Arquivo da categoria: Fábula

Kátia Canton (A Abelha Chocolateira)

(Fábula com idéia de João Roberto Monteiro da Silva, 7 anos)

Era uma vez uma abelha que não sabia fazer mel. 

– Mas você é uma operária! – gritava a rainha – Tem que aprender.

Na colméia havia umas 50 mil abelhas e Anita era a única com esse problema. Ela se esforçava muito, muito mesmo. Mas nada de mel…

Todos os dias, bem cedinho, saía atrás das flores de laranjeira, que ficavam nas árvores espalhadas pelo pomar. Com sua língua comprida, ela lambia as flores e levava seu néctar na boca. O corpinho miúdo ficava cheio de pólen, que ela carregava e largava, de flor em flor, de árvore em árvore.

Anita fazia tudo direitinho. Chegava à colméia carregada de néctar para produzir o mais gostoso e esperado mel e nada! Mas um dia ela chegou em casa e de sua língua saiu algo muito escuro. 

– Que mel mais espesso e marrom… – gritaram suas colegas operárias.

– Iac, que nojo! – esbravejaram os zangões. 

Todo mundo sabe que os zangões se zangam à toa, mas aquela história estava ficando feia demais. Em vez de mel, Anita estava produzindo algo doce, mas muito estranho.

– Ela deve ser expulsa da colméia! – gritavam os zangões. 

– É horrorosa, um desgosto para a raça! – diziam outros ainda.

Todas as abelhas começaram a zumbir e a zombar da pobre Anita. A única que ficou ao lado dela foi Beatriz, uma abelha mais velha e sábia.

Um belo dia, um menino viu aquele mel escuro e grosso sobre as plantas próximas da colméia, que Anita tinha rejeitado de vergonha. Passou o dedo, experimentou e, surpreso, disse: 

– Que delícia. Esse é o mais saboroso chocolate que eu já provei na vida!

– Chocolate? Alguém disse chocolate? – indagou a rainha, que sabia que o chocolate vinha de uma fruta, o cacau, e não de uma abelha. 

Era mesmo um tipo de chocolate diferente, original, animal, feito pela abelha Anita, ora essa, por que não…

Nesse momento, Anita, que ouvia tudo, esboçou um tímido sorriso. Beatriz, que também estava ali, deu-lhe uma piscadela, indicando que tinha tido uma idéia brilhante.

No dia seguinte, lá se foram Anita e Beatriz iniciar uma parceria incrível: fundaram uma fábrica de pão de mel, juntando o talento das duas para produzir uma deliciosa combinação de mel com chocolate.

Moral da história: as diferenças e riquezas pessoais, que existem em cada um de nós, são singulares e devem ser respeitadas. 

Fonte:
Revista Nova Escola: Contos
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Fábula

Olivaldo Junior (O Nascer do Girassol)

Quando Ele fez o mundo, também fez o girassol. Girassol, no começo de tudo, era a flor como a conhecemos hoje. Mas nunca se voltava para cima. Ele tinha medo! O Sol (assim mesmo, em letra maiúscula) era o que dava medo no pobre e cabisbaixo girassol, que nunca (nunca!) olhava para o céu.
Até que um dia, como se isso fosse muito importante, pousou um pássaro no arbusto ao lado de onde estava o primeiro girassol que foi criado. A beleza daquele pássaro atiçou a curiosidade da flor, que, encabulada, contemplava apenas de banda o que aquela ave tinha de belo. Era o pássaro dela.
Passou um vento, e, com ele, um bando de outras aves, iguais àquela que havia pousado tão perto daquela flor. A esperança de amizade estava prestes a partir. O girassol, num gesto tênue, pouco a pouco se virou para ver aonde iria seu amigo passarinho. Foi quando viu o Sol. Grande, quente, imponente e gritante Sol! Não se lembrou do pássaro. Encantou-se pela luz solar, sem poder deixar de olhá-la, nem um minuto a menos sequer. Nascia, enfim, o girassol.
Fonte:
O Autor

Deixe um comentário

Arquivado em Fábula

Olivaldo Junior (A Flor, a Vaidade e os Vagalumes)

À noite, os poetas mortos me visitam, e eu fico mais vivo.
Olivaldo Junior

Era uma vez uma flor que se achava a mais bela de todas as flores do mundo. Não era uma rosa, sequer flor-de-lis, era uma flor sem estirpe. Mas se achava mesmo a melhor, sem páreo nenhum nos solos da vida. A vida, para flor tão vaidosa, era uma brisa constante, sem chance de enraizamento. A flor e a vaidade não fazem par. O par das flores deve ser a humildade, com sua parte obediente, sempre a servir-nos.

Foi que um dia passou um homem e colheu aquela flor tão sem jeito. Desesperada, pois sabia que morreria poucas horas depois, tentou agarrar-se ao caule enquanto algumas formiguinhas se esforçavam por desprendê-la depressa, cravando os “dentinhos” na haste. Uma alegre borboleta, bem vermelha, acenava para a flor, coitada, distante das outras, no meio daquela estrada onde passavam muitos viajantes.

Socada no embornal de um caipira, a pobre e vaidosa flor, talvez uma flor-do-campo, não sei, pôs-se a verter a seiva mais triste de que era dona. O homem, um lavrador a mais nessa Terra, pensava no quanto a esposa o beijaria quando dele recebesse o presentinho que havia colhido à margem da estrada. O mundo é mesmo mágico. Aquele homem, com a flor no embornal de estopa, sobre o cavalo de sela mais nobre do sítio, sentiu que alguma coisa se mexia no saquinho em que pusera a flor. Não queria parar, mas foi forçado pela situação. Fazia o sol das seis e pouco da tarde.

O lavrador, num gesto abrupto, mexia no embornal e logo sentira um leve choque na ponta dos dedos. Assustado, como quem faz “arte”, deixou cair o embornal e, de dentro dele, uma porção de vagalumes ganhara o ar, voara longe, para o céu. As outras flores da estrada, sem nada entenderem, alvoroçaram-se todas, e uma delas desprendeu tanto aroma que ficou conhecida como dama da noite, de tão cheirosa que esteve. O pobre homem, ainda espantado, montou num átimo e saiu logo a galope.

Ainda se veem, nas noites da mata, no meio do mato, a réstia de flores vaidosas que se chamam vagalumes. Você sabia dessa? O gesto vaidoso de uma simples florzinha fez nascer a quimera de luzinhas que voam, vagalumes, luz-esperança.

Moji Guaçu, SP, trinta de agosto de 2012.
Fonte:
O Autor

Deixe um comentário

Arquivado em Estado de São Paulo, Fábula, Moji-Guaçu