Arquivo da categoria: Goiás

Afonso Felix de Sousa / GO (As Engrenagens do Belo)

Afonso Félix de Sousa (GO)

dedicado a Rosário Fusco

I

Se a seta da beleza nos acerta
e em êxtase pairamos de repente,
Que mão ou que inefável nos desperta
da vida e sua lógica inclemente?

Cada manhã o mesmo sol nos cobre
e sempre o mesmo é o ar de que vivemos.
A alma se encolhe, cada vez mais pobre.
A boca, já nem sabe o que comemos.

Olhamos no jardim flores murchando
e no pomar nem nos importam frutos.
As horas morrem, nem sabemos quando.

Rendemos (e a que reis!) honra e tributos.
De súbito de nós nos ressurgimos:
O belo vem do sol do que já vimos.

II

O belo vem do sol do que já vimos,
em nós e sobre nós mantendo acesa
nossa alma a equilibrar-se em seus arrimos
de formas e quinhões da natureza.

Do núcleo desse sol descem imagens,
que expostas frente a nós e contrapostas
uma a outra desdobram-se em paisagens
de angras ou de vergéis, de céus, de encostas…

Imersos, a seguir esse cortejo
de imagens ora claras, ora em fumo,
no fim já nem sabemos a que ensejo

bebemos da emoção em febre o sumo.
E o belo vindo a nós como em sigilo,
Sentímo-lo, mas como transmiti-lo?

III

Sentímo-lo, mas como transmiti-lo,
esse frêmito, a alguém, se é regra termos
também ao ver e ouvir um nosso estilo
e projetarmos sombras de ilhas, de ermos?

Tanta coisa em comum: instintos, fala.
Vamos, um de outro, cada vez mais perto,
e ao nos calarmos, do silêncio exala
o hálito de quem prega no deserto.

Quão próximos um do outro, e quão distantes,
no abraçar, quão pouco o abraço abarca.
Tudo como se em grei de semelhantes

Cada um levasse à fronte a própria marca.
E mesmo o nosso ser, se o descobrimos,
Pisamos ora abismos, ora cimos.

IV

Pisamos ora abismos, ora cimos,
por mantermos nos pés pássaros tontos.
Um passo a mais – se não nos sucumbimos,
já o próximo hesita entre dois pontos.

Um pé pisando o sonho e o outro o provável,
do que há de vir adiante nos perdemos.
O mar convida com seu dorso instável
a singrá-lo, e ilusões são nossos remos.

Se subimos, aguardam-nos descidas
e o chão pode fugir aos nossos passos.
Descemos, o horizonte são subidas,

e no alto nos esmagam os espaços.
Mundo belo e falaz… Ao vê-lo e ouvi-lo,
o olhar, ora é inquieto, ora tranqüilo.

V

O olhar, ora é inquieto, ora tranqüilo,
que os olhos, nesse câmbio ou livre jogo,
sem nunca se deter nisto ou naquilo,
têm no seu centro essências de água e fogo.

Se eles fechamos, salta do invisível
e seus porões de adormecidas brasas,
um território a erguer-se ao plano, ao nível
daquele a que se vai com nossas asas.

E o invisível, no que será o centro
de nós, se mostra em formas, cenas, vultos
girando num caleidoscópio dentro

de nós, em planos claros, bem que ocultos.
Mas do que vemos e é por nós aceito,
pouco nos toca o inédito e o perfeito.

VI

Pouco nos toca o inédito e o perfeito
quando o que é novo é por si só o novo
sem ter com que ferir-nos a alma e o peito,
sem o pulsar de um túmulo ou de um ovo.

E o que é perfeito é como o fruto exausto
que cai da árvore mais do que maduro,
a si mesmo se dando em holocausto
por se bastar no seu esmero puro.

Mas nós, trazendo às costas nossa história
de erros a gerar erros; nós, expulsos
do Paraíso, nós somos a memória

de árduas jornadas, com grilhões nos pulsos.
E o perfeito não é da alma repasto,
se a perfeição se erige em templo gasto.

VII

Se a perfeição se erige em templo gasto
(gasto – que não se pense em tempo, danos –
gasto por nada mais dizer no vasto
domínio em que se erguera um dia, há anos),

acaba por cansar-nos… É que ilude
um céu de muito azul, onde encontramos
por instantes o gozo, a plenitude,
e em pouco mais, são outros os reclamos

do coração saciado. Que a nós venha
um outro céu de nuvens e tristezas,
e assim de nossas almas o céu tenha

as cismas e a linguagem a ele presas.
O antes não visto em nós não faz efeito,
se o inédito a si mesmo está sujeito.

VIII

Se o inédito a si mesmo está sujeito
e surge qual de planta sem raízes,
traz todos os sinais do que foi feito
e não do que se criou, nos seus matizes.

Terá do belo o tom, e até o canto
de música ritmada em sons forjados,
que ouvimos como a ouvir um contracanto
de pássaros sutis, mas ensinados.

Terá do belo a plástica, o contorno,
e nuanças de paisagens longe, belas,
a fazer-nos erguer um olhar morno

de quem olha miragens sem crer nelas.
Far-se-á do sonho lúbrico, mas casto,
além de ser a sua sombra e rasto.

IX

Além de ser a sua sombra e rasto,
tem de Narciso a converter-se em templo
de si mesmo, quem faz de espelho e pasto
o próprio ser e a si tem como exemplo.

O travo solitário, o de um eunuco,
sobre seu peito é vácuo, é tédio, é peso.
Da vida o que ele extrai é neutro suco
De acre ou nenhum sabor a que vai preso,

E seus passos, seus passos indo em torno
de si mesmo, ressoam no vazio.
Se ama, mesmo no amor o ardor é morno;

se abre-se em flor, é flor de hálito frio.
E a nós, de alma votada ao que é complexo,
pouco nos toca a rosa com seu nexo.

X

Pouco nos toca a rosa com seu nexo
se as pétalas não têm por alma gêmea
o viço das auroras e, em anexo,
as vibrações da pele de uma fêmea.

O que há por trás da rosa – a carnadura,
a seiva e os tons de arco-íris seqüestrados –
é que a mergulha em favos de doçura
e vida lhe insinua aos rendilhados.

Um corpo de mulher, se nele vemos
tantas formas captadas à beleza,
não baste o culto a esses dons supremos

de Deus-Consolação á natureza.
Nele busquemos mais que a aura vazia
de pétalas e cor em harmonia.

XI

De pétalas e cor em harmonia
forma-se a rosa, e nela o odor e a essência
são porções da peçonha em que se cria
já no contorno o breve da existência.

Um corpo de mulher, na área do busto
enroscam-se nos ombros, nas axilas
e entre os seios, serpentes que sem susto
seguimos, como ao charme das pupilas.

Que seus caminhos levem-nos ao ventre
e o silvo agudo ao deslizar no bosque
da redenção, ao fim do qual se adentre

o que em nós é serpente – e ali se enrosque.
Que ali se sagra o amor, mas desconexo
se não traz de outras rosas o reflexo.

XII

Se não traz de outras rosas o reflexo,
que pode a rosa dar de estrume ao homem?
Pensemos em Adão no Éden, perplexo
ante flores que os dias não consomem.

Rosa, rosa do sexo, as suas garras
de ventosas e céus de êxtase plenos,
movendo o homem prende-o nas amarras
de um barco que fundeou na onda de Vênus

– onda em que surge a súmula do belo
e onde ressoa o canto das sereias.
Dessas amarras parte o fio ou elo

de luz que vem buscar as nossas veias.
Rosa, rosa do amor, o amor esfria
se ela não se abre em rosas de outro dia.

XIII

Se ela não se abre em rosas de outro dia
seu existir efêmero é a morte
e nem ao neutro sol da geometria
o que a faz bela não terá suporte.

Falam-nos vozes, vozes do passado;
de quanto amamos queima-nos o fogo;
o coração no peito, aprisionado,
de baque a baque enfrenta a vida, ao jogo

em que se apraz, de impulso contra impulso.
A sermos nós, nós somos o que fomos,
embora pulse em nós um ser avulso

a dar ao nosso ser proibidos pomos.
Cegos podemos ver, surdos ouvimos,
se a tudo cobre o sol do que sentimos.

XIV

Se a tudo cobre o sol do que sentimos,
chegamos mesmo à zona mais sombria
que há em nós, e por nossa, compartimos
em formas, cores, música, poesia.

Cecília a sussurrar seu eu profundo,
Vinicius em seresta ao próprio enterro,
Drummond domando a máquina do mundo,
Darcy buscando em seus acertos o erro.

E assim nos vemos, deslumbrados, bobos,
frente a um Goeldi, Guinard, Santa, Pancetti
ou Portinari; ou quando Villa-Lobos

os sons imersos no seu ser repete.
Se a tudo cobre o sol e ao sol seguimos,
o belo está no belo que já vimos.

XV

O belo vem do sol do que já vimos.
Sentímo-lo, mas como transmiti-lo?
Pisamos ora abismos, ora cimos.
O olhar, ora é inquieto, ora tranqüilo.

Pouco nos toca o inédito e o perfeito,
se a perfeição se erige em templo gasto,
se o inédito a si mesmo está sujeito
além de ser a sua sombra e rasto.

Pouco nos toca a rosa com seu nexo
de pétalas e cor em harmonia,
se não traz de outras rosas o reflexo,

se ela não se abre em rosas de outro dia.
Se a tudo cobre o sol do que sentimos,
o belo está no belo que já vimos.

Fonte:
Coroas de Sonetos.

1 comentário

Arquivado em Goiás, poema.

II Encontro Nacional de Escritores e Poetas em Caçu (21 e 22 de abril)


Tenho o prazer de convidá-lo para participar das atividades do II Encontro Nacional de Escritores e Poetas em Caçu dias 21 e 22 próximos (sábado e domingo), observando-se a seguinte programação:

I – Sábado, dia 21, às 19 horas:

– Confraternização dos escritores visitantes na Pizzaria Birosk, à Praça Joaquim Rodrigues, ao lado do Colégio Municipal. O fato marcará o décimo aniversário da Alesg-Academia de Letras do Extremo Sudoeste de Goiás;

II – Domingo, dia 22, às 8h:

– Visita e leitura de poemas da Árvore da Poesia do Lago, ao lado do conjunto Arco Iris;

III – Domingo, 22, em seguida à visita à Ávore da Poesia do Lago:

– Deslocamento para o Centro Cultural Rozenda Cândida Guimarães, para a visitação à exposição de artes plásticas (óleo sobre tela e retratos em grafite), obras de artistas cassuenses;

IV – Domingo, em continuidade à visitação à Galeria de Artes, no auditório do Centro Cultural:

– Momento de integração cultural dos participantes de Cassu com os convidados visitantes, incluindo a apresentação de números artísticos musicais e literários;

V – Domingo, 22, às 15h, no auditório do Centro Cultural:

– Solenidade de instalação da Governadoria da Associação Internacional de Poetas Del Mundo em Goiás, com posse da primeira diretoria.

A solenidade será dirigida pela presidente da Associação Internacional de Poetas Del Mundo, Delasnieve Daspet.

Na oportunidade haverá comunicações oficiais de interesse literário aos Poetas Del Mundo e comunidade em geral e serão prestadas algumas homenagens a personalidades benfeitoras da cultura em geral e da literatura em particular;

VI – Domingo, 22, às 18 horas:

– Deslocamento dos escritores e poetas para a cidade de Itarumã, saída do comboio da Praça Bianor Vicente de Souza, de frente para o Banco do Brasil e Câmara Municipal.

Para os escritores que preferirem, haverá um ônibus da Prefeitura de Cassu à disposição para conduzirem os escritores de ida para Itarumã e de regresso para Cassu;

VII – Domingo, dia 22, às 19h, em Itarumã:

– Solenidade de instalação da ALB, com diplomação e posse de novos acadêmicos de cidades goianas e de outros Estados do Brasil, já confirmados Mato Grosso do Sul, São Paulo e Minas Gerais.

– A solenidade será dirigida pelo presidente nacional da ALB, Prof. Dr. Mário Lopes Carabajal;

– Solenidade de instalação da Aloita-Academia de Letras e Ofícios de Itarumã, com diplomação e posse;

– Ao final da solenidade, retorno da Caravana de Cassu;

VIII – Segunda feira, dia 23, às 9h, em Aparecida do Rio Doce:

– Na Câmara Municipal, solenidade de instalação da ALB, com diplomação e posse de acadêmicos de Aparecida do Rio Doce;

– Solenidade de instalação da Aloard-Academia de Letras e Ofícios de Aparecida do Rio Doce.

José Faria Nunes
Presidente Estadual da Academia de Letras do Brasil/ Goiás

Deixe um comentário

Arquivado em Encontro Literário, Goiás, Notícias Em Tempo

Gabriel Nascente (Caldeirão Poético: Goiás)


A NINFA DA AMÉRICA

À cidade de Goiânia, meu berço.

Aqui
é a terra de costas para o mar,
das alvas e vermelhas casuarinas
debruçadas sobre os muros.

Aqui é Goiânia:
levante dos Ludovico
& dos Caiado.
Flor-menina
da América,
noiva do porvir.

Aqui é Goiânia:
cidade-brinco dos postais,
poema-sonho dos gerais.

O verde é o seu tesouro.
O crepúsculo, o seu ouro.

O sol se despetala
o ano inteiro.

A primavera é o glamour
de suas auroras.

Terremoto de exóticas belezas
nas esquinas e nos shoppings
Em cada praça, um rastro de perfume
enlouquece os ares.

A paisagem é bêbada de verão.
(Chuva é valsa de lumes
nas pálpebras da terra).

Goiânia, meu chapéu de bronze
dos cerrados,
odisséia das enxadas,
filha das carabinas
e do boi.

Galante estrela do Oeste,
eu te saúdo
das fraldas do meu leito:
aboios da minha terra.

MAR: A MAGIA DO ABISMO

I

Voragem de vagas
nos olhos: o mar
batendo.
Frêmito de ondas,
bátega de águas.
Chicote de salinas
no casco dos veleiros.
(Do tumulto dessas águas
já fui velho passageiro!)

II
Pela montanha (escarpa acima),
espíritos ruminam, indigestos.
Cheiro de formol nas narinas,
o mar batendo: tanque de monstros,
fantasmas de alumínio!

III
Sacudi as ancas na areia,
fui ao cinema com uns versos de
Petrarca na língua.
e a musa Nereida
dos arrecifes,
legislava (inobre e
sonora)
a fuga
das gaivotas.

AS FUGAS DO FUGAZ

É breve a pomba no bico da torre.
é breve a nuvem – o breve choro da
guitarra.

A paz
do conchoso rio,
de orlas cor de estanho.

É breve este sol nos juncos.
É breve a sombra atrás da casa,
no dorso das formigas.
a pálida flor,
carcomida.

A hora (de tão lenta),
também despenca.

Aqui
coloco minha pedra: sou breve.
E venho das turbas periféricas,
cheio de vascas e de mágoas,
à flor dos logos.

Reticência…
eu grifo os fados do mal fado. Oro,
e não me orno.

As donzelas eram breves.
Eram breves as goiabas.
Os dedos da natureza, a tarde,
nos fugines do breve – fúlmen

NO BEIRAL DE UM ADEUS ANÔNIMO

Do outro lado do meu nariz
está o morto. E o nariz do morto
engolindo bálsamo, tem cheiro
de velas danificadas.

O pávido pavio
derretia a luz:
o torso era
de cera.

E dançava, triste,
o lume da fumaça /
no cenho dos entes/
velando
a hora partida,
da vida ida?

O Sol ia chegando, com suas barbas
de prata,
na garupa de um bicicleteiro.

Pu, que lembrança mostodôntica.

Era o dia das mães.
—Ei moço, me dá essa rosa aí,
vestida de sangue!

A voz do bêbado
vibrava gongos.

E o morto,
encerrado na escuridão
de sua claridade,
ali, não (ou-via?) as pombas
no amanhecer,

nem a peleja dos garis
agarrados à varrição,

enquanto
lutuosos olhos
eram esfregados
pelos dedos da insônia,
fedendo a nicotina.

O VÔO DAS METÁFORAS

Havia um sol espatifado
entre as dores da ferragem.

Havia um picolezeiro
fabricando
vitrines de gelo.

Havia um strip-tease
de lua
na cabeça dos pára-raios.

E um tremor de caminhões
no bolo de aniversário

Havia um zumbir de abelhas
no cabo dos punhais.

E um navio encalhado
no coração das fragas.

Havia uma chuva
escondendo nuvens
dentro dos sapatos

Havia um rio que nunca
nadou entre as escamas.
E um adejo de pombos
na taça de Dionísio.

E um canivete de prata
no olho de Édipo.

E o haver do não-existir
havia.

Uma procissão de mortos
no ventre dos espelhos.

Um choro de piano
nas águas do
infinito.

AMARGO CANTO DA PRESENÇA

Estou sozinho, Drummond,
num país de oitenta
milhões de frustrados.

Nesta tarde de sexta,
23 de janeiro, dia tão vulgar,
confiro minhas rugas:
são vinte estigmas de sapo,
são vinte concílios de astros?
Não sei. Apenas permaneço fiel
à lucidez do compromisso:
o cão mais solitário
no final de cada rua
tem o rosto metafísico
assombrado deste mundo.

Estou sozinho, Drummond,
num planeta desonrado.

Nesta tarde de sexta
vejo a vida como um cágado:
prudente, sem desespero, ruga
agüentando quatrocentos anos de solidão
num casco espesso como chumbo.

O mundo está solto na rua,
vagabundo como demônio:
girando, girando,
crianças mofinas,
cartazes hediondos.

Estou sozinho, Drummond,
numa golada de uísque.

Uma palavra, um gesto:
a bomba está enxertada.

Nosso brinde na taverna
vale o troco-submundo:
pecados, beberrões,
putas & diplomatas.

Marilurde,
“quarenta horas de ternura”
na ação célere de um beijo.

Estou sozinho, Drummond,
à espera de um desastre.

TRÊS INDAGAÇÕES DOÍDAS DO VIVER

1.

Pai,
o quanto vale viver?
– Viver, meu filho,
tem sabor de azar
quando no tempo
a boca não come.
Tem gosto amargo
quando na véspera
apodrece o fruto.

– Viver, meu filho,
implica humildade
de um boi caminhando,
implica peso de sol
como ferramenta nos ombros,
implica alegria, gosto de menino,
pipoca rebentando, chuva.
Implica tudo, até solidariedade
de uma sombra no caminho.

– Viver, meu filho,
é a conjugação de um verbo
nos vários tempos de uma dor.

2.

Pai,
o quanto vale a vida?
– A vida, meu filho,
é como um rio querendo dormir
na retina de teus olhos:
um rio sexual, um rio imenso,

um rio com seus seios de barranco,
mais o sonho carnal de suas águas.
A vida como um rio.
A vida como um boi,
uma canoa, um remorso,
um remo quebrado,
um rio cheio de solidão,
um rio correndo para a noite
como se lá na frente
uma força puxasse
o silêncio de suas águas.

– A vida, meu filho,
é nada menos que a faísca desses sonhos.

3.

Pai,
o quanto vale a liberdade?
– A liberdade, meu filho,
é coisa difícil
que não se abraça,
é luz ardendo no peito,
é brasa queimando na mão.

A liberdade, meu filho,
é coisa só do vento.

MARCENEIRO

Irmão, que ofício é este
que o faz marceneiro,
se o serro te que ocupa
não faz mobília
pro mundo inteiro?

Peroba-rosa, angico
são matérias
de seu ofício?

Carne parida no chão, madeira:
enxó na mão. Que ofício, irmão,
de móveis e caixão?

O RIO É UMA FLAUTA

Ali é onde o rio
vai à forca.
O parto de suas águas
vem do oco das pedras.
E o rio, como um pulmão,
arma seus abismos
de vidas sem retorno.
O rio é estrela rolando
como o viver
é pesado e fundo e leve
na carne dos cardumes.

Manso como a sandália
ou a casca de uma fruta
o rio é ermo, espremido.
E suspira longo
num corredor de terra.
O mistério de suas águas
é tão leve como a cinza:
o rio é levado pelas asas
de outro rio.

Ninguém sabe
onde começa a história
desse rio:

se do barro ou do sangue,
se do anzol ou da pluma.

O rio é terra.
Logo é diamante
luzindo como a faca
e a morte.

Feito a fatia de uma maçã,
o rio cresce e lembra
a raiz do mar.

Suas águas eram verdes
como a laranja era verde.

Suas águas eram brandas
como a paina.
E doce como os lábios
de uma menina.
O rio já transbordou
pelos barrancos do sonho.
O rio outrora era lento
e viajava luas inteiras.

Já sem fôlego
o rio é pranto.
Já sem peixe
o rio é morte.

O rio vai jogar sua lama
no quintal do oceano.
Não é preciso medo.
O rio tem músculos:

a lua e o remo
o levam ao cortejo
das aves mortas.

O rio é um galo de escamas
na garganta de mil auroras.
Máquina movida
pelo óleo das chuvas.
A primavera abre o lençol das flores
no manso abismo de suas águas:
águas que dormem na panela
das assadas e do mundo.

Água no tanque
e no coração do homem.

Um brinquedo
que naufraga
entre as veias
do planeta,
o rio.

o rio se encalha
num oco de pedras: é turvo como a batalha
dos espermas.

A brisa sopra
a cabeleira do rio.
E no seio das águas
há um gesto de núpcias.

o rio tem jardins
subterrâneos
e sua voz
é um menino
bonito
como o coração
de uma flauta.

MOVIMENTOS DE UMA TARDE

A tarde se debruça sobre os ombros da cadeira.
Andorinha faz xixi no muro, ninguém aplaude.

o céu empurra seu quinhão de nuvens
para o sossego das varandas.

É caseiro esse fim de domingo
no olhar do povo, no perfil das árvores.

Maçã-de-amor, picolés, perfumes vagabundos:
o povo passeia livre dos onívoros da pátria.

E na varanda a folhagem (suprema lembrança
do verde) está suspensa:
será que o céu
lhe dá socorro?

Barão, o querençoso cão de casa,
entrevou-se na velhice e chora
como alguém de costas para a vida.

Deixe um comentário

Arquivado em Caldeirão de Poesias, Goiás

Gabriel Nascente (1950)


1950
23 de janeiro, nasce em Goiânia, Goiás, Gabriel José Nascente, quarto filho de Antônio Estrela Nascente e de Antônia Barbosa Nascente.

A infância do menino Bié foi literalmente vivida em contato com a rudeza operária da marcenaria do seu pai Tunico Nascente (Seu Tunico), erguida sobre rijos troncos de aroeira, à rua 75, nº 3, defronte à Escola Técnica Federal de Goiás, no antigo Bairro Popular, de Goiânia, onde funcionou ao longo dos anos 50. Ambiente propiciado ao fluxo de operários e estudantes, principalmente, onde o pequeno vate desenvolveu sua infância ao lado dos seus sete irmãos. Antônio Estrela Nascente pertenceu à saga de pioneiros da construção da nova capital goiana.

1956
Matriculado no Instituto Araguaia de Goiânia, aos seis anos de idade, onde fez o jardim da infância e o primário.

1958
Morre, prematuramente, aos 36 anos, seu pai Antônio Estrela Nascente, a 28 de dezembro, vítima da doença de Chagas, deixando numerosa prole (de oito filhos) e esposa na orfandade. A partir daí, com a morte do pai, o cérebro do então garoto se transforma numa caixa de tumulto, buscando aventuras arrojadas à sua tenra idade. Passa a dividir o tempo entre serviços braçais na marcenaria do seu tio José de Paula Nascente, e peraltices esdrúxulas, na infância.

1962
Aos doze anos fabricou, em estrutura de madeira revestida com lâminas de duratex, um submarino, o qual conduziu em carrinho de rolimã até às turvas águas do rio Meia Ponte — cachoeirinha da Usina do Jaó — local onde atirou o submersível às águas, com um colega a bordo: Joãozinho, que anos mais tarde se suicidara com fortes doses de formicida, às margens do córrego João Leite, em pleno matagal. Experiência essa que, por um fio, acabaria em tragédia, caso não aparecesse um pescador, no preciso momento em que o “aparelho” ganhava profundidade, levando ao afogamento seu piloto. O que, felizmente, ele voltou à tona, a salvo. Por causa disso, e também por outras travessuras de rebeldia na adolescência, o Bié da 75, foi alcunhado de cientista louco.

1963
Arquiteta (e lidera) uma fuga para a África, aos 13 anos de idade, comprando uma cartucheira de dois canos, calibre 22; arma que foi experimentada, à plena luz do dia, no brejo do bosque do Botafogo, coberto de folhagens, regos d’água e lama. Projeto que culminou com a prisão de alguns de seus integrantes (todos menores), e a fuga do seu líder, o poeta, para a vizinha cidade de Anápolis, escondido na carroceria de um caminhão, munido apenas de alguns livros escolares, um canivete, uma lanterna e alguns centavos em dinheiro.

1964
Aprovado nos exames de Admissão ao Ginásio Industrial da Escola Técnica Federal de Goiás – ETFG.

1965
Escreve seus primeiros poemas e torna-se companheiro de classe do poeta Aidenor Aires. Um ano mais tarde, o etefegeano reúne material suficiente para sua estréia literária, e publica o livro de poesias Os gatos, em 1966. Por paixão a tão louco projeto, o departamento pedagógico da ETFG o encaminhou ao consultório psiquiátrico do dr. Walter Massi. Diagnóstico: a doença era mesmo a poesia. Inscreve-se numa corrida de bicicleta (categoria adulto) e chega vitorioso ao pódium, aplaudido pela multidão de populares, no dia 24 de outubro, data consagrada ao aniversário de Goiânia. Não percebendo os acenos do fim da competição ciclística, o arrebatado atleta continuou correndo, sem se dar conta de que já era campeão.

1966
Sobe, pela primeira vez, ao palco da Escola Técnica Federal de Goiás e interpreta o poema Nordeste, de sua autoria. Apresentação que lhe rendeu calorosos aplausos. Naquele mesmo ano, vive o papel de vice-bruxo na peça teatral “A bruxinha que era boa”, de Maria Clara Machado, e mergulha na ficção de Franz Kafka, lendo-o apaixonadamente.

1967
11 de janeiro, lançamento do seu primeiro livro de poemas Os gatos, na antiga livraria Bazar Oió, de Goiânia, quando reuniu numerosas autoridades, intelectuais e amigos, autografando mais de uma centena de exemplares. Primeiras leituras da poesia de Augusto dos Anjos, Guerra Junqueira, Antero de Quintal e Edgar Alan Poe. Conhece o professor, poeta e crítico literário Domingos Félix de Souza, o qual, a partir daquele ano, lhe orienta no caminho das letras, ajudando-o pessoalmente a publicar seus livros. Também é deste ano a viagem que o jovem poeta empreendeu sozinho, ao Rio de Janeiro, onde se fez hóspede do renomado poeta brasileiro Moacyr Félix — outro guia intelectual de sua obra poética ao longo dos anos futuros. Com ambos os Félix, sedimentou fidedigna amizade, que perdura. Em dezembro, recebe o diploma de formando do Ginásio Industrial da ETFG.

1968
Entra pela primeira vez na redação de um jornal, o semanário Cinco de Março, onde conhece e trava amizade com o jornalista Batista Custódio e tantos outros da linha de combate às atrocidades militares deflagradas contra a liberdade de imprensa em todo o país, durante o período da recessão imposto pelo Golpe de 64. Naquele ambiente de jornal impresso à base de linotipo, o poeta estreante aprende, na prática, suas primeiras noções de jornalismo. Tenta adaptar para o teatro o texto da novela A metamorfose, de Franz Kafka. Já enturmado à equipe de redatores daquele jornal, ensaia seus primeiros passos de repórter, escrevendo textos e matérias.

1970
Conhece os editores Irmãos Oriente (Taylor e José Modesto, o Zezinho, ambos falecidos) e publica pela Ed. Oriente o livro Reflexões do conflito, poemas em parceria com o poeta Aidenor Aires. Nesse mesmo ano, sai pela Imprensa da Universidade Federal de Goiás, o livro, também de poesias, Menino de rua — composto nas oficinas do jornal Cinco de Março, e impresso com papel cedido pela Ed. Oriente. Em novembro, o poeta Carlos Drummond de Andrade aplaude retumbante, por carta, o aparecimento do livro Reflexões do conflito, onde, segundo ele, encontrou “a marca de uma personalidade poética intensamente mergulhada no drama do mundo contemporâneo”.

1971
Deixa Goiás, numa espécie de auto-exílio, na busca de novas perspectivas para os seus planos de vida transferindo-se para a grande São Paulo em companhia do poeta e jornalista Brasigóis Felício. Ali, após meses de penúria e desempregado, é recebido pelo poeta Menotti Del Picchia, da Academia Brasileira de Letras, que lhe arranja emprego na hoje extinta Livraria Martins Editora; tornando-se amigos. Escreve os poemas de Colméia de anônimos. Nos meses em que viveu (sobreviveu) na paulicéia desvairada, partiu para o corpo a corpo, vendendo pessoalmente seus livros na Feira Hippie da Praça da República bem como em restaurantes, choperias e boates, da populosa capital. Retorna à Goiânia, em caráter de visita, durante os festejos dezembrinos, e decide não mais voltar para São Paulo. Novamente desempregado, refugia-se numa fazenda às margens do rio Claro, no sudoeste goiano, onde se entrega desesperadamente à leitura das obras de Albert Camus.

1972
É publicado pela Editora Oriente, Viola do povo (Cadernos de Poesia I), com patrocínio do Centro dos Professores de Goiás. Obra, inclusive, lançada no Bar do Mercado Central de Goiânia, com pastel e chope para o povo. Meses depois, veio à tona, pela mesma editora, o livro A Escalada Poética de Gabriel Nascente – seleção de estudos sobre a poesia de GN, organizada pelo professor Manuel Jesus de Oliveira. A revista Hispano-Americana, em sua edição de nº 15, publica o poema Reminiscências da terra, de sua autoria, na seção Un Minuto para la Poesia.

1973
Sai, pela Livraria Martins Editora, de SP, capital, o livro Colméia de anônimos, com prefácio de Menotti Del Picchia. É eleito Patrono do Clube de Leitura do Centro de Formação de Professores Primários de Morrinhos-CFPP, pelos bolsistas daquele Centro. Indicado pela Secretaria de Educação e Cultura do Estado para representar Goiás no Primeiro Concurso Nacional de Poesia Falada, em Salvador-BA. E ali, no Teatro Castro Alves, interpreta o poema O dia do julgamento.

1974
Aparece a 1ª edição de Um balde cheio de flores pra Manuela não chorar, pela Editora Oriente. É homenageado pela Prefeitura de Goiânia, com o título de “Personalidade do Ano 74”. O jornal Rio Negro, o diário mais antigo e de maior circulação da Patagônia, General Roca, Argentina, de novembro de 1974, dedica meia página à poesia de Gabriel Nascente, com notas e traduções de Natalio Kisnerman. Conhece o poeta Vinícius de Moraes, em Goiânia, e o acompanha durante três dias, em sua digressão etílico-teatral. Entrevista o romancista Jorge Amado durante as filmagens de um documentário sobre sua obra, no Mercado Modelo de Salvador, cidade baixa. A convite do Cerimonial do Governo do Estado de Pernambuco, visita Recife, e tem como anfitrião o poeta Marcus Accioly. Foi chamado a integrar a comitiva que acompanhou um cônsul japonês, numa caçada de baleias pelos mares do nordeste. “Ora vejam: — noticiou o jornalista José Elias, em sua coluna Comunicações de O Popular, edição de 1º de dezembro de 1974 – nosso menino de rua, às voltas com os problemas existenciais, convocado a participar de aventura tão fantástica como a caça à baleia, em suntuosos barcos japoneses”.

1975
Sai, pela Pd. Araújo – Livaria e Editora Cultura Goiana, o livro Os passageiros, poemas. Atravessa o Mar del Plata em direção a Argentina, onde cumpre missão cultural no Centro de Estudos Brasileiros de Buenos Aires e vê uma seleção de poemas de sua autoria vertidos para o castelhano pelo professor e poeta Dilermando Rocha. Trabalho este que resultou na publicação do livro El llanto de la tierra, 24 anos depois, na cidade de Concepción, no Chile. Em Buenos Aires, o poeta frequenta a sede da Agrupación Gremial de Escritores Argentinos. Sua passagem pela capital portenha foi saudada em versos pelo autor de El agua mansa, Dilermando Rocha. De volta ao Brasil, é recebido pelo poeta Carlos Nejar, em Porto Alegre-RS, e tornam-se amigos. Visita o escritor Érico Veríssimo, em sua casa, para entrevista jornalística. Participa, à convite do professor e poeta Gilberto Mendonça Teles, em agosto, no Rio de Janeiro, da tradicional reunião sabática, do sorvete com bolachas, na biblioteca do escritor Plínio Doyle, onde conhece Carlos Drummond de Andrade, Juscelino Kubitschek, Mário da Silva Brito, Homero Homem, Alfonsus de Guimaraens Filho, dentre outros.

1976
Nasce a 17 de janeiro sua filha Vanessa Rodrigues de Almeida Nascente. Candidata-se à cadeira de número 14 da Academia Goiana de Letras, aos 26 anos, e provoca polêmica entre os intelectuais goianos, na imprensa. Apesar de obter apenas um único voto, tumultuou a candidatura do seu concorrente. É publicado nas páginas 21 e 22 da Antologia, das ediciones Figaro, ano IV, nº 5, de Buenos Aires, como único figurante da poesia brasileira.

1977
Inicia correspondências com o poeta Ronald Cláver, de Belo Horizonte, MG; e com ele publica Exilados do sol — um livreto, em duplex, artesanalmente confeccionado. O jornal O Globo, do Rio de Janeiro, em sua edição de 10 de junho, o chama de “um fenômeno literário”. Também o jornal O Aspep – Órgão da Associação dos Servidores Públicos do Estado da Paraíba, em sua edição de agosto, o trata como “um dos maiores fenômenos poéticos de Goiás”.

1978
Lança, em meio a móveis e eletrodomésticos, o livro A nova poesia em Goiás, antologia dos poetas goianos, editada pela Oriente. Nasce o seu filho Thiago Estrela Nascente. Viaja, em companhia do seu editor José Modesto Oriente, para João Pessoa, na PA, onde recebe da Academia Paraibana de Poesia o título de “Embaixador da Poesia Brasileira”.

1979
A revista Encontros com a Civilização Brasileira, número 13, da Editora Civilização Brasileira S/A, RJ, publica vários poemas seus. Lança a antologia dos poetas bissextos: Colheita (A Voz dos Inéditos), em edição da Unigraf.

1980
Publica, pela Editora Oriente, Pastoral, poemas, com prefácio de Moacyr Félix. É citado por Assis Brasil em O Livro de Ouro da Literatura Brasileira (400 Anos de História Literária), pág. 223, Grupo Ediouro / Editora Tecnoprint S.A., RJ.

1981
Sai, pela Civilização Brasileira – Massao Ohno / Editores, do Rio de Janeiro, Águas da meia ponte, também prefaciado por Moacyr Félix. Volume 48 da Coleção Poesia Hoje. Recebe o Troféu Tiokô, da União Brasileira de Escritores, Secção Goiás, como o autor que mais se destacou na área de literatura no ano de 1980. Entrevista, no Rio de Janeiro, os escritores Pedro Nava, José J. Veiga, Edilberto Coutinho e Moacyr Félix.

1982
Sai, pela Editora Civilização Brasileira S/A, RJ, Chão de espera, (segunda edição do livro Menino de rua, revisto e ampliado), volume 64 da Coleção Poesia Hoje, daquela editora. Conhece Maria D’Lourdes Silveira, com quem celebra união conjugal.

1984
Obtém premiação no I Concurso Nacional de Poesia Vinícius de Moraes para servidor público, e é publicado em antologia do referido certame, pela Editora Nova Fronteira. Recebe, ainda, o Troféu Júri Popular Vinícius de Moraes. Vence o Concurso Literário Cinquentenário de Goiânia, patrocinado pela Prefeitura. Concorre à presidência da União Brasileira de Escritores, liderando a chapa Combate; é derrotado.

1985
Crônica da manhã, poemas, é publicado pela Universidade Católica de Goiás.

1986
Aparece o seu primeiro livro de prosa, Um dia antes de mim, novela, publicado pela Universidade Católica de Goiás.

1987
Lança, pela Editora Líder, Madrugada nos muros, poemas. E ganha, pela segunda vez, o concurso de poesias promovido pela Prefeitura de Goiânia, no transcurso do aniversário da capital goiana. Conhece pessoalmente o líder do Partido Comunista Brasileiro, Luís Carlos Prestes.

1988
Publica Janelas da insônia, poemas, pela Editora O Popular. É eleito por aclamação o primeiro presidente-fundador do Conselho Municipal de Cultura, do qual ainda é membro. À convite do professor Ático Vilas Boas da Mota, empreende viagem à Macaúbas, no sertão da Bahia, onde é homenageado pela Fundação Cultural Professor Mota, ao lado do médico e artista plástico Getúlio P. Araújo. É selecionado pelo VII Prêmio Scortecci de Poesia e publicado na antologia Lauréis, volume IV, da João Scortecci Editora, São Paulo, 1989.

1989
A Editora Líder publica Trono de areia, poemas.

1990
Entrevista o poeta Ferreira Gullar.

1992
A Ediouro S/A, do Rio de Janeiro, publica Sentinelas do efêmero (Entrevistas Literárias). Participa da Antologia da Nova Poesia Brasileira, organizada por Olga Savary, Fundação Rio/Rio Arte, Editora Hipocampo. Distribui cerca de dez mil exemplares do livreto A valsa dos ratos, durante as eleições de 92, quando então disputou uma cadeira de vereador por Goiânia, e perdeu.

1993
A ponta do punhal, poemas, é publicado pelo Cerne/GO.

1994
Candidata-se à presidência da Associação Goiana de Imprensa-AGI, mas não chega a duelar o voto porque sua chapa não obteve registro.

1995
Sai, pela Fundação Cultural Pedro Ludovico / Cerne, Ventania, poemas. É antologiado, simultaneamente, por duas publicações de âmbito nacional: Poesia Sempre, revista semestral de poesia, ano 3, número 5, da Fundação Biblioteca Nacional / Departamento Nacional do Livro; e Sincretismo – A Poesia da Geração 60, com introdução e organização de Pedro Lyra. Fundação Cultural de Fortaleza / Fundação Rio Arte / Editora Topbooks, RJ. Lança, em caráter pioneiro em todo o país, a idéia de se publicar fragmentos de poesia, nas contracapas (parte interna) dos talões de cheques. O Banco do Estado de Goiás S/A aprovou e executou o projeto.

1996
É o primeiro goiano a ganhar o maior prêmio literário de poesia, de todo o país: o Prêmio Cruz e Souza de Literatura, da Fundação Catarinense de Cultura, Santa Catarina, com o livro de poemas A Lira da lida. Por esta premiação o poeta recebeu dez mil reais, mais a publicação da obra. E lança, pela Editora Kelps de Goiânia, Sandálias de pedra, uma incursão poética ao minimalismo.

1997
É premiado pelo concurso literário da Bolsa de Publicações Hugo de Carvalho Ramos, com o livro de poemas Os aventais da púrpura. Recebe 20 salários mínimos, mais a publicação da obra. E lança, pela Editora Kelps, Goiás, meio século de poesia, antologia de poetas goianos. Participa, com substanciosa colaboração, da antologia A poesia goiana no século XX, organizada por Assis Brasil, publicada pela Imago Editora, do Rio de Janeiro.

1998
Pela Editora Kelps, publica mais dois novos títulos: A cova dos leões, romance e O anjo em chamas, poema dramático sobre a vida e a obra de Arthur Rimbaud.

1999
Lança, pela Editora Kelps, A taça derramada, poemas. É publicado, em Concepción, no Chile, o livro El llanto de la tierra (Prantos da Terra), seleção de poemas traduzidos para o castelhano pelo também poeta Dilermando Rocha, do Centro de Estudos Brasileiros de Buenos Aires, na década de 1970. Em edição de Sérgio Ramón Fuentealba e Cecília Zuñiga Sanhuesa. Por iniciativa do ministro Elias Bufaiçal, a Federação do Comércio em Goiás o homenageia, lavrando em monumento de aço escovado um poema de sua autoria. E a Assembléia Legislativa do Estado de Goiás lhe outorga a Comenda Prof. Colemar Natal e Silva, e o Troféu Cora Coralina, pelo seu conjunto de obras.

2000
É aprovado pelo Conselho Editorial do Centro Editorial e Gráfico da Universidade Federal de Goiás-Cegraf, com o livro inédito de poemas Boa-noite, crepúsculo, o qual será publicado pela Coleção Vertentes daquela editora.

Vence o concurso literário da Bolsa de Publicações Cora Coralina, com o livro de poemas O pão selvagem (inédito), promovido anualmente pela Agência Goiana de Cultura Pedro Ludovico Teixeira. Também, neste mesmo ano, vence o concurso literário da Bolsa de Publicações Wilson Cavalcanti Nogueira, da prefeitura municipal de Pires do Rio, GO., com o livro inédito, A Dança do Relâmpago, poemas. “… os poemas de Gabriel Nascente, imprevistos e lucinantes, explodem como brados de protesto e irreverência. Uma espécie de Fernando Pessoa da quadra atômica, não raro pedestrenante demagogo, mas original, ingênuo, espontâneo e sempre artista”. Menotti del Picchia, 1973

“Sua poesia continua viva e atuante, e testemunho disto é Pastora, que recebi há pouco, e onde encontro muitas confirmações do seu engenho criador, sempre alerta diante da vida.” Carlos Drummond de Andrade, 1980

“Não se trata de um poeta de iniciação tribal. Neste sentido, aliás, é o poeta mais solitário de Goiás (“Eu sou/uma solidão/que anda”). Daí também a sua força produtiva: escreve para si, para a Poesia e para esse além de si que é o povo, na sua mais alta concepção antropológica da poesia”. Gilberto Mendonça Teles.

Fontes:
http://www.palavrarte.com/equipe/equipe_gnascente.htm
http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/goias/gabriel_nascente.html

Deixe um comentário

Arquivado em Biografia, Goiás

Yêda Schmaltz (Poesias Avulsas)

POEMA BISSEXTO
Aos nascidos em 29 de fevereiro

Num ano não bissexto
de meses absurdos
e de horas escritas,
o teu dia não existe,
o teu dia absoluto.
Hoje é a véspera, mas amanhã acabou.
Agora, é cedo ainda
pra eu ir cantar na tua porta,
mas amanhã, é tarde, Inês é morta.

Uma interrogação escorre luminosa
sobre o imponderável
do teu dia não-dia,
mas eu dou uma rosa
pro teu dia não-dia,
ante-dia,
adversus,
carpe-diem.

No teu ante-aniversário
que não fazes este ano
porque amanhã é primeiro,
não será mais fevereiro,
quisera ver o teu rosto:
a face triste do baiano
e o riso largo do mineiro.

Perdido nas estrelas
de um zodíaco azul
ficou teu dia
nadando, peixenauta,
pelo espaço,
— olhando para o céu é que te abraço
enquanto estabilizas tua idade
de sempre criança,
de sem gravidade.

E nem temos taças para o ritual,
nem temos a nós mesmos
(dançamos um longínquo carnaval)
nem tenho teus braços
que o vento, que o tempo,
que a nave levou.
Mas um vidro parco
ou acrílico largo
tilinta: trim!
A festa acabou.

O DESVIO

A mim pouco me importa
aberta ou fechada a porta,
vou entrar.

E pouco me importa estar
sendo amada ou não amada:
vou amar.

Que a mim me importa tanto
eu mesma e o sentimento,
quanto!

A mim pouco me importa
se a tua amada é doente,
se a tua esperança é morta.

E me importa muito menos
se aceitas solenemente
a nossa vida parca e torta.

Porque a mim me importaria
deixasse de ser eu mesma
e a poesia.

A mim pouco me importa
se a lira quebrou a corda:
vou cantar.

E pouco me importa estar
no picadeiro do circo:
vou rodar.

Que a mim me importa tanto
eu mesma e o sentimento,
quanto!

A mim pouco me importa
se estamos todos presos
por uma invisível corda.

E me importa muito menos
sermos todos indefesos
ante o destino que corta.

Porque a mim me importaria
deixasse de ser eu mesma
e a poesia.

AMOR

Amor, se houve, eu tive.
De lembrar o amor
em poesia,
minha alma
sobrevive.

CAVALO DE PAU

Quando amo, sou assim:
dou de tudo para o amado
— a minha agulha de ouro,
meu alfinete de sonho
e a minha estrela de prata.

Quando amo, crio mitos,
dou para o amado meus olhos,
meus vestidos mais bonitos,
minhas blusas de babados,
meus livros mais esquisitos,
meus poemas desmanchados.

Vou me despindo de tudo:
meus cromos, meu travesseiro
e meu móbile de chaves.
Tudo de mim voa longe
e tudo se muda em ave.

Nos braços do meu amado,
os mitos se acumulando:
um pandeiro de cigana
com mil fitas coloridas;
de cabelo esvoaçando,
a Vênus que nasceu loura.
(E lá vou eu navegando.)

Nos braços do meu amado,
os mitos se acumulando,
enchendo-se os braços curtos
e o amado vai se inflando.

— O que de mais me lamento
e o que de mais me espanto:
o amado vai se inflando
não dos mitos, mas de vento
até que o elo arrebenta
e o pobre do amado estoura.

(Nenhum amado me agüenta.)

OITANTE

Alguém fabricou para mim
Uma estrela particular;
Este calor sem-fim.

Receita para se fabricar
uma estrela: é só queimar
átomos de hidro/gênio
por meio da fusão do olhar,
isto é, nuclear.

Fórmula: Bill Gates
que é igual a Olavo Bilac,
ouvindo as janelas,
(E acreditar que vai brilhar, ter fé.)

Mas não se esqueça:
amai para entendê-la.
Quantos celulares fantasmas
há por aqui! Cibernéticos na linha.
Ai, que saudade que eu tenho
do tempo de Ivanhoé!

BACANTE A OESTE

A manhã mastiga
o canto do melro:
pão de trigo e mel.
Nossa vida é de sal
e de vinagre
apesar do passarinho
e o sal da terra.

Meu canto a Dionísio
é benfazejo
e o que desejo,
é amenizar os caminhos
do homem
com cristais de doçuras
de mulher.

E a poesia é doidivanas,
louca e séria
e vai arando
nossos caminhos de sede
e de torturas,
nossos caminhos de fome
e de miséria.

De noite
os pirilampos vagam
seus vagos lumes
pelos campos de buritis
e guarirobas.
— Cocos iluminados
de lantejoulas.

A POBREZA II
(DECLARAÇÃO DE BENS)

Escolhi para mim
— cabeça de poeta,
adolescência pura —
o que não deveria escolher
vivendo no Terceiro Mundo:
dediquei minha vida
à Educação e à Cultura.
Professora da Universidade Brasileira,
não pude comprar fazenda,
chácara, terreno ou boi,
( essa goiana maneira de ser ).
Eu só pude criar,
no meu curral de sonho,
o canto do cavalo,
o canto da boiada
em poesia aberta e hermética;
essa boiada que tanto aflige,
ruminando na janela
da minha aula de Estética.

Apenas com um salário de sucata,
sustentei o filho e as filhas
que partilhei ao gerar,
mas que não dividi na hora
dos divórcios, das partilhas.
(Apenas com o salário,
pois dispensei o tal “alimento”
da descasada profissional.)

Fiquei com a Poesia,
esse bagulho
terceiromundista,
este meu Bem;
fiquei com a Pobreza,
o meu orgulho:
nunca roubei ninguém.
Não fui grileira e nem
posseira de nada
e, se invadida,
como fui, certa vez,
por astutas fazendeiras,
ora, que bobagem!
A minha obra está datada.
A Poesia
é o meu Patrimônio:
a palavra certa,
a palavra dura.
A poesia canta
e eu fico muda,
de espanto.

Meu Patrimônio maior
é a Literatura.

A POETISA

Canto
o prazer e a esperança,
a loucura e a liberdade.

Cabelos soltos
véus diáfanos
minha flauta
e minha jarra

de vinho.
Que Deus inventou a uva
e Baco inventou o vinho
com seus efeitos.

(Cabelos punk
eus de afanos
minha falta
e minha farra.)

Ao coração humano
medroso, dou alegria
e coragem.

Cabelos soltos
véus diáfanos
minha flauta
e minha garra.

Fonte:
Antonio Miranda

Deixe um comentário

Arquivado em Goiás, Poesias Avulsas

Yêda Schmaltz (1941 – 2003)

Nasceu em Tigipió (PE) a 8 de novembro de 1941. Recém-nascida foi levada para Goiás, passando a residir em Ipameri (GO), terra do seu pai. Faleceu a 10 de maio de 2003, em Goiânia.

Bacharel em Letras Vernáculas e em Direito. Professora da Universidade Federal de Goiás, Instituto de Artes.

Recebeu inúmeros prêmios e distinções, cabendo destacar o da Associação Paulista de Críticos de Arte, melhor livro de poesia, 1985 (Baco e Anas brasileiras); Remington de prosa e poesia, RJ/1980; Simon Bolivar, Fondi, Itália, 1998; prêmio nacional Itanhangá de poesia/1985; Simon Bolivar, Fondi, Itália, 1998; Hugo de Carvalho Ramos /1973-1975-1985 e 1995; IV Concurso Nacional de Literatura da Fundação Cultural de Goiás/1979; José Décio Filho (GO), 1990; BEG de Literatura (GO), de 1996 e 97; Cora Coralina (GO), 1996, etc.

Yêda, com Cora Coralina, a voz feminina da poesia de Goiás ganhou altura insuspeitável.

Destacou-se igualmente como artista plástica.

Participou da fundação do GEN (Grupo de Escritores Novos).

Bibliografia:
Caminhos de mim (poesia), Goiânia, Escola Técnica Federal de Goiás, 1964;
Tempo de Semear (poesia), Goiânia, Cerne, 1969;
Secreta ária (poesia), Goiânia, Cultura Goiana, 1973;
Poesias e contos bacharéis II (antologia, c/ Teles, J. Mendonça e Jorge, Miguel) Goiânia, Oriente, 1976;
O peixenauta (poesia), 1ª edição, Goiânia, Oriente, 1975; 2ª edição, Goiânia, Anima, 1983;
A alquimia dos nós (poesia), Goiânia, Secretaria da Educação e Cultura, 1979;
Miserere (contos), Rio de Janeiro, Antares,1980;
Os procedimentos da arte (ensaio), Goiânia, UFG, 1983;
Anima mea (seleção de poemas), Goiânia, Anima, 1984;
Baco e Anas brasileiras (poesia), Rio de Janeiro, Achiamé, 1985;
Atalanta (contos), Rio de Janeiro, José Olympio, 1987;
A ti Áthis (poesia), Goiânia, Sec. Cultura e Prefeitura, 1988;
A forma do coração (poesia), Goiânia, Cerne, 1990;
Poesia(antologia poética) , Oficina Literária da Funpel,(xerox), Goiânia,1993;
Prometeu americano (poesia), Goiânia, Kelps, l966;
Ecos (poesia), Goiânia, Kelps, l966; Rayon (poesia), Goiânia, Cerne / Funpel, 1997;
Vrum (poesia), Goiânia, Edição da autora, 1999;
Chuva de ouro (poesia), Goiânia, Cegraf/UFG, 2000;
Urucum e alfenins – Poemas de Goyaz , Goiânia, Cegraf/UFG,2002

O Peixenauta recebeu o Prêmio Bolsa de Publicações Hugo de Carvalho Ramos – Concurso da União Brasileira de Escritores de Prefeitura de Goiânia.

Fontes:
http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/goias/yeda_schmaltz.html
http://pt.wikipedia.org/wiki/Y%C3%AAda_Schmaltz

Deixe um comentário

Arquivado em Biografia, Goiás

Caldeirão Poético do Goiás I


Aidenor Aires

A ESPERA

Tu, que hás de vir um dia,

por que não hoje?

meu rosto espera pronto

os dentes do teu arado.

Tu, que hás de vir um dia,

por que não hoje?

minhas mãos assistiram,

quais raízes,

a morte azul

das flores e dos ventos.

Tu, que hás de vir um dia,

por que não hoje?

antes que alguém

vibre na noite

gemidos de Chopin,

vem.

Tu, que hás de vir um dia,

o céu de maio é doloroso e belo,

as flores começam a morrer.

Vem, antes que o Scherzo

da agonia vibre

o amaríssimo clamor

dos seus acordes

e eu queira vida.

Tu, que hás de vir um dia,

por que não hoje?

É maio,

é belo o dia.

Aidenor Aires

PRESENÇA

Ter que ficar aqui

no meio da rua testemunhando a vida

quando todas as ruas estão mortas.

Vir para o meio do mundo

e dizer do alto das escadas

que a poesia é triste

e que a vida é feita de estradas.

Vir para o meio do mundo

quando já não cabe no mundo

a chave da sua porta.

Alberto Vilela Chaer

CAFÉ

mil anos depois

a porcelana

toca teus lábios

é lá

onde vou buscar

a nova especiaria

ferver

os grãos mais nativos

na infusão de teu vestido

revelar uma Gazela

te levar embora para a Abissínia

lá sou amigo das cabras

vou coar o oriente

pelos teus poros

teu brilho perderá o sono

Bandeira passou perto

Abissínia fica depois de Pasárgada

Alberto Vilela Chaer

SANDÁLIAS

sejam as pedras

portuguesas

de São Tomé

ou de Pirenópolis

todas as calçadas

cochicham

os teus passos

aprendi com elas

a escutar os sussurros

das tuas pernas

para abafar

a espera acústica

desta alma mascate

um coração estendido

tapete persa

mosaicos do descompasso

teus pés sempre estarão nus

nas cerâmicas

das minhas mãos frias

os ladrilhos

se esta rua

se esta rua fosse minha

Alexandre Bonafim

QUARESMEIRAS

Por entre as paredes

da memória

desenhado a giz

um menino teima

em brincar

com as sombras

do silêncio.

Quaresmeiras

latejantes de cor

também insistem

em fincar raízes

no que se perdeu.

ao adentrares a brancura

dessa página

folhas e húmus

hão de enredar

o teu nome

o teu passado.

A brancura desse poema

há de mergulhar

a tua voz

nas origens

de todo

esquecimento.

Por entre os muros

da palavra

uma criança teima

em desenhar

na existência

um rosto de chuva

para sempre iluminado.

Alexandre Bonafim

O PAVÃO

As penas do pavão

guardam as entranhas

da luz

as raízes da água.

Olhos do inominado

pupilas do silêncio

as penas do pavão

desvelam a lua

na arquitetura

do arco-íris.

E tudo se silencia

tudo se cala

ante a fulguração

do mistério:

a estranheza

o susto

toda a perplexidade

se petrificam

ante a cintilação

do real.

Aos pés

daquela esfinge

tombam perguntas

ocas

ecos de ecos

sem voz.

As penas do pavão

abrem o ministério

como um leque

de brisas insanas.

Alice Spíndola

SEMPRE BUSCANDO A CANÇÃO ESQUECIDA

No frêmito da ventura,

a fuga e o retorno da imagem

do pequeno barco.

Imagem — fonte e oráculo —

mergulhada na insularidade

do mar de gestos e de palavras.

Com a alma seqüestrada

pela beleza do rio

e pelo rumor de suas águas,

o menino procura a canção esquecida.

Menino parisiense voga nas milhas do sol.

Alice Spíndola

A CHAVE

No meio da noite, configura

a fragrância das palavras mágicas

Na chave da noite, a ternura,

pluma que verte enigmas

Nas mãos do tempo,

o arado que rasga os mistérios

do sentimento que define

O homem da meia noite,

em seu caminho de volta

que faz

ao adentrar a meia lua

das unhas dos enigmas.

A mão da noite destrava a chave

da fragrância das palavras mágicas

Angélica Torres Lima

DE LOBOS E ANJOS II

O que é que eu faço, Anjo?

Quer que eu corra, que eu dance

que eu morra? que me levante

e cante uma ode à insõnia?

Não vê que o crepúsculo

já faz muito se desfez?

Que a lua é selada

em céu negro-martírio?

E não guarda o meu sono

nem me faz companhia,

Cruel, que só me inspira

elegias!

Angélica Torres Lima

TRILHAS PARA O ALTAR

Face de maçã trincada na manhã de louça.

Lâminas de agulhas negras fatiam

o altiplano azul no sonho das cabeças

A pedra engastada em prateleiras

oculta o segredo de gestos e passos

: corpos estagnados de anseio.

Antonio Carlos Machado

ANUNCIAÇÃO

Urubús em vôo altaneiro

— quem os sabe —

Planando em tarde estival

(morte consumada!)

Andorinhas prenunciadoras

— quem as esperava —

o verão tão distante

as esperanças sepultadas.

Antonio Carlos Machado

AMOR QUE SE ESCOA LENTO

Que eu durma,

enquanto repousas!

Que a memória permaneça,

enquanto passamos!

Que a dor silencie,

enquanto não partimos!

Que os cães ladrem,

é noite, apenas!

Que a neblina as adormeça,

vagas estrelas testemunhas.

E a lua, o cavalo, o êxtase,

o silêncio solidário?

Antonio Geraldo Ramos Jubé

BURITI

Buriti, buriti da verde várzea.

A saudade é paisagem, água quérula.

O céu, redoma azul sobre a planura,

no espaço claro de manhã de pérola.

Buriti, buriti ancião, decrépita

testemunha de coisas e mudanças.

Que fizeram contigo? Edifícios

te afogaram, em sombras e lembranças.

Foram-se os anos te deixando, apenas,

nos campos invadidos, espectral.

Antes, a água bebida nas raízes,

agora, um pranto podre no canal.

Buriti, buriti da verde várzea,

testemunha calada da mudança.

Ainda estás de pé em meio ao tráfego.

Em volta a fúria, a fúria urbana avança.

Antonio Geraldo Ramos Jubé

AS SEARAS

I

Arrozal, verde vento, verdes chuvas

plantadas nesta água verdemente.

A esperança cavalga aéreas nuvens,

germina nos segredos da semente.

Veranicos dardejam sóis, presente

o dinamismo oculto das saúvas.

Nos cachos do arrozal o dia acende

seu coração de luz sob áureas luvas.

Deus vê crescer a planta: ela precisa

de iguais rações de sol e chuva. E o tempo

amadurece o grão na mão da brisa.

Agora ei-lo saudoso de sua haste

chino cristal de leite simplesmente.

Dando graças à terra em que o plantaste.

II

Em fila o milharal ergue cocares

cor de ouro na manhã de papagaio.

E as folhas lanceoladas de guerreiros

armados para a guerra, perfilados.

O verde milharal sobe da terra

para o espaço de sol, todo lavado.

Em torno gira a festa buliçosa

das jandaias e dos maracanãs.

Rebentam as bonecas promissoras

com seu cabelo ruivo, de entre a palha.

— Doce milho que chega à nossa mesa

envolvido nas palhas da pamonha.

III

Do canavial as verdes lanças

e o verde mel nos colmos acondicionado.

A doçura do caldo a ferver nas tachas,

depois no alambique, elaborando

a cachaça e a rapadura.

De onde vem essa essência doce,

essa seiva nutriz?

Do suor do lavrador no eito?

Da mansidão do boi na canga?

Do carro moroso a gemer no eixo?

Da tortura da engrenagem no engenho

gira-girando no sereno da madrugada?

Esse gosto de mel de moenda…

Fonte:

Antonio Miranda

Imagem = criação por José Feldman

Deixe um comentário

Arquivado em Caldeirão de Poesias, Goiás