Arquivo da categoria: Maranhão

Poesia nos 400 (Os Cabos de Guerra da Poesia da São Luís Contemporânea)

onde
um pequenino
ri
olhando
para o
céu
ali
está
Deus
(Antonio Aílton)

Muitos anos depois de dezenas de poetas-gênios e inventores, grandes mestres da poesia, diluidores, grandes escritores, bons escritores sem qualidade e cometedores de versos (não necessariamente nessa ordem), esta São Luís, que, de autodenominada “Atenas Brasileira”, não sem empáfia, e hoje está em fase de despedida de também ser Jamaica Brasileira para ser “Cidade de Deus”, insiste, todavia, em conservar nalgum beco de seu ventre a experiência do poético que se pode revelar numa esquina, na boca de um menino que toma para si um velho espírito, a qualquer momento.

A experiência do poético é, sem dúvida, um dos traços característicos que permanece em nós, sem exclusividade de grupos ou segmentos. Essa experiência, coletiva, não está apenas na chamada cultura erudita, a qual é agora rechaçada pelos dissimulados, pretensamente corretos, como cultura burguesa, de elite, de poucos. Que o é, realmente, embora isso não devesse ser assim, enviesado, e apesar de que muitos dos que fazem essa cultura venham das brenhas mais humildes. Mas os culpados pela mutilação cultural e pela sonegação da plena educação do povo são bem conhecidos.

E onde está essa experiência coletiva do poético? Dizem as cantigas de Bumba-meu-boi, de um lado: “se não existisse o luar, o homem viveria na escuridão” (Chagas da Maioba); e de outro lado, invocando a mesma lua da inspiração nativa, cantam: “Ô lua, (…) teu brilho, quando vem surgindo, vai transluzindo o couro do nosso Boi.” ((Humberto de Maracanã). E sob essa mesma lua, as coreiras incendeiam em roda, o corpo iluminando os tambores. Todos esses segmentos são vasos comunicantes que resultam no espírito do lugar, numa atmosfera que exulta e impregna, que é explorada politicamente, economicamente, turisticamente, midiaticamente, propaladamente, sem que haja políticas sérias de investimento que, ao invés de tratá-los como “retorno” ou “não retorno” de votos, como coisas contraditórias, “fundo perdido” (segmento literário), percebam o potencial para a cidade, em si, dos braços que se dão, do enredo, do entrecruzamento de todos os fios, como experiência coletiva nossa, singular, que faz crescer a todos.

É dentro dessa experiência que também se ordenam gerações e gerações que fazem a poesia e o ethos da cidade, São Luís, e do estado, o Maranhão. E, malgrado as opiniões em contrário, e apesar deste mergulho rápido e vertiginoso da sociedade no universo da imagem e da tecnologia, pressupostamente contrário à poesia conforme a conhecemos, ela permanece forte, e mais uma geração se estabelece sem alarde.

Há não muito tempo, alguns viam no embate com o passado a chave não só para estabelecer radicalmente uma nova arte, mas sobretudo para chamar a atenção para si, para demarcar seu espaço e sua existência no mundo: a castração ou degola do grande pai, para falar simbolicamente, mesmo quando o que mais importava era mostrar a novidade da festa.

Nas atuais condições a que chegamos com a literatura, da apropriação e do dialogismo contemporâneos, de hipertextos e redefinições, de instantaneidades, acessos espaciais e recuperação do remoto e do desconhecido, e em que se faz a todo instante, aqui e alhures, “movimentos de retorno e de transtorno” (Flora Sussekind), acentua-se o fato de que o movimento de escritura é também movimento de leitura e vice-versa (não significando aí, que fique claro, aceitação de discurso ou leitura passiva). À exceção de poucos que ainda pensam nalgum rapapé inaugural e elaboram manifestos pastichosos , muitos concordam que esse tipo de espetáculo faz parte hoje de um pensamento anacrônico, desde que a história já deglutiu as famosas vanguardas, do futurismo e do dadaísmo à pop art, exaustivamente. Assim, a turma que recebe o legado nesta culminância dos quatrocentos anos desta cidade de poetas se impõe não com trombetas e festins, ou com tapetes que lhe estendam.

Essa geração vem abrindo caminho com sua competência, com a qualidade do seu trabalho, com sua leitura, e com seu respeito pela experiência poética que outros vieram erguendo, com luta e suor, às vezes com desespero e desamparo.

Aí está a incompreensão que, com raios de maniqueísmo, gira em torno daqueles que estão deste lado do cabo de guerra, de muitos acharem que não se produz mais nada, que a luz se apagou, que não se escreve mais como antigamente, isto é, como “no tempo dos gênios”, e que a última grande poesia possível já se esvai com a luz gasosa dos lampiões, com os prédios deixados à mercê de seu esboroar. Ora, esta geração, chamada muitas vezes de austera, esta geração que, no geral, sem lastro econômico, é feita por aqueles que se enroscam na esquizofrenia do trabalho e arrancam das demandas cotidianas e familiares momentos para poder criar, avança ficando as estacas do seu talento, e há de ficar.

A experiência poética e a experiência do poético não é, nesse caso, uma questão de exclusividade nem de disputa de forças: não é o que nos separa, no cruel exílio desta Ilha, é o que nos une. O contrário disso não passa de ciúme besta. E, neste sentido, todos têm algo a dizer, porque um excelente poema, havendo condições para isso, pode ser feito em qualquer idade, a qualquer idade (disto não precisa levantar provas); neste sentido, todos temos o musgo das velhas galeras e a juventude de quatrocentos anos, agora, que navegar e viver ganham um novo e surpreendente sentido.

****

A responsabilidade declaradamente escamoteada deste texto é a de correr um tremendo risco, elencando nomes que engendram o cenário da poesia maranhense atual, ou, mais precisamente, da poesia maranhense contemporânea, e dele compartilham. Neste caso, toda lista padece do mesmo problema sempre por nós execrado: o de deixar de fora quem deveria, poderia, ou sente que teria que estar, uma vez que é feita por alguém que não conhece nem tem condições de conhecer todos. Por outro lado, quem é convidado não tem obrigação de permanecer… É preciso pensar, portanto, numa espécie de rol exemplar (ver páginas 4 a 6, seguintes), no qual, quem não é mencionado possa ao menos ser representado, e quem é listado sinta-se num elo que liga as possibilidades às fragilidades do ser humano.

Indubitavelmente, quatro grandes nomes têm sido mencionados como representantes da poesia maranhense mais recente, que têm fortes elos temáticos e formais com esta São Luís do Maranhão e que nos repassam sua experiência poética: Nauro Machado, José Chagas, Ferreira Gullar e Bandeira Tribuzi. Este último, dormindo já a paz do poeta justo. Eles determinaram em definitivo, conforme podem ser observados na leitura de sua obra, pelo menos três vetores para a nossa poesia: um lirismo másculo e visceral (Nauro); uma poética do memorial local aliado à interrogação da temporalidade existencial (Chagas, Tribuzi); a objetividade cosmopolita do cotidiano social atravessado pela contestação poética (Gullar, Tribuzi). Some-se a esses nomes, o de Lago Burnet, Déo Silva, José Maria Nascimento, Manuel Lopes, Manuel Caetano Bandeira de Mello e outros.

A poeta e romancista Arlete Nogueira da Cruz, a maior representante e mulher que contribuiu grandemente com a geração acima, aponta, em seu Nomes e nuvens (Unigraf, 2003), outra geração que se firma entre os anos 1970 e 1980, e que está na plenitude de sua produção, madura. Rica de nomes e de direcionamentos, mas todos respirando os novos confrontos impostos por circunstâncias e transformações radicais que vão do local e do nacional ao global: expansão e descentramento da cidade, derrocada e morte do militarismo, liberdade de pensamento, noção de uma “aldeia global”, tecnologização crescente, aumento da violência urbana e aparecimento da massa abandonada nas ruas. Luís Augusto Cassas, Cunha Santos, Raimundo Fontenele, Viriato Gaspar, Chagas Val, Rossini Correa, Alex Brasil, Roberto Kenard, Laura Amélia Damous, Lenita Estrela de Sá, Joe Rosa, Celso Borges, Fernando Abreu, Paulo Melo Sousa, Lúcia Santos, Eduardo Júlio, Ronaldo Costa Fernandes, Couto Correa Filho, Eudes de Sousa, Sônia Almeida, Dilercy Adler, César Willian, são alguns dos nomes cujo conjunto fazem uma poética não passível de redução: ora “marginal” e underground, concretista, neo ou semiconcretista, ora lírico-sentimental, ora metalinguística; poundiana; hierática; epigramática; hierofânica…

E esta outra geração (1990/2000…) que agora também exige com vigor seu lugar ao sol, começando com mais ou menos força sua obra, encontrando-se com outras, que hão de se encontrar com outras, sem que sejam necessariamente companheiros próximos ou que tenham a mesma origem, os mesmos fins, os mesmos meios, mas que são familiares às mesmas vozes e vivem mais ou menos as mesmas demandas socioculturais deste momento. Eclética, vai do telurismo existencial ao cosmopolitismo fragmentário, ou às neuroses íntimas e urbanoides.

Poetas, professores, artistas, ensaístas que surgiram em torno do Suplemento Literário Vagalume; em torno do bar do Adalberto; dos festivais de poesia falada ou do mundo acadêmico-universitário da UFMA, em torno das oficinas e recitais programados pelo poeta Paulo Melo; dos festivais do SESC; dos concursos da FUNC, em torno do Grupo Curare e do Carranca, que confluíram em riso na alegria dos domingos na da casa do jornalista Gojoba e do abraço gentil de sua esposa, Dona Graça; em torno do Concurso de Poesia Nascentes, da USP; do Poiesis ou da Vida é uma festa: Hagamenon de Jesus, Bioque Mesito, Natanílson Campos, Ricardo Leão, Dyl Pires, Antonio Aílton, Rosimary Rêgo, Jorgeana Braga, Geane Fiddan, José Neres, Dílson Junior, Mauro Cyro, Elias Rocha, Natinho Costa, Samarone Marinho, Jorge Leão, Danilo Araújo, Josualdo Rego, Reuben da Cunha Rocha, Bruno Azevedo, César Borralho, Mateus Gato e Daniel Blume, entre outros, e entre companheiros e companheiras que, não escrevendo, fizeram de sua companhia poesia pura.

Estas listas são, evidentemente, apenas listas, e têm um caráter relativamente didático, baseado mais ou menos nos círculos de produção, faixa de idade, etc. Na realidade, essa separação é muito tênue ou difusa. Exemplos claros disso são os casos de Couto Corrêa Filho, César Willian, Paulo Melo, para falar de alguns, que sempre estiveram também juntos com o último elenco.

“A cidade não está no homem/ do mesmo modo que em suas/ quitandas praças e ruas”, diz Gullar. A experiência coletiva do poético como experiência da liri-cidade e a experiência poética passada de geração a geração constituem-se num dos nossos maiores patrimônios imateriais que têm raízes no patrimônio material ludovicense, em sua atmosfera cultural e na fundação de uma tradição forte, que une, por um lado, a cultura popular que permaneceu pela força de muitos sacrifícios e, por outro, um lastro canônico ímpar, construído por intelectuais visionários, conforme aponta-nos Ricardo Leão em sua obra/tese Os atenienes: a invenção do cânone nacional (Paco Editorial,2012).

Neste espaço extraordinário, de velhos becos e ladeiras, azulejos e crepúsculos abissais, marinhos, nasce uma poesia única proporcionada por um lugar único, cujos habitantes se sentem tocados, invadidos pelo signo do poético. É nela que o poeta lamenta cada injúria, é nela que, como casa memorial de nossa linguagem, os poetas pedem em uníssono, com Tribuzi: “Ó minha cidade, deixa-me viver, que eu quero aprender tua poesia”.

Fonte:
Suplemento Cultural & Literário JP Guesa Errante. Ano XI. Edição 281. 8 de setembro de 2012
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Maranhão, Sopa de Letras

Antônio Martins (Memória Viva de São Luís em Xeque)

 Antônio Martins de Araújo nasceu em São Luís do Maranhão, numa meia-morada situada na rua dos Afogados, esquina com a rua do Ribeirão, tendo em frente a Fonte do Ribeirão, no dia 1º de agosto de 1932. O escritor é Doutor em Letras Vernáculas (Literatura Brasileira) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, tendo se aposentado como professor de Língua Portuguesa por essa instituição. É considerado o maior expert, no Brasil, no que se refere à obra de Arthur Azevedo. Ocupa atualmente a presidência da Academia Brasileira de Filologia – ABF e é membro da Academia Maranhense de Letras – AML, trabalhando ainda como professor do Instituto de Língua Portuguesa do Liceu Literário Português. Entre suas principais obras é possível mencionar: Arthur Azevedo – a palavra e o riso, Noel Rosa – língua e estilo (em parceria com Castelar de Carvalho), A herança de João de Barros e outros estudos, Chão do Tempo, e O peito do Pelicano – ensaios maranhenses. Numa bela manhã do início de setembro deste ano, Antônio Martins de Araújo concedeu ao Guesa Errante a entrevista que publicamos abaixo. O intelectual maranhense mora no Rio de Janeiro.

Paulo Melo Sousa – Caro mestre Antônio Martins, quais as recordações mais antigas da sua infância, vividas em São Luís? 

Antônio Martins de Araújo – Eu me lembro bem da casa na qual nasci, local em que meu pai manteve um comércio durante a segunda guerra mundial. Em 1938 ele abriu falência, eu tinha seis anos de idade, foi quando ele perdeu a Mercearia Gaúcha. Ele vendia a crédito para os garis da prefeitura de São Luís e, na época, sofreu um calote de 30 contos de réis. As compras dos garis eram descontadas dos salários deles, por intermédio de meu padrinho, um maçon chamado seu Cruz. Aí o governo mudou em 1938, e o substituto de seu Cruz, Agenor Vieira, não honrou os compromissos assumidos com a mercearia. Então, meu pai foi obrigado a vender tudo e fomos embora para Viana, terra natal do meu pai. Lá eu estudei no Colégio Municipal entre os seis e os sete anos de idade. Tenho muitas saudades do lago de Viana, das mocorocas e das enchentes. Dessa época tenho uma recordação magnífica, lembro de histórias que conto no meu livro “Menino do Ribeirão”, que ainda não publiquei, já que existem dois capítulos da obra nos quais relato as minhas primeiras experiências sexuais, e como as meninas ainda estão vivas, uma delas casada, o livro só será publicado trinta anos depois da minha morte (risos).

Em seguida, a sua família retornou a São Luís… 

Sim, e aí eu estudei aqui no Colégio Justo Jansen, que funcionava num sobradão situado na rua da Cruz, esquina com a rua dos Afogados. Ali, tive uma experiência muito boa, pois estudava pela manhã e, na parte da tarde, quatro portas além da minha casa, tinha aula particular com a professora Maria de Lourdes Garrido. A ela devo a minha orientação para fazer o exame de admissão ao Colégio Marista, no qual fui aprovado de imediato, aos 11 anos de idade. Poucos anos depois, aos 15 anos, comecei a dar aulas de Português e História do Brasil na Escola Champagnat, uma espécie de escola supletiva, que funcionava à noite. No entanto, na minha formação, eu digo que a minha primeira universidade foi o Teatro Arthur Azevedo, o mundo recontado através da arte.

Como aconteceu esse seu contato com o teatro? 

Entre os meus 5 anos e os 15 anos de idade, a minha madrinha, Edith Barbosa Pinto, mãe de criação da minha mãe, Edith Raposo Martins Araújo, era quem me levava ao teatro. Ela vendia cafezinho e mingau de milho aos atores e para alguns outros fregueses. Dessa forma, eu assisti de graça aos espetáculos de todas as companhias de teatro que passaram por São Luís de 1937 a 1947. Quando digo que a minha primeira formação superior aconteceu no Arthur Azevedo é porque ali tive o privilégio de assistir às apresentações de nomes magistrais do teatro, tais como a Companhia dos Estudantes de Coimbra, as operetas dos irmãos Vicente Celestino, peças com Pascoal Carlos Magno, Eva Tudor, Iracema de Alencar, Henriette Morineau, Lenita Bruno. Em homenagem a essa atriz, que, entre 1937 e 1947, brilhou intensamente por mais de uma vez no Teatro Arthur Azevedo, e me dedicava, eu menino ainda, um carinho muito especial, sugeri à minha mãe que pusesse o nome de Lenita à minha segunda irmã, o que foi feito. Foi na nossa principal casa de espetáculos que, sob o prisma da arte cênica, o universo à minha volta se revelou a mim.

Esse seu interesse pelo teatro continuou quando você foi morar no Rio de Janeiro… 

É verdade. O ator Delorges Caminha, marido da atriz francesa Henriette Morineau, foi o meu primeiro diretor na Escola de Teatro Martins Pena. Tive também lá como meus diretores, entre outros, o brilhante ator José Wilker e o excelente bailarino Klaus Viana. As aulas de Impostação da Voz eu só ministrei duas ou três vezes, após fazer um curso intensivo, nos anos 60, com a professora cearense Glória Beutmuller, radicada no Rio, há muitos anos. Eu também lecionava sobre História do Espetáculo, mas, não recuava até 5 mil anos antes de Cristo quando, na ilha de Bali, praticamente nasceu o teatro. Ainda hoje os atores representam nessa ilha o espetáculo do embate entre o bem e o mal, e, quem faz o papel do demônio se deixa atravessar por uma espada e não sangra, já que o golpe desferido não atinge os órgãos vitais. Trata-se de uma cultura milenar, diante da qual devemos tirar o chapéu. Lá é que nasceu realmente o teatro. Isso pode não ter tido influência alguma sobre o teatro greco-romano, mas, é uma ilusão. Quando se diz que Monteiro Lobato foi um grande contador de estórias, isso é conversa fiada, já que ele recontou estórias que La Fontaine já contava. E aí quando se diz que La Fontaine era um grande contador de estórias, fábulas, isso também é conversa fiada, já que ele bebeu nas fábulas de Esopo…

 Isso nos lembra a ideia do eterno retorno, de Nietzsche, e ainda de Jorge Luís Borges, na obra “História da Eternidade”; ali, num pequeno ensaio intitulado “A doutrina dos ciclos”, ele escreve que “num tempo infinito, o número de permutações possíveis deve ser alcançado, e o universo deverá se repetir”… Sim. E então poderíamos pensar que a cultura greco-romana é o berço da nossa cultura. Nesse particular específico do fabulário, a história nos ensina que a literatura europeia ocidental, grosso modo, possui origem nas estórias de animais encontradas nos livros sagrados hindus do Mahabharata e do Rig Veda, que são muito anteriores à cultura helênica. Assim também, quando se fala de gíria, muita gente pensa que é criação tupiniquim, quando, na verdade, foi a tribo dos bazigares oriundos, creio, que da Hungria, que a teria criado. Procurei mostrar como chegou até nós esse gosto pela gíria em meu ensaio “Arthur Azevedo: a Palavra e o Riso”, co-editado em 1988 pela prestigiosa Editora Perspectiva e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Então, nós temos que tirar o nosso chapéu para a lei de Lavoisier, que diz que “na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. O Chacrinha tinha uma paráfrase do Lavoisier: “na vida nada se perde, nada se cria, tudo se copia”…(risos!).

Mestre Martins, fale-nos sobre a sua inserção no movimento cultural maranhense de então..

Muito me agrada a sua pergunta. Nós nos reuníamos no Centro Cultural Gonçalves Dias, cujas sessões eram realizadas no Grêmio Lítero Recreativo Português, ali em frente à praça João Lisboa, aonde assisti a declamações de poesia de Ferreira Gullar, que hoje tem ódio ao seu livro de estréia, “Luta Corporal”. No entanto, acho que esse livro marca a trajetória ascensional do Gullar. Nós nos reuníamos também no Café do Chico, em frente à João Lisboa, situado na esquina da rua de Nazaré, de onde se defrontava a Livraria Moderna. Ali nós líamos os nossos poemas uns para os outros e, quando um dizia que era para se rasgar o texto, que estava uma merda, nós rasgávamos o poema na mesma hora, respeitávamos a opinião dos amigos, todos bem informados. Ali se encontrava o Sarney, o Tobias Pinheiro, o Gullar. Também havia encontros na galeria do Paiva, na Movelaria Guanabara, situada na rua do Sol. Nós, um pouco mais jovens, nos reuníamos na casa de Zé Mário Santos, grande orador, que ficava no Campo de Ourique, perto da praça Deodoro. Eu era liderança da “Agremiação Liberal Acadêmica – ALA” e ele era líder do “Movimento Nacionalista Acadêmico – MNA”, e nessa casa eu me reunia com Manoel Lopes, Clóvis Sena, que faleceu recentemente.

No entanto, os encontros sempre estavam ligados a questões culturais… 

Sempre. Eu me lembro que nós tivemos a oportunidade de receber por lá a visita de Darcy Ribeiro e de um parente do famoso escritor Aldous Huxley, o antropólogo Francis Huxley, de procedência inglesa. Então, ele resolveu declamar um trecho de Shakespeare, que era muito onomatopaico. Na sua declamação, ele fazia ohhhhh, aliado a uns trejeitos meio estranhos e nós nos danamos a rir, foi um surto de riso vexaminoso (risos), que pegou muito mal. O rapaz estava querendo fazer uma homenagem a nós, declamando da melhor forma possível, mas, os trejeitos dele eram muito cômicos (risos). Um dia nós fomos almoçar num restaurante que ficava nos fundos da atual Academia Maranhense de Letras, e eu fiquei admirando o tamanho dos sapatos do Darcy. Então, ele me disse: “já sei, Antônio, você está achando o sapato exagerado, mas, é que eu e o Francis vamos pisar na tribo dos índios Urubus-Kaapor, e tenho que me proteger dos tocos do mato, né? Por isso os sapatões que usamos”. Então, essa geração nos deu muitas alegrias.

Até que idade você morou em São Luís, e qual a razão da sua partida? 

A minha partida daqui se deveu a uma experiência altamente frustrante, ao mesmo tempo em que foi altamente redentora. Eu acabara de fundar, quando tinha uns 27 anos de idade, um colégio chamado Ginásio Operário Getúlio Vargas, no âmbito da Campanha Nacional de Educandários Gratuitos, no bairro do Lira. Dr. Elói Coelho Neto era o presidente dessa instituição, no Maranhão, da qual eu era Secretário Geral. Nós fundamos vários colégios pelo interior do Maranhão, em Codó, Coroatá e outros municípios. Quando eu estava prestes a me tornar diretor da instituição, o governador Newton Belo me convidou para ser diretor do Liceu Maranhense, eu tinha apenas 28 anos de idade. Nos quatro anos em que permaneci ali, com um grande amigo, meu compadre, padrinho de um filho meu, o saudoso Merval Lebre Santiago, eu tive experiências ‘magníficas’, já que grandes ‘amigos’ que eu ajudei a colocar no Liceu me traíram posteriormente, disputando a diretoria, como é o caso de um pernambucano mau caráter chamado Gildo Cordeiro Rosa, que reprovava os alunos para depois ensinar matemática aos mesmos alunos, de forma particular, para poder aprová-los. Eu vivia recebendo pauladas do Jornal Pequeno, do meu amigo Bogéa, e do Neiva Moreira, que era diretor do Jornal do Povo. Faltava energia e no outro dia surgia a manchete: ‘diretor irresponsável do Liceu suspende as aulas’… Como é que se poderia dar aulas com velas? Era na época do João Goulart, greve atrás de greve, jogavam bombas na porta da escola, então eu mandava os alunos para casa.

Período conturbado… 

Pois é, e aquilo me cansou a beleza, eu já tinha 32 anos. Então, resolvi fazer concurso para professor no Rio de Janeiro. Na ocasião, falei com o grande comandante, grande amigo meu, Renato Archer, que tinha grande trânsito junto à Panair. O Renato me ajudou com a passagem, eu era pobre, e fui fazer concurso na Escola Técnica Federal, na Universidade Gama Filho e na Escola Naval. Então, fui aprovado e me transferi para o Rio de Janeiro. Foi o início da minha redenção, pois eu dava 72 horas de aula no Maranhão, acumulava a direção do Liceu durante a manhã e à noite. Durante a tarde, funcionava a Escola Normal, sob o comando de Oceanira Galvão, descendente do grande poeta maranhense Trajano Galvão. Então, no Rio de Janeiro passei a trabalhar oito horas a menos e a ganhar seis vezes mais. Vivi durante dois anos na rua Maranhão, perto da escola Maranhão, da farmácia e da padaria Maranhão, para não fugir à tradição…(risos). Então, não cortei de uma vez o cordão umbilical com a minha terra, fui me despedindo do Maranhão aos poucos. Depois de dois anos comprei meu apartamento na rua do Copacabana Palace, onde moro até hoje.

Depois de tanto tempo fora do Maranhão, as suas vindas a São Luís são sempre marcantes… 

São Luís é sempre um encantamento. Essa prosápia, essa fidalguia, esse orgulho que o Maranhão tem de praticar o melhor português do Brasil, sem favor nenhum, porque o Maranhão já nasce com essa vocação para respeitar o idioma pátrio, que é uma prova de bom caráter, realmente me impressiona. Havia um sujeito pichando uma das paredes da cidade e quebraram o maior pau em cima dele não por causa da pichação, mas, em razão de ele ter escrito à bessa com dois esses em vez de à beça, desrespeitando a língua portuguesa; só mesmo no Maranhão existem essas coisas.

E seus planos futuros? 

Ano que vem vou fazer pela quarta vez 20 anos de idade…(risos)…não ria não porque a coisa é séria…(risos)…já estou descendo a ladeira…(risos)…mas vou descendo e também subindo, agora mesmo estou dando aulas para um curso de mestrado em Cruzeiro do Sul, perto de Rio Branco, formando uma turma de 50 mestrandos. Em maio ministrei aulas de Linguística Aplicada ao Ensino de Letras Neolatinas, área da minha formação, e tenho textos inéditos à espera de publicação; enfim, continuo escrevendo, produzindo sempre.

Fonte:
Suplemento Cultural & Literário JP Guesa Errante. Ano X. Edição 238. 5 de outubro de 2011.

Deixe um comentário

Arquivado em Entrevista, Maranhão, O Escritor em Xeque

Raimundo Fontenele (64 anos de nascimento 42 anos de poemas)

Artigo de Alberico Carneiro

 Raimundo Fontenele nasceu em Predeiras, MA. Em sua trajetória de mais de quatro décadas de publicações, ele nos lega uma obra literária que é causa de orgulho a todos quantos, dentre os maranhenses, levam a sério o reconhecimento do nome do Maranhão como terra de excelentes artistas. E quando dizemos terra de artistas, estamos falando em algo com letra maiúscula, para que o povo não confunda a palavra artista com a mesma que se usa para designar pessoas que, com suas atividades, promovem apenas distração, diversão ou entretenimento, o que, sem dúvida já é alguma coisa, mas não é a mesma coisa. Assim, quando dizemos terra de excelentes artistas, estamos nos referindo a uma São Luís que pode se orgulhar de pessoas que aspiram a dar ao Maranhão um lugar de destaque, como o fazem Ferreira Gullar ou Zeca Baleiro, por exemplo.

 A obra literária de Raimundo Fontenele não se constitui de inúmeros livros, mas o conjunto de textos que ele assina o impõe como uma das mais expressivas referências da poesia maranhense escrita a partir da década de 1970 aos dias atuais.

 Irreverente, ousado, transgressor, não é um poeta de concessões, louvores, marca quase comum de inúmeros escritores que tanto envergonham a classe, nesta província. A mediocridade sempre carrega consigo esse estigma maldito.

 A poética de Raimundo Fontenele não se parece com os textos de ninguém de sua geração. É um poeta marginal ou, conforme melhor se diz, maldito, desses cujos poemas sempre causam estranhamento e espanto aos leitores acostumados com a contemplação do cultivo de hortas, jardins e pomares paradisíacos, onde não penetrou a insídia da conspiração, da obliquidade e do olhar que lê o amor e o revela como a senda do prazer e da dor. Por isso, já os textos de Fontenele selecionados para a antologia Antroponáutica, publicada pelo então Departamento de Letras, de São Luís, em 1972, estavam marcados por aquela dicção de um poeta que optava pelo desvio do lugar comum, ocupado por aqueles que preferem repetir os passos seculares de uma tradição herdada e, não, de uma tradição marcada pela rebeldia, própria de poucos que fizeram ou fazem o caminho sangrando as mãos, os pés e as mentes.

 Claro que a aparição desse poeta, em livro, já em 1970, com Chegada Temporal, causou espécie, incomodou a crítica oficial, conquistou a indiferença dos meios acadêmicos. Tratava-se de um poeta que, no mínimo, rompia com a linha tradicional dos conteúdos poéticos, em se tratando essencialmente de uma linguagem que procurava se impor, transgredindo, rompendo, negando. Sim, uma linguagem que se permitia, metalinguisticamente, criticar a tradição, negar a tradição, dizer que a poesia, em essência está além de cânones, estando muito mais na beleza que se expressa melhor através do fluxo natural dos dados imediatos do inconsciente, detonando os padrões de beleza clássica universal.

 E como a tradição não aceita de graça quem ousa se desenraizar e desfamiliarizar, escritores como Raimundo Fontenele sempre pagam um preço doloroso pela autenticidade da produção de uma obra literária que se quer afirmar sem o selo e a chancelaria de uma sintaxe normativa, já que a finalidade primeira desse tipo de poeta é explodi-la.

 Recebi sempre com surpresa, entusiasmo e orgulho os livros que Raimundo Fontenele tem publicado. Cada vez que ele quebrou uma telha, rasgou livros dos medíocres, detonou um sobradão colonial, fez ajoelharem-se os políticos ladrões e hipócritas e os sentenciou à pena de exílio do convívio social, lá eu me senti em comunhão com ele, cúmplice do mesmo santo e abençoado crime que tanto nos irmana, quando se trata de chutar, quebrar, destruir, eliminar todos, que são poucos gatunos, quantos impedem a humanidade de partilhar dos bens e dons da vida, conferidos a todos nós pelo Criador. Sim, a elite dos abomináveis eleitos do Diabo, que aliena o público no particular.

 Então, com imenso prazer releio Chegada Temporal, 1970; Às mãos do dia, 1972; Venenos, 1994; Marginais, 2001, dentre outros.

 Hoje, ele nos surpreende, entusiasma e enche de orgulho mais uma vez, com o lançamento simultâneo de duas obras-primas – estes antológicos O troglodita e Amores.

 É como um coroamento de uma viagem do poeta em sua circunavegação por São Luís e em exílio. Exílio porque quem verdadeiramente se pode tornar um artista de nome, vivendo aqui nesta província? Meu Deus, raras e honrosas exceções. Costumamos dizer, ficando aqui é melhor morar aqui, mas viver em outros lugares, vivendo aqui. É possível esse milagre?

 Certo é que, com os dois últimos livros, o poeta Raimundo Fontenele confirma a conquista de uma poesia forte, humana, singularmente, genial. Como poucos ele vem sabendo se impor pelo bom uso do talento que recebeu ao nascer. A maioria joga tudo fora, ou na primeira lixeira de bandalheiras que descobrem nos cérebros. 

Fontes:
Suplemento Cultural & Literário JP Guesa Errante. Ano XI. Edição 269. 9 junho 2012.

Deixe um comentário

Arquivado em Maranhão, Sopa de Letras

Manoel Santos Neto (Universo Poético da Cidade de São Luís do Maranhão VI)

Ninguém se lembrou, até agora, de que transcorre neste mês de novembro o aniversário dos 30 anos do lançamento de Os Tambores de São Luís. Publicado em 1975, pela Editora José Olympio, este livro é um romance em duas marchas. Numa delas, a acelerada, o escritor Josué Montello tenta retratar os vários ciclos da História do Maranhão. Na outra marcha, a mais lenta, é que transcorre o texto em si: uma história que conta a saga do negro e o seu martírio sob a escravidão no Brasil. É, portanto, um extraordinário romance humano, ao estilo de uma impressionante novela de mistério, que começa com um episódio imprevisto – o encontro de um negro assassinado dentro de um bar, numa velha noite de 1915.

A partir daí, a narrativa avança como um vasto mural onde Josué Montello dispõe seu glorioso bando de filhos do povo. Damião, Benigna, Barão, o Padre Tracajá, Santinha, Genoveva Pia, Mestre Ambrósio, dona Calu, dona Bembém, a Comadre Ludovina, o Maneco Ourives – seres vivos da família literária de Montello, juntamente com as quatro centenas de personagens, nos quais o romancista procurou insuflar o alento da vida, como seres reais. Os Tambores de São Luís está consagrado como uma das grandes obras da ficção nacional. É um romance histórico que contextualiza, do ponto de vista social, cultural e político, o universo em que se desenvolveu a sociedade escravagista brasileira.

Aos 58 anos de idade, quando lançou o seu grande romance, Josué Montello procurou, com Os Tambores de São Luís, fixar sobretudo o problema do negro. Do negro e de suas lutas. Do negro e de suas tragédias. Do negro e de sua vagarosa ascensão social. Do ponto de vista técnico, no plano meramente narrativo, o romancista maranhense cruzou duas linhas básicas. Uma, representada pelo romance objetivo, que se resume no espaço de uma única noite, tendo como episódio central a caminhada de um negro de 80 anos. É quando surge Damião atravessando a cidade a pé (por não ter encontrado um carro que o levasse ao outro lado de São Luís), para conhecer o trineto que acabara de nascer. Essa caminhada é feita com o acompanhamento simbólico do bater dos tambores rituais, na Casa das Minas.

Com 483 páginas, Os Tambores de São Luís é a crônica de uma época, sem deixar de ser obra de ficção; é um relato romanesco de ordem histórica, onde também avultam os sobradões de azulejos, os portais de pedra, os mirantes, os balcões sobre a calçada de cantaria, as sacadas de ferro, o velho casario, as ruas, as praças, os becos da cidade. Nos seus Diários o próprio Montello confessa que, com Os Tambores de São Luís, conseguiu compor a sua maior obra, aquela que efetivamente sintetiza o seu talento e a sua operosidade de romancista. São palavras do escritor: De quantos romances escrevi até hoje, nesta minha língua transparente e objetiva, foram Os Tambores de São Luís, na sua concepção geral e na sua urdidura, aquele que me obrigou a uma atenção maior, como pesquisa, como rigor técnico, dada a circunstância de que nele a ficção se acha amalgamada à matéria rigorosamente histórica.

Numa das passagens do Diário do Entardecer, Montello revela que, ao escrever Os Tambores de São Luís, concentrou o melhor de si mesmo, como processo técnico e como linguagem, além de ter pago uma velha dívida para com a raça negra. Recompus-lhe o martírio, como talvez não o pudesse fazer um escritor negro, e demarquei-lhe a ascensão vertical, com a figura central de um preto de gênio, capaz de ombrear-se com um Teodoro Sampaio, um Cruz e Souza, um Juliano Moreira ou um Nascimento Moraes.

Embora sua ação romanesca componha uma jornada que se inicia às 22 horas de uma noite de 1915 para fechar-se às 9 horas da manhã seguinte, o relato retrocede aos vários ciclos da História maranhense, misturando presente e passado, com mais de 400 personagens, entre bispos, padres, governadores, boêmios, raparigas, estudantes, professores, oradores populares, negros de ganho, artistas, tipos de rua, tentando reconstituir toda a complexa vida de uma cidade.

O escritor Jorge Amado (1912-2001), autor de Gabriela Cravo e Canela, retrata em muitos de seus romances os negros do Recôncavo Baiano. Josué Montello dedicou Os Tambores de São Luís aos negros do Maranhão. À luz da experiência escravista brasileira, ele focaliza o árduo trabalho dos negros no campo, de manhã à noite, e que só se atenuava quando estrondavam as grandes chuvas.

Na amplidão de seu livro monumental, Montello retrata ainda o cenário, o ambiente cultural, o sistema político-econômico, o dia-a-dia das fazendas, as tensões e os enfrentamentos que marcaram as relações entre senhores e escravos. É um romance que evoca imagens dos tempos do cativeiro reconstituídas de maneira formidável pela imaginação do romancista.

Obra-prima – Tal é a identificação do autor com a sua obra maior que, num de seus artigos, Montello conta que, de início, ao compor a linha mestra de Os Tambores de São Luís, havia pensado num conjunto de oito romances, a que se consagraria pelo resto da vida, todos eles com um personagem negro central, com o mesmo nome, Damião, de modo a compor uma dinastia, sintetizando a mesma luta, a mesma comunhão fraterna, a mesma operosidade construtiva, a mesma dignidade exemplar, sem esquecer o espírito mágico que abre ao negro um caminho peculiar, como símbolo e síntese, na seqüência das narrativas conjugadas. Ocorre, porém, que ninguém sabe o limite da própria vida, e eu pretendia ressarcir uma dívida, no limite natural de minhas possibilidades. Daí ter preferido concentrar-me num único romance, denso, compacto, o quanto possível fiel à verdade dos fatos, dada a compreensão de que todo romance é história, sempre que se ajusta à moldura do tempo em que decorre a sua ação fundamental. Portanto, o mais longo romance de Josué Montello, Os Tambores de São Luís, passa-se, todo ele, numa noite, e é nessa noite que aparecem cerca de 400 personagens, condensando os três séculos da saga romanesca da escravidão no Brasil.

Dividido em 58 capítulos, o romance, nos seus lances fundamentais, recompõe episódios marcantes recolhidos no terreno dos usos e costumes do Maranhão. Em cenas capitais da narrativa, aparecem o famoso crime da Baronesa de Grajaú, de tanta repercussão na sociedade maranhense do tempo do Império; a paixão doentia do desembargador Pontes Visgueiro por sua amante Mariquinhas; os conflitos entre senhores e escravos; os rompantes de Donana Jansen, os voduns, as noviches e as nochês – Mãe Hosana, Mãe Maria Quirina e Mãe Andresa – da Casa das Minas, e Dom Cosme Bento das Chagas, tutor e imperador das liberdades bem-te-vis.

O escritor Dunshee de Abranches, autor de O cativeiro, livro inteiramente consagrado à escravidão maranhense, também entra como personagem do romance: é o João Moura (como ele se assinava), que aparece ao lado de Damião, nos comícios populares em favor da abolição.

Pouco antes da derradeira página do romance, o último capítulo do livro se volta para o adeus ao poeta Joaquim de Sousa Andrade, em cujo enterro avulta o ataúde envolto na bandeira do Estado, idealizada pelo próprio Sousândrade, com as listas branca, vermelha e negra, simbolizando a fusão das raças na formação do povo brasileiro, e mais a estrela branca sobre campo azul, representativa da unidade autônoma do Maranhão.

Antes de Montello, outro ficcionista maranhense, Coelho Neto (1864-1934), teve igual propósito, com O rei negro, considerado o seu melhor romance. Entretanto, Coelho Neto focalizou apenas um episódio do cativeiro. Montello entendeu que o tema comportava horizonte mais vasto, que abarcasse a escravidão no seu conjunto, com a luta, o instinto da raça, a singularidade, a discussão nacional em torno do problema, a superação dos argumentos de ordem econômica e a busca da prevalência dos ideais e princípios fundamentais da dignidade humana. À luz da interpretação do romancista maranhense, Os Tambores de São Luís faz sobressair a atuação dos jovens na campanha abolicionista, ressalta a participação dos militares e conclui a obra salientando a Abolição como a grande festa do povo unido e vitorioso.

Num romance como Os Tambores de São Luís, Montello quis infundir a verdade história – a partir de seu ponto de vista – como a própria substância ficcional. Também é importante ressaltar a narrativa em que o escritor procura fixar o outro lado do painel que compõe Os Tambores de São Luís. Ou seja: o esplendor e a decadência da aristocracia local, tanto no seu aspecto simbólico, como resumo de todo o processo de declínio da camada superior da sociedade brasileira, no tempo do Império, quanto no seu rigor histórico, baseado no testemunho dos depoimentos, nos textos escritos, na tradição maranhense.

Com Os Tambores de São Luís, confirma-se que Montello é uma das mais importantes figuras da ficção em Língua Portuguesa surgidas na primeira metade do século XX. E confirma-se, também, que as grandes obras literárias serão sempre fonte de deleite, conhecimento e de vida:

São Luís está coberta pelo negro manto de suas noites estreladas, sibila o vento nas ruas em ladeira, chiam os bicos de gás nos lampiões vigilantes, um carro estronda as rodas nas pedras do calçamento, enquanto retinem as ferraduras dos cavalos espicaçados pela taca do cocheiro, e eis que ressoam os tambores do querebetã da Rua de São Pantaleão, graves, nervosos, compassados, guardando intacto o seu batuque primitivo, e que hoje reúne os negros livres como outrora reunia os negros escravos. Sobretudo os negros escravos. E estes vinham aos dois, aos três, ou sozinhos, protegidos pelas sombras das ruas desertas, e ali reencontravam seus deuses, seus cantos e seus irmãos. Esqueciam-se do cativeiro, não tinham mais senhores nem feitores, e sim voduns, que os habitavam e protegiam. Pouco importava que trouxessem no corpo as marcas das cangas, dos libambos, dos vira-mundos, das gonilhas e das gargalheiras. Ou que ali entrassem com as mordaças e as máscaras de flandres. Os tambores retumbavam, e eles, os cativos, eram novamente os donos de suas horas, senhores de suas vontades.

Damião a ouvir o bater de tambores rituais, com a sua peregrinação pelos quatro cantos da cidade na companhia daqueles tantantãs compassados, tocados por mãos de negros. Era o mesmo batecum inconfundível, que todos os ouvidos podem ouvir, mas que só os negros realmente escutam, com as vivências nostálgicas de sua origem africana.

Fonte:
Suplemento Cultural e Literário JP Guesa Errante
Edição 120. 20 de janeiro de 2006

Deixe um comentário

Arquivado em Maranhão, Sopa de Letras

Manoel Santos Neto (Universo Poético da Cidade de São Luís do Maranhão V)

Canção de Exílio

Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.

Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.

Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar – sozinho, à noite –
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.

Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu’inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
(Coimbra, julho de 1843)
——–

|| LARGO DOS AMORES ||

A memória do amor e da humilhação do poeta maior

Antigo Largo dos Amores, depois Largo dos Remédios, a Praça Gonçalves Dias já foi o cenário de uma das festas religiosas mais importantes do Maranhão: a Festa dos Remédios, que é descrita no enredo de O Mulato, de Aluísio Azevedo (1857-1913), e na prosa de diversos cronistas, mas nenhum o fez de modo tão evocador e pitoresco como João Lisboa, observa Domingos Vieira Filho, no livro Breve História das Ruas de São Luís.

Nove anos após a morte de Gonçalves Dias, foi inaugurada a estátua do poeta, em 7 de setembro de 1873. Posteriormente, a Câmara Municipal de São Luís aprovou, em 1900, a Resolução nº 13, passando a denominar a parte norte do Largo dos Amores, de Praça Gonçalves Dias, e a parte oeste, de Praça dos Remédios.

Com a estátua de Gonçalves Dias (1823-1864) voltada para o mar, lá se tem uma das mais belas vistas de São Luís: por cima dos telhados e dos mirantes, o campanário inconfundível das velhas igrejas, sobressaindo as duas torres da Sé. Em redor, circundando a ilha, o mar. À esquerda, a ponte que liga a cidade velha à cidade nova, na Ponta de São Francisco. As ruínas do Forte da Ponta d’Areia. O encontro dos dois rios que banham São Luís. E sob o céu estriado de azul e rosa, o recorte triangular dos barcos e das igarités de pesca.

Há, no Largo dos Remédios, as palmeiras que ali foram plantadas em homenagem ao poeta que as celebrou na Canção do exílio e que, na hora do cair da tarde, agitam os leques verdes com a viração que sopra da Baía de São Marcos. Ao centro, a estátua de Gonçalves Dias, voltada para os baixios em que o poeta foi tragado pelas ondas em 1864, no naufrágio do Ville de Boulogne, que o trazia de volta da França.

A História do Maranhão conta que Gonçalves Dias, por ser mestiço e bastardo, foi vítima de um preconceito brutal. O poeta, amigo íntimo de Teófilo Leal, apaixonou-se por uma cunhada deste, Ana Amélia Ferreira Vale, e a pediu em casamento à dona Lourença Vale, mãe da moça. Já àquela época, Gonçalves Dias não era um homem qualquer; era o maior poeta do Brasil e amigo pessoal do Imperador. O Maranhão não tinha glória mais alta, mas nada disso teve o menor significado para dona Lourença, diante deste fato, de que Gonçalves Dias não tinha culpa: ser ele mestiço e filho bastardo. E respondeu ao poeta, numa carta seca, com um não redondo. Não dava a filha a um mestiço.

O infortúnio do poeta aparece numa das cenas capitais do romance Os tambores de São Luís, de Josué Montello, que sustenta a tese de que Gonçalves Dias, se quisesse, podia vir a São Luís, e levar Ana Amélia, que estava disposta a fugir com ele.

Mas não foi isso que ele fez. Humilhado, guardou a mágoa. E, ao chegar ao Rio, casou numa das mais importantes famílias da Corte. Ana Amélia, coitada, não perdoou a família. E quando Domingos Porto, que é também bastardo e mestiço, lhe arrastou a asa, não hesitou em casar com ele, amparada pela Justiça. O casamento dela, em São Luís, foi um deus-nos-acuda. Parecia que o mundo estava vindo abaixo. As amigas de dona Lourença passaram a andar de preto, solidárias com o luto fechado da família Vale. O pai da Ana Amélia, instigado por dona Lourença, foi ao cartório do Raimundo Belo e deserdou a filha, sob a alegação de que a moça tinha casado com o neto da negra Eméria, antiga escrava do coronel Antônio Furtado de Mendonça. Domingos Vale deserdou a filha, por escritura pública, apenas porque o genro, vice-presidente da Província e comandante da Guarda Nacional, é neto de uma escrava.

A família Vale não se deu por satisfeita. Fez mais. Decidiu levar Domingos Porto à ruína, na sua casa de comércio. De um dia para o outro, Domingos Porto se viu com todos os seus créditos cortados. Ninguém quis mais negociar com ele. O resultado foi a falência, tendo sido obrigado a sair do Maranhão às pressas, para não cair nas unhas de seus perseguidores. Nem o presidente da Província pôde fazer nada para ampará-lo. Só encontrou negativas. Era a cidade inteira contra um homem. E tudo isso porque Domingos Porto, que era um homem de primeira ordem, culto, educado, finíssimo, teve a desgraça de ser neto de uma escrava.

Por ocasião do I Centenário da morte de Gonçalves Dias, no ano de 1964, o escritor Mário Meireles (1915-2003) publicou o livro Gonçalves Dias e Ana Amélia, com o propósito de esclarecer controvérsias relacionadas ao grande amor do poeta maior. Nesta obra, o professor Mário Meireles chega à conclusão de que o casamento de Ana Amélia com o comerciante Domingos Porto foi uma deliberada represália ao matrimônio de Gonçalves Dias, a quem quis dar, então, uma vez que já era impossível insistir em qualquer esperança, a certeza cruel de que era muito capaz do que lhe propusera e tanto que o fazia com outro, a quem não amava, e como ele mestiço e bastardo! Ao mesmo tempo, desforrava-se da família, que a este outro também se opôs, e com muito mais fereza porque no caso nem laços de amizade existiam. Neste livro Mário Meireles sustenta a tese de que Ana Amélia casou-se com Domingos Porto por “capricho ofendido”. E é o romancista Josué Montello, com Os tambores de São Luís, quem retrata esse drama de forma magistral, traduzido pelo próprio poeta Gonçalves Dias, num de seus mais célebres poemas:

–––––––––-
Continua…

Fonte:
Suplemento Cultural e Literário JP Guesa Errante
Edição 119. 20 de janeiro de 2006

Deixe um comentário

Arquivado em Maranhão, Poesia, Sopa de Letras

Manoel Santos Neto (Universo Poético da Cidade de São Luís do Maranhão III)

O jornalista e escritor Erasmo Dias (1916-1981) foi um intelectual maranhense que se notabilizou não apenas por escrever textos que tratam do sentido da vida, da solidariedade, do amor, da amizade, da devoção à pátria, das angústias, das grandezas e heroísmos da natureza humana. Ele publicou obras hoje pouco conhecidas, nas quais refletiu a claridade de sua cultura e de seu talento literário. São textos que, na sua quase totalidade, espelham meio século de vida maranhense, e constituem, por isso mesmo, um testemunho e um documento. Erasmo Dias, esse autor que somente agora começa a ser resgatado por uma nova – embora ainda tímida – leva de estudos e pesquisas, é dono de uma formidável produção literária, na qual ele procura retratar a gente, a cultura, as ruas, os mistérios e as mazelas de São Luís.

Com a força de sua expressão poética, o escritor Nauro Machado, ajustado à fonte inspiradora de tantos outros amantes da cidade, compõe também uma homenagem especial a São Luís com os versos do poema Pão Maligno com Miolo de Rosas, publicada em livro homônimo. Esta não é a primeira vez que o poeta publica uma ode a São Luís, sendo que a diferença é ser uma única peça poética em 95 páginas. Antes, ele editou Lamparina da Aurora, que reúne cerca de 100 poemas sobre a cidade. Escrito em redondilha maior, Pão Maligno com Miolo de Rosas tem um significado marcante para Nauro que, na hora de expressar o amor pela terra natal, vai além do aspecto físico da cidade. “Tento mostrar São Luís não só em sua esfera arquitetônica, mas em sua atmosfera moral, a sua decadência”, afirma. Daí o título do livro, Pão Maligno com Miolo de Rosas, que resume a idéia de mostrar em versos as belezas e as mazelas da cidade. O poema, inicialmente, integrava outro livro, Trindade Dantesca, que traria três trabalhos do poeta. O desmembramento da obra começou com a publicação de A Rocha e a Rosca. Nas 95 páginas, o poeta recria em versos viscerais os caminhos da cidade que aprendeu a amar, apesar dos problemas vivenciados em seu cotidiano. O título resume o objetivo do livro: falar da magia e dos desencantos da Ilha.

“São Luís, meu universo,
como uma noturna faixa,
apregoando verme e verso
para a dor que em mim se racha,”


Diz em uma das estrofes do poema dedicado, à cidade e às netas Luísa e Júlia. A cada rima, o poeta reconstrói São Luís, com sua gente, cultura, ruas, belezas e tragédias.

“No Mercado, que é Central,
meu canto palafitou-se,
ó Gavião de pedra e cal,
cemitério que é tão doce” (…)

“Nas ruas de São Luís,
nas ruas do Precipício,
da Palma e também do Giz,
da virtude igual ao vício,”
.

Tanto quanto Erasmo Dias e Nauro Machado, outros maranhenses ilustres, e de produção recente, merecem ser objeto de releituras, como Bernardo Coelho de Almeida (1927-1996) e Lago Burnett (1929-1995). Aliás, Burnett, numa de suas crônicas antológicas, publicada no Sul do País, faz um formidável louvor a São Luís, lembrando que o tema da cidade e seus signos é um velho fascínio que transcende o universo da ficção literária para encontrar sólidas raízes na filosofia, nas artes plásticas e, obviamente, na arquitetura. Desde as cidades ideais de Platão à decantada Paris do século XIX, repensada por Walter Benjamin (1892-1940), através da obra de Charles Baudelaire (1821-1867), da Alexandria prostituída e cheia de odores de Lawrence Durrell (1912-1990) às labirínticas arquiteturas de Jorge Luís Borges (1899-1986), é possível reconstituir o inventário dos lugares por onde andaram o pensamento e a imaginação humanas, ao redimensionar, em grau maior ou menor de realidade, a sua organização espacial.

A Última Canção da Ilha
Lago Burnett

Trarei sempre verde
gaivotas e sal:
a lembrança não perde
a ilha inicial

Nem descuido as brisas
o mar de imundícies
(minhas pesquisas
bóiam às superfícies)

A obsessão do cerco
por ínvias águas
é o em que me perco
entre – agora – mágoas

Autêntico Atlântico
aleou-me todo
quanto de romântico
mergulhou-me em lodo

Oh! velas belas
ao ritmo transeunte
vosso, belas velas
que eu me unte

Trago-me à retina
de mastros e quilhas
cheia a sina
de todas as ilhas

Código pressago
de pássaro marítimo
na alma trago
canto e ritmo

Que é quanto me sobre
por ter-me feliz
ao sol que encobre
minha São Luís

Onde era só
com hábil engenho
quanto virou pó
tudo que não tenho

Idéias descalças
desfiando saias
longas como valsas
pelas praias

A primeira estância
ao céu abstrato
coisas como infância
ritmando com mato

Outros poucos casos
como águas insípidas
nos olhos rasos
saudades líquidas


(Os Elementos do Mito / l953)

–––––––––-
Continua…Fonte:
Suplemento Cultural e Literário JP Guesa Errante
Edição 116. 20 de janeiro de 2006

Deixe um comentário

Arquivado em Maranhão, Poesias, Sopa de Letras

Manoel Santos Neto (Universo Poético da Cidade de São Luís do Maranhão II)

A velha São Luís – antes cantada em verso e prosa por seus largos, espaçosos, e por suas ruas, estreitas e íngremes – não ostenta mais apenas aquele verde luxuriante do capim e das ervas daninhas que se encontram no relato de cronistas do século XIX. Hoje a cidade, em pleno século XXI, tem uma vida complexa – como um prisma de mil faces, refletindo e coruscando todas as cores, simultaneamente, misturadas, mas não tão bem arrumadinhas, uma por vez, como no arco-íris. Essa maneira cromática e dinâmica de ver e sentir São Luís talvez seja a mais abrangente, a que melhor ilustre a percepção que a São Luís quase quatrocentona inspira a quem aqui chega ou aos que refletem sobre sua cidade. Bernardo Coelho de Almeida (1927-1996) foi quem, através de suas crônicas, mostrou muitas dessas cores e seus contrastes: o cinza-chumbo do desânimo causado nos são-luisenses, principalmente em função da miséria e do desemprego; o marrom do medo da violência, predominante entre os mais pobres; o púrpura da irritação com os engarrafamentos no trânsito; o verde-escuro do temor das doenças causadas pela sujeira e pelo risco de a Ilha vir a ser tomada pela poluição de grandes empreendimentos industriais.

As crônicas de Bernardo Coelho de Almeida, reunidas no livro Éramos felizes e não sabíamos, são autênticas memórias do passado de São Luís, cidade muito amada, onde o autor viveu, durante 69 anos, como estudante, boêmio, poeta, romancista, radialista, jornalista e homem público.

Éramos felizes e não sabíamos é um livro interessante, rico em reminiscências, capaz de registrar momentos memoráveis do passado de um homem sensível e preso aos encantos de uma cidade que, ainda hoje, não quer perder a fama de Atenas Brasileira. No livro são relembrados os bares, os cabarés, os folguedos populares, os acontecimentos políticos, a vida intelectual, as velhas amizades, os tipos inesquecíveis, enfim, os flagrantes de um tempo feliz, e aqueles que foram protagonistas do romance desse tempo, na parceria de nossos destinos. Destinos que foram traçados nas ruas, nas praças e nos logradouros minuciosamente catalogados pelo escritor Domingos Vieira Filho (1924-1981), no livro Breve História das Ruas de São Luís, publicado no ano de 1962. Nesta obra, construída com impressionante paciência e obstinação, o autor, que foi, entre outras funções, diretor da Biblioteca Pública Benedito Leite e presidente da antiga Fundação Cultural do Maranhão, aponta, como caminhos iniciais da cidade, a Rua Formosa, a Rua do Egito e a Rua dos Remédios, “mandada abrir por Joaquim de Melo e Póvoas no meio dos matos e que conduzia à ermida dessa invocação construída na ribanceira que deita para o Jenipapeiro”. 

Domingos Vieira Filho faz referência a caminhos grandes, como a própria Rua Grande, a Rua da Paz e a Rua das Violas (ou Rua dos Afogados). 

Ele recorda que, na São Luís daqueles velhos tempos, as ruas eram antes simples linhas de comunicação do que vias de transportes. Por isso podiam ser estreitas, uma vez que por elas não transitavam carros. Imperavam a cadeirinha, a rede, acolhedora, sensual, leito de prazer ou de dor, carro e esquife, a serpentina, o palanque, aparelhos esses que dispensavam rodas e eram conduzidos nos ombros de robustos escravos.

No mesmo patamar que Domingos Vieira Filho e Bernardo Coelho de Almeida, um outro escritor renomado, Erasmo Dias, cantou São Luís em prosa, de forma magistral. Em seu mais novo livro – São Luís em PreAmar: ainda assim, há um Azul! –, o jornalista e poeta Herbert de Jesus Santos também abre uma janela lúcida e criativa sobre São Luís, retratando-a nos nossos dias. 

Com cinco livros publicados, Herbert de Jesus Santos produz uma obra cada vez mais amadurecida, convencido de que São Luís está no detalhe e por isso mesmo ainda se mostra inesgotável como veio poético. Nas páginas deste seu recém-lançado livro de poesia São Luís em PreAmar: ainda assim, há um Azul!, o escritor Herbert de Jesus Santos, que também é cronista, contista e novelista, faz uma contundente declaração de amor a São Luís, pois voltou para ela todos os poemas, com características lírica e social, sem esconder as feridas da cidade, seus maiores valores, entre riqueza de espírito, tipos populares, humanistas, poetas e prosadores beneméritos, o ser e o estar maranhense, a decadência em todos os campos, mas a esperança de um amanhecer com melhor horizonte para o Maranhão, por abrangência, e sua gente. 

O texto apreciativo ficou a cargo do jornalista e poeta Cunha Santos Filho. Na obra ousou ter como prefácio um poema de Luís Augusto Cassas, como apresentação, um poema de Nauro Machado, posfácio de Erasmo Dias (trecho de uma crônica), e epígrafes com soneto de Alex Brasil, poema de Bandeira Tribuzi e fragmentos de poemas de José Maria Nascimento e de Luís Alfredo Neto Guterres, todos relativos a São Luís.

Erasmo Dias ressurge na página final do novo livro de Herbert Santos, com uma de suas crônicas sobre o espírito da terra natal. Enfocando a alma romântica da Cidade dos Bardos e dos Rapsodos, assim escreve Erasmo Dias: 

“As cidades não valem simplesmente pelo seu aspecto material. Como os homens, elas, também, possuem uma alma. A alma das cidades é a soma de todas as vibrações dos seus habitantes, que se misturam e confundem, numa grande e única vibração. 

Quando se pretende retratar com palavras uma cidade, mister se faz que, antes da descrição das suas ruas e das suas praças, se compreenda a sua alma. 

São Luís tem a sua alma: alma de Cidade Romântica, onde dezenas de grandes poetas cantaram, nos ritmos claros da poesia excelsa, todo o esplendor da natureza tropical. 

São Luís é a Cidade da Inteligência e sobre os seus destinos vela impávida, serena e eterna, Atenas Palas Minerva. Gerações e gerações de gigantes do pensamento aqui se formaram, forma e formarão, sempre, escutando os cantares rústicos que se escapam dos bairros pobres, onde Xangô e Afefé recebem o seu culto, ou a prosa castiça e erudita das rodas intelectuais, que se sucedem, gloriosas, numa ciranda abençoada, pelos anos afora”.

No canto destes grandes poetas de que fala Erasmo Dias, ganha realce – entre inúmeros autores – a figura do poeta Ferreira Gullar, que celebra São Luís em muitos de seus poemas, inclusive em Poema Sujo que é, sem dúvida nenhuma, uma das obras mais importantes surgidas no panorama poético brasileiro do século XX. Opinião que é corroborada por intelectuais do porte de Nelson Werneck Sodré, Antonio Callado e Otto Maria Carpeaux, entre outros. E é fácil concordar com isso ao se ler o poema, que é tão forte, comovente e evocativo, que chega mesmo a incomodar, a excitar, a aguçar a sensibilidade. Trata-se de obra que exprime autenticamente a verdade típica da poesia, ou seja, “a verdade que comove”, para usar um conceito do próprio poeta. 

Poema Sujo fala de São Luís, retrata, com a particularidade do reflexo estético, a experiência de vida do poeta nesta cidade, até os 21 anos de idade. Mas, na verdade, o poema é muito mais do que isso: é um retrato de corpo (e alma) inteiro de Gullar, que abarca sua vida, suas idéias políticas e filosóficas, sua saudade de exilado e suas perplexidades. 

Ao falar de São Luis, Gullar fala do Brasil. E falando do Brasil, fala da condição humana. Ele parte do homem mesmo, deste “ser que responde” a situações historicamente dadas, parte de suas experiências vitais, das contradições sociais que o determinam e são por ele determinadas. E isto é o que ele trata de esteticamente (poeticamente) refletir. O homem maranhense, o próprio Gullar: este o ponto de partida, a fonte do Poema Sujo: este, também o elemento que faz a poesia chegar ao universal, o “alimento” do artista. Gullar com ele opera como só os grandes poetas sabem e podem fazer, transformando o real em algo mais real, o mais simples no mais belo e significativo, reconstruindo o mundo, nas ruas e becos de sua infância:

Me extravio
na Rua da Estrela, escorrego
no Beco do Precipício.
Me lavo no Ribeirão.
Mijo na Fonte do Bispo.
Na Rua do Sol me cego,
na Rua da Paz me revolto
na do Comércio me nego
mas na das Hortas floresço;
na dos Prazeres soluço
na da Palma me conheço
na do Alecrim me perfumo
na da Saúde adoeço
na do Desterro me encontro
na da Alegria me perco
na Rua do Carmo berro
na Rua da Direita erro
e na Aurora adormeço.
–––––––––-
Continua…

Fonte:
Suplemento Cultural e Literário JP Guesa Errante
http://www.guesaerrante.com.br/2006/1/20/Pagina653.htm. Edição 115. 20 de janeiro de 2006

Deixe um comentário

Arquivado em Maranhão, Poesia, Sopa de Letras