma festa sacrílega.

manibus date lilia plenis
Latim: Dai lírios às mãos cheias. Passagem de Virgílio (Eneida, VI, 883), em que Anquises pede flores para o túmulo de Marcelo.

man spricht Deutsch
Alemão: Fala-se alemão. Palavras colocadas nas vitrinas para indicar que no estabelecimento alguém fala alemão.

manu militari
Latim Direito: Pela mão militar. Diz-se da execução de ordem da autoridade, com o emprego da força armada.

marche aux flambeaux
Francês: Marcha das tochas. Concentração popular por motivo de regozijo ou homenagem, em que cada pessoa desfila com uma tocha acesa.

margaritas ante porcos
Latim: Pérolas diante dos porcos. Passagem evangélica em que Cristo aconselha que não se atirem pérolas aos porcos (Mt. VII, 6). Não tratar de coisas santas com ímpios e blasfemos.

materiam superabat opus
Latim: O trabalho excedia a matéria. Aplica-se nos casos em que a forma literária seja superior ao tema.

mea culpa
Latim: Por minha culpa. Locução encontrada no ato de confissão e se aplica nos casos em que a pessoa reconhece os próprios erros.

medice, cura te ipsum
Latim: Médico, cura a ti próprio. Provérbio citado por Cristo e diz respeito àqueles que, esquecidos dos próprios defeitos, desejam corrigir os alheios.

medio tutissimus ibis
Latim: Irás seguríssimo pelo meio. Deves evitar os extremos.

memento, homo, quia pulvis es et in pulverem reverteris
Latim: Lembra-te, homem, que és pó e em pó te tornarás. Palavras pronunciadas pelo sacerdote enquanto impõe cinza na cabeça de cada fiel, na quarta-feira de cinzas.

memento mori
Latim: Lembra-te que hás de morrer. Pensamento cristão, usado como saudação entre os trapistas; também empregado em inscrições tumulares.

mendaci ne verum quidem dicenti creditur
Latim: Não se dá crédito ao mentiroso nem quando ele diz a verdade.

mens agitat molem
Latim: O espírito move a matéria. Frase virgiliana aproveitada pelos panteístas e estóicos, hoje empregada no sentido de que a inteligência domina a matéria.

mens legis
Latim Direito: O espírito da lei.

mens legislatoris
Latim: O pensamento, a vontade, a intenção do legislador.

mens sana in corpore sano
Latim: Espírito sadio em corpo são. Frase de Juvenal, utilizada para demonstrar a necessidade de corpo sadio para serviços de ideais elevados.

meta optata
Latim Direito: Fim colimado. O fim alcançado pelo agente do delito.

mettere la coda dove non va il capo
Italiano: Meter a cauda onde não cabe a cabeça. Mudar de tática, segundo as circunstâncias.

metteur-en-scène
Francês: Encenador. Nos teatros, pessoa encarregada de movimentar atores e cenários.

minima de malis
Latim: Os menores dentre os males. Provérbio de uma das fábulas de Fedro.

minus habens
Latim: Que tem menos. Serve para indicar pessoa pouco inteligente ou menos dotada.

mirabile dictu
Latim: Admirável de se dizer. Empregada como locução interjetiva.

mirabile visu
Latim: Admirável de se ver. Diz-se de qualquer espetáculo belo ou raro.

mise en scène
Francês: Encenação.

miserere mei, Deus
Latim: Deus, tende compaixão de mim. Palavras iniciais do Salmo 51, um dos salmos penitenciais.

missi dominici
Latim: Os enviados do senhor, isto é, os inspetores reais instituídos por Carlos Magno, os quais julgavam do procedimento dos duques e condes.

modus faciendi
Latim: Modo de agir.

modus vivendi
Latim Direito: Modo de viver. Convênio provisório entre nações, feito quase sempre através de permuta de notas diplomáticas.

more majorum
Latim: Conforme o costume dos antepassados: Na segunda defenestração de Praga, os protestantes da Boêmia declararam que agiram more majorum.

mors ultima ratio
Latim: Morte, razão final. A morte é o derradeiro argumento, o mais poderoso.

motu continuo
Latim: Com movimento perpétuo: A cabeça do doido andava num motu continuo.

motu proprio
Latim: Pela própria deliberação: espontaneamente. Diz-se de documentos pontifícios emanados diretamente do papa, e que tornaram obrigatórias para os católicos as disposições e doutrinas neles tratadas.

multa paucis
Latim: Muitas coisas em poucas palavras. Locução que pode servir de modelo aos escritores: dizer muitas coisas em poucas palavras.

multi sunt vocati, pauci vero electi
Latim: Muitos são chamados, porém, poucos escolhidos. Expressão usada por Cristo, referindo-se em parábola à salvação eterna, para a qual todos os homens são convidados, mas nem todos a conseguem (Mt. XX, 16 e XXII, 14).

mutatis mutandis
Latim: Mudando-se o que se deve mudar. Feitas algumas alterações.
===================================
As outras letras:
LETRA A http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA B http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_07.html
LETRA C http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_21.html
LETRA D http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA E http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_28.html
LETRA F http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/01/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA G-H http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/05/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA I http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA J-L
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do_21.html
–––––––––––––––
Fonte:
http://www.portrasdasletras.com.br/

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades

Palavras e Expressões mais Usuais do Latim e de de outras linguas) Letra J-L

jam satis est
Latim: Já é bastante: Intrigaram, desonraram, caluniaram; agora, jam satis est.

Jesus autem tacebat
Latim: Jesus porém se calava. Refere-se ao episódio evangélico em que Jesus permaneceu em silêncio enquanto seus inimigos o acusavam.

jeu de mots
Francês: Jogo de palavras; trocadilho.

joco remoto
Latim: Fora de brincadeira; falando sério.

John Bull
Inglês: João Touro. Expressão caricatural por que é designado o povo inglês.

judex damnatur, ubi nocens absolvitur
Latim: O juiz é condenado quando o culpado é absolvido.

jurare in verba magistri
Latim: Jurar nas palavras do mestre. Horácio em suas epístolas refere-se aos alunos que aceitam sem discussão a opinião do professor. V magister dixit.

jure et facto
Latim: De direito e de fato.

juris et de jure
Latim Direito: De direito e por direito. Estabelecido por lei e considerado por esta como verdade.

juris tantum
Latim Direito: De direito somente. O que resulta do próprio direito e somente a ele pertence.

jus agendi
Latim Direito: Direito de agir, de proceder em juízo.

jus conditum
Latim Direito: Direito constituído; que está em vigor.

jus est ars boni et aequi
Latim: O direito e a arte do bem e do justo.

jus et norma loquendi
Latim: A lei é a norma da linguagem. Horácio refere-se ao uso, que ele considera fator preponderante na formação da língua.

jus gentium
Latim: Direito das Gentes. Direito aplicado aos estrangeiros, equivalente ao atual Direito Internacional.

jus privatum
Latim: Direito privado; o direito civil.

jus publicum
Latim: Direito público, isto é, das relações dos cidadãos com o Estado; direito político.

jus sanguinis
Latim: Direito de sangue. Princípio que só reconhece como nacionais os filhos de pais nascidos no país.

jus soli
Latim: Direito do solo. Princípio pelo qual a pessoa tem a cidadania no país onde nasceu.

justae nuptiae
Latim: Justas núpcias. Expressão usada pelos romanos para designar o casamento legal.

labor improbus omnia vincit
Latim: O trabalho persistente vence tudo. Pensamento de Virgílio (Geórgicas, 144 e 145).

lacrima Christi
Latim: Lágrima de Cristo. Nome do vinho moscatel de vinhas cultivadas nas proximidades do Vesúvio.

la critique est aisée, l’art est difficile
Francês: A crítica é fácil, a arte difícil. Máxima falsamente atribuída a Boileau.

laisser faire, laisser passer
Francês: Deixar fazer, deixar passar. Princípio que Turgot-Gournay pretenderam aplicar à economia a ser regida por leis naturais, como a lei da oferta e da procura.

la mouche du coche
Francês: A mosca do coche. Alusão à fábula de La Fontaine “O Coche e a Mosca”, que se aplica às pessoas que aparentam muito esforço, enquanto outras trabalham realmente.

lapsus calami
Latim: Erro de pena. Diz-se do erro inadvertido de quem escreve.

lapsus linguae
Latim: Erro de língua. Diz-se das distrações que se cometem na linguagem falada.

lapsus loquendi
Latim: Um lapso ao falar. O mesmo que lapsus linguae.

lapsus scribendi
Latim: Um lapso no escrever. O mesmo que lapsus calami.

lasciate ogni speranza, voi ch’entrate
Italiano: Vós que entrais, deixai toda a esperança. Inscrição na porta do inferno da “Divina Comédia”.

last but not least
Inglês: Último mas não o menor. Emprega-se para ressalvar numa enumeração de pessoas a que foi citada por último.

latet anguis in herba
Latim: A serpente se esconde sob a erva. Frase de Virgílio que se aplica a fim de aludir a um perigo oculto.

lato sensu
Latim: No sentido lato, geral.

laudator temporis acti
Latim: Encomiasta do tempo passado. Defeito comum aos velhos, que Horácio ridiculariza na Arte Poética.

laus Deo
Latim: Louvor a Deus. Frase que alguns autores colocam no final do livro como sinal de gratidão a Deus.

laus in ore proprio vilescit
Latim: O louvor na própria boca envilece.

L. B.
Latim: Ao leitor benévolo. Palavras ou abreviatura que se antepõe ao texto de um livro, como explicação preliminar; prefácio, proêmio ou prefação.

legem habemus
Latim Direito: Temos lei. Expressão usada contra dissertações que ferem dispositivos legais.

le mieux est l’ennemi du bien
Francês: O melhor é inimigo do bom. O desejo excessivo de perfeição pode estragar o que estava bom ou tornar incômoda uma situação tolerável.

le roi est mort, vive le roi
Francês: O rei morreu, viva o rei. Frase pronunciada na proclamação dos reis em França, citada para lembrar a ingratidão humana. Os homens se esquecem facilmente de seus ídolos, tão logo eles caem, para se apegarem aos que os sucedem.

l’Etat c’est moi
Francês: O Estado sou eu. Frase de Luís XIV, da França. Nela se baseava a monarquia absoluta.

lever de rideau
Francês: Levantar de cortina. Pequena peça de um ato, no início da função teatral.

levius fit patientia quidquid corrigere est nefas
Latim: A paciência torna mais leve o que é impossível corrigir (pensamento de Horácio).

lex est quod notamus
Latim: O que escrevemos é lei; isto é, tem força de lei. (Divisa da Câmara de Notários de Paris).

libera Chiesa in libero Stato
Italiano: A Igreja livre no Estado livre. Frase atribuída a Montalembert mas popularizada pelo Conde de Cavour que por ela evidenciou os princípios liberais que o animavam, durante a campanha da unificação da Itália.

libertas quae sera tamen
Latim: Liberdade ainda que tardia. Palavras de Virgílio, tomadas como lema pelos chefes da Inconfidência Mineira e que figuram na bandeira daquele Estado.

lignum crucis
Latim: O lenho da cruz de Cristo ou relíquia da santa cruz: No lignum crucis encontraremos a paz que tanto almejamos.

litterae Bellerophontis
Latim: Carta de Belerofonte, isto é, carta perigosa e que contém sentença de morte ou coisa semelhante para quem a conduz.

litterature engagée
Francês: Literatura comprometida. Gênero literário cujo autor assume posições definidas relativamente aos problemas políticos e sociais.

loco citato
Latim: No trecho citado. Referência, num livro, a um trecho anteriormente citado.

loco dolenti
Latim: No lugar dolorido. Indicação usada na medicina antiga.

l’oeil du Maître
Francês: O Olho do Dono. Título de uma fábula de La Fontaine que inspirou diversos provérbios, entre os quais: O olho do dono engorda o cavalo.

===================================
As outras letras:
LETRA A http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA B http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_07.html
LETRA C http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_21.html
LETRA D http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA E http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_28.html
LETRA F http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/01/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA G-H http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/05/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html
LETRA I http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html

Fonte:
Por Tras das Letras

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades

Palavras e Expressões mais Usuais do Latim e de de outras linguas) Letra I

idem per idem
Latim: O mesmo pelo mesmo. Argumento vicioso, também chamado petição de princípio.

ignoti nulla cupido
Latim: Ao ignorante nenhum desejo. Pensamento de Ovídio equivalente a: Não se deseja aquilo que não se conhece.

il est avec le ciel des accommodements
Francês: Com o céu pode-se arranjar. Tartufo, personagem de Molière, julga poder acomodar-se mesmo com aqueles que primam pelo rigor.

ils sont trop verts
Francês: Estão muito verdes. Palavras da fábula “A Raposa e as Uvas”, de la Fontaine. A frustração nos leva a fingir desprezo pelo que mais ambicionamos.

impavidum ferient ruinae
Latim: As ruínas ferirão o destemido. Horácio celebra a bravura e intrepidez do homem justo (Odes, III, 3 e 8).

imperium in imperio
Latim: Um império no império. Diz-se da usurpação, por parte de uma autoridade, das funções de outra.

improbus administrator
Latim: Administrador desonesto.

improbus litigator
Latim Direito: Litigante desonesto. O que entra em demanda sem direito, por ambição, malícia ou emulação.

in absentia
Latim Direito: Na ausência. Diz-se do julgamento a que o réu não está presente.

in abstracto
Latim: Em abstrato. Sem fundamento; teoricamente.

in actu
Latim: No ato. No momento de ação.

in aeternum
Latim: Para sempre; eternamente.

in albis
Latim: Em branco. Sem nenhuma providência. Diz-se também da pessoa vestida apenas com as roupas íntimas.

in ambiguo
Latim: Na dúvida.

inania verba
Latim: Palavras frívolas, ocas, inúteis.

in anima nobili
Latim: Em alma nobre. Med Experiência feita no ser humano.

in anima vili
Latim: Em alma vil; irracional. Med Experiência científica feita em animais.

in aqua scribere
Latim: Escrever na água, isto é, não manter a fé jurada: O que diz a mulher é mesmo que in aqua scribere (Catulo).

in articulo mortis
Latim: Em caso de morte iminente.

in bocca chiusa non entrò mai mosca
Italiano: Em boca fechada nunca entrou mosca.

in cauda venenum
Latim: O veneno está na cauda. Alusão ao escorpião, cujo veneno está na cauda. Aplica-se a um final de carta ou discurso em que se excedeu nas exigências, na linguagem ou na malícia.

Incipit
Latim: Começa. Forma verbal que iniciava as antigas obras literárias: Incipit Vita Nova (Dante Alighieri).

in continenti
Latim: Imediatamente.

incredibile dictu
Latim: Incrível de se dizer. Empregado mais interjetivamente.

inde irae
Latim: Daí, as iras. Palavras de Juvenal para explicar a origem das discórdias.

in dubio contra fiscum
Latim Direito: Na dúvida, contra o fisco.

in dubio libertas
Latim: Na dúvida, Iiberdade. Princípio de moral que autoriza a consciência duvidosa a agir livremente, quando na incapacidade de remover a dúvida.

in dubio pro reo
Latim Direito: Na dúvida, pelo réu. A incerteza sobre a prática de um delito ou sobre alguma circunstância relativa a ele deve favorecer o réu.

in extenso
Latim: Na íntegra.

in extremis
Latim: No último momento. O mesmo que in articulo mortis.

infandum, regina, jubes renovare dolorem
Latim: Mandas, ó rainha, renovar uma dor atroz. Palavras de Enéias, ao referir à rainha Dido a destruição de Tróia (Eneida, II, 3).

in fine
Latim: No fim. Refere-se ao fim de um capítulo, parágrafo ou livro.

in forma pauperis
Latim: Na forma de pobre. Dizia-se, outrora, dos que careciam de recursos para pagar a ação da justiça e as custas do processo, atestado de pobreza.

in foro conscientiae
Latim: No tribunal da consciência.

in fraudem legis
Latim Direito: Em fraude da lei.

in globo
Latim: Em globo; em massa; sem distinção das diversas partes.

in hanc diem
Latim: Até este dia; até o presente momento.

in hoc signo vinces
Latim: Com este sinal vencerás. Palavras que circundavam a cruz que se diz ter aparecido a Constantino antes da batalha da Ponte Mílvio, quando derrotou a Maxêncio em 312.

in illo tempore
Latim: Naquele tempo. Em tempo ou época muito remotos.

in integrum restituere
Latim Direito: Restituir por inteiro. Devolver a coisa no seu estado primitivo.

in limine
Latim: No limiar. Diz-se em linguagem parlamentar do projeto rejeitado em todos os seus itens. Inteiramente rejeitado.

in limine litis
Latim Direito: No limiar do processo. Logo no início do processo.

in loco
Latim: No lugar.

in manus tuas
Latim: Nas tuas mãos. Palavras que, segundo os Evangelhos, Cristo pronunciou na cruz ao expirar (Luc. XXIII, 46).

in medio stat virtus
Latim: A virtude está no meio. Princípio de ascética, que condena o relaxamento, ao mesmo tempo que o rigorismo.

in memoriam
Latim: Em memória; em lembrança de (colocado nos monumentos e lápides mortuárias).

in mente
Latim: Na mente, no espírito.

in naturalibus
Latim: Em nudez.

in nomine
Latim: Em nome; representando a outrem.

in octavo
Latim: Em oitavo.

inops, potentem dum vult imitare, perit
Latim: O pobre, quando quer imitar o poderoso, perece.

in ovo
Latim: No ovo; no embrião; ainda por nascer.

in pace
Latim: Na paz.

in partibus infidelium
Latim: Nas regiões dos infiéis. Diz-se do prelado designado aos países de missão, sem residência fixa.

in pectore
Latim: No peito. Intimamente, secretamente.

in perpetuam rei memoriam
Latim: Para recordação perpéua da coisa. Inscrição colocada nos monumentos históricos.

in plano
Latim: Em plano. Diz-se da folha impressa que forma um só folheto ou duas páginas.

in poculis
Latim: No meio dos copos; a beber.

in posterum
Latim: No futuro.

in praesenti
Latim: No tempo presente; agora.

in puris naturalibus
Latim: Em estado de natureza, na pureza original: O homem, in puris naturalibus, não pode pecar (Rousseau).

in quarto
Latim: Em quarto.

in re
Latim: Na coisa, em realidade, efetivamente, positivamente: Não é fantasia, mas tem fundamento in re.

in rerum natura
Latim: Na natureza das coisas.

in sacris
Latim: Nas coisas sagradas.

in saecula saeculorum
Latim: Pelos séculos dos séculos. Para sempre (expressão litúrgica).

insalutato hospite
Latim: Sem saudar o hospedeiro. Sem saudar o dono da casa.

in silva non ligna feras insanius
Latim: Não (seria) mais insano levar lenha para a floresta.

in situ
Latim: No lugar. No lugar determinado.

in solido
Latim: Em sólido; na massa. Dir Solidariamente.

in speciem
Latim: Na aparência; em forma de.

in spiritualibus
Latim: Nas coisas espirituais.

instar omnium
Latim: Como todos; à maneira dos demais.

intelligenti pauca
Latim: Ao que compreende, poucas palavras. Corresponde a: Para bom entendedor meia palavra basta.

in temporalibus
Latim: Nas coisas temporais.

in tempore oportuno
Latim: Em tempo oportuno. No momento conveniente.

inter amicos non esto judex
Latim: Não sejas juiz entre amigos.

inter arma charitas
Latim: Caridade no meio das armas (entre os combatentes). Divisa da sociedade da Cruz Vermelha.

in terminis
Latim Direito: No fim. Decisão final que encerra o processo.

inter pocula
Latim: No ato de beber, entre os copos, na festa: Discursar inter pocula.

inter vivos
Latim Direito: Entre os vivos. Diz-se da doação propriamente dita, com efeito atual, realizada de modo irrevogável, em vida do doador.

in totum
Latim: No todo; na totalidade.

intra muros
Latim: Dentro dos muros. No interior da cidade.

in transitu
Latim: De passagem.

in utroque jure
Latim: Em ambos os direitos, o Civil e o Canônico.

intuitu personae
Latim: Direito: Em consideração à pessoa.

in vino veritas
Latim: No vinho (está) a verdade.

invita Minerva
Latim: Contra a vontade de Minerva. Horácio refere-se aos autores sem talento ou inspiração que insistem em escrever.

in vitium ducit culpae fuga
Latim: A fuga da culpa conduz ao vício. Pensamento de Horácio.

in vitro
Latim: No vidro. Expressão que indica as reações fisiológicas feitas fora do organismo, em tubos de ensaio.

in vivo
Latim: Expressão que designa as ações e as experiências nos seres vivos.

io non so littere
Italiano: Não sou letrado. Palavras do papa Júlio II a Miguel Ângelo que queria colocar um livro na mão da estátua desse papa. Este preferiu uma espada.

ipsis litteris
Latim: Pelas mesmas letras; textualmente.

ipsis verbis
Latim: Com as mesmas palavras, com as próprias palavras.

ipso facto
Latim: Só pelo mesmo fato; por isso mesmo, conseqüentemente.

ipso jure
Latim Direito: Pelo próprio direito; de acordo com o direito.

ira furor brevis est
Latim: A ira é uma loucura passageira. Pensamento de Horácio.

is fecit cui prodest
Latim: Fez aquele a quem aproveitou. Quase sempre pratica um delito aquele que dele tira proveito.

is pater est quem nuptiae demonstrant
Latim Direito: É pai aquele que as núpcias indicam. Não se supõe a paternidade atribuída a outro, enquanto perdura o matrimônio.

It
Inglês: Magnetismo, encanto pessoal.

ita diis placuit
Latim: Assim aprouve aos deuses. Foi inevitável.

Italia farà da sè
Italiano: A Itália agirá por si (sem precisar de ajuda). Frase usada pelos líderes italianos durante a campanha da unificação.

ite, missa est
Latim: Ide, está terminada. Palavras com que o padre despedia os fiéis ao terminar a missa. Hoje usa o vernáculo: Ide em paz, que Deus vos acompanhe.
===================

As outras letras:
Fonte:

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades

Palavras e Expressões mais Usuais do Latim e de outras linguas) Letra G-H


Genus irritabile vatum

Latim – Raça irritadiça dos poetas. É como Horácio traduz a idéia de que poetas e escritores são temperamentais.


Gloria Patri

Latim – Glória ao Pai. Relativo apalavras iniciais do versículo que se canta ou reza no fim dos salmos e de outras orações da Igreja.

Gloriae et virtutis invidia est comes

Latim – A inveja é a companheira da glória e da virtude. A inveja procura destruir a virtude e o mérito alheio.

God save the king ou the queen
Inglês – Deus salve o rei (ou) a rainha. Frase inicial do hino nacional inglês.

Gold point
Inglês – Ponto de ouro. Situação cambial equilibrada nos países de moeda-ouro.

Graecum est, non legitur
Latim – É grego, não se lê. Axioma medieval que mostra o desprestígio do grego entre os eruditos.

Grammatici certant
Latim – Os gramáticos discutem. Empregada para significar que uma questão não se resolverá facilmente.

Grande mortalis aevi spatium

Latim – Grande espaço da vida de um mortal. Assim descreve Tácito os quinze anos em que reinou Domiciano.

Grand-prix
Francês – Grande prêmio. Diz-se do maior prêmio concedido em exposições, concursos, corridas etc.

Gratia argumentandi
Latim – Pelo prazer de argumentar. Emprega-se quando se quer usar um argumento do adversário considerado inconsistente.

Gratis pro Deo
Latim – De graça, para Deus. Sem remuneração.

Gravis testis
Latim – Testemunha grave. Testemunha digna; testemunha de peso.

Graviter facere
Latim – Agir com prudência, com moderação, com gravidade.

Grosso modo
Latim – De modo geral. Por alto, sem penetrar no âmago da questão.

Gutta cavat lapidem
Latim – A gota de água cava a pedra. Traduz a idéia do provérbio: Água mole em pedra dura tanto dá até que fura.

Habeas corpus
Latim – Direito = Que tenhas o corpo. Meio extraordinário de garantir e proteger com presteza todo aquele que sofre violência ou ameaça de constrangimento ilegal na sua liberdade de locomoção, por parte de qualquer autoridade legítima.

Habemus confitentem reum
Latim – Temos o réu que se confessa. Frase da oração em que Cícero defende Ligário, partidário de Pompeu.

Habent sua fata libelli
Latim – Os livros têm o seu destino. Aforismo de Terenciano Mauro, cuja obra permaneceu obscura durante muito tempo.

Happy end
Inglês – Fim feliz. Indica o desfecho feliz nas peças teatrais e cinematográficas.

Hasta la vista
Espanhol – Até a vista.

Hic et nunc
Latim – Aqui e agora. Imediatamente; neste instante.

High fidelity
Inglês – Alta fidelidade. Alta qualidade, grande pureza de som obtida nos aparelhos eletrônicos.

Hic jacet
Latim – Aqui jaz. Expressão consagrada nas inscrições de lápides mortuárias.

Hic jacet lepus
Latim – Aqui está a lebre; esta é a dificuldade.

Hoc caverat mens provida Reguli
Latim – A mente previdente de Régulo previra isto. Aplica-se nos casos em que alguém diz ter previsto um acontecimento depois dele realizado.

Hoc erat in votis
Latim – Isto estava nos votos. Aplica-se quando se obtém algo muito desejado.

Hoc opus, hic labor est
Latim – Aí é que está a dificuldade. Sentença de Virgílio que se aplica no sentido literal.

Hoc volo, sic jubeo; sit pro ratione voluntas
Latim – Quero isto, ordeno isto, que a vontade sirva de razão. Frase de Juvenal que condena a arbitrariedade.

Hodie mihi, cras tibi
Latim – Hoje para mim, amanhã para ti. Usada nas inscrições tumulares e quando se deseja o mesmo mal a quem o causou.

Home fleet

Inglês – Esquadra da casa. Nome que se dá à Armada Inglesa, referindo à parte dela que permanece na Grã-Bretanha.

Homo faber
Latim – O homem artífice. Locução empregada por Henri Bergson para designar o homem primitivo ante a necessidade de forjar ele próprio os utensílios indispensáveis à manutenção da vida.

Homo homini lupus
Latim – O homem é lobo para o homem. Pensamento de Plauto, aceito por alguns e praticado por muitos.

Homo sapiens
Latim – O homem sábio. 1 Nome da espécie homem na nomenclatura de Lineu. 2 Expressão usada por Henri Bergson para indicar o homem, único animal inteligente em face aos demais.

Homo sum et nihil humani a me alienum
Latim – Sou homem e nada do que é humano me é estranho. Terêncio advoga a solidariedade humana.

Honni soit qui mal y pense
Francês – Envergonhe-se quem pensar mal disto. Divisa da ordem da jarreteira na Inglaterra.

Honoris causa
Latim – Por causa da honra. Título honorífico concedido a pessoas ilustres.

Honos alit artes
Latim – A honra alimenta as artes. Máxima de Cícero que explica a necessidade de aplausos como incentivo aos artistas.

Horresco referens
Latim – Tremo ao referir. Palavras de Enéias ao narrar o episódio da morte de Laocoonte.

Horribile dictu
Latim – Horrível de se dizer. Locução interjetiva.

Hors ligne

Francês – Fora da linha; bem acima do normal.

Hospes hostis
Latim – Estrangeiro, inimigo. Máxima antiga que traduz o sentimento de desconfiança e hostilidade para com os estrangeiros.
===========================
As outras letras:
LETRA A
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA B
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_07.html
LETRA C
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/10/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_21.html
LETRA D
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do.html
LETRA E
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/11/palavras-e-expresses-mais-usuais-do_28.html
LETRA F
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/01/palavras-e-expressoes-mais-usuais-do.html


Fonte:
http://www.portrasdasletras.com.br/pdtl2/sub.php?op=gramatica/docs/expressoeslatinas

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades

República da Guiné-Bissau

– Gentílico: guineense; guineano; guinéu
– Capital: Bissau
– Língua oficial Português (oficial); crioulo da Guiné-Bissau (reconhecido mas não oficial)
– Governo: República
– Independência de Portugal
Declarada 24 de setembro de 1973
Reconhecida 10 de setembro de 1974

Área
– Total 36 544 km² km² (136º)
População
– Estimativa de 2008 1 472 446 hab. (146º)
– Densidade 44 hab./km² (154º)
– Alfabetização 44,8% (166º)
– Moeda Franco CFA da África Ocidental (XOF)

A Guiné-Bissau é um país localizado na costa ocidental de África, estendendo-se, no litoral, desde o Cabo Roxo até a ponta Cagete. Faz fronteira, a norte, com o Senegal, a este e sudeste com a Guiné e a sul e oeste com o Oceano Atlântico. Além do território continental, o país integra ainda cerca de oitenta ilhas que constituem o arquipélago dos Bijagós, separado do Continente pelos canais do rio Geba, Pedro Álvares, Bolama e Canhabaque.

Foi uma colónia de Portugal, desde o século XV até à sua independência, em 1974. O primeiro navegador e explorador português a chegar à Guiné-Bissau foi Álvaro Fernandes em 1446. A vila de Bissau foi fundada em 1697, como fortificação militar e entreposto de tráfico negreiro, que mais tarde viria a ser elevada a cidade, e a capital da Guiné-Bissau após sua independência. Faz parte da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), Nações Unidas, PALOP e União Africana.

História
Posto de controle montado pelo PAIGC na Guiné-Bissau em 1974, depois da declaração de independência.Guiné-Bissau foi previamente uma parte do reino de Gabu, pertencente ao Império Mali; partes do reino existiram até o século XVIII. Apesar dos rios e costa dessa área terem sido uma das primeiras partes colonizadas pelos portugueses, o interior só foi explorado a partir do século XIX. Uma rebelião começada em 1956 pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), liderado por Amílcar Cabral, consolidou o seu controle sobre o país em 1973. A independência foi declarada unilateralmente em 24 de setembro de 1973, sendo reconhecida por dezenas de países nos meses que se seguiram, sobretudo comunistas e africanos. A antiga metrópole colonial só a reconheceu na Revolução dos Cravos, em 1974, revolução essa que decorreu em larga medida do fracasso português nessa pequena colónia. O país foi controlado por um conselho revolucionário até 1984. As primeiras eleições pluripartidárias aconteceram em 1994, mas um golpe militar em 1998 depôs o presidente e mergulhou o país numa guerra civil (1998-1999). Eleições novamente ocorreram e em 2000, Kumba Yalá foi eleito.

Em Setembro de 2003, outro golpe militar aconteceu, e, desta vez, o presidente Yala foi preso, sob a alegação de que era incapaz de resolver problemas. Após ter sido adiada por inúmeras vezes, eleições legislativas aconteceram em abril de 2004. Um motim em diversas facções das forças armadas em outubro de 2004 resultou na morte do comandante mor das forças do país, causando comoção por todo o país.

Em 2005 houve novas eleições presidenciais ganhas por João Bernardo “Nino” Vieira (o presidente deposto em 1998), ainda que envoltas em polémica. Estas eleições não impediram a continuação de um processo de degradação do país, em todos os domínios, com o narcotráfico (encaminhamento de drogas da América Latina para a Europa) a dominar a cena cada vez mais.

Em 1 e 2 de março de 2009 um golpe de Estado derruba Nino Vieira, que acabaria por ser morto.

Divisão Regional

Guiné-Bissau é dividida em oito regiões e um sector autónomo:

Bafatá (capital: Bafatá)
Biombo (capital: Quinhamel)
Sector autónomo de Bissau (Capital: Bissau)
Bolama (capital: Bolama)
Cacheu (capital: Cacheu)
Gabu (capital: Gabu)
Oio (capital: Farim)
Quinara (capital: Quinara)
Tombali (capital: Catió)

Geografia
O País estende-se por área de baixa altitude, seu ponto mais elevado está a 300 metros (acima do nível do mar). O interior é formado por savanas, e a costa por planície pantanosa. O período de chuvas alterna-se com outro de seca, com ventos quentes vindos do deserto do Saara. O arquipélago de Bijagós situa-se ao longo da costa.

Clima
A Guiné-Bissau tem um clima tropical. Situada sensivelmente a meia distância entre o equador e o trópico de Câncer, a Guiné-Bissau tem um clima quente e úmido característico das regiões tropicais. Tem duas estações: a quente e da da época das chuvas, o pais também e composto por mais de 80 ilhas insulares que tem uma das melhores praia de costa da africa ocidental.

A época das chuvas começa em meados do mês de Maio e estende-se até meados de Novembro. Os meses de maior pluviosidade são Julho e Agosto. A estação seca e fresca corresponde aos restantes meses do ano. Os meses de Dezembro e Janeiro são os mais frescos. No entanto, as temperaturas são muito elevadas durante todo o ano.

Demografia
A população da Guiné-Bissau é constituída por mais de 20 etnias, com línguas distintas, costumes e estruturas sociais. A maioria da população vive da agricultura e professa religiões tradicionais locais, outros 45% pratica o islamismo, e as línguas mais faladas são o Fula e o Mandinga de povos concentrados no norte e no nordeste. Outros grupos étnicos importantes são os Balanta e Papel, que vivem na costa sul assim como os Manjaco e os Mancanha que ocupam o centro e o norte (nas regiões costeiras).

Expectativa de vida ao nascer:
Homem: 46.77 anos
Mulher: 51.37 anos (2000)
Taxa de natalidade: 5.27 crianças por mulher (2000)

Grupos étnicos: Africano 99% (Balanta 30%, Fula 20%, Manjaca 14%, Mandinga 13%, Papel 7%), Europeus e outros: menos que 1%
Religiões: crenças indígenas 50%, muçulmana 45%, cristianismo 5%
Total da população: 53.9%
Homem: 67.1%
Mulher: 40.7% (1997)

Economia
BissauGuiné-Bissau encontra-se abaixo de um programa de ajuste estructural da FMI, e depende fortemente da agricultura e da pesca. O preço das castanhas de caju aumentou invejavelmente em anos recentes, e hoje o país encontra-se em sexto na produção mundial do produto. A Guiné-Bissau exporta peixe e mariscos juntamente com amendoim, semente de palma e madeira. As licenças para a pesca são uma fonte de receitas do governo. O arroz é o cereal mais produzido e comida típica.

As lutas intermitentes entre as tropas revolucionárias apoiadas pelo Senegal e a junta militar que controlava o país destruiu grande parte das infraestruturas do país e causaram danos em todas as suas regiões em 1998; a guerra civil fez cair o PIB em 28% naquele ano, com uma recuperação parcial em 1999. A produção agrícola caiu à volta de 17% durante o conflito, assim como a produção de castanhas de caju caíram até 30%. Piorando a situação, no ano 2000 o preço das castanhas caíram em 50% no mercado internacional, aumentando a devastação começada com a guerra civil.

Antes da guerra, as reformas mais bem-sucedidas do governo foram a reforma comercial e a liberalização dos preços, tudo sob a tutela do FMI (Fundo Monetário Internacional). A austeridade fiscal e o incentivo ao desenvolvimento do sector privado deram novo fôlego à economia. Após a guerra civil, as medidas de recuperação lançadas pelo governo (novamente com a ajuda do FMI e também do Banco Mundial) trouxeram alento à debilitada economia e recuperaram o PIB em 8% em 1999.

Em dezembro de 2000 a Guiné-Bissau tentou uma ajuda internacional de de U$800 milhões para a estratégia de redução da pobreza, que deverá ser colocado em prática em 2002. O país só começará a receber boa parte da quantia quando responder a necessidades básicas. A prospecção de petróleo e de fosfato e outros recursos minerais vão começar a ser explorados em 2010. O País também possui petróleo a ser explorado na zona de exploração conjunta com o Senegal. A economia guineense começou nos últimos 3 anos a conhecer novos avanços, e segundo o FMI a economia guineense vai crescer este ano 2.3% devido ao aumento da produção e exportação da castanha de caju, e receitas das licenças de pescas. O país está optimista pois já existem grandes empresas multinacionais com investimentos no país em diferentes áreas, principalmente no turismo.

Cultura

Guiné-Bissau possui uma herança cultural bastante rica e diversificada. Esta cultura, que varia de etnia para etnia, passando desde a diferença linguística, a dança, a expressão artística, a profissão, a tradição musical até as manifestações culturais.

A dança é, contudo, uma verdadeira expressão artística dos diferentes grupos étnicos.

Os povos animistas caracterizam-se pelas suas belas e coloridas coreografias. No dia a dia, estas fantásticas manifestações culturais podem ser observadas na altura das colheitas, dos casamentos, dos funerais, das cerimônias de iniciação.

O estilo musical mais importante do país é o gumbé. O carnaval guineense é completamente original, com caracteríticas próprias, tem evoluído bastante, constituindo uma das maiores manifestações culturais do País.

O músico José Carlos Schwarz é ainda hoje considerado um dos maiores nomes de sempre da música guineense.

Hino Nacional (Esta é a Nossa Pátria Bem Amada)

Sol, suor e o verde e mar,
Séculos de dor e esperança!
Esta é a terra dos nossos avós!
Fruto das nossas mãos,
Da flôr do nosso sangue:
Esta é a nossa pátria amada

Refrão
Viva a pátria gloriosa!
Floriu nos céus a bandeira da luta.
Avante, contra o jugo estrangeiro!
Nós vamos construir
Na pátria imortal
A paz e o progresso!
(repete as três linhas anteriores)
Paz e o progresso!

Ramos do mesmo tronco,
Olhos na mesma luz:
Esta é a força da nossa união!
Cantem o mar e a terra
A madrugada e o sol
Que a nossa luta fecundou,

Fonte:
http://pt.wikipedia.org

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades

Palavras e Expressões mais Usuais do Latim e de outras línguas) Letra F

Facio ut des
Latim ;Direito = Faço para que dês. Norma de contrato bilateral.

Facio ut facias
Latim; Direito = Faço para que faças. Contrato em que o pagamento de um serviço é pago com a prestação de outro serviço.

Facit indignatio versum
Latim = A indignação faz o verso. Segundo Juvenal, a ira serve, às vezes, para inspirar os poetas.

Factum principis
Latim =Fato do príncipe. Direito = Em direito trabalhista, cessação do trabalho por imposição da autoridade pública, sem culpa do empregador, ficando o governo responsável pela indenização devida ao empregado (CLT, art. 486).

Fair play
Inglês = Jogo correto. Lealdade no modo de agir.

Fama volat
Latim = A fama voa; a notícia se espalha rapidamente. (Virgílio, Eneida III, 121).

Fatta legge, pensata la malizia
Italiano = Feita a lei, pensada a malícia. Muitos burlam a lei interpretando a seu modo a intenção do legislador.

Fatuus fatuum invenit
Latim = Um tolo encontra outro tolo.

Favete linguis
Latim = Favorecei com as línguas. Calai-vos. Expressão usada nos espetáculos e reuniões.

Feci quod potui, faciant meliora potentes
Latim = Fiz o que pude, façam melhor os que puderem.

Felix culpa
Latim = Feliz culpa. Expressão de Santo Agostinho referindo-se ao pecado de Adão, que nos mereceu tão grande redentor.

Felix qui potuit rerum cognoscere causas
Latim = Feliz o que pode conhecer as causas das coisas. Elogio de Virgílio àqueles que pesquisam os fenômenos da natureza.

Fervet opus
Latim = Ferve o trabalho. Expressão virgiliana para descrever a atividade das abelhas no cortiço.

Festina lente
Latim = Apressa-te devagar. Frase atribuída a Augusto, que quer dizer que o trabalho executado devagar é melhor do que quando feito apressadamente.

Fête galante
Francês = Festa galante. Pintura de cenas de reuniões ao ar livre que teve origem na França, no século XVII.

Fiat lux
Latim = Faça-se a luz. Palavras pelas quais, segundo o Gênesis, 1, 3, Deus criou a luz.

Fiat voluntas tua
Latim = Seja feita a tua vontade. Palavras duas vezes pronunciadas por Cristo, quando ensinou aos apóstolos a oração dominical (Mt. VI, 10) e quando no Jardim das Oliveiras (Mt. XXVI, 42). São usadas para demonstrar submissão em coisas que repugnam ou contrariam.

Fin de siècle
Francês = Fim de século. Designa coisa ou acontecimento tão raro que não se repete no mesmo século.

Finis coronat opus
Latim = O fim coroa a obra. A obra está completa, de acordo com o seu planejamento.

Firmum in vita nihil
Latim = Nada (é) firme na vida. Tudo é inconstante, transitório.

Five o’clock tea
Inglês = Chá das cinco horas. Tradicional costume inglês de tomar leve refeição às cinco horas, na qual é sempre servido o chá.

Flagrante delicto
Latim; Direito = Ao consumar o delito. Diz-se do momento exato em que o indivíduo é surpreendido a perpetrar o ato criminoso, ou enquanto foge, após interrompê-lo ou consumá-lo, perseguido pelo clamor público.

Fluctuat nec mergitur
Latim = Flutua, não se submerge. Divisa da cidade de Paris, que tem um navio como emblema.

Foenum habet in cornu
Latim = Tem feno no chifre. Refere-se Horácio aos críticos que investem como bois contra os literatos mas não lhes causam dano, pois suas armas estão inutilizadas como as dos bois bravos cujos cornos eram cobertos com feno.

Fontes aquarum
Latim = As fontes das águas. Expressão bíblica. Empregada contra os maus poetas que se servem do dicionário de rimas.

Foreign Office
Inglês = Designa o Ministério das Relações Exteriores, da Inglaterra.

For ever!
Inglês = Para sempre! Locução muito usada nas campanhas eleitorais da Inglaterra e Estados Unidos.

Forget-me not
Inglês = Não te esqueças de mim. Nome dado pelos ingleses ao miosótis.

Forsan et haec olim meminisse juvabit
Latim = Talvez algum dia nos seja agradável recordar estas coisas. Enéias procura confortar os companheiros de infortúnio (Eneida, 1, 203).

Four in hand
Inglês = Quatro em mãos. Parelha de quatro cavalos. Fig Abastança, vida luxuosa.

F. S. et S.
Latim = Fez para si e para os seus. Inscrição que se encontra em muitos monumentos da Antiguidade que eram de uso particular.

Fuero juzgo
Espanhol = Compilação da lei visigótica, primeiro código espanhol, que vigorou em Portugal até 1446.

Fugit irreparabile tempus
Latim = Foge o tempo irreparável. Virgílio lembra-nos que o tempo passa rapidamente e que não devemos desperdiçá-lo.

Full time
Inglês = Tempo integral. Trabalho nos dois períodos.

Fonte:
http://www.portrasdasletras.com.br

2 Comentários

Arquivado em Curiosidades

Palavras e Expressões mais Usuais do Latim e de de outras linguas) Letra E

Ecce Agnus Dei
Latim – Eis o Cordeiro de Deus. Palavras de João Batista (Evangelho segundo João, 1.29) dirigidas ao povo quando Jesus veio à margem do Jordão para ser batizado. Usadas pelo sacerdote ao apresentar aos fiéis a hóstia consagrada, antes de distribuí-la.

Ecce Homo
Latim – Eis aqui o homem. Palavras de Pilatos, dirigidas ao povo judeu, enquanto Ihe apresentava Jesus, já coroado de espinhos, tendo nas mãos uma cana e nos ombros um farrapo de púrpura.

Ecce iterum Crispinus
Latim – Eis aqui novamente o Crispim. Frase de Juvenal, falando de um importuno.

Editio princeps
Latim – Edição principal. Expressão empregada para designar a primeira edição de uma obra.

Ego sum qui sum
Latim – Eu sou quem sou. Palavras de Deus a Moisés (Êxodo III, 14), quando o enviou para libertar o povo de Israel no Egito.

Eheu! fugaces labuntur anni
Latim – Ai de nós! os anos correm céleres. Expressão amargurada do poeta Horácio sobre a brevidade da vida.

Eheu! nullum infortunium venit solum
Latim – Ai de nós! nenhum infortúnio vem desacompanhado. Locução que serve de lema aos pessimistas.

Ejusdem farinae
Latim – Da mesma farinha. Expressão usada para englobar duas ou mais pessoas como portadoras dos mesmos defeitos.

Ejusdem furfuris
Latim – Do mesmo farelo. V ejusdem farinae.

Eli, Eli, lamma sabachtani
Hebraico – Meu Deus, meu Deus, por que me desamparaste? Frase citada entre as últimas pronunciadas por Jesus na cruz. As três primeiras palavras são hebraicas e a última é aramaica.

Emunctae naris
Latim – De nariz limpo. Expressão de Horácio (Sátiras, I, 4-8). Indica pessoa consciente, que sabe o que quer.

Enfant gaté
Francês – Criança mimada. Emprega-se para designar pessoa muito prestigiada pelos superiores e que se prevalece disso tornando-se negligente.

Enfant prodige
Francês – Criança prodígio. Emprega-se para designar a precocidade infantil em qualquer ramo de atividade.

Enfant terrible
Francês – Criança terrível. Criança mal-educada, que causa sérios embaraços aos pais.

Enfin Malherbe vint
Francês – Finalmente chegou Malherbe. Frase com que Boileau destaca o papel de Malherbe na poesia francesa.

Ense et aratro
Latim – Com a espada e o arado. Designa o cidadão que serve a pátria durante a guerra e cultiva o solo durante a paz.

Entente cordiale
Francês – Aliança expressa ou pacto de solidariedade e comunhão de interesses econômicos, políticos ou militares entre duas ou mais nações.

En toute chose il faut considérer la fin
Francês – Em tudo se deve considerar o fim. Moral da fábula de La Fontaine, A Raposa e o Bode.

Epicuri de grege porcum
Latim – Porco do rebanho de Epicuro. Epigrama de Horácio, que assim se classificava, escarnecendo da moral rígida pregada pelos estóicos. Designa hoje o materialista gozador da vida.

E pur, si muove
Italiano – Entretanto ela (a Terra) se move. Palavras de Galileu quando foi obrigado a retratar-se perante a Inquisição, por ter descoberto o movimento da Terra, considerado como heresia por aquele tribunal.

Erga omnes
Latim – Dir Para com todos. Diz-se de ato, lei ou dispositivo que obriga a todos.

Eripuit coelo fulmen sceptrumque tyrannis
Latim – Tirou o raio ao céu e o cetro aos tiranos. Inscrição do pedestal do monumento de Franklin, que alude à descoberta do pára-raios e ao espírito democrático com que militou na política.

Eritis sicut dii
Latim – Sereis como deuses. Palavras que a serpente dirigiu a Eva no paraíso, a fim de induzi-la a comer o fruto da árvore da ciência do bem e do mal (Gên. III, 5).

Errare humanum est
Latim – Errar é humano. Desculpa que se apresenta a fim de atenuar um erro ou engano.

Error in objecto
Latim – Direito – Erro quanto ao objeto. V aberratio ictus.

Error in persona
Latim – Direito – Erro quanto à pessoa. V aberratio delicti.

Erunt duo in carne una
Latim – Serão dois em uma só carne. Expressão bíblica usada na cerimônia do matrimônio para encarecer a união que deve reinar entre os esposos (Gên. II, 24; Mat. XIX, 5).

E sempre bene
Italiano – E sempre bem. Locução que traduz o otimismo dos peninsulares.

Est modus in rebus
Latim – Há um limite nas coisas. Frase com que Horácio aconselha a moderação em tudo.

Esto brevis et placebis
Latim – Sê breve e agradarás. Conselho escolástico aplicado à eloqüência.

Et campos ubi Troja fuit
Latim – E os campos onde existiu Tróia. Hemistíquio virgiliano, que se refere ao abandono de Tróia incendiada quando Enéias e seus companheiros a abandonaram.

Et caetera
Latim – E outras coisas. Expressão que se coloca abreviadamente (etc.) no fim de uma enumeração que se poderia alongar.

Etiam periere ruinas
Latim – Até as ruínas pereceram. Frase de Lucano descrevendo a visita de César às ruínas de Tróia onde não existiam mais vestígios da famosa cidade.

Eetiamsi omnes, ego non
Latim – Ainda que todos, eu não. Palavra de São Pedro a Jesus (Mt. XXVI, 35), jurando-lhe fidelidade no Jardim das Oliveiras.

Et la grace plus belle encore que la beauté
Francês – É a graça ainda mais bela que a beleza. Verso de La Fontaine no poema Adônis, onde elogia aqueles que suprem a ausência de beleza pelas boas maneiras.

Et monté sur le faite, il aspire à descendre
Francês – E, chegado ao apogeu, ele deseja descer. Verso em que Corneille descreve o fastio daqueles que subiram rapidamente.

Et nunc reges intelligite; erudimini qui judicatis terram
Latim – E agora compreendei, ó reis; instruí-vos, vós que governais a Terra. Palavras do Salmo II, versículo 10, citadas para ensinar que devemos aproveitar da experiência alheia.

Et par droit de conquête et par droit de naissence
Francês – Por direito de conquista e por direito de nascimento. Verso em que Voltaire defende Henrique IV, que, apesar de ter direito a suceder, foi obrigado a conquistar o trono da França pelas armas.

Et quasi cursores, vitae lampada tradunt
Latim – Como corredores, eles transmitem o facho da vida. Lucrécio compara a transmissão da vida humana ao jogo em que os atletas passam o facho ao seguinte, depois de correrem. O homem percorre a vida, transmite-a a seus filhos e mergulha na morte.

Et reliqua
Latim – E o restante. O mesmo que et caetera.

E tutti quanti
Italiano – E todos os demais. Serve para encerrar uma enumeração.

Ex abrupto
Latim – De repente; inopinadamente.

Ex abundantia
Latim – Com abundância, em grande quantidade.

Ex abundantia cordis
Latim – Da abundância do coração. Com sinceridade.

Ex adverso
Latim – Direito – Do lado contrário. Refere-se ao advogado da parte contrária.

Ex aequo
Latim – Direito – Segundo a eqüidade.

Ex animo dicere
Latim – Dizer com sinceridade.

Ex auctoritate legis
Latim – Pela força da lei.

Ex auctoritate propria
Latim – Pela sua própria autoridade; sem delegação.

Ex cathedra
Latim – Da cadeira. (Cadeira de São Pedro, símbolo da autoridade do papa. Quando o papa fala ex cathedra ensina como chefe da Igreja e continuador da missão apostólica. Por extensão, exprimir-se dogmaticamente, sem admitir objeções aos seus conceitos).

Ex causa
Latim – Direito – Pela causa. Diz-se das custas pagas pela parte que requer ou promove certo ato incontrovertível que somente a ela interessa ou aproveita.

Exceptio firmat regulam
Latim – A exceção confirma a regra.

Exceptis excipiendis
Latim – Exceto o que se deve excetuar.

Ex corde
Latim – De coração. Expressão empregada no fecho de cartas dirigidas a pessoas íntimas.

Excusez du peu
Francês – Desculpe o pouco. Frase irônica, com que se insiste sobre o preço excessivo de alguma coisa.

Ex digito gigas
Latim – Pelo dedo (se conhece) o gigante. A pessoa superior se manifesta nas menores ações.

Ex dono
Latim – Por doação. Expressão empregada em obras de coleção, que foram doadas por alguém.

Exegi monumentum aere perennius
Latim – Erigi um monumento mais perene que o bronze. Verso da Ode III de Horácio, referindo-se à própria obra literária.

Exempli gratia
Latim – Por exemplo. Geralmente empregada abreviadamente: e. g.

Exequatur
Latim – Execute-se. Direito= 1 Autorização dada por chefe de Estado para que um cônsul estrangeiro possa exercer suas funções no país. 2 Decisão de se cumprir no país uma sentença de justiça estrangeira. 3 Fórmula que autoriza a execução de sentença pronunciada por árbitros.

Ex expositis
Latim – Do que ficou exposto: Portanto, ex expositis, nada lhe resta.

Ex improviso
Latim – De improviso.

Ex informata conscientia
Latim – Sem ouvir o réu ou acusado ou o condenado. Literalmente significa: com a consciência informada, isto é, já com julgamento de antemão formado: Condenar alguém ex informata conscientia.

Ex itinere
Latim – Do caminho.

Ex lege
Latim – Por força da lei: Foi nomeado ex lege.

Ex libris
Latim – Dos livros de. Fórmula que antecede o nome da pessoa ou entidade a que pertence o livro com essa inscrição.

Ex nihilo nihil
Latim – Do nada, nada. Coisa alguma pode ser criada do nada. Aforismo tirado de um verso de Pérsio, erigido em princípio filosófico por Lucrécio e outros epicuristas.

Ex officio
Latim – Por obrigação, por dever do cargo. Dir Diz-se do ato realizado sem provocação das partes.

Ex ore parvulorum veritas
Latim – A verdade (está) na boca das crianças. As crianças não mentem.

Exoriare aliquis nostris ex ossibus ultor
Latim – Que algum vingador nasça de nossos ossos. Imprecação de Dido moribunda, citada por Virgílio (Eneida, VI, 625).

Expende Annibalem
Latim – Pesa Aníbal. Reflexão de Juvenal sobre a fragilidade da glória humana, como se perguntasse: que resta do grande guerreiro?

Experto crede Roberto
Latim – Crede no esperto Roberto. Antonius Arena coloca esta frase na boca do próprio Roberto, que faz a promoção de sua capacidade.

Explicit
Latim – Acabou, terminou. Indica o fim de uma obra que, em geral, começava com a palavra incipit; daí a expressão: Do incipit ao explicit, do começo ao fim.

Ex positis
Latim – Das coisas estabelecidas, assentado: Ex positis, a sociedade está desfeita.

Ex professo
Latim – Do proferido. Como profundo conhecedor; magistralmente.

Ex proprio jure
Latim – Por direito próprio.

Ex toto corde
Latim – De todo o coração. Empregada no final das cartas.

Extra petita
Latim – Dir Além do pedido. Diz-se do julgamento proferido em desacordo com o pedido ou natureza da causa.

Ex tunc
Latim – Direito – Desde então. Com efeito retroativo.

Ex ungue leonem
Latim – Pela garra (se conhece) o leão. Das mãos de um grande mestre só podem sair obras importantes.

Ex vi
Latim – Por força. Por determinação de; em virtude de.

Ex vi legis
Latim – Direito – Por força da lei. Em virtude da lei.

Ex voto
Latim – Por voto. Imagem, quadro ou outro objeto que se coloca nos altares, em agradecimento a Deus ou a um santo por uma graça conseguida.

Fonte:
Hélio Consolaro.
http://www.portrasdasletras.com.br .

Deixe um comentário

Arquivado em Curiosidades