Arquivo da categoria: Poetrix

Poetrix 2 – Goulart Gomes (A Vida é Bela)

Deixe um comentário

21 de setembro de 2012 · 01:23

Goulart Gomes (501 Poetrix)

Recebi o livro de Goulart Gomes, 501 Poetrix: para ler antes do amanhecer. Em suas 242 páginas, desfilam 84 autores, de Brasil e Portugal selecionados por Goulart, comemorando o décimo aniversário da criação do Poetrix. Abaixo selecionei alguns poetrixtas e 2 poetrix de cada um:

ALVARO POSSELT (PR)

um terço de culpa

com prosa não me meto
quando quero confessar
eu rezo um terceto

download do além

Noite de espanto
Fui baixar um arquivo
bashô-me um santo

ÂNGELA TOGEIRO (MG)

solidão

Pela janela espio
O vazio do escuro da solidão da noite sem lua.
Minha companhia.

das (in)certezas

Tanta desigualdade entre os homens…
Deus nos pôs no mundo
sem manual de instruções.

ANÍSIO LAGE

ventania

aos tristes, o vento geme
aos alegres, assobia
aos marujos, desafia

epitáfio

sou na vida um opróbio
escrevam em minha lápide:
finalmente sóbrio!

BETO QUELHAS

arteiro

o vento brinca escondendo
na cortina dos seus cabelos
os seus olhos em venenos

águas do rio

passam com rapidez
como o amor que partiu
e a dor que se fez

DJALMA FILHO

sol a pino

de barriga vazia,
o meio dia
almoçou um ponteiro.

folia

Dispo-te
e visto-te
com fantasia!

GOULART GOMES (BA)

pessoix

um terço de mim delira
um terço de mim pondera
outro terço: ah! quem dera!

a travessia

cruzo um mar de lágrimas
a terra prometida
um saara

ISIARA CARUSO (RS)

terremoto

dormiu seguro,
despertou tremendo,
morreu no escuro.

queimada

na mata o fogo corre
a floresta extingue
a terra morre.

LUCIANE LOPES

pacíficos

Daqui mesmo espio:
eu, gotejando um mar.
Você, latejando um rio.

que venha o voyeur

faço por gosto,
não por pirraça
poesia na vidraça.

ODETE RONCHI BALTAZAR (SC)

primavera

Arco-íris
caído
no meu jardim.

mosaico

Cacos mil para colar,
peças díspares,
monto a vida sem par.

TÂNIA SOUZA (MS)

veraneios

Entre lírios e nuvens
A pipa passareava.
Eu era verão

vitrine

Confeitos coloridos!
Nos olhos do menino
A fome chora.

Fonte:
GOMES, Goulart (organização). 501 Poetrix: para ler antes do amanhecer. Lauro de Freitas, BA: Livro.com, 2011.

Deixe um comentário

Arquivado em Estante de Livros, Poetrix

Lucia Constantino (Poetrix)

AMOR PROFUNDO

Um amor profundo torna a vida calma.
Rio que atravessa um mundo
pra dormir na foz da alma.

CORPO CÓSMICO

No corpo cósmico
as diferenças só refletem
a grandeza de Deus.

SEGREDO

Tempo provisório de minha presença.
Amparo-me na Luz. Preciso dela em mim.
Sempre acesa.

GRAMÁTICA POÉTICA

Companheirismo,
generosidade e solidariedade.
Têm que ser verbos ao homem de Letras

PRECISO DE TI

Dá-me Teu ombro.
Esta é uma dor gigante
e não sei mais o meu tamanho

GERADOR

O que vem do Alto
vem de dentro.
O olhar tem que ser sol

PRESENÇA DA VIDA

Em cada ser, um pequeno sol.
Em cada sol, a presença divina.
Células de Deus – Um e Todos.

SUBLIME ENCONTRO

Dize-me com quem andas.
Te pedirei que me leves junto.
Dentro do teu coração.

DESPERTO…

Não verei o tempo dormir
como a neve em seu berço.
Sou filha do sol – aqueço

UM SONHO….

Que fosse assim. Um mundo pátrio.
O Hino Nacional da Terra,
cantado a plenos corações.

INTERLÚDIO

Fala-me a sede de viver
no verde lume que clareia
essas manhãs do meu entardecer.

EVENTO

Queria entender a Luz
quando passa pelo rosto.
E o que ela deixa, que não enxergamos

AO RAIAR DA MANHÃ

Orvalho dormindo na flor.
Despertam meus olhos
essas lágrimas do céu

E ELA DISSE:

Se eu tivesse ego
seria maior que vossa Terra.
Vossos versos são frutos do universo

Fonte:
http://www.luciaconstantino.prosaeverso.net/publicacoes.php?categoria=S

Deixe um comentário

Arquivado em Poetrix

Goulart Gomes (Sobre o Poetrix… )

O POETRIX surgiu em 1999, com a publicação do livro TRIX – Poemetos Tropi-kais, de Goulart Gomes, premiado com Menção Especial pela Academia Carioca de Letras e União Brasileira de Escritores – RJ, em 2000.

1. No POETRIX, o título é desejável, mas não exigível. Ele exerceria uma função de complementaridade ao texto, definindo-o ou sendo por ele definido.

2. Não existe rigor quanto ao número de sílabas, métrica ou rimas no POETRIX, mas o uso do ritmo e da similaridade sonora das palavras, sim.

3. O uso de metáforas e outras figuras de linguagem são uma constante no POETRIX, assim como a criação de neologismos.

4. A interação autor/leitor deve ser provocada através da subliminaridade do POETRIX.

5. O POETRIX é necessariamente uma arte minimalista, ou seja, ele procura transmitir a mais completa mensagem com o menor número de palavras.

6. O POETRIX considera Passado, Presente e Futuro como uma só dimensão: TEMPO, podendo ser utilizado indistintamente.

7. No POETRIX o observador (autor), as personagens e o fato observado podem interagir, criando condições suprarreais ou ilógicas (“non sense”).

O POETRIX é tipicamente urbano. Ele também aproxima-se das leituras visuais, concretas, do epigrama e do caligrama, podendo ganhar formas animadas.

Sobre a estrutura dos POETRIX

“Dos poetrix”, porque mesmo no plural, ainda poetrix, duplix, triplix, multiplix.

Apesar de ser linguagem poética recente, e linguagem viva, portanto sujeita a alterações e evolução, como todas são, como linguagem, é convenção. E é dessa convenção são extraídas as considerações abaixo expostas:

Tema: O poetrix não se subordina a qualquer tema, conceitual ou formalmente. Não está restrito a quaisquer eventos, estações do ano, momentos da vida e da natureza. Sendo uma poesia “urbana” não exclui a vida do campo. Como manifestação livre trata de idéias e momentos que tenham inspirado seu autor. Também não é “arte engajada”. Estética e logicamente trata de sensações físicas, ambientais, percepções visuais e paisagísticas, emoções, conceitos, sociedade e pensamento. Se não dá espaço, por ser minimalista, a “derramamentos” emotivos não deixa de registrar momentos de fortes emoções, comunicadas em sínteses, muitas vezes fortíssimas. O envolvimento autor_e_obra e antropomorfismos não são vedados (diferentemente dos haicais, que parecem não recomendar tais conteúdos). Temporalmente, não está vinculado ao passado, presente ou futuro, e o seu tempo nem é linear ou cíclico. Pode nem mesmo se tratar de um tempo real.

Título: nos poetrix o título é obrigatório e parte importante do mesmo. Pode funcionar como um mote, integra-se ao poema, dá-lhe coerência, produz contradições que levam ao “susto” ou estranhamento bem vindo e induz ao desenvolvimento da poesia. Não deve ser elaborado de forma a que o poetrix seja uma quadra sem título que se disfarça em terceto.

Terceto: uma estrofe composta de três versos livres quanto a rima (que também pode ser usada, quando natural e bela), e onde o rítmo deve ser compatível com o assunto e a natureza do tema (parece que isso é da poesia).

Versos: O tamanho dos versos também é livre, não tendo um rígido número de sílabas (como os 5/7/5 dos haicais tradicionais). A contagem das sílabas deve ser feita até a última tônica de cada verso. No total, o poetrix comporta no máximo 30 sílabas, naturais ou modificadas por contrações, elisões, sinéreses e sinalefas.

Figuras de linguagem, gramaticais e de estilo: Tratando-se de poesia minimalista, recorre a essas figuras para no continente permitido, conseguir expressar o conteúdo que se pretende, ou que aflora. Metáforas e elípses são permitidas e mesmo recomendadas por questões estéticas ou práticas. Polissemia, catacréses, aliterações, hipérbatos, zeugmas, anacolutos, etc… um arsenal à disposição do poeta.

Grafismos: além das letras do alfabeto, sinais gráficos, os convencionais, são usados com certa freqüência. Parênteses, hífens, signos da matemática, interrogações, exclamações, pontos, chaves e reticências…

Neologismos e deformações das palavras. Regionalismos e estrangeirismos : também e tudo à disposição do autor.

Concretismo: embora ainda se ensaiando e não discutido mais profundamente, por manipulação da geometria dos versos e pela construção de signos a partir dos sinais gramaticais, o concretismo se insinua e se esboça em algumas composições.

Poesia compartilhada: Os poetrix se desdobram pelo encadeamento de dois ou mais poetrix de autores que se alternam, dando origem aos duplix, triplix e multiplix.

GRAFITRIX:

Entre as formas múltiplas do Poetrix reconhecidas pelo Movimento Internacional Poetrix (MIP), está o GRAFITRIX, que é um Poetrix inspirado por uma imagem ou associado a ela. Em geral, escreve-se o poetrix sobre a foto ou o desenho.

O GRAFITRIX é uma criação de Murillo Falangola.

Fonte:
http://poetrixando.blogspot.com/

Deixe um comentário

Arquivado em Poetrix, Sopa de Letras

Goulart Gomes (Dez Dicas para um Bom Poetrix)

1. EVITE AS ORAÇÕES COORDENADAS.
Um poetrix não é uma frase fatiada em três partes. Vamos tomar um exemplo:

TELEFONEMA

passei a noite em casa
esperando que ela ligasse
mas ela não ligou

Isso não é um poetrix, é a primeira oração de um texto! Está simplesmente horrível! Mas, notemos como ele poderia ficar bem melhor, se a idéia fosse expressada de outra forma:

TELEFONEMA

noite em branco
telefone mudo
até o amanhecer

2. EXPLORE O PODER DO TÍTULO.
Uma das grandes vantagens do poetrix é a existência do título, o que não há no hai-kai. Por vezes, ele pode ganhar uma característica de “verbete”, sendo definido pela estrofe. Suprimam o título e observem diferença que faz:

SEMÁFORO

pensei ser outra lua
olho verde contra o céu
fugaz, no meio da rua

Outro trunfo é que o título não entra na contagem de sílabas. Assim, alternativas criativas podem ser formuladas. Num exercício “exagerado” desta possibilidade, uso como exemplo:

ESTUDO SOCIOANTROPOLÓGICO DE UM COMUM CIDADÃO LATINOAMERICANO DE CLASSE SOCIAL DESFAVORECIDA, À LUZ DA NOVA ORDEM MUNDIAL, IMPACTADA PELA GEOPOLÍTICA DO PETRÓLEO, NUM ENFOQUE MÍSTICO-TRANSCENDENTAL, CORROBORADO PELOS IDEAIS FREUDIANOS-LENINISTAS, SEM ASPIRAÇÕES EPICURISTAS

nasceu
cresceu
desencarnou

3. MINIMALIZE.
Corte tudo o que está sobrando. Escrever um poetrix é lapidar um diamante. Nenhum texto fica pronto “de primeira”. É preciso, sempre, trabalhá-lo. Literatura é 10% inspiração e 90% transpiração. Com o poetrix, apesar de pequeno, não é diferente. Exemplo:

ANTES:

DRAGÃO

com a cabeça no ar
e com os pés no chão
é um homem? não, um dragão

DEPOIS:

DRAGÃO

cabeça no ar
e pés no chão
homem? dragão

4. PESQUISE.
Enriqueça o seu texto com informações pertinentes. Vejam este poetrix:

XENOGLOSSIA

na Planície de Sine-Ar
decifrar tua língua
em minha Torre de Babel

Após ter a idéia, fui à Bíblia obter mais informações sobre a Torre de Babel. Lá descobri que ela foi supostamente erguida na planície de Sinear. Em latim, “sine” quer dizer sem. A informação caiu perfeitamente: a língua, a torre, alguém “sem ar”… Uma pequena informação pode fazer uma grande diferença.

5. NÃO CONFUNDA POETRIX COM HAICAI.
Para isso, é importante conhecer, também, os fundamentos do haicai (ver texto que disponibilizei sobre o assunto em http://www.prefacio.net). Para começar: se o tema do seu poetrix é a Natureza, desconfie. Pode ser que nasça um haicai, e não um poetrix.

6. UTILIZE FIGURAS DE LINGUAGEM.
Em todas as formas poéticas, o uso de figuras de linguagem, metáforas, tropos e imagens enriquecem bastante o texto. Por vezes, é necessário “substantivá-lo”.

QUANDO A MARÉ ENCHER

Verdi no azul do mar
tocardo forró no piano
pra Netuno e Yemanjá

7. ACABE COM AS CONJUNÇÕES ADVERSATIVAS:
Mas, Contudo, Porém, Todavia, Não Obstante, Entretanto, No entanto, geralmente não servem para nada em um poetrix, assim como a conjunção explicativa Pois.

8. NÃO FORCE RIMAS.
Poetrix não é soneto. Às vezes pode-se dispensar completamente uma rima, utilizando-se bem o ritmo, a sonoridade e a riqueza semântica das palavras.

9. POETRIX NÃO É PROVÉRBIO.
Muito menos, frase de pára-choque de caminhão. Evite coisas como (blargh!):

ARROCHA

mulher e parafuso:
comigo
é no aperto

(Só um texto explicativo, mesmo, para me fazer criar uma “coisa destas”! Que sacrifícios a gente não faz pela Literatura!)

10. O NÃO-DITO FALA MAIS QUE O DITO.
Não pense que seu leitor é burro. Não dê tudo “mastigado”. Faça com que seu texto “dialogue” com o leitor, permita que ele faça sua própria “viagem” nas palavras:

ÁCIDO

a água furou a pedra
moinhos de amsterdã
a manhã será mais bela

HOLOKAUSTO

há o que não houve
retalhos de nylon
cogumelo atônito

E, para finalizar, não esqueça:
O POETRIX é um poema composto de título e uma estrofe de três versos (terceto) com um máximo de trinta sílabas métricas.

Fonte:
http://www.goulartgomes.com/visualizar.php?idt=409722

Deixe um comentário

Arquivado em Poetrix, Sopa de Letras

Goulart Gomes (Bula Poetrix)

O haicai é uma pérola; o poetrix é uma pílula.
Goulart Gomes

Em 2011 o POETRIX completa 12 anos de criação. Nesse período ele obteve uma significativa propagação no Brasil, Portugal e em outros países de língua latina.

Com o objetivo de melhor defini-lo, estabelecendo critérios quanto à sua forma e conteúdo que possam orientar mais precisamente os seus autores – os poetrixtas – a Coordenação Geral do Movimento Internacional Poetrix (MIP) divulga, agora, esta BULA POETRIX, conjunto de orientações para o aperfeiçoamento e uniformização desse gênero literário.

1 POETRIX – Informações Técnicas

CONCEITO

Poetrix (s.m.): poema com um máximo de trinta sílabas métricas, distribuídas em apenas uma estrofe, com três versos (terceto) e título.

FORMAS MÚLTIPLAS

As Formas Múltiplas são derivações do POETRIX, provocadas pela intertextualidade. São formas múltiplas identificadas e reconhecidas pelo MIP: Duplix, Triplix, Multiplix, Grafitrix, Videotrix, Clonix, Letrix, Palavratrix, Acrostrix e Tautotrix. Informações sobre cada uma delas podem ser encontradas na homepage do MIP: http://www.movimentopoetrix.com

2 CARACTERÍSTICAS DO POETRIX

2.1 O poetrix é minimalista, ou seja, procura transmitir a mais completa mensagem em um menor número possível de palavras e sílabas.

2.2 O título é indispensável. Ele complementa e dá significado ao texto. Por não entrar na contagem de sílabas, permite diversas possibilidades ao autor.

2.3 Não existe rigor quanto à métrica ou rimas, mas o ritmo e a exploração da sonoridade das sílabas é desejável.

2.4 Metáforas e outras figuras de linguagem, assim como neologismos, devem ser elementos constitutivos do poetrix.

2.5 É essencial que haja uma interação autor/leitor provocada por mensagens subliminares ou lacunas textuais.

2.6 Os tempos verbais – pretérito, presente e futuro – podem ser utilizados indistintamente.

2.7 O autor, as personagens e o fato observado podem interagir criando, inclusive, condições supra-reais, cômicas ou ilógicas (nonsense).

2.8 O poetrix deve promover a multiplicidade de sentidos e/ou emoções, não se atendo necessariamente a um único significado.

3 COMPOSIÇÃO

O POETRIX deve ser composto por ao menos um dos seguintes elementos, inspirados nas Seis Propostas para o Próximo Milênio, de Ítalo Calvino:

3.1 CONCISÃO: o mínimo é o máximo. O importante é dizer muito, falando pouco. O poetrix é uma pílula, que tem seu propósito determinado; é um projétil em direção ao alvo;

3.2 SALTO: é a metamorfose da idéia inicial, provocada no segundo ou terceiro verso da estrofe, acrescida de outros significados, permitindo uma nova perspectiva de compreensão do poetrix;

3.3 SUSTO: é o elemento inusitado e imprevisível que provoca surpresa ao leitor; é a fuga do lugar-comum, da obviedade, que desconstrói e amplia horizontes, mostrando outros caminhos, possibilidades, contextos;

3.4 SEMÂNTICA: exploração da polissemia de determinadas palavras ou expressões, permitindo a possibilidade de variadas leituras ou interpretações;

3.5 LEVEZA: jeito multifacetado de utilização da linguagem. Nesse sentido, o uso de imagens sutis deve trazer leveza, precisão e determinação ao poetrix e, com isso, provocar, no leitor, a abertura de renovadas construções mentais impregnadas de imprecisões e indeterminações, de novas possibilidades de interpretar a realidade, de desanuviar a opacidade do mundo.

3.6 RAPIDEZ: máxima concentração da poesia e do pensamento; agilidade, mobilidade, desenvoltura; busca da frase em que todos os elementos sejam insubstituíveis, do encontro de sons e conceitos que sejam os mais eficazes e densos de significado;

3.7 EXATIDÃO: busca de uma linguagem que seja a mais precisa possível como léxico e em sua capacidade de traduzir as nuanças do pensamento e da imaginação;

3.8 VISIBILIDADE: qualidade de expressar e pensar imagens, colocando visões em foco; reflexo da qualidade imagética do poetrix, em cor, sombra, contorno e perspectiva; é o substantivar da poesia;

3.9 MULTIPLICIDADE: expressão da pluralidade de possibilidades intertextuais e polissêmicas, provocando interações e criando novas formas;

3.10 CONSISTÊNCIA: através da fuga das obviedades, dos lugares-comuns, buscando expressar-se de forma original. O poetrix rompe, naturalmente, com antigos esquemas simplificantes e reducionistas e investe num sistema complexo, cujas categorias são opostas à simplicidade: a complexidade, a desordem e a caoticidade, próprias de sistemas não-lineares, capazes de realizar trocas com o meio envolvente.

4 INDICAÇÕES:

4.1 EXPLORAR O PODER DO TÍTULO. para o qual não há limite de sílabas. Uma das grandes vantagens do poetrix é a existência do título, que habitualmente não existe no hai-kai .

4.2 MINIMALIZAR. Eliminar todas as palavras que estão sobrando. Escrever um poetrix é lapidar um diamante. Raramente um texto está pronto em sua primeira versão. É necessário, sempre, aprimorá-lo.

4.3 PESQUISAR. Uma idéia original pode ser enriquecida com informações complementares, ampliando-a em conteúdo e significado.

4.4 UTILIZAR FIGURAS DE LINGUAGEM. Em todas as formas poéticas, o uso de figuras de linguagem, metáforas, tropos e imagens enriquecem bastante o texto.

4.5 PERMITIR QUE O NÃO-DITO FALE. Evite menosprezar a inteligência e a perspicácia do leitor. O poetrix deve instigá-lo a buscar significados nas entrelinhas, a descobrir outros contextos e sentidos.

5 CONTRA-INDICAÇÕES:

5.1 EVITAR AS ORAÇÕES COORDENADAS. Um poetrix não é uma frase fragmentada em três partes.

5.2 NÃO CONFUNDIR POETRIX COM HAICAI. Para isso, é importante conhecer, também, os fundamentos do haicai, que tem suas próprias características.

5.3 CONJUNÇÕES EMPOBRECEM O POETRIX: mas, contudo, porém, todavia, não obstante, entretanto, no entanto, pois, geralmente não servem para nada em um poetrix, podendo ser eliminadas sem prejudicar o texto.

5.4 NÃO FORÇAR RIMAS. Poetrix não é trova. Às vezes pode-se dispensar completamente uma rima utilizando-se bem o ritmo, a sonoridade e a riqueza semântica das palavras.

5.5 POETRIX NÃO É PROVÉRBIO, MUITO MENOS DEFINIÇÃO. Muito menos, frase de parachoque de caminhão

Fonte:
http://www.goulartgomes.com/visualizar.php?idt=1402080

Deixe um comentário

Arquivado em Jose Ouverney, Poetrix, Teoria Literária

Goulart Gomes (Minimal)

VÔO

Ícaro arde
em meio às chmas
só a Phoenix renasce

POETRIX PARA AQUELES QUE LEVANTAM ÀS 11 DA MANHÃ (OU MAIS)

o sol arde;
antes tarde
que nunca

CULTO AO CORPO

teúdos e manteúdos:
quem só busca a forma
não tem conteúdo

BAILARINA

na ponta dos pés
rodopiam
o mundo e nós, juntos

DITADO IMPOPULAR 21

quem ama o feio
de bonito
não carece

QUATRO ELEMENTOS

tu, no ar; eu, na água
ambos, na terra
em brasa

ANTES QUE O SOL NASÇA

imagine um dia assim
luzes rasgando a aurora
a manhã, embriagada, perdendo a hora

IRONMAN

nova tecnologia:
por falta de peças
morreu de anemia.

AUTOFILIA

toda poesia é minha
minha mania de louco
tudo é muito, muito pouco

BULA

contra a indicação
você é meu remédio
lástima…injeção

CLÃ

somos iguais
menos normais
a cada manhã

CAPÍTULO

onde termina onde
começa onde começa
parágrafo: é a pressa

===================

Sobre poetrix, neste blog:

O Que é Poetrix?
http://singrandohorizontes.blogspot.com/2008/01/o-que-poetrix.html
Poetrix: uma linguagem para o novo milênio

Deixe um comentário

Arquivado em O poeta no papel, Poetrix