Arquivo da categoria: Previsões

Arthur C. Clarke (Previsões além de 2001)

NINGUÉM pode ver o futuro. O que tento fazer é esboçar “futuros” possíveis, embora invenções e acontecimentos completamente inesperados possam tornar absurdas as previsões depois de apenas alguns anos. Exemplo clássico é a declaração feita no fim dos anos 40, pelo então presidente da IBM, de o mercado mundial de computadores seria de apenas cinco unidades. Só no meu escritório, tenho mais do que isso.
Talvez eu não esteja em condições de criticar: em 1971, previ o primeiro pouso em Marte para 1994; hoje, será sorte se conseguirmos até 2010. No entanto, em 1951, achei que estava sendo muito otimista ao sugerir uma missão à Lua em 1978. Neil Armstrong e Edwin Aldrin me surpreenderam quase uma década antes. Mas me sinto orgulhoso pelo fato de os satélites comunicações terem sido postos nos locais que sugeri em 1945, e de nome “Órbita Clarke” ser empregado com freqüência (mesmo que apenas por ser mais fácil de dizer do que “órbita geostacionária”). Alguns dos episódios relacionados aqui – as missões espaciais, em particular – já estão programados. Acredito que todos os outros possam acontecer, embora muitos esperam que não.

AS PREVISÕES DE ARTHUR C. CLARKE
2001 – A sonda espacial ‘Cassini’ (lançada em 1977) começa a exploração dos satélites e anéis de Saturno. A sonda Galileu (lançada em 1989 continua as inspeções de Júpiter e suas luas. Parece cada vez mais provável que haja vida nos oceanos cobertos de gelo de uma delas, Europa.
2002 – O primeiro dispositivo comercial que gera energia limpa e segura por meio de reações nucleares de baixa temperatura entra no mercado, anunciando o fim da Era do Combustível Fóssil.
2003 – São concedidos cinco anos para que a indústria motriz substitua todos os instrumentos que queimam combustível pelo novo dispositivo energético. Neste mesmo ano, é lançada a nave Mars Surveyor, da NASA.
2004 – Primeiro clone humano (admitido publicamente).
2005 – Primeira amostra enviada à Terra pela Mars Surveyor.
2006 – Fechada a última mina de carvão.
2008 – Uma cidade num país do Terceiro Mundo é devastada pela explosão acidental de uma bomba atômica em seu arsenal. Após breve discussão na ONU, todas as armas nucleares são destruídas.
2009 – Criados os primeiros geradores de ‘quantum’ (para processar energia espacial). Disponíveis em modelos portáteis e domésticos – a partir de alguns quilowatts -, podem gerar eletricidade sem limite. Estações centrais de energia são fechadas: termina a era das torres de transmissão.
A monitorização eletrônica praticamente elimina da sociedade os criminosos profissionais
2011 – Filmado o maior animal vivo: um polvo de 75 metros, próximo às Ilhas Marianas. Por curiosa coincidência, animais ainda maiores são descobertos quando as primeiras sondas por controle remoto perfuram o gelo da lua Europa.
2012 – Aviões aeroespaciais começam a operar na área comercial.
2013 – O príncipe Harry é o primeiro membro da Família Real britânica a voar no espaço.
2014 – A construção do Hotel Hilton Orbital começa com a adaptação dos gigantescos tanques de combustível abandonados pelos ônibus espaciais – tanques que, originalmente, deveriam cair de volta na Terra.
2015 – Um subproduto inevitável do gerador de quantum é o controle absoluto da matéria no nível atômico. Em poucos anos, por serem mais úteis, o chumbo e o cobre passam a custar duas vezes mais do que o ouro.
2016 – As moedas vigentes são abolidas. O “megawatt-hora” torna-se a unidade de troca.
2017 – Ao completar 100 anos no dia 16 de dezembro, sir Arthur C. Clarke é um dos primeiros hóspedes do Hilton Orbital.
2019 – Ocorre um grande impacto meteórico na calota de gelo do pólo norte. As enormes ondas resultantes causam danos consideráveis nas costas da Groelândia e do Canadá. O tão discutido “Projeto Guarda Espacial”, que serviria para indentificar e desviar cometas e asteróides potencialmente perigosos, é enfim ativado.
2020 – A inteligência artificial chega ao nível humano. De agora em diante, há duas espécies inteligentes na Terra, uma delas evoluindo de modo muito mais acelerado do que a biologia jamais permitiria.
2021 – O homem chega a Marte.
2023 – Fac-símiles de dinossauros são clonados a partir de DNAs criados em computador. Apesar de alguns lamentáveis acidentes iniciais, ferozes minidinossauros começam a substituir os cães de guarda.
2024 – São detectados sinais infravermelhos vindos do centro da Galáxia, produto evidente de uma civilização tecnologicamente avançada. Falham todas as tentativas de decifrá-los.
2025 – Pesquisas no campo neurológico enfim permitem compreender os nossos cinco sentidos, tornando possível a “ligação direta”, que dispensa a intermediação de ouvidos, olhos, pele, etc. O resultado é um capacete metálico, o “chapéu cerebral”. Qualquer pessoa que coloque na cabeça esse apertado capacete pode desfrutar de todo um universo de experiências – reais e imaginárias – e até interagir com outras mentes. O chapéu cerebral é uma dádiva para os médicos, que agora podem vivenciar (apropriadamente atenuados) os sintomas do paciente. Também é um avanço no campo jurídico, pois a mentira deliberada não é mais possível.
2040 – O ‘replicador universal’, baseado na nanotecnologia, é aperfeiçoado: qualquer objeto, por mais complexo que pareça, pode ser criado – desde que se disponha da matéria-prima necessária. Diamantes e delícias culinárias podem ser, literalmente, feitos do barro. Como resultado, a indústria e a agricultura chegam ao fim – assim como o trabalho. Há uma explosão nas artes, no lazer e na educação. Sociedades primitivas, baseadas na caça e na coleta, são recriadas, uma vez que enormes áreas do planeta – agora não mais necessárias para a produção de alimentos – podem retomar seu estado natural.
2045 – A casa móvel totalmente auto-suficiente (imaginada quase um século antes por Buckminster Fuller) é consumada. Qualquer suplemento de carbono necessário para síntese dos alimentos pode ser obtido extraindo-se gás carbônico do ar.
2050 – Entediadas com a vida nesses tempos de tanta paz, milhões de pessoas resolvem usar a preservação criônica com vistas a emigrar para o futuro em busca de aventura. Grandes “hibernáculos” são criados na Antártida e em regiões de noite eterna nos pólos lunares.
2057 – No dia 4 de outubro – centenário do Sputnik 1 -, a aurora da era espacial é comemorada pelo homem na Terra, na Lua, em Marte, Europa, Ganimedes e Titã, além de na órbita de Vênus, Netuno e Plutão.
2061 – O Cometa Halley volta e o homem pousa nele pela primeira vez. A sensacional descoberta de formas de vida tanto ativas quanto latentes comprova a centenária hipótese, de Wickramasinghe e Hoylem, de que existe vida no espaço.
2090 – A queima de combustíveis fósseis realizada em grande escala é retomada, a fim de restituir o gás carbônico extraído do ar e, por intermédio do aquecimento do planeta, tentar retardar a Era Glacial que se aproxima.
2095 – A criação de uma verdadeira ‘força espacial’ – um sistema de propulsão que reage contra a estrutura do espaço-tempo – torna obsoleto o foguete e garante velocidades próximas à da luz. Exploradores terráqueos partem para galáxias vizinhas.
2100 – Começa a História…

Fonte:
© 1999 ARTHUR C. CLARKE. CONDENSADO DE THE DAYLY TELEGRAPH (21 DE FEVEREIRO DE 1999
http://galaxiabr.vilabol.uol.com.br/

Deixe um comentário

Arquivado em Ficção Cientifica, Literatura Inglesa, Previsões