Arquivo do mês: março 2012

Ademar Macedo (Mensagens Poéticas n. 511)


Uma Trova de Ademar

Todo amigo verdadeiro
tem sempre a mão estendida
para livrar seu parceiro
dos escorregões da vida!…
–ADEMAR MACEDO/RN–

Uma Trova Nacional

A minha grande alvorada
será eterna … Eu suponho!
Se um sonho não der em nada …
Eu troco por outro sonho!
–DILVA MORAES/RJ–

Uma Trova Potiguar

Só uma prisão eu respeito,
quando rendo-me à paixão…
Qualquer castigo eu aceito,
se a cela é o teu coração!
–FRANCISCO MACEDO/RN–

…E Suas Trovas Ficaram

A desgraça no mais forte
mais robustece a esperança;
nunca descreias da sorte;
quem espera sempre alcança.
–SOARES BULCÃO/CE–

Uma Trova Premiada

2010 – Ribeirão Preto/SP
Tema – VIAGEM – M/H

De viagem, vem o vento
e beija a flor quando passa…
É um amor só de momento
como tantos que há na praça.
–MARINA BRUNA/SP–

Simplesmente Poesia

Feridas
–ELISA ALDERANI/SP–

Abri a gaveta das lembranças
Tirei tudo o que dentro estava.
Fechei todas as portas e janelas,
Não queria que elas saíssem por ai,
Para espalhar minha historia.
O mundo está cheio
De palavras inúteis.
Não enobrecem a vida.
Preciso agora descobrir
Os segredos da alma:
Curar, ungir, suturar feridas…
Sutis, apodrecidas.
Dobras doentes
Procurando refrigério,
Procurando alento,
Na simples caricia
Do toque do vento…
Depois, com carinho, guardo-as novamente,
Na última gaveta da minha mente.

Estrofe do Dia

Morre a noite, nasce a aurora
com seu brilho radiante
e nesse preciso instante
em que as trevas vão embora
surge no céu, sem demora,
para cumprir seu afã,
com sua mão tecelã,
o Sol, rendeiro celeste,
e, com véu dourado, veste
os seios nus da manhã!
–JURACI SIQUEIRA/PA–

Soneto do Dia

Inspiração.
–THALMA TAVARES/SP–

Encantada senhora de meus passos
que em tudo pões a flor da poesia,
que me acorrentas em teus meigos braços
quando te fazes minha estrela guia.

Teu servo sou, sem peias nem cansaços,
– escravo desse fogo que alumia
meu dia, minha noite, meus espaços
num misto de prazer e de agonia.

Não te peço alforria. Em minha senda
a tua luz uma outra luz desvenda
e põe um facho em minha escuridão.

És fenômeno antigo e sempre raro.
Não vale a vida sem o teu amparo
nem vale o verso sem o teu clarão.

Deixe um comentário

Arquivado em Mensagens Poéticas

Paulo Leminski (Uma carta uma brasa através)

Deixe um comentário

31 de março de 2012 · 02:28

José Feldman (Almanaque O Voo da Gralha Azul n.9 e Homenagem a Francisco N. de Macedo)


Caro/a Leitor/a

Após um tempo sem internet devido a minha mudança de endereço (novo endereço está no Almanaque), além de todas confusões para efetuar a mudança e entrega de casa, volto a atividade. Já havia recebido reclamação de meu afastamento.
Portanto, VOLTEI!

Mas, neste meio tempo, não estacionei, fui elaborando o Almanaque O Voo da Gralha Azul, número 9, jan/fev/mar 2012, com 233 páginas, faça o download AQUI. Além de um suplemento especial (24 páginas) em homenagem ao grande poeta potiguar recentemente falecido, Francisco Neves de Macedo, irmão de nosso querido Ademar Macedo. Faça o download do suplemento, AQUI.

Alguns dos textos incluídos para atiçar a curiosidade do leitor:

O Poema das sete faces, de Carlos Drummond e a análise dele.
O conto Trio em Lá menor, de Machado de Assis, e análise do conto.

Artigos como
Uma “redescoberta” da Literatura Africana no Brasil, por ADELTO GONÇALVES
A Identidade da Mulher Indígena na Escrita de Zitkala-Ša e Eliane Potiguara, por ALBA KRISHNA TOPAN FELDMAN
A poesia epigramática do Amin Nordine ou a Babalaze do Atirador das Verdades, por AMOSSE MUCAVELE
Outra Época e um Poeta Inesquecível, por IALMAR PIO SCHNEIDER
A Importância dos Contos de Fadas no Desenvolvimento da Imaginação, por JULIANA BOEIRA DA RESSURREIÇÃO

Contos/Crônicas
ABÍLIO PACHECO: Cheiro de café
AMOSSE MUCAVELE: Carta do aniversariante no dia em que não se fará a festa
APARECIDO RAIMUNDO DE SOUZA: A canção que tocou no meio da noite ; Caminho sem Volta
CAROLINA RAMOS: Como de Costume…
CLÁUDIO DE CÁPUA : Galo Doidão
DALTON TREVISAN : Em Busca da Curitiba Perdida
OLIVALDO JÚNIOR : Fim de Linha
RACHEL DE QUEIROZ : Os Dois Bonitos e os Dois Feios
VICÊNCIA JAGUARIBE : A Decisão ; Por uma nota de dez reais

FOLCLORE
LENDAS INDÍGENAS
Lenda de Iaraguaçu, por LUIZ EDUARDO CAMINHA
PARLENDAS

HAICAIS

ACADEMIA RIBEIRAOPRETANA DE POESIA, HAICAIS, 1996
AFRÂNIO PEIXOTO
JOÃO JUSTINIANO DA FONSECA
NILTON MANOEL

Mensagens Poéticas, por ADEMAR MACEDO

POESIAS

AMÉRICO FACÓ
ANTONIO MANOEL ABREU SARDENBERG
CECIM CALIXTO
EDMAR JAPIASSÚ MAIA
EFIGÊNIA COUTINHO
HÉRON PATRÍCIO
IALMAR PIO SCHNEIDER
INOEMA NUNES JAHNKE
NILTO MACIEL
PEDRO DU BOIS
PROF.GARCIA
ROBERTO PINHEIRO ACRUCHE
SILVIAH CARVALHO
SOLANO TRINDADE
entre outros

TROVAS

CLÁUDIO DE CÁPUA
CORNÉLIO PIRES
DODORA GALINARI
MILTON LOUREIRO
PARANÁ TROVADORESCO

Boa Leitura

P.S.: Breve, Minas Gerais Trovadoresco

Deixe um comentário

Arquivado em Lançamento, O Voo da Gralha Azul

Concurso Literário – Prêmio “Professor Mário Clímaco” (Inscrições abertas)


ACADEMIA DE LETRAS, CIÊNCIAS E ARTES DE PONTE NOVA – ALEPON

1º) – A Academia de Letras, Ciências e Artes de Ponte Nova – ALEPON, fará realizar o VII CONCURSO LITERARIO – Prêmio “Prof. Mário Clímaco”, que constará de duas categorias – Poesia e Crônica, de âmbito nacional.

2°) – Podem concorrer pessoas de ambos os sexos, com a idade mínima de 15 anos completos até a data do encerramento das inscrições.

3º) – As inscrições, gratuitas, estarão abertas a partir de 1º / 03 / 2012 e se encerrarão em 10 / 08 / 2012, valendo o carimbo do correio. Os membros da ALEPON não podem concorrer.

4º) – Nas duas categorias os trabalhos, com TEMA LIVRE, deverão ser de até 2 (duas páginas), em papel A4, fonte 12, Times New Roman ou Arial.

5º) – Para inscrever-se, basta que o concorrente envie até três trabalhos inéditos, de sua autoria, em cinco vias, datilografados ou impressos em computador (não serão aceitos manuscritos), além de CD contendo os trabalhos, para a Academia de Letras, Ciências e Artes de Ponte Nova – ALEPON, Rua Cantidio Drumond, 92 – sala 1 – 35430-001 – Ponte Nova (MG).

6º) – Será usado o sistema de envelopes: o maior, com o endereço da ALEPON e do remetente, conterá os trabalhos, com o pseudônimo do autor (o mesmo para cada trabalho) e o envelope menor, devidamente lacrado; o menor guardará a identidade do concorrente: nome, RG, CPF, endereço completo, telefone e data do nascimento (ou a declaração:“Tenho mais de quinze anos de idade”), além de data e assinatura.

7º) – Os vencedores receberão medalhas e diplomas. A critério da comissão julgadora poderão ser concedidas até 3 (três) menções honrosas. São irrecorríveis as decisões dos julgadores.

8º) – Os 10 (dez) primeiros classificados poderão ter seus trabalhos publicados no Informativo ALEPON, publicação autorizada, automaticamente, com o ato da inscrição, sem direitos autorais, assim como os demais participantes.

9º) – Os membros da Comissão Julgadora serão designados pelo Presidente da ALEPON, anunciados somente na data da divulgação dos resultados do concurso, uma vez que seus nomes ficarão em sigilo.

10º) – O resultado do Concurso será divulgado na Sessão Solene comemorativa do aniversário de Ponte Nova, no dia 26 de outubro de 2010.

OBS. – Outras informações poderão ser obtidas pelos telefones 3881.1697 -3881.3455 e 38812663.

Fonte:
Wilma Maria Quintiliano

Deixe um comentário

Arquivado em Concurso Literário, Inscrições Abertas

Ademar Macedo (Mensagens Poéticas n. 510)

Uma Trova de Ademar

Nos arquivos da memória
guardei minha juventude;
quis reviver minha história…
Deu uma pane, não pude!
–ADEMAR MACEDO/RN–

Uma Trova Nacional

Tenho, por certo, em verdade,
bem vivo e, embora, poungente,
que a mais pungente saudade
é aquela de alguém. . . presente!
–MAURÍCIO N. FRIEDRICH/PR–

Uma Trova Potiguar

Se todos fossem honestos,
ninguém veria, na praça,
mendigos comendo restos
do pão que a miséria amassa!
–CLARINDO BATISTA/RN–

…E Suas Trovas Ficaram

No portão, os namorados,
são como os barcos no cais:
pelos beijos amarrados,
querem ir…e ficam mais…
–CLEONICE RAINHO/MG–

Uma Trova Premiada

2011 – CTS-Caicó/RN
Tema – PEGADA – 7º Lugar

Ela chega e me incendeia,
mas é ventura fugaz,
como pegadas na areia
que a onda vem e desfaz.
–JOÃO COSTA/RJ–

Simplesmente Poesia

Cidade Grande.
–WELTON MELO/PE–

Cidade grande de ilusões e sonhos
cheguei em busca de oportunidade
mas vi que aqui a desigualdade
é um fantasma que se faz presente.
Em cada esquina ver-se uma criança
cheirando cola sem ter esperança
sentindo a falta de uma mãe ausente,
cidade grande, quanta e quanta gente
abandonou o seu torrão natal
e veio em busca de melhores dias
no colo duro desta capital.
Mas no tumulto da grande cidade
seu sonho veio a morrer prematuro
e estando em meio a desigualdade
viu que a paz e que a felicidade
estão distantes deste solo impuro.

Estrofe do Dia

Amor è um carpinteiro
que ri com ar de matreiro,
cerrando forte e ligeiro
na tenda do coração..
Põe pregos de resistência,
ferrolhos na consciência,
tranca as portas da razão.
–ADELAIDE DE CASTRO ALVES/BA–

Soneto do Dia

E n l e v o.
–DOROTHY JANSSON MORETI/SP–

Às vezes, quando a insônia bate à porta,
envolvo a mente em requintados véus,
e nela deixo apenas o que importa
para elevar meu pensamento aos céus.

Afasto a lógica indistinta e torta
que quer ligar-me ao jugo dos incréus,
e imersa na Poesia, que conforta,
de olhos cerrados “vejo” os meus troféus.

Cada um deles revela , em minha história,
o momento fugaz de alguma glória
que conquistei ao dom que Deus me deu.

A insônia vai fugindo lentamente…
E em canção de ninar macia e quente,
me entrego inteira aos braços… de Morfeu

Deixe um comentário

Arquivado em Mensagens Poéticas

Antonio Brás Constante (O Homem Atrás do Escritor, o Escritor Atrás do Homem)

O que são estas entrevistas?
Visando um meio de aproximar o público do escritor, de modo a que não enxerguem como tal , mas o homem que existe atrás dos livros, estou criando entrevistas selecionadas, enviadas a diversos escritores, que mostrará ao público leitor que atrás de seus livros, é um ser humano com sentimentos, opiniões, lutas, vitórias e derrotas.

São perguntas exclusivamente de cultura literária, não havendo envolvimento político, futebolistico, e qualquer outro ico. Caso tenha “bronca” de alguém em alguma pergunta, por favor, dê um nome geral, sem mencionar nomes. Por exemplo: O Lula está “ferrando” com a literatura. Então usemos, o Governo Federal não tem aplicado nenhum recurso a favor da literatura.

As perguntas procuram seguir uma ordem conforme os tópicos maiúsculos negritados. A intenção é que o colega escritor se sinta a vontade em responder aquelas que se sinta a vontade para falar. As de importância para nossa entrevista virtual estão negritadas, em itálico e sublinhadas.

Não há uma data para envio, deixando para que respondam dentro de seu tempo disponível.

NOTA DO AUTOR ENTREVISTADO: Antes de iniciar, gostaria de frisar aos que forem continuar lendo esta singela entrevista, que sou um escritor meio fora dos padrões convencionais ao termo (por isso mesmo definido como eterno aprendiz de escritor), por isso lhes peço, não me desejem mal…

INFANCIA E PRIMEIROS LIVROS

• Conte um pouco de sua trajetória de vida, onde nasceu, onde cresceu, o que estudou.

Parafraseando o Analista de Bagé, posso dizer que minha infância foi normal, o que não aprendi no galpão, aprendi atrás do galpão. Nasci em Porto Alegre e me perdi por Canoas, onde cresci. Me formei em Ciência da Computação, mas daí me apaixonei perdidamente pela escrita, e passei a ser seu escravo, transcrevendo os delirios que esta Diva sussura em minha mente.

Como era a formação de um jovem naquele tempo? E a disciplina, como era?

Não existiam computadores, algo que pode parecer meio pré-histórico para essa gurizada hi-tech, mas não vejo tanta diferença para os dias de hoje (também não sou tão velho assim), no fim tudo se resume a querer aprender, pois no nosso mundo ou você aprende enquanto é novo ou alguém te prende depois.

Recebeu estímulo na casa da sua infância?

Sim, meu maior estímulo foi ser péssimo em futebol, algo que me deu bastante tempo livre para me dedicar aos livros.

Qual o seu primeiro livro e do que falava?

Meu primeiro e único livro chama-se: “Hoje é seu aniversário – PREPARE-SE” e trata-se de um livro de crônicas que considero genérico aos livros do L.F. Verissímo, pois dispõe do mesmo princípio ativo: O Humor.

P.S: se a pergunta foi qual o primeiro livro que eu li, sinceramente não lembro…

Quais livros foram marcantes antes de começar a escrever.

Foram muitos, mas a série “para gostar de ler” foi bem importante para mim nessa época.

O ESCRITOR

• Fale um pouco sobre sua trajetória literária. Como começou a vida de escritor?

Minha vida literária se dividiu em duas partes. Na primeira etapa (fase adolescente) escrevi alguns textos na época do segundo grau (era assim chamado naqueles tempos), buscando melhorar minhas notas nas aulas de português, acabei gostando muito de escrever, mas tão logo concluí os estudos parei, adormecendo o escritor que dentro de mim existia. Somente ao final da faculdade voltei a escrever (quase quinze anos depois), graças ao empurrão de um grande amigo chamado Zé Gadis, que era chargista. A coisa começou como uma brincadeira, ele desenhava caricaturas dos colegas de empresa e eu fazia as mensagens para os cartões de aniversário. Aos poucos fui me viciando no ato de escrever, e não parei mais.

• Como foi dar esse salto de leitor pra escritor?

Foi estranho, tanto que até hoje me defino como um eterno aprendiz de escritor. Não me intitulo como escritor profissional, porque acho que isso acarreta uma responsabilidade muito grande, e não gosto de sentir este tipo de obrigação nas costas, como um fardo. Por isso prefiro ser um aprendiz, poder ousar, errar, viajar, tratando a arte de escrever como uma deliciosa brincadeira.

• Teve a influência de alguém para começar a escrever?

Além do meu amigo Gadis, do qual já citei antes, também tive as influências literárias de escritores como: L. F. Verissímo, Barão de Itararé e Douglas Adams.

• Tem Home Page própria (não são consideradas outras que simplesmente tenham trabalhos seus)?

Sim, todos os meus textos publicados estão disponíveis no site: recantodasletras.uol.com.br/autores/abrasc

• Você encontra muitas dificuldades em viver de literatura em um país que está bem longe de ser um apreciador de livros?

Viver de literatura?? Rsrsrs… isso existe?? Rsrss. Falando sério, na verdade eu tento dar vida a literatura, mas não sobrevivo dela. Algo que me chama a atenção neste País é que muitos leitores tem preconceito com a literatura nacional. São pessoas que consomem tudo que vem de fora, mas torcem o nariz para o que é produzido aqui.

Como foi que você chegou à poesia?

Para mim a poesia é como um arrepio de frio, um bocejo, um tropeção em uma pedra, chega sem aviso e se vai sem explicação. Para não perder a viagem acabo escrevendo o que senti naquele momento, mas não sou exatamente um poeta.

SEUS LIVROS E PREMIOS

• Como começou a tomar gosto pela escrita?

Quando comecei a rir do que escrevia, acho que o primeiro ponto para alguém se tornar escritor é gostar daquilo que escreve.

• Em que você se inspirou em seus livros?

No cotidiano, temperando situações do dia-a-dia com pitadas de humor.

Como definiria seu estilo literário?

Posso dizer que meu estilo literário ainda encontra-se em construção…

• Dentre os livros escritos por você, qual te chamou mais atenção? E por quê?

Foi o livro “Hoje é seu aniversário – PREPARE-SE” que por ter sido o único até o momento, me chamou a atenção por total falta de opções.

• Que acha de sua obra?

Fiz um livro que eu gostaria de ler se fosse outra pessoa, e olhando a obra desta forma posso dizer que considero este livro, como um filho textual. É um livro que apesar de não seguir o mesmo estilo literário dos livros da Bruna Surfistinha, também é cheio de gozação.

• Qual a sua opinião a respeito da Internet? A seu ver, ela tem contribuído para a difusão do seu trabalho?

Posso dizer sem sombra de dúvidas, que se não fosse a internet, meu trabalho como escritor praticamente não existiria.

• Tem prêmios literários?

Sim, fui vencedor do oitavo concurso de poesias, contos e crônicas, na categoria crônicas. Prêmio oferecido pela fundação cultural de Canoas. Também ganhei uma mochila cheia de chocolates BIS em uma promoção de frases da Nestlé.

CRIAÇÃO LITERÁRIA

• Você precisa ter uma situação psicologicamente muito definida ou já chegou num ponto em que é só fazer um “clic” e a musa pinta de lá de dentro? Para se inspirar literariamente, precisa de algum ambiente especial ?

Na realidade, para me inspirar a situação ideal seria poder relaxar em uma sauna com aproximadamente umas cinco beldades seminuas ao meu redor, mas como minha esposa desencoraja este tipo de “ambiente” para mim, argumentando silenciosamente com seu rolo de macarrão em punho, venho me contentando com um tempinho livre em qualquer lugar mesmo, onde possa rabiscar ideias para depois colocá-las no micro.

• Você projeta os seus romances? Ou seja, você projeta a ação, você projeta o esquema narrativo antes? Como é que você concebe os romances?

Não escrevo romances, mas as ideias sobre novos textos vem em golfadas dentro da minha cabeça, depois coloco tudo no papel (entenda-se “papel” o editor de texto) e vou aprimorando o texto até ficar de um jeito que acho interessante.

• Você acredita que para ser escritor basta somente exercitar a escrita ou vocação é essencial?

Acho que sem vocação, não haveria prazer em escrever e consequentemente a pessoa não seguiria por este caminho, ou se seguisse, não seria por muito tempo.

• Como surge o momento de escrever um livro?

O momento certo para se escrever um livro é quando uma editora cai do céu e se propõe a publica-lo. Se isto não acontecer, tente conseguir alguma verba para pagar a editora, e o resultado será o mesmo.

• Quanto tempo você leva escrevendo um livro?

Deixe-me ver… Escrevo um novo texto a cada semana, meus livros tem em média 28 textos, ou seja, levo em torno de sete meses para ter material suficiente para um novo livro.

• Como foi o processo de pesquisa para a escrita de seus livros?

Alguns textos realmente precisam de pesquisa, algo que poderia ser feito em várias bibliotecas ou utilizando o Google. Considero a pesquisa essencial para dar profundidade ao texto e para não escrever minhas “pérolas textuais” de forma equivocada.

• No processo de formação do escritor é preciso que ele leia porcaria?

Tudo depende do que a pessoa vai querer escrever. Eu, por exemplo, adoro ler gibis (considerados por muitos como porcarias), sou fã de tirinhas de jornal, e sempre que tenho tempo dou uma olhadinha no Big Brother Brasil.

O ESCRITOR E A LITERATURA

• Mas existe uma constelação de escritores que nos é desconhecida. Para nós, a quem chega apenas o que a mídia divulga, que autores são importantes descobrir?

Sou um curioso nato, gosto de sempre que possível experimentar coisas novas, comidas diferentes, autores diferentes, lugares diferentes. Vou aproveitar este espaço para divulgar o trabalho de um mestre-poeta que conheci ao acaso no mundo virtual, o Dário Banas (http://estranhamobilia.blogspot.com). Suas poesias são fantásticas.

• Na sua opinião, que livro ou livros da literatura da língua portuguesa deveriam ser leitura obrigatória?

É dificil opinar sobre o que seriam livros “obrigatórios”, já que sou adepto da leitura espontanea. Acho que se um autor consegue cativar um leitor, sua leitura já deveria ser desejada e incentivada, pois teria o seu mérito.

• Qual o papel do escritor na sociedade?

Com certeza seria um papel escrito. Rsrsrs. O escritor é aquele sujeito que cutuca o outro, chamando sua atenção para uma outra realidade. É função do escritor abrir as janelas da imaginação para que as pessoas possam olhar o mundo e viajar por ele.

• Há lugar para a poesia em nossos tempos?

Claro que há, sempre tem alguma gaveta vazia em algum lugar. Mas o melhor lugar para se guardar a boa poesia é dentro dos compartimentos de nossas mentes. A poesia não é um almoço que se come religiosamente todo santo dia, mas uma fruta suculenta que é sorvida, e escorre seu néctar pela boca, deliciosamente, saciando nossa fome poética.

A PESSOA POR TRÁS DO ESCRITOR

• O que o choca hoje em dia?

Quando percebo que a insensibilidade anda tomando conta do mundo, de tal forma que nada mais parece chocar, confesso que fico chocado.

• O que lê hoje?

Além das tradicionais bulas de remédio, cuja leitura é indispensável para uma vida saudável, leio o que me cai nas mãos, terminei há pouco de ler o livro “Ensaio sobre a cegueira” do Saramago. Por enquanto, estou apenas na companhia das revistas e suas reportagens criativas.

• Você possui algum projeto que pretende ainda desenvolver?

Atualmente ando respondendo um questionário sobre literatura da melhor forma possível, e confesso que estou adorando. Fico na torcida para que meu amigo virtual, José Feldman, publique estas minhas respostas espontâneas em seu portal. Não possuo outros projetos.

• De que forma você vê a cultura popular nos tempos atuais de globalização?

Toda raiz cultural começou através de uma veia popular, a cultura nasce no seio da população, enriquece e muitas vezes acaba elitista. Acho que a globalização é um bom instrumento de fomentar e divulgar a cultura, de termos contato com outras culturas.

CONSELHOS PARA OS ESCRITORES

• Que conselho daria a uma pessoa que começasse agora a escrever ?

Querer se consagrar como escritor é o mesmo que se lançar ao oceano buscando chegar a uma ilha repleta de tesouros, voce nada, nada e muitas vezes não acontece nada. Se desistir, ou se afoga, ou a maré te leva de volta para o anonimato de onde saiu. Por isso quero dizer para quem quiser começar a escrever, que escreva por prazer, sem querer visualizar um horizonte. Escreva pelo mesmo motivo que respira, para viver. A melhor recompensa para quem escreve é gravar para eternidade seus pensamentos, suas ideias, suas loucuras. O resto é pura consequencia.

• O que é preciso para ser um bom poeta?

Entendo que a poesia é uma forma de dança onde as frases ocupam o lugar dos movimentos. Não se escreve uma poesia para que ela seja “bonitinha”, a poesia é a essência dos sentimentos, derramados no papel de um jeito ritmado.

Gostaria de acrescentar mais alguma coisa? Outros trabalhos culturais, opiniões, crítica, etc.

Estou distribuindo meu livro em PDF gratuitamente para quem quiser conhecer a obra, basta me enviar um e-mail para : abrasc@terra.com.br e pedir uma cópia.

E para encerrar a entrevista

Quero agradecer a iniciativa do Feldman em ceder este espaço para que os escritores possam falar um pouco sobre suas obras e divulgá-las. Deixo aqui registrado meu muito obrigado.

• Se Deus parasse na tua frente e lhe concedesse três desejos, quais seriam?

PRIMEIRO pediria que ele aumentasse a dose de humanidade nos seres que se definem como humanos.

SEGUNDO Pediria a ele que largasse este bico de gênio realizador de desejos e voltasse a trabalhar em prol do mundo, já que depois do sexto dia (ele parou para descansar no sétimo) as coisas andaram piorando bastante por aqui.

TERCEIRO pediria para ele sair um pouco para o lado (já que ele estaria parado na minha frente) para que eu pudesse terminar de ver na televisão a sua maior obra, o seriado de “Os Simpsons”.


Gostaria de agradecer este momento em que você divide o escritor e a pessoa atrás do escritor com os leitores do blog. Cada escritor segue um caminho diferente, tem pensamentos diferentes, mas uma coisa eles tem em comum, dividir seus textos com o público. Já são lguns anos que Constante é colaborador do blog, enviando mensalmente seus textos. Mas, paremos por aqui, afinal Hoje é seu aniversário? Prepare-se.

Fonte:
José Feldman por e-mail com Antonio Brás Constante

Deixe um comentário

Arquivado em Entrevista, O Escritor em Xeque, Rio Grande do Sul

Ademar Macedo (Mensagens Poéticas n. 509)

Aniversário do Poeta Zé Lucas em Março
Uma Trova de Ademar

Qual um Profeta eficaz,
digo, por querer-te bem:
Tu vais viver muito mais
que viveu Matusalém…
ADEMAR MACEDO/RN– (Para Zé Lucas)

Uma Trova Nacional

Zé Lucas não viveria
em alegria completa,
sem o sertão e a poesia
dando mais vida ao poeta.
–WANDIRA FAGUNDES QUEIROZ/PR–

Uma Trova Potiguar

Contra o ente que fingisse
nutrir por nós, amizade,
bom seria que existisse
detector de falsidade.
–PEDRO GRILO/RN–

…E Suas Trovas Ficaram

Chega a noite… Fecho as portas,
nosso amor cresce, querida,
e a calma das horas mortas
nos abre as portas da vida!…
–ALOÍSIO ALVES DA COSTA/CE–

Uma Trova Premiada

2009 – Niterói/RJ
Tema – PRÊMIO – Venc.

Meu prêmio dentro da vida
foi fazer, na minha história,
de toda ilusão perdida
sempre mais uma vitória!…
–LARISSA LORETTI/RJ–

Simplesmente Poesia

Poemeto…
–HUGO ARAUJO/PE–

se a vida é uma pintura
o meu quadro é de revolta
pois dei várias pinceladas
numa natureza morta

… mas depois analisei
quão errado eu estou
a tinta da nossa vida
foi jesus que fabricou

aproveite então e pinte
colorindo uma tela
agradecendo ao divino
e pintando uma aquarela

Estrofe do Dia

Com a inspiração que navega
nas ondas da sua mente,
Zé Lucas sempre carrega
um mar de versos pra gente;
e quem ler sua poesia
sente uma doce magia
que só o seu verso traz;
e com rimas sempre novas,
ninguém no mundo faz trovas
como as Trovas que Ele faz!…
–ADEMAR MACEDO/RN– (Para Zé Lucas)

Soneto do Dia

José Lucas de Barros…
–DELCY CANALLES/RS–

Doze de março. Como eu gostaria
de poder abraçar-te, meu amigo,
de chegar em Natal, bem no teu dia!
Mas é sonho! Em verdade, não consigo!

E, com teus acadêmicos, queria
junto com Rose e, também, contigo,
poder falar de trova e de poesia
e deste afeto que trago comigo!

Aqui, no Sul, rodeada de coxilhas,
lembrarei nossa troca de sextilhas
e de trovas nascidas da afeição!

Tu sabes que eu te estimo de verdade,
que existe, entre nós, tanta amizade,
que não há mais distâncias, meu irmão!

Deixe um comentário

Arquivado em Mensagens Poéticas