Arquivo da categoria: Literatura de Cordel

Nilton Manoel (São Paulo é Esperança Todos os Dias)

 

Estação da Luz

450 ANOS DE SÃO PAULO

O sonho da vida está na vida do sonho.
(Nilton Manoel, em Grilos na ponta do lápis)

1
No meu antigo toca discos,
ouço com muita atenção,
lindas canções de outrora:
– “São Paulo  Quatrocentão”,
da “Rapaziada do  Brás”…
O “Trem das Onze me traz”,
saudade e muita emoção.
2
O trem pelos velhos trilhos,
a história do povo escreve!
e a cidade em seu cenário
sempre arrojada se atreve
a plantar modernidade;
sofra a gente com a saudade,
o progresso não é breve.
3
São Paulo, não perde tempo,
inova, protege, acolhe,
quer sua gente contente
não há garoa que molhe,
o entusiasmo dessa sina;
quem vence sua rotina
dá vida aos sonhos que escolhe.
4
O povo quer movimento,
quer cenário, quer ação,
quer futuro e conforto
pela glória da nação…
Todo mundo quer ter paz,
como é bom sonhar no Brás,
há poesia nesse chão!
5
Sou paulista do interior
e passo a vida na estrada,
quem gosta de movimento
quer vida facilitada:
– ao modernismo dou fé,
por todo lado dá pé,
se a cidade é bem cuidada…
6
Quando estou na capital
tenho eficiente o transporte;
seguro, rápido, alegre,
em toda estação o bom porte
que, nem posso imaginar
sem metrô pra trabalhar…
Ser pontual é ser forte!
7
A inspiração não me falta
e até me lembro que, a gente,
há trinta e cinco anos tem,
esse serviço excelente
que movimenta a cidade
e dá ao povo a vontade,
de viver mais… felizmente!
8
São estações variadas
espalhadas pela cidade,
elevados, com plataformas
e na sua versatilidade,
põe no cenário, poesia,
integra-se com a ferrovia,
caminho de prosperidade.
9
Entre fixas e rolantes,
gente que faz movimento
no ganha pão habitual…
paro, olho e  meu pensamento
cola imagens que, resumo
para as falas de consumo…
Reportagens do momento!
10
Quem tem vida solidária
dá valor à cortesia:
por favor… muito obrigado…
dá licença… que poesia,
nas convenções sociais;
todos nós somos serviçais,
pelo pão de cada dia.
11
Jânio Quadros fez história
melhorou a imagem do Brás.
com novas edificações
e o povo cheio de paz,
se orgulha a todo o instante,
por ser sempre o Bandeirante,
de eras que não voltam mais…
12
Nossa vida que é cíclica,
deve a Anchieta, o jesuíta,
que nem sabia, Senhor!
a vida rica e catita
que sua instalação
da história da fundação,
seria plena e bonita.
13
Na sequência do transporte
o tempo não segue à toa
e o cenário num instante
de São Paulo da garoa
vai e volta com o metrô
rápido como um alô
de celular… Coisa boa!
14
Na integração, a saudade
que traz Maria Fumaça
é recompensa gostosa
é vida cheia de graça
é tempo cheio de glória
é povo que faz a história
nas estações em que passa.
15
Sertanejo, deslumbrado,
da capital do Interior,
Paro e olho como poeta
e fotografo com amor,
a cidade velha e a nova…
Faço haicai, cordel e trova,
São Paulo em tudo tem cor.
16
Fora e dentro da paisagem
do metrô, pelas estações,
a moda que inventa moda
tem espaço de emoções,
nos projetos culturais,
além de artes visuais
concertos e belas canções
17
Viajando, cheio de sonhos,
o usuário com vigor,
faz a vida mais contente,
tem no metrô, o esplendor,
do minuto brasileiro.
Sabe que tempo é dinheiro
e dinheiro é vida e valor.
18
Nestes bons trinta e cinco anos
dos quais dez Companhia
de Trens Metropolitanos.
São Paulo que é poesia.
tem seus pontos cardeais
movimentos cordiais,
na vida do dia a dia…
19
Entre túneis e superfícies.
neste cenário bacana,
paz pelas quatro estações
com as vitrines de Ikebana…
Esculturas e poesia…
O jornal de todo o dia…
É obra que de Deus emana.
20
Nesse progresso incomum
de terra quatrocentona
dos cafezais à indústria
ao comércio em maratona
o povo que se desdobra…
O imigrante tudo cobra
da cidade que emociona.
21
Cenário amigo é o Metrô!
solidário,  nada esconde…
Relembre através da história
a vida dura do bonde,
no meu relógio de ponto…
Todo mês quanto desconto!
A rapidez corresponde.
22
“São Paulo dos meus amores”
treze listras das bandeiras
progressista a todo o instante
de vida gentil de ordeira
cidade que se desdobra,
urbanidade que sobra
pela pátria brasileira.
23
Nesta vida, coisa boa,
meu trem das onze, é fulgor,
corre até a meia-noite;
é transporte de valor
é segurança de fé
é sorriso que dá pé
é verso de cantador…
24
Vai-e-volta, gente bonita,
da pátria do bom cidadão
em sua faina diária,
carteira assinada ou não
que, São Paulo que é formiga
também é cigarra e abriga
a saga da Educação.
25
Neste  mundo transversal
temas escolares tantos,
em seu cenário tem vida…
Num programa, com encantos
comunitários, o fascínio,
dá a todos tirocínio
da grandeza em todos cantos.
26
No “Ação Escolar” projeta
a influência, positiva,
do metrô pela cidade…
Movimento que motiva,
no urbanismo, novos lares,
é nos bancos escolares,
consagra-se em voz ativa.
27
Os conceitos cidadãos
são plenos em toda parte
faz da cultura de então
dar vivas a vida com arte
que o visual é fartura
que encanta, fascina e apura,
É saber que se reparte…
28
Como patrimônio público
paisagístico e de transporte
Metrô é riqueza da história,
trouxe à vida a melhor porte,
é tudo que o povo queria…
Foguete de todo o dia
do meu trabalho, o suporte.
29
São Paulo é renovação,
canteiro da arquitetura,
pátria de nossos estados
onde se sonha fartura…
Ambição a luz do dia
de noite sonho e poesia…
Vive-se bem… A vida é dura!
30
Por todas as linhas que passo,
por todos sonhos que planto
a trabalho ou a passeio
O metrô tem seu encanto
viajo em paz, sossegado,
feliz e cheio de agrado
e meus limites suplanto.
31
Recordo dos velhos tempos
do transporte e nossa história…
Museu Gaetano Ferolla
têm muito da trajetória…
O bondinho da novela
se à saudade dá trela?
Metrô é conforto e glória!
32
Salve os metroviários. Viva!
gente amiga e de paz!
quem trabalha por São Paulo,
é ordeiro em tudo que faz.
Viva minha gente de fé,
em Sampa tudo da pé!…
Viva o Metrô!  Viva o Brás!

Fonte:
O Autor

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura de Cordel, Poesias, Ribeirão Preto

José Soares do Nascimento (Josina, a Menina Perdida)

Botei a pena na mão
Aproveitando o ensejo
Para contar uma história
Que contou-me um sertanejo
Sendo ele um viajante
Não sei se ainda o vejo

O sertanejo contou-me
Que perdeu-se uma menina
Filha de uma viúva
Chamada Dona Cristina
Nos tristes bosques medonhos
Do Sertão de Petrolina

A criancinha contava
Oito anos de idade
Dona Cristina dispunha
De boa propriedade
Num pé duma grande serra
Muito longe da cidade

Um dia Dona Cristina
Fez da filha um portador
Para levar um recado
Na casa de um morador
Cujo recado deu margem
A esta perda de horror

Era uma tarde nublada
Só não estava chovendo
Dona Cristina lhe disse:
Josina, tu vais correndo
E não demores por lá
Que está anoitecendo

Eram quase dois quilômetros
A viagem que ela ia
Dona Cristina mandou-a
Sem nenhuma companhia
Havia muitas veredas
Porém Josina sabia

Já era no fim da tarde
Quando Josina seguiu
Chegou lá deu o recado
No mesmo instante saiu
Mas na volta demorou-se
Com umas frutas que viu

Era um pé de cambucás
Estavam os galhos pendendo
Josina chupando as frutas
Naquilo ia se entretendo
Nem sequer veio na mente
Que estava anoitecendo

Quando já estava escuro
Josina seguiu incerta
Por uma grande vereda
Pensando que ia certa
Ia em procura da serra
Tirana, feia e deserta

Chegou no cimo da serra
Coitadinha esmorecida
Sentou-se pra descansar
Chorando e arrependida
Naquilo a chuva chegou
E ela julgou-se perdida

Josina disse chorando:
Ai, Meu Deus, que faço agora
Perdida nesta montanha
Perdida fora de hora
Voltar pra casa não sei
Valei-me Nossa Senhora

Era chuva em abundância
Com relâmpago e trovão
O vento inundava a serra
Josina em aflição
Só tinha por companhia
O ermo e a solidão

Ela dizia chorando:
Só foi por causa das frutas
Que hoje me vejo perdida
Nestas montanhas tão brutas
Inda querendo voltar
Não sei por causa das grutas

Meu Deus eu estou molhada
De não poder resistir
Perdida nestas montanhas
Sem acertar pra sair
Como é que eu passo a noite
Sem cear e sem dormir

Mamãe disse que tem onça
Nestas serras do Sertão
Se uma onça pegar-me
Aqui nesta solidão
Eu morro e não vejo mais
Mamãe do meu coração
*
A chuva torrencial
Escalavrando os rochedos
Os trovões impetuosos
Bramiam pelos degredos
Troavam os ventos soberbos
Nas copas dos arvoredos

Porém, como Deus é pai
A tempestade acalmou
As águas se separaram
O trovão se alongou
Os ventos se separaram
Josina se consolou

Seguiu pelo bosque adentro
Foi sair em um lajedo
Transpassadinha de frio
Com fome, chupando o dedo
Como quem daquele bosque
Já tinha perdido o medo

No outro dia bem cedo
Pelo bosque caminhava
Ficando cada vez mais
Distante de onde morava
Subindo serra e descendo
Nem com vereda acertava

Se achava frutas, comia
Às vezes, cheirava flor
Os passarinhos cantavam
Para ela era uma dor
O velho mocho agoureiro
Dava gritos de horror

Perdida dentro do bosque
Ficou a pobre menina
Vou tratar da aflição
Que sofreu Dona Cristina
Quando viu anoitecer
Sem ter novas de Josina

Chamou um rapaz e disse
Já quase turbando a fala
Vá procurar minha filha
E se você não encontra-la
Volte logo, sem demora
Que eu quero ir procurá-la

O rapaz botou a cela
Num burro galopador
E chegou a toda pressa
Na casa do morador
Perguntou: Josina está?
Responderam: não senhor.

Sem ter demora nenhuma
O rapaz se despediu
Seguiu por uma vereda
Procurou rastros, não viu
Gritou, ninguém respondeu
Montou no burro e saiu

E chegando em casa disse
Nem notícia de Josina
Se minha filha perdeu-se
Exclamou Dona Cristina
Voltem logo, sem demora
Vão procurar a menina

Foi chegando um morador
Com a família que vem
Saber o que sucedeu
A chuva chegou também
Ficaram sob ordens de Deus
Sem poder sair ninguém

Era chuva em abundância
Com enorme ventania
Choveu até alta noite
Das casas ninguém saía
Choravam todos presentes
Na mais profunda agonia

Dona Cristina dizia:
Valei-me Nossa Senhora
Minha filha está perdida
Nos bosques fora de hora
Se as feras não devorarem
Porém a chuva devora

Às quatro da madrugada
Reuniu-se muita gente
Se espalharam pelo bosque
Gritando forçadamente
Não havia quem tivesse
Roteiro da inocente

Se espalharam pelo bosque
Muitos ainda em jejum
Quando foi anoitecendo
Foi chegando de um em um
Até que chegaram todos
Sem ter roteiro nenhum
*
No segundo dia foi
O povo da vizinhança
Se espalharam pelo bosque
Em procura da criança
Até que chegaram todos
Sem ter daquilo esperança

Foram no terceiro dia
Já tudo desenganado
Em procura da criança
Cada qual com mais cuidado
Voltaram no quarto dia
Sem ter nenhum resultado

Para o povo que sabia
Era um dia de juízo
Procurando sem achar
Ficava tudo indeciso
Só reclamava o desprezo,
A perda e o prejuízo

Dona Cristina estava
Mais morta do que Josina
Porém disse: Deus não dorme
Faz tudo quanto destina
Suplicou com muita fé
A providência divina

Exclamou Dona Cristina:
Oh! Meu Deus onipotente…
Vós que sofrestes por nós
Numa cruz horrivelmente
Compadecei-vos de nós
E da minha filha inocente

Meu Deus de misericórdia
Vós sois senhor dos senhores
Pai dos pais, mestre dos mestres
Sois o autor dos autores
Amparai minha filhinha
E aliviai minhas dores

Meu Deus salvastes Noé
Do Dilúvio universal
Tirastes Jonas que estava
No ventre dum animal
Tirai a minha filhinha
De um bosque tão infernal

Mas antes minha filhinha
Inda não fosse nascida
Ou morresse qualquer hora
Em meus braços aquecida
Do que nas garras das feras
Dentro do bosque perdida

Meu Deus salvastes a Dimas
Entre todos os ladrões
Salvastes a Daniel
Lá na cova dos leões
Salvai a minha filhinha
De tão duras aflições

Dona Cristina lembrou-se
Do Padre Cícero Romão
Fez uma súplica a ele
De todo o seu coração
Com os joelhos em terra
E o rosário na mão

Meu Padrinho Padre Cícero
Por nosso Deus Soberano
Amparai minha filhinha
Tirai-me do desengano
Que prometo visitar
Nosso túmulo todo ano

Meu padrinho eu prometo
Pelos dogmas divinais
Se minha filha livrar-se
Das garras dos animais
Visitarei todo ano
Os vossos restos mortais

Pela Santíssima Virgem
Por nosso Deus verdadeiro
Por vosso túmulo sagrado
Por tudo quanto é romeiro
Fazei com que pelo menos
Apareça algum roteiro

Por vosso falecimento
Por vosso primeiro banho
Pelas ovelhas que vós
Reduzistes ao rebanho
Tirai a minha filhinha
De um bosque tão estranho

Ditas aquelas palavras
Suspirou Dona Cristina
Procurar era debalde
Ficou lamentando a sina
Até quando um dia Deus
Desse novas de Josina
*
Deus é pai não é padrasto
Socorre quem precisar
Sucedeu que um caçador
Certo dia foi caçar
Ouviu um choro na brenha
Se aproximou do lugar

Era a menina perdida
Quando viu ele, correu
Ele fez um medo a ela
A criança esmoreceu
Ele pegou-a nos braços
Porém não a conheceu

A criança apenas disse
De quem era e onde morava
Ele garantiu a ela
Que para casa a levava
Nunca tinha ido lá
Porém se fosse acertava

Conduziu ela pra casa
Agradando muito a ela
Quando foi no outro dia
Num burro botou a sela
Montou-se no burro e foi
Levá-la à família dela

Era quase cinco léguas
Mas ele a levou urgente
Entregou ela a família
Josina muito contente
Reinou um prazer no povo
Que quase morria gente

Dona Cristina pagou-lhe
Com muita satisfação
Deu cem mil réis da viagem
Em louvor daquela ação
Hospedou-o e tratou bem
Como se faz no Sertão

Engraçado foi Josina
Contar em casa a mãe dela
De que forma se perdeu
E a aflição que viu nela
E um Padre que viu no bosque
Andando junto com ela

Josina disse: mamãe
Eu cheguei num grutilhão
Encontrei um padre velho
Com um rosário na mão
Os cabelinhos tão brancos
Que parecia algodão

O padre ia ver frutas
Me dava pra eu comer
Depois ia buscar água
Me dava pra eu beber
Mas o padre era encantado
Só saía sem eu ver

Quando eu estava com sono
No colo dele dormia
Porém quando eu acordava
Procurava ele não via
Eu começava a chorar
E o padre me aparecia

Dona Cristina sentiu
Uma grande comoção
Contritamente fixou
Os dois joelhos no chão
Exclamou: isso é prodígio
Do Padre Cícero Romão

Apesar de falecido
O Padre Cícero Romão
 Porém seu grande prodígio
Chamou o povo atenção
Registrando o sucedido
Por todo aquele Sertão

Lá gente em Borbotão
De toda localidade
Reuniu-se na fazenda
Comentando a novidade
Dando muitos parabéns
Por muita felicidade

Vejam bem, caros leitores
O prazer desta menina
E a alegria incomparável
Que teve Dona Cristina
E o descuido o que faz
Depois queixar-se da sina

Eu considero Josina
Uma guerreira de amor
Porque lutou contra a sorte
Mas teve Deus a favor
Depois encontrou auxilio
Num braço consolador.

Fonte:
Clécio Dias (http://santacruzcordel.blogspot.com.br/2011/02/josina-menina-perdida.html)

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura de Cordel

Antônio Martins de Araújo (História da Cidadezinha dos Palacetes de Porcelana)

Era uma vez pelos idos
 de mil seiscentos e doze
 uma rainha francesa
 também chamada Maria
 cujo sonho era enricar
 Maria pegou de seus
 dois tenentes-generais
 de Luís 13 de França
 e os mandou correr mar

 Sieur de Ia Ravardière
 e sieur de Rasilly
 que ouvirem melhor fizeram
 por via de João de Barros
 que era o dono de tuas terras
 passar a velhice honrada
 se importando com seus livros

 a fim de pagar as dívidas
 que o naufrágio que levou
 a seu filho sócio e haveres
 lhe criou pra todo o sempre
 enquanto a vida viveu
 e sabendo das andanças
 de espanhóis e genoveses
 uns pra cima outros pra baixo
 mas todos por estes lados
 puseram proa a noroeste
 e em Upaon-açu deram

 diz que antes por ti passaram
 piratas em rapinagem
 mas porém não te esposaram
 chantaram pelo teu ventre
 encanto e simplicidade

 ontem disse um jesuíta
 que também te muito amou
 e outra vez um filho teu
 que assim te viu e te vê
 seres tu por esses tempos
 do mundo a única filha
 rodeada de mil encantos
 e amor por todos os lados
 mas com toda a maranduba
 desde que foste inventada
 São Luís do Maranhão
 que tens sido cobiçada
 por tudo quanto é nação

 sempre vive de teus dias
 boiando na fantasia
 até Bernardes que nunca
 chegou a te conhecer

 recontou aquele fato
 famoso do julgamento
 das formigas que roubavam
 a farinha dos moirões
 da igreja dos barbadinhos
 de quantos anos atrás

 lá um dia em Guaxenduba
 mil seiscentos e quatorze
 português estava morrendo
 pelas balas dos franceses
 foi quando Nossa Senhora
 da Vitória apareceu
 viu com quem estava a paixão
 pois as balas dos soldados
 de Jerônimo de Albuquerque
 muito havia se acabaram
 ficou com pena dos fracos

 olhou toda aquela areia
 que eles próprios mal pisavam
 e a areia se transformou
 na pólvora com que expulsaram
 os franceses para a França

 o general Alexandre
 no outro ano ficaria
 com o forte de São Felipe
 que seria após cabeça
 do Maranhão-Grão-Pará
 outro tanto do Brasil

 os meus avós me contaram
 que os seus avós lhes contaram
 a estória da baronesa
 que quebrava com martelo
 os dentes de escravas suas
 quando seu marido achava
 os dentes delas bonitos

 outrora até baronesas
 cautelosas dos maridos
 quando as escravas moçavam
 endurecendo seus peitos
 de inveja destas furavam-nos
 com alfinetes queimados
 para seu encantamento
 vazar por aqueles furos
 e murchando ainda em moças
 os maridos não quererem
 ter qualquer coisa com elas

 em fundos vasos de alvacenta argila
 que hoje alguidares se chamam
 desde três séculos atrás
 que em ti se amassa juçara
 pra comer com camarão
 e farinha de mandioca

 já no século dezessete
 um almirante holandês
 te levou um coronel
 pra humilhar teu governo
 apeando-se na praia
 do Desterro e profanando
 a igreja e tua infância
 de menina inconcebida
 logo a maldição da história
 fez do bairro onde a maldade
 se fundou e amanheceu
 a zona donde a miséria
 nunca mais anoiteceu

 só depois é que vieram
 os dois Antônios da história
 que com raiva desterraram
 ao capitão holandês
 para os caminhos de Holanda

 Fonte das Pedras lá em baixo
 Carmo Novo aqui em cima
 e Oiteiro da Cruz lá longe
 trincheira onde os tetravôs
 cimentaram com seu sangue
 a areia de teus anais

 acontecido de ontem
 é a estória de nhá Jansen
 que rojava a escravaria
 sobre a lama das sarjetas
 pra sobre elas pisar
 quando as chuvas estiavam
 mas a carruagem rica
 da grande dona de escravos

 com a alma penada dela
 ainda hoje se arrasta
 com os pesados correntões
 toda meia-noite em ponto
 nas ruas sem uma gente
 de São Luís do Maranhão
 […]

 e a grande história de amor
 que para quem não conhece
 até parece legenda
 do filho de branco e escrava
 das terras de Jatobá
 que por amor de um amigo
 deixou de fugir com a amada
 e serem ambos felizes
 mas que por isso não foram:
 “Enfim te vejo, enfim posso
 Curvado aos teus pés dizer-te
 Que não cessei de querer-te
 Pesar do quanto sofri…”

 São Luís do Maranhão
 tua história toda é feita
 de amor e libertação
 tu te lembras que Vieira
 pagou com ir para a cela
 e com a morte temporária
 a morte de não te ver
 a ousadia de haver
 tentado livrar os índios
 do sacrifício sem paga?

 tu te lembras que Aluísio
 foi largado nos teus braços
 por tua sociedade
 por ter achado que o negro
 é tão gente quanto o branco
 e humilhado te deixou
 para ser engrandecido
 por terras que não amou?

 mas tu te lembras também
 que algumas vezes tens sido
 não mãe mas quase madrasta
 por consentires que alguns
 de teus filhos atrasados
 não perdoem aos irmãos
 que sabem mais um pouquinho?

 tu te lembras certo dia
 voltou com anel da Bahia
 um certo filho doutor
 que desejou te ajudar
 e por causa da campanha
 que ele fez pela melhora
 de tua alimentação
 seus irmãos ignorantes
 passaram a lhe chamar
 de doutor Farinha Seca
 e ele voltou pra Bahia
 para ser Nina Rodrigues
 e com a ciência provou
 que os negros também são gente?

 mas outros que nem Mohana
 deixam seus ouros lá fora
 fazem voto de pobreza
 e voltam pra te servir
 és assim mesmo! teus filhos
 e até os que só te veem
 podem deixar-te de vez
 mas para nunca jamais
 te apagarão da memória
 com toda a maledicência
 de tuas águas azuis

 tens tudo pra vir a ser
 outra Atenas Brasileira
 no entanto foste o ceitil
 do mais possante rebanho
 de cegos surdos e mudos
 deste país sem fronteira
 deste gigante Brasil
 […]

Fonte:
ARAÚJO, Antônio Martins. História da Cidadezinha dos Palacetes de Porcelana.  São Luís: Lithograf, 2012

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura de Cordel

João Martins de Athayde (As Proezas de João Grilo)

João Grilo foi um cristão
que nasceu antes do dia
criou-se sem formosura
mas tinha sabedoria
e morreu depois da hora
pelas artes que fazia.

E nasceu de sete meses
chorou no bucho da mãe
quando ela pegou um gato
ele gritou: não me arranhe
não jogue neste animal
que talvez você não ganhe.

Na noite que João nasceu
houve um eclipse na lua
e detonou um vulcão
que ainda continua
naquela noite correu
um lobisome na rua.

Porém João Grilo criou-se
pequeno, magro e sambudo
as pernas tortas e finas
e boca grande e beiçudo
no sítio onde morava
dava notícia de tudo.

João perdeu o seu pai
com sete anos de idade
morava perto de um rio
Ia pescar toda tarde
um dia fez uma cena
que admirou a cidade.

O rio estava de nado
vinha um vaqueiro de fora
perguntou: dará passagem?
João Grilo disse: inda agora
o gadinho do meu pai
passou com o lombo de fora.

O vaqueiro bota o cavalo
com uma braça deu nado
foi sair já muito embaixo
quase que morre afogado
voltou e disse ao menino:
você é um desgraçado.

João Grilo foi ver o gado
pra provar aquele ato
veio trazendo na frente
um bom rebanho de pato
os pássaros passaram n”água
João provou que era exato.

Um dia a mãe de João Grilo
foi buscar água à tardinha
deixando João Grilo em casa
e quando deu fé, lá vinha
um padre pedindo água
nessa ocasião não tinha

João disse; só tem garapa;
disse o padre; donde é?
João Grilo lhe respondeu;
é do engenho catolé;
disse o padre: pois eu quero;
João levou uma coité.

O padre bebeu e disse:
oh! que garapa boa!
João Grilo disse: quer mais?
o padre disse: e a patroa
não brigará com você?
João disse: tem uma canoa.

João trouxe uma coité
naquele mesmo momento
disse ao padre: beba mais
não precisa acanhamento
na garapa tinha um rato
tava podre e fedorento.

O padre disse: menino
tenha mais educação
e por que não me disseste?
oh! natureza do cão!
pegou a dita coité
arrebentou-a no chão.

João Grilo disse: danou-se!
misericórdia, São Bento!
com isto mamãe se dana
me pague mil e quinhentos
essa coité, seu vigário,
é de mamãe mijar dentro!

O padre deu uma popa
disse para o sacristão:
esse menino é o diabo
em figura de cristão!
meteu o dedo na goela
quase vomita um pulmão.

João Grilo ficou sorrindo
pela cilada que fez
dizendo: vou confessar-me
no dia sete do mês
ele nunca confessou-se
foi essa a primeira vez.

João Grilo tinha um costume
pra toda parte que ia
era alegre e satisfeito
no convívio de alegria
João Grilo fazia graça
que todo mundo sorria.

Num dia de sexta-feira
às cinco horas da tarde
João Grilo disse: hoje à noite
eu assombro aquele padre
se ele não perdoar-me
na igreja há novidade.

pegou uma lagartixa
amarrou pelo gogó
botou-a numa caixinha
no bolso do paletó
foi confessar-se João Grilo
com paciência de Jó.

Às sete horas da noite
foi ao confessionário
fez logo o pelo sinal
posto nos pés do vigário
o padre disse: acuse-se;
João disse o necessário.

Eu sou aquele menino
da garapa e do coité;
o padre disse: levante-se
que já sei você quem é;
João tirou a lagartixa
Soltou-a junto do pé.

A largatixa subiu
por debaixo da batina
entrou na perna da calça
tornou-se feia a buzina
o padre meteu os pés
arrebentou a cortina.

Jogou a batina fora
naquela grande fadiga
a lagartixa cascuda
arranhando na barriga
João Grilo de lá gritava:
Seu padre, Deus lhe castiga!

O padre impaciente
naquele turututu
saltava pra todo lado
que parecia um timbu
terminou tirando as calças
ficou o esqueleto nu.

João disse: padre é homem
pensei que fosse mulher
anda vestido de saia
não casa porque não quer
isso é que é ser caviloso
cara de matar bebê.

O padre disse João Grilo
vai-te daqui infeliz!
João Grilo disse bravo
ao vigário da matriz:
é assim que ele me paga
o benefício que fiz?

João Grilo foi embora
o padre ficou zangado
João Grilo disse: ora sebo
eu não aliso croado
vou vingar-me duma raiva
que eu tive ano passado.

No subúrbio da cidade
morava um português
vivia de vender ovos
justamente nesse mês
denunciou de João Grilo
pelas artes que ele fez.

João encontrou o português
com a égua carregada
com duas caixas de ovos
João disse-lhe: oh camarada
quero dizer à tua égua
Uma pequena charada.

o português disse: diga;
João chegou bem no ouvido
com a ponta do cigarro
soltou-a dentro escondido
a égua meteu os pés
foi temeroso estampido.

derrubou o português
foi ovos pra todo lado
arrebentou a cangalha
ficou o chão ensopado
o português levantou-se
tristonho e todo melado.

O português perguntou:
o que foi que tu disseste
que causou tanto desgosto
a este anima agreste?
– Eu disse que a mãe morreu;
o português respondeu:
Oh égua besta da peste!

João Grilo foi à escola
com sete anos de idade
com dez anos ele saiu
por espontânea vontade
todos perdiam pra ele
outro Grilo como aquele
perdeu-se a propriedade.

João Grilo em qualquer escola
chamava o povo atenção
passava quinau nos mestres
nunca faltou com a lição
era um tipo inteligente
no futuro e no presente
João dava interpretação.

um dia perguntou ao mestre:
o que é que Deus não vê
o homem vê a qualquer hora
disse ele: não pode ser
pois Deus vê tudo no mundo
em menos de um segundo
de tudo pode saber.

João Grilo disse: qual nada
que dê os elementos seus?
abra os olhos, mestre velho
que vou lhe mostrar os meus
seus estudos se consomem
um homem vê outro homem
só Deus não vê outro Deus.

João Grilo disse: seu mestre
me diga como se chama
a mãe de todas as mães
tenha cuidado no drama
o mestre coça a cabeça
disse: antes que me esqueça
vou resolver o programa.

– A mãe de todas as mães
é Maria Concebida;
João Grilo disse: eu protesto
antes dela ser nascida
já esta mãe existia
não foi a Virgem Maria
oh! que resposta perdida.

João Grilo disse depois
num bonito português;
a mãe de todas as mães
já disse e digo outra vez
como a escritura ensina
é a natureza divina
que tudo criou e fez.

– Me responde, professor
entre grandes e pequenos
quero que fique notável
por todos nossos terrenos
responda com rapidez
como se chama o mês
que a mulher fala menos?

Este mês eu não conheço
quem fez esta taboada?
João Grilo lhe respondeu:
ora sebo, camarada
pra mim perdeu o valor
tem nome de professor
mas não conhece de nada

– Este mês é fevereiro
por todos bem conhecido
só tem vinte e oito dias
o tempo mais resumido
entre grandes e pequenos
é o que a mulher fala menos
mestre, você tá perdido.

– Seu professor, me responda
se algum tempo estudou
quem serviu a Jesus Cristo
morreu e não se salvou
no dia em que ele morreu
seu corpo urubu comeu
e ninguém o sepultou?

– Não conheço quem é esse
porque nunca vi escrito;
João Grilo lhe respondeu:
foi o jumento, está dito
que a Jesus Cristo servia
na noite em que ele fugia
de Belém para o Egito.

João Grilo olhou para o lado
disse para o diretor
este mestre é um quadrado
fique sabendo o senhor
sem dúvida exame não fez
o aluno desta vez
ensinou ao professor.

João Grilo foi para casa
encontrou sua mãe chorando
ele então disse: mamãe
não está ouvindo eu cantando?
não chore, cante mais antes
pois o seu filho garante
pra isso vive estudando .

A mãe de João Grilo disse:
choro por necessidade
sou uma pobre viúva
e tu de menor idade
até da escola saíste…
João disse: ainda existe
o mesmo Deus de bondade.

– A senhora pensa em carne
de vinte mil réis o quilo
ou talvez no meu destino
que à força hei de segui-lo
não chore, fique bem certa
a senhora só se aperta
quando matarem João Grilo.

João então chegou no rio
às cinco horas da tarde
passou até nove horas
porém inda foi debalde
na noite triste e sombria
João Grilo sem companhia
voltava sem novidade.

Chegando dentro da mata
ouviu lá dentro um gemido
dois lobos devoradores
o caminho interrompido
e trepou-se num pinheiro
como era forasteiro
ficou ali escondido.

Os lobos foram embora
e João não quis descer
disse: eu dormirei aqui
suceda o que suceder
eu hoje imito arapuan
só vou embora amanhã
quando o dia amanhecer.

O Grilo ficou trepado
temendo lobos e leões
pensando na fatal sorte
e recordando as lições
que na escola estudou
quando de súbito chegou
uns quatro ou cinco ladrões.

Eram uns ladrões de Meca
que roubavam no Egito
se ocultavam na mata
naquele bosque esquisito
pois cada um de per si
que vinha juntar-se ali
pra ver quem era perito.

O capitão dos ladrões
disse: não fala ninguém?

um respondeu; não senhor
disse ele: muito bem
cuidado não roubem vã
vamos juntar-nos amanhã
na capela de Belém.

Lá partiremos o dinheiro
pois aqui tudo é graúdo
temos um roubo a fazer
desde ontem que estudo
mas já estou preparado;
e o Grilo lá trepado
calado escutando tudo.

Os ladrões foram embora
depois da conversação
João Grilo ficou ciente
dizendo a seu coração:
se Deus ajudar a mim
acabou-se o tempo ruim
sou eu quem ganho a questão.

João Grilo desceu da árvore
quando o dia amanheceu
mas quando chegou em casa
não contou o que se deu
furtou um roupão de malha
vestiu, fez uma mortalha
lá no mato se escondeu.

À noite foi pra capela
por detrás da sacristia
vestiu-se com a mortalha
pois na capela jazia
sempre com a porta aberta
João pensou na certa
colher o que pretendia.

Deitou-se lá num caixão
que enterravam defunto
João Grilo disse: eu aqui
vou ganhar um bom presunto;
os ladrões foram chegando
e João Grilo observando
sem pensar em outro assunto.

Acenderam um farol
penduraram numa cruz
foram contar o dinheiro
no claro deu uma luz
João Grilo de lá gritou:
esperem por mim que eu vou
com as ordens de Jesus!

Os ladrões dali fugiram
quando viram a alma em pé
João Grilo ficou com tudo
disse: já sei como é nada
no mundo me atrasa
agora vou para casa
tomar um rico café.

Chegou e disse: mamãe
morreu nossa precisão
o ladrão que rouba outro
tem cem anos de perdão;
contou o que tinha feito
disse a velha: está direito
vamos fazer refeição.

Bartolomeu do Egito
foi um rei de opinião
mandou convidar João Grilo
pra uma adivinhação
João Grilo disse: eu vou;
no outro dia embarcou
para saudar o sultão.

João Grilo chegou na corte
cumprimentou o sultão
disse: pronto, senhor rei
(deu-lhe um aperto de mão)
com calma e maneira doce
o sultão admirou-se
da sua disposição.

O sultão pergunta ao Grilo;
de onde você saiu?
aonde você nasceu?
João fitou ele e sorriu
– Sou deste mundo d”agora
nasci na ditosa hora
em que minha mãe me pariu.

– João Grilo, tu adivinha?
o Grilo respondeu: não
eu digo algumas coisas
conforme a ocasião
quem canta de graça é galo
cangalha só pra cavalo
e sêca só no sertão.

_ Eu tenho doze perguntas
pra você me responder
no prazo de 15 dias
escute o que vou dizer
veja lá como se arruma
é bastante faltar uma
tá condenado a morrer.

João Grilo disse: estou pronto
pode dizer a primeira
se acaso sair-me bem
venha a segunda e a terceira
venha a quarta e a quinta
talvez o Grilo não minta
diga até a derradeira.

Perguntou: qual o animal
que mostra mais rapidez
que anda de quatro pés
de manhã por sua vez
ao meio-dia com dois
passando disto depois
à tarde anda com três?

O Grilo disse: é o homem
que se arrasta pelo chão
no tempo que engatinha
depois toma posição
anda em pé e bem seguro
mas quando fica maduro
faz três pés com o bastão.

O sultão maravilhou-se
com sua resposta linda
João disse: pergunte outra
vou ver se respondo ainda;
a segunda o sultão fez
João Grilo daquela vez
celebrizou sua vinda.

– Grilo você me responda
em termos bem divididos
uma cova bem cavada
doze mortos estendidos
e todos mortos falando
cinco vicos passeando
trabalham com três sentidos.

– Esta cova é a viola
com primo, baixo e bordão
mortas são as doze cordas
quando canta um cidadão
canta, toca, faz um verso
cinco vicos num progresso
os cinco dedos da mão.

Houve uma salva de palmas
com vivas que retumbou
o sultão ficou suspenso
seu viva também bradou
e depois pediu silêncio
com outro desejo imenso
a terceira perguntou.

– João Grilo, qual é a coisa
que eu mandei carregar
primeiro dia e segundo
no terceiro fui olhar
quase dá-me a tiririca
se tirar, mais grande fica
não míngua, faz aumentar?

– Senhor rei, sua pergunta
parece me fazer guerra
um Grilo não tem saber
criado dentro da serra
mas digo pra quem conhece
o que tirando mais cresce
é um buraco na terra.

João Grilo vou terminar
as perguntas do tratado
o Grilo disse; pergunte
quero ficar descansado
disse o rei: é muito exato
o que é que vem do alto
cai em pé, corre deitado?

– Aquele que cai em pé
e sai correndo pelo chão
será uma grande chuva
nos barros de um sertão;
o rei disse: muito bem
no mundo inteiro não tem
outro Grilo como João.

– João Grilo, você bebe?
João disse: bebo um pouquinho
e disse; eu não sou filho
de Baco que fez o vinho
o meu pai morreu bebendo
e eu o que estou fazendo?
sigo no mesmo caminho.

O rei disse: João Grilo
beber é cousa ruim;
o Grilo respondeu: qual
o meu pai dizia assim:
na casa de seu Henrique
zelam bem um alambique
melhor do que um jardim.

O rei disse: João Grilo
tua fama é um estrondo
João Grilo disse: eu sabendo
o que perguntar respondo;
disse o rei enfurecido;
o que tem o pé comprido
e faz o rastro redondo?

– Senhor rei, tenho lembrança
do tempo da minha avó
que ela tinha um compasso
na caixa do bororó
como este eu também ando
fazendo o rastro redondo
andando com uma perna só.

– João, qual é o bicho
que passa pela campina
a qualquer hora da noite
andando de lamparina?
é um pequeno animal
tem luz artificial;
veja o que determina.

– Esse bicho eu já vi
pois eu tinha de costume
de brincar sempre com ele
minha mãe tinha ciúme
ele andava pelo campo
uns chamavam pirilampo
e outros de vagalume.

O rei já tinha esgotado
a sua imaginação
não achou uma pergunta
que interrompesse a João
disse: me responda agora
qual é o olho que chora
sem haver consolação?

O Grilo então respondeu:
lá muito perto da gente
tem um outeito importante
um moó muito doente
suas lágrimas têm paladar
quem não deixa de chorar
é olho d”água de vertente.

o rei inventou um truque
do jeito que lhe convinha
– Vou arrumar uma cilada
ver se João adivinha;
mandou vir um alçapão
fez outra adivinhação
escondeu uma bacurinha.

– João, o que é que tem
dentro desse alçapão?
se não disser o que é
é morto não tem perdão;
João Grilo lhe respondeu:
quem mata um como eu
não tem dó no coração.

João lhe disse: esse objeto
nem é manso nem é brabo
nem é grande nem pequeno
nem é santo nem é diabo
bem que mamãe me dizia
que eu ainda caía
onde a porca torce o rabo.

Trouxeram uma bandeja
ornada com muitas flores
dentro dela uma latinha
cheia de muitos fulgores
o rei lhe disse: João Grilo
é este o último estrilo
que rebenta tuas dores.

João Grilo desta vez
passou na última estica
adivinhar uma coisa
nojenta que se pratica
fugir da sorte mesquinha
pois dentro da lata tinha
um pouquinho de xinica.

O rei disse: João Grilo
veja se escapa da morte;
o que tem nessa latinha?
responda se tiver sorte;
toda aquela populaça
queria ver a desgraça
do Grilo franzino e forte.

Minha mãe profetizou
que o futuro é minha perda
“Dessas adivinhações
brevemente você herda;”
faz de conta que já vi
como está hoje aqui
parece que dá em merda.

O rei achou muita graça
nada teve o que fazer
João Grilo ficou na corte
com regozijo e prazer
gozando um bom paladar
foi comer sem trabalhar
desta data até morrer.

E todas as questões do reino
era João que deslindava
qualquer pergunta difícil
ele sempre decifrava
julgamentos delicados
problemas muito enrascados
era João que desmanchava.

Certa vez chegou na corte
um mendigo esfarrapado
com uma mochila nas costas
dois guardas de cada lado
seu rosto cheio de mágoa
os olhos vertendo água
fazia pena o coitado.

Junto dele estava um duque
que veio denunciar
dizendo que o mendigo
na prisão ia morar
por nãp pagar a despesa
que fizera com afoiteza
sem ninguém lhe convidar.

João Grilo disse ao mendigo:
e como é, pobretão
que se faz uma despesa
sem ter no bolso um tostão?
me conte todo o passado
depois de ter-lhe escutado
lhe darei razão ou nào.

Disse o mendigo: sou pobre
e fui pedir uma esmola
na casa do senhor duque
e levei minha sacola
quando cheguei na cozinha
vi cozinhando galinha
numa grande caçarola.

– Como a comida cheirava
eu tive apetite nela
tirei um taco de pão
e marchei prolado dela
e sem pensar na desgraça
botei o pão na fumaça
que saía da panela.

– O cozinheiro zangou-se
chamou logo seu senhor
dizendo que eu roubara
da comida seu d\sabor
só por eu ter colocado
um taco de pão mirrado
aproveitando o vapor.

– Por isso fui obrigado
a pagar esta quantia
como não tive dinheiro
o duque por tirania
mandou trazer-me escoltado
pra depois de ser julgado
ser posto na enxovia.

João Grilo disse: está bom
não precisa mais falar;
então pergunto ao duque:
quanto o homem vai pagar?
– Cinco coroas de prata
ou paga ou vai pra chibata
não lhe deve perdoar.

João Grilo tirou do bolso
a importância cobrada
na mochila do mendigo
deixou-a depositada
e disse para o mendigo:
balance a mochila, amigo
pro duque ouvir a zoada.

O mendigo sem demora
fez como o Grilo mandou
pegou sua mochilinha
com a prata balançou
sem compreender o truque
bem no ouvido do duque
o dinheiro tilintou.

Dise o duque enfurecido:
mas não recebi o meu;
diz o Grilo: sim senhor
e isto foi o que valeu
deixe de ser batoteiro
o tinido do dinheiro
o senhor já recebeu.

– Você diz que o mendigo
por ter provado o vapor
foi mesmo que ter comido
seu manjar e seu sabor
pois também é verdadeiro
que o tinir do dinheiro
represente seu valor.

Virou-se para o mendigo
e disse: estás perdoado
leva o dinheiro que dei-te
vai pra casa descansado;
o duque olhou para o Grilo
depois de dar um estrilo
saiu por ali danado.

A fama então de João Grilo
foi de nação em nação,
por sua sabedoria
e por seu bom coração
sem ser por ele esperado
um dia foi convidado
pra visitar um sultão.

O rei daquele país
quis o reino embandeirado
pra receber a visita
do ilustre convidado
o castelo estava em flores
cheios de grandes fulgores
ricamente engalanado.

As damas da alta côrte
trajavam decentemente
toda côrte imperial
esperava impaciente
ou por isso ou por aquilo
para conhecer João Grilo
figura tão eminente.

Afinal chegou João Grilo
no reinado do sultão
quando ele entrou na côrte
foi grande decepção
de paletó remendado
sapato velho furado
nas costas um matulão.

O rei disse: não é ele
pois assim já é demais!
João Grilo pediu licença
mostrou-lhe as credenciais
embora o rei não gostasse
mandou que ele ocupasse
os aposentos reais.

Só se ouvia cochichos
que vinham de todo lado
as damas então diziam
é esse o homem falado?
duma pobreza tamanha
e ele nem se acanha
de ser nosso convidado!

Até os membros da côrte
diziam num tom chocante:
pensava que o João Grilo
fosse um tipo elegante
mas nos manda um remendado
sem roupa esfarrapado
um maltrapilho ambulante.

E João Grilo ouvia tudo
mas sem dar demonstração
em toda a corte real
ninguém lhe dava atenção
por mostrar-se esmolambado
tinha sido desprezado
naquela rica nação.

Afinal veio um criado
e disse sem o fitar:
já preparei o banheiro
para o senhor se banhar
vista uma roupa minha
e depois vá na cozinha
na hora de almoçar.

João Grilo disse: está bem;
mas disse com seu botão:
roupas finas trouxe eu
dento do meu matulão
me apresentei rasgado
para ver nesse reinado
qual era a minha impressão.

João Grilo tomou um banho
vestiu uma roupa de gala
então muito bem vestido
apresentou-se na sala
ao ver seu traje tão belo
houve gente no castelo
que quase perdia a fala.

E então toda repulsa
transformou-se de repente
o rei chamou-o pra mesa
como homem competente
consigo dizia João:
na hora da refeição
vou ensinar essa gente.

O almoço foi servido
porém João não quis comer
despejou vinho na roupa
só para vê-lo escorrer
ante a côrte estarrecida
encheu os bolsos de comida
para todo mundo ver.

O rei muito aborrecido
perguntou para João:
por qual motivo o senhor
não come da refeição?
respondeu João com maldade:
tenha calma, majestade
digo já toda a razão.

– Esta mesa tão repleta
de tanta comida boa
não foi posta para mim
um ente vulgar à toa;
desde a sobremesa à sopa
foram postas à minha roupa
e não à minha pessoa.

Os comensais se olharam
o rei pergunta espantado:
por que o senhor diz isto
estando tão bem tratado?
disse João: isso se explica
por estar de roupa rica
não sou mais esmolambado.

Eu estando esmolambado
ia comer na cozinha
mas como troquei de roupa
como junto da rainha
vejo nisto um grande ultraje
homenagem ao meu traje
e não à pessoa minha.

Toda corte imperial
pediu desculpa a João
e muito tempo falou-se
naquela dura lição
e todo mundo dizia
que sua sabedoria
igualava a Salomão.

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura de Cordel

Lino Sapo (A Televisão de Dona Tel)

Vou falar de uma pessoa
Que os céus dizem amém
Uma pessoa maravilhosa
Que nunca fez mal a ninguém
Simples e trabalhadora
E igual a ela não tem

Seus cabelos tá branquiados
O sorriso de antes já enrugou
Mas a gentileza é a mesma
Isso ela nunca renegou
Seu caminhar é compassado
Marca de que já trabalhou

Tem no espirito a bondade
E nas ações seu valor
De dignidade é uma fonte
Em sua vida sobra amor
As feridas que a vida fez
Ela soube vencer a dor

Dona Tel é esse anjo
Que Deus nos presenteou
Casada com seu Joatão
O homem que tanto amou
Quatorze filhos fizeram
E nenhum abandonou

De sua infinita sabedoria
A paz sempre buscou
E a ajudar ao próximo
Respeito conquistou
E um grande trabalho
A comunidade prestou

Hoje mim dar saudade
E recordo com satisfação
De sua ilustre humildade
E te tanta compreensão
Por deixar a todos nós
Assistir em sua televisão

Sem fazer diferença
Todos eram telespectador
Branco, preto ou índio.
De Vagabundo a trabalhador
Mulher, homem, menino.
De analfabeto a doutor.

Quase vinte e quatro horas
A TV não desligava
Pequenina mais potente
A galera telespectava
Preto e branco a imagem
E a população apreciava

Filmes, jornais e novelas.
Tinha seu público especial
Desenhos, shows e humor.
A meninada achava legal
Futebol, reportagem, culinária.
Era coisa sensacional

Mininos buchudos e fedorentos
Esparramado pelo chão
Os adultos no tamborete
Uma cadeira pra joatão
TEL sentada na sua poltrona
Todos diante da televisão

Gargalhadas e cochicho
E o psiu logo se ouvia
Sustos e muitos gritos
Isso sempre acontecia
Olhos bem lagrimosos
Com as cenas que se via

A novela era na sala
Uma sueca na cozinha
Os suequeiros não resistiram
A sala bem completinha
Aderiram às novelas
Abandonando as cartinhas.

Cabra errado e bigodudo
Ria-se que a chapa caia
Comentavam as cenas
E vinham no outro dia
Menino pegava no sono
Acordava dizendo arizia

O sucesso da televisão
Nunca pode se medir
Nem a entrada ao povo
TEL nunca quis impedir
Assistia todo mundo
Podiam se divertir.

As portas nunca fecharam
Era aberta até madrugada
Às vezes o dia nascia
E a negrada pegada
Nem respeitava o sono
De quem a TV doava

Durante muitos anos
A TV foi à atração
Da humilde cachoeira do sapo
Que não tinha animação
De segunda a segunda
De primavera a verão.

Na calçada os jovenzinhos
Procuravam se agradar
Era o lugar predileto
Pra começar a namorar
Banhados e perfumados
Tentavam impressionar

Foi também palco de brigas
Para na porta se escorar
Pois a sala estava cheia
Não dava mais para entrar
Imprensavam-se, e se apertavam.
Para a TV apreciar

Os filhos de dona Tel
Nunca inteferiram no divertir
Raquel, Chico, Daniele
Lú, Basto, Neide ou Joacir.
Ciço, Júlia, Zefa ou Galega
Vieram a contribuir

Janaina, Ivone, Aparecida.
Também como Mariquinha
Presenciaram muito a cena
Quando a cachoeira vinha
Sua casa sempre lotada
Do forasteiro a vizinha

O tempo se passou
As coisas melhoraram
O povo comprou sua TV
Da casa de TEL se afastaram
Esqueceram tanto favor
Que da mesma contemplaram

Dona tel ainda assisti
Só que agora TV a cores
Seu Joatão tá acamado
Não lembra mais dos amores
A casa ainda é a mesma
Aconchegante e sem odores

Eu ali muito assistir
Dona TEL muito obrigado
Jamais vou me esquecer
De seus favores abençoados
Hoje eu rezo a Deus
Para TELs ter multiplicado.

Fonte:
Lino Sapo: Vida e Obras

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura de Cordel

Ademar Macedo (O Vírus da Poesia)

Poesia é a minha paz,
meu mundo, meu universo;
um mar de sabedoria
onde eu vivo submerso;
é minha alimentação,
é meu sustento, é meu pão
feito de rima e de verso…

A partir da madrugada
é esse o meu dia a dia:
já de caneta na mão
recebo uma epifania,
cuja manifestação
é trazer-me inspiração
pra eu fazer minha poesia…

A poesia é minha luz,
é meu santo e meu altar,
feijão puro com farinha
que eu tenho para almoçar;
ela é minha própria vida
é meu lar, minha guarida
meu sol, meu céu e meu mar!

Ao ver poesias aos montes
nascendo em minha vertente,
tive um “derrame” de rimas
nas veias da minha mente
e um maravilhoso “infarto”
eu tive ao fazer o parto
do derradeiro repente!…

Quero então no meu jazigo,
feito em letras garrafais,
aquela minha poesia
que me deu nome e cartaz;
e escrito, seja onde for:
– eis aqui um trovador
que morreu feliz demais!

Quem carrega, como nós,
o vírus da poesia,
tem no sangue uma plaqueta
que se altera todo dia,
aumentando a quantidade
e pondo mais qualidade
nos versos que a gente cria.

Fonte:
http://www.recantodasletras.com.br/cordel/2102054

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura de Cordel, Rio Grande do Norte, Trova, Trovas

Nilton Manoel (São Paulo é Esperança Todos os Dias)

homenagem aos 450 anos de São Paulo
1
No meu antigo toca discos,
ouço com muita atenção,
lindas canções de outrora:
– “São Paulo  Quatrocentão”,
da “Rapaziada do  Brás”…
O “Trem das Onze me traz”,
saudade e muita emoção.
2
O trem pelos velhos trilhos,
a história do povo escreve!
e a cidade em seu cenário
sempre arrojada se atreve
a plantar modernidade;
sofra a gente com a saudade,
o progresso não é breve.
3
São Paulo, não perde tempo,
inova, protege, acolhe,
quer sua gente contente
não há garoa que molhe,
o entusiasmo dessa sina;
quem vence sua rotina
dá vida aos sonhos que escolhe.
4
O povo quer movimento,
quer cenário, quer ação,
quer futuro e conforto
pela glória da nação…
Todo mundo quer ter paz,
como é bom sonhar no Brás,
há poesia nesse chão!
5
Sou paulista do interior
e passo a vida na estrada,
quem gosta de movimento
quer vida facilitada:
– ao modernismo dou fé,
por todo lado dá pé,
se a cidade é bem cuidada…
6
Quando estou na capital
tenho eficiente o transporte;
seguro, rápido, alegre,
em toda estação o bom porte
que, nem posso imaginar
sem metrô pra trabalhar…
Ser pontual é ser forte!
7
A inspiração não me falta
e até me lembro que, a gente,
há trinta e cinco anos tem,
esse serviço excelente
que movimenta a cidade
e dá ao povo a vontade,
de viver mais… felizmente!
8
São estações variadas
espalhadas pela cidade,
elevados, com plataformas
e na sua versatilidade,
põe no cenário, poesia,
integra-se com a ferrovia,
caminho de prosperidade.
9
Entre fixas e rolantes,
gente que faz movimento
no ganha pão habitual…
páro, olho e  meu pensamento
cola imagens que, resumo
para as falas de consumo…
Reportagens do momento!
10
Quem tem vida solidária
dá valor à cortesia:
por favor… muito obrigado…
dá licença… que poesia,
nas convenções sociais;
todos nós somos serviçais,
pelo pão de cada dia.
11
Jânio Quadros fez história
melhorou a imagem do Brás.
com novas edificações
e o povo cheio de paz,
se orgulha a todo o instante,
por ser sempre o Bandeirante,
de eras que não voltam mais…
12
Nossa vida que é cíclica,
deve a Anchieta, o jesuíta,
que nem sabia, Senhor!
a vida rica e catita
que sua instalação
da história da fundação,
seria plena e bonita.
13
Na seqüência do transporte
o tempo não segue à toa
e o cenário num instante
de São Paulo da garoa
vai e volta com o metrô
rápido como um alô
de celular… Coisa boa!
14
Na integração, a saudade
que traz Maria Fumaça
é recompensa gostosa
é vida cheia de graça
é tempo cheio de glória
é povo que faz a história
nas estações em que passa.
15
Sertanejo, deslumbrado,
da capital do Interior,
Paro e olho como poeta
e fotografo com amor,
a cidade velha e a nova…
Faço haicai, cordel e trova,
São Paulo em tudo tem cor.
16
Fora e dentro da paisagem
do metrô, pelas estações,
a moda que inventa moda
tem espaço de emoções,
nos projetos culturais,
além de artes visuais
concertos e belas canções
17
Viajando, cheio de sonhos,
o usuário com vigor,
faz a vida mais contente,
tem no metrô, o esplendor,
do minuto brasileiro.
Sabe que tempo é dinheiro
e dinheiro é vida e valor.
18
Nestes bons trinta e cinco anos
dos quais dez Companhia
de Trens Metropolitanos.
São Paulo que é poesia.
tem seus pontos cardeais
movimentos cordiais,
na vida do dia a dia…
19
Entre túneis e superfícies.
neste cenário bacana,
paz pelas quatro estações
com as vitrines de Ikebana…
Esculturas e poesia…
O jornal de todo o dia…
É obra que de Deus emana.
20
Nesse progresso incomum
de terra quatrocentona
dos cafezais à indústria
ao comércio em maratona
o povo que se desdobra…
O imigrante tudo cobra
da cidade que emociona.
21
Cenário amigo é o Metrô!
solidário,  nada esconde…
Relembre através da história
a vida dura do bonde,
no meu relógio de ponto…
Todo mês quanto desconto!
A rapidez corresponde.
22
“São Paulo dos meus amores”
treze listras das bandeiras
progressista a todo o instante
de vida gentil de ordeira
cidade que se desdobra,
urbanidade que sobra
pela pátria brasileira.
23
Nesta vida, coisa boa,
meu trem das onze, é fulgor,
corre até a meia-noite;
é transporte de valor
é segurança de fé
é sorriso que dá pé
é verso de cantador…
24
Vai-e-volta, gente bonita,
da pátria do bom cidadão
em sua faina diária,
carteira assinada ou não
que, São Paulo que é formiga
também é cigarra e abriga
a saga da Educação.
25
Neste  mundo transversal
temas escolares tantos,
em seu cenário tem vida…
Num programa, com encantos
comunitários, o fascínio,
dá a todos tirocínio
da grandeza em todos cantos.
26
No “Ação Escolar” projeta
a influência, positiva,
do metrô pela cidade…
Movimento que motiva,
no urbanismo, novos lares,
é nos bancos escolares,
consagra-se em voz ativa.
27
Os conceitos cidadãos
são plenos em toda parte
faz da cultura de então
dar vivas a vida com arte
que o visual é fartura
que encanta, fascina e apura,
É saber que se reparte…
28
Como patrimônio público
paisagístico e de transporte
Metrõ é riqueza da história,
trouxe à vida a melhor porte,
é tudo que o povo queria…
Foguete de todo o dia
do meu trabalho, o suporte.
29
São Paulo é renovação,
canteiro da arquitetura,
pátria de nossos estados
onde se sonha fartura…
Ambição a luz do dia
de noite sonho e poesia…
Vive-se bem… A vida é dura!
30
Por todas as linhas que passo,
por todos sonhos que planto
a trabalho ou a passeio
O metrô tem seu encanto
viajo em paz, sossegado,
feliz e cheio de agrado
e meus limites suplanto.
31
Recordo dos velhos tempos
do transporte e nossa história…
Museu Gaetano Ferolla
têm muito da trajetória…
O bondinho da novela
se à saudade dá trela?
Metrô é conforto e glória!
32
Salve os metroviários. Viva!
gente amiga e de paz!
quem trabalha por São Paulo,
é ordeiro em tudo que faz.
Viva minha gente de fé,
em Sampa tudo da pé!…
Viva o Metrô!  Viva o Brás!
 ——————-
NILTON MANOEL
Pedagogo (hab/ supervisão. direção; PCP  1996 / 2002 ), professor de Língua Portuguesa, Jornalista (MTb), Contabilista (CRCsp), Escritor, Ativista Cultural, 3 gestões de Conselho Municipal de  Cultura; autor de Cem anos de jornalismo escolar, Didática da Trova, Trovas da Juventude, Poetas de Ribeirão Preto.
Fonte:
O Autor

Deixe um comentário

Arquivado em Literatura de Cordel