Arquivo da categoria: datas comemorativas

18 de Julho – Dia Nacional do Trovador

Deixe um comentário

18 de julho de 2013 · 16:01

Ialmar Pio Schneider (Soneto ao Dia do Cantor Lírico)

Quando a tarde indolente se reclina
no horizonte de fogo enrubescido,
dos pássaros nos ares o alarido
recorda do cantor a pobre sina.

E é como uma lembrança que fascina
o espírito de quem desprevenido
procura a solidão sem um gemido
para sofrer e amar na paz divina.

Depois a noite chega e a lua andeja,
caminhando nos céus embevecida,
é a rainha que não sabe o que deseja…

E na imensa amplidão já se vislumbra
as estrelas chorando a dor da vida
e a Terra envolta em pálida penumbra…
Fonte:
O autor

Deixe um comentário

Arquivado em datas comemorativas, Soneto.

18 de Julho – Dia Nacional do Trovador

Deixe um comentário

18 de julho de 2012 · 19:59

Trovas em Homenagem ao Dia do Trovador


 Luiz Otávio, em nossas mãos
as suas a gente vê.
– Onde há um encontro de irmãos,
há um reencontro com você!
A. A. de Assis – Maringá/PR

Se “trovite” for doença
e a medicina comprova,
o poeta na sua crença
falece fazendo trova.
Adalberto Thiago

Na rádio ou por telefone,
eu digo a todos vocês:
– Ninguém faz sequer um clone,
das trovas que Luiz fez!
Ademar Macedo – Natal/RN

Quando a inspiração lhe acena,
o bom Trovador se expande.
Numa Trova tão pequena,
faz um Poema tão Grande!
Ademar Macedo – Natal/RN

Luiz Otávio deu provas,
ser bom em verso e poesia.
E o meu sonho é fazer trovas
como as que Luiz fazia…
Ademar Macedo – Natal/RN

Cada momento vivido
na vida que se renova,
às vezes é definido
apenas em uma trova!
Alberto Paco – Maringá/PR


Canta, canta, trovador
e promove a festança,
convidando com amor
todo mundo para a dança.
Ana Maria Gazzaneo – Bragança Paulista/SP

Canta, canta, trovador
e promove a festança,
convidando com amor
todo mundo para a dança.
Ana Maria Gazzaneo – Bragança Paulista/SP

Parabéns, Trovador,
o que, em pequeno poema,
faz grande qualquer supor,
pois fez da Vida o seu tema.
Angela Togeiro – Belo Horizonte/MG

Trovador, cantando a Paz,
vai semeando amizade
pois sabe que ela é capaz
de amparar a humanidade.
Angela Togeiro – Belo Horizonte/MG

Em versos, o poeta canta
esta vida tão ditosa,
e a trova parece planta:
…pétalas formando rosa
Angela Togeiro – Belo Horizonte/MG

Ao tempo tudo se rende,
tudo passa ou se renova;
só não passa o que se prende
nos quatro versos da trova!
Antonio Juraci Siqueira – Belém/PA

A trova é gota de pranto
Que cai dos olhos de alguém
E por alguém chorou tanto
Que nem mais lágrimas tem.
Antonio Salomão – Curitiba/PR

A Trova não morre nunca,
Retempera a humanidade
E vence a tristeza adunca,
Alegrando a mocidade!
Apollo Taborda França – Curitiba/PR

Sete sílabas por cima
Com idéia sempre nova,
E cadência, boa rima,
Numa quadra… a bela Trova!
Apollo Taborda França – Curitiba/PR

Sou trovador, tenho senso
Da importância da poesia:
Encerra tudo o que penso,
Realidade e fantasia!
Apollo Taborda França – Curitiba/PR

Uma trova pra ser boa,
Expressiva, universal,
Na mensagem apregoa
A cultura e a moral!
Apollo Taborda França – Curitiba/PR

Uma trova…um belo tema,
Prá dizer o que se quer;
Quando o poeta é bom, da gema,
Inspira-se… na mulher!
Apollo Taborda França – Curitiba/PR

Quem deixa forte lembrança,
como Luiz Otávio deixou,
é símbolo de esperança
e do amor que ele plantou.
Carmen Pio – Porto Alegre/RS

Luiz Otávio, hoje, é saudade,
na luta do Trovador,
era a sensibilidade
do “Movimento do Amor”.
Carmen Pio – Porto Alegre/RS

Trovador, linda palavra,
Cheia de encanto e fervor,
Trovador, ele quem lavra,
belas sementes do amor.
Carmen Pio – Porto Alegre/RS

Luiz Otávio, com ciência,
fez da trova uma alegria;
com carinho e competência
fez dos versos melodia.
Cidinha Frigeri – Londrina/PR

Trovas, versos, notas vivas
do musical sacrossanto
que, Luiz Otávio e convivas,
integraram no seu canto.
Cidinha Frigeri – Londrina/PR

Que Luiz Otávio inda em vida,
saudando-a com seu valor,
compôs a canção da lida,
harmonizando um clangor.
Cidinha Frigeri – Londrina/PR

Luiz Otávio, com nobreza,
ao elevar nossos autores,
não foi rei, mas com certeza,
“Príncipe dos trovadores”…
Clevane Pessoa de Araújo Lopes – Belo Horizonte/MG

A rosa dos trovadores,
por Luiz Otávio nos dada,
faz de nós os pensadores
da nossa pequena fada…
Clevane Pessoa de Araújo Lopes – Belo Horizonte/MG

Luís Otávio, não morreste,
aqui na Terra, ficaste,
entre os livros que escreveste
e as trovas que nos deixaste!
Delcy Canalles – Porto Alegre/RS

Sou trovador. Tenho orgulho
do meu dia e, como prova,
sempre em dezoito de julho
eu faço trova e mais trova!
Delcy Canalles – Porto Alegre/RS

Na vida do trovador,
o fazer trovas, suponho,
consiste em semear amor
em quatro versos de sonho!
Delcy Canalles – Porto Alegre/RS

Sou trovadora assumida
que, em seu viver, se renova,
fazendo trovas à vida,
vivendo em razão da trova!
Delcy Canalles – Porto Alegre/RS

Nos momentos mais diversos,
sonho minha vida assim:
– Chuva de rimas e versos,
florindo trovas em mim!
Delcy Canalles – Porto Alegre/RS

Luís Otávio, eu te proponho,
que, dos céus, aonde estás,
inspires trovas de sonho
e versos de amor e paz!
Delcy Canalles – Porto Alegre/RS

É na dor de uma saudade,
quando um mau dia anoitece,
que a mulher em mim se evade
e a trovadora aparece.
Denise Cataldi – Nova Friburgo/RJ

Trovador e passarinho,
dois arautos da poesia:
Se perdem amor ou ninho
gorjeiam dor…todavia.
Dinair Leite – Paranavaí/PR

Trovador quando ama a rosa
respeitando seus espinhos,
da flor carinho ele goza
perfumando seus caminhos.
Dinair Leite – Paranavaí/PR

Trovador por ironia,
quando a trova terminou,
da pena viu que escorria
pranto que a trova borrou.
Dinair Leite – Paranavaí/PR

Luiz Otávio deu exemplo
de amor, de fraternidade
e fez de seu peito o templo
mais bonito da humildade!
Elisabeth Souza Cruz – Nova Friburgo/RJ

Pequenina, mas imensa
para o poeta a trova é,
pois que nela condensa
sua vida, sua fé.
Fernandina Marques – Curitiba/PR

Desde a infância, um sonhador,
muitos sonhos já sonhei,
em tornar-me um trovador
– confesso – nunca pensei.
Flávio Ferreira da Silva – Nova Friburgo/RJ

Pego carona na trova,
sou chamado trovador,
quem as lê – logo reprova –
pois são trovas sem valor.
Flávio Ferreira da Silva – Nova Friburgo/RJ

Luiz Otávio fundou
quarenta anos atrás,
a UBT que tanto amou,
e que a amamos muito mais!
Francisco Garcia – Caicó/RN

Luiz Otávio se encantou;
tinha que partir um dia!
Mas para o mundo deixou
um canteiro de poesia!
Francisco Garcia – Caicó/RN

E o Príncipe deixou saudade,
muita saudade deixou!
Foi a trova, na verdade,
a musa que mais amou!
Francisco Garcia – Caicó/RN

A UBT ficou refeita,
na voz de cada poeta…
e o que faltar na receita,
Luiz Otávio completa!
Francisco Garcia – Caicó/RN


O Dia do Trovador
deve ser comemorado
com muitas trovas de amor,
mesmo não sendo Feriado !
Ialmar Pio Schneider – Porto Alegre/RS

Ser trovador me seduz…
Eu sinto em cada momento
que a trova é facho de luz
no pano do firmamento,,,
Ivone Taglialegna Prado – Belo Horizonte/MG

A trova pra ser bonita
Tal qual filhinha dileta,
Traz sempre o laço de fita
Da inspiração do poeta!
Joaquim Carvalho – Curitiba/PR

Como a gralha azul que voa
cultivando o Paraná
A Trova a terra povoa
espalhando o seu maná
José Feldman – Maringá/PR

Perdido em sonhos insanos,
em jardim, cego, sem rumo.
Venci todos desenganos,
nas trovas… eu me consumo!
José Feldman – Maringá/PR

Tantos passo caminhei,
por labirintos incertos…
Hoje, nas trovas achei
como vencer os desertos.
José Feldman – Maringá/PR

Jamais quis fazer poesia
nem algum verso de trova.
Foi você, doce Maria,
quem me lançou nesta prova.
Lairton Trovão de Andrade – Pinhalão/PR

Sou poeta trovador
na solidão desta rua.
Minhas serestas de amor
só tenho entoado à Lua.
Lairton Trovão de Andrade – Pinhalão/PR

Enquanto houver um luar
e um sol cheio de esplendor,
há de se ouvir o cantar
da lira de um trovador!
Lisete Johnson – Porto Alegre/RS

Trovador, grande que seja,
tem esta mágoa a esconder:
a trova que mais deseja
jamais consegue escrever …
– Luiz Otávio –

Há trovas que o vento leva;
Outras, o fogo desfaz…
Mas, as minhas, sem reserva
São trovas que o vento traz.
Maria Nicolas – Curitiba/PR

Quando uma trova acontece,
nasce com ela um sorriso
no rosto de quem conhece
o gosto de um improviso.
Mário A. J. Zamataro – Curitiba/PR

Trovador, de olhar atento,
repara no que acontece
e registra o sentimento
em versos que o sonho tece!
Mário A. J. Zamataro – Curitiba/PR

E desse dia festivo
eu venho participar,
pois das trovas sou cativo:
não sei ficar sem trovar.
Mário Roberto Guimarães – Rio de Janeiro/RJ

Da poesia fiz meu canto,
do meu canto a alegria!
Fiz meus versos com amor,
a canção do trovador.
Maurélio Machado – São Bento do Sul/SC

Luiz Otávio sabia
que sua paixão mais forte,
a trova, conquistaria
o Brasil de Sul a Norte.
Milton Souza – Porto Alegre/RS

No Dia do Trovador,
eu repito novamente:
trova é um pedaço de amor
que invade a vida da gente.
Milton Souza – Porto Alegre/RS

Luiz Otavio, no infinito,
em sua estrada já traçada,
nos ensina quão bonito
é uma trova declamada!
Nei Garcez – Curitiba/PR

Quem recorda os trovadores
com suas trovas de então,
oferece aos seus autores
a prova de gratidão!
Nei Garcez – Curitiba/PR

Parabéns, ó trovador,
deste solo e céu anil,
que com trova e muito amor
abençoa este Brasil!
Nei Garcez – Curitiba/PR

Nem todo poeta trova,
mas o trovador poeta
e a cada mensagem nova
ganha um jeito de profeta.
Nilton Manoel – Ribeirão Preto/SP

O mundo ganha mais cor
neste dia de poesia,
quando todo trovador
faz trovas pelo seu dia!
Nilton Manoel – Ribeirão Preto/SP

Luiz Otávio deu provas
de ser grande e iluminado:
fez uma esteira de trovas
em seu caminho encantado!
Thereza Costa Val – Belo Horizonte/MG

Na trova, que é seu veleiro,
singrando temas diversos,
trovador é marinheiro
que navega em quatro versos.
Thereza Costa Val – Belo Horizonte/MG

– “Luiz Otávio, diz Jesus,
faça este Céu mais bonito”…
E ele fez trovas de luz
com as estrelas, no infinito.
Thalma Tavares – São Simão/SP

Trova é cantiga bonita,
nascida do coração!
Dessa inspiração bendita
vertida em linda canção.
Zélia Nicolodi – Curitiba/PR

Deixe um comentário

Arquivado em datas comemorativas, Dia do Trovador, Trovas

Ialmar Pio Schneider (Soneto a Luiz Otávio)

– In Memoriam – Dia do Trovador –
Nascimento do trovador em 18 de julho de 1916 –

Luiz Otávio foi dos trovadores,
o Príncipe que divulgou a trova
e a revestiu de uma roupagem nova,
para que fosse a das mais belas flores…
Pois em cada ano sempre se renova
e vai angariando admiradores
que curtem os seus mágicos amores,
das ardentes paixões, vívida prova !
Em dezoito de julho é celebrado,
Dia do Trovador, sempre lembrado,
pois nasceu Luiz Otávio, nesse dia.
E todos aos que a trova têm paixão,
podem prestar-lhe em forma de oração,
a homenagem de sua nostalgia…

Porto Alegre – RS, 17 de julho de 2011-07-17

Deixe um comentário

Arquivado em datas comemorativas, Dia do Trovador, Soneto.

Eliana Ruiz Jimenez (18 de Julho – Dia do Trovador)

O poeta é detentor de uma sensibilidade aguçada e tem a necessidade de compartilhar a sua visão emocional e os seus sentimentos com as outras pessoas, transformando essas impressões em versos, que podem ser livres, ou em formatos predeterminados, como na trova, por exemplo.

Os versos livres costumam surgir de repente e arrebatam o poeta onde ele estiver. É preciso segurar a ideia, transpô-la imediatamente para o papel antes que o sopro inspirador se dilua e as palavras se percam.

Já a trova é a expressão poética trabalhada. De formato rígido, requer métrica e rimas, além da expressão de um pensamento completo em quatro versos, sendo que o último arremata a reflexão com um grande final.

Habilidoso, o trovador precisa adequar o querer dizer na precisão das sete sílabas tônicas e ainda provocar no leitor a empatia com a saudade sentida, com o coração partido e – por que não dizer? – com as reminiscências que cada um traz consigo.

Audacioso, o trovador elabora a trova com sofisticação, procurando justapor as palavras num encaixe cuidadoso, observando tanto a forma como a sonoridade, procurando a rima inédita, notável. Vale pensar, refazer, pois o que importa é o resultado perfeito.

A trova é, portanto, a ideia sintetizada, a comunicação imediata, que pode trazer tanto um pensamento filosófico como a sabedoria da experiência, o humor ou o lirismo.

Quando finalmente pronta, a trova é como o filho criado, independente, que percorre o mundo levando a mensagem de seu criador.

Nesse oceano de trovas brilhantes, os trovadores são amigos fraternos que, embalados pela mesma inspiração poética, vão compartilhando a vida nos versos, falem eles das dores sentidas ou das alegrias da jornada.

No dia 18 de julho, data de nascimento de Luiz Otávio, responsável pela consolidação do movimento trovadoresco no Brasil, é comemorado o dia do trovador, data em que todos os poetas e admiradores dessa bela e requintada expressão poética relembram o saudoso e querido amigo, principalmente com a leitura de suas belas trovas, tão contemporâneas, que nos deixam a certeza de um homem que viveu à frente de seu tempo e que assim escrevia:

Meus sentimentos diversos
prendo em poemas pequenos.
Quem na vida deixa versos,
parece que morre menos.

Pelo tamanho não deves
medir valor de ninguém;
sendo quatro versos breves,
como a trova nos faz bem!

Deixe um comentário

Arquivado em datas comemorativas, Dia do Trovador, prosa-poética, Trovas

José Feldman (Saudades de um Amigo)

Meu amigo 

Hoje é 5 de junho de 2012. Já se faz 1 ano e 11 meses que nos deixou. Este ano farias 12 anos de idade. 

A saudade que deixaste é uma cratera imensa que nunca vai se fechar. A vida de nós humanos, não é uma vida, mas são momentos que morrem pouco a pouco e vai mitigando nossa alma. As vezes, quando escuto latidos no meio da noite, penso que é você que retornou e apesar do frio, procuro você na escuridão da noite. Queria poder tocar em você novamente e poder sentir seu pêlo entre os dedos. Estás agora livre, a correr pelas planícies do paraíso. Feliz estou em saber de que és uma alma livre. Não sei como é o lugar onde estás, mas desejo que a benção da luz esteja contigo onde estiver, a luz exterior e a luz interior. E se houver um sol, e mereces muito mesmo que haja, que a santa luz do sol brilhe sobre ti, e aqueça teu coração até que ele resplandeça como um grande fogo e se houver alguém necessitado, possa vir e nele se aquecer, como um amigo que sempre fostes.

Que a luz brilhe de dentro de teus olhos, como candeia colocada na janela de uma casa, oferecendo ao peregrino um refugio na tormenta.

E se houver chuva, que a benção da chuva, da chuva suave e boa, seja contigo. Que ela tombe sobre tua alma para que as pequenas flores todas possam surgir e derramar suavidade na brisa.

Que a benção das grandes chuvas seja contigo, caindo em tua alma para lavá-la bem lavada, nela deixando muitas poças reluzentes onde o azul do céu possa brilhar e, às vezes, uma estrela.

E que a benção da terra, da grande terra redonda, seja contigo. Que sempre tenhas uma saudação amiga aos que passam por ti ao longo dos caminhos.

Que a terra seja macia debaixo de ti onde repousas, e, leve, ela descanse sobre ti por estar deitado nela. E que seja um tapete de flores que sirva de conforto para você.

Que a tua alma que tão cedo se libertou de seu peso, livre e leve, esteja junto de Deus, que seja sempre abençoada.

Obrigado pela sua amizade, meu amigo. Seja luz!!!!
Saudades, muitas, muitas, muitas saudades

Deixe um comentário

Arquivado em datas comemorativas