Arquivo da categoria: Piauí

José Galas / PI (Caderno de Poemas)


ENGENHO DE LETRAS

Cansado de letras cansadas
letras de ofício
quase tão mortas
quanto o fim do dia.

É mais o que engendram
do que o engenho delas
que atrofia.

É como porfia de partilha:
uns a querem morta
outros nua.
De nada adianta copular
com a forma.
O que sobrevive
é de pura teimosia.

E pensar que o tempo passa
entre o dedal e a linha
quase num suspiro.

CABEÇA DE POETA

Não um troféu se safári, ornamento.
Um bicho vivo arrastando a carcaça
para não morrer em lugar comum:

O instinto transmutado
longe das doces palavras.

DIÁSPORA

Aqueles aos quais me apeguei
estão distantes agora
Uns morreram por terra
outros correram por fora
De sorte que nada resta
afora gibão e espora
Eu mesmo me plantei aqui
entre o mar, o sertão e a espera.

Se perguntares a quem combato
Digo-te: a mim mesmo
bicho do mato.

ARRANJOS FLORAIS

não queira no galho
colher a rosa viva
nem no livro agasalhar
a pétala caída

CRIADOR DE GATOS

deixe-me dormir
amanhã tenho tempo de sobra:
frito ovo arrumo a casa faço carinho no gato
ah!? não tenho gato!?
tanto faz
com tempo sou capaz de inventar
um.

UMA JANELA AO LADO DA CAMA

nenhuma aurora
nem pomar
meus olhos dão para alqueires
de luzes,
os automóveis passam desligados
e estou cansado desse sabor…

O HOMEM E O TEMPO

O homem pára,
fuma seu cachimbo.

Que matéria ousaria perturbá-lo?
O tempo não é feito de têmporas
nem o homem de tâmaras.
Cada um a seu feitio
engendram-se.

O homem fuma,
o tempo esfuma-se
e não passa.

CARAMUJO

às vezes me encontro caramujo
o mar vem, rola…
o caminho percorrido a água apaga
a onda passa
o mar me devolve.

ANTROPOFLOR

A flor é diferente
na boca de cada poeta
Pode ser palavra só
sem aroma, adorável
palavra beija-flor
um conto
A flor na boca de cada poeta
é a flor
que ele come.

Fonte:
Antonio Miranda.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Piauí, Poemas

Alcenor Candeira Filho (Antologia Poética)

SOS

sempre
sós
como ondas:
ontem hoje após.

sempre
sós
somos:
eu e tu e vós…

quanto
sobra
são
sombras
em torno de nós.

sombras,
só,
quando
e onde:
SÓS! SÓS! SÓS! SÓS!

somos

nós
sonhos
enquanto não pós.

SOMBRAS ENTRE RUÍNAS

Sombras e mais sombras
de sombrios olhares
num mundo de ruínas
andam lentamente.

Estão sempre mudas
tristes e cansadas.
E nem sonham mais
com um mundo que seja
menos miserável.

A voz que, aqui,
ali ou acolá,
de quando em vez
se levanta e quebra
a monotonia
grave do silêncio,
logo se esmaece
no deserto imenso.

E só ardentes preces,
ditas em segredo,
dia e noite sobem,
sobem para um céu
mais longe que perto.

DIANTE DA PORTA DA VIDA MORTA

Diante da porta
da vida morta,
devo sorrir
ou devo chorar?

Há deste lado
belas estrelas
que um dia talvez
possa alcançar.
Belas estrelas,
mas que me assombram
e fazem mal
ao meu olhar.
Por trás da porta
da vida morta,
em meio a um branco
transcendental,
o que haverá?
o que haverá?

Belas estrelas
dos meus assombros,
por gentileza
dizei-me vós:
diante da porta
da vida morta
devo sorrir
ou devo chorar?

PRÓXIMO
Para Ana Lúcia

estou bem próximo
de onde me encontro.
o espaço é belo
e brando o tempo.

aqui agora
olho e escuto
e cheiro e toco
e degluto
porque tudo
está perto
e posso fazê-lo
suavemente
sem ânsia
infinita
do impossível
a distância.

estou bem perto
do que me cerca.
é belo o espaço
e afável o tempo.

mas além do sonho
mais à luz da razão
o pensamento
vai para bem distante
daqui neste momento
– incompreensivelmente.
——

Deixe um comentário

Arquivado em Antologia, Piauí

Alcenor Candeira Filho (1947)

Alcenor Rodrigues Candeira Filho

Nasceu em Parnaíba (PI), em 10 de fevereiro de 1947.

Poeta, cronista, ensaísta e professor. Bacharel em Direito, procurador do INSS. Atual Secretario de Educação de Parnaiba.

Esteve à frente de movimentos culturais de sua terra natal, através do jornal Inovação, juntamente com outros jovens intelectuais. Poeta, cronista, ensaísta, conferencista, crítico, historiador literário, diplomado em direito, professor, advogado, membro de diversas entidades culturais.

Embora tenha nascido e vivido em cidades ensolaradas (Parnaíba e Rio de Janeiro), Alcenor Candeira Filho faz uma poesia muitas vezes marcada por toques soturnos, indagações existenciais, deixando a alma vagar “em grandes trevas”. É nesses temas sombrios que o poeta mais se manifesta como cantor de si mesmo. Quando se afasta desse eu poético é para entregar-se ao prazer do exercício de uma poesia asséptica que ele próprio designa como “exercícios de metalinguagem”. Então, como em outras ares em que mergulhe, há sempre o fluxo do ritmo, da musicalidade, do domínio da arte poética como construção técnica. Seu livros mais recente, Seleta em verso e prosa, como diz o título, reúne uma coleção de artigos e poemas que bem o apresentam como prosador amante de sua cidade, mestre de história e técnica literária além de poeta de plena intimidade com a poesia de língua portuguesa, daquela dos primeiros romanceiros até à síntese da práxis.” BENJAMIM SANTOS (Extraído do jornal Bembém, 32, agosto 2010)

Pertence à:
Academia Parnaibana de Letras
União dos Escritores do Brasil (UBE-PI).
Academia Piauiense de Letras, cadeira n. 19.

Bibliografia:
Sombra Entre Ruínas, 1975;
Rosas e Pedras, 1976;
Das Formas de Influência na Criação Poética, 1980;
Aspectos da Literatura Piauiense, 1993;
A Insônia da Cidade, 1991;
Literatura Piauiense no Vestibular, 1995;
Redação no Vestibular, 1996,
Memorial da Cidade Amiga, 1998.
O Crime da Praça da Graça ( 2008).

Fonte:
http://proparnaiba.com/artes/escritores-do-1-salipa-alcenor-candeira-filho.html?quicktabs_1=0

Deixe um comentário

Arquivado em Biografia, Piauí

Zito Batista (1887-1926)

Raimundo Zito Batista nasceu no povoado Natal, hoje município de Monsenhor Gil/Piauí, em 16 de setembro de 1887. Adolescente, foi para Teresina com o irmão Jônathas Batista (1885 -1935), que depois se revelaria teatrólogo.

Escreveu poesias desde moço. Mais sonhador ou romântico que o irmão, Zito entregou-se de corpo e alma ao poder embriagante da poesia.

Por essa época, em Teresina, uma mocidade sonhadora dominava a cidade. Poesias, crônicas, cartas amorosas e os acontecimentos sociais que pudessem trazer alegrias ou tristezas ao meio eram traduzidos em versos por jovens poetas que se iniciavam em literatura.

Autodidata, jornalista e poeta, fundou as revistas Cidade verde e Alvorada, sendo diretor da Imprensa Oficial do Piauí.

Foi membro da Academia Piauiense de Letras.

Estreou na poesia em 1909, com a coletânea Almas irmãs, em parceria com Celso Pinheiro e Antônio Chaves, sendo o responsável pela parte intitulada Pedaços do coração.

Depois publicou Chama extinta, 1918 e Harmonia dolorosa, 1924, obras poéticas bem aceitas pela crítica brasileira, merecendo inclusive elogios por parte de Olavo Bilac e Afonso Celso.

Faleceu no Rio de Janeiro, em 20 de outubro de 1926,

Fontes:
http://www.antoniomiranda.com.br
http://www.revistaamalgama.hpg.ig.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Biografia, Piauí

Folclore do Piauí (Barba Ruiva, o duende filho de Iara)

As fábulas e as lendas, são estórias que devem ser contadas e recontadas, para que não se percam as vigas mestras da formação de um povo”
Rosane Volpatto

Um mundo de mistérios nos envolve. Por detrás das lendas há um novo mundo que nos aguarda. Um mundo que vive dentro de nós e que aspira reflexões, mas raramente damos ouvidos a esta “voz interior”, que nada mais é do que a nossa consciência-intuição que busca apresentar soluções para os nossos problemas, dos mais insignificantes aos mais importantes. Somente o diário exercício da compreensão e da paciência nos abrirão as portas para este mundo silencioso e tão íntimo.

Para mantermos nosso equilíbrio, precisamos manter unidos o interior e o exterior, o visível e o invisível, o conhecido e o desconhecido, o temporal e o eterno, o antigo e o novo. E…nenhuma outra pessoa pode empreender esta tarefa por nós!

A Lenda do Barba Ruiva nos fala de como uma “voz” pode ficar aprisionada e sofrer com a indiferença daqueles que não querem ouvir.

A LENDA…

Esta é uma lenda popular sobre a Lagoa de Paranaguá no Piauí, que por volta de 1830, já era conhecida. Conta-se que de tão pequena (a lagoa), era quase uma fonte e que cresceu por encanto. Tal magia aconteceu mais ou menos assim:

Na Salinas, ponta leste do povoado de Paranaguá, vivia uma viúva muito pobre com três filhas. Certo dia, a sua filha mais nova adoeceu sem que ninguém conseguisse o fato que produzira tal moléstia. Permaneceu triste e pensativa até que descobriu que esperava um menino de seu namorado que morrera, sem ter tido a oportunidade de levá-la ao altar.

Chegando ao tempo de dar à luz ao bebê, a moça embrenhou-se nos matos, porém, arrependida, resolveu abandonar a criança. Deitou o filhinho em um tacho de cobre e colocou-o dentro da lagoa. O tacho afundou, mas foi trazido à tona pela Iara, que tremia de raiva e amaldiçoou a moça que chorava à beira da lagoa.

Enraivecida, a Iara provocou o crescimento das águas, que em uma enchente sem fim, alagavam, encharcavam e aumentavam sem cessar. “Tomou toda a várzea, passando por cima das carnaubeiras e buritis, dando onda como maré de enchente na lua”, nos conta Câmara Cascudo. Desde então, a lagoa tornou-se um lugar mágico, onde se ouvem estranhas vozes e observam-se luzes de origem desconhecida.

Todos os que já se atreveram a morar às margens da lagoa, tiveram que fugir assustados, pois durante à noite, ouviam o choro de um bebê, procedente do fundo das águas, como que solicitando o peito da mãe para alimentar-se. Mas, com o passar dos anos, o choro cessou.

Conta ainda a lenda, que às vezes surge das águas um ser humano que pela manhã é um menino, ao meio-dia um rapaz de barbas ruivas e, pela noite, um velho de barbas brancas. Muito tímido, foge dos homens quando é visto, porém aproxima-se das moças bonitas para observá-las e depois foge. Este é um dos motivos pelas quais as mulheres evitam de lavar roupas sozinhas.

O Barba Ruiva, como ficou conhecido, é tido como filho de Iara, a Sereia. Pacífico, a entidade não fere e não maltrata ninguém e é tido como um duende bom. A sina à qual está preso, só terminará quando uma mulher atirar sobre sua cabeça algumas gotas de água benta e algumas contas de um rosário, para convertê-lo então, ao cristianismo.

Bibliografia
O Folklore Piauiense – Leônidas e Sá (Litericultura, II, 125-128 e 363-370)
Folklore no Brasil – Basílio de Magalhães
Lendas Brasileiras – Câmara Cascudo

Fontes:
http://www.rosanevolpatto.trd.br/lendabarbaruiva.htm
Imagem = http://indiosdobrasilsomostodosirmaos.blogspot.com

Deixe um comentário

Arquivado em Folclore Brasileiro, Piauí

Ramsés Ramos (Caldeirão Poético do Piauí)

HAY KAI DA ESPERA
(ao mário quintana)

enquanto você
guarda e aguarda
eu aguardente
(Teresina,02.09.87)

HAI-KAI DO AMANHECER

a ponta do dia
feria o horizonte:
amanhecia …
(1987)

SAUDADE ME BOTOU NA PAREDE

— há de chorar

mas eu sei que a rede
em que me reparto
é um banquete raro
tanto fino quanto farto

saudade triscou no gatilho
— impossível não prantear

mas eu sinto que o ato
entre o partir e o ficar
é o fico, não o parto

SAUDADE REMOÇO MEUS DESERTOS

— hei de carpir

mas eu vejo que a lei
de que é feito meu império
pertence à fina grei
do eterno mistério
(Brasília, 17.7.94)

SETE PECADOS DO AMOR

o melhor amor é o que não faz alarde
(mar como arde)
ao melhor amor nunca se esquece
(mas quem merece?)
melhor amor sempre tem dinheiro
(onde, o banqueiro?)
o melhor amor é desinteressado
(todo mundo é culpado!)
melhor amor jamais atraiçoa
(desse se caçoa)
o melhor amor te amará eternamente
(quanto se mente!)
o melhor amor, enfim, de tudo abdica
(esse, com quem fica?)
––––––––––––––––

Ramsés Ramos (1962-1998)
Nasceu em Teresina, Piauí, descendente de família de músicos. Viveu em Brasília e trabalhou nas Nações Unidas, como chefe do Cerimonial e de Relações Internacionais. Viveu também na Tchecoeslováquia e na Espanha. Faleceu na Rússia.

Lançou seis livros de poesia: Dois Gumes (1981), com Rosário Miranda; Envelope de Poesia (coletivo); Dança do Caos (1981), com Kenard Kruel, Eduardo Lopes, William Melo Soares e Zé Magão; Percurso do Verbo (1987); Baião de Todos (coletivo, 1996); e Poemas da Paixão (Praga, 1992).
––––––––––––––
Fonte:
Antonio Miranda
– TAVARES, Zózimo. Sociedade dos Poetas Trágicos. Vida e obra de 10 poetas piauienses que morreram jovens. 2 ed. Teresina, Piauí: Gráfica do Povo, 2004.

Deixe um comentário

Arquivado em haicais, notas biográficas, Piauí, Poesias