Arquivo da categoria: Trajetória

Aluísio de Almeida (1904 – 1981)

(Aluísio de Almeida e a Historiografia Sorocabana: artigo de Cássia Maria Baddini, Mestre em História Social da USP)

Para compreender o conjunto de sua obra assinada por Aluísio de Almeida é importante considerar a trajetória da vida de seu autor: o Monsenhor Luiz Castanho de Almeida. Nascido em Guarei – SP, a 6 de novembro de 1904, era primogênito de uma família de cinco filhos. Seu pai, Aníbal Castanho de Almeida, foi figura destacada na política, sendo chefe local do partido republicano Paulista e homem empreendedor na cidade. Segundo biógrafos de Aluisio de Almeida, possuiu fabrica de descaroçar algodão e serraria e esteve diretamente implicado na promoção de um conjunto de melhorias urbanas: construção da nova Matriz de Guarei, encanamento de água potável, estabelecimento da rede telefônica local, de escolas reunidas, de posto policial na cidade. Era amigo pessoal de Julio Prestes. Faleceu em 1939.

Sua mãe Ana Carolina Rolim, era professora primaria e natural de Itapetininga. Faleceu em Sorocaba, 1957.

A educação sacerdotal de Luiz Castanho de Almeida começou em 1917 na cidade de Botucatu: no Ginásio Diocesano “Nossa Senhora de Lourdes” e, a partir de 1918, no Seminário Menor anexo ao Ginásio. Completou os estudos exigidos para o sacerdócio em 1924, mas sendo jovem não recebeu naquela ocasião as ordens sacras. Nesse mesmo ano, foi designado para secretario do bispado e secretario particular do bispo D José Carlos de Aguirre, que tomaria posse em 1ºde janeiro de 1925 ( a Diocese de Sorocaba havia sido criada naquele mesmo ano de 1924, tornando a Paróquia a ela subordinada).

Ficou nessa função até 1929, quando foi nomeado pároco de Araçoiaba da serra (*havia sido ordenado padre em 8 de maio de 1927, seguindo, no entanto para Itararé. No ano seguinte foi transferido para Itapetininga como pároco coadjutor, e ainda nesse ano foi nomeado para Guarei, voltando, pois para sua terra natal).

Ficou em Guarei até 1933, quando então volta à Sorocaba, como coadjutor da catedral. Foi, então, nomeado pároco da igreja Bom Jesus dos Aflitos (paróquia criada em 1926), exercendo essa função até 1937, quando a doença-esclerose múltipla-começou a comprometer suas atividades sacerdotais.

É nessa época a construção de sua casa, na rua Rui Barbosa-sede do Instituto Histórico, geográfico e Genealógico de Sorocaba. Morou ali com a família, e ali faleceu em 28 de fevereiro de 1981.

O título de Monsenhor receberia em 1962.

A prática da pesquisa parece ter se desenvolvido de maneira espontânea, intensificando-se a partir de seu recolhimento (1939). Não possuía formação de historiador: suas técnicas de pesquisa e metodologia são dificilmente percebidas em seus trabalhos, pois não explicita nunca os procedimentos de seleção, leitura e analise da documentação, nem tampouco indica as fontes consultadas. As citações de texto de época aparecem com a grafia modernizada, comprometendo sua leitura como fonte para a própria coleta de evidencias documentais.

Em função de suas limitações físicas, recorria constantemente à ajuda de amigos, que transcreviam suas passagens mal escritas ou anotavam seus textos ditados. Essa condição, associada a própria idéia que Aluisio de Almeida tinha sobre produção histórica-evitar pesquisas exaustivas, que resultassem na demora de publicações, das quais Sorocaba era tão carente-possibilitou um sem-numero de publicações e uma característica peculiar de sua escrita: textos truncados, frases descoladas, assuntos repetidos em varias passagens. Parecia haver pressa em publicar.

Em relação à documentação privilegiada para estudo, embora nunca indicada em seus textos (apenas referida), consultou a documentação da Cúria Diocesana, da Prefeitura municipal de Sorocaba e de cartórios da cidade, pesquisando também em arquivos de São Paulo e Rio de Janeiro. Tinha contato com centros de pesquisa, documentação e produção histórica, como Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (RJ), o Arquivo Municipal de são Paulo e instituições equivalentes do interior paulista.

Aproximou-se da produção de história paulista que então se fazia, estimulada, sobretudo pelo Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. Construiu uma visão de história local justificado pelo caráter heróico do paulista na construção da nação: para Aluísio de Almeida, a história de Sorocaba espelhava o caráter de um povo destemido que edificou sua próproa grandeza, contribuindo para a unidade política e econômica da nação ao longo de sua história. O que era exatamente a imagem construída do paulista na produção do IHGSP e demais instituições comprometidas, naquele momento, com a legitimação de São Paulo no poder central. Tais estudos primavam por conceber a história do Brasil em função de uma certa história paulista, caracterizada pela promoção de “ciclos econômicos” fundamentais para a construção da nação: o “bandeirismo” e sua contribuição para o desbravamento do interior e unificação política daquelas regiões; o “tropeirismo” e a construção definitiva de uma unidade econômica no centro-sul do Brasil, afastando o perigo espanhol naquelas partes, o “café” e o enriquecimento da nação, garantindo também em caráter definitivo a sua entrada no “ciclo da industrialização”.

Essa leitura deixa evidente a visão de história linear, em progresso e determinada por condições econômicas tidas como homogêneas: a idéia de “ciclo econômico” pressupõe a inserção de toda sociedade, independente de condições específicas de cada localidade, a um mesmo propósito de engrandecimento nacional.

Aluísio de Almeida concebeu a história local a partir dessa perspectiva, grandemente influenciado por tais estudos: é conhecida a sua amizade com Afonso d´Escragnole Taunay, Diretor do Museu Paulista entre 1917 e 1946, período em que a mesma instituição passou por uma completa reestruturação, compondo o que até hoje verificamos como uma exposição que representa a história pátria justificada pela exemplar contribuição histórica dos paulistas. Os “ciclos econômicos” estão lá representados, as fases heróicas da trajetória dos paulistas, sempre em relação a edificação da nação. Justifica-se, assim, a proeminência de São Paulo no poder.

Os trabalhos de Aluísio de Almeida eram também citados por pesquisadores da história paulista, como o próprio Taunay e Alfredo Ellis Júnior, que fundamentou a existência de um “ciclo de muar” em artigo publicado na Revista de História, da USP, em 1950, utilizando inclusive trechos inéditos de Aluísio de Almeida sobre a passagem do gado por Sorocaba. O que acusa o contrato desses pesquisadores com a produção de Monsenhor Castanho.

Aliás, os temas privilegiados por Aluísio de Almeida sempre foram àqueles relativos a história paulista, notadamente do sul paulista. Também buscou resgatar o folclore e as tradições populares dessa região, escrevendo inúmeros artigos publicados especialmente na Revista do Arquivo Municipal de São Paulo nas décadas de 40 e 50. Essa revista demonstrava claramente a intenção de exaltar a história paulista, tornando-a fundamental para a construção da nação. Os escritos de Aluísio de Almeida também se inserem nessa ótica, com a particularidade de destacar a região de Sorocaba nessa explicação histórica.

Artigos publicados em outras revistas especializadas (Revista do IHGSP, do IHG Brasileiro, de Estudos Genealógicos, do IHGG Sorocaba, do Arquivo Municipal de São Paulo, Revista de História, Revista do Brasil (RJ), Revista Ilustração Brasileira (RJ) e em jornais locais ou da capital (Cruzeiro do Sul, O Estado de S. Paulo), Correio Paulistano) mostram tendência equivalente: na Revista de História em artigos que especificam a história de Sorocaba, Aluísio de Almeida não deixa de justificar a história local pela sua contribuição particular à construção da nação, destacando na sua explicação as fases que definiriam a trajetória histórica de Sorocaba: o bandeirismo, o tropeirismo, a industrialização. A especificidade de Sorocaba estaria no tipo particular de bandeirante que aqui residiu, no entrosamento articular da sociedade local com o tropeirismo, nas iniciativas individuais de destemidos empreendedores sorocabanos, de nascimento ou de adoção.

A história, assim, não precisa de explicação, mas de justificação. Ela já está dada, já está traçada. A singularidade de Sorocaba, ameaçada de se perder nessa leitura que tudo homogeneíza, dá-se pelo caráter de seu povo, imbuído de qualidades que o reconheceriam como legítimo construtor da nação: a bravura, a ousadia, a iniciativa, o espírito liberal.

Todos esses valores estão expressos na obra de Aluísio de Almeida, significando uma história legitimamente sorocabana. È sorocabana pela intenção de se definir uma identidade social (portanto política, econômica e cultural) à cidade, que seria extensiva à sua população como que por força do próprio destino histórico. O propósito que revela com essa visão de história é o de congregar toda sociedade, criando valores comuns e legítimos porque historicamente dados, e promover o progresso local, pois a história que se mostra é uma história em que os conflitos foram resolvidos ou acomodados, em que a cidade cresceu e se desenvolveu, em que as diferenças se justificam pelo projeto compartilhado de construir uma cidade – e, pois uma – rica e feliz.

Não só seus artigos se comprometem com essa visão, mas também seus livros, publicados algumas vezes com seus recursos do próprio autor. Dentre os que abordam Sorocaba de maneira especial, tem-se O tropeirismo e a feira de Sorocaba (1968), História de Sorocaba (1969), Vida e Morte do Tropeiro (1971), além de publicações mais antigas que tratam do liberalismo na cidade: Sorocaba, 1842 (1938), A Revolução Liberal de 1842 (1944).

É comum ouvir que Aluísio de Almeida escreveu sobre quase tudo a respeito de Sorocaba. Certamente escreveu muito em centenas de artigos e livros, e certamente seus textos servem e deverão servir para pesquisas sobre história local. Cabe a nós, historiadores de formação e preocupados com a explicação do passado e não mais apenas com o seu relato, interrogar o conhecimento produzido por Aluísio de Almeida enquanto um discurso contextualizado. A validade de suas obras não está numa interpretação correta dos fatos históricos ou no relato minucioso da evolução de Sorocaba. Já não se tem essa visão simplista da História como aquela que deve assegurar o controle social. A importância de sua obra está enquanto visão sobre a cidade construída no progresso e legitimação do domínio paulista. Ainda mostra suas repercussões em estudiosos que acreditam produzir uma historiografia genuinamente sorocabana nos dias de hoje, e encontra congênere em outras histórias de cidades do interior paulista, que se inspiram no modelo de progresso e evolução histórica proposto pelos primeiros estudiosos da história paulista.

È necessário, portanto, buscar caminhos que possibilitem questionar a própria idéia de uma história de cidade condicionada a temas nacionalistas, mesmo que na perspectiva revisionista (no caso de Sorocaba, temas consagrados como tropeirismo, imigração, industrialização). É preciso reavaliar a nossa própria concepção de cidade, de história, de participação social no processo histórico, para superar idéias um tanto cristalizado de especificar uma historiografia que seja “sorocabana”.”

Fonte:
– Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Sorocaba.
http://www.ihggs.org.br/

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Biografia, Sorocaba, Trajetória