Arquivo do mês: abril 2010

Raul de Leoni (Antologia Poética)

LEGENDA DOS DIAS

O Homem desperta e sai cada alvorada
Para o acaso das cousas… e, à saída,
Leva uma crença vaga, indefinida,
De achar o Ideal nalguma encruzilhada…

As horas morrem sobre as horas… Nada!
E ao Poente, o Homem, com a sombra recolhida
Volta, pensando: “Se o Ideal da Vida
Não veio hoje, virá na outra jornada…”

Ontem, hoje, amanhã, depois, e assim,
Mais ele avança, mais distante é o fim,
Mais se afasta o horizonte pela esfera…

E a Vida passa… efêmera e vazia:
Um adiamento eterno que se espera,
Numa eterna esperança que se adia…

HISTÓRIA ANTIGA

No meu grande otimismo de inocente,
Eu nunca soube por que foi… um dia,
Ela me olhou indiferentemente,
Perguntei-lhe por que era… Não sabia…

Desde então, transformou-se de repente
A nossa intimidade correntia
Em saudações de simples cortesia
E a vida foi andando para frente…

Nunca mais nos falamos… vai distante…
Mas, quando a vejo, há sempre um vago instante
Em que seu mudo olhar no meu repousa,

E eu sinto, sem no entanto compreendê-la,
Que ela tenta dizer-me qualquer cousa,
Mas que é tarde demais para dizê-la…

PLATÔNICO

As idéias são seres superiores,
— Almas recônditas de sensitivas —
Cheias de intimidades fugitivas,
De crepúsculos, melindres e pudores.

Por onde andares e por onde fores,
Cuidado com essas flores pensativas,
Que tem pólen, perfumes, órgãos e cores
E sofrem mais que as outras cousas vivas.

Colhe-as na solidão… são obras-primas
Que vieram de outros tempos e outros climas
Para os jardins de tua alma que transponho,

Para com ela teceres, na subida,
A coroa votiva do teu Sonho
E a legenda imperial da tua Vida.

CANÇÃO DE TODOS

Duas almas deves ter…
É um conselho dos mais sábios;
Uma, no fundo do Ser,
Outra, boiando nos lábios!

Uma, para os circunstantes,
Solta nas palavras nuas
Que inutilmente proferes,
Entre sorrisos e acenos:
A alma volúvel da ruas,
Que a gente mostra aos passantes,
Larga nas mãos das mulheres,
Agita nos torvelinhos,
Distribui pelos caminhos
E gasta sem mais nem menos,
Nas estradas erradias,
Pelas horas, pelos dias…

Alma anônima e usual,
Longe do Bem e do Mal,
Que não é má nem é boa,
Mas, simplesmente, ilusória,

Ágil, sutil, diluída,
Moeda falsa da Vida,
Que vale só porque soa,
Que compra os homens e a glória
E a vaidade que reboa
Alma que se enche e transborda,
Que não tem porquê nem quando,
Que não pensa e não recorda,
Não ama, não crê, não sente,
Mas vai vivendo e passando
No turbilhão da torrente,
Través intrincadas teias,
Sem prazeres e sem mágoas.
Fugitiva como as águas,
Ingrata como as areias.

Alma que passa entre apodos
Ou entre abraços, sorrindo,
Que vem e vai, vai e vem,
Que tu emprestas a todos,
Mas não pertence a ninguém.
Salamandra furta-cor,
Que muda ao menor rumor
Das folhas pelas devesas;
Alma que nunca se exprime,
Que é uma caixa de surpresas
Nas mãos dos homens prudentes;
Alma que é talvez um crime,
Mas que é uma grande defesa.

A outra alma, pérola rara,
Dentro da concha tranqüila,
Profunda, eterna e tão cara
Que poucos podem possuí-la,
É alma que nas entranhas
Da tua vida murmura
Quando paras e repousas.
A que assiste das Montanhas
As livres desenvolturas
Do panorama das cousas

Para melhor conhecê-las
E jamais comprometê-las,
Entre perdões e doçuras,
Num pudor silencioso,
Com o mesmo olhar generoso,
Com que contempla as estrelas
E assiste o sonho das flores…

Alma que é apenas tua,
Que não te trai nem te engana,
Que nunca se desvirtua,
Que é voz do mundo em surdina.
Que é a semente divina

Da tua têmpera humana,
Alma que só se descobre
Para uma lágrima nobre,
Para um heroísmo afetivo,
Nas íntimas confidências
De verdade e de beleza:

Milagre da natureza
Transcorrendo em reticências
Num sonho límpido e honesto,
De idealidade suprema,
Ora, aflorando num gesto,
Ora, subindo num poema.

Fonte do Sonho, jazida
Que se esconde aos garimpeiros,
Guardando, em fundos esteiros,
O ouro da tua Vida.

Alma de santo e pastor,
De herói, de mártir e de homem;
A redenção interior
Das forças que te consomem,
A legenda e o pedestal
Que se aprofunda e se agita
Da aspiração infinita
No teu ser universal.

Alma profunda e sombria,
Que ao fechar-se cada dia,
Sob o silêncio fecundo
Das horas graves e calmas,
Te ensina a filosofia
Que descobriu pelo mundo,
Que aprendeu nas outras almas

Duas almas tão diversas
Como o poente das auroras:
Uma, que passa nas horas;
Outra, que fica no tempo.

INGRATIDÃO

Nunca mais me esqueci! … Eu era criança
E em meu velho quintal, ao sol-nascente,
Plantei, com a minha mão ingênua e mansa,
Uma linda amendoeira adolescente.

Era a mais rútila e íntima esperança…
Cresceu… cresceu… e aos poucos, suavemente,
Pendeu os ramos sobre um muro em frente
E foi frutificar na vizinhança…

Daí por diante, pela vida inteira,
Todas as grandes árvores que em minhas
Terras, num sonho esplêndido semeio,

Como aquela magnífica amendoeira,
E florescem nas chácaras vizinhas
E vão dar frutos no pomar alheio…

ARTISTA

Por um destino acima do teu Ser,
Tens que buscar nas coisas inconscientes
Um sentido harmonioso, o alto prazer
Que se esconde entre as formas aparentes.

Sempre o achas, mas ao tê-lo em teu poder
Nem no pões na tua alma, nem no sentes
Na tua vida, e o levas, sem saber,
Ao sonho de outras almas diferentes…

Vives humilde e inda ao morrer ignoras
O Ideal que achaste… (Ingratidão das musas!)
Mas não faz mal, meu bômbix inocente:

Fia na primavera, entre as amoras.
A tua seda de ouro, que nem usas
Mas que faz tanto bem a tanta gente…

CIGANOS

Lá vêm os saltimbancos, às dezenas
Levantando a poeira das estradas.
Vêm gemendo bizarras cantilenas,
No tumulto das danças agitadas.

Vêm num rancho faminto e libertino,
Almas estranhas, seres erradios,
Que tem na vida um único destino,
O Destino das aves e dos rios.

Ir mundo a mundo é o único programa,
A disciplina única do bando;
O cigano não crê, erra, não ama,
Se sofre, a sua dor chora cantando.

Nunca pararam desde que nasceram.
São da Espanha, da Pérsia ou da Tartária?
Eles mesmos não sabem; esqueceram
A sua antiga pátria originária…

Quando passam, aldeias, vilarinhos
Maldizem suas almas indefesas,
E a alegria que espalham nos caminhos
É talvez um excesso de tristezas…

Quando acampam de noite, é no relento,
Que vão sonhar seu Sonho aventureiro;
Seu teto é o vácuo azul do Firmamento,
Lar? o lar do cigano é o mundo inteiro.

Às vezes, em vigílias ambulantes,
A noite em fora, entre canções dalmatas,
Vão seguindo ao luar, vão delirantes,
Alados no langor das serenatas.

Gemem guzlas e vibram castanholas,
E este rumor de errantes cavatinas
Lembra coisas das terras espanholas,
Nas saudades das terras levantinas.

E, então, seus vultos tredos envolvidos
Em vestes rotas, sórdidas, imundas.
Vão passando por ermos esquecidos,
Como um grupo de sombras vagabundas.

Lá vem os saltimbancos, às dezenas,
Levantando a poeira das estradas,
Vêm gemendo bizarras cantilenas,
No tumulto das danças agitadas.

Povo sem Fé, sem Deus e sem Bandeira!
Todos o temem como horrível gente,
Mas ele na existência aventureira,
Ri-se do medo alheio, indiferente.

E, livres como o Vento e a Luz volante,
Sob a aparência de Infelicidade,
Realizam, na sua vida errante,
O poema da eterna Liberdade.
=====================

Mais poesias de Raul de Leoni em http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/raul-de-leoni-poesias.html

Fontes:
– LEONI, Raul de. Trechos escolhidos. Org. Luiz Santa Cruz. Rio de Janeiro: Agir, 1961. (Série Nossos clássicos).
– LEONI, Raul de. Luz mediterrânea. São Paulo: Livraria Martins, 1959
– Colaboração de Antonio Manoel Abreu Sardenberg

Deixe um comentário

Arquivado em O poeta no papel, Poesias

Raul de Leoni: “Semeador de Harmonia e Beleza”

artigo de José Antonio Jacob

Raul de Leoni Ramos nasceu em Petrópolis-RJ, e faleceu na “Vila Serena”, em Itaipava-RJ, (30 de outubro de 1895 – 21 de novembro de 1926). Bacharel em Direito, prosador, diplomata e político. Chegou a eleger-se deputado estadual.

Acima dessas coisas foi poeta.

Foi o poeta de maior realce na última fase do simbolismo, e justamente considerado como uma das figuras mais notáveis do soneto brasileiro de todos os tempos.

Parnasianos, simbolistas e até modernistas o têm em alta conta, apreciando-o sem reservas. Cada um de seus versos tem sonoridade e ritmo primorosos, especialmente os dos sonetos, em decassílabos, mesclados de simbolismo e de modernismo, com tessitura clássica e técnica parnasiana. São versos considerados dos mais perfeitos: em idéia, filosofia, e essência das temáticas.

O seu ritmo peculiar e admirável de versificação, o conjunto de idéias sublimes de suas palavras, são os aspectos mais fortes que envolvem a magnífica harmonia da unidade de pensamento que existe em toda sua obra.

O nome de Raul de Leoni é dos mais reconhecidos pela crítica brasileira, não havendo uma só voz discordante, o que não acontece com outros poetas, sobretudo, os da sua época que eram conhecidos poetas independentes, Augusto dos Anjos, Alceu Wamosy , José Albano, Andrade Muricy e outros. Ao próprio Muricy declarou o poeta Alberto de Oliveira: “Raul de Leôni é o maior de vocês todos. Li o seu livro, agora, em Petrópolis, e é extraordinário”.

A mesma unanimidade não tem a crítica ao situar o poeta, em diferentes julgamentos, onde foi colocado nas escolas e posições poéticas as mais diferentes e contraditórias. Enquanto alguns dos seus críticos o consideram um genuíno parnasiano, outros enxergam nele o simbolista autêntico, terceiros acreditam ter sido um neo-parnasiano e outros o situam num grupo completamente independente das regras poéticas e influências de escolas e movimentos literários.

Todavia a crítica literária brasileira é unânime em assinalar a alta linhagem clássica da poesia de Raul de Leoni, fundada na homogeneidade da sua primazia gramatical, temática e métrica, e consolidada no seu bom gosto literário, reconhecidos como impecáveis, desde a sua época até os dias atuais.

Diante da grandeza da sua escassa obra e da diversidade da crítica, ao situar o poeta nesta ou naquela escola literária, não existe aqui propósito de fazer análise da obra de Raul de Leôni: com respeito e admiração reconhecemos não existir a menor possibilidade de alguém tentar fazer, em poucas palavras, um julgamento ou estudo crítico legítimo sobre a prosa, filosofia e poesia de Raul de Leoni.

A sua poesia embora contenha formas antigas e clássicas, é caracterizada por um imperecível espírito de modernidade, o que lhe assegura compreensão ilimitada e aperiódica, e o introduz na seleta plêiade dos poetas imortais.

Para melhor entendimento sobre a poesia de Raul é preciso voltar ao século passado, precisamente em 1922, quando publicou o seu livro clássico “Luz Mediterrânea”, onde está a essência da sua poesia, (grande parte em sonetos decassílabos) no meio da “explosão” do modernismo no Brasil.

Já em 1919, segundo alguns críticos ainda sob a ascendência parnasiana, ele publicara o extraordinário poema “Ode a um Poeta Morto” em homenagem a Olavo Bilac.

Depois do acontecimento da “Semana de Arte Moderna”, em 1922, os integrantes deste movimento, simpatizantes do “futurismo”, do “dadaísmo”, do “imagismo”, do “surrealismo”, do “ultraísmo” e principalmente do “concretismo”, que segundo um dos seus mais importantes seguidores, Haroldo de Campos, “a melodia na música, a figura na pintura, o discurso-conteudista-sentimental na poesia são fósseis gustativos que nada mais dizem à mente criativa contemporânea”, iniciaram, em São Paulo, e depois país afora, uma implacável crítica objetivando a destruição das “fórmulas já caducas” e “tradicionais” dos poetas parnasianos, simbolistas, românticos, e dos demais gêneros de poesia consagrados pelo tempo, logrando, extirpar, definitivamente, das letras brasileiras, os preceitos considerados “ultrapassados” pelo indeclinável julgamento modernista que havia no Brasil de então.

De todos os poetas brasileiros, de qualquer escola onde existissem regras poéticas, incluindo os independentes, o único que não sofreu sequer um sopro de menosprezo do assíduo fôlego da “corrente modernista brasileira” foi Raul de Leoni.

Seus sonetos, de métricas perfeitas, repletos de metáforas e de concepções filosóficas extraordinárias, corriam nos cadernos de poesia dos moços e moças da época, que compreendiam aqueles versos de palavras doces, que continham, ao mesmo tempo, tanta simplicidade e tanto esclarecimento.

Ao homem erudito a mensagem poética de Raul de Leoni causou, em todos os tempos, uma exclusiva distinção, pois que, se ao adolescente é de fácil entendimento, ao homem letrado dá o sinal da desmedida idéia que ele tinha sobre a profundidade dos mistérios da vida (ou das “cousas” da vida, conforme ele mesmo) porque, segundo alguns críticos, ele foi um profundo conhecedor da Alma Humana.

Rodrigo Melo Franco de Andrade, prefaciando “Luz Mediterrânea”, único livro de verso do poeta, escreveu: “Para Raul de Leoni, as idéias representam seres vivos”. (…) “Ele foi entre nós, e o foi com singular grandeza, o único poeta de emoção puramente filosófica”.

Os seus sonetos “Ingratidão”, “História Antiga” “Perfeição” “Legenda dos Dias” e “Argila”, popularíssimos, de indizível simplicidade e de extraordinária beleza, estão entre os sonetos brasileiros mais importantes e imperecíveis.

Segundo Agrippino Grieco, em artigo sobre os inéditos de Raul de Leôni, o soneto “Ingratidão”, um dos mais bonitos e singelos, foi casualmente encontrado, por Luís Murat, no álbum íntimo de poesias de uma encantadora dama dos meios sociais de Santa Catarina, com uma especial dedicatória do poeta, que já a havia esquecido.

A 1ª edição do “Luz Mediterrânea”, de 1922, saída, em vida do autor, por ele mesmo organizada, começa com o poema “Pórtico” (onde ele se desvencilha, quase por completo, dos laços da influência do Parnaso brasileiro) e termina com o “Diálogo Final”, tendo sido os “Poemas Inacabados” (que o poeta, ao pressentir a morte prematura, pediu para sua mulher queimar, e ela não compreendeu o seu pedido) que fazem parte da 2ª edição, e das edições seguintes, foram anexados ao “Luz Mediterrânea” pelos outros editores das mesmas.

O soneto “Argila”, que muitos chamaram “Eufemismo”, considerado um dos mais bonito da sua obra, não foi publicado antes por respeito que o poeta tinha pelos escrúpulos cristãos e religiosos de sua mãe, já que alguns de seus amigos, equivocadamente, achavam que o soneto tinha conotação pagã e erótica. Somente após a morte do poeta e da mãe, Dona Augusta Villaboim Ramos, e cessados os motivos para a publicação o soneto foi publicado.

Segundo Agrippino Grieco este soneto “todo brasileiro deveria saber de cor”.

Após a sua morte em Itaipava seu corpo foi conduzido para Petrópolis, que lhe prestou suas últimas homenagens, sepultando-o à sombra do Cruzeiro das Almas, erigindo-lhe um mausoléu e dando o seu nome a um trecho da Rua Sete de Setembro.

Quase oitenta anos da sua morte e Raul de Leoni é venerado por seus inúmeros leitores, mas ainda não chegou às carteiras universitárias dos cursos de Letras do nosso pais, onde por mérito poético, e para o bem dos estudantes da poesia brasileira, já deveria estar presente, se algum outro, menos competente e mais favorecido, não estivesse ocupando o seu lugar
======================
Biografia de Raul de Leoni em http://singrandohorizontes.blogspot.com/2009/06/raul-de-leoni-1895-1926.html

Fonte:
Colaboração de Antonio Manoel Abreu Sardenberg

Deixe um comentário

Arquivado em Sopa de Letras

Andreia Donadon Leal recebe Medalha da Académie des Arts, Sciences et Lettres

A ex-aluna do Curso de Letras da Universidade Federal de Ouro Preto (1998-2001), a artista plástica mineira Andreia Donadon Leal – de nome artístico Deia Leal, reberá a Medalha de Bronze da Académie des Arts, Sciences et Lettres, sob a égide de René Flament, fundada em 1915, coroada pela Academia Francesa, cujo Patrono é o Presidente da República da França, Senhor Nicolas Sarkozy, no dia 05 de junho de 2010, em Paris, pelos relevantes serviços prestados à cultura, às letras e às artes no Brasil.

A artista plástica é formada em Letras pela UFOP, Pós-graduada em Artes Visuais – Cultura & Criação, Membro de diversas instituições culturais e Academia de Letras. Seus trabalhos foram expostos na Alemanha, Espanha, Itália, França, Chile, China, Polônia, República Tcheca, México e outros países.

Em 2009 ganhou o Certame Internacional de Artes Plásticas promovido pela Asociación Cultural Valentin Ruiz Aznar e pela Secretaria de Cultura de Maracena – Espanha, com participação de 35 países. Venceu diversos concursos literários e projetos de incentivo à leitura – vencedora do VivaLeitura – 2009 – com o Projeto: Poesia Viva: a poesia bate à sua porta.

Essa Academia ocupa um lugar privilegiado, dentro da defesa, encorajamento e promoção da Cultura através das Artes, Ciências e Letras. Um dos objetivos é enfatizar, promover e premiar o trabalho dos dirigentes, criadores, promotores, produtores e de talentos eméritos nessas disciplinas.

A Academia conta com o brilhante trabalho dos Delegados na França e no mundo inteiro, cuja devoção é apresentar futuros candidatos que mereçam receber as mais altas insígnias das Artes, Ciências e Letras.

Essa premiação é a coroação dos relevantes serviços prestados ao longo de suas carreiras dentro das suas atividades intelectuais, profissionais, culturais e sociais, realizados em seus países.

Alguns Laureados nos últimos 94 anos:

Citamos alguns laureados ao longo desses 90 anos de existência:
Rainha da Bélgica, Rainha Sikit da Tailândia, Louis Lumiére, Cardeal Verdier, Sacha Guitry, Louis Breguet, Colette, Marie Curie, Marcel Prevost, Georges Duhamel, Marisa Bastie, Paul Claudel, Marcel Pagnol, Yves Duteil, Paul Belmondo, Jean Yves Cousteau, Line Renaud, Christian Cabrol, Jean Marie Lehn, Jean Carriére, Xavier Emmanuell, François Nourrissier, Maurice André, Cardeal Paul Poupard, Abdoulaye Wade, Presidente do Senegal, Michelle Morgan, Professor Alain Berthoz, Remo Forlani, Princesa Lalla Meryem de Marrocos, Peter Bloch, Soledad Lopez, David Douillet, Campeão Olímpico de Judô, Colette, Professor Pasteur, Alain Decaux, Os Irmãos Farman, Maurice Schumann, Pierre Osenat, Mick Micheyl, Yves Berger, Traian Basescu Presidente da Romênia, Fabrice Luchini, Milton Nascimento, Milton Gonçalves, José Wilker, Marcos Pontes, Mauricio de Sousa, Ignácio Coqueiro, Maria Rita, Edgardo Martolio, Gerald Thomas Aloysio Legey, Ruy Ohtake,Joel Zito de Araujo, Isis Berlinck Renault, Seu Jorge, Leci Brandão, Ângela Leal, Professor Erasmo Nuzzi, Pedro Garcia, Hamilton Faria, Alcione, Antonio Pitanga, Altay Veloso, Gagliastri, Nikko Kali, Stella Leonaros, Lygia Bastos, etc…

Laureados Brasileiros de 2009.

Nesse ano de 2009, a Academia outorgou suas insígnias a 200 Laureados do mundo inteiro.
Medalha de Ouro 2009:

A cantora Alcione, o compositor Altay Veloso, o ator Antonio Pitanga, a escritora Lygia Bastos, o escritor Antonio Campos, o escultor Gagliastri, o artista plastico Nikko Kali, a poeta Stella Leonardos.

Medalha de Prata 2009:

A estilista, Simone AZANK, as escritoras, Mme. Mara BASTOS, Eliane DANTAS, Maria Emilia GENOVESI, Mme. Maria Amélia PALLADINO, Betty SILBERSTEIN; os artistas plásticos, Marilza CASOTTI, Rosina D’ANGINA, Sonia MADRUGA, Leopoldo MARTINS, Celso PARUBOCZ, BERENIC, Therezinha de Araujo LIMA, Elda Evelina VIEIRA; os escritores, Elvandro BURITY, a soprano, Leda MONTEIRO LEITE MARIOTTO,

Medalha de Bronze 2009:

Os artistas plásticos: A. BARBOSA, Cris BRAHENCHA, Marcelo BRILHA, Tina DUBAG, Bia FINKIELSZTEJN, Mel GAMA, Solange PALATNIK; a escritora Monica Yvonne ROSEMBERG.

Fonte:
– Colaboração de J. B. Donadon

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias Em Tempo

XVI Jogos Florais de Curitiba (Classificação Final – Âmbito Estadual)

Tema IMAGEM (Líricas-filosóficas)

VENCEDORES

– A. A. de Assis (Maringá)
– Gerson Cesar Souza (São Mateus do Sul)
– Maria Lúcia Daloce (Bandeirantes
– Neide Rocha Portugal (Bandeirantes)
– Vanda Fagundes Queiroz (Curitiba)

MENÇÕES HONROSAS

– Maria Lúcia Daloce (Bandeirantes)
– Neide Rocha Portugal (Bandeirantes)
– Nei Garcez (Curitiba)
– Roza De Oliveira (Curitiba)
– Wandira Fagundes Queiroz (Curitiba)

MENÇÕES ESPECIAIS

– A. A. de Assis (Maringá)
– Amália Max (Ponta Grossa)
– Maria Da Conceição Fagundes (Curitiba)
– Vanda Fagundes Queiroz (Curitiba)
– Wandira Fagundes Queiroz (Curitiba)
======================
Tema PIJAMA (Humorísticas)

VENCEDORES

– A. A. de Assis (Maringá)
– Lucília A. T. Decarli (Bandeirantes)
– Luiz Hélio Friedrich (Curitiba)
– Maria Lúcia Daloce (Bandeirantes)
– Maurício N. Friedrich (Curitiba)

MENÇÕES HONROSAS

– Gerson Cesar Souza (São Mateus do Sul)
– Maria Aparecida Pires (Curitiba)
– Neide Rocha Portugal (Bandeirantes)
– Vanda Alves da Silva (Curitiba)
– Vanda Fagundes Queiroz (Curitiba)

MENÇÕES ESPECIAIS

– A. A. de Assis (Maringá)
– Istela Marina Gotelipe Lima (Bandeirantes)
– Neide Rocha Portugal (Bandeirantes)
– Nei Garcez (Curitiba)
– Wandira Fagundes Queiroz (Curitiba)

Fonte:
UBT/Curitiba

Deixe um comentário

Arquivado em Concursos de Trovas, Resultados de Concursos

Trova Triste – Ivan Augusto de Andrade Teixeira (Ribeirão Preto/SP)

Ivan Augusto de Andrade Teixeira, natural de Ribeirão Preto (11/8/47) morre, a 20 de abril de 2010. Professor e Técnico em Contabilidade pelo Colégio Amaro Cavalcante, sempre esteve envolvido com atividades sócio culturais. Como sócio fundador da União Brasileira de Trovadores, deixou boas trovas premiadas em concursos de diversas entidades trovadorescas. Foi sepultado no jazigo da família. Ivan Augusto era filho da profa. Ophélia e do trovador Nilton da Costa Teixeira.

Deixe um comentário

Arquivado em Ribeirão Preto, Trovas

Antonio Brás Constante (Ameaças Ameaçadoras por Telefone)

(O telefone toca).

– Alô?

– Escuta bem cara, nóis tamo com a tua filha aqui com a gente e se não rolar grana ela morre, sacou?

– Filha? Que filha? Quiçá em outrora eu ainda tivesse uma filha, mas expulsei aquela delinqüente de minha residência e da minha vida há meses.

– Não brinca, mané. Se tu não passar a grana, eu e meus mano vamo fazê ela. Tá me entendendo cumpadi?

– Se vocês forem “fazer” ela, aconselho que tomem cuidado. Ela fazia ponto na esquina aqui de casa sabiam? Um escândalo. E este foi apenas um dos motivos pelos quais eu a expulsei daqui…

– Então tá, ô esperto. Se tu não tem apego com a tua filhota, nóis vai acha tua esposinha e judiar dela. Que tal? Agora tu vai colaborar?

– Se acharem, podem ficar com ela. Mas prometam que vão judiar bem dela. A ordinária fugiu com nosso vizinho Edward, levando todas as economias que tínhamos no banco, em conta conjunta. Eu nunca pude me vingar do que ela fez. Se pegarem os dois, posso até tentar arrumar algum dinheiro para vocês, mas tem que me garantir que vocês vão torturar aqueles desalmados com vontade.

– Olha aqui Sangue bom, vamo fazê melhor então. Nóis vamo toca fogo na tua baiúca e ver se tu ri disso, que tal?

– Prometem que fazem isto? Seria fantástico, já que a casa está no seguro. Se queimarem ela, que por sinal foi hipotecada pela safada da minha “ex”, vão estar me fazendo um bem enorme…

– Malandro, tu ta tirando onda com a nossa cara. Saca só, nóis vai te pega e mete três azeitona nas tuas fuças, te borda na bala, tá ligado?

– Eu… Depois de tudo que aconteceu, estava pensando em me matar mesmo… Só não tive coragem de cometer tal ato de suicídio, e aplacar esta dor atroz que esmaga meu coração… Vocês fariam isso por mim?

– Caramba, Zé ruela! Tu não te sensibiliza com nada? A gente até ia desistir de te amolar, mas não podemo deixa barato assim. Vamo te que se vinga de ti cumpadi.

– E como pretendem fazer isto, seus bárbaros execráveis e sem cultura? Façam o que quiserem. Sou um ser amargurado pela mordaz crueldade do destino. Um arremedo humano que não liga mais para nada…

– Vamo vê se tu diz isto depois que a gente largar a “encomenda” aí no teu colo.

– Que encomenda?

– Tua sogra reclamona e teu cunhado bebum, seu mané. Nóis seqüestrou ele e a velha, mas não quis abrir o jogo logo de cara, pois achou que tu não ligava muito pros dois. Mas depois de passar um tempo com eles aqui no cativeiro, a gente se ligou do castigo que os dois são, e resolvemo entrega eles ai bunito, e é o que vamo fazê agora.

– NÃO, eles não! Quanto dinheiro vocês querem para ficar com os dois?

– Esquece brou. O lance agora é pessoal. Daqui a pouco tamo largando eles aí pra morar contigo.

– Não, isso não! Tenham um pouco de humanidade, de compaixão, de clemência, por favor, Não! NÃO! NÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃO!

Fonte:
Colaboração do autor.

Deixe um comentário

Arquivado em O Escritor com a Palavra

Nilto Maciel (Aqueles Homens Tristes)

Deitou-se ao lado da mulher, como se preparasse para morrer, sem uma palavra, um gesto de carícia, qualquer menção de repetir cotidianas cenas de brutalidade e desejo. Fechou os olhos e imobilizou-se. Queria apenas pensar, pensar ilimitadamente, desprender-se de todos os laços palpáveis de seu conhecimento, perder-se por corredores e labirintos, por horizontes e profundezas. Desordenar as coisas, as pessoas, o mundo. Fazer redondos os quadrados, aparar arestas, encrespar as formas planas, reduzir a montículos as grandes montanhas, agigantar-se. Como em noites idas.

Não conseguia compreender como e por que tudo se deformava e nunca teve coragem de contar nenhuma de suas descobertas a ninguém. A não ser as mentiras menos assombrosas: aquela porção de frutas amontoadas, a paulada na cabeça de fulano, a tempestade, os monstros. Umas já se haviam perdido no tempo ou tinham ocorrido com outras pessoas. Às vezes discutiam, se ameaçavam e até se matavam, raivosos, incapazes de ouvir tantos disparates, insultos, desafios.

E a mulher, os filhos, os companheiros de caça, o resto será que não saía, um pouquinho só, além dos limites da mesmice? Ou também sentiam medo de contar novidades?

De noite, depois de fechar os olhos, entregar-se ao invisível, tudo virava de cabeça para baixo, transformava-se, confundia-se. A mulher se fazia outra, os filhos morriam, sumiam, se batiam contra feras. Os bichos se devoravam, violentos, estraçalhavam-se, sangrentos. Muitas águas, muito fogo, ventanias de arrastar homens e animais. E nada era verdade, quando não era mentira. Sua mentira.

Não, talvez não fosse bem assim. De dia, os olhos viam o mundo e o mundo existia. De noite, os olhos de dentro viam o mundo, porém um outro mundo.

Abriu os olhos, levantou-se, suado e trêmulo, e olhou para as estrelas que piscavam no céu e para o fogo que ardia ao redor das cabanas. A mulher dormia, os filhos dormiam, todos dormiam. Deu dois passos, escutou o grito dos bichos e sentou-se numa pedra. Aonde andavam as milhares de pessoas de minutos atrás? Onde estavam aquelas construções enormes, feito cabanas sobre cabanas? E os objetos que se locomoviam, feito tartarugas de rodas, a conduzir gente, às carreiras? E os outros que voavam, feito pássaros? O que fazia tanta gente ajoelhada, diante de imagens de barro e homens que falavam de “morada do céu”? E por que quase todos não paravam de suar, o dia todo a derrubar árvores, cavar o chão, lavrar a terra, bater ferros, sob as ordens de uns poucos? Que diabo significavam pedaços de papel coloridos e numerados que aqueles recebiam dos chefes e trocavam por comida, roupa, objetos variados de propriedade dos mesmos chefes?

O sol se anunciou vermelho e encantatório por detrás das montanhas. E se lá vivessem aqueles homens tristes?

Fonte:
MACIEL, Nilto. Contos Reunidos vol.1. Porto Alegre: Bestiário, 2009. p.14.
– Imagem = http://sequicosacro.blogspot.com/

Deixe um comentário

Arquivado em O Escritor com a Palavra