Arquivo da categoria: poema ecológico

Wagner Marques Lopes / MG (O Martim-pescador do Rio Xerém)


O nosso Martim vivia
nas barrancas do Xerém.
Pescava o dia inteirinho,
a cuidar de sua cria,
que o esperava lá no ninho.

Eram tempos de fartura,
com peixes de qualidade.
Ele acordava com o dia…
Quando o sol ganhava altura,
um cesto bom ele enchia.

De certa feita, porém,
após fazer uns mergulhos,
Martim notou algo estranho
nas correntes do Xerém.
“-Que água turva que apanho!…”.

Mergulhava e nada via…
Nem mesmo sombra de peixe!…
Tudo era escuro demais!
Foi assim, dia após dia…
“- Peixe que é bom, nunca mais!”.

O rio bem poluído!…
A mortandade dos peixes!
Martim ficou bem tristonho…
Tudo estaria perdido?
Chegara ao fim um bom sonho?

O Martim- pescador do Rio Xerém
Eram peixões e peixinhos
descendo o rio, boiando…
E Martim falou com brio:
“- Que vale o choro?!… Sozinho,
não mudo a água do rio!…

Seguindo o rio, a montante,
Martim-pescador descobre
a razão de seu sofrer:
uma usina, a todo instante,
faz descargas a valer.

Dela saem poluentes
que tombam num ribeirão…
E conclui, com desconforto:
“- Contaminam afluentes…
O Xerém tem peixe morto!”

Ante um crime tão patente,
decide ir à usina.
Mostra o samburá vazio,
ao falar com o presidente:
“- Não há mais peixe no rio!…”.

Adeus à poluição!
A usina instalou os filtros.
E Martim, com seu menino,
volta a pescar de montão
num Xerém bem cristalino!

Fonte:
Ambiente Brasil

Deixe um comentário

Arquivado em Minas Gerais, poema ecológico