Arquivo da categoria: livro de trovas

Rodolpho Abbud (Livro de Trovas)

À noite, ao passar das horas,
esqueço os dias tristonhos,
pois tuas longas demoras
dão-me folga para os sonhos!

Ao hospício conduziu
a mulher para internar…
Feito o exame, ela saiu,
e ele teve que ficar!…

Ao se banhar num riacho,
distraída, minha prima
lembrou da peça de baixo
quando tirava a de cima ….

Cama nova, ele sem pressa
ante a noivinha assustada,
quer examinar a peça
julgando já ser usada!…

Chegaste a sorrir, brejeira,
depois da tarde sem fim…
E, nunca uma noite inteira
foi tão curta para mim!…

Contemplo o céu para vê-las
com um respeito profundo,
pois na raiz das estrelas
eu vejo o dono do mundo.

É força que vem comigo
e no tempo não se esvai:
– Sempre que eu falo de amigo
eu me lembro de meu pai!

Em problemas envolvida,
por um beco se meteu,
que não tinha nem saída,
e, mesmo assim, se perdeu! …

Em seus comícios, nas praças,
o casal cria alvoroços:
– Vai ele inflamando as massas!
– Vai ela inflamando os moços…

Em tudo o que ja vivi
Nesta passagem terrena,
Se um pecado eu cometi,
Com ela, valeu a pena !…

Enquanto um velho comenta
sobre a vida: -“Ah! Se eu soubesse…”
um outro vem e acrescenta
já descrente: -“Ah! Se eu pudesse…”

Eu finjo que estou contente…
Ela finge que está triste…
— No canto do amor, a gente
desafina… mas resiste!…

Foram tais os meus pesares
quando, em silêncio partiste,
que, afinal, se tu voltares,
talvez me tornes mais triste…

Hei de vencer esta sina
que num capricho qualquer,
me fez amar-te menina
depois negou-me a mulher!…

Minha mágoa e desencanto
foi ver, no adeus, indeciso,
eu, disfarçando meu pranto…
tu, disfarçando um sorriso!…

Na ansiedade das demoras,
quando chegas e me encantas,
mesmo sendo às tantas horas,
as horas já não são tantas…

Não sei como não soubeste
mas o amor veio, infeliz…
Eu te quis, tu me quiseste,
mas o Destino não quis…

Não sendo um homem moderno,
meu pecado e insensatez
foi jurar amor eterno
e amar somente uma vez!…

Naquele hotel de terceira,
que a policia já fechou,
a Maria arrumadeira
muitas vezes se arrumou!

Nas lojas sempre envolvido,
não tem crédito jamais…
– ou por ser desconhecido,
ou conhecido demais !…

Na vida, em toscos degraus,
entre tropeços e sustos,
mais que a revolta dos maus,
temo a revolta dos justos!…

Na vida, lutar, correr,
não me cansa tanto assim…
O que me cansa é saber
que estás cansada de mim!

Nessa paixão que me assalta,
misto de encanto e de dor,
quanto mais você me falta
mais aumenta o meu amor!…

Nosso encontro …O beijo a medo…
A caricia fugidia…
Nosso amor era segredo,
mas todo mundo sabia…

Provando em definitivo
que o Brasil é de outros mundos,
há muito “fantasma” vivo
passando cheques sem fundos…

Seja doce a minha sina
e, num porvir de esplendor,
nunca transforme em rotina
os nossos beijos de amor…

Soube o marido da Aurora,
ela não sabe por quem,
que o vizinho dorme fora,
quando ele dorme também…

Toda noite sai “na marra”,
Dizendo à mulher: -“Não Torra!”
Se na rua vai a farra,
em casa ela vai à forra!…

Um Deputado ao rogar
ao Senhor, em suas preces,
pede que o verbo “caçar”
não se escreva com dois esses!…

Um longo teste ela fez
de cantora, com requinte…
Cantou somente uma vez,
mas foi cantada umas vinte!…

Vem amor, vem por quem és!
Pois já tens, em sonhos vãos,
minhas noites a teus pés,
meus dias em tuas mãos!…

Vendo a viuva a chorar,
muito linda, em seu cantinho,
todos queriam levar
a “coroa” do vizinho…

Vejo em minhas fantasias,
em Friburgo, pelas ruas,
mil sois enfeitando os dias
e, à noite, a luz de mil luas.

Fontes:
http://www.ubtjf.hpg.ig.com.br
Boletim Nacional da UBT

Deixe um comentário

Arquivado em livro de trovas, Rio de Janeiro, Trovas

Eliana Ruiz Jimenez (Livro de Trovas e Poemas )


TROVAS

Voa passarinho, voa
que gaiola é só maldade
livre, lá nos céus entoa
o cantar da liberdade.

Menção especial – I Jogos Florais – BC/2004
O mar de um azul profundo
e as montanhas esverdeadas,
são belezas desse mundo,
precisam ser preservadas.

Menção especial – II Jogos Florais – BC/2006
Rede que volta vazia
traz tristeza ao pescador
que apesar da nostalgia
leva adiante o seu labor.

Pescador mais esportivo
deixa seu peixe escapar,
melhor solto que cativo,
para assim o preservar.

Menção honrosa – III Jogos Florais – BC/2008
Sorriso que é cativante
é sincero e iluminado,
precioso como brilhante
por todos ambicionado.

O sorriso está escasso
nessa tal modernidade,
é preciso dar um passo
e mudar essa verdade.

Menção especial – III Jogos Florais – BC/2008
Sorria pra natureza
respeite e sempre preserve,
só assim teremos certeza
que o mundo assim se conserve.

Vencedora – IV Jogos Florais – BC/2010
Um segredo bem guardado
para assim permanecer
não deve ser partilhado
para nunca se perder.

Menção honrosa – IV Jogos Florais – BC/2010
O futuro do planeta
não é segredo a ninguém
preserve e se comprometa
que a vida assim se mantém.

Menção especial – IV Jogos Florais – BC/2010
Esse mundo feminino
de segredos permeado
é um gracejo do destino
pelos homens odiado.

———–
Obs: BC é Balneário de Camboriú
————-

POEMAS

MENINO POBRE

Menino pobre
Da noite quente
Abandonado
Menor carente.

Menino pobre
Da noite nua
Necessitado
No olho da rua.

Menino pobre
Do pé descalço
Chutando lata
Pela calçada.

Menino pobre
Menino sujo
Vagando triste
Um moribundo.

Menino inquieto
Girando o mundo
Sem casa e roupa
Sem mãe nem pai.

Menino triste
Pra onde vai
O que vai ser
Quando crescer?

MAR

Ventos
Valsando
Voltam
Vagando
Trazendo
O barulho
Do mar.

Brisas
Soprando
Ondas
Tragando
Fazendo
A beleza
Sem par.

Canários
Cantando
Aves
Voando
Planando
A leveza
Do ar.

Praias repletas
Luzes, atletas
Completam
Essa vida
No mar.

FOSSA

Sai dessa fossa, menina
Que isso não tem remédio
O que está feito é passado
E o passado só leva ao tédio.

Se as coisas dão errado
Se a sorte te despreza
Não fuja, não vá de lado
Vá em frente que não pesa.

Sai dessa fossa, menina
Que chorar não adianta não
A vida tem dessas mesmo
Mas chorar não é solução.

Deixe de caminhar a esmo
Pare de se sentir errada
As coisas acontecem para o bem
Não há mal que resulte em nada.

Existe um horizonte além
Dos conflitos do dia-a-dia
Sai dessa fossa, menina
Olhe em frente e sorria!

ESCRITÓRIO

Escritório
Sina de todo dia
Multidão comprimida
Na total monotonia.

A porta fecha
Deixando a vida lá fora
O relógio é moroso
E a saída demora.

Presos na caverna de luxo
Onde o sol não entra
Onde a chuva não molha
E até o ar é condicionado.

Escritório
Robôs de crachás
Sem pensamentos, sem vontade
Sem individualidade.

As melhores horas
De muitos dias
Em troca da breve alegria
Do dia dez.

TALVEZ

Talvez seja esse
O amor que procurei por toda a vida
Que pedi às estrelas
Que pedi aos santos
Que procurei nos cantos.

Talvez seja esse
O amor que sonhei da despedida
Quando descobri o engano de um amor trocado
E senti o sofrimento sem pecado.

Talvez seja esse
O amor que me fará forte
E de tão forte me fará fraca
Por ter meu coração entregue à sorte.

Talvez seja esse
O amor que me fará feliz
E será firma e será tão sólido
Que poderemos formas nós dois
Um só tronco, uma só raiz.

Talvez seja esse, finalmente
O meu caminho, o meu destino
A chave que libertará do meu peito
Todo o amor que eu tenho para dar
A recompensa por querer tão somente
Partilhar de um sentimento sincero
A realização do simples, porém complexo
Desejo de amar.

Talvez seja esse, talvez…

Fonte:
Poesias Urbanas e Outras Paixões, , indicação de A. A. de Assis

Deixe um comentário

Arquivado em Livro de Poemas, livro de trovas, Santa Catarina, Trovas

Cláudio de Cápua (Livro de Trovas)


É neste “Canto que eu Canto”
belezas que a vida tem
que ao meu mundo dão encanto
e tanto me fazem bem!

Ante ao talento me ajoelho…
E o teu talento invulgar,
tanto me serve de espelho
como me serve de altar.
(uma homenagem a Carolina Ramos)

Esta foto é mais um fato,
que nos traz para o presente,
através deste retrato,
lembranças de antigamente.

Palhaços de profissão?
Ah, Como é bom, fazem bem.
O triste é ter coração
e ser palhaço de alguém!

Unindo a seresta ao verso
quero compor na amplidão.
Sou menestrel do universo,
em tardes de solidão.

Olha! A noite é uma criança,
diz o refrão popular –
que sacode e balança
presa às tranças do luar.

Só por descuido é que a Helena
acabou por se casar…
Pois, pensou que Cibalena
fosse a pílula… Que azar!

Avisto do alto da serra
a pujança do sertão
e sinto orgulho da terra
que mora em meu coração!

Quando o rei sol estorrica,
tortura, com seu clarão,
mais forte é aquele que fica
e dá valor ao seu chão!

De “mau jeito” o Zé Baleia,
pescador de sorte estranha,
noivou com uma sereia,
casou com uma piranha..

Certo bispo ouve uma “história”
de um padre chamado Hilário
e grava, assim, na memória
um bom “Conto do Vigário”

Servidor da tributária,
bem “Severo”, sem igual,
ergue a saia à secretária,
por ser, de “rendas”, fiscal.

O delegado Pereira…
Êta Pereira bacana,
– É de pouca brincadeira,
não dá pêra, só da “cana”!…

Deixe um comentário

Arquivado em livro de trovas, São Paulo, Trovas

José Tavares de Lima (Vozes do Coração) Parte VI – final

A mulher cresce e domina
seu desejo, seu temor;
porém volta a ser menina
quando vive um grande amor!

Aos fariseus não parece,
mas quem crê sabe e sustenta:
– quanto mais humilde a prece,
mais alta a Deus se apresenta!

Aquela canção que outrora
encheu nosso amor de encanto,
depois que te foste embora
serve de fundo ao meu pranto! …

Busco-a com toda ansiedade
porém o destino estreito
não deixa a felicidade
ter espaço no meu peito! …

Cada vez mais terno e amigo,
na verdade o nosso amor
tem muito do vinho antigo
que o tempo apura o sabor!

Chegaste… E a tua chegada
me trouxe o deslumbramento
de uma estrela inesperada
surgindo em céu nevoento!…

Cheia de graça e feitiço
ela diz: “Vê se me esquece”;
sem saber que para isso
em vão já fiz muita prece!…

Desconfia precavido,
até de quem te aconselha,
que há muito lobo escondido
sob o disfarce de ovelha!

Desfez-se o sonho… Partiste …
Fiquei num desgosto infindo …
Mas o que me fez mais triste
foi que partiste… sorrindo…

De volta à minha cidade,
na emoção que me domina,
posso ver uma saudade
me acenando em cada esquina !…

Enquanto entre alguns se expande
a descrença a fé me alcança;
porque esta Pátria tão grande
cabe na minha esperança!

Eu tento, sem pranto ou queixa
tua ausência suportar..
Mas a saudade não deixa
que eu te lembre sem chorar!

Mesmo que a vida aos meus passos,
seja um caminho sem glória,
eu não percebo os fracassos
porque só penso em vitória!

Meu coração se afigura
um triste barco no mar,
carregado de ternura…
mas sem porto onde ancorar!

Não choro a mágoa, a desdita,
que trazem tristeza a tantos,
porque a vida ainda é bonita
mesmo com seus desencantos!

Não volto, orgulhoso, digo,
quando que eu volte ela insiste…
Mas, saudade, ao teu castigo
orgulho nenhum resiste! …

Na vida sou barco ousado
cheio de sonhos e planos,
que sempre acaba encalhado
na praia dos desenganos!

No verde imenso, a cascata
de brancura cristalina,
lembra um caminho de prata
unindo o vale à colina !

Num mundo injusto é mister
que esta justiça se faça:
sem a graça da mulher
nada mais teria graça.

O mundo é enganoso e vão,
porém não deixo de crer
na esperança – esta ilusão
que ajuda a gente a viver!

Para o tormento em que vivo
desde o teu adeus confesso
que só tem um lenitivo:
o teu mais breve regresso!

Partiste… E o pranto que invade
o meu peito dolorido
tem suspiros de saudade,
tem tristezas de gemido! …

Quem diz, na sua cegueira,
que reza em vão, desconhece
que Deus tem sua maneira
de atender à nossa prece…

Quem já venceu nos ensina
que a vitória é mais de quem,
mesmo por entre a neblina,
descobre um sol mais além! …

Quem sofre mas, constrangido
retém a lágrima, ignora
que o tormento é mais dorido
no peito de quem não chora.

Quem sonha as mágoas olvida,
não perde a fé, nem fraqueja,
porque o sonho adoça a vida
por mais amarga que seja….

Riu-me um dia… Desde então,
com seu jeitinho suave,
entrou no meu coração
e deu sumiço na chave!…

Se a luta é penosa, inglória,
não percas a confiança,
que o segredo da vitória
está na perseverança!

Seja um minuto somente,
a ser feliz não me furto;
pois, dos caminhos da gente,
o da ventura é o mais curto!

Se o pranto fosse alegria,
se fosse festa a desdita,
a minha vida seria
uma risada infinita!…

Ser teu príncipe, não digo…
Tais honras nunca sonhei;
mas, nos momentos contigo,
tenho venturas de rei!

Se te aflige um desencanto
recorre à ilusão e sonha,
que a quem sonha não dói tanto
uma verdade tristonha !

Tão forte amor nos enlaça,
e de forma tão perfeita,
que a cada dia que passa
nossa união mais se estreita!

Tendo a graça como tema
e o encanto que o amor requer,
Deus escreveu um poema
que nós chamamos: – Mulher.

Tua ausência me faz ver
a vida tão sem motivo,
que eu vou teimando em viver
mas sem saber porque vivo!…

Vazia de explicação
foi a tua despedida,
mas encheu de solidão
as horas de minha vida!

Volta logo, antes que a espera
transforme, longa demais
meus sonhos de primavera
em suspiros outonais! …

Vou sair de teu caminho…
Percebi que não compensa
dar tanto amor e carinho
em troca de indiferença

Fonte:
Colaboração de Darlene A. A. Silva
LIMA, José Tavares de. Vozes do Coração.

Deixe um comentário

Arquivado em livro de trovas, Trovas

José Tavares de Lima (Vozes do Coração) Parte V


A mendiga não tem nada;
leva um viver vagabundo;
mas, ao filhinho abraçada
se sente a dona do mundo!

A morte não me intimida;
mas, por ser tão inclemente,
eu tenho medo da vida
que mata os sonhos da gente!….

As dunas que o vento forte
faz e desfaz de inopino,
têm, na incerteza da sorte,
um pouco do meu destino…

Cansado de levar tombo
pela vida o negro insiste
na procura de um quilombo
que ele nem sabe se existe!

Das esperas e cansaços
recompensa igual não tem,
como o dilúvio de abraços
que ela me traz quando vem!…

De outros grilhões me desfiz…
do teu amor, todavia,
sou um escravo feliz
que não reclama alforria!…

Derrota não intimida
aquele que, persistente,
esquece a luta perdida
e vai lutar novamente!

Dói mais meu sonho frustrado
ao ver, com tristeza imensa,
o meu afeto humilhado
pela tua indiferença !

Esta renúncia forçada
ao teu amor me dói tanto,
que a minha alma inconformada
nem se consola no pranto!…

Eu planto boa semente,
mesmo assim por mais que eu plante,
minha colheita, desmente
o que o provérbio garante! …

Eu, por ser um pecador,
em ter o céu não me empenho;
na terra, com teu amor,
o céu que eu quero já tenho!

Faço uma fonte de sonho
desta vida; e, sem chorar,
quando um sonho morre eu ponho
outro sonho em seu lugar!

Lembra, na ajuda prestada
que outro interesse resume,
que as flores não pedem nada
em troca de seu perfume!

Luta, e com mão destemida
traça teu rumo e conduta,
antes que sejas na vida
um derrotado sem luta! …

Mesmo depois de desfeito,
um grande amor de verdade
fica escondido no peito
sob a forma de saudade!

Na cartilha do incapaz
consta um lema: prometer..
É fácil dizer que faz,
difícil mesmo é fazer! …

Não sou feliz, todavia
escondo o desgosto meu
simulando uma alegria
que a vida nunca me deu !

Não temo envelhecer.
Tudo na terra é finito…
Repara que o entardecer
é sempre um quadro bonito!

Nas ruas, pobre menino,
vagueias sem pão, sem teto;
mas sei que no teu destino
dói mais a fome de afeto!

Nem todos, tenho certeza,
abrem mão de seu prazer…
Porque renúncia é grandeza
que só os bons podem ter!

Num quilombo bem distante,
palco de uma luta inglória
um sonho foi importante
muito mais do que a vitória!…

Ouço o mar nas madrugadas;
e sinto, em seu murmurar,
os gemidos das jangadas
que não puderam voltar!…

Para Deus, capaz de ver
a fé no peito contrito,
um murmúrio pode ser
mais eloqüente que um grito!

Podes ir… mas, se um lamento
ouvires de vez em quando,
não é murmúrio de vento…
É minha voz te chamando!…

Quem nos erros se aferrenha,
não sabe que a chave torta,
por mais força que se tenha
não abre nenhuma porta!

Quem visa em seu desvario
tudo ter, de imediato,
se esquece que o grande rio
é no princípio um regato.

Saudade… Um sorriso brando
para uma dor esconder…
Alguém partindo, tentando
me dar adeus sem querer!…

Se a vida é penosa e bruta
não fraquejo, sigo em frente,
como um náufrago que luta
contra a força da corrente…

Se quer colher mais adiante
desde já plante a semente,
que o futuro se garante
trabalhando no presente!

Ser bom consiste em sentir
que no mundo da amizade,
entre servir-se e servir,
servir tem prioridade!

Sozinho, sem ter na vida
quem preencha os dias meus,
sou como o altar de uma ermida
num povoado de ateus!…

Tua luta amarga aceita
sem perder a confiança,
que a passagem mais estreita
se alarga à perseverança!

Um grão só nunca é de menos,
muito importa na colheita…
Pois é com elos pequenos
que a grande corrente é feita!

Voltaste. Esquecido, agora,
de mágoas e de abandono,
sinto um fascínio de aurora
na minha tarde de outono! …

Fonte:
Colaboração de Darlene A. A. Silva
LIMA, José Tavares de. Vozes do Coração.

Deixe um comentário

Arquivado em livro de trovas, Minas Gerais, Trovas

José Tavares de Lima (Vozes do Coração) Parte IV


A brisa quando se lança
pelos campos a correr,
até parece criança
brincando de se esconder

A torre da ermida ao longe,
entre sombra e solidão,
lembra a figura de um monge
numa infinita oração!

Buscando um jeito suave
de superar nossas crises,
o meu deslize mais grave
foi perdoar teus deslizes!

Chora a mulher desolada,
ao ver que o mar traiçoeiro
trouxe de volta a jangada,
mas não trouxe o jangadeiro!

Eu não sei de solidão
que se compare à de quem
não guardou no coração
uma saudade de alguém.

Louvo a mão que, resoluta,
com arte digna de espanto,
transforma a madeira bruta
na doce imagem de um santo!

Mesmo chorando ou sorrindo,
em cada olhar de criança
descubro um sol claro e lindo
com o brilho da esperança !…

Não creio mais no que dizes,
e perdoar-te não vou…
Foram tantos teus deslizes
que o meu perdão se cansou !

Não me empolga a fantasia
de amores fúteis, devassos…
O amor que eu tanto queria
já encontrei nos teus braços!

Não regressas… Triste aceito
cumprir a pena severa
desta espera que em meu peito
é mais angústia que espera! …

Não sou perfeito, mas creio
que entre as pessoas da terra,
censura o deslize alheio
justamente quem mais erra

Não te julgues tão segura
depois que foste e voltaste…
Pois teu regresso não cura
a mágoa que me deixaste!

No constante perde-e-ganha
deste viver peregrino,
há sempre uma força estranha
movendo o nosso destino

No purgatório do mundo
penei… mas pude encontrar
um céu sereno e profundo
quando vi o teu olhar!

Nos aparências não creias…
Existem rios no mundo
de águas escuras e feias
que têm tesouros no fundo! …

O amor que é paixão, que é febre,
põe, com a sua magia,
na pobreza de um casebre
a riqueza do alegria!

Os povos irão se unir
sem que a guerra os amedronte,
quando o mundo construir
menos muralha e…. mais ponte!

Para enfeitar minha vida
não quis um amor-perfeito…
Agora a flor preterida
virou saudade em meu peito!

Partiste… De tal maneira
chorei ante o desencanto,
que o orvalho da noite inteira
foi bem menor que o meu pranto! …

Perdido nos descaminhos,
sem ter onde desaguar,
sou um rio de carinhos
à procura do seu mar!

Pobre barraco de morro!…
Quando a chuva a terra invade,
és um grito de socorro
perdido na tempestade!

Pobre do meu coração! …
Por mais que o enganes e pises,
na cegueira da paixão
não enxerga os teus deslizes!

Pode ser que desagrade
a muitos meu parecer;
mas é melhor ter saudade
do que saudade não ter!

Procura na inglória trilha
manter firme o teu comando,
que a derrota nunca humilha
quando se perde lutando

Procura vento, nas noites
invernosas e sem lua,
diminuir teus açoites
contra os que dormem na rua !

Quando a tristeza me invade
e a tua falta lamento,
escuto a voz da saudade
na sinfonia do vento!

Quando nem tudo são rosas
num mundo escasso de fé,
eu louvo as mãos caridosas
que os caídos põem de pé!

Rio, nas águas serenas
que vais levando em teu leito
leva também essas penas
que tanto afligem meu peito!

Se a solidão tem um preço,
eu pago o dobro por certo,
porque até quando adormeço
sonho que estou num deserto…

Se em meu rumo há sombra adiante
a lamentar não me ponho…
Prossigo perseverante
na conquista do meu sonho!

Sei que nem tudo é bonança
entre nós… Mas, por favor,
não plantes desconfiança
na terra do nosso amor…

Sob um luar feito em prata,
sem ela, triste, sem sono,
faço a minha serenata
pelas ruas do abandono!

Vinha bela e sorridente,
e a brisa por cortesia,
ia varrendo na frente
a estrada que ela seguia!

Fonte:
Colaboração de Darlene A. A. Silva
LIMA, José Tavares de. Vozes do Coração.

Deixe um comentário

Arquivado em livro de trovas, Minas Gerais, Trovas

José Tavares de Lima (Vozes do Coração) Parte III

Água é donzela carente,
tanto que até faz desvio
para mais rapidamente
cair nos braços de rio!

Ao ver na rua um menino
sem rumo, sem lar, sem pão,
não lamento o seu destino…
lamento a nossa omissão!

Beleza em meu pressuposto
é mais um detalhe vão,
quando é presença no rosto
e ausência no coração! …

Entre outras mãos eu bendigo
aquela que, humildemente,
cava a terra e planta o trigo
que mata a fome da gente!

Faze do bem exercício…
Pois, penosa aos olhos teus,
a renúncia é sacrifício
que nos põe perto de Deus !…

Ficou como exemplo ao mundo
que o amor vence os desatinos,
o perdão de um moribundo
para os próprios assassinos!…

Lembrando os tempos risonhos,
vejo com desgosto infindo,
que os meus coloridos sonhos
estão se descolorindo!

Manhã tristonha. Chovia.
Ias partir.. Desencanto…
E o pranto da chuva fria
se misturava ao meu pranto!…

Mar, nas tuas águas mansas
que embravecem de repente,
eu descubro semelhanças
com o destino da gente! …

Mostrando que no teu peito
pulsa um nobre coração,
paga o mal que te foi feito
com moedas de perdão…

Na serenata dos sós
o meu canto é tão sentido,
que quem ouve a minha voz
supõe ouvir um gemido!…

Natal!… Que o toque dos sinos
traga alegrias também
para aqueles pequeninos
que são filhos de ninguém !…

Na vida não queiras ter
só momentos de alegria;
repara que o amanhecer
não é igual todo dia.

No Natal vejo meninos
com boa roupa e bom teto
ganhando presentes finos…
e tão carentes de afeto!…

No peito, por ser sincero,
sinto a aflição de um castigo,
quando digo que te quero
e tu não crês no que eu digo!

Nossas mãos quando as unimos,
embora não tenham voz,
do grande amor que sentimos
falam melhor do que nós!

Para o meu viver tristonho
um motivo mais ressalta:
na trova feliz que eu sonho
és a rima que me falta…

Pela vida, à semelhança
de um colono, sigo eu
plantando nova esperança
onde a esperança morreu!…

Planta, a cada frustração
outro sonho em tua estrada…
Antes crer numa ilusão
do que não crer mais em nada!…

Procure dar mais valor,
nesta vida tão fugaz,
à beleza inferior
que nem o tempo desfaz !

Quando chora a pobre gente
por na mesa não ter nada,
a terra chora a semente
que nela não foi plantada!…

Quando me abraça e murmura:
“serei tua a vida inteira”
nunca vi tanta ternura
em frase tão corriqueira

Quando os pés na terra ponho,
descubro, frustrado e triste,
que o mundo feliz que eu sonho
somente em meu sonho existe.

Quando ris, tenho certeza
que Deus, tão sábio e preciso,
exagerou na beleza
quando fez o teu sorriso!

Quem recebe e não revida
um gesto de ingratidão,
em meio às trevas da vida
semeia a luz do perdão!…

Se tens muito, ao mais carente
procura um pouco ajudar,
que um pingo d’água somente
não faz diferença ao mar..

Sozinho, vivo à procura
de quem seja o mar perfeito
para o rio de ternura
que tenho dentro do peito!

Tenho bem pouco… Migalhas…
mas não me dói ser plebeu:
foi num presépio, entre palhas,
que um Deus-menino nasceu!

Teus olhos, quando me fitas,
parecem, para o meu gosto,
duas rimas bem bonitas
no poema do teu rosto!

Um dia te fiz sofrer…
E agora sofro a aflição
de o meu remorso não ter
como encontrar teu perdão!…

Viva a vida; mas, cuidado!
Precavido, não se esqueça
de construir seu telhado
antes que a chuva aconteça!…

Fonte:
Colaboração de Darlene A. A. Silva
LIMA, José Tavares de. Vozes do Coração.

Deixe um comentário

Arquivado em livro de trovas, Trovas