Arquivo da categoria: Portal CEN

Gruta da Poesia (Parte I)

Donzília Martins
PELA METADE

Por detrás do tempo
Em vidraças partidas
Olham vazias o entardecer
E pela metade deixam a vida por cumprir.

Olhares apagados
Silhuetas de sombras
Em línguas de fogo afiadas
Perscrutam madrugadas no poente.

Desfeitas pelo pó dos caminhos
Roseiras sem rosas, com espinhos,
Esvaídas no pólen inflorido
Olham o vazio deitado na alma.

Tiveram alma? Ventre? Terão tido vida?
No vácuo do caminho andado
Sentem-se nada de nada, de ninguém.

Nem o ventre lhes pariu
Nem o seu jardim floriu!
São pétalas secas, mirradas,
Vagueando nos silêncios do desdém.

Hoje choram a flor cardida que fechou
O leito frio que ninguém ocupou
A ternura que não deram
Aos braços dos meninos de sua mãe.
=====================

Maria Nascimento Santos Carvalho
CHUVA MIÚDA

A chuva fina molhou o meu mundo …
O mundo que eu ergo, orgulhosamente,
embora deformado agora pelos excessos.

A chuva molhou meus pés;
pés antigamente delicados,
de solas aveludadas.

A chuva molhou minhas pernas
que foram torneadas
e hoje estão visivelmente volumosas,
meio disformes
e marcadas pela vaidade das depilações.

A chuva molhou meu tronco,
que, com o passar do tempo se alargou,
se desenvolveu em todas as dimensões,
sofrendo não ainda a deterioração do tempo,
mas obedecendo as inflações da idade;
tomou o porte das prestações a longo prazo:
expandiu-se, degenerou-se,
multiplicando as carnes, antes em desfalque.

A chuva molhou a minha cabeça,
que, feita para pensar,
pensa que não sabe o que pensar,
o que deseja pensar do mundo,
das coisas, das pessoas,
da vida …

A chuva continuou pingando …
Pingando … pingando … pingando …
R e s p i n g a n d o…
e inocentemente molhando o meu mundo,
o meu eu …
========================

Vânia Maria de Souza Ennes
ALGUMAS TROVAS

Eu não mudo de país,
nem de cidade ou estado,
porque aqui sou bem feliz…
exatamente… ao seu lado!!!

Romântico e apaixonado,
meu pensamento flutua,
vai ao céu… volta zoado:
Vive no mundo da lua!

Acalmar gesto impulsivo
num conflito sem razão:
Medicinal… curativo…
é a humildade e o perdão!

Reconheço que a razão
me exerce extremo fascínio,
mas, se acerta o coração…
perco o rumo e o raciocínio!

Mãos que orientam crianças,
seja na escrita ou leitura,
mostram sinais de alianças
de nobreza e de ventura!

Educação e cultura,
seriedade e competência
é alvo certo de ventura
que aguardamos com urgência!

Quero um planeta perfeito,
sem guerra, sem corrupção.
Povo justo e satisfeito,
respeitando seu irmão!
=============================

Gonçalves Viana
PAPELÃO

Eu cato ilusão
Daquelas perdidas
Que ninguém quer mais não,
Projetos de vidas, abortados ou não;
Pedaços de corações, frustradas orações,
Que anjo algum ouve não.

Eu cato ilusão
Sou um marginal à margem da vida
Sempre na contramão.
Cansado da lida, que nunca dá pé,
Remando contra a maré
Na mais completa solidão.

Eu cato ilusão
Notícias de amores
Que outros viveram… mas eu não!
Fantasias… que penso em vão,
Sonhos… que se ouso tê-los
Tornam-se pesadelos.

Eu cato ilusão
Neste velho carrinho
Que, trôpego arrasto pelo chão;
Cheio de quinquilharias,
Lixo, sucata, velharias…
Pranto, fome, cansaço, decepção,

Eu cato ilusão
Amargura, desengano,
Entra ano, sai ano,
E eu não percebo não
Que tudo isso, apenas são
Cacos do meu próprio coração.
====================

Edson Carlos Contar
PRESENÇA

O mistério de te saber tão longe,
Tão distante… E eu amar-te tão perto,
Induz-me a crer que a felicidade
Vem cá de dentro, de um cantinho certo
Inda que longe, é amor presente,
E tua imagem está aqui, decerto!

E onde estejas, eu sou só saudade
Do teu sorrir, do teu beijar, enfim…
Sonho apertar-te e, no sonho, me abraço
O teu calor eu sinto e me desfaço,
No abrir o peito e te encontrar em mim!
==================

Eron Vidal Freitas
TALVEZ

Talvez eu não seja o alvo, a meta pretendida,
como sua mente desenhou pra ter um grande amor…
Mas, se não sou pleno, que seja a fração que em sua vida
em algum momento a aqueceu com seu calor!

Talvez… é palavra que não tem força de “sim”, de “não”,
tem uma porta estreita chamada “Porta da Esperança”,
diante da qual deposito toda a minha confiança
de ser agraciado com um “sim” meu pobre coração !

O dito popular me diz que “quem espera alcança”,
por isso me planto diante da “Porta da Esperança”,
desafiando no combate as armas dos cansaços!

Aguardo… que chegue a hora deste acontecimento,
Para que ponha fim à espera do feliz momento,
em que possa tê-la finalmente nos meus braços…
==================

Heralda Víctor
DEVANEIOS

Se eu fosse medir em versos
Meus sonhos e fantasias
Daria uma longa distância,
Uma estrada imensa.
Seriam dias…

Pedaços de momentos que vivi
Juras de amor que recebi
Carícias, beijos que dei
Em pensamentos,
Tantos que nem sei…

Ah, Como eu queria
Flertar com teu destino
Agarrar esta alegria
Oferecer meus doces sentimentos
Realizar teus desejos de menino
Aconchegar-me vagarosamente
Descobrir e mostrar tudo…
Silenciosamente.

Na verdade adoraria tão-somente
Acreditar que temos esperança
Para correr, pular, brincar feito criança
Sair livre, sem rumo estrada afora,
Crescer junto contigo sem demora
Viver amando sendo amada

Simplesmente…
=======================

José Luiz Grando
MOMENTO

Em um momento… só para si
A mente descansa na lembrança
mais viva de toda cultura de gueto.
Em cada verso de rebeldia
Em cada movimento…
…de resposta a todo preconceito.
A frente de seus olhos,
Um eclipse entre a fé !
E um rompante de violência…
Em um momento só para si…
…medita em torno de sua vida.
O homem precisa ser realista.
Falar sobre tudo que discorda…
…contra tudo o que o e massacra.
======================

Ermindo Gomes Rocio
NÓS E A NOSTALGIA

De tua boca eu guardo o sabor,
de teu riso guardo só a alegria,
de teus lábios eu guardo a cor,
de nosso amor tenho nostalgia.

Do sabor uma doce lembrança,
da alegria daquela juventude,
na cor do poente só confiança,
que nostalgia era uma ilicitude.

Tempos de tempestade enfim,
nuvens negras povoando o céu,
vi mares empolados e ao alfim,
palavras toscas jogadas ao léu.

Hoje, amor tatuado pela nostalgia,
como um vergão que não se apaga,
de nosso amor acabou aquela magia,
no peito trago cravado tua adaga.
============================

Luciana Tannus
QUE SE ABRAM AS CORTINAS SOFIA!

Botão de rosa
Criança onírica
Menina mulher

Provida de anseios
Desponta para a vida
Repleta de dúvidas e devaneios

Canta, sorri, chora, disfarça…

A natureza indicia
A mudança é iminente
Não cabe recurso

Está virando mulher

O conflito é eterno
A inocência insiste
A biologia impõe

Limiar de um novo caminho, pleno
De descobertas
Curvas
Apelos e
Desejos
===========================

Milton Roza Junior
VIVA!!!

Viver é a primeira maravilha do mundo,
pois tudo advém deste mandado divino
podemos ver o mar em cima de nossas cabeças
e flutuarmos para mergulhar, nossa sina
Quando há Primavera
vejo mais a face de Vera
algo se altera na matéria
sua palavra parece ser mais sincera
Ouvir os seus passos à uma distância anos-luz
não é mais utopia para mim
é apenas mais uma forma de ouvir “I am the walrus”
Beatles e suas músicas enfim
O que mais posso implorar a Deus
talvez as palavras não estejam concatenadas
talvez erradas
ou enfim, caladas.
Sorria!!!
não mutila
não definha
não expira
só enaltece
o que apetece
meu realce
nosso enlace.
======================

Fonte:
Gruta da Poesia. Ano V. Outubro de 2009
in
Portal CEN. http://www.iaramelo.com

Deixe um comentário

Arquivado em Poesias, Portal CEN