Arquivo da categoria: Jose Ouverney

Concursos de Trovas em Andamento (Inscrições se Encerram em Abril)

XXIV JOGOS FLORAIS DE RIBEIRÃO PRETO

A/C Nilton Manoel
Caixa Postal, 448 – Centro
Ribeirão Preto / SP, Cep 14.001-970

Até 03 trovas por tema
Não se aceitam cognatos

Nacional / internacional;
VICIO (Lírico)
LOROTA (Humoristico)

Municipal (somente aos trovadores de Ribeirão Preto0
BRILHANTE –( Lirico ou filosófico)
PROMOÇÃO – (Humorístico)

XII JOGOS FLORAIS ESTUDANTIS DE RIBEIRÃO PRETO

Estudantil para alunos de 5ª a 8ª e ensino médio de todas as redes de ensino
PERSONAGENS DO FOLCLORE NACIONAL – (Lírico ou filosófico)
SACI ( Humorístico)

Não se aceitam variantes.
A recepção de trovas será a partir de 2 de janeiro e encerrar-se-á a 02 de abril e a Comissão divulgará a listagem de vencedores até 03 de maio de 2011. As festividades acontecerão durante as atividades da Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto, em junho. Não é carimbo do correio, são as trovas que chegarem até o dia 02 de abril.

A premiação será:
>> 05 vencedores (troféu e diploma)
>> 05 menções honrosas (medalha e diploma)
>> 05 menções especiais (medalha e diploma)

Os primeiros cinco vencedores em cada tema do concurso nacional terão direito a estada paga (pernoite e refeições) em hotel, como convidados dos organizadores nos três dias de festividades. Todos os concorrentes estão convidados a participar das festividades.
==============================

IX JOGOS FLORAIS DE AVIS

REGULAMENTO
1 – Os IX Jogos Florais de Avis são uma iniciativa da AMIGOS DO CONCELHO DE AVIZ – ASSOCIAÇÃO CULTURAL, a que podem concorrer todos os cidadãos abrangidos pelo que se dispõe no presente regulamento.
2 – Só são admitidos a concurso trabalhos inéditos, redigidos em Português e nas seguintes modalidades:

POESIA
A – QUADRA POPULAR – Tema
Tema: “O SABER”
Em redondilha maior, de rima ABAB, uma quadra em cada folha.

B – POESIA OBRIGADA A MOTE

Mote
DO QUE SEI NADA APRENDI
POR NINGUÉM FUI ENSINADO,
DESDE A HORA EM QUE NASCI
TINHA O DESTINO MARCADO
(António Francisco Bonito – Valongo/Avis)

Nota: não descurando outras formas de glosar o mote, daremos especial atenção ao tratamento em décimas.

C – POESIA LIVRE
Subordinada ao tema: “O SABER”

PROSA
CONTO subordinado ao tema: “O SABER”
(Máximo de 3 páginas, escritas em tamanho 12, a espaço e meio de entrelinhamento).

3 – De cada trabalho serão enviados três exemplares, dactilografados (à máquina ou em computador) em papel formato A4, de um só lado com caracteres de tamanho 12, sendo que apenas no conto o espaço entre linhas deverá ser de espaço e meio. Os trabalhos não poderão ser adornados com moldura ou qualquer outro adorno.

4 – Todos os trabalhos deverão trazer no canto superior direito da 1ª página a modalidade a que concorrem, terão que ser subscritos por um pseudónimo, devendo os respectivos autores, enviar anexo a cada trabalho, um envelope fechado com o pseudónimo dactilografado no rosto, e dentro, o nome, morada e número de telefone do Autor.

5 – Cada concorrente poderá apresentar dois trabalhos por modalidade, com excepção da QUADRA onde poderão ser apresentados três trabalhos a concurso, pelo que cada um será subscrito com pseudónimo diferente. Serão desclassificados os trabalhos que não sejam inéditos, isto é, que já tenham sido apresentados noutros concursos.

6 – O prazo de remessa dos originais (data de carimbo dos correios) termina em 08 de ABRIL de 2011 e deverão ser enviados, para:

IX Jogos Florais de AVIS
Amigos do Concelho de Aviz – Associação Cultural
Praça Serpa Pinto, Nº11
7480 – 122 AVIS

7 – O não cumprimento do estipulado no presente regulamento, anula a apreciação dos trabalhos pelo júri, de cujas decisões não cabe recurso.

8 – As classificações serão tornadas públicas em 2 de Maio de 2011, sendo os concorrentes avisados por escrito.

9 – Haverá três prémios por modalidade, bem como as menções honrosas que o júri entender por bem conceder. Poderá, no entanto, deliberar a não atribuição de qualquer prémio, numa ou mais modalidades, se considerar que a qualidade dos trabalhos apresentados não é consentânea com a projecção que se pretende para esta iniciativa.

10 – A entrega de prémios aos galardoados terá lugar no dia 21 de Maio de 2011, em Avis, no Auditório Municipal Ary dos Santos, pelas 14H30’.

11 – Estes Jogos Florais ficam interditos aos elementos do Júri e demais pessoas envolvidas na organização dos mesmos.

12 – Ao Júri cabe a resolução de qualquer ocorrência que não seja abrangida pelo presente regulamento.

Nota: regulamento aprovado em reunião de Direcção da ACA-AC em 23 de Dezembro de 2010.

Com o apoio de:
Câmara Municipal de Avis
Junta de Freguesia de Avis
=============================

CONCURSOS DA UBT SÃO PAULO – 2011
(São Paulo Homenageia o Nordeste)

TEMAS E ENDEREÇOS PARA ENVIO:

1º) Âmbito Nac./Internacional: SAL (Líricas/Filosóficas)
OBS.: Os Assinantes do Informativo também podem participar nesta categoria

Endereço p/remessa:
A/C de Selma P. Spinelli
Rua Graúna, 419 –aptº 91 = SÃO PAULO –SP
Cep: 04514-001

2º) Assinantes do Informativo:
DUNA (L/F)

Endereço p/remessa:
A/C de Domitilla Borges Beltrame.
Rua Batista Cepelos, 18 –aptº 31 = SÃO PAULO –SP
Cep: 04109-120

3º) Associados da Seção São Paulo:
FORNALHA (L/F) [Mesmo tema para “Novos” e “Veteranos”]

Endereço para remessa:
A/C de Marina Bruna
Rua Changá, 55-São Paulo-SP
Cep: 04141-070

4º) Concurso Humorístico p/Trovadores Novos e Veteranos da UBT -Seção São Paulo-SP
FORRÓ

Endereço p/remessa:
A/C de Therezinha Brisolla
Rua Costa Carvalho, 351 –aptº 54 = SÃO PAULO –SP
Cep: 05429-130

Máximo: 03 Trovas, por autor, em cada categoria, valendo também palavras cognatas.

PRAZO: 30-04-2011.
===================

CONCURSO NACIONAL INTERSEDES 2011
(Para todas as Seções e Delegacias, exceto para os trovadores da UBT –Seção São Paulo-SP)

Tema: JURA (Líricas/Filosóficas)

APENAS UMA TROVA, valendo cognatas.

Prazo = até 30.04.2011

Endereço p/remessa:
A/C de Marina Bruna
Rua Changá, 55-São Paulo-SP
CEP: 04141-070
=====================

UBT DE CAMPOS DOS GOYTACAZES

Concurso de Trovas (líricas ou filosóficas)
TEMAS:
MÚSICA = [Âmbito Estadual-só Estado do Rio]
PROGRESSO = [Nacional/Internacional]

Uma Única Trova
Prazo: Até 30 De Abril De 2011
(Válido Carimbo Correio)

Evento:
Dia 18 E 19 Junho De 2011, Entrega Das Premiações, Passeio Turistico E Almoço De Confraternização

Enviar Para Neiva Fernandes
Delegada Da Ubt De Campos/RJ.
Rua Elói Ornelas, 25 Caju Campos/RJ – Cep. 28051-205
Tel. [22] 9917-2700
E-mail: neiva.sfernandes@hotmail.com
=============================

XXI CONCURSO DE TROVAS DE PINDAMONHANGABA – 2011

TEMAS:

Nacional = “Inocência

Regional (Vale do Paraíba e Litoral Norte) = “Astúcia

Juventrova = “Bobeira

Sistema de Envelopes – valem palavras derivadas

Prazo para envio: até 30 de abril

Máximo de 03 trovas (que não sejam humorísticas)

Enviar para:
Biblioteca Pública “Rômulo Campos D’Arace”
Ladeira Barão de Pindamonhangaba, S/N
Pindamonhangaba/SP – Cep 12.401 – 320
=================================

CONCURSO INTERNACIONAL DE TROVAS BRASIL/PORTUGAL

A/C de Cidinha Frigeri
Rua Pio XII , 97 – sala 1102
LONDRINA –PR- Cep: 86020-380

Temas: ELOS e VINHO (Líricas ou Filosóficas)

OBS.: Máximo: 03 participações por autor, contendo um ou os dois temas na Trova.
“Sistema de Envelopes”, valendo a data de postagem.

PRAZO MÁXIMO: ANTES ERA 31-03-2011.
(PRORROGADO PARA 30.04.2011)

Fonte:
Academia de Letras de Maringa

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Concursos em Andamento, Jose Ouverney

Mariinha Mota (Caderno de Trovas)

Mesmo que a mágoa te açoite,
não te entregues ao sofrer,
pois o fim de cada noite
traz sempre um amanhecer.

Vede: o rio de ondas de ouro,
vindo de plagas amenas,
foi no próprio nascedouro
um fiozinho de água apenas…

Nunca tente amaldiçoar
todo o vozerio alheio.
De gente má a gritar
o nosso mundo está cheio.

Se guardaste com esperança
muitas riquezas humanas,
reparte tua abastança
aos que gelam nas choupanas.

Aproxima-te do bem,
procura-o com decisão,
e verás fulgir, além,
a suprema perfeição

Reparte, com amizade,
a prece, a comida, as vestes.
São juros da eternidade.
São dividendos celestes.

Os laços indestrutíveis,
que reúnem corações,
são, geralmente, invisíveis:
nascem só das emoções!

A bondade é flor que encerra,
no mundo, o maior troféu,
daqueles que, aqui na Terra,
vivem voltados pro Céu.

Nasceu na Terra a Bondade,
por ordem do Criador.
Tem por mãe a Caridade
e tem como pai o Amor.

Eu procuro, com freqüência,
desparzir o bem, a luz.
Sei que o fruto dá notícia
da árvore que o produz.

Quando vejo um passarinho
voltando para o seu ninho,
sinto uma dor muito aguda:
saudade do meu filhinho.

Vi, agora, um beija-flor
beijando uma linda rosa!
Lembrei-me, com grande dor,
do meu filhinho, tão prosa!

A diferença do olhar,
do homem que ama de verdade,
é como a brisa do mar
logo após a tempestade…

Recebe de alma serena
todo o golpe que te doa.
Opõe à voz que condena
tua paz serena e boa.

Como é bom sentir o vento,
ver árvores generosas,
ver astros no firmamento,
ouvir canções, ver as rosas.

Sempre, em tudo, o morticínio,
vê o homem bruto, em ânsia;
tendência para o extermínio
é suprema ignorância.

Há tanta gente vibrando
para que a vida me vença
que às vezes, fico pensando:
Ah! Se não fosse esta crença…

Se neste mundo mesquinho
nos tratarem com motejo,
tornar-nos-emos arminho
aproveitando este ensejo.

Toda esperança é qual lume
cheio de luz e calor,
é o mais dulcido perfume
que minora a nossa dor

Guarda no teu coração
a fé viva e a esperança
é da resignação
que nasce toda confiança.

Sempre que o véu da tristeza
ensombrar teu coração,
repara, quanta beleza
está ao alcance da mão!

Os laços indestrutíveis
que reúnem corações,
são, geralmente, invisíveis
nascem só das emoções!

És, Brasil, meu ar, meu pão,
o meu templo, a minha escola,
és Pátria do coração
que Deus me deu por esmola.

Ó minha alma insatisfeira,
na escuridão que te alcança,
ante a noite contrafeita,
ergue a tocha da esperança!

Fontes:
Jose Ouverney http://www.falandodetrova.com.br
http://mariinhamotapoeta.blogspot.com/

Deixe um comentário

Arquivado em Jose Ouverney, São Paulo em Trovas, Trovas

Goulart Gomes (Bula Poetrix)

O haicai é uma pérola; o poetrix é uma pílula.
Goulart Gomes

Em 2011 o POETRIX completa 12 anos de criação. Nesse período ele obteve uma significativa propagação no Brasil, Portugal e em outros países de língua latina.

Com o objetivo de melhor defini-lo, estabelecendo critérios quanto à sua forma e conteúdo que possam orientar mais precisamente os seus autores – os poetrixtas – a Coordenação Geral do Movimento Internacional Poetrix (MIP) divulga, agora, esta BULA POETRIX, conjunto de orientações para o aperfeiçoamento e uniformização desse gênero literário.

1 POETRIX – Informações Técnicas

CONCEITO

Poetrix (s.m.): poema com um máximo de trinta sílabas métricas, distribuídas em apenas uma estrofe, com três versos (terceto) e título.

FORMAS MÚLTIPLAS

As Formas Múltiplas são derivações do POETRIX, provocadas pela intertextualidade. São formas múltiplas identificadas e reconhecidas pelo MIP: Duplix, Triplix, Multiplix, Grafitrix, Videotrix, Clonix, Letrix, Palavratrix, Acrostrix e Tautotrix. Informações sobre cada uma delas podem ser encontradas na homepage do MIP: http://www.movimentopoetrix.com

2 CARACTERÍSTICAS DO POETRIX

2.1 O poetrix é minimalista, ou seja, procura transmitir a mais completa mensagem em um menor número possível de palavras e sílabas.

2.2 O título é indispensável. Ele complementa e dá significado ao texto. Por não entrar na contagem de sílabas, permite diversas possibilidades ao autor.

2.3 Não existe rigor quanto à métrica ou rimas, mas o ritmo e a exploração da sonoridade das sílabas é desejável.

2.4 Metáforas e outras figuras de linguagem, assim como neologismos, devem ser elementos constitutivos do poetrix.

2.5 É essencial que haja uma interação autor/leitor provocada por mensagens subliminares ou lacunas textuais.

2.6 Os tempos verbais – pretérito, presente e futuro – podem ser utilizados indistintamente.

2.7 O autor, as personagens e o fato observado podem interagir criando, inclusive, condições supra-reais, cômicas ou ilógicas (nonsense).

2.8 O poetrix deve promover a multiplicidade de sentidos e/ou emoções, não se atendo necessariamente a um único significado.

3 COMPOSIÇÃO

O POETRIX deve ser composto por ao menos um dos seguintes elementos, inspirados nas Seis Propostas para o Próximo Milênio, de Ítalo Calvino:

3.1 CONCISÃO: o mínimo é o máximo. O importante é dizer muito, falando pouco. O poetrix é uma pílula, que tem seu propósito determinado; é um projétil em direção ao alvo;

3.2 SALTO: é a metamorfose da idéia inicial, provocada no segundo ou terceiro verso da estrofe, acrescida de outros significados, permitindo uma nova perspectiva de compreensão do poetrix;

3.3 SUSTO: é o elemento inusitado e imprevisível que provoca surpresa ao leitor; é a fuga do lugar-comum, da obviedade, que desconstrói e amplia horizontes, mostrando outros caminhos, possibilidades, contextos;

3.4 SEMÂNTICA: exploração da polissemia de determinadas palavras ou expressões, permitindo a possibilidade de variadas leituras ou interpretações;

3.5 LEVEZA: jeito multifacetado de utilização da linguagem. Nesse sentido, o uso de imagens sutis deve trazer leveza, precisão e determinação ao poetrix e, com isso, provocar, no leitor, a abertura de renovadas construções mentais impregnadas de imprecisões e indeterminações, de novas possibilidades de interpretar a realidade, de desanuviar a opacidade do mundo.

3.6 RAPIDEZ: máxima concentração da poesia e do pensamento; agilidade, mobilidade, desenvoltura; busca da frase em que todos os elementos sejam insubstituíveis, do encontro de sons e conceitos que sejam os mais eficazes e densos de significado;

3.7 EXATIDÃO: busca de uma linguagem que seja a mais precisa possível como léxico e em sua capacidade de traduzir as nuanças do pensamento e da imaginação;

3.8 VISIBILIDADE: qualidade de expressar e pensar imagens, colocando visões em foco; reflexo da qualidade imagética do poetrix, em cor, sombra, contorno e perspectiva; é o substantivar da poesia;

3.9 MULTIPLICIDADE: expressão da pluralidade de possibilidades intertextuais e polissêmicas, provocando interações e criando novas formas;

3.10 CONSISTÊNCIA: através da fuga das obviedades, dos lugares-comuns, buscando expressar-se de forma original. O poetrix rompe, naturalmente, com antigos esquemas simplificantes e reducionistas e investe num sistema complexo, cujas categorias são opostas à simplicidade: a complexidade, a desordem e a caoticidade, próprias de sistemas não-lineares, capazes de realizar trocas com o meio envolvente.

4 INDICAÇÕES:

4.1 EXPLORAR O PODER DO TÍTULO. para o qual não há limite de sílabas. Uma das grandes vantagens do poetrix é a existência do título, que habitualmente não existe no hai-kai .

4.2 MINIMALIZAR. Eliminar todas as palavras que estão sobrando. Escrever um poetrix é lapidar um diamante. Raramente um texto está pronto em sua primeira versão. É necessário, sempre, aprimorá-lo.

4.3 PESQUISAR. Uma idéia original pode ser enriquecida com informações complementares, ampliando-a em conteúdo e significado.

4.4 UTILIZAR FIGURAS DE LINGUAGEM. Em todas as formas poéticas, o uso de figuras de linguagem, metáforas, tropos e imagens enriquecem bastante o texto.

4.5 PERMITIR QUE O NÃO-DITO FALE. Evite menosprezar a inteligência e a perspicácia do leitor. O poetrix deve instigá-lo a buscar significados nas entrelinhas, a descobrir outros contextos e sentidos.

5 CONTRA-INDICAÇÕES:

5.1 EVITAR AS ORAÇÕES COORDENADAS. Um poetrix não é uma frase fragmentada em três partes.

5.2 NÃO CONFUNDIR POETRIX COM HAICAI. Para isso, é importante conhecer, também, os fundamentos do haicai, que tem suas próprias características.

5.3 CONJUNÇÕES EMPOBRECEM O POETRIX: mas, contudo, porém, todavia, não obstante, entretanto, no entanto, pois, geralmente não servem para nada em um poetrix, podendo ser eliminadas sem prejudicar o texto.

5.4 NÃO FORÇAR RIMAS. Poetrix não é trova. Às vezes pode-se dispensar completamente uma rima utilizando-se bem o ritmo, a sonoridade e a riqueza semântica das palavras.

5.5 POETRIX NÃO É PROVÉRBIO, MUITO MENOS DEFINIÇÃO. Muito menos, frase de parachoque de caminhão

Fonte:
http://www.goulartgomes.com/visualizar.php?idt=1402080

Deixe um comentário

Arquivado em Jose Ouverney, Poetrix, Teoria Literária

Belo Horizonte em Trovas

ABEL LARA
O crime é ação nefanda,
que aos poucos o ser degrada.
quem o comete debanda
das normas de vida honrada.

† – AIR FÉLIX DA COSTA
Quando sorrires na vida,
pelo amor de um só momento,
não esqueça a despedida
que traz sempre sofrimento.

ALAIR ALMEIDA
Francisco, santo que faz
renascer nos corações
o puro bem: dá-me paz
na paz de tuas lições.

ALMIRA GUARACY REBÊLO
A ilusão de ser amado
foi um erro que eu maldigo.
Passei a vida ao teu lado,
nunca estiveste comigo.

ALOÍSIO GENTIL PIMENTA
Saber viver de verdade
e jamais ficar tristonho
é não permitir que a idade
seja mais velha que o sonho.

†ALYDIO DE CARVALHO SILVA
Meus longos anos de vida
a natureza retrata,
mostrando a estrada vencida,
nos meus cabelos de prata.

ALUÍZIO ALBERTO DA CRUIZ QUINTÃO
Sonhos de quem muito anseia
nesta sina de mortal
são pequenos grãos de areia
na construção do ideal.

AMAZILDE REHWAGEN
O que aquece a alma da gente
é sempre a boa amizade,
que aclarando nossa mente
traz também amenidade.

ANA ATAÍDE FERREIRA DA SILVA
No grande livro da vida,
seguindo os planos divinos,
o ser vivo consolida
impenetráveis destinos.

ÂNGELA MARIA LOPES LOURENÇO
Certa de que vencerá,
não vacile, sempre insista.
Só assim descobrirá
o segredo da conquista.

ÂNGELA TOGEIRO FERREIRA
O sentimento do amor,
os homens todos nivela,
seja na alegria ou dor,
na riqueza ou na favela.

ANTÔNIO AUGUSTO D´ALMEIDA
Um juiz mostrando pena,
pega a pena e sentencia…
A lei fria te condena.
Eu, de pena, absolveria.

ANTÔNIO COURI
Por não ser pai, não perdi
nem um pouco do meu brilho;
pelo menos aprendi
a grandeza de ser filho.

ANTÔNIO FRANCISCO PEREIRA
Quem não tem desde menino
um horizonte na vida
é um barco sem destino
voltando à ilha perdida.

† – APRYGIO NOGUEIRA
A maldade se renova,
mas na UBT, sem favor,
quem planta uma simples TROVA
colhe um alqueire de amor!

† – ARMINDO SANTOS TEODÓSIO
O elogio – força imensa
de incalculável valor…
tem sabor de recompensa
pra quem recebe o louvor.

AUXILIADORA DE CARVALHO E LAGO
Enfrento problemas meus,
vendo a vida por um fio…
Seguro nas mãos de Deus,
e venço o meu desafio.

BEATRIZ CARTAXO COTTA
A magia da esperança
impulsiona o dia-a-dia,
minha mente não se cansa
de forjar tanta alegria.

BENEDITO MACHADO HOMEM
Dizem que amor alimenta.
(Que ditado sem valor!)
-Quanto mais o nosso aumenta
mais tenho fome de amor!

BENETE JUDITH CÂNDIDO
A primavera dos anos
passa depressa, fugaz…
Surgem logo os desenganos
que o outono sempre traz.

† – CARLOS de ALENCAR
Um espírito de escol,
que de virtudes é fonte,
nos parece a luz do sol,
a despontar no horizonte.

CARLOS FERNANDES
Portugal! Eis-me a ti unido
na presença do passado,
quando escuto enternecido:
-Nossa Senhora do Fado.

CARLOS FERREIRA CHAVES
Seu sono traz o tormento
de sonhar alto, tem medo;
não queira, em qualquer momento,
revelar nosso segredo.

CARLOS ROBERTO FERNANDES
Revejo no meu diário
este pesado refrão:
só quem está solitário
sabe a dor da solidão.

CÉLIA MARIA BARBOSA RODRIGUES
Se choro, se rio ou canto
quero o mundo transformar…
O vácuo suga meu pranto,
não tem eco o meu sonhar.

CÉLIA LAMOUNIER DE ARAÚJO
Numa gaveta ordenada,
meus amores arquivei.
Cada partida chorada
em saudade transformei.

† – CÉLIA SALES BRANDÃO
Semeie o bem e verá
com que carícia e amor,
o futuro lhe trará
uma braçada de flor.

CÉLIUS ÁULICUS
Ninguém sabe em que dará
tanto desmate e desmonte.
Esse belo onde é que está?
onde é que está o horizonte?

CELY MARIA VILHENA FALABELLA
Duas mãos se separando
no longo apito do trem,
são salmos que vão rezando
e o pranto dizendo: Amém.

CLARA DE ASSIS SOUZA GUIMARÃES
Amor de mãe, sempre eterno,
não se pode contestar;
O filho que é muito terno
ela tende a perdoar.

CLÉLIA ROSA DE LIMA
A música é terapia,
também remédio bendito.
Ela possui a magia
que nos leva ao infinito.

CONCEIÇÃO PARREIRAS ABRITTA
Hoje, no outono presente,
cada dia que me aflora
vivo a festa do poente,
mas meus sonhos são de aurora.

CONCEIÇÃO PILÓ
“Palácio da Liberdade”
assim ficou nomeado,
no ideal desta cidade
e na glória do passado.

CRISTIAN MAURÍCIO GUIMARÃES
Amor, em grande poder,
ensoberbece a fraqueza,
que esta não pode conter
seu excesso de beleza.

† – DINA MANGABEIRA
No silêncio em que vivi
de angústia e de solidão,
eu nem percebi que, aqui,
em meu peito, há um coração.

EDELVAIS CAMPOS SILVA
Seja lua cheia ou nova,
quarto minguante ou crescente,
romântica, sempre aprova
esse nosso amor ardente.

EDMILSON FERREIRA MACEDO
Na minha mesa da sala,
teu retrato é, na verdade,
a imagem que mais me fala
no silêncio da saudade.

EDUARDO TOLEDO
O meu velho coração,
em constantes desafios,
é feito um mar de ilusão
bebendo os sonhos dos rios.

ELSE M. SOUZA MAIA
Saudade cruel tormento,
retorne ao meu corpo lasso,
nem que seja um só momento,
a impressão daquele abraço.

EVA REIS
Esse azar não mais porfia
e o treze a fé bem merece,
pois no céu, Santa Maria,
num dia treze aparece.

† – FELISBINO CASSIMIRO RIBEIRO
(EURIPO BARBACENA)
Meu São Francisco de Assis,
Dai-me o verso bem rimado;
quero sentir-me feliz,
sem nenhum, de pé quebrado.

FERNANDO LOPES DE ALMEIDA SOARES
Que melodia há na TROVA,
cativante como a estrela,
tão antiga e sempre nova!…
-Mas quão difícil fazê-la!

† – FRANCISCO LÚCIO DE OLIVEIRA
Não penses que sou feliz,
só por me ouvires cantar.
É que da música eu fiz
o meu jeito de chorar.

† – FRANCISCO PÉRSIO FALABELLA
Minha mãe partiu tão bela,
Deus a levou, entretanto,
eu me sinto perto dela
pelas gotas do meu pranto.

FRANCISCO VIEIRA CHAGAS
Viajei para voltar,
mas algo lá me prendeu.
Eu fui levado ao altar
e o meu amor se perdeu.

GERALDA MAJELITA BORGES LADEIRA
Na fronteira do passado,
a verdade eu traduzi…
Foi um sonho mal traçado
que louvei…hoje o esqueci.

GERALDO TAVARES SIMÕES
Nossa amizade louvável
é como a água da minha;
contínua, inesgotável,
pura, clara, cristalina.

† – GRAZIELLA LYDIA MONTEIRO
Pobre de quem, terra-a-terra,
vive seu mundo tristonho,
sem o horizonte que encerra
a fantasia do sonho.

IDA DUTRA SACRAMENTO
No grande mar desta vida,
quando remamos ao léu,
é preciso que presida
a orientação lá do céu.

IEDA MARINI SOUZA OLIVEIRA
Ó minha mãe tão amada!…
seu afeto e seu carinho
hão de guiar minha estrada
até o fim do caminho.

IGNOCY FLÁVIO LEITE
Galgo a vida, passo a passo,
numa sensata porfia.
Não existe mais fracasso
para aquele que confia.

ILÁ ARAGÃO
O relógio descompassa…
Minha vida vai marcando.
Quanto mais o tempo passa,
a velhice vai chegando.

IMACULADA CATARINA SILVA
Sorriso e horizonte abertos,
esta menina sapeca
faz babar “tolos” espertos
e, sem querer, o homem peca.

IOLANDA LÚCIA SOARES GOMES
Segredo se confessá-lo
ao seu próprio coração,
não queira nunca torná-lo
domínio da multidão.

IONE TAGLIALEGNA
Depois da chuva bem fina,
a terra fria se cobre
com o tênue véu da neblina
até que o sol o descobre.

IRENE CÉSAR BOTELHO
Paz todo mundo cobiça,
bem-estar, tranqüilidade.
Paz é filha da justiça,
inspirada na igualdade.

† -ISABEL MONTEIRO SOARES
Quanto mais busco o horizonte,
que limita a minha vida,
mais tenho rugas na fronte,
pela esperança perdida.

IVONE MENDES
Cada página vivida,
feito a vida no garimpo,
eis que é uma pedra que a vida
lapida passando a limpo.

IVONE TAGLIALEGNA PRADO
Mesmo no inverno da idade,
ainda vivo à tua espera…
Por isto, visto a saudade
com traje de primavera…

JACY GOMES ROMEIRO
O silêncio me amargura;
não gosto da solidão.
Prefiro ter a ventura
de um amor no coração.

JOÃO DE DEUS MENDONÇA
Horizonte que deu brilho
a conquistas gloriosas,
me orgulho de ser teu filho,
Capital das Alterosas.

JOÃO EVANGELISTA FALCÃO
Tal e qual, jogado fora…
Pelo vento…ao seu sabor,
vi-me tão só, naquela hora,
tão triste!…Coisa do amor.

† – JOÃO PEREIRA DA SILVA
Numa trova canto a fama
da História de Portugal,
que guarda um Vasco da Gama
e um Pedro Álvares Cabral.

JOÃO QUINTINO DA SILVA
O regalo de um amigo,
meu cabaz de rima em flor,
no soneto, encontra abrigo,
a parábola de amor.

JOSÉ BERNARDINO PEIXOTO
Fico às vezes meditando
nas verdades do ditado:
quanto mais estou amando,
tanto menos sou amado…

† – JOSÉ CAPANEMA
A vida é um circo. Os artistas
têm suas glórias e fracassos,
se faltam bons trapezistas
sobram feras e palhaços.

JOSÉ CARAM ELIAS JAUDE
Voa, voa, ó andorinha
e vai em busca de alguém
entregar esta cartinha
e contar o que ela tem.

JOSÉ CARLOS BAETA
Tem cada igreja seus sinos,
cada sino tem um som;
soam às vezes como hinos,
e, muitas vezes, só um “bom”.

JOSÉ COURI
É de me dar nostalgia
esse horizonte sem fim,
porque me lembra, Maria,
tua distância de mim…

† – JOSÉ CHAMONE
Tenho irmãs freiras, por isto
não receio azares meus,
pois sendo esposas de Cristo,
eu sou cunhado de Deus.

† – JOSÉ DE ANDRADE E SILVA
Eu sempre fui um escravo
de teus caprichos, querida;
mesmo julgando-me bravo,
fiz da prisão minha vida.

JOSÉ DE ASSIS
A caridade em ação
da grande obra Vicentina,
nos brota do coração…
Ó que dádiva divina.

† – JOSÉ DE OLIVEIRA FONSECA
A velhice é fim de estrada…
A sua espera, vem segredo;
para trás, só fica o nada
e, na frente, mora o medo!!!

JOSÉ FABIANO
Deu-me a sorte, com descaso,
no banquete deste mundo,
alegria em prato raso
e tristeza em prato fundo…

JOSÉ LARA
Graças ao nosso minério,
nossas matas, nossas fontes
serão logo um cemitério…
Adeus, meu belo horizonte!

JOSÉ LOURENÇO
A saudade sempre é vida,
por mais que doa na gente.
recordar um Bem, querida,
é vivê-lo novamente.

JOSÉ LUCAS FILHO
Pensei que o tempo esfriasse
a chama do amor de outrora,
mas vejo um sol que renasce
a cada romper da aurora…

JOSÉ OCTÁVIO DE BRITO CAPANEMA
E tomando verbo e brilho,
aprumado, já em cena,
falando, na voz do filho,
emocionado ele acena.

JOSÉ OSVALDO DE SOUZA
Não mudou a minha sina,
em tantos anos a fio:
acordo e sigo a rotina
dum horizonte sombrio.

† – JOSÉ VALERIANO RODRIGUES
Onde a saudade é nascida,
minha saudade a revê.
quando vejo a despedida
dos outros, – penso em você.

JUPYRA DE OLIVEIRA VASCONCELOS E ALMEIDA
Sua carta custou tanto,
foi tanto tempo a passar
que a saudade, ao ver meu pranto,
também se pôs a chorar.

JURACEÍ BARROS GOMES
Do cruzeiro da cidade,
onde todos nós brincamos,
só ficou muita saudade
da infância que lá deixamos.

LAÉRCIO ANDRADE PEDROSO
É o pensamento que insiste
na verdade que não nego;
A perfeição só existe
dentro dos olhos de um cego.

LAURA APARECIDA DA SILVA
Foi pensando na alegria,
que Deus nos criou a flor,
dando-lhe muita harmonia,
alegria, paz e amor.

LEILA MÍCCOLIS
Esse perfume- gostoso
que de muito longe vem,
tão delicado e amoroso,
só pode ser do meu bem.

LEOLINA DE OLIVEIRA MENDONÇA
Fiz trovas para matar
saudades do trovador,
que me deixando a chorar,
não pensou na minha dor.

† – LIBÂNIO RODRIGUES
Trabalhador incansável
nem tempo tem pra cuspir.
Inda consegue, notável,
Trovas fazer, sem dormir.

LÍGIA MARIA DE REZENDE
“Ama e faze o que quiseres”
dizia Santo Agostinho
porque -puro em seus misteres-
traça o amor reto caminho!

LUCÍLIA CÂNDIDA SOBRINHO
Sedução é como o vinho:
inebria de repente,
mas fica sempre o gostinho
da conquista inconseqüente.

LUCY MOREIRA DA SILVA RODRIGUES
Saber bem envelhecer
pode ser arte ou virtude,
difícil é deixar de ter
saudades da juventude.

LUIZ CARLOS ABRITTA
O que conta nessa vida
não é tempo, nem idade,
mas a procura renhida
da deusa felicidade.

LYGIA BRITTO DE SOUZA
Quando eu sinto o vento arfando
teus cachos em mil novelos,
penso em teu gesto afagando
as mechas dos meus cabelos.

LYGIA GOMES DE PÁDUA
Concebo na trova o encanto
porque nela encontro o amor.
percebo sob o seu manto
quanto é bom ser trovador.

MARCOS NOGUEIRA DA GAMA
Toda fortuna que é obtida
sem trabalho e sem amor,
traz desenganos na vida,
faz do rico um sofredor.

MARIA ANITA GUIMARÃES
Amor é forma constante
de conservar a união,
mais aumenta, se distante,
de perto…mais emoção.

MARIA AUXILIADORA DE CARVALHO E LAGO
A maior sabedoria
dispensa toda ciência:
é aprender com Maria
fé, amor e paciência.

MARIA AUXILIADORA GALINARI NASCIMENTO
(DODORA GALINARI)
Como prova de me amar,
Deus achou uma solução:
foi letra de MÃE gravar…
na palma de minha mão.

† – Mª. BICALHO PARREIRAS RANDT
Na mentira tanto tempo,
nosso falso amor viveu,
por isso no contratempo,
não resistindo, morreu.

MARIA CARMEM DE CASTRO AMORIM XIMENES DE SOUZA
O Encontro dos Trovadores
vindo de outras paragens
carrega muitos valores
em suas ricas bagagens.

MARIA DA CONCEIÇÃO VIEIRA DE ALMEIDA
Para enganar o meu pranto,
conto histórias, canto a dor
e me abrigo no acalanto
dos versos do meu amor.

MARIA DA COSTA LAGE
Este mistério de outono
vem me envolvendo, mansinho…
Velhice é como abandono
do amor que se foi do ninho.

MARIA DA CRUZ PEREIRA NUNES
Pro Calvário foi Jesus,
levando a Cruz, grande dor!
dia sombrio e sem luz…
morreu Jesus por amor.

† – MARIA DOLORES PAIXÃO LOPES
LOLA DE OLIVEIRA
Um raio de sol, que a medo,
a vidraça atravessou,
desvendou nosso segredo…
o amor que a noite ocultou…

MARIA EDNA DA SILVA LOPES
Como é bom rever amigos
e por a conversa em dia,
lembrar dos tempos antigos
no reencontro da alegria.

MARIA ENEIDA NOGUEIRA GUIMARÃES
Só através da aparência,
nunca se pode escolher,
pois a verdadeira essência
é difícil de se ver.

MARIA LÚCIA DE GODOY PEREIRA
Uma palavra bem dita
é como seta certeira:
a sua ação infinita,
vale uma sentença inteira.

MARIA NATALINA JARDIM DE ALMEIDA
Por um filho, amor tão doce
nutre a mãe em demasia,
se um cento de filhos fosse
pelos cem dividiria.

MARIA ODETE SOUTO PEREIRA
Foste chuva de verão,
benfazeja e passageira;
mas teu abraço, esse não,
me aquecerá a vida inteira.

MARLEIDE CANEDO DE OLIVEIRA
A vida nos leva sonho,
nos devolve outros também;
de todos os que transponho,
só o amor supera o bem.

MARLENE DUARTE DE SÁ
As nuvens brancas de arminho,
no céu puro cor de anil,
se movem devagarinho
desenhando seu perfil.

MARLEIDE LEITE
O egoismo que nos cega
não traz nenhuma emoção.
Quem na vida o amor sonega,
põe ódio no coração.

MARTA ANAEL DE MOURA MAGALHÃES
O amor é pura atitude
que assumimos livremente,
um terno olhar de virtude
faz amar eternamente.

MERCÊS MARIA MOREIRA
No céu do meu coração,
teu amor é sol de outono,
aquecendo a solidão
do meu profundo abandono.

NAPOLEÃO FERREIRA DE MACEDO E MELO
Antigo Curral del-Rei,
depois, Cidade Jardim…
Hoje, poluída, nem sei
como chamar-te, por fim!

† – NILO APARECIDA PINTO
Sonhei com a Virgem Maria
– no céu, num trono de flores,
– nossa senhora aplaudia
– o canto dos Trovadores.

OLGA SALOMÃO DE FRANCOUBT
Vento, não batas à porta,
pois isso não fica bem…
penso ser minha Maria,
vou abrir, não é ninguém.

OLÍMPIO DA CRUZ SIMÕES COUTINHO
Não quero melhor abrigo
do que no teu coração,
onde o nosso amor antigo
desconhece a ingratidão.

† – PAULO DE TARSO COSTÁBILE
Declina o sol e aparece
o colorido horizonte!
Roga-se em serena prece
que um novo dia desponte.

PAULO EMÍLIO PINTO
Mais bebo, mais me angustio,
tamanha é a dor que me invade.
-Sou planta de beira-rio
numa enchente de saudade.

RELVA DO EGYPTO REZENDE SILVEIRA
Das mãos de Deus vai caindo,
em forma de chuva mansa,
a bênção da água…e espargindo
as sementes da esperança.

RENATO PASSOS
O médico, grande artista,
na arte de poder curar,
tem que ser malabarista,
pra sua morte driblar.

ROSA DE SOUZA SOARES
Sabe porque só me resta
debruçar-me na janela?
É porque o melhor da festa
é mesmo esperar por ela.

SIDNÉIA NUNES GUIMARÃES
E Deus nos trouxe a verdade:
-nascimento de Jesus…
Sua própria eternidade
trouxe ao mundo paz e luz.

SÍLVIA DE LOURDES ARAÚJO MOTTA
Três filhos são lindos laços,
do meu amor sem medida,
para todos, dou abraços
e bênçãos por toda a vida.

STELLA DA COSTA CÉSAR
Amor de ternura feito
numa noite enluarada…
Por um nada foi desfeito,
numa fria madrugada.

TEREZINHA RAPOSO COSENZA
Minha cidade é uma fonte,
de pureza cristalina,
onde a visão do horizonte,
é um sonho que não declina.

THEOLINA VILELA
Quantas vezes o palhaço
com sorriso de alegria
disfarçando seu fracasso,
ganha o pão de cada dia.

THEREZA COSTA VAL
(Maria Therezinha Costa Val Araújo)
Quando a noite silencia,
a saudade chega, intensa
e ocupa a casa vazia
onde, outrora, eras presença.

VICENTE DE PAULA VIOTTI
Auto-estima é natural,
mas se demais, é vaidade,
sendo evidente sinal
de oculta mediocridade.

† – VIRGÍLIO G.ASSUNÇÃO
Das prendas do coração
só a saudade- destoa:
nas outras mora o perdão
e a saudade não perdoa.

YVONNE GROSSI
Escreve-me e manda flores,
poesias, constantemente,
como entender seus amores
se a presença é tão ausente?

WALDEMAR PEQUENO
Há uma luz que me alumia,
uma luz que o céu não tem,
nem de noite e nem de dia;
-a dos olhos do meu bem.

WANDA DE PAULA MOURTHÉ
Brilho, sombra, e agora o breu:
roteiro de vida a dois…
Amor fugaz que morreu
sem a chance de um depois.

WILMA DE PAULA (PEIXOTO) LANA
Vem caindo devagar,
boa chuva e é de verão.
Eu me ponho a divagar:
se volto com ele ou não.

† – ZÉLIA BARROS ALENCAR
Janelas mais indiscretas
que as dos teus olhos, não vi:
revelam coisas secretas,
sempre falando por ti.

ZENI DE BARROS LANA
As flores que tu me atiras,
com falsidade sem fim,
são pedras, pois são mentiras
que doem dentro de mim.

† – ZENÍLIA PAIXÃO
As suas mãos enrugadas
às minhas se entrelaçaram,
lembrando emoções passadas
que em nossas almas ficaram.

ZILÁH ÁVILA CASTRO
Tua presença me traz
sempre esta mesma emoção;
jogando assim, para trás,
tristezas que lá se vão.

† – ZILDA NOVAIS
Caminhando passo a passo,
entre sonhos me embalei,
mas passo a passo desfaço
todos os sonhos que sonhei.

Fonte:
Seleção por Silvia Motta

Deixe um comentário

Arquivado em Belo Horizonte, Jose Ouverney, Minas Gerais em Trovas

Ademar Macedo (Mensagens Poéticas n.83)

Trova do Dia

Se canto a felicidade
sou poeta imaginando…
Mas quando falo em saudade
eu sei do que estou falando!
PEDRO ORNELLAS/SP

Trova Potiguar

Quem parte, parte chorando,
quem fica chora também;
só fica ou parte cantando
aquele que não quer bem.
ANTÍDIO AZEVEDO/RN

Uma Trova Premiada

2001 > Amparo/SP
Tema > PAZ > Menção Honrosa

Olho a tapera habitada
e em minha fé me concentro:
– Feita de restos de “nada”!…
– e quanta paz tem por dentro!!!
ERCY Mª MARQUES DE FARIA/SP

Uma Poesia

MOTE :
Quer matar um poeta, mate o sonho,
Que o poeta sem sonho se liquida.

GLOSA :
Quer fazer este mundo mais tristonho
tire o charme romântico das flores,
quer banir a beleza apague as cores
“quer matar um poeta, mate o sonho;”
entretanto se quer Jesus risonho
faça um gesto de amor, abrace a vida,
veja o mundo na tela colorida
da visão inspirada de um profeta;
mas, não toque no sonho do poeta
“que o poeta sem sonho se liquida.”
JOSÉ LUCAS DE BARROS/RN

Uma Trova de Ademar

Quando de um amor me aparto,
em tristezas me esparramo:
– bebo sozinho em meu quarto
as lágrimas que eu derramo!
ADEMAR MACEDO/RN

…E Suas Trovas Ficaram

Perdi sonhos… esperanças…
perdi tudo. E em meu cansaço,
tento reter as lembranças
nos versos tristes que faço.
NÁDIA HUGUENIN/RJ

Estrofe do Dia

Que se façam presentes no seu lar
A poesia, a justiça e o amor,
A poesia o tornando um trovador
O amor ensinando a perdoar
A justiça disposta prá lhe dar
Do direito a virtude e a essência
Que os três lhe concedam uma audiência
Prá dispor do sabor da liberdade
Inibir o terror da vaidade
E combater o dragão da violência.
PEDRO ERNESTO FILHO/CE

Soneto do Dia

– Alceu Wamosy/RS –
DUAS ALMAS.

Ó tu, que vens de longe, ó tu, que vens cansada,
entra, e, sob este teto encontrarás carinho:
Eu nunca fui amado, e vivo tão sozinho,
vives sozinha sempre, e nunca foste amada…

A neve anda a branquear, lividamente, a estrada,
e a minha alcova tem a tepidez de um ninho.
Entra, ao menos até que as curvas do caminho
se banhem no esplendor nascente da alvorada.

E amanhã, quando a luz do sol dourar, radiosa,
essa estrada sem fim, deserta, imensa e nua,
podes partir de novo, ó nômade formosa!

Já não serei tão só, nem irás tão sozinha:
Há de ficar comigo uma saudade tua…
Hás de levar contigo uma saudade minha…

Fonte:
Ademar Macedo

Deixe um comentário

Arquivado em Jose Ouverney, Mensagens Poéticas

Pedro Ornellas (As Artes do Pedro II)

Doze trovas líricas

DELÍRIO
Meu delírio ouvindo passos,
quase às raias da demência,
abre a porta e estende os braços
para abraçar tua ausência!

SOLIDÃO
Vigia que espreita e sonda
marcas de um sonho desfeito,
a solidão faz a ronda
no quarteirão do meu peito!

SAUDADE
Se canto a felicidade
sou poeta imaginando…
Mas quando falo em saudade
eu sei do que estou falando!

FRACASSO
Tive a noção do fracasso
quando o tempo, em desvario,
encheu de ausências o espaço
que o sonho deixou vazio!

ABANDONO
O trem partindo… um aceno…
e ao retornar pela estrada,
vi lágrimas de sereno
nos olhos da madrugada!

FELICIDADE
Na vida, imensa coxilha,
zombando do meu fracasso,
felicidade é novilha
mais ligeira que o meu laço!

COBIÇA
Meu coração cobiçando
teu belo corpo de fada
é o pôr-do-sol se espelhando
nos olhos da madrugada!

ESCOLTA
Deixei paisagens fagueiras
e os anos, fazendo a escolta,
foram lacrando as porteiras
para impedir minha volta!

IMPRUDÊNCIA
Faz tempo, na velha estância,
por desvarios levado,
pulei a cerca da infância
– e me perdi do outro lado!

CRUELDADE
Hoje voltas, volta ingrata,
depois que o tempo passou…
Como volta alguém que mata
pra confirmar que matou!

DESENCONTRO
Nasceu em época errada
um de nós dois… Só não sei
se tu chegaste atrasada
ou fui eu que me adiantei!

RESTOS…
Resto do sonho que um dia
não previu restos, nem fim,
um resto de fantasia
sustenta o resto de mim!

Fonte:
O Autor

Deixe um comentário

Arquivado em Jose Ouverney, São Paulo, Trovas

Carolina Ramos (Livro de Trovas)

O mar da vida parece
que às vezes quer me afogar,
mas, Deus, que nunca me esquece,
atira a bóia no mar!

No amor o tempo se gasta
com medidas desiguais:
se estás longe, ele se arrasta;
se perto, corre demais!

Nosso amor, quadras desfeitas,
de um poema sem achados…
Rimas tristes, imperfeitas,
fechando versos quebrados!…

Que o presente se reparta
com o passado, sem queixa…
– A memória não descarta
o que a saudade não deixa!

Há contraste em nossas vidas
mas, perfeito é o desempenho:
luz e sombra, quando unidas,
dão força e vida ao desenho…

Saltando apenas num pé,
negrinho, maroto e arteiro,
o saci, nada mais é,
que o capeta brasileiro…

É possível que aconteça:
Seja folclore ou novela,
tanta gente sem cabeça…
por que não mula… sem ela?

Teu amor… tal força tinha,
que a saudade me conduz
e esta penumbra só minha
ainda é cheia de luz!

A lua beija a favela…
A estrela no céu reluz…
– Meu bem, apaga essa vela,
o amor não quer tanta luz!…

A sós, na penumbra doce…
Neste agora sem depois,
é como se o mundo fosse
um mundo só de nós dois!…

Lembrando a ternura antiga,
minha saudade se exalta…
– Bendigo a penumbra amiga
que me esconde a tua falta!

Esta penumbra… Este frio,
este agora sem porquê…
Este silêncio vazio
é o meu mundo sem você!

Quando a penumbra descia,
a nossa emoção vibrava,
sonhando o que não dizia,
dizendo o que nem sonhava!…

A penumbra da saudade
torna os meus dias tristonhos
e eu bendigo a claridade
das estrelas dos meus sonhos!

No claro-escuro da vida,
fusão de alegria e dor,
a penumbra é colorida
se for penumbra de amor!

Se a ternura nos aquece
e um grande amor nos ampara,
é quando a penumbra desce
que a vida fica mais clara!

A verdadeira alforria
é aquela que estende as mãos,
unindo em plena harmonia
branco e negro, como irmãos.

Alforria… e a voz dos bravos
se erga, potente, entre as massas,
negando criar escravos
de um ódio cruel entre raças.

Esse que vive algemado
às paixões, odiando a esmo,
mesmo sendo alforriado,
segue escravo de si mesmo!

Preso ao tronco, em ais tristonhos,
geme o negro, sem alarde…
– para quem não tem mais sonhos,
a alforria chegou tarde…

Alforriada, ela passa
gingsando frente ao feitor
e o dengo de sua raça
faz dele escravo do amor!

A pele negra retrata
a dor de uma triste saga,
pois o estigma d chibata
nem mesmo a alforria apaga!

Sorrindo ao branco menino,
que o negro seio mordia,
mãe preta cumpre o destino,
alheia à própria alforria.

Choram as mães… Alforria!
e os negrinhos, assustados,
não sabem que uma alegria
também faz olhos molhados!

Alforria… ela desperta
tendo ao rosto um novo brilho,
não lhe importa estar liberta,
mas, ver liberto o seu filho!

Alforria… que mentira!
pensa o negro velho a rir…
– seu braço tanto servira,
que apenas crê no servir…
–––-

Deixe um comentário

Arquivado em Jose Ouverney, livro de trovas, São Paulo