Arquivo da categoria: Dissertação de Mestrado

Adriana Maria Toniolo Jacon (As várias faces da escritura lessiana)

Em um de seus artigos, Josué Montello, falando de Orígenes Lessa em virtude de seu octogésimo aniversário, pergunta-se:

“Que fez Orígenes Lessa para as nossas palmas em redor de sua mesa, e para a festa da Casa de Rui Barbosa? Fez livros. Ou melhor, romances, contos, novelas, livros para crianças, artigos de jornal…”

Porém, mais do que palmas, talvez falte ao escritor Orígenes Lessa ter suas obras conhecidas e estudadas de maneira mais aprofundada, pois como se lê no artigo de Josué Montello, foi significativa a contribuição de seu trabalho para a cultura e para a literatura brasileira. O autor que nasceu em Lençóis Paulista em doze de julho de 1903 e faleceu em treze de julho de 1986, aos oitenta e três anos ainda se encontrava em plena atividade profissional. Sua obra chama a atenção pela variedade e qualidade de material. Tanto nas narrativas curtas, quanto nos romances, o autor elabora o enredo de forma a obter um resultado que revela expressão e estilo singulares, ou seja, uma linguagem do cotidiano, bem próxima do leitor, o que permitiu que suas obras fossem bem recebidas pela crítica e pelo público que com elas tiveram contato.

Henrique L. Alves, em texto escrito para a revista da Academia Brasileira de Letras, reproduziu uma opinião de Genolino Amado sobre o estilo de Orígenes Lessa, afirmando:

Orígenes Lessa – segundo Genolino Amado – é um desses olhares excepcionais que sabem surpreender a novidade das coisas ou dos homens vulgares e o humanismo oculto nos temas aparentemente mais sisudos.

Ao desenvolver esse aspecto da obra lessiana, Henrique L. Alves, acrescenta uma pista de leitura sobre a linguagem de Orígenes Lessa:

Escritor que sabe manejar situações irônicas com verve descontraída. Procura flagrantizar o cotidiano, diversificando temas, catalisando frases fáceis, sem preciosismos ou busca de palavras inacessíveis ao leitor.

Pedro Bloch, leitor, amigo e estudioso das obras de Orígenes Lessa, ressaltou a importância da escritura de Lessa pelo fato de ser constituída pela observação de acontecimentos triviais que acabam por encontrar ressonância em quem a lê. Afirma o crítico: “Orígenes Lessa conduz sua narrativa com aquela fluidez, segurança e originalidade que lhe são próprias.” E, completando, ressalta as características da escritura de Orígenes Lessa:

…quando, ao voltar do México, alguém lhe perguntou se tinha falado com Cantinflas ou Diego Rivera, ouviu: ‘Não, mas falei com mendigos, gente de rua, prostitutas.’ Seus episódios de viagem estão repletos de seres humildes, de vida colorida. É por isso que seus contos traduzem tanta humanidade, pulso tomado na alma de cada um.

Dr. Marcos Almir Madeira, em uma homenagem póstuma a Orígenes Lessa, ratificou todas as opiniões anteriores sobre o estilo de Orígenes Lessa, ao afirmar:

…escritor em cuja obra personalíssima o contista, o romancista, o novelista puseram singularidades de temática e de forma, de conteúdo e expressão – um estilo de narrador diferente.

No entanto, o fato de as obras de Orígenes Lessa serem fruto de uma observação do cotidiano não quer dizer que sejam desprovidas de talento artístico. Muito pelo contrário, as obras lessianas demonstram a capacidade do autor em criar histórias que sejam compreendidas pelo público, o que não significa pobreza de linguagem. O feijão e o sonho, por exemplo, foi reelaborado em várias edições.

Quanto à capacidade artística de Orígenes Lessa, Olney Borges Pinto de Souza do Jornal Correio da Manhã, afirmou:

… o notável contista logrou compor toda uma série de narrações, em que seu talento, jogando com uma riqueza extraordinária de cenário, esparzindo humor ou colhendo uma funda movimentação anímica, lança toda uma galeria de tipos humanos a realizar-se plenamente no centro de cada história, com todos os atributos de legitimidade artística.

A primeira obra, editada em 1929, o livro de contos O escritor proibido , foi muito bem recebida por Medeiros e Albuquerque, João Ribeiro, Menotti del Picchia e Jorge Amado, este último, admirador do trabalho de Lessa, como fica claro na reportagem de Bella Jozef publicada no Jornal O Estado de São Paulo , em 31 de julho de 1983 ao reproduzir as palavras do autor de Os Velhos Marinheiros:”Sempre fui de opinião que Orígenes Lessa é um dos maiores contistas de toda a nossa história.”

No entanto, confirmando a afirmação de Peri Augusto sobre Orígenes Lessa:”Difícil asseverar, entre o romancista e o contista, qual o melhor.”, torna-se difícil dizer em qual gênero literário Lessa se sobressai, pois tanto nos contos quanto nos romances, sabe tecer seus textos que estabelecem um diálogo com o leitor, favorecendo a recepção e a apreciação de suas obras, sejam elas histórias curtas ou não.

Dos trabalhos realizados por Orígenes Lessa e citados por Josué Montello no Jornal do Brasil, como vimos na citação do início deste capítulo, não foi mencionado o trabalho como publicitário, iniciado em 1928. A essa faceta desconhecida, acrescenta-se a de tradutor, no período em que trabalhou na General Motors (1931). Outro trabalho realizado por Lessa foi o de padrinho da Biblioteca Municipal de Lençóis Paulista, que leva o seu nome, para a qual solicitou a doação de obras de escritores renomados, com autógrafos e dedicatórias. O acervo dessas obras chega, atualmente, a oitenta e quatro mil volumes, sendo que a cidade possui por volta de sessenta mil habitantes, ou seja, mais de um livro per capita, o que fez com que Arnaldo Niskier em discurso na Academia Brasileira de Letras afirmasse:

Qual é a singularidade de Lençóis Paulista? É a cidade que tem mais livros do que habitantes. Seguramente dos quatro mil e duzentos municípios brasileiros, Lençóis Paulista deve ser exemplo único da cidade pequena, no interior paulista, em que os livros são mais numerosos do que os habitantes. Isso revela o interesse cultural que transbordou da simples presença de Orígenes Lessa para ser uma preocupação dominante em toda sua população.

Orígenes Lessa também obteve consagração como escritor de literatura infantil e infanto-juvenil, tendo-se iniciado nesta vertente quando solicitado para palestrar sobre O feijão e o sonho em uma escola para crianças. Acabrunhou-se com isso, pois, para ele, este romance era uma leitura para adultos como fica claro na reportagem do Jornal Correio do Povo:

Orígenes Lessa confessou que sempre escreveu para as crianças com extremo temor e mesmo pavor, pois sente imensa responsabilidade, tendo fugido muito a um encontro cara a cara com elas desde que soube que elas liam seu livro O feijão e o sonho.

Assim escreveu, em menos de quinze dias, Memórias de um cabo de vassoura , editado em 1971 e, a partir daí, devido ao sucesso com o público infantil, não parou mais de escrever para crianças, sem deixar, porém, de escrever para adultos.

Em entrevista concedida a Edilberto Coutinho, Orígenes Lessa, questionado quanto ao seu relacionamento com as crianças, declarou sentir-se mais jovem, depois de ter-se dedicado à literatura infantil e juvenil.

Fantástico. Incrível…Quando cheguei aos 60 anos, pensei que estava velho. Aos 70, me sentia mais jovem. Acho que devo isto, em parte, aos meus livros infantis e juvenis. Com eles, parece que liberto o menino que há em mim.

Contudo, sua maior preocupação foi com o leitor. Nos textos de literatura infanto-juvenil Lessa demonstrou para com o leitor a mesma preocupação já existente na sua literatura para adultos, pois tinha consciência da estreita relação entre autor, obra e leitor, o que pode ser lido nas declarações feitas ao Jornal Estado de Minas:

Escrever para crianças é muito gostoso se a gente acerta o gosto delas, mas é uma barra muito pesada, pois seremos os responsáveis pelas suas futuras preferências. Daqui a algum tempo seremos os culpados ou não pela receptividade da leitura pelos adolescentes.

O sucesso com o público infanto-juvenil fez com que Maria Antonieta Antunes Cunha estabelecesse uma comparação entre Orígenes Lessa e Monteiro Lobato, ressaltando as características que os aproximam, como a comicidade e o humor, elementos que prendem a atenção das crianças, além de certo olhar crítico diante da vida. Essa criticidade se apresenta de forma lúdica e atinge um alto nível de comunicação com o público infantil. Tanto Lobato quanto Lessa tinham a qualidade de exímios contadores de histórias, porém cada um possuía, apesar das semelhanças, as suas peculiaridades estilísticas, ainda que ambos produzissem obras voltadas para a esperança, revelando fé em um mundo melhor. Maria Antonieta Antunes Cunha observou em seu estudo semelhanças entre os dois autores, o que a levou a tecer o seguinte comentário: “Na literatura infantil é legítimo sucessor de Monteiro Lobato. As mesmas emoções a criança experimenta na leitura de um e de outro.”

A afirmação de Maria Antonieta Antunes Cunha leva-nos à questão das leituras de Orígenes Lessa e da presença lobatiana em suas obras. E, assim como ela, outros estudiosos também viram nas obras de Orígenes Lessa certa similaridade com as de Lobato. Francisco de Assis Barbosa afirmou:

Seguis a mesma trilha, senhor Orígenes Lessa, sem pretender o lugar deixado por Lobato. Vossa mensagem é bem diferente, sem agressividade, espírito polêmico ou depreciativo.

Ainda sobre a comparação de Lessa com Lobato, a reportagem do jornal Tudo é Diálogo de Porto Alegre, também apontou semelhanças entre os dois autores, no que diz respeito ao interesse do leitor pela obra.

Como autor de obras destinadas ao público infanto-juvenil, Orígenes Lessa talvez só possa ser nivelado em nosso país, com seu co-estaduano, o genial Monteiro Lobato. De fato, cada um com suas características fundamentais no modo de realizar a narrativa, ambos conseguiram que suas criações, suas histórias e suas personagens prendessem a atenção dos leitores não só dos jovens, mas igualmente dos adultos.

O interesse do público permitiu que se comparasse Orígenes Lessa a Monteiro Lobato. Porém, em entrevista cedida a Jorge de Aquino Filho para o especial da Revista Manchete o autor de O feijão e o sonho afirmou ser apenas um admirador de Monteiro Lobato, não tendo a pretensão de substituí-lo:

-É possível observar na sua obra características que o aproximam de Monteiro Lobato, como a presença da fantasia, da aventura, do humor e da comicidade, além da preocupação em não dissociar no seu texto o entretenimento da reflexão sobre a vida humana. Você se considera o legítimo sucessor de Monteiro Lobato?

– Nunca tive essa pretensão. Admirei Monteiro Lobato a vida inteira. Foi o autor da minha adolescência. Foi um escritor extraordinário. Não tenho capacidade para substituí-lo(…) Monteiro Lobato tem o lugar dele, que é dele. Há em mim uma grande admiração destituída de qualquer pretensão em substituí-lo.

Outra face de Orígenes Lessa revela o estudioso da Literatura de Cordel, pois chegou a publicar estudos sobre o assunto, e obteve, com essas publicações, repercussão internacional.

Depois de ter participado da Revolução de 1932, e ter sido preso, experiência que resgata em Não há de ser nada em 1932 e Ilha Grande em 1933, foi para os Estados Unidos, onde morou, no início da década de quarenta. Lá trabalhou, em 1942, como coordenador de assuntos internacionais e foi repórter e entrevistador de Charles Chaplin, Sinclair Lewis, Langston Hughes, John Steinbeck, figuras que colaboraram para a formação de sua bagagem intelectual.

Toda essa vivência com escritores estrangeiros, o aprendizado e o contato com outras leituras foram importantes. Ainda nos Estados Unidos, escreveu reportagens sobre brasileiros que lá viviam, surgindo então OK América em 1945, obra jornalística que revela em sua escritura, o autor de literatura. Na biografia de Noel Nutels, trabalho jornalístico e crítico sobre a vida deste médico nascido em Odessa na Rússia e que se preocupava com a saúde dos índios, intitulada O índio cor-de-rosa e editada em 1978,Orígenes Lessa pôde revelar sua habilidade artística .

Os primeiros exercícios de linguagem têm origem na infância, pois ainda criança tentava desvendar o mundo através da linguagem, queria aprender a ler para escrever com carvão nos muros e calçadas, como faziam as outras crianças. Quando, enfim, começou a aprender a ler, isso aos seis anos, ensaiou escrever alguns textos, parte deles copiados, mesmo sem entendê-los, do livro de grego do pai que era professor e pastor protestante. Depois disso, escreveu o que para ele foi o primeiro livro, conforme se lê na entrevista concedida a Cláudia Miranda e Luiz Raul Machado: “Foi em São Luís que escrevi meu primeiro ‘livro’, aos seis anos: A bola.”

Após ser alfabetizado, tido como mau aluno, era, no entanto, um leitor ávido. Lia tudo. Na adolescência, leu mais de duzentos livros e foi nesta época que, na escola, por volta dos seus treze e quatorze anos, tendo aguçada a sua criticidade por meio de tantas leituras, fundou o jornal escolar O beija-flor , que se tornou o primeiro degrau na sua escalada como jornalista, chegando a trabalhar, mais tarde, no Jornal Folha da Manhã em 1931.

Fica, então, a questão: quem nasceu primeiro, o escritor de literatura ou o jornalista?

Se respondermos a esta pergunta, tendo como ponto de vista o profissional, responderemos que foi o jornalista. Mas, se analisarmos do ponto de vista da linguagem de seus textos e das conclusões a que chegamos após ler as entrevistas, diremos que foi o escritor que, desde criança, já ensaiava as primeiras letras.

Em estudo sobre o autor, Reynaldo Valinho Alvarez chega a sugerir que o tripé jornalista-publicitário-escritor forma o eixo da obra de Orígenes Lessa:

Como jornalista e publicitário, Orígenes Lessa tinha o sentido da comunicação objetiva, direta, imediata, precisa bastante para a clareza da mensagem, mas ambígua na isca dos subentendidos com que a publicidade atrai e fisga o consumidor.

Nas entrevistas concedidas por Orígenes Lessa, pode-se observar o desejo inato de ser escritor, ainda que para isso tivesse que fazer o percurso do jornalismo e da publicidade.

– Sempre fui muito vadio, mas sempre quis ser escritor. No começo creio não ter manifestado a menor vocação. Meu irmão Vicente, sim (somos seis irmãos). Mais de um deles tinha muito mais jeito para as letras do que eu. Mas, mesmo pequeno, eu tinha a mania da coisa. Queria aquilo e sabia que queria.

Desenvolvendo suas habilidades escriturais enquanto jornalista e publicitário, Orígenes Lessa ia em busca do sonho: tornar-se escritor. Não chegou a formar-se em curso superior, mas pode ser chamado, como o foi Machado de Assis, de autodidata, pois desde muito jovem, a exemplo do pai, cultivava o hábito da leitura de clássicos da literatura, da filosofia e , embora se tivesse afastado da religião na década de vinte, era um estudioso da Bíblia.

Os temas abordados na obra lessiana contemplam os dramas humanos vividos no cotidiano, com ênfase ao drama do homem como vítima do contexto social e econômico que aniquila o sentimento e a sensibilidade. Orígenes Lessa trabalha esses dramas num misto de tristeza e alegria, uma sátira dos sofrimentos beirando a ironia. Fantasia, humor, amor, misturados ao cômico e à tristeza, tudo que compõe o vasto universo interior do homem está presente na obra de Orígenes Lessa, levando-nos a refletir criticamente sobre situações diversas: tudo pode ser pensado e repensado pelo leitor que encontra nos textos a constância dos erros e acertos do homem, vítima das paixões individuais e dos problemas existentes na sociedade, levando-nos a reflexões sobre questões universais, filosóficas, sobre o ser e o estar no mundo. Esse enfoque foi analisado por Mário da Silva Brito em um de seus textos sobre Orígenes Lessa:

Às pesquisas formais, Orígenes Lessa tem preferido, ao longo de sua carreira de narrador, a preocupação do conteúdo ficcional. Em vez da aparência pretende a essência. Daí interessá-lo, na prática literária, o drama humano, pequeno ou grande, profundo ou intenso, extenso ou raso.
Homero Senna, ao tecer comentários sobre os contos de Orígenes Lessa, compara-o a Wilde e Maupassant, afirmando:

Como são os contos de Orígenes Lessa? São maliciosos, irônicos, mordazes, não raro pungentes. Sabendo, como leitor de Wilde, que a vida, freqüentemente, é mais inverossímil do que a arte, inspira-se em fatos e figuras do viver cotidiano, procurando fazer de suas histórias, como queria o mestre Maupassant, uma fatia da vida.

Embora, segundo Mário da Silva Brito, Lessa tenha-se utilizado, também, do aprendizado de técnicas narrativas de autores como Luigi Pirandello, Franz Kafka, Gilbert Keith Chesterton e James Joyce, no entanto, aproveitou-se dessas “raízes inspiradoras” para compor “a seiva de sua própria e pessoal dicção literária.”

Orígenes Lessa foi criador de seu próprio estilo e, embora não tenha desprezado todas as propostas literárias surgidas entre os idealizadores da Semana de Arte Moderna, como o uso de uma linguagem extremamente brasileira, sem resquícios e ornamentos eruditos, manteve-se fiel às suas próprias tendências. A escritura de Orígenes Lessa conduz o leitor mansamente como as águas calmas de um rio conduzem seu fluxo à grandiosidade do mar.

Artur Eduardo Benavides, em artigo publicado na Revista Leitura, refere-se ao defeito da imitação, isentando Orígenes Lessa de tal defeito. Segundo seu ponto de vista, o autor é:

…simples e liberto de qualquer defeito de imitação de mestres ou de escolas, qualidades essas que se manifestam em todas as suas páginas, algumas das quais podem ser consideradas verdadeiramente antológicas.

A dramaticidade da vida humana proposta nas obras de Lessa, assim como de obras de autores do seu repertório de leitura tem, como pano de fundo, a realidade urbana, com personagens e ambientes bem próximos da vida real, figuras do dia-a-dia, quase sempre de uma vida moderna que são flagrados e trabalhados pelo autor. Orígenes Lessa retirava do mundo as mais diversas situações e transformava-as em arte, algo que só alguém que viveu às voltas com a escritura, num trabalho de dedicação para com as letras, e tem uma base intelectual como a sua, pode fazer.

Francisco de Assis Barbosa, escritor e membro da Academia, no discurso de posse de Orígenes Lessa na Academia Brasileira de Letras, parece ter fechado a questão em relação ao trabalho do jornalista que teria contribuído para a produção literária de Orígenes Lessa, ao afirmar: “Viestes do jornal, uma universidade.”

Sem dúvida, o estilo literário de Orígenes Lessa tem muita relação com o estilo jornalístico e publicitário de que herdou a construção instantânea de frases de impacto, juntamente com a experiência na escolha e uso de determinadas palavras, adquirindo versatilidade e agilidade.

Orígenes Lessa aprendeu no jornalismo e na publicidade a ser conciso, sem por isso dizer pouco. Exercitou o trabalho de lapidador, retirando o excesso que pode sobrepujar em textos de autores inexperientes, conferindo à sua literatura características difíceis de serem alcançadas: precisão e arte, com o emprego certo das palavras certas, um trabalho de artesão da escrita, o que fica patente na reelaboração de seus textos. As peculiaridades inerentes à profissão de jornalista e propagandista, Lessa conseguiu transportar para a de ficcionista. O compromisso de escrever por encomenda, como escrever para uma determinada campanha, para uma data também determinada, foi mantido na construção da ficção, como Lessa mesmo ressaltou: “…eu gosto mais daquilo que estou fazendo naquele momento. Ou então, escrever por encomenda…”

Escrever por encomenda não desmerece quem domina a técnica da linguagem. Nos textos jornalísticos, publicitários e literários, a linguagem se faz de maneira natural, consolidando beleza e utilidade, aumentando o poder de comunicação.

Mas Orígenes Lessa sabia que, assim como na publicidade, na ficção, apenas o uso da palavra não garante público. Na propaganda, ele dizia ser necessário não só argumentar, mas criar no anúncio a necessidade no comprador pelo produto anunciado.

Na literatura, o processo de cativar o leitor não se dá de forma diferente. Suas obras vão ao encontro dos anseios e necessidades de cada leitor, possibilitando a fruição da obra, num jogo de perguntas e respostas que envolvem o escritor e o leitor na dialética do texto. A literatura de Lessa é, para usar um termo de Mário da Silva Brito, escritor e amigo pessoal de Orígenes Lessa, “de comunhão” e, porque não dizer, de diálogo com seu leitor que se vê envolvido pela ficção. Um diálogo velado, de forma indireta, que ocorre por meio do diálogo das próprias personagens do qual o leitor participa vivendo, encarnando seus problemas, tomando partido, envolvendo-se e opinando.

O diálogo, uma constante nas obras de Lessa, que fez render-lhe o título de “mestre do entrecho e do diálogo”, embora usado demasiadamente, não afeta a qualidade dos textos, pois o autor sabe dosá-lo com equilíbrio às situações, às tramas e às personagens, tornando favorável a adaptação de seus textos para o teatro, cinema e novelas de rádio e T.V. como aconteceu com Noite sem homem em 1968, O feijão e o sonho em 1976, e Juca Jaboti, Dona Leôncia e a super-onça em 1976 e fez render a Orígenes Lessa uma crítica favorável, quanto ao enredo de suas obras, pelo crítico Hugo Barcellos:”Machado de Assis, Orígenes Lessa e outros contistas brasileiros forneceram, afinal, aquilo que estava faltando ao cinema pátrio – enredo.”

O uso do diálogo confere às personagens lessianas uma vivacidade, dá alma aos seres ficcionais e constitui um elemento importante para o entendimento do processo criador de Orígenes Lessa e da recepção de sua obra pelo leitor.

Os artifícios utilizados por Lessa na criação de suas obras sempre foram frutos de sua preocupação com o leitor, seja ele adulto, infantil ou juvenil.

Orígenes Lessa merece toda a atenção dos educadores e dos pais com toda a segurança da maior seriedade e do maior carinho para com a formação conveniente de seus pequenos patrícios.

Daí a busca de uma perfeição, almejada por ele, quando fez mais de quinhentas alterações da quarta para a quinta edição de O feijão e o sonho e a humildade em dizer que não seria leitor de suas próprias obras. Isso faz parte de um comprometimento com o leitor e de uma visão perfeccionista de quem é capaz de afirmar:

Não gostei de nenhuma de minhas obras, não gostei porque sempre procuro escrever outras em busca da perfeição.

E ainda:

Gostaria de encontrar tempo para fazer uma grande varredura em tudo que escrevi.

O feijão e o sonho conta com mais de sessenta edições e teve repercussão nacional e internacional e, mesmo assim, Orígenes Lessa foi capaz de dizer que com esse romance teve sorte. Segundo Orígenes Lessa, O feijão e o sonho foi escrito em três semanas num escritório de propaganda, o que fez sofrer, nas novas edições, cortes e correções: “Cortar é mais importante e difícil do que acrescentar. Da quarta para quinta edição fiz mais de 500 modificações.”

As vendas do romance aumentaram muito após a apresentação da novela pela T.V. Rede Globo, conforme a comprovação pelo bilhete enviado em dez de outubro de 1976 por Orígenes Lessa ao amigo Clóvis Pacheco que o publicou, mais tarde, no jornal de São Carlos de nome A Tribuna: “Clóvis, com a novela na T.V. Globo, saíram cinco edições sucessivas num total de 88.000 exemplares. Valeu o risco… Um abraço do Orígenes.”

Contudo, a obra já havia sido lida por muitas pessoas e editadas várias vezes, antes mesmo do sucesso na televisão, o que mostra que não foi a obra televisiva que favoreceu a literatura, uma vez que esta já havia conquistado seu espaço por si própria, pois uma obra sem sucesso não seria adaptada para a televisão. Ao ser adaptado, o romance sofreu muitas alterações e Lessa nem quis ler o script antes de ir ao ar. Apenas acompanhou a reação do público que consumiu, só das Edições de Ouro, mais de 80 mil exemplares.

No ano de 1988, O feijão e o sonho foi traduzido para o Braille. Porém, com tanto sucesso obtido pelo romance, Orígenes Lessa se viu descontente com sua repercussão no meio infanto-juvenil com o qual, talvez, o enredo se identificasse, o que favoreceu a leitura, mas a contragosto de Lessa que via no romance uma leitura destinada a um público mais amadurecido, fugindo por muito tempo de um encontro direto com as crianças e adolescentes, quando convidado para dar palestras nas escolas.

Lessa afirmava não ser O feijão e o sonho sua obra preferida, embora fosse a do público. Dizia gostar mais de Rua do Sol editado em 1955,que trazia lembranças de sua infância e de Evangelho de Lázaro editado em 1972,que tinha muita relação com suas crises existenciais. Mas, sendo este o primeiro romance do autor, ficou evidente, seguindo o sucesso com seus livros de contos O escritor proibido editado em 1929 e Passa-três editado em 1935, a qualidade de romancista e “senhor da carpintaria do romance”, devido à habilidade no trato com as palavras e na construção de textos, o que lhe conferiu valor como escritor de literatura.

Por todo este vasto trabalho no campo da escrita, Orígenes Lessa foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras no dia nove de julho de 1981 e, para encerrarmos estes apontamentos, voltemos às palavras de Josué Montello que termina seu artigo sobre Orígenes Lessa dizendo:

Todos nós temos duas datas para o ponto de partida de nossa biografia: a do dia em que nos puseram no berço, aos gritos, e a do dia em que tomamos conhecimento da vida e do mundo. A primeira é a que efetivamente conta para a banalidade usual de nossa cronologia; a segunda, mais importante para o ser humano, é aquela em que nos inserimos na vida consciente, começando a recolher as impressões lúcidas e indeléveis que nos acompanharão por toda a existência e com as quais criamos o nosso próprio mundo.

A data de partida da biografia de Orígenes Lessa, além da primeira, a de seu nascimento, aquela que os anos se encarregaram de levar, é, também, a de sua primeira escrita, que começou aos seis anos com o seu provável primeiro livro, A bola, momento a partir do qual Lessa foi despertado para a arte literária e não parou mais, despertando em nós, seus leitores, o prazer pela literatura, pela arte e a consciência da vida.

Fonte:
Adriana Maria Toniolo Jacon. trecho de Dissertação de Mestrado apresentada à Unesp-Assis, em julho de 1999, ORÍGENES LESSA: A LETRA E O SONHO. Disponível em
http://www.lencoispaulista.sp.gov.br/bmol/CURIOSIDADES/_AS_VARIAS_FACES_DA_ESCRITURA_/_as_varias_faces_da_escritura_.html

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Artigos, Dissertação de Mestrado