Arquivo da categoria: Folclore Persa

Folclore Persa (A donzela que era irmã de sete gênios)

Era uma vez, no alto de uma montanha, no antigo Irã, que morava uma donzela que foi adotada por sete gênios que a encontraram na floresta, enquanto caçavam. Levaram-na ao castelo onde viviam e ali foi criada por uma velha ama até fazer 17 anos.

Era o dia de seu décimo sétimo aniversário, e estava tão formosa como a mais adorável princesa da terra. Nesse dia, ao olhar pela janela, viu alguém se aproximando pela pequena estrada que conduzia ao castelo.

Ama! ama! Que coisa é essa que vem subindo pela colina em direção ao castelo? Nunca vi nada parecido em toda minha vida.

– Senhorita Fátima! – gritou a criada, que era uma mulher horrorosa, com uma verruga na cara – Afaste-se da janela. Isso que estás vendo é um ser humano e não deves falar com ele porque teus sete irmãos ficariam furiosos.

– Bobagem ama! – disse Fátima, que era bastante decidida e gostava de fazer coisas à sua maneira. Vou abrir a janela e o chamarei, pois parece cansado. Tenho certeza de que está perdido e faminto.

A criada começou a falar e falar, mas Fátima não lhe prestou a menor atenção e, abrindo a janela, chamou o viajante com melodiosa voz:

Entre no castelo ser humano para que possa descansar e recuperar forças comendo e bebendo algo. Estou só, pois meus irmãos estarão todo o dia caçando.

O estrangeiro era um príncipe chamado Nureddin, que havia perdido seu cavalo ao passear pelas redondezas. Nureddin não pode evitar maravilhar-se com aquela formosa jovem que o convidava do alto do castelo. A criada abriu as portas e, meia hora depois, Nureddin se encontrava sentado com Fátima comendo uvas, queijo e delicioso pão.

Fátima estava encantada com o jovem. Fez centenas de perguntas e ele falou do mundo que havia além do castelo.

Preciso conhecer essas maravilhas – disse ela. Ah… se meus irmãos desejassem partir…!.
De nenhuma forma, jovem ama Fátima – repreendeu a criada que os servia – A senhorita sabe que meus senhores nunca a deixarão partir do castelo, pois eles são muito zelosos e dariam morte a este humano se o virem aqui.

Então eu mesma descobrirei a maneira de fugir do castelo – declarou Fátima. Assim verei as maravilhas do mundo descritas por este jovem.

O príncipe não cabia em si de felicidade e prometeu a Fátima que a levaria ao reino tão pronto tivesse descansado. Porém, antes que Fátima pudesse dizer algo, foram ouvidos gritos que vinham da entrada e latidos de cães, mesclados a relinchos de cavalos.

– Oh, ser humano! – gritou a criada -. Esconda-se nesta arca pois meus senhores voltaram e te farão em pedaços no momento que te virem.

Ainda que ela fosse um gênio e também detestasse os humanos, sabia que a sua jovem ama havia gostado do jovem e por isso queria ajudá-lo.

Imediatamente o príncipe entrou na arca e Fátima o fechou com mão nervosa. Apenas tinha se escondido, a porta se abriu e os sete irromperam na sala.

– Irmã Fátima! Irmã Fátima, que temos para comer? – vociferou um deles, dando inicio a um monumental barulho de vozes e risadas, enquanto tiravam suas enormes botas. Fátima e a criada ajudaram, nervosas, a tirarem os casacos de pele.

– Ama, traga vinho. Estamos ardendo de sede!.

A velha saiu apressada para cumprir a ordem.

De repente os gênios, um depois do outro, começaram a fungar com seus enormes narizes e gritaram enfurecidos:

– Um homem, um homem! sinto o cheiro de um homem!.

Fátima ficou pálida e seu coração bateu violentamente. Dentro da arca o príncipe se moveu e se cobriu com roupas para não ser descoberto.

– Alguém esteve aqui irmã Fátima, onde está?-. Todos os gênios se levantaram e começaram a gritar furiosos. Iniciaram uma febril busca de um quarto a outro, abrindo todas as portas, cheirando e bufando como bestas selvagens.

Estavam tão excitados que não lhes ocorreu, num primeiro momento, olhar a arca e Fátima, aproveitando que estavam noutra sala do castelo, castelo, ajudou o príncipe a sair.

– Depressa, depressa, vou mostrar-te um caminho secreto para sair do castelo. Se não foges, meus irmãos te farão em pedaços!

A noite estava caindo e se ouvia os gênios enfurecidos, verificando sala por sala de todo o castelo. Fátima começou a sentir medo. Os dois correram de mãos dadas em direção ao fogão e ali ela o ajudou a entrar na chaminé.

-Vem comigo Fátima!, vou te libertar deste terrível lugar – sussurrou o príncipe -. Ela assentiu silenciosamente. Assim subiram pelas pedras da chaminé, até que finalmente os recebeu uma noite carregada de estrelas.

– Onde estão os cavalos? – perguntou o príncipe com tom de urgência. Fátima o conduziu ao estábulo. Silenciosamente, como duas sombras, eles deslizaram por detrás do castelo.

Os criados das cavalariças repartiam os dinheiros dos roubos do dia e não viram como um par dos melhores alazões eram retirados por Nureddin.

Quando estavam montados, o barulho dentro do castelo aumentou e os sete gênios viram, à luz da lua, como fugiam os dois jovens, galopando através dos enormes portões de entrada.

– Atrás deles! – rugiu o mais velho – vamos trazê-los vivos e os assaremos como duas galinhas!.

Os cavalos galoparam como o vento, montanha abaixo, como animais encantados que eram. Contudo, logo, vieram os sete gênios montando cavalos igualmente ligeiros e fortes.

– Fátima volta. Perdoamos, porém deixa-nos matar este humano!

A jovem, assustada, podia ouvi-los gritando e sabia que não passaria muito tempo até que os irmãos a alcançassem. Então ela revistou seu bolso e encontrou uma semente mágica, e a lançou por cima de seu ombro esquerdo. No mesmo instante, uma enorme planície de espinhos surgiu entre os gênios e os fugitivos.

Os cavalos dos gênios não puderam correr como antes, pois os espinheiros se enroscavam em suas patas e os atrasavam, mas ao cabo de meia hora já estavam em seu encalço e Nureddin perguntou:

– Fátima! que vamos fazer? Temos que detê-los pois estamos ainda a meio caminho do reino de meu pai, no qual chegaremos ao amanhecer, se os gênios não nos alcançarem.

– Não tenhas medo! – disse Fátima com bravura, e buscando mais uma vez dentro de seu bolso – creio que posso fazer algo -. E lançou por cima de seu ombro esquerdo uma pinha. Imediatamente surgiu um incrível bosque de árvores e os fugitivos puderam galopar sem ser vistos.

Os intrépidos animais os levaram cada vez mais próximos às terras do príncipe. Fátima, com os cabelos flutuando ao vento, começava a sentir-se a salvo quando o príncipe olhou para trás e gritou:

-Ah! Nos alcançam de novo. Nos apanharão dentro em pouco a menos que algo os detenha.

Fátima buscou em seu bolso, e já caía em desespero quando seus dedos se fecharam sobre um grão de sal. Jogou-se para trás e imediatamente um espumoso mar surgiu detrás dos cascos de seu cavalo e nele caíram os gênios e seus cavalos afogando-se, pois os gênios não nadam bem em água salgada.

Fátima e Nureddin cavalgaram um pouco mais e quando o dia estava nascendo chegaram à bela cidade de Nashapur.

Ali o palácio real brilhava com esplendor de ouro e turquesa, com pavões nas alamedas do jardim exibindo cheios de pompa suas esplêndidas plumas.

Então os soldados das muralhas, vendo o príncipe se aproximar, fizeram soar as trombetas de prata incrustadas de raras pedras preciosas.

Fátima foi recebida como uma princesa, e casou-se com o príncipe numa esplêndida festa que durou sete dias e sete noites.

Os cavalos encantados que os levaram até ali desapareceram quando a lua estava cheia. Eles sabiam que sua jovem ama era, apesar de tudo, um ser humano, e preferiam viver a serviço dos gênios, pois esta é a lei mágica estabelecida quando o mundo começou através de Salomão, rei dos magos e das bestas encantadas, sobre quem seja a paz.

Fontes:
http://victorian.fortunecity.com/postmodern/135/
Imagem =
http://www.eaken.net

Deixe um comentário

Arquivado em Folclore Persa