Arquivo da categoria: Santo André

Pam Orbacam (1970)

Pseudônimo de Paula Miasato, que nasceu em Santo André, São Paulo, em 1970.

Formada em Pedagogia, trabalha, atualmente, como assessora de coordenação e mediadora em oficinas culturais e artísticas de um projeto da Secretaria de Educação e Formação Profissional da Prefeitura de Santo André.

É escritora e artista plástica.

Teve artigos publicados em sites literários e da Prefeitura de Santo André: Teve a publicação de um poema na “Agenda Cultural de Santo André”.

É prêmio prata no concurso internacional de poesias José Lins do Rego 2007.

Foi expositora individual de artes plásticas na 1ª Jornada de Ações Sociais ABCD Maior.

Foi brevemente convidada a participar de três antologias com poemas e mini-contos pelas editora Andross e Câmara Brasileira de Jovens Escritores.

‘Participação no CD ‘Todos por Um’ com as obras “Minha Morte” e “Alguma Coisa Assim”, produzido pela ARCA – Associação Ribeirãopirense de Cidadãos Artistas.

Fonte:
Saciedade dos Poetas Vivos n.6

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Biografia, Estado de São Paulo, Santo André

Pam Orbacam (A Poetisa em Xeque, por Carmo Vasconcellos)

SELMO VASCONCELLOS – Quais as suas outras atividades, além de escrever ?

PAM ORBACAM – Sou educadora não por opção, por mero acaso, por questão de sobrevivência mesmo. Escrevo para viver, não para sobreviver. Amo arte, sou artista plástica autodidata, poeta e contista.

SELMO VASCONCELLOS – Como surgiu seu interesse literário ?

PAM ORBACAM – Meu pai tinha uma estante cheia de livros dentro de casa. Ele tinha muito orgulho deles. Eu adorava fuçar na estante. Ainda não sabia ler, mas fazia de conta que lia. Quando aprendi a ler percebi que meu mundo poderia ser de papel. Meu mundo não foi, mas minha vida é.

SELMO VASCONCELLOS – Quantos e quais os seus livros publicados dentro e fora do País ?

PAM ORBACAM – Pode parecer descaso, mas não é. Simplesmente não tenho idéia de quantos livros participei. Guardo na memória ?”Vide Verso” e “Saciedade dos Poetas Vivos”. Números e nomes não têm importância para mim. Gosto mesmo é de escrever no meu blog. La estou em casa.

SELMO VASCONCELLOS – Qual (is) o(s) impacto(s) que propicia(m) atmosfera(s) capaz(es) de produzir poesia ?

PAM ORBACAM – Noite, Silêncio, definitivamente. A felicidade não provoca em mim inspiração. A dor e o cotidiano sim.

SELMO VASCONCELLOS – Quais os escritores que você admira ?

PAM ORBACAM – Clarah Averbuck, Pearl S. Buck, Nilo Oliveira, Rubem Fonseca. Olavo Bilac, Augusto dos Anjos, Fernando Pessoa.

SELMO VASCONCELLOS – Qual mensagem de incentivo você daria para os novos poetas ?

PAM ORBACAM – Escrever é um exercício de prazer, de descoberta, de aprimoramento. Escreva, escreva, escreva. Leia, leia, leia. Releia. Escreva. Um dia uma aluna minha de nove anos me perguntou: Como faço para escrever uma poesia? Eu disse: Pense em coisas que vocÊ gosta, em coisas que você odeia. Escreva sobre elas. Ela escreve coisas belas, leves, pesadas, como é a vida. Adoro “Lê-la”. Poesia é leveza e intensidade, desmedidamente na medida certa.

Fonte:
http://4.bp.blogspot.com/_LeZahUxRZc4/TBzjX9nSGDI/AAAAAAAABrQ/MLGvzCDM3oc/s1600/PAM3.jpg

Deixe um comentário

Arquivado em Entrevista, Estado de São Paulo, Santo André

Pam Orbacam (Cavalgada de Poemas)

ACIDEZ

Verdade cítrica
Saliva a boca
Num prazer agro.
Sorriso oculto
Nos olhos críticos
Do que profere.
Não é um teste
É tão somente
O deleite que dói
O que equilibra
Ou desequilibra,
O que confirma
Que fato e medo
São insolúveis.

ANALOGIA

Onde o sol jaz
E as palavras se dissimulam
Não há calor.
O juízo trepida
O olho entorpece
E a carcaça teima posicionar-se na vertical.

Onde a lua reverencia o escuro que a cerca
E as estrelas são velas caravelas
Que navegam sem discernimento
O frio abraça doce.
E eu amo.

Penso que estou
Imagino que sou
Porque se fosse
Jamais amaria
Por isso a certeza voraz que
Tudo não passa de falsa identidade.

APELO

Vinhas
Rosa e quente
Úmida e latente.
Vias
Entre cílios e pupilas
Saliva e lágrima.
O cálice seco,
A vulva molhada.
Hálito de vinho
Sussurrava
Apelo.

BORBOLETARIA

Se hoje minha vida secasse
E se ninguém se importasse
No dia seguinte eu borboletaria.
Faria vibrar o ar com minhas asas
E viveria apenas alguns dias.
Beijaria tenras flores,
Assistiria o mundo lá de cima
Desceria somente quando a fadiga chegasse…
E se, o cansaço fosse exorbitante
De tal forma que eu não conseguisse mais voar
Aí então eu mais uma vez eu morreria.
Sob a luz das estrelas, eu secaria.
E de fato ninguém perceberia
Porque ninguém se preocupa com as borboletas
Apenas cobiçam a sua liberdade.
Por isso eu borboletaria.

CASULO

Viver em silêncio. Doce silêncio.
Ruído nenhum. Nem luz, nem sombra.
Só a brisa do tempo.
Olhos fechados, assim como o corpo.
Silêncio sem movimento.
Sem fome, sem sede. Sem ninguém que abale meu terno silêncio.
Doce silêncio, doce sono, só sonhos…
Sonhos de um sono só.
Sozinha em minha cama, eu: pós lagarta, pré borboleta.

CHUVA

Chove.
Eu olho para o céu
Pescoço em seta
E não vejo de onde ela vem.
Brota no ar a chuva
Ou esconde sua nascente?
Molha ela meus olhos
Para que eu não a veja surgir?
Lacrimeja o céu em meus olhos
E me cega para sua raiz.

LABIRINTO

Luz e sombra… Encanta e cega.
Labirinto com espelhos.
Desnorteia…
Luz que não se apaga,
Sombra que abala o chão.
Calor e frio:
Quando quente, acolhe,
Quando frio, aparta.
Multidão e solidão.
Dia e noite.
De dia exposto
De noite, fetal.
Na multidão, acessível
Na solidão, comprimido.
O dia não existe,
Á noite é o parto.
Da nascente
Do sono profundo.
Encanto e desencanto
Lembrança e saudade
Amargura e doçura
Que assassina e ressuscita.
Ódio intenso sem tamanho.
Carinho imenso sem medida.
Audaciosa carência escondida
Em envelope sem destino.
Labirinto sem saída…
Caminho com curvas, muralhas,
Espelhos que iludem
A inexistente saída.
Voz que ordena,
Mãos que oferecem
Tortura e afago.
Boca que cala,
Olho que fala…
Eco no labirinto que
Enlouquece os sentidos.

LUZ

O cheiro e a umidade deixaram saudades.
O cheiro e a umidade agora se foram
E o rosa tão rosa das rosas agora é pálido
Como um anêmico crônico na ânsia por sangue fresco e quente,
Embora as borboletas nadem com sincronicidade no ar,
Embora as estrelas continuem a iluminar o céu,
Mesmo que mortas, mesmo que mortas.

O BEIJO

Basta.
Um toque úmido
É o beijo que aquece e
Em instantes morre.
Gela e seca a boca.

Diz adeus ao frio que corre
Dentro do peito,durante o beijo.
Diz adeus quando se acaba.
E o calor vai embora,
E a saliva evapora.
Um segundo na lembrança
Que se transforma em horas.

Ele basta,
É vida e morte,
Ressuscita e assassina,
Encontra e perde,
Aquece e gela,
Molha, seca,
Porém basta,
Por si só,
O momento do beijo.

O POETA

O poeta segurou minhas mãos
Abriu meus olhos
Espremeu meu coração.
O poeta secou minhas lágrimas
Molhou meu sexo
destrancou meu pensamento.
O poeta sugou meus olhos
Bebeu meu coração
Comeu minha alma.
O poeta assassinou
para fazer ressuscitar.

TRANCAS

Porque a porta
É o horizonte obsessivo
E o café coado
Ferrão da boca amante
Secreções
Sentidos semi-serrados
Onde se perdem as chaves
E o café cheira queimado.

Fontes:
http://4.bp.blogspot.com/_LeZahUxRZc4/TBzjX9nSGDI/AAAAAAAABrQ/MLGvzCDM3oc/s1600/PAM3.jpg
http://www.blocosonline.com.br/literatura/poesia/obrasdigitais/saciedigpv/06/pamorbacam03.php#borboletaria

Deixe um comentário

Arquivado em cavalgada de poemas, Estado de São Paulo, Santo André