Arquivo da categoria: O nosso português de cada dia

A Estética De Uma Redação

No nosso primeiro contato com a redação, podemos achar que é muito fácil mas, na realidade, surge algo que torna importante o nosso ato de escrever que se mantém na forma de passar a mensagem ao nosso leitor e a estética do trabalho redacional, que mostra o quanto estamos interessados em que nosso pensamento seja bem compreensível com lógica e clareza.

Surge então a busca por um trabalho mais limpo e com estética para a estrutura. Observando os exemplos de redações da dica passada, podemos notar que a estética não é tão ordenada, por isso a sequência lógica se perde no meio do caminho e fica sem sentido no que diz respeito ao desenvolvimento de seus argumentos centrais e finais para uma conclusão mais segura e estruturada.

Lembre-se sempre que, ao formar um Plano de Trabalho para escrever sua redação, você deve visualizar também a sua ESTÉTICA:
 

= Nunca comece uma redação com períodos longos. Basta fazer uma frase-núcleo que será a sua idéia geral a ser desenvolvida nos parágrafos que se seguirão;

= Nunca coloque uma expressão que desconheça, pois o erro de ortografia e acentuação é o que mais tira pontos em uma redação;

= Nunca coloque hífen onde não é necessário como em penta-campeão ou separação de sílabas erroneamente como ca-rro (isto só acontece em espanhol e estamos escrevendo na língua portuguesa);

= Nunca use gírias na redação pois a dissertação é a explicação racional do que vai ser desenvolvido e uma gíria pode cortar totalmente a sequência do que vai ser desenvolvido além de ofender a norma culta da Língua Portuguesa;

= Nunca esqueça dos pingos nos “is” pois bolinha não vale;

= Nunca coloque vírgulas onde não são necessárias (o que tem de erro de pontuação !);

= Nunca entregue uma redação sem verificar a separação silabica das palavras;

= Nunca comece a escrever sem estruturar o que vai passar para o papel;

= Tenha calma na hora de dissertar e sempre volte à frase-núcleo para orientar seus argumentos;

= Verifique sempre a ESTÉTICA: Parágrafo, acentuação, vocabulário, separação silábica e principalmente a PONTUAÇÃO que é a maior dificuldade de quem escreve e a maioria acha que é tão fácil pontuar !

= Respeite as margens do papel e procure sempre fazer uma letra constante sem diminuir a letra no final da redação para ganhar mais espaço ou aumentar para preencher espaço;

= A letra tem que ser visível e compreensível para quem lê;

= Prepare sempre um esquema lógico em cima da estrutura intrínseca e extrínseca;

= Não inicie nem termine uma redação com expressões do tipo: “… Eu acho… Parece ser… Acredito mesmo… Quem sabe…” mostra dúvidas em seus argumentos anteriores;

= Cuidado com “superlativos criativos” do tipo: “… mesmamente… apenasmente.” . E de “neologismos incultos” do tipo: “…imexível… inconstitucionalizável…”.

Se você prestou atenção nas redações da dica anterior, percebeu que elas estavam seguindo a estrutura redacional intrínseca (interior) quanto a INTRODUÇÃO, DESENVOLVIMENTO E CONCLUSÃO, mas não obedeciam a parte extrínseca (exterior) que é a apresentação da Redação, ou melhor, a aparência da escrita mostrando um conteúdo limpo e claro.

O que notamos é que nas redações faltaram parágrafos e respeito às margens (estética do trabalho) e a DISSERTAÇÃO do estudante que colocou várias idéias na introdução sem definir uma geral e tornou odesenvolvimento confuso, pois faltou dissertar sobre as tais conveniências comerciais do ovo de páscoa da introdução e centrou muito na História da Figura do Cordeiro sem explicar o que a ver a malhação de Judas e o Domingo de Páscoa. A conclusão começa a ficar em apuros e o fechamento das idéias da introdução e do desenvolvimento terminam prejudicadas. Nosso desafio é escrever esta dissertação usando todas as dicas para uma redação boa.

Como disse meu colega, o Professor Rogério: “A melhor dica para Redação: é Pensar. Penso logo escrevo” O segredo é simples: EU ESCRITOR TAMBÉM SOU LEITOR . ( Tudo que estou escrevendo vem do que penso e preciso montar um bom plano para entender o que escrevo e deixar minha leitura mais compreensível para os demais leitores )

A LÓGICA ESTRUTURAL: FRASE-NÚCLEO

Observe o texto dissertativo e analise a sua parte lógica na introdução, desenvolvimento e conclusão:

A PÁSCOA CRISTÃ

A Páscoa é uma festa cristã. Nela celebramos a Libertação dos Hebreus por Móises e Javé (Jeová -verbo hebraico para Ser) como também a Ressurreição de Cristo.

A Bíblia relata no Velho Testamento a saída do povo hebreu perseguido pelo Faraó e libertos pelo Senhor na passagem do Mar Vermelho, mas no Novo Testamento a Ressurreição abre uma idéia de salvação, de vida nova, de libertação do corpo pela vida eterna após a morte e eleva o sonho de um mundo novo: A Nova Jerusalem. Por estes eventos comemoramos a Páscoa.

Em todo mundo cristão comemora-se a Páscoa como a festividade mais significativa de libertação e ressurreição por dois momentos bíblicos que marcam a mesma esperança de encontrar a Nova Jerusalém.
Nota-se claramente que além da estética exterior e da simples idéia de seguir a estrutura interna, o escritor prezou pela lógica de sua redação e não só pelo segmento da introdução, desenvolvimento e conclusão mas nota-se uma definição muito clara de uma idéia geral (central) na introdução que fortaleceu o encadeamento das idéias e protegeu o sentido argumentativo do contexto e fechou a conclusão trazendo ao leitor a visão do que o tema pediu a Páscoa Cristã e que foi mencionada no núcleo frasal: “… A Páscoa é uma festa cristã…”.

Veja o esquema lógico montado em cima da estrutura redacional: TEMA: A Páscoa Cristã; Núcleo ou Tópico-frasal: A Páscoa é uma festa cristã (idéia geral) Desenvolvimento (idéias encadeadas ou periféricas que sustentam a idéia central)

Saída do povo hebreu (EXODUS)

Ressurreição de Cristo (PROMESSA DE DEUS)

Promessa de Vida Eterna (NOVA JERUSALEM) Conclusão (Conversão das idéias proclamadas na redação)

“… todo mundo cristão…” “… festividade significativa…”(puxa a idéia central da introdução)

“…dois momentos bíblicos…” “… Nova Jerusalem…” (puxa o argumento do desenvolvimento)
O que ocorreu na dissertação anterior a esta foi a confusão de idéias e isto complicou a estrutura então podemos dizer que dentro da introdução surge a primeira idéia a ser construída na redação e a conclusão termina a montagem de nosso pensamento escrito. E como fica o desenvolvimento ? Isto vamos mostrar em suas formas de ordenações que é o mais simples de se fazer dentro de um tópico frasal bem estruturado e vamos mostrar todas as formas de ordenações do desenvolvimento. Não percam!

Montamos em nossa tela mental o que vamos fazer no papel:

TEMA: Os brasis do Brasil Frase-núcleo: O Brasil por suas variadas diversidades possui vários brasis que se moldam no território nacional e determinam algo que vai além de suas fronteiras regionais.

Desenvolvimento:

A divisão territorial;
A formação regional;
Os diferentes brasis.

Conclusão:

Cada região territorial é um Brasil diferente não só por sua divisão fronteiriça mas por sua diversidade cultural, geográfica e muito mais política fortalecendo o Brasil como Nação e Governo.

Temos um Brasil que se forma de diversas maneiras em cada região e possui uma forma diferente de observar o País como meio de sobrevivência de um povo ou de fortalecimento político das massas emergentes em suas áreas de atuações territoriais, regionais, culturais e políticas.

Quase preparamos a redação só na esquematização da lógica inicial da introdução.

Fonte:
http://www.seruniversitario.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em O nosso português de cada dia

Ditados Populares do Brasil (Letra U, V, Z)

Um dia é da caça, outro do caçador
U

Um burro carregado de livros não é doutor
Um dia a terra cobrirá o teu orgulho.
Um ranchinho , teus carinhos e nada mais.
Um dia é da caça o outro do caçador
Um é pouco, dois é bom, tres é demais.
Um gambá cheira o outro.
Uma andorinha só, não faz verão
Uma mão lava a outra.

V
 

Vai ocioso, a formiga que lhe diga
Vão-se os anéis, fiquem os dedos.
Vaso ruim não se quebra.
Veja seus erros, depois corrija os meus.
Velho não se senta sem “ui”, nem se levanta sem “ai”.
Venha sorrindo, mas limpe os pés.
Viajar sem carga afrouxa o carro e aperta o dono.
Vida sem religião é viagem sem rumo.
Vinho, ouro e amigo, o melhor é o mais antigo.
Vinte e três pessoas falam de mim; só falta você.
Vitamina de chofer é carinho de mulher.
Vitamina de Chevrolet é poeira de Ford.
Viúva é como café requentado.
Viúva é como lenha verde: chora, chora, mas pega.
Viva e deixe os outros viverem.
Viver com sogra é fazer vestibular para o céu.
Vivo correndo para não morrer devendo.
Velho e cesto se acabam pelo fundo.
Vender o peixe pelo preço de fatura.
Vintém poupado, vintém guardado.
Vivendo é que se aprende.

Z
 

Zangam-se as comadres, descobrem-se as verdades .

Deixe um comentário

Arquivado em O nosso português de cada dia

Ditados Populares do Brasil (Letra T)

Ter o Rei na Barriga


Tal pai, tal filho. 

 Tamanco faz barulho, mas não fala.
Tanta borracha e meu pneu careca.
Tanta mulher bonita e tanto urubu com fome.
Tenho frio, quero o calor do teu beijo.
Tenha quantas mulheres quiseres, mas conserve a sua direita.
Testamento de pobre é escrito na unha.
Teu desprezo é o meu orgulho.
Teu orgulho acaba na maternidade.
Teu orgulho acaba no cemitério.
Todas as intenções juntas não valem uma vontade.
Todo mundo gaba a lua, mas tem dia que lhe falta uma metade.
Todos me seguem, mas só Deus me acompanha.
Todos os caminhos me levam a você.
Trabalhar pela minha vida é problema meu. Roer pela minha vida é problema teu.
Três coisas não podem ser escondidas: o fogo, a tosse e o amor.
Troca-se uma mulher de 40 por duas de 20.
Tropece no seu orgulho e caia nos meus braços.
Tua vingança foi tua derrota.
Tudo o que é bom engorda, é pecado ou faz mal.
Tudo passa e a vida continua.
Tamanho não é documento.
Também é ladrão da horta, quem ficou de espreita à porta.
Tanto faz dar na cabeça, como na cabeça dar.
Tanto faz, como tanto fez.
Tapar o sol com a peneira.
Tem boi na linha.
Ter o rei na barriga.
Teve olho, dá molho.
Tocar o bonde.
Todo caminho dá na venda.
Todo mundo é bonzinho, mas meu chapéu não aparece.
Toma, em rapaz, bom caminho que o seguirás também velhinho.
Tomar jeito de gente.
Torcer a orelha e não sair sangue.
Touro em pasto alheio é vaca
Trabalho de menino é pouco, mas quem os perde é louco.
Traste que não parece com o dono é furtado
Trazer em rédea curta.
Trigo e gratidão só crescem em boa terra e em boa alma
Tudo na vida quer começo.

Deixe um comentário

Arquivado em O nosso português de cada dia

O Nosso Português de Cada Dia (Pegadinhas do Português) 8

Pegadinha 42

Toda a mulher casada deveria saber dirigir automóvel.

Toda a (note a presença do artigo) significa inteira. Depois desse entendimento, a frase parece esdrúxula da cabeça aos pés!

Toda (note a ausência do artigo) significa qualquer. Agora, sim, a frase passa a ter sentido, pois se quer referir, na frase inicial, a qualquer mulher, e não à mulher inteira.

Veja os seguintes exemplos:

Todo homem deveria falar uma língua além da materna. (qualquer homem)
Todo o homem tremia de frio. (o homem inteiro)
Toda a cidade festejou a vitória do time. (a cidade inteira)
Toda cidade tem problemas com drogas. (qualquer cidade)

A frase inicial, depois da correção, fica assim:

Toda mulher casada deveria saber dirigir automóvel.

Pegadinha 43

Se você ver o Marcos, diga-lhe que a data do concurso foi adiada!

Esta frase representa uma pedra no sapato para muitos candidatos. O futuro do subjuntivo do verbo ver faz-se assim: vir, vires, vir, virmos, virdes, virem.

A frase inicial, depois da correção, fica assim:

Se você vir o Marcos, diga-lhe que a data do concurso foi adiada!

Pegadinha 44

Depois que ouvi a notícia, fiquei curioso por conhecer aquela cidade.

Eis um equívoco no uso da regência nominal. Curioso e curiosidade pedem a preposição de para unirem-se a seus complementos. Algumas vezes, ficamos curiosos de ou temos curiosidade de alguma coisa, porém jamais por alguma coisa. Exemplos:

Curioso de saber por que errava tanto, resolvi ler mais e estudar português.
Curioso de vê-lo chegar àquela hora, quis saber onde estivera.
A curiosidade infantil de entender como o rádio funcionava levou-o à faculdade de engenharia, na qual destacou-se como o mais qualificado aluno.

A palavra curioso pode ser usada sem complemento. Algumas pessoas são levadas a confundir a regência nessa construção, achando, erroneamente, que curioso pede a preposição por. Exemplo:

Sou curioso por estar sempre inquieto.

Levando a frase acima à ordem direta, comprova-se que a preposição não é exigida pela palavra curioso, mas apenas é parte integrante do adjunto adverbial de modo:
Por estar sempre inquieto, sou curioso.

A frase correta seria:

Depois que ouvi a notícia, fiquei curioso de conhecer aquela cidade.

Pegadinha 45

Na prova, pediam-se cálculos difíceis de resolverem.

A presente frase apresenta erro no uso do infinitivo. Não se flexiona o infinitivo que vem depois das expressões difíceis de, fáceis de, bons de, gostosos de etc. Exemplos:

Filmes difíceis de compreender.
As explicações da professora são fáceis de entender.
São trabalhos bons de realizar.
Bolos gostosos de saborear.

A frase acima estará correta, se assim for escrita:

Na prova, pediam-se cálculos difíceis de resolver.

Pegadinha 46

O preço do quilo da laranja varia entre um a dois reais.

Esta frase é de relativa importância para quem vai prestar provas de concursos. Entre se relaciona com e, e não com a:

O espetáculo começará entre vinte e vinte e uma horas.
Se na frase não constar a palavra entre, tudo bem! Nesse caso, usa-se a preposição a:
A altura da fogueira oscilava de trinta a quarenta metros.

A frase inicial, depois da correção, fica assim:

O preço do quilo da laranja varia entre um e dois reais.

Pegadinha 47

O touro investiu no capataz.

Nesta pegadinha, aborda-se a diferença de significado de um verbo, conforme a preposição que o acompanha. Veja, a seguir, os possíveis significados do verbo investir:

1 – usado com a preposição em, significa empossar, aplicar dinheiro:
O presidente do tribunal investiu Márcio no cargo de analista.
O corruptos investem em bolsas estrangeiras.

2 – no sentido de atacar é usado com as preposições contra ou sobre:
A onça investe contra (ou sobre) o caçador.

A frase inicial, depois de corrigida, fica assim:

O touro investiu sobre (ou contra) o capataz.

Pegadinha 48

Fiquem absolutamente tranquilos, eu ressarço os acionistas.

Nesta pegadinha falaremos sobre um verbo com certas anomalias. Trata-se do verbo ressarcir. Esse verbo só é conjugado nas formas em que o acento tônico não incide no radical. Desse modo, o presente do indicativo só possui as formas: ressarcimos e ressarcis. Quando não existe uma determinada forma verbal, substituímos por outra de mesmo significado. Em nosso caso, podemos permutar pelas correspondentes formas dos verbos compensar, indenizar ou outro equivalente.

A frase inicial, depois da correção, fica assim:

Fiquem absolutamente tranquilos, eu indenizo os acionistas.

Pegadinha 49

Estou sem nenhuma moral para fazer a prova.

O vocábulo moral (a moral, no feminino) quer dizer relativo à moralidade, aos bons costumes, que procede conforme à honestidade e à justiça, que tem bons costumes, diz-se de tudo que é decente, educativo e instrutivo (Dic. Michaelis).. Um indivíduo sem nenhuma moral é um devasso. Já, no masculino (o moral) quer dizer disposição do espírito, energia para suportar as dificuldades, os perigos; ânimo. Um indivíduo sem nenhum moral é alguém desanimado, desmotivado.

A frase inicial, depois da correção, fica assim:

Estou sem nenhum moral para fazer a prova.

Pegadinha 50

A pessoa cuja a vida é tumultuada, certamente, não consegue concentrar-se em nada.

Não se pospõe artigo ao pronome cujo.

A frase inicial, depois de corrigida, fica assim:

A pessoa cuja vida é tumultuada, certamente, não consegue concentrar-se em nada.

Fonte:
126 Pegadinhas em Língua Portuguesa. http://www.softwareebookecia.com.

Deixe um comentário

Arquivado em O nosso português de cada dia

Ditados Populares do Brasil (Letra R, S)

Recordar é Viver
R

Rapadura é doce, mas não é mole não
Recordando, sofro mais.
Rezei 1/3 para conseguir ½ para te levar a ¼.
Rico acompanha procissão, o pobre persegue o santo.
Rosa reza, Mercedes Benze.
Recordar é viver
Rei morto, rei posto
Soutien e caminhão velho, só usa quem tem peito.
Rei tem que ter coroa
Religião, Cor e Politica, não se discute
Relógio é que trabalha de graça.
Remar contra a maré.
Respeito é bom e eu gosto.
Ri melhor quem ri por último
Ri melhor quem ri por último.
Rico bebe pra comemorar, o pobre pra não chorar.
Rico ri à toa.
Rio só corre para o mar.
Rir é o melhor remédio
Roupa suja se lava em casa
Ruim com ele, pior sem ele.

S
Saber de cor e salteado.
Sabida de mais pro meu gosto.
Saco de gatos.
Saco vazio não para em pé
Sacrifique o presente em proveito do futuro.
Saudade é a memória do coração.
Saudade é a presença dos ausentes.
Saudade é companheira de quem não tem companhia.
Se alguém perguntar por mim, diga que sou feliz.
Se amar é pecado, não tenho perdão.
Se amar é crime me processe.
Se amor fosse água, meu peito era uma cascata.
Se casamento fosse bom, a polícia não obrigava.
Se casamento fosse estrada, eu andava no acostamento.
Se casamento fosse negócio, mulher vivia em prateleira.
Se casar for doença, morro de saúde.
Se chifre fosse flor, minha cabeça seria um jardim.
Se é coisa que eu não mais te veja, seja por morte tua.
Se é valente, bata pela frente.
Se eu fosse rico, comprava teu orgulho.
Se for mulher ainda cabe.
Se grito resolvesse, porco não morria.
Seja menos devota e mais religiosa.
Se me enganas uma vez, não tens vergonha; se me enganas duas vezes, o sem vergonha sou eu.
Se mulher fosse chuva, eu preferia uma goteira na minha cama.
Sem mulher toda casa fica vazia.
Se não houvesse distância, não havia saudade.
Se o mundo não tivesse suspiro, o povo morria afogado.
Se o orgulho dominar o mundo, serei teu escravo.
Se quer ser feliz por um minuto, vinga-te. Se quer ser feliz por toda a vida, perdoa.
Se pressa chama a morte, sei que não morro nunca.
Se você dormir dirigindo, os seus parentes serão acordados.
Se você não é o que parece, pareça o que é.
Se um dia a vida lhe der as costas, passe a mão na bunda dela.
Segredo em mulher é leite em boca de gato.
Segredo em mulher é pão em boca de pobre.
Segredo entre três, só matando dois.
Sei que tudo é nada.
Ser velho não é o caso; o que importa é ser gostoso.
Serviço fiado afrouxa o carro e aperta o dono.
Só não bebe é sino porque tem a boca pra baixo.
Só não bebe é sino, mas vive dizendo: não me dão… não me dão…
Só pena é que voa.
Sogra é como vento encanado: faz mal a todo mundo.
Sorrindo na reta, chorando na rampa.
Só vale no mundo quem tem muito fundo.
Sou bandoleiro, mas não temo a seta do teu coração.
Sou bem casado, não tenho sogra nem cunhada.
Sou casado com Ana, mas vivo com Mercedes.
Sou cativo do agrado.
Sou de casamento, mas agora é cedo.
Sou fan das louras, mas prefiro as morenas.
Sou louco pelas meninas… dos teus olhos.
Sou velho, mas não renuncio.
Sair da brasa e cair na labareda.
Saltar fogueira.
Salve-se quem puder.
Santo de casa não faz milagre
Santo de casa não faz milagres.
Sapo de fora não chia
Se a jabuticaba é pouca, a gente engole o caroço.
Se barba fosse respeito, bode não tinha chifre.
Se bem o disse, melhor o fez.
Se cochilar, o cachimbo cai.
Se conselho fosse bom mesmo, ninguem dava de graça
Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.
Se este mundo fosse bom, o dono morava nele.
Se Maomé não vai até a montanha, a montanha vai até Maomé
Se os “ses” fossem feijões ninguem morria de fome
Se valesse gritaria, porco nunca morria.
Segredo de três, só matando dois.
Segurar a barra.
Segure o touro nos chifres e o homem na palavra.
Sem eira nem beira, nem folha de parreira.
Semear ao vento.
Sempre existe um chinelo velho para um pé torto
Sempre se espera pela pior figura
Sentir-se como peixe fora dágua
Ser mãe é padecer no paraiso
Ser marinheiro de primeira viagem.
Ser senhor de seu nariz.
Só se atira pedra em árvores que dão frutos.
Sol e chuva casamento de viuva
Subir pelas paredes.

Deixe um comentário

Arquivado em O nosso português de cada dia

Ditados Populares do Brasil (Letra Q)

Quem vê cara, não vê coração
Quando a barriga está cheia toda goiaba tem bicho.
Quando a cabeça não pensa o corpo padece
Quando a esmola é grande até o santo desconfia
Quando a festa é boa, de véspera já dá sinal.
Quando me vires abraçado com mulher feia, pode apartar que é briga.
Quando o diabo atrapalha, Deus ajuda.
Quando mais sobe o homem, mais teme a queda.
Quem ama não esquece, quem esquece não ama.
Quem anda as pressas não vai longe.
Quem anda depressa passa por cima do que precisa.
Quem aperta mesmo é laço de casamento.
Quem dá do que tem faz o bem.
Quem diz e não faz, não diz o que faz.
Quem dorme no volante acorda no cemitério.
Quem fala de mim tem inveja ou paixão.
Quem espera por sapato de defunto morre descalço.
Quem gosta de macho é trem.
Quem gosta de pó é cara de moça.
Quem guarda o que não presta tem tudo o que precisa.
Quem mal faz não quer a paz.
Quem manda é a cabeça, mas quem a leva pra onde quer é o pescoço.
Quem manda na casa é ela, quem manda nela sou eu.
Quem bebe não vê.
Quem desconfia de si não acredita nos outros.
Quem em Deus confia não se angustia.
Quem em Deus espera não desespera.
Quem empresta não presta.
Quem não confia no futuro desespera no presente.
Quem planta flores colhe amor.
Quem quer a rosa agüenta o espinho.
Quem se arrasta aos pés de mulher é véu de noiva.
Quem semeia amor colhe saudade.
Quem tem defunto ladrão não fala em roubo de vivo.
Quem tem pena de angu não cria cachorro.
Quem trabalha de graça pra macho é relógio.
Quem vive de esperança morre de fome.
Quem vive de esperança morre desiludido.
Quem gosta de cochicho é rosário.
Quem ver o mar pegar fogo pra comer peixe assado.
Quando a razão fala presta atenção no que diz
Quando Deus dá a farinha, o Diabo esconde o saco.
Quando o dono sai de casa, os ratos promovem a festa.
Quando um burro fala o outro abaixa a orelha
Quando um não quer dois não brigam
Quanto maior a altura maior o tombo
Quanto maior a nau, maior a tormenta.
Quanto maior é o coqueiro maior o tombo do coco
Quanto maior o desafio, maior a vitória.
Quanto mais reza, mais assombração.
Quanto mais se abaixa, mais se ve o cu
Quanto mais se faz, menos merece.
Quanto mais se vive, mais se aprende.
Que seria de mim, se não fosse eu?
Quem à boa árvore se chega, boa sombra o cobre.
Quem agasalha cobra morre picado.
Quem ama a rosa suporta os espinhos
Quem ao feio ama, bonito lhe parece.
Quem apanha de mulher não se queixa a delegado.
Quem avisa amigo é
Quem cala consente.
Quem canta seus males espanta.
Quem casa quer casa, longe da casa de casa.
Quem casa um filho perde o filho; quem casa uma filha ganha um filho
Quem com ferro fere, com ferro será ferido
Quem com muitas pedras bole, uma lhe cai na cabeça.
Quem com porcos se mistura farelo come.
Quem come do meu pirão apanha do meu cinturão.
Quem come e guarda, come duas vezes.
Quem compra terra não erra.
Quem conta um conto aumenta um ponto.
Quem corre atrás engole poeira.
Quem corre cansa, quem anda alcança.
Quem cospe pra cima, na cara lhe cai.
Quem dá aos pobres empresta a Deus.
Quem de uma escapa cem anos vive.
Quem desdenha quer comprar.
Quem diz o que quer ouve o que não quer
Quem dorme com criança acorda molhado
Quem dorme no ponto, é chofer.
Quem é bom já nasce feito
Quem é coxo parte cedo.
Quem é vivo sempre aparece
Quem empresta não presta.
Quem engole corda é cacimba.
Quem espera sempre alcança
Quem está na chuva é pra se molhar
Quem está vivo um dia aparece.
Quem fica até o fim da festa não presta
Quem foi pra Portugal perdeu lugar
Quem foi rei sempre é majestade.
Quem furta pouco é ladrão, quem furta muito é barão.
Quem gosta de menino é lombriga.
Quem guarda ficando com fome, o rato come.
Quem lhe dói o dente vai à casa do barbeiro (Provérbio antigo quando o barbeiro era também dentista).
Quem meu filho beija minha boca adoça.
Quem morre de vespera é peru de natal
Quem muito quer tudo perde.
Quem muito se verga os fundilhos mostra.
Quem não ajuda não atrapalha
Quem não arrisca não petisca.
Quem não belisca não petisca.
Quem não chora não mama
Quem não deve não teme
Quem não houve conselhos rara vez acerta.
Quem não muda de caminho é trem.
Quem não ouve conselhos ouve “coitado!”
Quem não se enfeita, por si se enjeita.
Quem não te conhecer, que te compre.
Quem não tem cão, caça com gato.
Quem não tem competência não se estabelece. (Provérbio português.)
Quem não usa a cabeça cansa os pés.
Quem nasceu para vintém nunca passa pra tostão. (Hoje seria: “Quem nasceu para um centavo nunca passa pra um real).
Quem nasceu pra dez réis não chega a vintem
Quem nunca comeu mel quando come se lambuza.
Quem o alheio veste, na Praça o despe.
Quem o feio ama, bonito lhe parece
Quem parte e reparte e não fica com a melhor parte, ou é burro, ou não entende da arte.
Quem pode mais pode menos.
Quem pode manda, quem não pode faz
Quem procura acha
Quem procura sarna quer se coçar.
Quem puxa aos seus não degenera.
Quem quer comer gordo traz de casa.
Quem quer vai, quem não quer manda
Quem quer vai, quem não quer manda.
Quem ri por ultimo ri melhor
Quem sai aos seus não degenera.
Quem semeia ventos colhe tempestade.
Quem te viu, e quem te vê.
Quem tem boca vai a Roma.
Quem tem com que me pagar não me deve nada.
Quem tem dois tem um, quem só tem um não tem nada.
Quem tem padrinho rico não morre pagão
Quem tem pressa come cru
Quem tem quem lhe chore morre todo dia.
Quem tem telha de vidro não sacode pedra.
Quem tem telhado de vidro não joga pedras no vizinho
Quem tiver o seu segredo não diga a mulher casada que a mulher diz ao marido e o marido ao camarada.
Quem tudo quer tudo perde.
Quem usa cuida.
Quem vai ao ar perde o lugar.
Quem vai ao vento perde o assento.
Quem vai pra chuva é pra se molhar.
Quem vê a barba do vizinho arder põe a sua de molho.
Quem vê cara não vê coração
Quem vem atrás que feche a cancela.
Quem vive na ignorancia, aporta na escuridão
Quer conhecer o vilão? Ponha-lhe o bastão na mão.

Deixe um comentário

Arquivado em O nosso português de cada dia

O Nosso Português de Cada Dia (Pegadinhas do Português) 7

Pegadinha 35

Ele se acorda às seis horas todos os dias.

Nesta frase o pronome se está tornando a frase incoerente, isto é, o emprego desse pronome é inadequado. Em provas de vestibular e concurso público, esse tipo de ocorrência provoca a chamada incoerência textual ou linguagem inconsequente.

Ninguém acorda a si mesmo! Cada indivíduo, simplesmente, acorda ou, então, é acordado por alguém, algum som alto, um terremoto etc. Agora, decididamente, acordar a si mesmo é proeza que escapa à habilidade humana.

A frase equivocada, depois de corrigida, fica assim:

Ele acorda às seis horas todos os dias.

Pegadinha 36

O governo vai criar novos impostos.

A expressão criar novos é da mesma família de subir pra cima, descer pra baixo, chutar com os pés etc. Já que não é viável criar nada velho, escreva-se, pois, apenas criar, e pronto!

A frase inicial, depois de corrigida, fica assim:

O governo vai criar impostos.
Pegadinha 37

Não me importo que o Palmeiras perca.

Faz-se três construções com o verbo importar-se, sempre pronominal no sentido de ter importância ou interesse:

1 – quando o sujeito for uma oração introduzida pela conjunção integrante que, o verbo importar deve estar no subjuntivo (exclusivamente para casos como o da presente dica). Exemplos:

Não me importa que você discorde.
Não me importa que o partido perca.

2 – quando o sujeito não for uma oração, usa-se somente importa, sem a conjunção que:

Não me importa a derrota da Argentina.

3 – se ao verbo seguir a preposição com, emprega-se importo, forma do presente do indicativo. Exemplos:

Não me importo com tuas lamúrias.
Não me importo com frescuras.
Outros exemplos em outros tempos verbais:
Não me importará que ele vença a competição.
Não me importaria que Márcia dissesse a verdade.
Naquela época, não me importava que a economia fosse mal.
Não me importaram os elogios baratos.
Não me importou a vitória inglesa.
Não me importarei com divertimentos banais.
Não me importava com coisa alguma.

Depois da correção, a frase fica assim:

Não me importa que o Palmeiras perca.

Pegadinha 38

A palestra agradou os congressistas.

Esta é uma questão de transitividade verbal. O verbo agradar, usado como transitivo direto, significa fazer carinho, mimar, enfim fazer as vontades. Exemplos:

A mãe agrada o filho recém-nascido, a fim de que ele pare de chorar.
A namorada agrada o rapaz, com elogios e atenções desmedidos.

Conforme exposto acima, palestra nenhuma poderá agradar os congressistas ou quem quer que seja.

Uma boa palestra, mas só se for boa mesmo, poderá agradar aos congressistas (note a preposição a); pois o verbo agradar, usado como transitivo indireto, significa corresponder à expectativa, satisfazer, produzir agrado. Veja outros exemplos de frases com o verbo agradar, empregado como transitivo indireto. Exemplos:

O filme agradou aos estudantes.
A prova agradou aos candidatos.
O resultado não agradou a mim.

A frase inicial, depois da correção, se apresenta assim:

A palestra agradou aos congressistas.

Pegadinha 38

Ganho apenas um mil reais por mês.

Não se mistura um (singular) com mil (plural). Com mil só se usam os numerais dois, três, quatro e os que exprimirem valor superior. Exemplos:

Comprei mil quilos de farinha.
Vendemos mil quilos de peixe,
Transportamos dois mil suínos para o Nordeste.
Trouxemos seis mil sacas de cimento.

A frase inicial, depois da correção, fica assim:

Ganho apenas mil reais por mês.
Pegadinha 39

O time perdeu porque seu centroavante não chutou em gol durante toda a partida.
Neste caso, quem acaba perdendo, verdadeiramente, é quem diz ou escreve uma frase dessas, desperdiçando a oportunidade de calar-se. O verbo chutar admite as seguintes regências: chutar a, chutar para, chutar contra ou, simplesmente, chutar. Exemplos:

O jogador chutou a gol.
O jogador chutou para o gol.
O jogador chutou contra o gol.
O goleiro chutou para fora.
O jogador chutou acima da trave. (E não: … em cima da trave.)

A expressão dar chutes pode ser usada, também, com a preposição em. Exemplos:

O jogador deu chutes na bola contra o gol adversário.
A criança dava chutes na porta.

A frase inicial, depois da correção, fica assim:

O time perdeu porque seu centroavante não chutou a gol durante toda a partida.
Pegadinha 40

Ninguém sabe aonde eu moro!

Aonde somente se emprega com verbos e expressões que indicam movimento:

E agora! Vamos aonde?
Determinaram sua ida aonde?
Já, para designar um local, usa-se onde:
Trabalho onde poucos teriam coragem de trabalhar.

A frase inicial, devidamente corrigida, fica assim:

Ninguém sabe onde eu moro!
Pegadinha 41

A obrigação do preenchimento da guia é do próprio contribuinte!

A palavra obrigação exige um tipo de preposição, conforme o elemento ao qual se refere. Referindo-se a nomes, no sentido de fazer uma determinada ação, obrigação exige a preposição a. Referindo-se a verbos, exige a preposição de. Já, referindo-se a nomes, usada sempre no plural (obrigações), no sentido de compromisso, exige a combinação das preposições para com. Exemplos:

A obrigação ao alistamento militar é intransmissível. (fazer o alistamento)
A obrigação de pagar as custas é do requerente.
Todo técnico de futebol tem obrigação para com seus jogadores.

A frase inicial, depois da correção, fica assim:

A obrigação ao preenchimento da guia é do próprio contribuinte!

Pegadinha 42

Toda a mulher casada deveria saber dirigir automóvel.

Toda a (note a presença do artigo) significa inteira. Depois desse entendimento, a frase parece esdrúxula da cabeça aos pés!

Toda (note a ausência do artigo) significa qualquer. Agora, sim, a frase passa a ter sentido, pois se quer referir, na frase inicial, a qualquer mulher, e não à mulher inteira.

Veja os seguintes exemplos:

Todo homem deveria falar uma língua além da materna. (qualquer homem)
Todo o homem tremia de frio. (o homem inteiro)
Toda a cidade festejou a vitória do time. (a cidade inteira)
Toda cidade tem problemas com drogas. (qualquer cidade)

A frase inicial, depois da correção, fica assim:

Toda mulher casada deveria saber dirigir automóvel.

Fonte:
126 Pegadinhas em Língua Portuguesa. http://www.softwareebookecia.com.

Deixe um comentário

Arquivado em O nosso português de cada dia