Arquivo da categoria: Arandú

Jorge Linhaça (O Escritor em Xeque)

Entrevista cedida ao Portal CEN (Cá Estamos Nós), de Carlos Leite Ribeiro.

Jorge Linhaça
Profissão: Pedagogo

Quer falar um pouco da terra onde mora?

Resido atualmente em Arandú, pequeno município no interior do Estado de São Paulo. É uma cidade predominantemente agrícola e diria até mesmo bucólica.

Quando começou a escrever?

Comecei a escrever meus primeiros rascunhos poéticos na sétima série escolar, incentivado por um professor de Língua Portuguesa, mas foram coisas esporádicas, alguns anos depois meti-me em um concurso que acabou por levar-me á Academia Juvenil de Letras, mas na época minha paixão pelo teatro falou mais forte e abandonei a cadeira. Situar o momento em que comecei uma produção mais constante leva-me ao ano de 2003 quando timidamente comecei a escrever e divulgar na internet em 2004/2005 cheguei aos grupos e as coisas foram num crescendo constante até os dias de hoje.

Teve a influência de alguém para começar a escrever?

Sempre fui incentivado pelos meus pais a ler o que me levou a arriscar escrever. No decorrer dessa caminhada literária encontrei nos grupos da internet de depois nos sites muitas pessoas que me estimularam a continuar.

Lembra-se do seu 1º trabalho literário?

Creio que meu primeiro trabalho literário em prosa, digno de nota foi uma peça teatral chamada “Solitárius Discoteque” que nunca cheguei a montar, o primeiro trabalho poético, coincidentemente chamava-se “Discoteque” e foi o que le levou à Academia Juvenil de Letras no ano de 1978.

Foi divulgado (como)?

Segundo o prometido quando de meu ingresso na Academia, deve ter sido divulgado em uma coletânea. A peça está esquecida em algum lugar de meus alfarrábios.

Tem livro (s) impresso (s) (editora e ano)?

Tenho meus textos em algumas coletâneas poéticas
Letras Catarinenses/ Gigantes 2006- Editora Odorizzi
Poesia do Brasil- Vol VI – Proyecto Cultural Sur-Brasil – 2007
Nas Asas da Paz – Editora Alternativa- 2007

Tem livro(s) eletrônico(s) (e-books), editora e ano.
Nas Asas da Poesia ( solo ) 2007

Projetos literários para este ano de 2008/09?

Publicação do meu romance “A Grande Jornada” – em processo de revisão
Publicação de alguns Volumes de Poesias – em processo de seleção dos textos

Como vão ser editados ?

Por uma editora no exterior que está à espera apenas do envio do material.

Fale-nos um pouco de si, como pessoa humana?

Sou uma pessoa simples e complicada de ser entendida. Simples por ser absolutamente transparente naquilo que penso, complicada por que isso causa espanto às pessoas que acham que eu deveria ser mais politicamente correto e fingir não ver certas coisas que acontecem.
Tenho agora centrado minha energia no Movimento dos Incansáveis Amantes da Paz (INCAPAZ-http://incapaz.mywebcommunity.org/index.htm), o que tem-nos dado muitas alegrias, tanto no Brasil quanto no exterior.

Como Escritor (a)?

Como escritor sou o que se pode chamar de eclético e inquieto, faço desde poesia didática a contos de terror, desde poesias líricas às Góticas.
Em relação às formas poéticas vou desde o versolibrismo aos sonetos, passando pro rondéis, rondós, triolés, gazal, cordel e o que mais me caia no gosto.
Na prosa gosto de escrever crônicas de costumes, contos, ensaios e reflexões.
Possuo uma coluna semanal no hebdomadário “Jornal Democrata” , da cidade de São José do Rio Pardo e lá tenho a liberdade de publicar o que queira em prosa ou verso.

Para se inspirar literariamente, precisa de algum ambiente especial ?

Não necessito de nenhum ambiente especial, a poesia ou prosa me vem nos lugares mais inusitados, como por exemplo o “Soneto ao Trono” ( a lá Bocage) que escrevi no sanitário de uma pizzaria.

Tem prêmios literários?

Alguns pequenos prêmios em concursos na internet;
Comenda Letras Catarinenses;
Destaque Cultural 29ª Expoesia em Porto Alegre;
Premiações como “Melhor Peça” em alguns festivais amadores de teatro

Tem Home Page própria (não são consideradas outras que simplesmente tenham trabalhos seus)?

http://naasadapoesia.blogspot.com

Conhece as vantagens que os Autores do CEN têm em ter sua Home Page ou (e) Livro (s) eletrônicos, nos nossos sites?

Dizer que conheço a fundo seria faltar com a verdade, mas devido ao prestigio que possui o Portal CEN, creio que é uma maneira de divulgar o trabalho em segmentos importantes da literatura lusófona.

Que conselho daria a uma pessoa que começasse agora a escrever ?

Começar… esse é o primeiro passo, é o conselho que tenho dado a muitos novos poetas, dos quais, tenho tido a sorte de ser o primeiro a ler os textos e lançar nesse mundão virtual.
Não existe um caminho, o caminho se faz ao caminhar, como dizia um antigo poeta inglês.
O importante é perserverar e não deixar o talento perder-se nas encruzilhadas da vida.
Estudar, pesquisar e aperfeiçoar também é muito importante.

Para terminar este trabalho, queira fazer o favor de mandar um pequeno (e original) trabalho seu (em prosa ou em verso).

A Graça de Fazer Graça

Fazer graça em verso ou em prosa
É uma graça à nos ofertada
Transformar os espinhos numa rosa
Transformar a dor em doce risada

Feliz é o que de si mesmo goza
Ou faz graça do que lhe entristece
vem de graça, a graça numa prece
Como alvorada no céu majestosa

Que graça há, se não fizermos graça?
Se é prá chorar, que seja de rir!
De graça nos vem , já tantas desgraças…

E se a dor passa, num simples sorrir
Levemos, então, à todos, a graça
E a vida passa, sem dores sentir.

Fonte:
http://www.caestamosnos.org/Autores/Jorge_Linhaca.htm

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Arandú, O Escritor em Xeque, São Paulo