Arquivo da categoria: Ourinhos

Zélia Guardiano (Dia Irremediavelmente Triste)

Triste como um tigre
Cativo
Atrás de grades

Triste como a naja
Contida
Na vitrina
Do serpentário

Como o visionário
Mal vestido
Numa camisa
De força
Como o condenado
Rumo à forca

Como a transitoriedade
Da beleza
Como a falta de pão
Na mesa

Como a queda suicida
Do almiscareiro
Do Himalaia

Como o cardo
Em guerra
Contra o trigo

Como a partida
De um amigo
No domingo

Assim amanheceu
Meu dia

Como o lírio espetado
Na ikebana
Como a carta agourenta
Da cigana

Como o colibri
Ao ver seu ninho
Colhido pelo vendaval

Como o efeito
De um tsunami
Como o juízo final

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em A Poetisa no Papel, Ourinhos, Poesias, São Paulo